Queda de 50% na ocupação dos hospitais privados e aumento de custos com Covid-19 devem reduzir funcionários e leitos disponíveis

 

 

Hospitais do Paraná podem não sobreviver à pandemia do

 coronavírus se medidas urgentes não forem tomadas

 

O Sindipar – Sindicato dos Hospitais e Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Paraná – estima uma queda de 50% na ocupação dos hospitais do Estado e prevê uma consequente redução no quadro de funcionários e leitos das instituições privadas nos próximos dias. Os representantes do setor esperam que soluções propostas pela entidade – como isenção de taxas de luz e água e isenção de ISS (Impostos sobre Serviços) – sejam aceitas pelo Governo para diminuir O prejuízo na casa de milhões para as instituições e cortes em todos os setores.

 

A queda na ocupação de leitos foi impulsionada pelas medidas de contenção à Covid 19, situação que fez com que a maioria das cirurgias e consultas eletivas fossem canceladas, causando um esvaziamento dos hospitais. O Paraná tem 484 hospitais privados (filantrópicos e não filantrópicos) e públicos. São aproximadamente 28 mil leitos no Estado, sendo 4,3 mil leitos de UTI.

 

“Apenas metade desses leitos estão ocupados hoje causando prejuízo e dívidas para as instituições”, aponta o presidente do Sindicato dos Hospitais e Estabelecimentos de Saúde do Paraná (Sindipar) e da Federação das Santas Casas de Misericórdia e Hospitais Beneficentes do Estado do Paraná (Femipa) Flaviano Feu Ventorim. Ele explica que as associações que representam os hospitais se uniram para propor medidas que evitem o endividamento das instituições e garantir que os hospitais não fechem as portas como consequência da situação.

 

Além da queda de 50% dos leitos nos hospitais particulares e filantrópicos, o atendimento clínico também sofreu alteração. A estimativa do Sindipar é que 60% dos atendimentos foram cancelados desde abril. “Essa realidade já pode causar uma redução de 30% no quadro de funcionários”, revela Ventorim, sem descartar a possibilidade de novas demissões acontecerem nos próximos dias.

 

O Sindipar está propondo planos de incentivo ao setor para evitar o colapso financeiro, mas ainda não obteve retorno do governo. “A resposta precisa ser urgente para que as portas dos hospitais não fechem com a pandemia”, diz o presidente do sindicato. Ele explica que todos os hospitais representados pelo Sindipar operam com taxa de ocupação reduzida, mas que os custos fixos de cada instituição não diminuíram, o que causa prejuízos ao fluxo de caixa. A estimativa é que o faturamento dos hospitais tenha caído cerca de 60%.

 

 

Sindipar, Fehospar, Ahopar

*com divulgação

 

Categorias:AGÊNCIAS DE COMUNICAÇÃO, AGENDA DA SEMANA, AGENDA DO FIM DE SEMANA, BRASIL, COLUNA VANESSA MALUCELLI, DIVIRTA-SE, evento, FREE LIFESTYLE, LANÇAMENTOS, SAÚDETags:, , , , , , , , , ,

VanessaMalucelliAndersen

Colunista do Site — Divirta-se Curitiba!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s