Família Lago entrega três obras para o Memorial Paranista João Turin

Memorial Paranista João Turin - entrega de obras 08-04-2021 - foto Maringas Maciel (2).jpeg

Na última quinta-feira (08/04), a Família Lago realizou a entrega de três obras do artista João Turin para a Fundação Cultural de Curitiba, em regime de comodato. Na ocasião, estava presente o prefeito Rafael Greca. As obras vão integrar o Memorial Paranista João Turin, construído pela Prefeitura no Parque São Lourenço, e que deverá ser inaugurado em breve. Detentora dos direitos autorais de João Turin, a Família Lago entregou duas estátuas em gesso (“Luar do Sertão” e “Tigre Esmagando Cobra”) e um baixo relevo em bronze de uma Pietá, que o escultor produziu em 1917. Quanto a esta obra, o primeiro exemplar foi feito em pedra e está na França, em uma Igreja de Saint Martin, em Condé-sur-Noireau, considerada uma verdadeira relíquia, que resistiu aos bombardeios da Segunda Guerra Mundial.

Ventura Shopping traz nova exposição sobre a capital paranaense

Mostra do designer e ilustrador paranaense Maycon Prasniewski acontece até março

Curitiba se destaca pela qualidade e quantidade de pontos turísticos e culturais. Ao todo, são pelo menos 40 espalhados pela cidade. O designer e ilustrador paranaense Maycon Prasniewski reuniu alguns desses locais em uma série de ilustrações em homenagem à capital. A exposição “Nossa Curitiba”, que conta com 12 obras, fica no Ventura Shopping, no bairro Portão, até o dia 31 de março.

Diante da diversidade cultural, Prasniewski apresenta em suas obras uma peculiaridade de cada ponto turístico. “Meu objetivo foi, de certo modo, fazer a minha pequena contribuição para valorizar o patrimônio local. Sobre a estética, busquei reforçar as características únicas que cada um desses lugares proporciona”, acrescenta o artista.

Todas as peças são representadas com muita delicadeza, com tons pastéis e traços modernos. “Realizei algumas obras com freehand para dar um aspecto mais humanista ao trabalho e a paleta de cores usada nos dá esta atmosfera mais lúdica e encantadora dos cenários”, comenta o artista.

Serviço

Exposição “Nossa Curitiba”, de Maycon Prasniewski

Data: até 31 de março

Local: Ventura Shopping, setor verde do shopping, em frente as Lojas Americanas

Endereço: R. Itacolomi, 292 - Portão - Curitiba - PR

Entrada gratuita

Sobre o Ventura Shopping

Considerado o maior shopping de descontos de Curitiba, o Ventura Shopping possui mais de 200 lojas, incluindo as âncoras Lojas Americanas, Havan, Casa China, Studio Z, Sorama Móveis, Fatec e Ímpar Odonto - primeira clínica odontológica em um shopping center de Curitiba. Localizado no bairro Portão, o Ventura é administrado pelo Grupo Tacla Shopping - que possui outros sete empreendimentos no sul e sudeste - e JCR Empreendimentos. Mais informações: www.venturashopping.com.br

Sobre o Grupo Tacla Shopping

Conglomerado com mais de 80 anos de tradição, experiência no varejo e referência no setor em todo país, o Grupo Tacla possui oito empreendimentos nos estados do Paraná, Santa Catarina e São Paulo, sendo eles: Catuaí Palladium Foz do Iguaçu (PR), Jockey Plaza Curitiba (PR), Palladium Curitiba (PR), Palladium Ponta Grossa (PR), Ventura Shopping Curitiba (PR), Itajaí Shopping (SC), Porto Belo Outlet Premium (SC) e Shopping Cidade Sorocaba (SP). Outras duas operações estão em fase de construção no Paraná: Citycenter Outlet, em Campo Largo, e Palladium Umuarama. Mais informações: www.taclashopping.com.br

Museu Histórico de Witmarsum reformará sede com doação

Doação de R$ 50 mil foi realizada pelo Sistema de Transmissão Gralha Azul, da ENGIE

Curitiba, janeiro de 2021 – Em dezembro, o Sistema de Transmissão Gralha Azul (STGA), da ENGIE Brasil Energia, realizou a doação de R$ 50 mil para investimentos no Museu Histórico de Witmarsum (Heimat Museum), localizado no município de Palmeira (PR). A verba ajudará na reforma física da sede, localizada na antiga Fazenda Cancela da própria colônia.
O museu histórico, fundado em 15 de setembro de 1989, conta a trajetória dos imigrantes menonitas russo-alemães que formaram a Colônia Witmarsum. Há 30 anos, realiza um papel fundamental na preservação da história local da comunidade, considerado também parte do Patrimônio Histórico do Estado do Paraná.
De acordo com o Diretor de Implantação do STGA, Márcio Daian, doações como essa são resultados de reconhecimento e respeito à cultural local. “Sabemos que o Museu Histórico de Witmarsum tem um papel indispensável, não só para a região em que atua, mas para a história do Paraná e do Brasil. Realiza atividades de preservação cultural e educacional de suma importância para manter viva a tradição e a união das famílias da colônia. O STGA também acredita na conservação patrimonial e, por isso, tem a certeza de que essa parceria traz inúmeros benefícios”, finaliza.
Para o diretor do museu, Ricardo Philippsen, essa doação é uma ajuda extremamente necessária. “Em momentos de pandemia, sabemos que devidos às restrições e todos os cuidados, tivemos que nos adaptar. Nesse ano ficamos fechados, mas conseguimos a autorização para reformar a estrutura do museu que é um bem tombado pelo Patrimônio Histórico do PR”. Philippsen relata ainda que a reforma recebeu também a parceria de alunos universitários do curso de Arquitetura, que farão o projeto dessa reestruturação. Ainda, de acordo com o diretor do museu, a prioridade é realmente investir na estrutura e na manutenção das atividades da instituição.
O Presidente da Associação de Moradores da Colônia Witmarsum, Rubens Kliewer, também esteve presente no ato da doação e reforçou o diferencial que trará esse investimento. “Com a possibilidade de fazermos a reforma com essa doação, o museu deixará de ser apenas um lugar que reúne nossas histórias para ser reconhecido como um agente cultural da comunidade”, acredita. Ainda de acordo com Kliewer, a comunidade luta para manter a tradição e já possui um idioma próprio reconhecido como Patrimônio Material, chamado de Plautdeutsch. “Aqui temos uma história de 500 anos que temos que preservar. Essa doação, não se trata só de uma reforma estrutural e sim, de preservar nossas origens”, finaliza.
O repasse dos recursos foi oficializado na Colônia Wittmarsun com a participação de representantes da ENGIE, o Gerente Local Gustavo Poyer e o Coordenador Socioambiental e Consultor Jurídico do STGA, Carlo Bruno Lopes do Nascimento.
Ao todo, o Sistema de Transmissão Gralha Azul (STGA), da ENGIE, já investiu neste ano mais de R$ 1.4 milhão em ações socioambientais voluntárias.

Sobre o ST Gralha Azul
O Sistema de Transmissão Gralha Azul, da ENGIE, passará por 27 municípios do Centro-Sul e Centro-Oriental paranaense, movimentando cerca de cinco mil vagas de emprego ainda em 2020, com a construção de mais de 1.000 quilômetros de linhas de transmissão e 2.200 torres. Em execução no Paraná desde setembro de 2019, o projeto - que tem o investimento de R$ 2 bilhões - contempla ainda quinze linhas de transmissão, construção de cinco novas subestações de energia e a ampliação de cinco subestações já existentes. Sua implantação deverá ser concluída em setembro de 2021, com a operação escalonada prevista para iniciar em julho.

Programação especial celebra 160 anos de Alfredo Andersen, mestre da pintura paranaense

No próximo dia 3 de novembro, Alfredo Andersen completaria 160 anos. E para celebrar a data, o complexo Museu Casa Alfredo Andersen (MCAA), que abriga o museu e a academia de artes que leva o nome do artista, em conjunto com a Sociedade de Amigos de Alfredo Andersen organizaram uma série de eventos para lembrar a sua relevância histórica e celebrar o legado deste importante ícone da arte paranaense e brasileira.

A programação começa no dia 2, com a abertura oficial da Semana Andersen 2020 e o lançamento de um selo comemorativo ao emigrante norueguês. E segue com atividades diárias até o dia 6, quando será inaugurada a exposição dos alunos “Vista da Janela” em homenagem a uma de suas mais famosas pinturas, a qual retrata o bairro curitibano do Alto da Glória a partir da janela de seu ateliê. A programação completa segue abaixo.

“Se hoje o Paraná produz arte contemporânea com muita qualidade, isso se deve muito à obra de um pioneiro: Alfredo Andersen. Ele foi um dos responsáveis pelo lançamento das bases para que, dentro de um processo cultural, se desenvolvesse no Paraná uma infraestrutura para uma metodologia do ensino da arte e do fazer artístico, inclusive deixando diversos discípulos que também fizeram história na pintura”, explica Luiz Gustavo Vardanega Vidal Pinto, diretor do MCAA.

Biografia – Alfredo Andersen nasceu em Kristiansand na Noruega em 1860 e completou sua formação artística na Dinamarca. Apesar de conhecido na Europa, optou viver no Paraná. A partir de 1892, em Paranaguá; e mais tarde, em 1902, em Curitiba.

Foi professor em colégios particulares e deu aulas em seu próprio atelier, formando uma geração de artistas paranaenses, como Lange de Morretes, Freyesleben, Estanislau Traple, Ghelfi, Koop, e Theodoro De Bona, entre outros.

Considerado o pai da pintura paranaense, foi um dos mais talentosos e emotivos intérpretes da gente e da paisagem do Estado do início do século 20. E sua importância para a cultura local é tão significativa que, no ano de 1959 foi inaugurado, em Curitiba, um museu que leva seu nome, sendo o único museu dedicado a um norueguês fora de seu pais de origem.

Programação:

Dia 02/11 – Abertura da Semana Andersen 2020 com o lançamento do “Selo Comemorativo 160 anos de nascimento de Alfredo Andersen”.

Lançamento de proposta “#compartilhandersen” em redes sociais, chamada para participação do público com postagens de obras do artista e experiências com o espaço Museu e Academia Andersen.

Vídeo da atriz Sandra Gutierrez declamando a poesia “Melancolia”, sobre obra: Rocio

03/11 – Menção Honrosa da Câmara dos Vereadores por Julieta Reis, em homenagem ao pintor Alfredo Andersen. Pronunciamento da Sessão plenária assembleia Legislativa do Paraná, pelo Deputado Rubens Recalcatti. Vídeo do governador Ratinho Junior, no Palácio Iguaçu, sobre a relevância de Andersen para o Estado.

04/11 – Live: Bisnetos de Andersen – Bate papo com os bisnetos do pintor, Wilson Andersen Balão e Dirceu Andersen Júnior, juntamente com o diretor do MAA, Luiz Gustavo Vidal e a mediadora Maria Ângela Marques.

05/11 – Divulgação das cinco obras imperdíveis do Acervo de Alfredo Andersen (TOP 5).

06/11 – Abertura da Exposição “Vista da Janela”, no espaço expositivo da Academia Andersen, com transmissão pelas redes sociais.

Lançamento do catálogo digital da exposição.

Serviço:

Semana Alfredo Andersen

Quando: de 3 a 6 de novembro

Mais informações: www.comunicacao.pr.gov.br

http://www.mcaa.pr.gov.br/

facebook.com/museucasaalfredoandersen

@museucasaalfaredoandersen

Com novas diretrizes e categorias, vem aí o 67º Salão Paranaense

Secretaria da Comunicação Social e da Cultura do Paraná e Museu de Arte Contemporânea do Paraná

Edital e formulário de inscrição: www.mac.pr.gov.br

Realização: Secretaria da Comunicação Social e da Cultura do Paraná e Museu de Arte Contemporânea do Paraná

Museu Paranaense promove simpósio virtual sobre arte indígena

Programação contará com palestras, relatos das aldeias e outros vídeos de 25 a 29 de maio na conta do museu no Instagram
O Museu Paranaense (MUPA) promove de 25 a 29 de maio o I Simpósio Virtual “Arte indígena em comunicação: diálogos entre saberes tradicionais, estética e sustentabilidade”. O evento, que será transmitido na conta @museuparanaense no Instagram, tem a colaboração de diferentes comunidades indígenas, pesquisadores e instituições. Todos os dias será publicada a biografia do convidado e, em seguida, exibida a palestra e outros vídeos, além de uma transmissão ao vivo.

Em tempos de muitas reflexões decorrentes da pandemia em um mundo globalizado, o simpósio busca valorizar o sentido de comunidade, formada tanto pelos pesquisadores quanto por indígenas, em atividades que rompem as fronteiras do museu, chegando também nas aldeias. Ele visa criar um espaço de diálogos entre as memórias, o cotidiano nas aldeias, as coleções de arte indígena e as instituições culturais da América do Sul. São contribuições importantes que vão entrelaçar narrativas sobre saberes tradicionais, tanto de povos amazônicos como do sul do Brasil e nordeste da Argentina, com estudos acadêmicos apresentados por pesquisadores experientes.

A diretora do Museu Paranaense, Gabriela Bettega, explica que a arte indígena será analisada sob várias perspectivas, como patrimônio, diversidade, cinema, memórias, produção cultural, e acervos em instituições públicas e privadas. “No simpósio virtual será destacada a importância dos saberes tradicionais em relação à sustentabilidade e à construção das identidades. Serão abordados também os diálogos e articulações da arte indígena com a cosmologia, as narrativas míticas, os saberes tradicionais, os artefatos e os agentes mediadores. A ideia é promover a aproximação entre várias temáticas que vêm sendo estudadas no Museu Paranaense desde as suas origens, em 1876”.

PROGRAMAÇÃO – Na segunda-feira (25/05), às 18h, tem palestra com a professora da Universidad Nacional Mayor de San Marcos, Luisa Elvira Belaunde, sobre a trajetória de mulheres indígenas em Cantagallo, no Peru, na busca de sustentabilidade e no reconhecimento da arte Shipibo-Konibo, e suas relações sociocosmológicas, especialmente a da artista Olinda Silvano.

Dia 26/05 (terça) a programação começa às 13h, com um mergulho na cultura Mbyá-Guarani do litoral paranaense. A cacica Mbyá-Guarani Juliana Kerexu Mirim Mariano, liderança indígena feminina no sul do Brasil, mostra a diversidade e a importância das artes no perpetuar da memória ancestral e na construção da identidade ameríndia. Danças e músicas que se conectam com o sagrado e com a natureza socialmente transformada.

Ainda na terça, às 18h, o professor da Universidade de São Paulo, Pedro de Niemeyer Cesarino, faz uma análise contextualizada das artes de povos ameríndios, especialmente da bacia amazônica e outras regiões das terras baixas da América do Sul, destacando os processos na produção de artefatos e construções. Ele discute as relações entre pessoas e objetos, mitos e ritos, percorrendo múltiplas trajetórias convergentes à impermanência material nas artes.

Na quarta-feira (27/05), às 18h, será realizada uma live com os diretores do filme “Bicicletas de Nhanderú”, os indígenas Mbyá-Guarani Patrícia Ferreira e Ariel Ortega, e a arqueóloga do Museu Paranaense, Claudia Inês Parellada. O link do filme será disponibilizado pelo Instagram do MUPA no próximo domingo, dia 24 de maio, para quem quiser assistir antes do bate-papo.

Na quinta-feira (28/05) tem programação dupla: às 13h será exibido vídeo produzido pelo professor Florêncio Rekayg Fernandes que apresenta aspectos culturais Kaingang na Terra Indígena Rio das Cobras, sudoeste do Paraná, incluindo a herança de saberes e fazeres, como o trançado, importantes na sustentabilidade e na afirmação da identidade étnica. O vídeo mostra a elaboração de cestos em taquara, da forma tradicional e raramente observada, com os motivos decorativos alternando fibras mais claras com as enegrecidas por carvão fixados com cera de abelha jataí.

E às 18h, a arqueóloga responsável pelo Departamento de Arqueologia do Museu Paranaense, Claudia Inês Parellada, fala sobre a busca de novos horizontes no estudo das artes indígenas no Paraná entrelaçando com dados arqueológicos e históricos, e discutindo materialidade e imaterialidade, diversidade e herança cultural. A pesquisadora destaca as coleções arqueológicas e etnográficas do MUPA possibilitando diferentes conexões e rupturas em análises sobre representações simbólicas, mitos e cultura material no transcorrer do tempo.

Encerrando o simpósio, na sexta (29/05), às 18h, a pesquisadora do Museu Paraense Emílio Goeldi, Lúcia Hussak Van Velthem, apresenta um histórico das principais pesquisas já desenvolvidas sobre artes indígenas no Brasil, com a análise de diferentes conceitos que buscam englobar e destacar a diversidade cultural. Com muitos exemplos, aponta articulações entre mitologia e arte, e elenca referências fundamentais para reflexões sobre essa temática.
CONTINUA – Além do simpósio virtual, o Museu Paranaense vai promover também um encontro presencial, previsto para o segundo semestre de 2020, dando continuidade ao projeto, com mais convidados de comunidades indígenas e científicas.

SERVIÇO
I Simpósio Virtual Arte indígena em comunicação: diálogos entre saberes tradicionais, estética e sustentabilidade
De 25 a 29 de maio de 2020
Pelo Instagram do Museu Paranaense – @museuparanaense

PROGRAMAÇÃO
Dia 25 de maio de 2020 (segunda) às 18h
Palestra “Uma biografia urbana do Kene Shipibo-Konibo” com a professora Dra. Luisa Elvira Belaunde (Universidad Nacional Mayor de San Marcos, Lima, Peru)

Dia 26 de maio de 2020 (terça) às 13h
Vídeo “Arte Mbyá-Guarani da Tekoa Takuaty, Ilha da Cotinga, litoral do Paraná” de Juliana Kerexu Mirim Mariano (Cacica Mbyá-Guarani do Tekoa Takuaty, Paraná).

Dia 26 de maio de 2020 (terça) às 18h
Palestra “A política da impermanência nas artes ameríndias” com o professor Dr. Pedro de Niemeyer Cesarino (Universidade de São Paulo).

Dia 27 de maio de 2020 (quarta) às 18h
Live com os diretores do filme “Bicicletas de Nhanderú”, os indígenas Mbyá-Guarani Patrícia Ferreira e Ariel Ortega, e a arqueóloga Dra. Claudia Inês Parellada (Departamento de Arqueologia do Museu Paranaense).

Dia 28 de maio de 2020 (quinta) às 13h
Vídeo “Memória e arte Kaingang em Rio das Cobras, Paraná” do professor Kaingang Florêncio Rekayg Fernandes (doutorando em Antropologia na Universidade Federal do Paraná).

Dia 28 de maio de 2020 (quinta) às 18h
Palestra “Entrelaçando arqueologias e artes indígenas no Paraná, sul do Brasil” com a Dra. Claudia Inês Parellada (Departamento de Arqueologia do Museu Paranaense).

Dia 29 de maio de 2020 (sexta) às 18h
Palestra “Artes dos povos indígenas no Brasil” com a professora Dra. Lúcia Hussak Van Velthem (Museu Paraense Emílio Goeldi).

Museus promovem ações virtuais durante a 18ª Semana de Museus

Na semana em que se comemora o Dia Internacional de Museus (18 de maio), o Museu Paranaense, Museu Oscar Niemeyer e o Museu da Imagem e do Som do Paraná promovem ações virtuais com base no tema da 18ª Semana de Museus: “Museus para a Igualdade: diversidade e inclusão”. Na programação estão palestras, debate e oficinas online, divulgação do acervo, sugestão e compartilhamento de estudos, filmes, artigos e sites interessantes relacionados ao tema da semana. As atividades serão totalmente online, por meio das redes sociais de cada museu, e ocorrem de 18 a 24 de maio de 2020.

“A Semana de Museus é uma iniciativa do Instituto Brasileiro de Museus para valorizar os museus brasileiros e trazer mais público aos espaços, cativando novos visitantes. Infelizmente, a pandemia da Covid-19 e o fechamento dos museus inviabilizaram essa aproximação física nessa edição, mas isso não impede que a gente possa se aproximar de forma virtual”, comenta a coordenadora do Sistema Estadual de Museus, Inês Kiyomi Koguissi Morikawa.

PROGRAMAÇÃO - A programação do Museu Paranaense se concentra nos dias 18 a 20 de maio pelo Instagram (@museuparanaense), sempre a partir das 18h. No dia 18/05, o antropólogo Leonardo Campoy fala sobre “As potencialidades das deficiências”; e no dia 19/05, a antropóloga do museu Josiéli Spenassatto aborda o “Poder e silenciamento: o problema da representatividade no acervo antropológico do MUPA”. Para finalizar, os dois pesquisadores participam de uma live debatendo as pesquisas apresentadas. Mais informações sobre as palestras em www.museuparanaense.pr.gov.br.

Já o Museu Oscar Niemeyer vai realizar mediações, com a postagem de obras do acervo e informações detalhadas, e oficinas online, incentivando o público a postar fotos que reflitam o tema da Semana de Museus. As fotos serão repostadas ao final da semana pelas redes sociais da instituição (@museuoscarniemeyer no Facebook e Instagram). As ações ocorrem de 18 a 24 de maio.

O Museu da Imagem e do Som do Paraná também terá postagens nas redes sociais (@misparana no Facebook e @mis_pr no Instagram) todos os dias da próxima semana. A série “Dicas do MIS” traz referências de estudo e reflexão sobre o tema proposto pelo Ibram, e vai compartilhar links de filmes, artigos e sites interessantes.

SEMANA DE MUSEUS - A Semana de Museus é uma temporada cultural coordenada pelo Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM), que ocorre todo ano em comemoração ao Dia Internacional dos Museus (18 de maio). A ideia é promover, divulgar e valorizar os museus brasileiros; aumentar o público visitante; e intensificar a relação dos museus com a sociedade.

Em 2020 o tema é “Museus para a Igualdade: diversidade e inclusão”, que leva à reflexão sobre as desigualdades presentes na sociedade contemporânea e sobre a participação construtiva que os museus podem ter na valorização da diversidade e na promoção da inclusão.
FECHADOS - Os museus do Estado estão temporariamente fechados para o público, atendendo ao decreto estadual nº 4.230, que determina o fechamento dos espaços culturais do Governo do Paraná – museus, bibliotecas e teatros – e suspende os eventos artísticos e culturais desde o dia 17 de março de 2020.

SERVIÇO
Museu Oscar Niemeyer | MON
www.museuoscarniemeyer.org.br
Facebook e Instagram: @museuoscarniemeyer

Museu Paranaense | MUPA
www.museuparanaense.pr.gov.br
Facebook e Instagram: @museuparanaense

Museu da Imagem e do Som do Paraná | MIS-PR
www.mis.pr.gov.br
Facebook: @misparana
Instagram: @mis_pr

“Da janela de casa” é a primeira proposta do MAC-PR para se conectar com a arte em tempos de isolamento social

O Museu de Arte Contemporânea do Paraná (MAC-PR) acaba de lançar o “Da janela de casa”, uma newsletter enviada por e-mail, todo domingo, com sugestões de leitura, museus online e dicas culturais para quem deseja permanecer conectado com a arte nesses tempos de isolamento e distanciamento social. Para receber basta se inscrever gratuitamente pelo link bit.ly/dajaneladecasa.

Produzida pela equipe do MAC-PR, a newsletter aborda em seu texto de apresentação a ideia de que “A internet é uma janela para o mundo”, relembrando o sentimento gerado nos primórdios da World Wide Web: “olhávamos felizes para ela como uma janela para toda cultura e conhecimento reunidos no mundo”, e faz o convite: “Seu celular ou computador ainda pode ser essa janela! Vamos aproveitar a quarentena para lembrar como a web pode ser incrível?”.

A coluna Leia em casa traz dicas de leitura diversificadas, que vão de reflexões sobre o momento atual e possíveis transformações trazidas pela pandemia de Covid-19 a e-books de literatura gratuitos mapeados pela equipe do MAC-PR. Videoarte pra ver do sofá reúne outra série de sugestões, dessa vez para ver e ouvir. Em Acervos online, a equipe disponibiliza todo o acervo artístico do museu e parte do acervo documental que estão no sistema Pergamum Museus, além de outras propostas de acervos nacionais e estrangeiros. Conta, ainda, com uma seção de Podcasts, mídia sonora que tem ganhado cada vez mais adeptos. Semelhante a um programa de rádio, mas com o diferencial de ficar disponível para ser ouvido quando quiser.

A ideia é, a cada semana, levar aos assinantes uma curadoria de materiais sobre arte disponíveis na rede.

DECRETO ESTADUAL – O Museu de Arte Contemporânea do Paraná está temporariamente fechado para o público, atendendo ao decreto estadual nº 4.230, que determina o fechamento dos espaços culturais do Governo do Paraná – museus, bibliotecas e teatros – e suspende os eventos artísticos e culturais desde o dia 17 de março de 2020.

SERVIÇO
Newsletter “Da janela de casa” do MAC-PR
Periodicidade: semanal (todo domingo)
Inscreva-se: bit.ly/dajaneladecasa
Confira a primeira edição: bit.ly/dajaneladecasa1

Museu de Arte Contemporânea do Paraná
www.mac.pr.gov.br
Instagram: @mac_parana
Facebook: @macparana

Imagem: Reprodução da newsletter "Da janela de casa".

Museu Paranaense disponibiliza jogo da memória com palavras indígenas

É possível baixar o arquivo e imprimir em casa. A brincadeira já começa na hora de preparar o jogo
O Museu Paranaense (MUPA) disponibilizou um jogo da memória para download com palavras indígenas para que toda a família possa aprender brincando neste período em que o museu está fechado para visitação. Palavras como abacaxi, capivara, jiboia e arara têm origem indígena e estão presentes no jogo. Quem quiser baixar o arquivo e imprimir em casa pode encontrá-lo no site www.museuparanense.pr.gov.br ou nas redes sociais do museu no @museuparanaense no Facebook e Instagram.
O jogo da memória com palavras indígenas foi utilizado pelo Departamento Educativo no início do ano, nas atividades da programação de férias do MUPA, que focou nos povos originários do Paraná, com visitas mediadas às exposições relacionadas aos povos indígenas, contação de histórias e brincadeiras de origem ameríndia. O jogo fazia parte dessas atividades e agora está disponível para todos que queiram aprender um pouco mais do vocabulário indígena presente em nosso dia a dia.
PASSO A PASSO – O arquivo está dividido em quatro folhas para impressão no formato pdf, que devem ser impressas duas vezes cada para formar os pares. Acompanha também um arquivo de instruções de como preparar o jogo, uma forma de já iniciar a brincadeira no momento da confecção. Se a impressora não for colorida, dá para imprimir em escala de cinza e fazer do colorir parte da brincadeira. E para quem não tem impressora em casa, não precisa ficar de fora: pode acessar os arquivos para conhecer as palavras e se arriscar em desenhar os animais, frutas e plantas em pedaços de papel. Tudo pode ser divertido, interativo e muito educativo.
O MUPA está preparando novos materiais para disponibilizar de forma online para o público durante este período de distanciamento social, em que muitas pessoas estão em casa. O conteúdo será disponibilizado em breve no site e redes sociais.
DECRETO ESTADUAL – O Museu Paranaense está temporariamente fechado para o público atendendo ao decreto estadual nº 4.230, que determina o fechamento dos espaços culturais do Governo do Paraná – museus, bibliotecas, teatros – e suspende os eventos artísticos e culturais a partir do dia 17 de março de 2020. A medida visa conter a propagação do novo coronavírus e está entre as ações tomadas pelo Governo do Paraná para o enfrentamento ao COVID-19.
SERVIÇO
Jogo da memória com palavras de origem indígena
Arquivo para download e passo a passo da montagem: www.museuparanaense.pr.gov.br

Fotos: Ingrid Schmaedecke/MUPA

MON fecha temporariamente ao público, mas intensifica seu conteúdo virtual

Seguindo as recomendações do governo do Estado do Paraná, no contexto de enfrentamento do COVID-19 no Brasil, a partir de terça-feira, dia 17, o Museu Oscar Niemeyer (MON) estará fechado para visitação por tempo indeterminado, visando preservar a saúde e a segurança de seus visitantes e colaboradores.

Durante esse período, informações sobre nossa programação e acervo poderão ser consultados em nossos canais digitais, como Instagram e Facebook, que terão seus conteúdos reforçados para oferecer o maior número possível de informações, visitas digitais e novidades do Museu aos visitantes. Estarão disponíveis, por exemplo, entrevistas com artistas do acervo, vídeos e conteúdo detalhado sobre obras e sobre o próprio museu.

Lembramos também que seis exposições do MON podem ser vistas na íntegra virtualmente no Google Arts & Culture, sem sair de casa. São elas: “Luz ≅ Matéria”; “Ásia: a terra, os homens, os deuses”; “Nos pormenores um universo – Centenário de Vilanova Artigas”; “Irmãos Campana”; “Não está claro até que a noite caia”, da artista Juliana Stein, e “Circonjecturas”, do artista Rafael Silveira.

Serviço:

Museu Oscar Niemeyer (MON)

www.museuoscarniemeyer.org.br

https://artsandculture.google.com/partner/museu-oscar-niemeyer

Facebook e Instagram: @museuoscarniemeyer

Academia Alfredo Andersen abre inscrições com proposta beneficente

Alunos são convidados a doar cestas básicas e latas de leite em pó para a “Matrícula Solidária”, que serão encaminhadas para entidade de acolhimento a crianças em vulnerabilidade social

Unir conhecimento, desenvolvimento pessoal e beneficência é a proposta do projeto “Saber Solidário” do Museu Casa Alfredo Andersen. Os interessados em realizar os cursos regulares ou workshops da Academia Alfredo Andersen são convidados a contribuir com a doação de cestas básicas e latas de leite em pó no momento da matrícula, que serão revertidas para a Associação Caminho da Vida – Lar Dona Vera. As inscrições estão abertas e as aulas têm início previsto para a próxima segunda-feira, dia 23 de março de 2020, podendo sofrer alterações.

“O projeto Andersen Saber Solidário é inovador porque traz a função social da arte. Mais do que a doação de cestas básicas, nós focamos no desenvolvimento do cidadão e entendemos como função social da arte o aprendizado, o saber, mudar o olhar, aprender um ofício. A cultura transversaliza todas as áreas e está presente em tudo”, comenta o diretor do museu Luiz Gustavo Vidal Pinto.

MODALIDADES – São duas modalidades diferentes de oficinas ofertadas pela Academia Alfredo Andersen. Os cursos regulares da casa são os de pintura (iniciante, intermediário e avançado), cerâmica (iniciante, intermediário e avançado), desenho de observação e audiovisual, com aulas de 23 de março a 3 de julho de 2020.

Já os workshops são realizados com professores convidados, com aulas de 23 de março a 24 de abril de 2020. Artistas de diferentes áreas ensinam sobre ilustração botânica, fotografia, pintura, história da arte descomplicada, leitura de portfólio artístico, psicologia através da arte, roda de leitura e gravura em metal (teórico).

INSCRIÇÕES – As inscrições estão abertas de 16 a 20 de março de 2020 e devem ser feitas diretamente na secretaria do museu, que funcionada das 8h30 às 12h e das 13h30 às 18h. É necessário levar cópia de RG e CPF e cópia de comprovante de endereço atualizado. Além disso, é solicitada a contribuição da “Matrícula Solidária”, que consiste na doação de uma cesta básica com pelo menos 31 itens para quem se inscrever nos cursos regulares e duas latas de leite em pó para os interessados nos workshops. Os cursos são destinados a maiores de 16 anos.

Confira a grade completa com datas e horários dos cursos e workshops da Academia Alfredo Andersen no site www.mcaa.pr.gov.br.

DOAÇÕES – As doações arrecadadas com a “Matrícula Solidária” vão beneficiar a Associação Caminho da Vida - Lar Dona Vera, uma entidade sem fins lucrativos com mais de 20 anos de atuação que abriga crianças retiradas da guarda dos pais pelo Conselho Tutelar devido a denúncias de maus tratos e violência. Essas crianças são acolhidas e permanecem na instituição enquanto aguardam reintegração à família biológica ou são direcionadas à adoção. Conheça mais sobre a entidade pelo site www.lardonavera.org.br.

SERVIÇO
Inscrições abertas para a Academia Alfredo Andersen
De 16 a 20 de março de 2020
Matrícula Solidária: 1 cesta básica com pelo menos 31 itens | cursos regulares
2 latas de leite em pó | workshops
Início das aulas: 23 de março de 2020 (segunda-feira)
Faixa etária: maior de 16 anos
Museu Casa Alfredo Andersen
Rua Mateus Leme, 336. Centro. Curitiba/PR.
(41) 3222-8262 | www.mcaa.pr.gov.br

Fotos: Kraw Penas/SECC

Março começa com programação diversa no Museu Oscar Niemeyer

O Museu Oscar Niemeyer (MON) tem programação para todos os públicos nos próximos dias. No domingo, dia 1°, além da oficina “Escultura de papel”, conduzida pela equipe do Educativo entre 11h e 14h, a artista Juliana Stein vai ministrar a oficina “Ver-se verso”, com a técnica de desenho de observação.

Convidada do programa Artistas do Acervo, ela realizará a atividade às 14h30 e às 16h. No primeiro horário, haverá tradução simultânea para libras. No domingo é preciso adquirir ingressos para entrar no Museu, no valor de R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia-entrada).

Na quarta-feira, a oficina “Escultura de papel” se repete, entre 11h e 17h. Não é necessário agendamento ou conhecimento prévio, para participar basta comparecer à Sala de Oficinas, no Subsolo. Às 16h30 acontecerá uma visita mediada à exposição “Luz ≅ Matéria”, na Sala 6. Na quarta-feira, a entrada é gratuita e a primeira quarta do mês tem o horário de visitação estendido até as 20h.

Arte para Maiores

Em março, o programa “Arte para Maiores” fará visitas mediadas à exposição “Luz ≅ Matéria”, seguidas de prática artística com a equipe do Educativo. São 30 vagas por encontro (3 e 17/3), destinadas especialmente ao público acima de 60 anos.

Não há pré-requisitos para participar. As inscrições podem ser feitas pelo e-mail agendamento@mon.org.br, ou pelos telefones (41) 3350-4468, 3350-4497 e 3350-4412. A atividade é gratuita, mas é necessário adquirir ingresso para acessar o Museu (R$ 20 e R$ 10). Maiores de 60 anos têm entrada gratuita.

Sobre o MON

O Museu Oscar Niemeyer (MON) pertence ao Estado do Paraná. A instituição abriga referenciais importantes da produção artística nacional e internacional nas áreas de artes visuais, arquitetura e design, além da mais significativa coleção de arte asiática da América Latina. No total, o acervo conta com aproximadamente 7 mil peças, mantidas num espaço superior a 35 mil metros quadrados de área construída, sendo 17 mil metros quadrados de área para exposições, o que torna o MON o maior museu de arte da América Latina.

Serviço

Domingo – 1°/3

Oficina “Escultura com papel”

Técnica: tridimensional

Horário: das 11h às 14h

Local: Espaço de Oficinas – Subsolo

Artistas do Acervo

Oficina “Ver-se verso”, com Juliana Stein

Técnica: desenho de observação

Horário: às 14h30 (com tradução para libras) e às 16h

Local: Espaço de Oficinas – Subsolo

Terça-feira – 3/3

Arte para Maiores

Horário: das 14h às 17h

Local: Espaço de Oficinas – Subsolo e Sala 6

Quarta-feira – 4/3

Quarta estendida – até 20h

Oficina “Escultura com papel”

Técnica: tridimensional

Horário: das 11h às 17h

Local: Espaço de Oficinas – Subsolo

Visita mediada

“Luz ≅ Matéria”

Horário: 16h30

Local: Sala 6

Museu Oscar Niemeyer

Rua Marechal Hermes, 999

Visitação: terça a domingo, das 10h às 18h

R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia-entrada)

Quartas gratuitas (oferecimento do Governo do Estado do Paraná)

Informações: (41) 3350-4468

www.museuoscarniemeyer.org.br

Aproveite o feriado de Carnaval para visitar os museus do Estado

Os museus do Governo do Estado estarão abertos para visitação no feriado de Carnaval. Quem busca uma programação cultural em Curitiba pode aproveitar a época para conhecer os espaços expositivos do Estado ou mesmo revisitá-los. O Museu Oscar Niemeyer (MON) e o Museu de Arte Contemporânea do Paraná (MAC-PR) abrem normalmente, já os demais espaços funcionam com horário reduzido.

O Museu Oscar Niemeyer (MON) preparou um programação especial para o feriado chamada “Carnaval Cultural” com oficinas de adereços e visitas mediadas à exposição “Luz ≅ Matéria”. No domingo, dia 23/02, das 11h às 17h, será realizada a oficina Adereços, utilizando técnica tridimensional, ministrada pela equipe do Educativo do MON. A atividade gratuita ocorrerá na Sala de Oficinas, no Subsolo do Museu, e será repetida na Quarta-feira de Cinzas, dia 26/02, das 13h às 17h.

Também está programada para domingo e quarta, sempre às 16h30, uma visita mediada à sala expositiva 3, onde está a mostra “Luz ≅ Matéria”, que apresenta diversas obras do acervo do MON. E quem estiver no MON pode visitar ainda as outras exposições em cartaz, como a mostra “Fronteiras em Aberto” da 14ª Bienal Internacional de Curitiba, que “Mariana – Christian Cravo”, “O mundo mágico dos Ningyos” e “África: mãe de todos nós”.

No Museu de Arte Contemporânea do Paraná (MAC-PR), a exposição “Pequenos gestos: memórias disruptivas” apresenta obras de artistas do acervo em diferentes conjunturas e territórios, que romperam com narrativas que normalizavam e naturalizavam discursos e mecanismos de opressão. O MAC-PR funciona temporariamente no MON enquanto sua sede no centro de Curitiba passa por reforma.

RECENTES – A exposição “Ephemera/Perpétua” ocupa três salas do andar superior do prédio histórico do Museu Paranaense (MUPA). Multidisciplinar, a mostra reúne cerca de 180 peças do acervo do museu e instituições parcerias, apresentando um conjunto de exsicatas, pinturas, fotografias, vídeos, zoólitos milenares, livros, manuscritos, além de plumárias, adornos e lanças de diferentes etnias indígenas. É possível conferir também: “Ocupação do território paranaense”, “Dinheiro e Honraria: o acervo de numismática do Museu Paranaense”, “Imigração no Paraná”, “Igrejas ucranianas no Paraná”, “Em foco: Iria Corrêa” e “Aproximações: ucranianos e poloneses nas fronteiras agrícolas do Paraná”, do fotógrafo João Urban.

Já no Museu da Imagem e do Som do Paraná (MIS-PR), é possível conferir a exposição “Ilhas da Imaginação”, que faz um recorte no acervo tridimensional da instituição, composto por mais de mil itens, entre câmeras fotográficas, filmadoras, moviolas, toca-discos, vitrolas, televisões, projetores e muitos outros equipamentos ligados às áreas de cinema, fotografia, rádio e televisão. A mostra propõe um percurso que parte desse acervo, passa por dados históricos, técnicos e curiosidades, fomentando a imaginação ao guiar o visitante pelas memórias de cada objeto.

PERMANENTES - Vivenciar o cotidiano do artista norueguês Alfredo Andersen é a experiência que o visitante pode experimentar no Museu Casa Alfredo Andersen (MCAA). O espaço exibe parte do acervo do pintor, além de objetos e documentos da escola-ateliê.

E no Museu do Expedicionário (MEXP), o acervo de fotografias, mapas, documentos, peças, ilustrações, filmes e livros retrata a participação da Força Expedicionária Brasileira (FEB) na Segunda Guerra Mundial.

ENTRADA – A entrada é gratuita nos museus Casa Alfredo Andersen, do Expedicionário, da Imagem e do Som do Paraná e Paranaense. Nos museus de Arte Contemporânea do Paraná e Oscar Niemeyer a entrada custa R$ 20 e R$ 10 (meia-entrada). Maiores de 60 e menores de 12 anos têm entrada franca. Nas quartas a entrada é sempre gratuita.

Confira os horários de funcionamento de cada espaço

MUSEUS

22/02

23/02

24/02

25/02

26/02

MCAA

10h-16h

10h-16h

Fechado

10h-16h

12h-18h

MAC-PR

10h-18h

10h-18h

Fechado

10h-18h

10h-18h

MEXP

10h-12h
14h-17h

10h-12h
14h-17h

Fechado

Fechado

13h-17h

MIS-PR

10h-16h

10h-16h

Fechado

10h-16h

9h-18h

MON

10h-18h

10h-18h

Fechado

10h-18h

10h-18h

MUPA

10h-16h

10h-16h

Fechado

10h-16h

12h-17h30

*Lembrando que o dia 24/02 cai em uma segunda-feira, dia em que todos os museus fecham normalmente para manutenção.

Serviço

Museu Casa Alfredo Andersen – Rua Mateus Leme, 336. (41) 3222-8262. Curitiba/PR.

Museu de Arte Contemporânea do Paraná – Rua Marechal Hermes, 999. (41) 3323-5328. Curitiba/PR.

Museu do Expedicionário – Praça do Expedicionário, s/nº. (41) 3362-8231. Curitiba/PR.

Museu da Imagem e do Som do Paraná – Rua Barão do Rio Branco, 395. (41) 3232-9113. Curitiba/PR.

Museu Oscar Niemeyer – Rua Marechal Hermes, 999. (41) 3350-4400. Curitiba/PR.

Museu Paranaense – Rua Kellers, 289. (41) 3304-3300. Curitiba/PR.

Crédito das fotos: salvo no nome do arquivo.

Artista recria mural no Museu Casa Alfredo Andersen e usa a tragédia de Brumadinho como inspiração

Obra amplia trabalho realizado em 2017, que tomou como tema o rompimento da Barragem de Mariana

Uma das paredes do pátio interno do Museu Casa Alfredo Andersen (MCAA) está ganhando traços novos e ainda mais instigantes. Em 1917, por conta do rompimento da Barreira de Mariana (MG), que ocorreu em 5 de novembro de 2015 e deixou um rastro fatal de 19 mortos, foi criado um grande mural a seis mãos, pelos artistas Marcelo Le, Luiz Lavalle e Bruno Romã.

À época não se imaginava que pouco tempo depois, em janeiro de 2019, no município de Brumadinho, também em Minas Gerais, se romperia outra barragem, causando uma tragédia ainda maior, com um número total de 270 vítimas fatais. Como a pintura nos muros internos do MCAA já começava a apresentar sinais de desgaste pela ação das condições climáticas, Marcelo Le, com o apoio da direção do museu, decidiu não apenas retocar a obra, mas ampliá-la, contemplando os fatos ocorridos no ano passado, e acrescentando a ela uma nova narrativa.

O diretor do MCAA, Luiz Gustavo Vardanega Vidal Pinto, enfatiza a iniciativa dos artistas, não só pelos temas abordados, como também pela qualidade técnica, observando que ”é importante o espaço museal dialogar com o público através de reflexões atuais, pois a arte também possui uma função social imprescindível para sociedade”.

Nascido em Araraquara, no interior de São Paulo, há 43 anos, Marcelo Le, cuja formação passou tanto pelas artes visuais quanto pela arquitetura, publicidade e engenharia, há anos vem se dedicando exclusivamente à arte urbana. Embora utilize tinta em spray, prefere não se definir como grafiteiro, porque também emprega outras técnicas e materiais, como tinta de rolo.

“Sou um muralista”, diz Marcelo, que traz para seu trabalho referências do cubismo de artistas como os espanhóis Pablo Picasso e Juan Miró, e o abstracionismo do russo Wassily Kandinski, mas também da arte e da literatura de cordel no Nordeste brasileiro. Ele também cita Speto, como é conhecido o artista do grafite paulista Paulo Cesar Silva, cuja arte pode ser vista em paredes e muros ao redor de Curitiba.

Para a criação do mural do MCAA, Marcelo, que está realizando o trabalho voluntariamente, com recursos próprios, diz ter recorrido, como inspiração, à lenda hebraica do Golem, que, segundo a tradição mística do judaísmo, seria um ser, criado artificialmente, que ganha vida e, em vez de cumprir sua função original, benéfica, se volta contra o criador, assim como as barragens em Minas Gerais.

Museu Casa Alfredo Andersen

Rua Mateus Leme, 336. Centro. Curitiba/PR

(41) 3222-8262 | www.mcaa.pr.gov.br

Visitação de terça a sexta-feira das 9h às 18 horas. Sábados, domingos e feriados das 10h às 16 horas.

Entrada gratuita

MON lança catálogos dos artistas paranaenses Marcelo Conrado e Geraldo Leão

Produzidos pelo Museu Oscar Niemeyer (MON), os catálogos das mostras “O que é Original?”, do artista Marcelo Conrado, e “Declaração de Princípios”, de Geraldo Leão, acabam de ser lançados e já estão disponíveis na MON Loja. As respectivas exposições foram produzidas e apresentadas pelo MON ao longo de 2019.

“O que é Original?” reuniu 13 pinturas em grandes formatos e 20 fotografias licenciadas de bancos de imagens, sobrepostas a frases anônimas, retiradas de pichações, redes sociais ou conversas casuais, instigando uma discussão sobre o conceito de autoria na arte contemporânea.

A mostra “Declaração de Princípios” apresentou obras recentes e inéditas do artista paranaense Geraldo Leão, um dos nomes mais significativos da arte paranaense contemporânea. Com curadoria de Agnaldo Farias, a coletânea contou também com a participação de diversos artistas convidados, todos antigos alunos de Geraldo Leão.

Sobre o MON
O Museu Oscar Niemeyer (MON) pertence ao Estado do Paraná. A instituição abriga referenciais importantes da produção artística nacional e internacional nas áreas de artes visuais, arquitetura e design, além da mais significativa coleção de arte asiática da América Latina. No total, o acervo conta com aproximadamente 7 mil peças, mantidas num espaço superior a 35 mil metros quadrados de área construída, sendo 17 mil metros quadrados de área para exposições, o que torna o MON o maior museu de arte da América Latina.

Serviço:
Catálogos “O que é Original?”, de Marcelo Conrado, e “Declaração de Princípios”, de Geraldo Leão
Realização do Museu Oscar Niemeyer (MON)
Disponíveis na MON Loja

Rua Marechal Hermes, 999
Curitiba – Paraná
museuoscarniemeyer.org.br
Aberto de terça a domingo, das 10h às 18h