Live apresenta diversos jogos e brincadeiras para as crianças fazerem em casa

Evento digital acontece neste sábado

Quem tem criança em casa talvez esteja enfrentando um dos maiores desafios da atualidade: como usar a tecnologia positivamente? Se antes, a ideia era tirar as crianças da telinha, agora a grande busca talvez seja pela dose certa de tempo conectado já que tudo acontece nela. Isso vai além das aulas que agora são remotas, inclui o entretenimento.

Para a sorte não só dos pequenos grandes espectadores, mas também dos pais, diversos artistas de diferentes segmentos têm se dedicado a produzir conteúdo para se manter próximo do seu público. Um deles é a Parabolé Educação e Cultura, usina de soluções culturais e projetos educativos voltados para crianças e educadores. Para atender a essa nova forma de consumo cultural, eles transmitem neste sábado, dia 08, às 16h, uma Live Brincante no seu canal no Youtube.

O comando é do arte-educador Nélio Spréa, que vai receber os artistas Rafael Barreiros e Milene Dias. Juntos, eles vão apresentar 50 minutos recheados por jogos de mãos e cenas engraçadas. Escolhemos justamente esse tema para instigar as crianças a serem protagonistas da live, ou seja, elas assistem, mas simultaneamente são convidadas a fazer o mesmo que nós estaremos fazendo do outro lado da telinha”, explica Spréa.

Para lembrar rapidamente, jogos de mão é uma brincadeira clássica que permeia a infância de gerações. Babalu, Tim Tim Castelo, Lagarta Pintada, Com Quem Será, Pikachu, Batom, Popeye, Parara Parati e Dom Dom Lero são algumas delas. “Inclusive nesta semana estamos lançando um jogo de mão criado pelos nossos convidados da Live que traz como tema o CoronaVírus, para reforçar de forma lúdica os cuidados que as crianças devem ter nesse momento”, conta Spréa. É uma releitura do clássico “Aonde Vai Fifi”. Para acompanhar toda essa diversão é só seguir o canalparabole no Youtube e, também, nas redes sociais @parabole.com.br. A transmissão é aberta. Porém, não ficará disponível para assistir em outro momento. Quem quiser vai poder contribuir com os artistas durante a transmissão, pois serão indicadas formas de doação de ingresso ao chapéu virtual, porém, sem obrigatoriedade.

Releitura jogo de mão
Aonde Vai Fifi ganhou uma versão atualizada para a realidade do momento, chamando a atenção das crianças (e também dos adultos) para os cuidados frente à pandemia do novo coronavírus. A música que pergunta “aonde vai fifi?, aonde vai fifi?”, tem como resposta “vou na janela”. Agora, na nova versão, a resposta é “vou ficar em casa”; “para me proteger".

Aonde vai Fifi, aonde vai Fifi?
Ficar em casa, ficar em casa
Pra que Fifi, pra que Fifi?
Me proteger, me proteger.
De que Fifi, de que Fifi?
Coronavírus, coronavírus
Lavou as mãos Fifi, lavou as mãos Fifi?
Meus parabéns, meus parabéns!

Serviço
O que: Live Brincante
Quando: sábado, dia 08 de agosto, às 16h
Onde: Canal Parabolé Curitiba no Youtube
Quanto: chapéu virtual

Hashtags: #livekids #jogosdemao #criança #pandemiacomcriança #parabole #parabolecuritiba #liveparacriança

Crédito de fotos: Divulgação

CTB Querência Santa Mônica representa a cultura brasileira na 59ª edição do Folclorize

Neste ano, por conta da pandemia, as apresentações do maior festival folclórico do Estado serão transmitidas on-line

O tradicional e já conhecido Centro de Tradições Brasileiras Querência Santa Mônica com seus mais de 30 anos de atividades, participará novamente neste ano do maior evento folclórico do Estado, a 59ª edição do Festival Folclórico de Etnias do Paraná, o Folclorize, que ocorrerá entre os dias 15 e 30 de agosto. Neste ano, contudo, devido à pandemia do novo coronavírus as apresentações acontecerão em formato diferente, em ambiente virtual. A apresentação do CBT Querência Santa Mônica será no dia 25 de agosto de 2020, às 20h, no Facebook e YouTube do Festival.

O tema encenado nesta edição, pelo CTB, relata a história de uma menina de 9 anos, chamada Lolo, que nasceu praticamente dentro da Tapera do Patrão e sempre acompanhava os espetáculos no Teatro Guaíra. Porém, ela tinha um sonho: ser uma das personagens das apresentações. Com a notícia da pandemia e a impossibilidade de criar uma coreografia neste ano, Lolo revisitando fotos antigas, depara-se com uma de um espetáculo, e como num passe de mágica o folclore ganha vida e convida Lolo, para uma viagem no tempo on-line, trazendo os personagens do CTB dos Festivais de 2010 a 2019. Juntos, assistem às danças do folclore nacional já apresentadas. Resta uma dúvida: Será que isso aconteceu, ou foi criação da sua imaginação?

O tema escolhido reforça a participação da tecnologia e das redes sociais, ao mesmo tempo, ampliando as relações entre os seres humanos, mesmo de longe sem aquele contato físico, mas por videoconferência. O espetáculo de 2020 terá duração de aproximadamente 50 minutos e nele, os espectadores poderão acompanhar 13 danças folclóricas e coreografias teatrais realizadas pelo CTB Querência Santa Mônica nos últimos 10 anos no festival, inclusive com algumas participações do Grupo Folclórico Germânico Alte Heimat.

Sobre o CTB Querência Santa Mônica

Fundado em 1989, o CTB Querência Santa Mônica, do Santa Mônica Clube de Campo, procura manter a rica tradição e a cultura folclórica do povo brasileiro. Segundo o patrão do grupo, Idair Lima, um dos objetivos centrais do CTB é a propagação do folclore brasileiro, para mostrar o quão rico culturalmente é o nosso país, com tantas diferenças e belezas. "Justamente pelo tamanho do território, muitas vezes os próprios brasileiros não têm o conhecimento de culturas tradicionais de outros Estados, e aí que nós entramos, um pouco de história e muita arte em forma de teatro e dança", diz.

Idair comenta ainda que, por meio do CTB também buscam levar o folclore nacional para outros países, com o pensamento agora inverso, de dentro para fora. "Neste momento de pandemia, acreditamos que por meio da arte é possível levar entretenimento, desenvolvendo e empatia no outro, o que nesse momento isso é crucial", conclui.

Sobre o Festival Folclórico de Etnias do Paraná – Folclorize

Marca registrada do Paraná, o evento tem como objetivo promover a cultura e a tradição folclórica difundindo suas raízes e costumes das várias regiões do Estado e também do Brasil. Chegando a sua 59ª edição, este ano por conta da pandemia, pela primeira vez o evento ocorre de forma on-line, com os grupos apresentando suas danças e coreografias por meio de vídeos.

SERVIÇO:

CTB Querência Santa Mônica participa da 59ª edição do Folclorize que será virtual

Data: 25 de agosto de 2020.

Horário: 20h.

Local: plataforma on-line Facebook e Youtube

Mais informações: https://festivalfolclorico.unicultura.com.br/

GRUPO LANTERI CANCELA PAIXÃO DE CRISTO DESTE ANO

A encenação, tradicionalmente apresentada na Sexta-Feira Santa, tinha sido adiada para setembro, mas agora foi definitivamente cancelada.

Por conta da pandemia do Covid-19 a apresentação deste ano do espetáculo “Paixão de Cristo”, do Grupo Lanteri, que sempre ocorre na Sexta Feira Santa, tinha sido inicialmente transferida para setembro, mas devido ao crescente número de casos no Paraná e em Curitiba, a apresentação de 2020 foi definitivamente cancelada.
“Estamos acompanhando as medidas de enfrentamento à pandemia do novo coronavírus e por segurança achamos que esta é a melhor decisão a ser tomada, esperamos que no próximo ano tenhamos condições de realizar o espetáculo na data prevista”, informa Aparecido Massi, diretor artístico do Lanteri.
A encenação do Grupo Lanteri é a segunda maior, ao ar livre, do Brasil, ficando atrás apenas da Nova Jerusalém, em Pernambuco, e envolve cerca de 1.200 mil voluntários entre atores, técnica e produção e atrai um público superior a 20 mil pessoas. A apresentação deste ano seria a 43ª montagem da peça que teve início na Vila São Paulo/Uberaba, em Curitiba, no ano de 1978. Desde 2018 o espetáculo tem sido realizado no Parque Cachoeira, em Araucária, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC).

De Curitiba para o mundo: escola de teatro musical oferece formação virtual e tem alunos de diferentes localidades

Projeto Broadway inova com a criação de formato de aulas artísticas online, com preço acessível e especialistas renomados.

Aprender música, teatro, dança e produção audiovisual sem precisar sair de casa. É isso o que propõe a Virtual Academy - programa de desenvolvimento e treinamento artístico criado pela Escola Projeto Broadway, primeira escola de teatro musical do Sul do Brasil. Além de ampliar o acesso dos alunos ao conteúdo - com estudantes até mesmo de outros países - o formato inovador permite a participação de profissionais renomados da área de diferentes localidades. Entre eles estão Tristan Aronovich (SP), Tony Lucchesi (RJ), Laila Garin (RJ), Hanny Lissa (PR), Edilene Alves (BA) e Miriam Spritzer (NY), que se juntam ao time de 14 especialistas em teatro musical do Projeto Broadway, com sede em Curitiba.
Diferente do formato “EAD”, em que os alunos aprendem com vídeos gravados pelos professores, a Virtual Academy tem aulas online ao vivo. Isso permite que o participante tire dúvidas com os especialistas na hora, além de garantir as orientações necessárias durante a execução de alguma atividade. Além disso, o material também fica gravado e disponível para o aluno caso ele queria rever.
De acordo com uma das diretoras da escola, Giovana Póvoas, a ideia surgiu após as adaptações que foram feitas com as turmas tradicionais, desde que o isolamento social começou. “Com a pandemia, nós continuamos nossas atividades com as aulas online e, ao longo deste tempo, vimos que a experiência tem sido positiva”, conta.
Desde o início das atividades remotas, a escola já registrou a participação de alunos de Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Bahia, São Paulo, Rio de Janeiro e até de Dubai. A formação é voltada para artistas em qualquer fase da carreira e também para quem quer desenvolver o lado artístico mas ainda não tem conhecimento técnico sobre a área.
Conheça mais em:

Imagens: https://www.instagram.com/projetobroadway/

Contato para agendar entrevistas: Ana Flavia Silva (41) 98470-2280

ISOLAMENTO PRODUTIVO

NÚCLEO DE PROJETOS AUDIOVISUAIS DE CURITIBA (NPA) REALIZA ENCONTROS REMOTOS DURANTE A PANDEMIA.

Mesmo com a pandemia do Coronavírus, o NPA – Núcleo de Projetos Audiovisuais de Curitiba tem conseguido dar continuidade ao trabalho. O isolamento social não impediu os encontros que, desde março, têm acontecido de forma remota e têm sido bem produtivos. O desenvolvimento dos projetos selecionados para a edição de 2020 tem sido acompanhado virtualmente pelos orientadores do Núcleo, o roteirista Daniel Tavares, que vive em Fortaleza/CE e a cineasta curitibana Jessica Candal Sato. Os encontros são gratuitos e têm sido realizados a cada três semanas com o objetivo de oportunizarem orientações e desenvolvimento dos roteiros e ideias, cultivando a troca a partir da fala e da escuta entre os roteiristas.

“O formato online tem sido bem produtivo durante a pandemia, pois nossos roteiristas têm tido mais tempo para se dedicarem aos seus projetos e ao processo em geral”, conta Marcelo Munhoz, coordenador do NPA.

Ao longo dos seis meses, de fevereiro a agosto, o projeto previa também o oferecimento de mais três masterclasses com profissionais de renome da área, abertas ao público, além da inaugural realizada em fevereiro. Com as mudanças, a coordenação do Núcleo está reformulando o formato e viabilizando a execução online o que possibilita o aumento no número de masterclasses e variedade de assuntos.

“Estamos levando o projeto para a internet. Se, por um lado, perdemos uma parte dos encontros presenciais, por outro, teremos um alcance maior de público e de resultados, além de oferecer uma opção cultural relevante em tempos de quarentena”, ressalta Munhoz.

Apesar da tendência de todos os encontros serem virtuais, assim como as masterclasses, a equipe quer realizar a Mostra Final, evento onde os roteiros são apresentados ao público e às produtoras da cidade, de forma presencial, caso a situação sanitária do país esteja normalizada.

“O momento é muito pesado, mas encaramos a escrita e o cinema como trincheiras possíveis. O momento é de mapear tais trincheiras e ocupá-las. A arte é um elemento poderoso”, diz Daniel Tavares, orientador do NPA.

Projeto aprovado no Programa Estadual de Fomento e Incentivo à Cultura | PROFICE da Secretaria de Estado da Comunicação Social e da Cultura | Governo do Estado do Paraná. Apoio: COPEL.Conta ainda com o apoio da Fundação Cultural de Curitiba e da Prefeitura Municipal de Curitiba.

SOBRE A TAMBOR MULTIARTES

O NPA é uma inciativa da Tambor Multiartes e teve origem no Núcleo de Dramaturgia Cinematográfica do SESI/PR e no Núcleo Audiovisual SESI/PR que formou roteiristas e ajudou a desenvolver projetos de 2012 a 2015. O Núcleo de Crítica de Cinema em 2016 veio consolidar a formação de pensamento sobre a realização audiovisual. Outro projeto realizado pela Tambor foi o Ficção Viva que trouxe importantes cineastas ibero-americanos para ministrar oficinas de roteiro em Curitiba, como Karim Aïnouz, Kleber Mendonça, Guillermo Arriaga (México), Lucrecia Martel (Argentina) e Pedro Costa (Portugal).
Marcelo Munhoz, um dos coordenadores geral do NPA, além de fundador da Tambor, foi um dos idealizadores do Projeto Olho Vivo que realizou o Ponto de Cultura Minha Vila Filmo Eu, trabalho de ensino de cinema na Vila das Torres, em Curitiba, que obteve reconhecimento nacional. A Tambor Multiartes realizou ainda o documentário A Grande Nuvem Cinza, com direção de Marcelo Munhoz. Para saber mais visite o site: www.tambormultiartes.com

Grupo de MPB lança produção com 48 artistas em casa no evento cultural online da UFPR; banda de médicos no combate à pandemia também integra programação

Segunda edição do Movimento Conexão será dias 25 e 26 de junho e terá 14 atrações gratuitas com diferentes estilos musicais, aula de forró, batalha de poesias e webinários

É de Aldir Blanc a letra da canção que será interpretada por 48 artistas do Grupo de MPB da UFPR em suas casas. Em um vídeo com mosaico de vozes e sons, cantores e instrumentistas vão homenagear o compositor brasileiro que morreu por Covid-19 cujo nome virou lei que prevê auxílio emergencial à cultura durante a pandemia. A produção será lançada na segunda edição do evento cultural online Movimento Conexão, que será transmitido gratuitamente nos dias 25 e 26 de junho das 15h às 18h pelo Facebook da Agência Escola UFPR. Ao todo, serão 14 atrações com diferentes estilos musicais, aula de forró em clima de festa junina, sarau e batalha de poesias e webinários – confira a programação completa neste link (http://www.agenciacomunicacao.ufpr.br/site/?p=1609).

A canção que será apresentada pelo Grupo de MPB da UFPR foi composta por Aldir Blanc na década de 1970 e celebrizada por Elis Regina. Regente do Grupo de MPB da UFPR, Vicente Ribeiro conta que a letra retrata questões sociais vividas pelo Brasil na época, mas que tem muita relação com o momento atual. “Parece que foi feita para o tempo que estamos vivendo”. O nome da música será surpresa ao público a critério do grupo.

Com novos elementos técnicos e artísticos, a apresentação SOS Brasil encerrará o Movimento Conexão às 17h30 do dia 26, sexta-feira – na primeira edição do evento o Grupo de MPB apresentou a performance “Dança do Ouro”. “Com essas produções virtuais, mostramos que continuamos fazendo arte, que a arte está viva. A arte se confunde com a própria vida e nos humaniza, nos torna pessoas melhores”, acrescenta Vicente ao se referir ao contexto de pandemia.

Coordenadora da Agência Escola UFPR e diretora do Setor de Artes, Comunicação e Design (Sacod), a professora Regiane Ribeiro destaca que a segunda edição do evento potencializa as diferentes linguagens artísticas, além de ampliar a participação dos campi avançados da UFPR. “A programação traz diversidade de atrações e linguagens de grande relevância dentro do contexto cultural da cidade e da universidade”.

O Movimento Conexão é uma realização da Agência Escola de Comunicação Pública UFPR em parceria com o Setor de Artes, Comunicação e Design (Sacod) e a Pró-Reitoria de Extensão e Cultura (Proec) da Universidade.

Pluralidade

Para a produtora cultural do Sacod, Patricia Salles o diferencial do Movimento Conexão é mostrar produções da UFPR com trabalhos e pesquisas de alunos, professores e técnico-administrativos e ao mesmo tempo dialogar com convidados de outros segmentos ou instituições. “A curadoria do evento é sempre pensada a partir de uma pluralidade tanto das linguagens artísticas quanto de público e formato de conteúdo”.

“Buscamos trazer propostas que fossem diferentes do que o público conferiu na edição passada e também atrações que fossem diferentes entre si em termos de estilo, temática e linguagens artísticas”, acrescenta Kleiton Costa, produtor cultural da Coordenadoria de Cultura da Proec. Para ele, o destaque é a própria diversidade do evento, que mistura música pop e clássica, poesia, debates e forró com atrações para todos os gostos.

Banda de médicos no combate à pandemia

Rogerio de Fraga, Marcos Sigwalt, Luiz Araújo, Alexandre Soares e Marcelo Wada são médicos formados na UFPR e atuam no combate à pandemia de Covid-19 seja linha de frente ou na gestão. Ao Movimento Conexão trarão arte para o público no dia 25, quinta-feira, às 17h30, com apresentação da banda de rock Uso Utópico que criaram em 2004. Recentemente o formando de Medicina Gabriel Schier de Fraga também passou a integrar a banda.

“É recompensador poder compartilhar algo lúdico neste momento tão reflexivo e doloroso para tantas pessoas. A música é uma das conexões humanas mais ancestrais que existe. É um exercício excelente para a saúde mental e social”, diz o médico Rogerio de Fraga, que também atua no Complexo Hospital de Clínicas da UFPR, e vocalista da banda Uso Utópico.

Orgulho LGBTI

No mês do orgulho LGBTI, o Movimento Conexão traz o webinário “Gênero e cultura pop: identidades LGBTI+ nas animações seriadas” no dia 26, sexta-feira, às 16h30. Mestrandos em Comunicação na UFPR, Leonardo José Costa e Romão Matheus Neto discutem as animações seriadas como materialidade para se pensar questões de gênero na cultura pop.

Ainda na sexta-feira, dia 26, às 15h30, Jeruza Miller, drag queen pianista com carreira internacional, apresenta o projeto PianoDrag unindo piano e canto em repertório clássico, jazzístico e popular. “O mês do orgulho LGBTI é uma visibilidade para a comunidade. Artistas que defendem e contribuem para a diversidade também devem ter a oportunidade de apresentar o seu trabalho. Nesse momento de pandemia é importante que essas plataformas virtuais aconteçam”, diz.

Fotos em alta resolução: bit.ly/movimentoconexao

Link da notícia no portal UFPR: https://www.ufpr.br/portalufpr/noticias/grupo-de-mpb-lanca-producao-com-48-artistas-em-casa-no-evento-cultural-online-da-ufpr-confira-programacao-completa/

CONTRATEMPO FESTIVAL REÚNE MAIS DE 100 ARTISTAS DE TODO PARANÁ

Evento online, na próxima terça-feira (23), é também um manifesto da classe, que aguarda o pacote de medidas de apoio ao setor cultural prometido pelo Governo do Estado do Paraná para maio

Nasce um novo espaço para exaltar o poder transformador da cultura e levar sanidade às pessoas isoladas devido a pandemia. Artistas do Paraná se unem para a primeira edição do Contratempo Festival, um evento online, com mais de 100 ações ao vivo durante 12 horas consecutivas. As transmissões serão entre 9h e 21h de terça-feira, dia 23 de junho, no canal do Instagram das/dos artistas.

Contratempo Festival traz a multiplicidade e versatilidade do setor cultural: música, teatro, cinema, circo, literatura, performances, dança, artes plásticas, fotografia, juntas em um só evento. A cada hora, apresentações exclusivas que prometem surpreender as espectadoras e espectadores. Serão oito artistas solo, companhias e/ou bandas por hora. Karol Conka, Alexandre Nero, Fabíula Nascimento (única que será no twitter porque seus perfis foram ocupados por pessoas negras em junho), A Banda Mais Bonita da Cidade, Ave Lola, Baque Mulher, Mandicuera, Mulamba, Cia dos Palhaços, Letícia Sabatella, Janine Mathias, Dow Raiz, Fotofolia, Rimon Guimarães, Slam das Gurias CWB, Caburé Canela, De um filho, de um cego, Abacate Contemporâneo, Luís Melo, Katiuscia Canoro e cia brasileira de teatro, entre outros, outras e outres movimentam a terça-feira do Paraná.

Mais que apresentações, o evento é um manifesto, um pedido de socorro da classe artística, uma das primeiras a parar e que não tem previsão de retorno presencial. Ao contrário de outros estados do Brasil, que logo no início da pandemia publicaram editais de auxílio emergencial ao setor, o Governo do Paraná segue sem ações efetivas. O tímido pacote de medidas de “apoio e fortalecimento do setor cultural”, anunciado para maio, ainda não aconteceu, e quando questionada sobre recursos para o Fundo Estadual de Cultura, a Superintendente de Cultura, Luciana Casagrande Pereira, comenta sobre a esperança na aprovação da Lei Aldir Blanc como único plano do Estado. A lei aguarda a sanção presidente até dia 1º de julho.

Cultura lança edital de Licenciamento de Obras Audiovisuais

Serão selecionados curtas, longas-metragens ou telefilmes paranaenses produzidos nos últimos 10 anos para exibição em plataformas digitais
A Secretaria de Estado da Comunicação Social e da Cultura (SECC) por meio da Superintendência-Geral da Cultura lança o Edital de Licenciamento de Obras Audiovisuais, que vai selecionar curtas-metragens, longas-metragens ou telefilmes paranaenses já finalizados para exibição em plataformas digitais do Governo do Paraná. A informação sobre o edital de chamamento nº 001/2020 foi publicada nesta segunda-feira (15/06) no Diário Oficial Executivo do Estado – Caderno de Comércio, Indústria e Serviços – e está disponível na íntegra no portal www.cultura.pr.gov.br.
Serão R$ 200 mil em recursos distribuídos da seguinte forma: R$ 100 mil para 50 curtas-metragens (ficção, documentário ou animação) em que cada proponente receberá o valor de R$ 2 mil. E mais R$ 100 mil para 25 longas-metragens ou telefilmes (ficção, documentário ou animação), com o valor de R$ 4 mil destinado a cada proponente.
Os conteúdos selecionados pelo edital estarão disponíveis nas plataformas digitais e mídias sociais do Governo do Paraná pelo prazo de 24 (vinte e quatro) meses, contados a partir da assinatura do contrato e de forma não exclusiva.
CRITÉRIOS – Os filmes paranaenses das tipologias curta-metragem, longa-metragem e telefilme devem ter sido realizados por produtores paranaenses, nos últimos 10 anos, e conter classificação indicativa de até 12 anos. Cada proponente poderá apresentar até dois projetos. Entre os documentos obrigatórios para inscrição está o Certificado de Produto Brasileiro (CPB) da obra audiovisual, emitido pela Agência Nacional do Cinema (ANCINE).
As obras serão avaliadas conforme os seguintes critérios: qualidade artística (direção, roteiro, fotografia, trilha sonora); padrão e qualidade técnica para exibição em radiodifusão digital e internet; e relevância da obra para o público a que se destina.
INSCRIÇÕES – As inscrições serão feitas de forma totalmente online por meio do sistema SIC.Cultura e estarão abertas a partir do dia 26 de junho até 30 de julho de 2020.
O edital de Licenciamento de Obras Audiovisuais integra o Pacote de Medidas de Apoio e Fortalecimento do Setor Cultural, uma série de ações voltadas a artistas, gestores e produtores com o objetivo de valorizar a cultura feita no Paraná e auxiliar a classe artística a enfrentar este momento de crise.
SERVIÇO
Edital de Licenciamento de Obras Audiovisuais Paranaenses
Inscrições a partir das 16h de 26 de junho até 16h59 do dia 30 de julho de 2020
Confira o edital: www.cultura.pr.gov.br
Inscrições: www.sic.cultura.pr.gov.br
Mais informações: Coordenação de Ação Cultural | cac@seec.pr.gov.br

Paulinho Serra comanda live especial pelo Dia dos Namorados com doações de cestas básicas dobradas para campanha #vencendojuntos

O evento ao vivo acontecerá nesta sexta-feira (12/6) às 21h pelo perfil no Instagram do Teatro PetroRio das Artes

A segunda edição das Lives apresentadas pelo humorista Paulinho Serra e transmitidas pelo Instagram do Teatro PetroRio das Artes (@teatropetroriodasartes), promete muita risada no Dia dos Namorados. Paulinho receberá o casal de comediantes @robsonnunesoficial e @michelimachado, que conversarão sobre a vida conjugal em época de confinamento.

Ainda durante o bate-papo, o público também poderá fazer doações para a campanha #vencendojuntos, promovida pelo Instituto Reação, que ajudará com cestas básicas, famílias de diversas comunidades do país que estão em dificuldades por causa da pandemia do Covid-19.

A outra novidade é que a PetroRio, patrocinadora do Teatro PetroRio das Artes, dobrará o número de cestas básicas doadas em todas as lives que acontecem sempre às sextas-feiras de junho e julho.

Serviço
Circuito de Humor do Teatro PetroRio das Artes com Paulinho Serra e convidados
Todas as sextas-feiras de junho e julho (12, 19, 26/junho e 3, 10, 17 e 24/julho)
Às 21h
Transmissão ao vivo pelo Instagram @teatropetroriodasartes

Nave Gris Cia Cênica anuncia chamamento para Mostra de Videodança.

Até 31 de julho de 2020 grupo recebe obras de bailarinas(os), coreógrafas(os), performers e artistas do audiovisual de todo o país que exploram a linguagem videodança.

Mostra faz parte de projeto contemplado pela 27ª Edição do Programa de Fomento a Dança para a Cidade de São Paulo

/ws/index.php?r=message/downloadAttachment&Message%5Buid%5D=171524&Message%5Benvelope%5D%5Bmessage-id%5D=%253C00e201d63ea9%25240767b300%252416371900%2524%2540iarafilardi.com%253E&Message%5BmailBox%5D%5Bmailbox_id%5D=INBOX&MessageAttachment%5B%5D%5Battachment_id%5D=%3C00e201d63ea9%240767b300%2416371900%24%40iarafilardi.com%3E-1.1.2

Até 31 de julho de 2020 a Nave Gris Cia Cênica receberá obras de bailarinas(os), coreógrafas(os), performers e artistas do audiovisual de todo o país que exploram a linguagem videodança, e que possuem como matéria poética as culturas tradicionais-populares brasileiras em sua inter-relação com as artes contemporâneas. As produções selecionadas estarão na GIRA - Mostra Nave Gris de Videodança, que tem previsão de estreia para o segundo semestre deste ano, na cidade de São Paulo. O evento faz parte do “Mãos que bordam o tempo, pés que acordam o chão - circulação dos espetáculos A-VÓS e Corredeira” contemplado pela 27ª Edição do Programa de Fomento à Dança para a Cidade de São Paulo. O projeto, que tem duração de 18 meses, prevê apresentações gratuitas dos espetáculos A-VÓS e Corredeira, palestras, rodas de conversa e cursos gratuitos que visam fomentar um olhar ético e sensível para maneiras de conceber e vivenciar o tempo, a memória e os saberes ancestrais presentes nas culturas negras e ameríndias.
Tanto o regulamento da mostra como o formulário para inscrições estarão disponíveis a no site www.navegris.com.br. O resultado dos selecionados será divulgado em 31 de agosto de 2020 por meio dos canais da Nave Gris e as produções selecionadas serão exibidas gratuitamente em outubro de 2020, em espaço cultural aberto ao público, na capital paulista. De caráter não competitivo, a mostra visa proporcionar um espaço de visibilidade e circulação artística sem fins lucrativos, não havendo premiação de qualquer espécie.

Critérios:
1.A – Serão aceitas videodanças executadas por artistas que dialogam com as culturas tradicionais-populares do Brasil e suas inter-relações com as artes contemporâneas, explorando as possibilidades entre corpo e audiovisual.
1.B - Podem ser inscritas videodanças finalizadas com produção feitas a partir de 2015.
1.C – Serão aceitos vídeos finalizados de 01 até 10 minutos, que poderão estar hospedados em qualquer site ou compartilhamento de vídeos como Vimeo, YouTube, Dropbox, OneDrive ou SendSpace com resolução mínima de 640X480, em qualquer extensão.
1.D - Vídeos fora dos critérios acima não serão aceitos.
1.E– Limite de até 02 vídeos por artista e/ou grupo.
1.F – Até 20 videodanças serão selecionadas para esta edição.

2. Sobre a seleção dos vídeos:
A curadoria da GIRA - Mostra Nave Gris de Videodança é composta pelos diretores artísticos da Nave Gris Cia Cênica, Kanzelumuka e Murilo De Paula, e pela artista da videodança Vanessa Hassegawa.
A seleção dos trabalhos será baseada na qualidade das propostas cênicas dos(as) artistas, na relação com o conceito da mostra e na possibilidade de adequação do trabalho ao espaço da mostra.

Sobre a Nave Gris Cia Cênica:
A Nave Gris Cia Cênica, dirigida por Kanzelumuka e Murilo De Paula, nasceu em 2012 na cidade de São Paulo do encontro entre artistas de linguagens distintas e dedica-se, desde então, à pesquisa e desenvolvimento da cena como campo de pluralidade, espaço expandido e limiar entre dança, teatro e performance. As culturas afro-brasileiras e ameríndias estão presentes no trabalho da companhia como motores na pesquisa e produção de estéticas contemporâneas que afirmam a multiplicidade de vozes, corpos e pensamentos que nos constituem como latino-americanos. A Cia realizou Poéticas do Desacontecer (performance), o espetáculo de dança negra contemporânea Dikanga Calunga, a intervenção coreográfica Minha Cabeça Me Salva ou Me Perde, os espetáculos Corredeira, que estreou na Bienal Sesc de Dança 2017, e A-VÓS, indicado ao APCA 2018 na categoria Espetáculo/Estreia e como um dos melhores espetáculos de dança de 2018 pelo júri do Guia Folha de São Paulo.

ORQUESTRA TRANSFORMA TEMPORADA 2020 EM CONCERTOS COM MÚSICOS EM CASA

Acesse: https://www.youtube.com/watch?v=zC3jFZYvg0s

A Orquestra Sinfônica do Paraná acaba de estrear um concerto diretamente da casa dos músicos, executando a obra Carinhoso, do compositor Pixinguinha com poema de João de Barro, o Braguinha. A performance é dedicada aos profissionais da saúde que estão na linha de frente do combate ao coronavírus, e conta ainda com a participação do convidado especial o ator, cantor, compositor e instrumentista curitibano Alexandre Nero, que dá voz ao clássico.

Na indústria cultural, o segmento mais afetado pela atual situação foi o mercado de apresentações ao vivo. Com a interdição de concertos e festivais, as consequências nas atividades dos profissionais dessa área são diversas. Por esse motivo, a Orquestra Sinfônica do Paraná reformulou o escopo de todo o segundo semestre da temporada 2020 para ações digitais que, por meio da música, possam transmitir uma mensagem de solidariedade em meio à pandemia. E é dentro desse contexto que Carinhoso, na voz de Nero e com imagens marcantes de profissionais da área da saúde que estão atuando diretamente no combate da Covid-19, inaugura a nova fase digital de apresentações da OSP, chamada OSP ONLINE – MÚSICA PARA TOD@S.

Festival de Teatro Infantil do Paraná divulga lista de companhias selecionadas

Foram escolhidos 9 espetáculos de 6 Estados, com muita música, contos de fadas, comédia, especialmente pensados para crianças de todas as idades
O Festival de Teatro Infantil do Paraná (Festin Paraná) terá em sua próxima edição companhias dos Estados de São Paulo, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Paraná, Minas Gerais e Rio de Janeiro. Previsto inicialmente para o período de 18 a 23 de agosto, o Festin Paraná deverá ter nova data anunciada pela organização, por conta do cenário de pandemia da Covid-19.
“O Festival de Teatro Infantil do Paraná cancelou a execução do projeto em agosto deste ano tendo em conta que o cenário que o país apresentará na época não será favorável para celebrações artísticas ou de qualquer outra natureza, pois levamos em consideração todas as vidas que estão sendo perdidas neste árduo caminho. Uma nova data será estudada e formalizada por nota oficial pelos canais de comunicação do festival”, explicou a produtora executiva do evento, Bruna Bayley.
O Festin é um projeto aprovado por meio da Lei de Incentivo à Cultura, e em respeito ao edital de chamamento para a seleção de espetáculos, a organização do Festin divulgou a lista de selecionados, mas também uma nota explicando a necessidade de repensar o formato do evento. De acordo com o edital, o Festin não se obriga a contratar todas as companhias relacionadas na listagem (nem de chamá-las na ordem em que estão colocadas), requisitando-as conforme logística, orçamento e disponibilidade dos equipamentos públicos culturais.
Devido às novas condições econômicas e de readequação orçamentária de empresas e setores públicos do país - provocadas pelo Coronavírus - os organizadores estão buscando a melhor maneira de viabilizar o festival. De acordo com a diretora geral do Festin, Cynthya Borges,o orçamento do festival deverá ser recalculado junto ao Ministério do Turismo e Secretaria Especial da Cultura e, se necessário, o projeto deverá ser readequado sem causar danos ao órgão público responsável pela sua aprovação, nem aos patrocinadores responsáveis pela sua viabilização.
Selecionados
Com o tema “Livre brincar, rir e cantarolar: espetáculos feitos para experimentar a infância e o esperançar”, a curadoria escolheu montagens pensadas especialmente para o público infantil, de forma lúdica, porém sem perder a criticidade e a reflexão. Foram 9 selecionados, de 207 inscritos.
O processo seletivo priorizou espetáculos que tivessem em suas propostas o imaginário infantil e o jogo de faz de contas - alguns mostrados a partir das experiências do livre brincar posto em cena, conforme explica uma das curadoras do Festin, Herica Veryano. “Tivemos também um olhar delicado para acolher a perspectiva da tradição oral representada pelos contadores e contadoras de histórias selecionados, transmitindo de uma geração a outra os contos de origem nacional e mundial. A comicidade também estará bem representada com os grupos de pesquisa clownesca que escolhemos. Outro ponto que levamos em consideração foi a musicalidade presente nos espetáculos, pois todos os trabalhos escolhidos para essa edição trazem à tona uma linguagem musical única, a maioria com canções originais e com dramaturgias refinadas, cuidadosamente pensadas para comunicar com o público infantil”, contextualiza Herica.

Conheça os escolhidos:
O Cravo e a Rosa – Uma Nova Canção (Grupo Paiol) – Arapongas/PR. Trabalho musical cômico com dramaturgia inteligente que parte da tradicional música da cultura popular, “O Cravo e a Rosa”.
Era uma vez: contos, lendas e cantigas (Rococó Produções Artísticas e Culturais) – Porto Alegre/RS. Em uma divertida mistura de técnicas de teatro, contação de histórias, dança e música, o espetáculo revisita histórias como a de Nossa Senhora Aparecida e a do Negrinho do Pastoreio com músicas do cancioneiro popular gaúcho e algumas compostas especialmente para a montagem.
Um golinho só (Cia Cornucópia De Teatro) – Ribeirão Preto/SP. Um trabalho com canções que aquecem o coração, executadas por atores-cantores. Em cena, eles contam a história da Vila da Pedra Quebrada, um vilarejo onde a água do riachinho, que outrora era cristalina e abundante, passou a ser suja e escassa.
Os 3 porquinhos (Cia. Le PlatduJour) – São Paulo/SP. Um trabalho cômico especialmente pensado para crianças, com duas atrizes-palhaças de longa carreira, que apresentam essa versão irreverente e única do clássico “Os três porquinhos”.
A fada, a flor e a princesa (Teatro da Pedra) – São João del Rei/MG. Singelo, forte e emocionante, o espetáculo é encenado por três atrizes que contam histórias por meio de cantos populares de trabalho, de amorosidade e saudade.
Foi coisa de Saci (Cia Contacausos) – Chapecó/SC. Numa casa de caboclo, quando alguma coisa estranha acontece, as pessoas dizem que foi coisa de saci! O espetáculo faz um passeio pelos causos da nossa gente brasileira que jura que viu, ouviu e até já prendeu o danadinho na garrafa.
Brincante (Cia AristoClowntas) – Rio de Janeiro/RJ. A companhia apresenta um trabalho de palhaçaria com números clássicos, acrobáticos, magia, malabarismo, dentre outros. Garantia de ótimas risadas e muita interação.
Vida seca (Cia Manipuladora De Formas Etc i Tal) – Navegantes/SC. A companhia de bonecos apresenta, por meio da tradicional técnica de bonecos de luva, um cenário inspirado no romance Vidas Secas, de Graciliano Ramos e na obra de Portinari. Poético e arrebatador.
Monstros e Cia (Cia Talagadá – Teatro de Formas Animadas) – Itapira/SP. Um grupo que trabalha com bonecos de diferentes formas e tamanhos, com uma música potente em cena, apresenta um universo monstruoso para a criançada, numa encenação grandiosa e inteligente.
Além desses espetáculos, os organizadores escolheram também três montagens adicionais, para o caso de desistência ou impossibilidade de agenda dos nove selecionados.
Suplentes:
Yaga, uma história para crianças corajosas (Severina Cia de Teatro) – Pindamonhangaba/SP
Espetáculo MalabaRindo (Cia. MB Circo) – Piracicaba/SP
O Menino e os sortilégios – Ópera para crianças de Maurice Ravel (Pequeno Teatro do Mundo) – Bragança Paulista/SP
Festin 2020
Todo o processo de inscrição desta edição foi online. Os interessados enviaram a ficha de inscrição preenchida além de um vídeo da peça e dos demais documentos exigidos no edital, que ficou disponibilizado no site do festival.
O Festin é patrocinado pela Syngenta Brasil e tem o apoio cultural dos Hotéis Bourbon – Cascavel.

Divulgação cultural vence barreiras na quarentena

Lívia Zeferino*

Enquanto estamos em casa enfrentando um alto nível de ansiedade quanto à saúde de nossas famílias e em relação ao futuro, algumas pessoas sintonizaram suas antenas criativas e estão nos oferecendo formas de lidar um pouco melhor com o isolamento.
São os artistas, essa classe muitas vezes mal compreendida, mas que tem conseguido romper barreiras neste momento de quarentena. Graças ao trabalho sensível e à interação com diversos públicos, caíram muros de separação relacionados, principalmente, ao preconceito e à tecnologia.
Temos o exemplo da Orquestra Sinfônica do Paraná, que gravou uma versão emocionante para o “Trenzinho do Caipira” de Villa-Lobos, com cada músico em sua casa e a regência do maestro Stefan Geiger, feita diretamente de sua residência na Alemanha. Ao final, a cantora e atriz Uyara Torrente faz um solo da canção escrita por Edu Lobo. O resultado ficou tão bem-acabado que logo viralizou, de forma a alcançar espectadores que jamais estiveram na plateia de um concerto.
O caso do teatro é ainda mais emblemático. Em sua luta por ampliar audiências e ultrapassar estigmas, grupos como o curitibano Ave Lola iniciaram novas formas de alcançar seus fãs e públicos ainda mais abrangentes. A solução encontrada durante o período de isolamento foi criar a websérie “Viver no teatro em tempos de reclusão”, com depoimentos sobre dramaturgia e o fazer teatral, que envolveram quase 500 visualizações a cada capítulo.
As visitas digitais a museus também têm permitido um vínculo maior com as artes visuais, com destaque para o envolvimento de famílias ao redor do mundo na recriação de obras de arte dentro de casa, em fotografias pitorescas.
Esse papel do artista de agregar multidões, ao mesmo tempo em que fala individualmente aos corações, sempre foi fundamental, mas talvez estivesse um tanto quanto soterrado em nosso dia a dia de correrias pelo mundo. A arte é um dos poucos atalhos para a reflexão, rumo à calma interior que leva à transformação e mudanças de pensamento e comportamento.

Ela tem esse poder. Seja por meio da música, da dança, do teatro, um poema ou uma gravura. E mesmo nesse período tão conturbado, é muito importante que o artista continue ativo. A arte vive disso, ela não entra em “suspensão de contrato”.

Além de essas iniciativas ajudarem quem está em casa com muita ansiedade e, por que não, solidão, o ato de refletir decorrente da experiência artística traz mais calma a respeito do futuro – a vida não será a mesma depois. E o que você vai fazer dela?

É possível dizer que esse engajamento entre público e artistas sairá da quarentena para ficar, com um novo valor para a arte. É importante, porém, que a comunicação e divulgação que estão sendo realizadas neste momento não sejam negligenciadas depois, e nada melhor do que contar com apoio profissional para isso, pensando em um planejamento mais amplo de marketing cultural e digital.

É claro que a arte presencial nunca será substituída, mas a experiência que os próprios artistas estão tendo com a tecnologia tem trazido novos recursos a eles, de forma a agregar para sua criação agora e no pós-pandemia.

Esses são exemplos de como a arte nos ajuda na crise e como ela quebra barreiras – é o momento para a arte virar o jogo e mostrar sua verdadeira cara: da solidariedade, proximidade e engajamento.

* Lívia Zeferino é jornalista, atriz e especialista em comunicação cultural da Smartcom – Inteligência em Comunicação.

Sobre a Smartcom: Agência de comunicação sediada em Curitiba, a Smartcom oferece serviços de gerenciamento e conteúdo para redes sociais, assessoria de imprensa internacional, design, endomarketing e auditoria de posicionamento interno e externo. Com braços na Alemanha, Argentina e no interior do Paraná, além de profissionais de comunicação qualificados, garante a conexão entre os pontos envolvidos no segmento do Business to Business, que envolvem newsletters, revistas institucionais internas e externas, informativos, bem como ações de relacionamento individualizado com influenciadores digitais e da mídia. O portfólio de clientes é composto por companhias das áreas de Papel e Celulose, Tecnologia, Meio Ambiente, Saúde, Cultural, Terceiro Setor, Alimentação, Automotivo, Comércio e Indústria, Trânsito & Transporte e Direito.

Governo do Paraná lança pacote de medidas de valorização, apoio e fortalecimento do setor cultural

O Governo do Paraná vai dar visibilidade a todo o potencial da produção cultural paranaense por meio do Pacote de Medidas de Apoio e Fortalecimento do Setor Cultural, uma série de ações voltadas a artistas, gestores e produtores culturais. Lançado nesta terça-feira (05/05) pela Secretaria de Estado da Comunicação Social e da Cultura (SECC) por meio da Superintendência-Geral da Cultura, o pacote tem como principal objetivo a valorização da cultura feita no Paraná, além de ser uma forma de auxiliar a classe artística a enfrentar este momento de crise.
“A pandemia do Covid-19 tem como efeitos colaterais impactos na economia de todos os países atingidos. No Brasil e no Paraná, não poderia ser diferente. Sensibilizado com a situação de nossos artistas e produtores culturais, o Governo do Paraná se mobilizou para elaborar e colocar em ação, o mais rápido possível, um pacote de medidas, cujo objetivo é valorizar a cultura do Estado, em suas mais diversas manifestações e frentes, porque entendemos que ela não pode de forma alguma parar e merece toda nossa atenção nesse momento”, afirma a superintendente de Cultura da SECC, Luciana Casagrande Pereira.
Uma das medidas é o edital Cultura feita em casa, que vai beneficiar 510 projetos de realizadores paranaenses nas áreas de artes cênicas; música; literatura, livro e leitura; audiovisual; artes visuais; e expressões culturais, populares, indígenas e de comunidades tradicionais. Os selecionados farão produções inéditas em vídeo ou áudio (podcast) de 20 a 30 minutos, que serão levadas ao público de todo o Estado e também poderão ser vistas por pessoas de diferentes regiões do Brasil e até mesmo no exterior. Isso porque essas produções serão veiculadas via streaming por meio da Plataforma Digital, ambiente para fomento e divulgação de conteúdo cultural paranaense que está sendo especialmente desenvolvido pelo Governo do Paraná.
A Plataforma Digital também terá uma seção com filmes paranaenses para assistir de forma completamente gratuita. Serão curtas e longas-metragens recentes, produzidos nos últimos dez anos no Estado, que passarão por uma seleção qualitativa por meio do edital de Licenciamento de curtas e longas-metragens/telefilmes. Uma oportunidade para que os paranaenses possam assistir e descobrir as produções feitas no Estado, muitas delas já premiadas.
Entre as medidas também há ferramentas de capacitação de profissionais da área cultural. Em parceria com a Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), o Programa de Capacitação e Formação em Cultura inicia com a oferta de 4 mil vagas na modalidade ensino a distância (EaD) para os cursos: Fundamentos da Cultura; Introdução às políticas públicas culturais no Brasil; História da Arte: Vanguardas Europeias/século XX; e Semiologia e Cultura: a fotografia e o cinema. As inscrições estão abertas e seguem até o dia 11 de maio de 2020 pelo SIC.Cultura.
MAIS EDITAIS – Além dos já citados, os editais que integram o pacote de medidas contemplam inúmeras linguagens e setores culturais. Como o concurso literário Prêmio Biblioteca Digital, organizado pela Biblioteca Pública do Paraná, que vai incentivar a produção e a circulação de livros inéditos no formato e-book de autores residentes no Paraná. Também haverá uma categoria separada para artistas gráficos, que farão a criação das capas e ilustrações das obras vencedoras.
A arte contemporânea ganha fôlego com a 67a edição do Salão Paranaense, destinada a artistas brasileiros e estrangeiros residentes no país e promovida pelo Museu de Arte Contemporânea do Paraná. Serão selecionados projetos artísticos que fomentem a discussão e apresentem a arte contemporânea brasileira. Essa edição traz categorias inéditas como a de arte digital, linguagem web arte, audiovisual e site-specifics que usem a web como interface para realização, além de uma categoria de ensaios e artigos que reflitam sobre o momento atual, de suspensão das atividades sociais, e sobre as mudanças que irão repercutir pelo mundo da arte pós-pandemia.

Haverá, ainda, a 2ª edição do Programa de Incentivo Paraná Cultural, que destina recursos via incentivo fiscal de empresas públicas e/ou de economia mista estaduais a projetos culturais aprovados pela Lei Federal de Incentivo à Cultura. Para este edital serão selecionados projetos com previsão de execução até 2021, nas áreas de artes cênicas; audiovisual; música; artes visuais; patrimônio cultural; humanidades e artes integradas.
Também os espetáculos de circo-teatro ou pavilhão serão contemplados pelo Trilhando pelo Paraná, edital que vai fazer circular shows de pequenas companhias itinerantes pós-pandemia.
SUSPENSÃO DE PRAZOS – Desde a metade de março, três resoluções foram publicadas suspendendo os prazos de encerramento das atividades relativas ao Programa de Incentivo – Paraná Cultural (instituído pela Resolução nº 028/2019), ao edital 001/2017 do Programa Estadual de Fomento e Incentivo à Cultura (PROFICE), e ao edital 001/2019 de Produção e Desenvolvimento de Obras Audiovisuais, enquanto permanecer o estado de emergência pela pandemia de Covid-19.
LINHA DE CRÉDITO – Lançado em março pelo governo estadual, o Recupera Paraná é um programa de crédito emergencial com o objetivo de preservar salários e empregos de empreendimentos formais e informais, MEI, micro e pequenas empresas em razão dos efeitos da pandemia na economia paranaense. Os profissionais da área cultural que se enquadram como informais, microempreendedores ou micro e pequenas empresas podem solicitar o crédito, gerido pela Fomento Paraná.
Acesse o portal da Cultura para informações detalhadas sobre cada medida: www.cultura.pr.gov.br.

Orquestra Sinfônica do Paraná mergulha no mundo digital e reproduz “O Trenzinho do Caipira” de Heitor Villa-Lobos

A Orquestra Sinfônica do Paraná, por meio do Governo do Estado do Paraná, em parceria com o Instituto de Apoio a Orquestra Sinfônica do Paraná, o estúdio Trilhas Urbanas e a Banda Mais Bonita da Cidade, estreou nessa semana no Youtube, Facebook e Instagram um concerto diretamente da casa dos músicos, tocando o conhecido “O Trenzinho do Caipira” de Heitor Villa-Lobos. O artista, um compositor reconhecido por suas junções do erudito ao popular, não poderia ter sido uma escolha melhor.

Com uma melodia simples e uma orquestração impactante, a composição foi escolhida por uma razão: ela nos lembra dos tempos mais tranquilos que tanto desejamos hoje. Por fim, seguindo a tradição de junção de dois mundos proposta por Villa-Lobos, foi convidada para cantar a consagrada letra de Ferreira Gullar a artista curitibana Uyara Torrente, vocalista d’A Banda Mais Bonita da Cidade.

O Maestro titular, Stefan Geiger, contou um pouco da razão da Orquestra não parar. “Músicos são especialistas altamente treinados, podem ser comparados a atletas profissionais que são acostumados a praticar e treinar todos os dias para atingir a performance perfeita para o público. Como eles, nós não podemos parar a nossa rotina musical para nos mantermos em forma e mais do que isso: queremos fazer música para o nosso público mesmo de casa!”, revela.

Sobre o Instituto de Apoio à Orquestra Sinfônica do Paraná - O Instituto de Apoio à Orquestra Sinfônica do Paraná (IAOSP) foi criado em novembro de 2016, por iniciativa do maestro Stefan Geiger e de entusiastas apoiadores da arte e da cultura paranaense. Entre eles estão o seu presidente, o advogado Wilson José Andersen Ballão, e seus diretores, o produtor cultural Samuel Lago e a gerente do Goethe-Institut Curitiba, Claudia Römmelt.A Série Clássicos Universais com o concerto A Sagração da Primavera marca a continuidade da atuação desta associação civil sem fins lucrativos que trabalha em prol da Orquestra Sinfônica do Paraná e da música clássica paranaense, com o objetivo de viabilizar projetos e atividades em parceria com instituições, públicas e privadas, comprometidas com a valorização e fomento da música erudita.

Sobre a Orquestra Sinfônica do Paraná - Fundada em 28 de maio de 1985, a Orquestra Sinfônica do Paraná é um dos quatro corpos estáveis do Centro Cultural Teatro Guaíra. Atualmente o maestro-titular é Stefan Geiger, eleito em 2016 pelos músicos e reeleito em 2018. A OSP é mantida pelo Governo do Estado do Paraná, uma orquestra que pertence a todos os paranaenses.

Musical One Night Of Tina, A História de Tina Turner é adiado para setembro

Em virtude dos recentes acontecimentos relacionados ao COVID-19 e a importância das restrições de aglomerações de pessoas, as produtoras Top Cat e Orth Produções comunicam que o musical ONE NIGHT OF TINA – A História de Tina Turner, que estava agendado para o dia 27 de maio, em Curitiba, foi adiado para o dia 15 de setembro, no Teatro Guaíra. Os shows marcados para as cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Porto Alegre, também foram adiados para o segundo semestre. O aclamado espetáculo, sucesso de crítica na Europa, irá homenagear uma das cantoras mais icônicas da música internacional de todos os tempos, Tina Turner.

Com a seriedade da pandemia, o enfrentamento deste momento deve ser com serenidade e prevenção seguindo as orientações dos órgãos oficiais de saúde evitando a proliferação e contaminação de pessoas, preservando a saúde de todos, reforçam as produtoras.

Quem comprou o ingresso

As pessoas que adquiriram os ingressos antecipados terão os bilhetes validados automaticamente para o próximo show, no mesmo horário e assento selecionado, não sendo necessário a realização da troca.

Se optar pela restituição do valor de compra, os clientes devem seguir as seguintes etapas para reembolso:

Compras on-line: Caso você seja de Curitiba pode comparecer a um dos quiosques e solicitar a devolução. Para clientes fora de Curitiba enviar e-mail para o atendimento@diskingressos.com.br solicitando o reembolso.

Compras em lojas: crédito e débito e dinheiro: comparecer a um dos quiosques e solicitar que a devolução seja feita de acordo com a forma de pagamento.

SERVIÇO:

A nova data: dia 15 de setembro de 2020 (terça-feira)

Local: Teatro GUAÍRA – Curitiba/PR

Horário: 21h

Informações: 41 3315-0808 ou https://www.diskingressos.com.br/evento/1102/15-09-2020/pr/curitiba/musical-one-night-of-tina-a-historia-de-tina-turner