MON oferece oficinas artísticas e mediações em fevereiro

A oficina artística “Laboratório de Experiências: Aquarela”, no dia 1°/2, abrirá a programação educativa de fevereiro do Museu Oscar Niemeyer (MON). A atividade é gratuita e acontecerá em dois horários: às 13h30 e às 15h30.

No projeto “Laboratório de Experiências”, que o MON oferece ao público desde o ano passado, a oficina do Museu se transforma num grande espaço de investigações e descobertas. Crianças e adultos podem conhecer de perto materiais e técnicas diversas, explorando suas possibilidades plásticas e sensoriais.

No dia 15/2, será realizada a atividade artística “Captador de Dimensões: Oficina de Caleidoscópio”, também com sessões gratuitas às 13h30 e às 15h30. A proposta será a de que os participantes construam um brinquedo óptico semelhante a um caleidoscópio, que permitirá enxergar as coisas de uma forma diferente.

As oficinas são recomendadas para maiores de 5 anos, mas a participação de um adulto é obrigatória durante as atividades. As inscrições são liberadas 15 minutos antes e por ordem de chegada na fila, sujeita a lotação.

Outra oficina que será oferecida pelo MON no mês de fevereiro é “Diário de Bordo de um Dia no Museu”, com a artista visual Debora Santiago. Será no dia 8/2, às 14h, e faz parte do projeto “Oficina Afinidades II – Elas!”.

A atividade gratuita propõe a criação de um pequeno caderno, como um diário de bordo, que será usado para desenhos, frases, palavras, rabiscos sobre uma jornada pelas exposições. Para participar, é necessário fazer a inscrição antecipada pelo link: bit.ly/OficinaDeboraSantiago

As oficinas do Museu Oscar Niemeyer oferecem aos visitantes um espaço de criação e experimentação. O repertório de propostas, em constante atualização, conta com ações relacionadas às exposições em cartaz ou ao trabalho de artistas que possuem obras no acervo do MON. As atividades buscam ampliar a vivência dos visitantes no espaço museológico, além de gerar experiências que contribuem para a sensibilidade e a criatividade.

Mais de 40 oficinas artísticas virtuais, realizadas pelo MON, estão disponíveis no Canal do YouTube da instituição (link aqui).

Mediações
No dia 8/2, às 15h, a equipe do Educativo do MON irá conduzir uma visita mediada, gratuita, na exposição “África, Expressões Artísticas de um Continente” (Sala 4). Fazem parte da exposição: máscaras, esculturas, bustos e cabeças de bronze, miniaturas metálicas, entre outros objetos que têm origem em diversos países como Costa do Marfim, Mali e Nigéria.

No dia 22/2, às 15h, a visita mediada será na exposição “Afinidades II – Elas!” (Sala 3). A mostra reúne a obra de dez artistas mulheres, de diversas regiões do Brasil.

A mediação prioriza o diálogo e a investigação acerca das obras e dos artistas presentes na exposição. Para participar, basta comparecer em frente às respectivas salas com pelo menos 15 minutos de antecedência.

SOBRE O MON
O Museu Oscar Niemeyer (MON) é patrimônio estatal vinculado à Secretaria de Estado da Cultura. A instituição abriga referenciais importantes da produção artística nacional e internacional nas áreas de artes visuais, arquitetura e design, além de grandiosas coleções asiática e africana. No total, o acervo conta com aproximadamente 14 mil obras de arte, abrigadas em um espaço superior a 35 mil metros quadrados de área construída, sendo 17 mil metros quadrados de área para exposições, o que torna o MON o maior museu de arte da América Latina.

Serviço:
Oficinas gratuitas:
1° de fevereiro – “Laboratório de Experiências: Aquarela”
Das 13h30 às 15h e das 15h30 às 17h

15 de fevereiro – Oficina “Captador de Dimensões: Oficina de Caleidoscópio”
Das 13h30 às 15h e das 15h30 às 17h

As oficinas são recomendadas para maiores de 5 anos, mas a participação de um adulto é obrigatória durante as atividades. As inscrições são liberadas 15 minutos antes e por ordem de chegada na fila, sujeitas a lotação. Para mais informações, basta ligar para (41) 3350-4448, ou enviar um e-mail para educativo@mon.org.br

8 de fevereiro – “Diário de Bordo de um Dia no Museu”, com a artista visual Debora Santiago
Às 14h
Inscrição antecipada obrigatória:
Link: bit.ly/OficinaDeboraSantiago

Mediações gratuitas:
8 de fevereiro
Às 15h, na exposição “África, Expressões Artísticas de um Continente” (Sala 4).

22 de fevereiro
Às 15h, na exposição “Afinidades II – Elas!” (Sala 3).

Para participar, basta comparecer em frente às respectivas salas com pelo menos 15 minutos de antecedência.

Museu Oscar Niemeyer
www.museuoscarniemeyer.org.br

Manoel Felipe Doria abre exposição em Curitiba celebrando a lineart

O coquetel de abertura terá bate-papo com o artista nesta quinta-feira (26); exposição fica em cartaz até 26 de abril

CURITIBA, 25/01/2023 - A força da simplicidade nas linhas desenhadas sobre o canvas cria espetáculos visuais na nova exposição artística de Manoel Felipe Doria. A mostra “infinito a infinito” reúne obras do artista, arquiteto e ilustrador, focadas na técnica lineart, e ganharão as paredes do Nex – Casa de Pedra a partir desta quinta-feira, dia 26 de janeiro. O coquetel de lançamento acontece a partir das 19h30, com bate-papo com o artista. A exposição ficará em cartaz até 26 de abril.

Graduado em Arquitetura e Urbanismo e sócio do escritório Doria+Arquitetos, Manoel Felipe Doria carrega sua expressão artística tanto na vida profissional como na pessoal, que permitem o uso de seus desenhos em interesses diversos. Com a lineart, técnica focada no uso de linhas, encontrou uma forma de trabalhar as camadas simbólicas da sua percepção sobre a linearidade da vida por meio do traçado ágil e intuitivo, uma expressão que define sua particularidade. Como artista já desenvolveu outros trabalhos variados, que vão do EP musical, “Olhos Nus” (2015) e o material ilustrativo da Bienal Internacional do Cairo (2018) até produções encomendadas para galerias particulares, como o caso da obra “O Mural” (2022).

Em “infinito a infinito”, Doria explora a ideia do movimento que direciona uma narrativa através do espaço ocupado por linhas. “É surpreendente a possibilidade de representar tudo o que é complexo através de uma simples linha”, conta. A técnica aplicada pelo artista pretende revelar sua expressão mais íntima concentrada no essencial.

O título da exposição reflete a característica dessa tipologia de traçado: “linhas paralelas possuem muito em comum, mesmo que jamais se cruzem. Por outro lado, qualquer outro par de linhas retas se encontram somente uma vez e depois se afastam no infinito.” reflete o artista sobre a visão de seus trabalhos. As obras carregam a magnitude da linha, seus movimentos e suas infinitas possibilidades de uso. A curadoria é de Monica Hirano e a produção de Altieres Fim Biela.

A exposição “infinito a infinito”, de Manoel Felipe Doria, será aberta oficialmente nesta quinta-feira, dia 26 de janeiro, a partir das 19h30, com coquetel e bate-papo com o artista. O Nex – Casa de Pedra fica na Alameda Presidente Taunay (nº 130), no bairro Batel. A exposição pode ser visitada até 26 de abril, de segunda a sexta, das 08h às 19h. Mais informações no perfil oficial do Nex no Instagram (@nexcoworking).

MON realiza workshop para crianças sobre o tema sustentabilidade

No dia 27 de janeiro, às 10h, o Museu Oscar Niemeyer vai oferecer ao público infantil o workshop gratuito “Terzo Paradiso”, que irá promover um diálogo sobre sustentabilidade, reciclagem de materiais e paz no planeta. Também será criado um manifesto sobre tais princípios.

O projeto foi desenvolvido e produzido a partir do movimento “Terzo Paradiso”, idealizado pelo artista italiano Michelangelo Pistoletto, um dos principais representantes da “Arte Povera” italiana.

“Terzo Paradiso” é um movimento mundial, já desenvolvido em diversos países do mundo, realizado pela primeira vez na América do Sul, em 2022, pelo Museu Oscar Niemeyer. Atualmente, uma instalação coletiva que reúne dezenas de artistas locais pode ser vista no Vão-Livre do MON. A exposição, produzida por Consuelo Cornelsen e com curadoria de Marc Pottier, fez parte das comemorações de 20 anos do Museu.

O Terceiro Paraíso é um símbolo concebido para difundir uma mensagem de renascimento e de partilha no mundo, por meio da promoção de atividades artísticas orientadas para alcançar efeitos tangíveis com impacto social nos lugares onde é realizado.

O workshop é recomendado para maiores de 5 anos, mas a participação de um adulto que acompanhe a criança é obrigatória durante as atividades. As inscrições são liberadas 15 minutos antes e por ordem de chegada na fila. Atividade sujeita a lotação.
Mais informações: (41) 3350-4448 ou educativo@mon.org.br.

SOBRE O MON
O Museu Oscar Niemeyer (MON) é patrimônio estatal vinculado à Secretaria de Estado da Cultura. A instituição abriga referenciais importantes da produção artística nacional e internacional nas áreas de artes visuais, arquitetura e design, além de grandiosas coleções asiática e africana. No total, o acervo conta com aproximadamente 14 mil obras de arte, abrigadas em um espaço superior a 35 mil metros quadrados de área construída, sendo 17 mil metros quadrados de área para exposições, o que torna o MON o maior museu de arte da América Latina.

Serviço
Workshop gratuito “Terzo Paradiso”
Dia 27 de janeiro, das 10h ao meio-dia.
As inscrições são liberadas 15 minutos antes e por ordem de chegada na fila. Atividade sujeita a lotação.
Mais informações: (41) 3350-4448 ou educativo@mon.org.br.

MON promove Colônia de Férias 2023 com atividades especiais

Entre os dias 24 e 27 de janeiro, o Museu Oscar Niemeyer (MON) promove uma série de atividades para as crianças. As palavras “imaginar, investigar, descobrir e compartilhar” inspiraram a programação especial. Elas representam a essência das ações educativas, com oficinas dirigidas, atividades em grupos, brincadeiras, dinâmicas e novas experiências que irão se conectar com o museu e as suas exposições, promovendo a criatividade e a sensibilização para a arte entre crianças e adultos.

As atividades vão ocupar diversas áreas do MON, como o Olho, o Espaço de Oficinas e a área externa (gramado do museu e Vão-livre), oportunizando novas experiências individuais, sensoriais e coletivas.

A programação é direcionada para crianças entre 7 e 10 anos que devem estar acompanhadas de um adulto responsável. Diariamente, uma das ações sempre será um ateliê aberto que funcionará das 13h30 às 17h (com entrada permitida até 16h30), no Espaço de Oficinas. Nas atividades será possível experimentar algum material ou técnica pelo tempo que cada um achar ideal. Para participar é necessário adquirir o ingresso para entrada no museu.

Outras duas oficinas serão realizadas diariamente. Com 1h30 de duração, elas são gratuitas e têm limite de 20 crianças por atividade. A primeira tem início às 13h30 e a segunda às 15h30. As inscrições são sujeitas à lotação e devem ser feitas 30 minutos antes em frente ao Salão de Eventos. Durante toda a programação a criança deve estar acompanhada de até um adulto responsável (um adulto poderá acompanhar até duas crianças inscritas).

NOVIDADE
Em 2023, o MON também oferta oficinas e atividades para crianças entre 2 e 3 anos completos. A programação acontece no dia 24 janeiro (terça-feira), das 10h30 às 11h30, no Espaço de Oficinas. Para participar basta adquirir o ingresso de entrada no Museu. São 10 vagas, sendo necessário chegar 15 minutos antes. É obrigatário o acompanhamento por um ou dois adultos. Sujeito à lotação.

Confira a programação completa para escolher as atividades que deseja:

24/01 – Terça-feira | IMAGINAR

10h30 às 11h30 – Imaginar o MON com pequenos passos (atividade destinada às crianças entre 2 e 3 anos completos)

Local: Espaço de Oficinas (subsolo)

Por meio de investigações e ações multissensoriais, o objetivo dessa atividade é proporcionar para os pequenos caminhantes um contato sensível com a arte, bem como com o espaço do museu. Nessa ação as crianças serão protagonistas das suas próprias experiências.

Necessária inscrição 15 minutos antes. Sujeito à lotação. Obrigatória a participação de um adulto.

13h30 às 17h (entrada permitida até 16h30)

Ateliê aberto de argila

Local: Espaço de Oficinas (subsolo)

Será possível criar uma escultura nova, pensar em algo que ninguém nunca fez? Ou ainda, você já imaginou como seria modelar de olhos fechados? Nesse ateliê aberto de argila convidamos você para imaginar outras formas de criar.

Sem inscrição prévia, basta chegar ao local e participar. Sujeito à lotação. Necessária aquisição de ingresso para entrar no museu.

13h30 – Dança das Esculturas

Ponto de encontro: Salão de Eventos

Prepare-se para movimentar o seu corpo. Imagine um movimento que você nunca fez antes. Não esqueça de compartilhar conosco. Neste dia vamos ocupar o Pátio das Esculturas de diferentes formas enquanto pensamos: as esculturas possuem movimento? Como nosso corpo se comporta no espaço?

Necessária inscrição meia hora antes da atividade. Sujeito à lotação.

15h30 – Universo Coletivo

Ponto de encontro: Salão de Eventos

Imagine que você está conhecendo um lugar completamente novo, em um novo universo. Como seriam os animais? Partindo de uma contação de história da cosmologia Senufo, a proposta será criar um novo animal para compor um universo coletivo através do desenho.

Necessária inscrição meia hora antes da atividade. Sujeito à lotação.

25/01 – Quarta-feira | INVESTIGAR

13h30 às 17h (entrada permitida até as 16h30) – Ateliê aberto de cores

Local: Espaço de Oficinas (subsolo)

Como seria fazer uma colagem sem cola e uma pintura sem tinta? Nessa oficina vamos provar que isso é possível. Utilizando cores, transparências e vidro vamos investigar as cores e criar composições que vão deixar o espaço de oficinas super colorido.

Atividade sem inscrição prévia, basta chegar ao local e participar. Sujeito à lotação. Necessária aquisição de ingresso para entrar no museu.

13h30 – Caça às sombras

Ponto de encontro: Salão de Eventos

Já parou para investigar as sombras que estão à sua volta? Nesta atividade vamos caçar sombras e registrá-las em desenho. Para isso, escolhemos uma exposição repleta de sombras inusitadas: “Invisível e Indizível” do artista Jaume Plensa, em cartaz no Olho.

Necessária inscrição meia hora antes da atividade. Sujeito à lotação.

15h30 – Pintura com luz

Ponto de encontro: Salão de Eventos

A inspiração desta vez será a exposição “Luz e Espaço”. Vamos usar o espaço a luz como suporte e material para as nossas “pinturas de luz”. Registraremos isso tudo em fotografias, pela técnica conhecida como “Light Painting”. Venha investigar como os nossos movimentos podem criar diferentes tipos de traços.

Necessária inscrição meia hora antes da atividade. Sujeito à lotação.

26/01 – Quinta-feira | DESCOBRIR

13h30 às 17h (entrada permitida até as 16h30) – Ateliê aberto de desenho

Local: Espaço de Oficinas

Neste ateliê de desenho você poderá experimentar diversas formas de desenhar, como desenhar no vidro, desenhar com uma linha só ou de um jeito completamente inusitado. A partir de propostas criadas pelo Educativo a oficina se tornará palco para diversas descobertas e desafios.

Sem inscrição prévia. Basta chegar ao local e participar. Sujeito à lotação de espaço. Necessária aquisição de ingresso para entrar no Museu.

13h30 – Paisagens Costuradas

Ponto de encontro: Salão de Eventos

Como você percebe a paisagem? A partir de uma expedição sensorial na área externa do MON, vamos expandir nossa capacidade de sentir a paisagem à nossa volta, além de coletar alguns vestígios materiais. Esses fragmentos do mundo com suas cores, formas e texturas vão ser colados ou costurados em outras imagens. Esta atividade está relacionada com a obra de Mariana Palma, artista da exposição “Afinidades-Elas”.

Inscrição meia hora antes da atividade. Sujeito à lotação.

15h30 – Expedição criativa, uma oficina ambulante

Ponto de encontro: Salão de Eventos

Como ver com outros olhos um lugar que você já conhece? O que ainda não descobrimos no MON? Essas perguntas que guiarão nossa investigação pelo museu, vão nos levar a lugares e sensações únicas, capazes de transformar nossa percepção do espaço.

Inscrição meia hora antes da atividade. Sujeito à lotação.

27/01 – Sexta-feira | COMPARTILHAR

13h30 às 17h (entrada permitida até as 16h30) – Ateliê aberto de monotipia

Local: Espaço de Oficinas

A monotipia é uma técnica na qual realizamos apenas uma cópia de cada desenho, geralmente feito com tinta. Nesse ateliê você vai aprender como fazer isso para depois compartilhar os vestígios do seu desenho com as outras pessoas, resultando em produções com sobreposições de cores e traços.

Sem inscrição prévia, basta chegar ao local e participar. Sujeito à lotação de espaço. Necessária aquisição de ingresso para entrar no museu.

13h30 – Pintura por um fio

Ponto de encontro: Salão de Eventos

Como pintar com um pincel de apenas um fio? Tendo como inspiração obras da artista Vera Martins, nas quais ela usa o que chama de “pincel chicote”, vamos criar nossos próprios pincéis e realizar uma pintura coletiva com muito movimento. Prepare-se para compartilhar com a gente uma grande pintura.

Necessária inscrição meia hora antes. Sujeito à lotação.

15h30 – Soprando Cores

Ponto de encontro: Salão de Eventos

As bolhas podem pintar? Nesta oficina vamos unir duas coisas capazes de divertir qualquer um: bolhas de sabão e cores. Venha compartilhar essa curiosa experiência com a gente e descobrir novas formas de colorir.

Necessária inscrição meia hora antes da atividade. Sujeito à lotação.

Serviço:
Colônia de Férias do MON
Para crianças de 7 a 10 anos (e um adulto responsável):
Entre os dias 24 e 27 de janeiro

Ateliê
13h30 até às 17h (entrada permitida até 16h30)
No Espaço de Oficinas

Oficinas
As atividades acontecem em dois horários: 13h30 e 15h30
Inscrições devem ser feitas 30 minutos antes.
Limite de 20 crianças por horário
Ponto de encontro: Salão de Eventos
Para crianças entre 2 e 3 anos completos (e um ou dois adultos responsáveis)

Oficinas e atividades
Dia 24 de janeiro (terça-feira)
10h30 às 11h30
No Espaço de Oficinas

É necessário chegar com 15 minutos de antecedência. São 10 vagas por dia, sujeito à lotação.

Mais informações pelo fone: (41) 3350-4468.

Há atividades gratuitas e para outras é necessário comprar o ingresso de entrada no MON.

Valores: R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia-entrada) para professores e estudantes com identificação, doadores de sangue, pessoas com deficiência, titulares da ID Jovem e portadores de câncer com documento comprovatório. Entrada gratuita para menores de 12 anos e maiores de 60 anos.

LINK PARA IMAGENS: https://drive.google.com/drive/folders/1GiTMnCnkQt_2GyS1boprZjlBZIQyrcEg?usp=share_link
Museu Oscar Niemeyer
Rua Marechal Hermes, 999, Centro Cívico
CEP 80530.230 - Curitiba | PR
+55 41 3350-4400

Instituto CCR e CCR Aeroportos promovem exposição digital do Museu do Amanhã

A mostra ‘Coração, Pulso da Vida’ está disponível em tvs, monitores e totens dos 16 aeroportos CCR, além de uma instalação física especial no saguão do Aeroporto Internacional de Curitiba (CWB)

Cartaz da mostra Coração, Pulso da Vida - Divulgação

São Paulo, 02 de janeiro de 2023 — Com apoio da CCR Aeroportos, uma das maiores operadoras em número de aeroportos no Brasil, o Instituto CCR, entidade que gerencia o investimento social do Grupo CCR, promove a exposição “Coração, Pulso da Vida”, uma iniciativa em parceria com o Museu do Amanhã/RJ. Além da mostra física, instalada no Museu até 6 de fevereiro de 2023, quem tiver interesse, poderá conhecer as obras digitalmente, por meio de monitores e totens instalados nos 16 aeroportos CCR, situados de norte a sul do País.

“Coração, Pulso da Vida” conecta-se com o público por meio de frases poéticas e animadas, trazendo o coração como uma máquina de viver e sentir. Dividida em três grandes temas - Coração, Bem-Viver e Sentir Junto -- a mostra é composta de ilustrações que reforçam a importância desse órgão essencial para a vida e a qualidade de vida, com reflexos na saúde mental e física e até na desigualdade social.

“Estamos muito animados com esta iniciativa que conecta uma mostra física de um dos mais importantes e inspiradores museus do mundo, com o ambiente digital instalado em nossos modais”, afirma Tonico Pereira, Diretor de Comunicação do Grupo CCR e do Instituto CCR. “É sobre inclusão social, e ampliação do acesso à cultura, é digital e é humano”, acrescenta.

"A exposição convida nosso público a desvendar os mistérios e as belezas do coração, em uma jornada que fala sobre o corpo humano e também sobre a construção dos amanhãs que desejamos: amanhãs com saúde, longevidade, bem-estar e qualidade de vida. E, acima de tudo, amanhãs em que nos sentimos vivos, pulsando com a vida e com o mundo", destaca Bruna Baffa, diretora geral do Museu do Amanhã.

Para Sergio Ribeiro, Gerente Executivo de Comunicação e Responsabilidade Social da CCR Aeroportos, a ação está alinhada aos objetivos da concessionária. “Educação e cultura são pilares sociais da CCR Aeroportos e poder promover em nossos espaços uma iniciativa que traz, gratuitamente, um pouco do acervo de um importante equipamento cultural como o Museu do Amanhã contribui positivamente para a sociedade e gera um impacto transformador na vida de todos”, afirma.

Museu do Amanhã no Aeroporto Internacional de Curitiba
Além de poder conhecer a mostra no próprio Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro, e digitalmente por meio de tvs, monitores e totens nos aeroportos CCR, quem circular pelo saguão do Aeroporto Internacional de Curitiba (CWB), até dia 06 de fevereiro de 2023, também poderá conferir uma instalação especial física da exposição.
Ampliando o acesso da população à cultura, além dos aeroportos, os modais de mobilidade urbana operados pelo Grupo CCR também participam da iniciativa.

Sobre a CCR Aeroportos
A CCR Aeroportos, Negócio do Grupo CCR, opera 20 aeroportos no mundo, firmando sua presença em cinco países e nove estados brasileiros. Com a recente expansão a empresa se consolidou como uma das maiores operadoras em número de aeroportos no Brasil. Ao todo administra 17 aeroportos brasileiros: São Luís e Imperatriz, no Maranhão; Palmas, no Tocantins; Teresina, no Piauí; Petrolina, em Pernambuco; Goiânia, em Goiás; o Aeroporto Internacional de Belo Horizonte, por meio da BH Airport, e o Aeroporto da Pampulha, em Minas Gerais; Curitiba, Bacacheri, Londrina e Foz do Iguaçu, no Paraná; Navegantes e Joinville, em Santa Catarina; e Pelotas, Uruguaiana e Bagé, no Rio Grande do Sul. No exterior, a empresa opera os aeroportos de Juan Santamaria (Costa Rica), Quito (Equador) e Curaçao (Antilhas Holandesas). Em todas estas operações, a CCR Aeroportos movimenta cerca de 42 milhões de passageiros/ano.

Sobre o Instituto CCR
Entidade privada sem fins lucrativos, gerencia o investimento social do Grupo CCR, para proporcionar transformação social. Com apoio a projetos via leis de incentivo, campanhas institucionais e por meio dos programas proprietários, como o Caminhos para a Cidadania, que atende mais de 1,3 mil escolas, e o Caminhos para a Saúde -- presente em cinco regiões -- oferecendo atendimento a caminhoneiros, motociclistas e ciclistas. O foco do Instituto CCR é a transformação social por meio de iniciativas de geração de renda, saúde, educação, cultura e esporte. Somente em 2021 foram aplicados mais de R$ 40 milhões em projetos sociais gerenciados pelo Instituto. Saiba mais em instituto CCR

Sobre o Museu do Amanhã
O Museu do Amanhã é gerido pelo Instituto de Desenvolvimento e Gestão - IDG. O projeto é uma iniciativa da Prefeitura do Rio de Janeiro, concebido em conjunto com a Fundação Roberto Marinho, instituição ligada ao Grupo Globo. Exemplo bem-sucedido de parceria entre o poder público e a iniciativa privada, o Museu conta com o Banco Santander como patrocinador máster, a Shell Brasil, ArcelorMittal, Grupo CCR e Instituto Cultural Vale como mantenedores e uma ampla rede de patrocinadores que inclui Engie, Americanas, IBM e B3. Tendo a Globo como parceiro estratégico e Copatrocínio da Light e Raia Drogasil, conta ainda com apoio de EY, Sodexo, EMS, Rede D’Or, White Martins, Bloomberg, Colgate, Chevrolet Serviços Financeiros, TechnipFMC, Universidade Veiga de Almeida, Unimed-Rio, Dataprev e Granado. Além da Accenture e o British Council apoiando em projetos especiais, contamos com os parceiros de mídia Artplan, SulAmérica Paradiso e Rádio Mix.

Sobre o IDG
O IDG - Instituto de Desenvolvimento e Gestão é uma organização social sem fins lucrativos especializada em conceber, implantar e gerir centros culturais públicos e programas ambientais. Atua também em consultorias para empresas privadas e na execução, desenvolvimento e implementação de projetos culturais e ambientais. Responde atualmente pela gestão do Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro, Paço do Frevo, em Recife, e Museu das Favelas, em São Paulo. Atua ainda na implantação e futura gestão do Museu do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, como gestor operacional do Fundo da Mata Atlântica e como realizador das ações de conservação e consolidação do sítio arqueológico do Cais do Valongo, na região portuária do Rio de Janeiro. Também foi responsável pela concepção e implementação do projeto museológico do Memorial do Holocausto, a ser inaugurado em 2022 no Rio de Janeiro. Saiba mais no link.

Instalação coletiva é realizada pelo MON Como parte das comemorações de 20 anos, o Museu Oscar Niemeyer

(MON) realiza uma instalação coletiva de artistas, “Terzo Paradiso”. A exposição pode ser vista pelo público no Vão-livre do MON, onde estará até 29/1/2023.

“Buscamos uma ação que mostrasse união, reencontro e celebração, especialmente após o difícil período de pandemia que todos atravessamos”, explicou a diretora-presidente do MON, Juliana Vosnika, no lançamento do projeto. “É uma grande manifestação de paz e sustentabilidade, por meio da arte”, disse.

A superintendente-geral da Cultura, Luciana Casagrande Pereira, comentou que os artistas fazem parte dos 20 anos do MON. “É uma emoção realizar um projeto como este, com mãos unidas e espírito coletivo numa ação com muito simbolismo”, afirmou.

A maioria dos artistas participantes da mostra é paranaense. São eles: Abrão Assad, Alberth Diego Murta, Alejandro Magnere, Alfi Vivern, Aline Volpato, Ana Penso, André Azevedo, André Mendes, André Nacli, Christian Sampaio, Fernando C. de Lacerda e Pedro Amin (Arquea), Cleverson Oliveira, Eduardo Bragança, Eliane Prolik, Emerson Persona, Fernanda Castro, Fernando Canalli, Fernando Velloso, Flávia Itiberê, Maurício Noronha e Rodrigo Brenner (Furf Design), Geraldo Zamproni, Guita Soifer, Henrique Hellström, Aleverson Ecker e Luiz Pellanda (Holaria), Hugo Mendes, José Antonio de Lima, Juliane Fuganti, Laura Miranda, Leandro Garcia, Leila Pugnaloni, Leonardo Franco, Leonardo Sokolovicz, Lilian Gassen, Livia Piantavini, Lívia Fontana, Lucas Machado, Luiz Martins, Mano Penalva, Marcelo Conrado, Marcelo Stefanovicz, Max Kampa, Mazé Mendes, Nino Cais, Pedro Loyola, Pedro Sunyé, Rafael Silveira, Rimon Guimarães, Rogerio Ghomes, Ronald Simon, Alexandre Ruiz e João Sarturi (Saboia e Ruiz), Tatiana Stropp, Tom Lisboa, Toni Graton, Tony Camargo, Verônica Filipak, Vilma Slomp e Washington Silvera.

A mostra também conta com reproduções de obras do acervo MON, o que inclui nomes como os de Rosana Paulino, Gustavo Caboco, Miguel Bakun, Beatriz Milhazes, Francisco Faria, Oscar Niemeyer, Tomie Ohtake e Maureen Bisilliat.

Movimento mundial
“Terzo Paradiso” é um movimento mundial, já desenvolvido em diversos países do mundo e que ocorrerá pela primeira vez na América do Sul, em 2022, como parte das comemorações do aniversário do Museu. A curadoria da exposição realizada pelo MON é de Marc Pottier e a produção, de Consuelo Cornelsen.

O movimento foi idealizado pelo artista italiano Michelangelo Pistoletto, um dos principais representantes da “Arte Povera” italiana. O Terceiro Paraíso é um símbolo concebido para difundir uma mensagem de renascimento e de partilha no mundo, por meio da promoção de atividades artísticas orientadas para alcançar efeitos tangíveis com impacto social nos lugares onde é realizado.

“Pistoletto é uma das grandes figuras da arte contemporânea mundial e é um grande prestígio trabalhar com ele”, afirma Marc Pottier. O curador adianta que, em breve, haverá um workshop em parceria entre o artista italiano e o MON.

SOBRE O MON
O Museu Oscar Niemeyer (MON) é patrimônio estatal vinculado à Secretaria de Estado da Comunicação Social e da Cultura do Paraná. A instituição abriga referenciais importantes da produção artística nacional e internacional nas áreas de artes visuais, arquitetura e design, além de grandiosas coleções asiática e africana. No total, o acervo conta com aproximadamente 14 mil obras de arte, abrigadas em um espaço superior a 35 mil metros quadrados de área construída, sendo 17 mil metros quadrados de área para exposições, o que torna o MON o maior museu de arte da América Latina.

Serviço
Terzo Paradiso
No Vão-livre do MON até 29/1/2023.
www.museuoscarniemeyer.org.br

Museu Oscar Niemeyer realiza “Uma Noite no MON”

Estão abertas as inscrições para a nova edição do tradicional programa do Museu Oscar Niemeyer, “Uma Noite no MON”. Será no dia 26 de novembro, das 18h30 às 22h, com 30 vagas disponíveis ao público infantil de 8 a 11 anos.

As crianças devem, obrigatoriamente, estar acompanhadas de um adulto responsável. O tema desta edição será o aniversário de 20 anos do Museu Oscar Niemeyer, completados no mês de novembro.

“Uma Noite no MON” proporciona experiências no contato com a arte e a cultura, pela imersão lúdica e participativa. A atividade incluirá oficinas, desafios, brincadeiras e visitas mediadas nas exposições, além de um lanche.

A programação abordará os bastidores do Museu e foi elaborada especialmente para que a criança e o adulto responsável participem juntos, criando um ambiente de interação e conexão. Será permitida a participação de um adulto com até duas crianças.

Edição extra
No dia 19 de novembro, a mesma edição será realizada para crianças de instituições de acolhimento, numa parceria entre o Tribunal de Justiça do Estado do Paraná (TJPR) e o Museu Oscar Niemeyer.

SOBRE O MON
O Museu Oscar Niemeyer (MON) é patrimônio estatal vinculado à Secretaria de Estado da Comunicação Social e da Cultura do Paraná. A instituição abriga referenciais importantes da produção artística nacional e internacional nas áreas de artes visuais, arquitetura e design, além de grandiosas coleções asiática e africana. No total, o acervo conta com aproximadamente 14 mil peças, abrigadas em um espaço superior a 35 mil metros quadrados de área construída, sendo 17 mil metros quadrados de área para exposições, o que torna o MON o maior museu de arte da América Latina. Os principais patrocinadores da instituição, empresas que acreditam no papel transformador da arte e da cultura, são: Copel, Sanepar, Grupo Volvo América Latina, Vivo, Grupo Focus e Moinho Anaconda.

Serviço
Uma noite no MON
Dia 26/11, sábado
Horário: das 18h30 às 22h
Inscrições: pelo link bit.ly/UmaNoiteNoMON2022
Valor: R$ 130 por criança (o valor inclui a participação de um adulto responsável).
Informações: pelo fone (41) 3350-4448 ou pelo e-mail educativo@mon.org.br

Museu Oscar Niemeyer
Rua Marechal Hermes, 999
Visitação: terça a domingo, das 10h às 18h
www.museuoscarniemeyer.org.br

MON abre ao público nesta segunda, dia 14/11

O Museu Oscar Niemeyer (MON) abrirá, excepcionalmente, na próxima segunda-feira, dia 14, véspera de feriado. Na terça, dia 15, o Museu também funcionará em horário normal, das 10h às 18h, com acesso às exposições até 17h30. Os ingressos estão disponíveis no site ou na bilheteria física do MON.

O público poderá visitar todas as exposições atualmente em cartaz: “Afinidades II – Elas!”; “Poty, Entre Dois Mundos”; “Ásia: a Terra, os Homens, os Deuses (Colonialismo)”; “Sou Patrono”; “Fora das Sombras: Novas Gerações do Feminino na Arte Contemporânea”; “Recortes de um Lugar”; “Luz e Espaço”; “Grid”; “Bancos Indígenas do Brasil”; “África, Expressões Artísticas de um Continente” e “O Mundo Mágico dos Ningyos”, além do “Espaço Niemeyer”, “Pátio das Esculturas” e “Cones”.

SOBRE O MON
O Museu Oscar Niemeyer (MON) é patrimônio estatal vinculado à Secretaria de Estado da Comunicação Social e da Cultura do Paraná. A instituição abriga referenciais importantes da produção artística nacional e internacional nas áreas de artes visuais, arquitetura e design, além de grandiosas coleções asiática e africana. No total, o acervo conta com aproximadamente 14 mil obras de arte, abrigadas em um espaço superior a 35 mil metros quadrados de área construída, sendo 17 mil metros quadrados de área para exposições, o que torna o MON o maior museu de arte da América Latina.

Serviço
Horários especiais no feriado:
Segunda e terça (dias 14 e 15/11)
Aberto das 10h às 18h, com acesso às exposições até 17h30.
Museu Oscar Niemeyer
www.museuoscarniemeyer.org.br

ParkShoppingBarigüi recebe o 29º Encontro Sul-Brasileiro de Veículos Antigos

A partir do próximo sábado (12), o Museu do Automóvel de Curitiba promove o tradicional Encontro Sul-Brasileiro de Veículos Antigos que acontece no pátio do ParkShoppingBarigüi

Entre os dias 12 e 15 de novembro, o público curitibano poderá ver de perto os carros que encantam gerações e hoje são ícones do setor automobilístico. Em sua 29ª edição, o evento vai reunir veículos de várias nacionalidades e modelos, com mais de 30 anos de fabricação, seguindo uma trajetória de avanços tecnológicos e designs que caíram no gosto dos consumidores.

“No início do século 20 o automóvel passou a ganhar um lugar de destaque na vida do brasileiro. O público poderá acompanhar as diferentes fases da indústria automotiva que promoveu uma verdadeira corrida para atrair consumidores, indo ao encontro de suas necessidades e demandas, o que conferiu ao país um lugar de destaque na moderna economia industrial”, explica Luiz Carlos Cooper, presidente do Museu do Automóvel de Curitiba e organizador do evento.

O 29º Encontro Sul-Brasileiro de Veículos Antigos irá contar com uma feira de peças, antiguidades e acessórios automotivos.

Colecionadores particulares ou clubes do gênero poderão colocar seu veículos em exposição. Para mais informações acesse: www.museuautomovel.com.br

Serviço:

29 º Encontro Sul-Brasileiro de Veículos Antigos

Onde: ParkShoppingBarigüi

Quando: 12 a 15 de novembro de 2022

Horário: a partir das 9h.

Entrada Franca

Endereço: Rua Rosa Neuman, 583

(Paralela à Rodovia do Café – BR 277)

Bairro Campina do Siqueira

Curitiba – Paraná

Realização: Museu do Automóvel de Curitiba

Inscrições e informações:

(41) 99801-0913

(41) 3335-1440

www.museuautomovel.com.br

Siga-nos Instagram:

@museuautomovel

É proibida a venda de bebidas alcoólicas dentro do evento. Som automotivo e manobras perigosas também não serão permitidos.

Apoio:

Federação Brasileira de Veículos Antigos

ParkShoppingBarigüi

Patrocínio:

Sigma Car – Soluções Automotivas

@sigmacar

Cral – A bateria nota 10

https://www.cral.com.br/

MON divulga horários especiais de funcionamento

O Museu Oscar Niemeyer abrirá em horário especial neste domingo de eleições federais. O horário de funcionamento será das 12h às 18h, com acesso às exposições até 17h30.
Nos feriados do mês de novembro o MON abrirá normalmente, nos dias 2 e 15, inclusive na segunda-feira, dia 14. Nestes dias de feriado, o horário continua das 10h às 18h.
Você pode adquirir o ingresso no site ou na bilheteria física do Museu. O MON mantém a política de gratuidade para todos nas quartas-feiras, inclusive nos feriados.

Confira as exposições em cartaz no MON:
Afinidades II – Elas!
Poty, Entre Dois Mundos
Ásia: a Terra, os Homens, os Deuses
Sou Patrono
Fora das Sombras: Novas Gerações do Feminino na Arte Contemporânea
Recortes de Um Lugar
Luz e Espaço
Ópera Citoplasmática
Grid
Bancos Indígenas do Brasil
África, Expressões Artísticas de um Continente
O Mundo Mágico dos Ningyos

SOBRE O MON
O Museu Oscar Niemeyer (MON) é patrimônio estatal vinculado à Secretaria de Estado da Comunicação Social e da Cultura do Paraná. A instituição abriga referenciais importantes da produção artística nacional e internacional nas áreas de artes visuais, arquitetura e design, além de grandiosas coleções asiática e africana. No total, o acervo conta com aproximadamente 14 mil obras de arte, abrigadas em um espaço superior a 35 mil metros quadrados de área construída, sendo 17 mil metros quadrados de área para exposições, o que torna o MON o maior museu de arte da América Latina.

Serviço
Horários especiais
30/10 – Domingo de eleições
12h às 18h

2/11, 14/11 e 15/11 - Feriados
10h às 18h

Texturas e perfurações em belas formas orgânicas ressaltam obra brasileira na Itália

A magia cálida do vidro com enorme capacidade de transformação atribui leveza à arte colocando em evidência pela quinta vez o trabalho da curitibana Désirée Sessegolo em Veneza.

Por Emanuelle Spack

Testando os limites da teoria com seu estilo próprio para converter o fluido incandescente e reproduzir algo diferente e inovador em uma peça rígida, a designer e artista vidreira Désirée Sessegolo destaca texturas e perfurações que agregam um efeito orgânico e inusitado à sua obra Amazônia, que foi selecionada para o The Venice Glass Week 2022, um festival internacional dedicado à arte em vidro, que será realizado entre os dias 17 e 25 de setembro, no Instituto Vêneto de Ciências, Letras e Artes – Palazzo Loredan, em Veneza, na Itália.

É a quinta vez consecutiva que a artista vidreira curitibana vai representar o Brasil no festival. Désirée tem uma forte ligação com a natureza e sempre agrega o tema em suas obras. “Esse importante momento de reconhecimento à arte vidreira brasileira é oportuno para chamar a atenção para algo relevante, como questão ambiental”, explica a artista que tem a habilidade de transformar o vidro em poesia.

No dia 05 de setembro é comemorado o Dia da Amazônia, uma data para lembrar da importância de um dos patrimônios naturais mais valiosos de toda a humanidade, além de ser a maior reserva natural do planeta. “O The Venice Glass Week sempre acontece em setembro, então, neste ano, eu incorporei um elemento a outro, levando a arte como forma de reflexão para a situação da degradação do meio ambiente, em especial a da Amazônia, que afeta o ecossistema do bioma causando impactos em todo o mundo.” ressalta Désirée.

Sobre a Amazônia

A confluência entre artes visuais e natureza mostra-se como uma das vertentes poéticas da obra que propõe a reflexão sobre a importância da floresta para o planeta e, em última análise, a um pensamento crítico sobre a relação do homem com a natureza nos dias de hoje.
Composta por 3 esculturas em vidro feitas manualmente por meio de uma técnica exclusiva de vitrofusão, as peças são repletas de texturas e perfurações que agregam um efeito orgânico e inusitado à obra. Para a artista, o vidro é um material perfeito para expressar conceitos relativos à “transformação”, pois ele próprio é um material natural, que assim como a natureza, permite infinitas transformações.
Sobre a artista
Désirée Sessegolo é designer e artista vidreira. Seu trabalho é reconhecido pelo Museu Alfredo Andersen, Casa João Turin, Museo del Vidrio de Bogotá, International Biennale of Glass na Bulgária, Bienal de Arte em Vidro da Costa Rica e The Venice Glass Week na Itália, entre mais de 50 mostras, salões e prêmios que participou em 15 anos dedicados à arte do vidro.
A denominação “Vidro Celular”, técnica exclusiva da designer e artista visual, se define pelo seu processo de fusão, onde as partículas de vidro se movimentam buscando um equilíbrio físico, originando texturas orgânicas compostas por espaços vazados que remetem a texturas celulares.
Redes Sociais:

Instagram

Facebook

Site da artista

Portfólio da artista

Histórico de participações na The Venice Glass Week

2018 – Instalação Amazônia

2019 – Morpho

2020 – Oggetti (participação cancelada devido à pandemia)

2021 – Instalação Vuoti

2022 – Amazônia

Serviço

The Venice Glass Week 2022 /The Italian Glass Weeks

Data: 17 a 25 de setembro de 2022

Local: Instituto Vêneto de Ciências, Letras e Artes – Palazzo Loredan – Veneza.

Entrada: Gratuita

Site do evento

Facebook

Instagram

Twitter

YouTube

Hashtags
#exposicao #arte #artes #mostra #vidro #artista #artistavidreira #design #designer #designbrasileiro #arteemvidro #Itália #Brasil #Curitiba #curitibana #vidrocontemporaneo #vidrocelular #vidrofusao #glassartists #arteemvidrobrasileira #vetroartistico #TheVeniceGlassWeek #TheItalianGlassWeeks #vidrocelular #artecontemporâneabrasileira #Amazônia #Amazzonia #fundaçãoculturaldecuritiba

Alexandre Herchcovitch e Luan Valloto participam de evento exclusivo no Museu Oscar Niemeyer

O encontro "Moda e Beleza, a indústria do futuro!”, realizado pelo SEBRAE, convidou grandes nomes nacionais e locais para apontar o direcionamento do futuro do mercado da moda e beleza

No último SEBRAE Experience, o design foi destaque. Com o tema "Moda e Beleza, a indústria do futuro!”, o SEBRAE convidou Alexandre Herchcovitch, Luan Valloto, Camila Yahn e Melissa Volk em diferentes ações que aconteceram no Museu Oscar Niemeyer, em Curitiba. Luan Valloto é um dos maiores nomes da moda paranaense e foi o escolhido para representar o estado no evento.

“Fico muito feliz com o reconhecimento do meu trabalho, ser convidado junto a profissionais tão importantes do mercado nacional é um momento especial. Acredito que a arte intersecciona a moda e relaciono isso com a arquitetura. Este encontro foi a união do conceito que sempre levo no meu trabalho”, revela Valloto.

A experiência foi a união de diferentes vertentes da arte. Além dos talks, palestras e apresentações, o evento conta também com a apresentação da performance “À flor concreta”, assinada por Valloto, em que apresenta um olhar contemporâneo sobre a união da moda, arquitetura e dança. Com 10 bailarinos profissionais de grupos locais, a performance é um desdobramento da coleção homônima do designer, que traduz, em um espetáculo de 10 minutos, um sentimento provocado pelo poema “A Flor e a Náusea”, de Carlos Drummond de Andrade. Embalados por uma trilha sonora original – composição de Maycon Ananias, com design de som de Vitor Rosa – os bailarinos criam, no palco, uma relação poética com as roupas que vestem e que pairam sobre seus corpos, em movimentos semicoreografados. .

O evento foi exclusivo para convidados, mas transmitido online nas plataformas do SEBREA. Para encerrar o evento, Alexandre Herchcovitch, Luan Valloto, Camila Yahn e Melissa Volk participaram de uma roda de conversa para aprofundar o objetivo do evento em criar um espaço de discussão e pensamento criativo sobre o mercado do vestuário e de cosméticos, alinhado com as suas fronteiras de conhecimento e da inovação.

Banco Safra patrocina museu e minissérie que marcam os 200 anos da Independência

A relação do Banco Safra com o patrimônio histórico e cultural do Brasil mais uma vez se reforça com as comemorações dos 200 anos da Independência, programadas para hoje. O Safra e outros 27 patrocinadores participaram desde o início do projeto de restauro, ampliação e modernização do Museu do Ipiranga. O banco também é patrocinador de “Independências", minissérie que estreia na TV Cultura nesta quarta-feira.

O Banco Safra possui mais de 180 anos de fundação e sempre entendeu que a preservação da cultura, das artes e da própria história é a melhor forma de garantir esses patrimônios às futuras gerações. São legados que se transferem.

O Novo Museu do Ipiranga, por exemplo, cuja área foi duplicada, com toda infraestrutura e segurança, será colocado à disposição de todas as pessoas a partir do dia 8, em visitas que devem ser agendadas pela internet. O Novo Museu do Ipiranga foi totalmente restaurado, plenamente acessível e com diversos recursos tecnológicos.

O projeto de restauro, ampliação e modernização tem valor global estimado de R$ 211 milhões e teve o Safra como um dos patrocinadores. É uma realização da Fundação de Apoio à Universidade de São Paulo (Fusp), do Governo Federal e Ministério do Turismo, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura e contou com o apoio da USP e do Governo do Estado de São Paulo, no desenvolvimento institucional para captação de recursos, além de outras parcerias.

Já a minissérie “Independências” começa a ser exibida amanhã, quarta-feira (8), após o Jornal da Cultura. Será uma megaprodução que terá 16 episódios, com exibição de um por semana. A obra terá no elenco Antônio Fagundes (vivendo Dom João 6º) e Daniel de Oliveira, que interpreta D. Pedro I. A série foi criada por Luís Alberto de Abreu e dirigida por Luiz Fernando Carvalho, mesma dupla responsável por sucessos como "Hoje é dia de Maria", "Capitu" e "A Pedra do Reino", que foram grandes sucessos da TV brasileira.

A partir de fatos reais e históricos, irá mostrar os anos que antecederam a Independência, desde a Convenção de Viena, em 1815, à afirmação do Brasil como Império e o nascimento de Pedro II, herdeiro do trono brasileiro, em 1825. Todos esses aspectos serão retratados em filmagens a partir de vários núcleos cênicos, no Brasil e no exterior.

Sobre o Banco Safra
O Safra é um dos maiores bancos privados do Brasil. Com mais de dez mil colaboradores e atuação nos segmentos Pessoa Física e Pessoa Jurídica, a instituição possui patrimônio líquido de mais de R$ 15 bilhões. A carteira de crédito se aproxima de R$ 155 bilhões e os recursos de terceiros sob gestão da Safra Asset totalizam mais de R$ 100 bilhões. Os números são referentes ao fechamento de 2021.

O banco faz parte da história de uma família que atua no segmento financeiro há 180 anos e que está presente em 26 países. Ao redor do mundo, os valores agregados sob gestão chegam a R$ 1,9 trilhão. Em todas as localidades onde atua, a marca Safra é reconhecida pela solidez, segurança e relacionamento próximo.

Mesa redonda debate obra de Juarez Machado no MON

Artista desenvolveu seu estilo e começou a trilhar sua trajetória em Curitiba. Mostra comemorativa aos seus 80 anos acontece no MON até setembro. Mesa-redonda sobre sua vida e obra ocorre no dia 23 de agosto, no Miniauditório do museu
Antes de se tornar um dos maiores nomes da arte brasileira e influenciar até o cinema francês, o catarinense Juarez Machado passou anos decisivos em Curitiba e fez parte de um capítulo importante da arte paranaense na década de 1960.

Foi na Escola de Música e Belas Artes do Paraná – na companhia de nomes da geração moderna como Helena Wong, João Osório Brzezinski e Fernando Velloso – que o multiartista começou a formar o estilo único que marca sua obra até hoje. E foi trabalhando no teatro e na televisão da capital paranaense que Juarez descobriu os trilhos que o levariam ao Rio de Janeiro e, depois, ao exterior.

Quem conta é o professor e crítico de arte Fernando Bini, que apresenta “Juarez Machado – Volta ao Mundo em 80 Anos” – mostra comemorativa em cartaz até 18 de setembro no Museu Oscar Niemeyer (MON), em Curitiba.

No dia 23 de agosto, às 18 horas, Bini participa de uma mesa redonda sobre a vida e obra do artista no Miniauditório do MON com participação do curador da exposição, Edson Busch Machado, e dos artistas Fernando Velloso e João Osório Brzezinski. A mediação será da diretora cultural do Museu, Glaci Gottardello.

Edson Busch Machado também conduzirá duas visitas mediadas à mostra no dia 24 de agosto (leia mais abaixo).

Relação com Curitiba
“Juarez sempre disse que já nasceu artista. Mas ele achava que sua cidade natal, Joinville [SC], ainda não dava condições para isso. Ao ver uma exposição de artistas modernos de Curitiba em Joinville, ele se entusiasmou e decidiu vir”, conta Bini.

O professor explica que Juarez Machado começou a desenvolver ainda enquanto estudava na Belas Artes o estilo e o tipo de figura que usa até hoje – influenciado pelos principais movimentos da história da arte ensinados na escola, do Renascentismo ao Modernismo.

Sua primeira exposição individual, realizada na galeria Cocaco, em 1963, já tinha como tema as bicicletas – ícone de seu universo artístico, juntamente com elementos como o guarda-chuva.

“Juarez influenciou seus pares mais próximos e recebeu influência, por exemplo, do desenho de Luiz Carlos de Andrade Lima. Mas ele criou uma maneira própria de ser que não tem como ser copiada”, avalia Bini.

Juarez Machado completou 80 anos em 2021. (Max Schwoelk)
De Curitiba para o mundo
Trabalhando também como criador de cenários para televisão e teatro na capital paranaense, Juarez Machado entrou em contato com artistas do Rio de Janeiro. A cidade contava com uma cena e um mercado de artes mais desenvolvido e logo se tornou o próximo destino do artista.

No Rio, Juarez se destacou como ilustrador, cenógrafo para televisão e teatro, figurinista, escultor e cartunista, passando por veículos como o “Pasquim” e a TV Globo – onde manteve um popular quadro no programa “Fantástico” entre 1973 e 1978.

“De repente, o Rio de Janeiro também ficou pequeno para o Juarez e, em seguida, ele parte para Inglaterra, Estados Unidos e França – sempre em busca de elevar a arte brasileira ao nível internacional”, diz Bini.

Um dos melhores exemplos desta internacionalização ocorreu em 2001, com o lançamento do filme “O Fabuloso Destino de Amélie Poulain”, do diretor francês Jean-Pierre Jeunet. A estética do longa é diretamente inspirada pelo universo pictórico de Juarez Machado, a exemplo do uso das cores – um dos elementos mais marcantes de sua obra.

“Juarez não é um artista joinvilense, nem curitibano, nem carioca e nem francês. É um nômade, que quis ter ateliês em cada um destes lugares para absorver tudo o que acontece no mundo”, conclui Bini. “Não é possível dizer em detalhes de onde vem cada elemento. Ele construiu sua própria síntese.”

Visitas mediadas
No dia 24/8, o curador Edson Busch Machado vai conduzir visitas mediadas à mostra “Juarez Machado – Volta ao mundo em 80 anos” para o público espontâneo.

Em cartaz desde junho no MON, a exposição abrange desde o início da carreira do pintor na capital paranaense até sua fase internacional com a mudança para Paris, em 1986. São mais de 170 obras.

As mediações acontecerão às 11h e às 15h. Para participar, basta chegar à entrada da Sala 3 do MON com 15 minutos de antecedência. A entrada é franca às quartas-feiras.

Serviço

Mesa redonda com Edson Busch Machado, Fernando Bini, João Osório Brzezinski e Fernando Velloso
Mediação: Glaci Gottardello, diretora cultural do MON
Dia 23 de agosto, às 18h
Miniauditório do MON

Visita mediada à exposição “Juarez Machado – Volta ao Mundo em 80 Anos” com Edson Busch Machado
Dia 24 de agosto, às 11h e às 15h.
Sala 3 do MON

Exposição “Juarez Machado – Volta ao Mundo em 80 Anos”
De 2 de junho a 18 de setembro de 2022
Sala 3
Museu Oscar Niemeyer (R. Marechal Hermes, 999), (41) 3350-4400. De terça a domingo, das 10h às 17h30 (permanência até 18h). R$ 30 e R$ 15 (meia-entrada). Toda quarta-feira, entrada gratuita.
www.museuoscarniemeyer.org.br

Mês em homenagem às artes é convidativo para conhecer o legado do artista paranaense João Turin

Agosto é um mês de homenagem às artes, com datas que celebram as atividades artísticas e os profissionais da área. Em 12/08 se comemora o Dia Nacional das Artes, enquanto 24/08 é o Dia do Artista. Por ocasião destas datas, este é um mês convidativo para realizar passeios culturais e visitas a espaços como museus, memoriais e galerias para conhecer mais sobre artistas brasileiros e suas obras, que muito contribuem com a cultura nacional.

Em Curitiba, é possível conhecer de forma gratuita a vida e o legado artístico do escultor João Turin (1878-1949), que tem boa parte de suas obras expostas em espaços públicos da cidade, como diversas praças e também no Memorial Paranista, construído em sua homenagem. Conhecido como o maior escultor animalista do Brasil, realizou esculturas e baixos-relevos não somente de animais (em especial onças, retratadas com realismo), mas também representações de personalidades, povos indígenas, momentos históricos, obras que dialogam com a arte sacra, entre outros temas.

O roteiro cultural pode começar pela Praça Tiradentes, onde há uma estátua do personagem da História do Brasil que dá nome à praça, em uma obra que completa 100 anos. Criada em 1922 quando Turin morava na França, foi exposta no Salão dos Artistas Franceses em Paris, onde recebeu boas referências da crítica francesa. No ano seguinte, participou do Salão Nacional de Belas Artes de 1923, no Rio de Janeiro, tendo recebido na ocasião menção honrosa e um prêmio em dinheiro. No mesmo local, também há obras do artista no Monumento à República.

A cerca de 800 metros de distância, na Praça Santos Andrade, está a Águia de Haia, que integra o monumento a Rui Barbosa. Assim, o roteiro começa a mostrar Turin como escultor animalista. Em outro ponto próximo, na rotatória do Centro Cívico, está uma das obras mais representativas do artista, “Luar do Sertão”, de uma onça rugindo. Originalmente batizada como “O rugir do Tigre”, rendeu ao artista a medalha de ouro no Salão Nacional de Belas Artes em 1947. Além de Curitiba, um exemplar está presente também no Rio de Janeiro, na Praça General Osório. É possível encontrar em outros locais públicos da capital paranaense bustos de celebridades assinados por Turin, como o do maestro Carlos Gomes (na praça de mesmo nome).

Jardim de Esculturas - Memorial Paranista João Turin - Onça e Tartaruga - Foto Maringas Maciel.jpg

Memorial Paranista reúne 100 obras do artista
O local mais importante para conhecer João Turin e seu legado artístico é o Memorial Paranista, no Parque São Lourenço, que conta com uma seleção representativa das obras do artista. Construído pela Prefeitura de Curitiba, o espaço abriga cerca de 100 esculturas e baixos-relevos em bronze de João Turin em uma exposição permanente disposta em dois ambientes: em uma área interna (onde estão a maior parte das obras e também murais com informações sobre a trajetória do artista) e outra externa, que constitui o maior jardim de esculturas público do Brasil, com 13 obras ampliadas em bronze, a céu aberto. Boa parte delas são de onças em diversas situações (em repouso, em combate, brincando com um filhote, etc), com destaque para “Marumbi”, que retrata a luta de dois grandes felinos, em uma ampliação em proporção heróica, com quase 3 metros de altura e 700 quilos. Quem quiser saber mais sobre o artista, também tem a opção de agendar uma visita guiada no site do Memorial Paranista.

A conquista de um espaço privilegiado como este, que proporciona grande visibilidade ao legado de João Turin é um dos pontos mais altos de um trabalho minucioso de levantamento de seu legado: um resgate de ponta a ponta, realizado pela Família Lago, algo até então inédito no mundo das artes. Foi iniciado em 2008, quando tiveram início as negociações com a família do artista, e compreendeu uma série de etapas, como pesquisa, localização de obras, catalogação, recuperação, fundição, entre outras. Foram catalogadas 410 obras, contemplando não somente esculturas, mas também desenhos, pinturas, design de moda e criações arquitetônicas. “Estamos em um caminho de tornar João Turin cada vez mais conhecido e sem dúvida uma exposição permanente é importante nessa estratégia. Além disso, o Memorial Paranista começou a ser apontado como um dos pontos turísticos mais procurados de Curitiba, o que contribui para aumentar a popularidade do artista”, comenta Samuel Lago, um dos gestores da obra de João Turin.

Serviço:
Memorial Paranista João Turin: Rua Mateus Leme, 4700 (Curitiba, Paraná).
Entrada gratuita.
Agendamento de visitas guiadas no site www.curitiba.pr.gov.br/memorialparanista
Site sobre João Turin: joaoturin.com.br
Redes sociais: @escultorjoaoturin e facebook.com/escultorjoaoturin

Vídeo sobre o Memorial Paranista João Turin:
https://youtu.be/0ZevRuwdti8

João Turin - Índio Guairacá II - foto André Castellano (1).jpg

A fotografia “O Último Retrato de Oscar Niemeyer” ganha destaque em nova sala do Museu Oscar Niemeyer (MON), em Curitiba

Obra de autoria da carioca Paula Klien, em exposição na recém aberta sala Torre do Olho, também está no livro “Pessoas me interessam”

0jFjOzYzMzMmY6InYu02bj5SYyJXZ0BUasxWZjVHbh1WYzNXZuFmd6MDMyQTN2QTO5EjOnVGcq5ydvxGMxkTO3AjMmlTNxQWZzITMiFGZ3QzN4EjN1MWM5QGN0YkMlQGN0YkMlgDNzMTMGJTJ2IjNzYTO3MDOy8VL0ETLfpDN
O último retrato de Oscar Niemeyer (Paula Klien)

Obra da artista carioca Paula Klien, a fotografia "O Último Retrato de Oscar Niemeyer", clicada em agosto de 2012, ganha destaque a partir desta semana em nova sala da Torre do Olho no Museu Oscar Niemeyer (MON), em Curitiba. A fotografia está exposta ao lado do croqui original do museu feito pelo arquiteto e exposto pela primeira vez. A obra também integra o livro "Pessoas Me Interessam", de autoria da artista. No dia em que foi clicada, faltavam poucos dias para a abertura da exposição “Edible”, de Paula, que tratava da fome sob diversos ângulos. A artista aproveitou para perguntar ao arquiteto do quê ele tinha mais fome na vida, e ele respondeu: “tenho fome de trabalho”.

Mais sobre o Museu Oscar Niemeyer
O Museu Oscar Niemeyer (MON), patrimônio estadual, localizado em Curitiba (PR), abriga referenciais importantes da produção artística nacional e internacional, com mais de 14 mil obras nas áreas de artes visuais, arquitetura e design. É considerado o maior museu de arte da América Latina, com um espaço de cerca de 35 mil metros quadrados de área construída e mais de 17 mil metros quadrados de área para exposições. Inaugurado em 2002, o projeto é de autoria do reconhecido arquiteto brasileiro que leva seu nome. Com um total de 12 salas expositivas, a cada ano são realizadas mais de 20 mostras que, juntas, recebem um público superior a 360 mil visitantes.

Mais sobre Paula Klien
A artista visual Paula Klien se inspira na filosofia oriental milenar, pesquisando o invisível e trabalhando os acidentes no campo da espiritualidade, transcendência, silêncio e entrega. Suas pinturas acontecem na água. Telas de grandes dimensões ou papéis de alta resistência são imersos em depósitos de água, preparados no estúdio ou em águas de rios brasileiros, enquanto recebem pigmentação com nanquim chinês. O conceito revela o fluxo de nossas vidas.

Agora, Paula Klien transporta a tradição de seu trabalho diretamente para o futuro, ao ter sido uma das pioneiras na cena de arte contemporânea brasileira no uso de NFTs. Representada pela Metaverse Agency, a artista lançou suas primeiras coleções na MakersPlace, uma das mais importantes plataformas de NFT e foi uma das 100 artistas globalmente convidadas para o lançamento da plataforma Binance. Também apresentou em larga escala seus NFTs na ArtRio 2021. Recentemente, fez seu primeiro drop na Tropix - marketplace global de criptoarte de Daniel Peres Chor e, agora, lança NFT na Invert - projeto de Andres Bilbao.

Sua obra física foi exposta muitas vezes no Brasil e no exterior. Representada em Berlim pela galeria aquabitArt, esteve em diversas ocasiões na capital alemã. Fez individuais e coletivas na galeria e participou de feiras de arte como Positions Berlin Art Fair e Paper Positions Berlin, bem como de uma coletiva no Deutsche Bank. Sua obra também foi exposta em Nova Iorque a convite da Clio Art Fair, em Buenos Aires na ArteBa, em Londres na Saatchi Gallery, e em Bienais na Itália. Na Europa, o trabalho da artista é representado pela Galeria Casa70 Lisboa.

No Brasil, suas exposições individuais contaram com curadoria de ponta: “Extremos Líquidos”, por Marcus Lontra, e “Fluvius”, por Denise Mattar. Obras de Paula Klien integram coleção de dois museus brasileiros. O MON (Museu Oscar Niemeyer) abriga “O ultimo retrato de Oscar Niemeyer” e o MACS (Sorocaba Contemporary Art Museum) abriga “ZigZag” e “Wherever you go, I go”.

Como fotógrafa, a artista fez parte de oficina com Steve McCurry, realizou campanhas e editoriais de moda e publicou dois livros de retratos, intitulados “Pessoas Me Interessam” e “It’s Raining Men”. Paula Klien fotografou um enorme número de modelos e celebridades. É de Paula Klien o último retrato de Oscar Niemeyer, em seu quarto, aos 104 anos de idade.

Serviço:
Instagram
Site Paula Klien
Museu Oscar Niemeyer