Visitas a museus, presenciais ou virtualmente, são ótimas opções de lazer durante as férias

Em qualquer canto do mundo, os museus estão entre as melhores opções de lazer para se fazer, sempre muito procurados especialmente no período de férias. São espaços que oferecem diversas formas de aprendizado, interação e até mesmo diversão.

Muitos já reabriram suas portas ao público, seguindo todos os protocolos de segurança necessários. Mas, para quem vive distante dos museus que gostaria de conhecer, muitos deles também podem ser visitados virtualmente.

Para a Profa. Dra. Maria Aparecida de Menezes Borrego, supervisora do Museu Republicano de Itu, ainda que a visita online não ofereça as mesmas sensações de vivenciar esses espaços presencialmente, é uma maneira de acessá-los de forma imersiva.

"A visita online, pelos recursos tecnológicos que oferece, garante ao público a possibilidade de escolher o roteiro a ser percorrido dentro do Museu, se deter nas obras de maior interesse e conhecer o acervo e o edifício", afirma a supervisora.

No caso do Museu Republicano, o tour virtual oferece recursos de acessibilidade para pessoas com deficiência visual, recursos de audiodescrição e descrição do conteúdo em espanhol e inglês.

Confira outras instituições pelo Brasil que também podem ser visitadas virtualmente:

- Pinacoteca, em São Paulo
- MASP, em São Paulo
- Museu Afro Brasil, em São Paulo
- Inhotim, em Minas Gerais
- Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro
- Museu Oscar Niemeyer, no Paraná.

A escultura Pietá, de João Turin, resistiu aos bombardeios de uma guerra e foi encontrada em 2013; um exemplar está exposto no Memorial Paranista

Obra feita na França resistiu a uma série de bombardeios da Segunda Guerra Mundial e foi dada como perdida por quase 70 anos, até ser encontrada e ganhar uma reprodução em bronze no Brasil, em um intenso trabalho de resgate artístico

Pietá - banner (small).jpg

Entre as muitas obras de João Turin (1878-1949) no Memorial Paranista, uma delas chama a atenção não só pela expressividade, pelos motivos religiosos, mas também por ter sido realizada na França. Trata-se de uma Pietá, que até alguns anos atrás era dada como perdida, pois se imaginava que havia sido destruída por um bombardeio durante a Segunda Guerra Mundial.

A obra primígena é uma escultura em baixo relevo em pedra, feita em 1917 quando o artista morava na França. Foi concebida para homenagear os combatentes mortos na Primeira Guerra Mundial da cidade de Condé-sur-Noireau, na região da Baixa Normandia. Instalada na Igreja de Saint Martin, a Pietá de João Turin tem uma representação de Jesus Cristo e da Virgem Maria, rodeados por nomes dos soldados falecidos em combate.

Um fato curioso é que por quase 70 anos, a escultura foi dada como destruída por outro conflito, a Segunda Guerra Mundial, que devastou a cidade de Condé-sur-Noireau com uma série de bombardeios em 1944. A Igreja de Saint Martin foi parcialmente destruída, mas a Pietá conseguiu se manter intacta. No entanto, boa parte dos arquivos da cidade foram destruídos, apagando vestígios da existência da obra e sobre seu autor. A Pietá caiu no esquecimento.

O resgate de uma obra dada como perdida
Somente em 2013 confirmou-se que aquela era uma obra de João Turin. Samuel Lago, um dos detentores dos direitos autorais do artista, comenta que até aquele ano, a única referência sobre a Pietá era uma foto do acervo do pesquisador Saul Lupion de Quadros adquirido pela família Lago, que realizou um resgate da vida e obra de João Turin.

“Encontramos nos escritos deixados por Turin uma referência dele a uma obra que foi feita quando ele andava pela Normandia. Mas quando ele relatou isso cometeu um erro de grafia no nome da cidade. Então não se conseguia encontrá-la. O professor José Roberto Teixeira Leite, autor do livro ‘João Turin – Vida, Obra e Arte’, escreveu uma carta para algumas prefeituras da Normandia. Felizmente ele recebeu resposta da cidade de Condé-sur-Noireau que confirmou que estava lá uma obra assinada por Z.Turin, em vez de J.Turin, como ele costumava assinar. O ‘Z’ é a inicial de seu nome do meio, Zanin, o que dificultou um pouco mais a busca. Mas eles acharam que poderiam ser, mandaram resposta e de fato foi encontrada a Pietá”, relata Samuel Lago.

Com a identificação, foi iniciada uma ação para integrar a obra ao acervo do artista, com o trabalho de produção de um molde a partir da obra primígena, para que a Pietá pudesse ser reproduzida no Brasil. “Foi montada uma equipe multidisciplinar com um produtor brasileiro que morava na França na época, Odilon Merlin. Mandamos para lá o escultor Elvo Betino Damo, de Curitiba, que coordenou a moldagem no local. Depois disso, o molde foi transportado de navio para o Brasil, onde fizemos a primeira fundição inédita em bronze da Pietá”, relata. Todo esse processo foi registrado no documentário “A Pietá de João Turin”, dirigido por Fabrizio Rosa e produzido por Samuel Lago (disponível em https://www.youtube.com/watch?v=P7Xlh92EzSo).

Obra em exposição permanente
A Pietá está hoje entre as quase 100 obras de João Turin que podem ser apreciadas no Memorial Paranista, construído em homenagem ao artista pela Prefeitura de Curitiba como um espaço para preservação e difusão de obras de arte. Possui uma área interna de exposição permanente com 78 esculturas de Turin em tamanho original que foram doadas pela Família Lago (detentora dos direitos autorais do artista) e pela SSTP Investimentos, para o Governo do Estado do Paraná, que emprestou as obras à Prefeitura em regime de comodato.

Na área externa há um Jardim de Esculturas com mais 13 obras em bronze, que podem ser apreciadas pelo público que visitar o parque. Todas essas esculturas são ampliadas e algumas ganharam proporções heróicas. A maior de todas é Marumbi, com 3 metros de altura e aproximadamente 700 quilos. Outro espaço importante é uma fundição elétrica e moderna, que também foi doada pela Família Lago e SSTP Investimentos, substituindo uma antiga fundição que estava obsoleta.

Sobre João Turin
Em quase 50 anos de carreira, João Turin deixou mais de 400 obras. Há esculturas em locais públicos de municípios do Paraná, Rio de Janeiro e na França. Turin também está no acervo de arte do Vaticano. A escultura “Frade Lendo” foi entregue como presente do povo brasileiro para o Papa Francisco, em 2013, na primeira visita do pontífice ao Brasil.

Nascido em 1878 em Morretes, no litoral do estado do Paraná, João Turin veio ainda garoto para a capital Curitiba, iniciando seus estudos em artes, chegando a ser professor. Especializou-se em escultura na Bélgica. Retornou ao Brasil em 1922, trazendo comentários elogiosos da imprensa francesa. Foi premiado no salão de Belas Artes do Rio de Janeiro em 1944 e 1947. Faleceu em 1949.

Em junho de 2014, seu legado foi prestigiado pelas 266 mil pessoas que visitaram “João Turin – Vida, Obra, Arte”, a exposição mais visitada da história do Museu Oscar Niemeyer, em Curitiba, que ficou em cartaz por 8 meses. Esta exposição também teve uma versão condensada, exibida em 2015 no Museu Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro, e na Pinacoteca de São Paulo.

Serviço:
Memorial Paranista João Turin: Rua Mateus Leme, 4700 (Curitiba, Paraná).
Agendamento de visitas no site www.curitiba.pr.gov.br/memorialparanista
Site sobre João Turin: joaoturin.com.br
Redes sociais: @escultorjoaoturin e facebook.com/escultorjoaoturin
Documentário “A Pietá de João Turin”: https://www.youtube.com/watch?v=P7Xlh92EzSo
Vídeo com detalhes da moldagem: https://www.youtube.com/watch?v=LK5CVSCPo7U

*Vídeo sobre o Memorial Paranista João Turin (legenda em inglês):*
https://youtu.be/wxxtuNEcOEM

Retrospectiva: MON triplicou o seu acervo e realizou 16 exposições em 2021

Ao longo de 2021, o Museu Oscar Niemeyer realizou 14 exposições, além de duas itinerantes. São elas: “Yutaka Toyota – O Ritmo do Espaço”; “Fernando Velloso por ele mesmo”; “Japonésia, de Naoki Ishikawa”; “Schwanke, uma Poética Labiríntica”, “A Travessia do Desastre, de François Andes”; "Radical”, de Sonia Dias Souza; “Formas & Anjos: Obras de Kika Costa (1984-2021)”; “Mens Rea: A Cartografia do Mistério”, de Mac Adams; “África, Expressões Artísticas de um Continente”; “Concursos como Prática: A Presença da Arquitetura Paranaense”; “OSGEMEOS: Segredos”; “Afinidades”; “Forma e Matéria”, de Claudia Moreira Salles, e “Labirinto da Luz”, de Orlando Azevedo.

O sucesso da exposição “OSGEMEOS: Segredos”, a maior já realizada pelos artistas, fez com que o MON, pela primeira vez na história do museu, fizesse venda exclusivamente on-line de ingressos, com horários agendados.

Também foram realizadas pelo MON, no ano de 2021, duas exposições itinerantes, ambas na Região Metropolitana de Curitiba: “Estruturas e Valores”, do artista paranaense Antonio Arney, na Casa da Memória Manoel Alves Pereira, em Piraquara; e “O Mundo Mágico dos Ningyos”, no Museu Atílio Rocco, em São José dos Pinhais.

No mesmo ano, o Museu Oscar Niemeyer recebeu a grandiosa doação de uma das mais importantes e significativas coleções de arte africana contemporânea, com aproximadamente 1.700 obras, oriunda da Coleção Ivani e Jorge Yunes (CIJY), de São Paulo. Um recorte desta coleção está em exposição na sala 4, na mostra “África, Expressões Artísticas de um Continente”, de longa duração.

Além das muitas atividades educativas on-line, realizadas desde 2020 pelas redes sociais do MON (52 oficinas artísticas, 20 mediações e
19 exposições no Google Arts and Culture), em 2021 tiveram início duas novas atividades: MON ao Vivo (oficinas artísticas em tempo real por meio de videoconferências) e MON na Escola (versão reformulada e virtual do tradicional MON para Educadores). No final do ano, o MON voltou a receber grupos agendados, escolas e a realizar mediações presenciais.

Intercâmbio cultural -
Em novembro de 2021, o governador Carlos Massa Ratinho Junior autorizou uma exposição com obras itinerantes do Acervo do Museu Oscar Niemeyer (MON) no Teatro Municipal de Cascavel. A iniciativa atende solicitação da Associação dos Municípios do Oeste do Paraná (AMOP) e deverá ser replicada em outras regiões do Estado.

As obras serão expostas em uma sala do terceiro piso do Teatro Municipal de Cascavel, que comporta até 300 pessoas e está localizado no Centro da cidade. A expectativa de inauguração da exibição é para fevereiro de 2022.

Maior museu de arte –
O Museu Oscar Niemeyer tem um consistente acervo que reúne pintura, gravura, desenho, fotografia, videoarte, escultura, instalações, mobiliário, objetos de design e maquetes de arquitetura. Na atual gestão, o acervo do MON foi triplicado, sendo composto hoje por cerca de 9.400 obras.

Abrigado em um espaço superior a 35 mil metros quadrados de área construída, sendo 17 mil metros quadrados apenas para exposições, o MON é o maior museu de arte da América Latina.

SOBRE O MON
O Museu Oscar Niemeyer (MON) é patrimônio estatal vinculado à Secretaria de Estado da Comunicação Social e da Cultura do Paraná. A instituição abriga referenciais importantes da produção artística nacional e internacional nas áreas de artes visuais, arquitetura e design, além de grandiosas coleções asiática e africana. No total, o acervo conta com mais de 9 mil peças, abrigadas em um espaço superior a 35 mil metros quadrados de área construída, sendo 17 mil metros quadrados de área para exposições, o que torna o MON o maior museu de arte da América Latina. Os principais patrocinadores da instituição, empresas que acreditam no papel transformador da arte e da cultura, são: Copel, Sanepar, Grupo Volvo América Latina, Vivo, Grupo Focus e Moinho Anaconda.

Serviço:
Museu Oscar Niemeyer (MON)
www.museuoscarniemeyer.org.br

A arte de João Turin é tema de cursos no Memorial Paranista

Artista que foi um dos fundadores do movimento conhecido como Paranismo tem sua obra preservada por meio de exposição permanente e também por uma série de atividades artísticas para pessoas de todas as idades no Memorial Paranista

Memorial Paranista João Turin - Foto Cido Marques-FCC (3).jpeg
Foto: Cido Marques/FCC

O legado artístico do escultor João Turin (1878-1949) está perpetuado no Memorial Paranista não apenas pela exposição permanente de cerca de 100 obras do artista no local, mas também através de cursos e oficinas que fazem referência a este importante nome da arte do Paraná. Turin, que foi um dos fundadores do movimento artístico conhecido como Paranismo (que buscava construir a identidade do estado do Paraná por meio da arte e de símbolos locais), se destacou criando esculturas e baixos relevos sobre animais selvagens, povos indígenas e reproduções de momentos históricos.

Construído no Parque São Lourenço pela Prefeitura de Curitiba, o Memorial Paranista conta com diversos espaços culturais e educativos. Os cursos e oficinas são realizados em um Liceu de Artes. A área interna de exposição tem 78 esculturas de João Turin em tamanho original que foram doadas pela Família Lago (detentora dos direitos autorais do artista) e pela SSTP Investimentos, para o Governo do Estado do Paraná, que emprestou as obras à Prefeitura em regime de comodato. Outro espaço importante é uma fundição elétrica e moderna, que também foi doada pela Família Lago e SSTP Investimentos, substituindo uma antiga fundição que estava obsoleta.

Desde o mês de outubro, o Liceu de Artes realiza diversas atividades artísticas gratuitas para pessoas de todas as idades. Entre elas está a oficina de escultura, direcionada para crianças, que se relacionam com técnicas básicas de modelagem feita com argila, um dos materiais mais utilizados por João Turin. Esta oficina tem sido oferecida ao público mensalmente, com algumas variações. No mês de dezembro, ela é realizada não só com crianças, mas também com seus pais, avós, ou outros parentes, com a proposta de estimular habilidades artísticas e a criatividade em grupos familiares de até 4 pessoas.

Em outra oficina, chamada “Imagens afetivas”, pessoas com mais de 60 anos entram em contato com suas memórias e experiências com o objetivo de se aproximarem das narrativas próprias de João Turin para desenvolver inspiração para produções artísticas com diversos materiais como fotografias, pinturas, gravuras e colagens.

A programação também contempla palestras relacionadas à obra do artista, como ocorreu em “Diálogos entre a escultura de João Turin e a fotografia na Illustração Paranaense”. De caráter acadêmico, essa palestra trouxe reflexões sobre as imagens no Paraná dos anos 1920, especialmente as esculturas de Turin e as fotos publicadas em uma revista daquela época.

“O trabalho desenvolvido no Liceu de Artes do Memorial Paranista João Turin é de imensa importância, pois permite que crianças, famílias, jovens, adultos e estudantes universitários tenham oficinas, palestras, atividades formativas e informativas acerca dos temas ligados às artes e à cultura. O próprio João Turin, como um dos professores fundadores da escola de Belas artes do Paraná certamente ficaria feliz em ver toda esta movimentação”, comenta Samuel Lago, um dos detentores dos direitos autorais de João Turin.

As inscrições para os cursos ocorrem no início de cada mês no site www.sympla.com.br/memorialparanista. As vagas são limitadas e as oficinas respeitam as regras sanitárias e os decretos municipais de combate à Covid 19. O uso de máscaras e o distanciamento entre pessoas é obrigatório. O limite de capacidade respeita o decreto municipal vigente no momento da oficina.

"As atividades no setor educativo do Memorial Paranista têm tido grande procura, especialmente as oficinas infantis. Notamos nas crianças uma curiosidade muito grande em relação às obras de João Turin, elas têm questionamentos muito contundentes sobre os processos de criação e de execução das peças. Aproveitamos essa curiosidade para trabalhar experiências que vinculem o acervo do Memorial ao imaginário infantil", destaca Desire Fabri, coordenadora do Memorial Paranista.

Exposição permanente
Inaugurado em maio de 2021 no Parque São Lourenço, o Memorial Paranista é um espaço de preservação e difusão de obras de arte em Curitiba. Possui um Jardim de Esculturas com 13 obras de João Turin em bronze, que podem ser apreciadas pelo público que visitar o parque. Todas essas obras são ampliadas e algumas ganharam proporções heróicas. A maior de todas é “Marumbi”, com 3 metros de altura e aproximadamente 700 quilos. O Memorial também conta com três edificações interligadas por uma galeria com cobertura de vidro. Para visitar a exposição de João Turin na parte interna é necessário fazer um agendamento através do site www.curitiba.pr.gov.br/memorialparanista.

Sobre João Turin
Em quase 50 anos de carreira, João Turin deixou mais de 400 obras. Há esculturas em locais públicos de municípios paranaenses, no Rio de Janeiro e até na França, onde o artista tem exposta uma Pietá, feita em 1917. Turin também está no acervo de arte do Vaticano. A escultura “Frade Lendo” foi entregue como presente do povo brasileiro para o Papa Francisco, em 2013, na primeira visita do pontífice ao Brasil.

Nascido em 1878 em Morretes, no litoral do Paraná, João Turin veio ainda garoto para a capital Curitiba, iniciando seus estudos em artes, chegando a ser professor. Especializou-se em escultura na Bélgica. Retornou ao Brasil em 1922, trazendo comentários elogiosos da imprensa francesa. Foi premiado no salão de Belas Artes do Rio de Janeiro em 1944 e 1947. Faleceu em 1949.

Em junho de 2014, seu legado foi prestigiado pelas 266 mil pessoas que visitaram “João Turin – Vida, Obra, Arte”, a exposição mais visitada da história do Museu Oscar Niemeyer, em Curitiba, que ficou em cartaz por 8 meses. Esta exposição também teve uma versão condensada, exibida em 2015 no Museu Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro, e na Pinacoteca de São Paulo.

Vídeo sobre o Memorial Paranista João Turin:
https://youtu.be/0ZevRuwdti8

Memorial Paranista João Turin - Fundição - foto Daniel Castellano-SMCS (2).jpeg
Foto: Daniel Catellano/SMCS

Memorial-Paranista-João-Turin---foto-Maringas-Maciel-(5).jpg
Foto: Maringas Maciel

No mês de aniversário, MON abre em todas as segundas-feiras

Além dos dias comuns de funcionamento (terça a domingo), o Museu Oscar Niemeyer (MON) abre também em todas as segundas-feiras de novembro, das 10h às 18h – inclusive no feriado de Proclamação da República (15/11). Para celebrar seu aniversário de 19 anos, comemorado em 22/11, o Museu oferece mais uma opção de dia para que o público visite o local. MON Café e MON Loja também estarão abertos durante todo o mês.

Desde a reabertura do MON, em maio de 2021, uma série de medidas foi adotada para garantir uma visita segura. Entre elas está a substituição de todo o material impresso, como guias e folders, por versões digitais disponíveis em QR codes. O amplo espaço físico de 35 mil metros quadrados faz com que o MON, maior museu de arte da América Latina, seja uma das opções mais seguras de lazer durante a pandemia.

Os ingressos custam R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia-entrada para professores e estudantes com identificação; doadores de sangue; pessoas com deficiência; titulares da ID Jovem e portadores de câncer com documento comprobatório). Menores de 12 anos, maiores de 60 anos, jornalistas, taxistas credenciados à URBS, membros da Associação Profissional dos Artistas Plásticos do Paraná (APAP) e membros do International Council of Museums (ICOM) têm direito a entrada gratuita, mediante apresentação de documento que comprove a condição.

Para a exposição “OSGEMEOS: Segredos”, não há bilheteria física e as vendas são exclusivas pelo site – é necessário agendamento de horário. O bilhete dá direito também a visitar todas as mostras do MON. Para ver somente as demais exposições, o ingresso pode ser adquirido na bilheteria física até 17h30 ou on-line (esse ingresso não inclui a exposição “OSGEMEOS: Segredos”).

EM CARTAZ
Várias exposições estão em cartaz atualmente no MON. São elas: “Afinidades”; “OSGEMEOS: Segredos”; “Concurso como Prática: A Presença da Arquitetura Paranaense”; “Mens Rea: A Cartografia do Mistério”, de Mac Adams; “África, Expressões Artísticas de um Continente”; “Ásia: a Terra, os Homens, os Deuses – Segunda Edição”; “O Mundo Mágico dos Ningyos”; “Luz ≅ Matéria”; “Espaço Niemeyer”; “Cones” e obras do Pátio das Esculturas.

SOBRE O MON
O Museu Oscar Niemeyer (MON) é patrimônio estatal vinculado à Secretaria de Estado da Comunicação Social e da Cultura do Paraná. A instituição abriga referenciais importantes da produção artística nacional e internacional nas áreas de artes visuais, arquitetura e design, além da mais significativa coleção asiática da América Latina. No total, o acervo conta com mais de 9 mil peças, abrigadas em um espaço superior a 35 mil metros quadrados de área construída, sendo 17 mil metros quadrados de área para exposições, o que torna o MON o maior museu de arte da América Latina. Os principais patrocinadores da instituição, empresas que acreditam no papel transformador da arte e da cultura, são: Copel, Sanepar, Grupo Volvo América Latina, Vivo, Grupo Focus e Moinho Anaconda.

SERVIÇO
Museu Oscar Niemeyer
Em novembro, aberto todos os dias
Das 10h às 18h
Rua Marechal Hermes, 999
www.museuoscarniemeyer.org.br

MON realiza exposição inédita da designer Cláudia Moreira Salles

O Museu Oscar Niemeyer (MON) abre ao público no dia 19/11, na Sala 2, a exposição “Forma e Matéria”, da designer brasileira Claudia Moreira Salles. Com 44 peças, sendo três inéditas, ficará em cartaz até o dia 13 de março de 2022. A mostra, idealizada por Katia D'Avilezz, tem curadoria de Waldick Jatobá.

A realização é um passeio pelo processo criativo e artesanal de peças de mobiliário, objetos e luminárias que flertam entre o design autoral e o minimalismo construtivo. A estética contemporânea e artesanal, desenvolvida durante a trajetória da designer, é apresentada na exibição por meio de peças criadas dos anos de 1990 até os dias de hoje, que mesclam materiais como madeira – tão fundamental na carreira de Claudia –, pedra bruta, mármore, metal e fibra.

“Estudiosa de materiais variados, Cláudia entrega peças com equilíbrio perfeito entre peso e leveza, entre contemporaneidade e técnicas tradicionais, sempre com delicada brasilidade. Seu design refinado muito se aproxima da arte”, afirma a diretora-presidente do MON, Juliana Vosnika.

Ela comenta que, ao realizar essa mostra, o MON cumpre seu propósito de sensibilizar as pessoas para a arte e pela arte. “Faz parte da missão do museu, além de colecionar e expor, proporcionar experiências transformadoras e diálogos entre público e arte, o que também é alcançado com esta exposição”, diz a diretora-presidente.

Para a superintendente-geral da Cultura, Luciana Casagrande Pereira, a exposição vai instigar e provocar um impacto positivo no público. “Essa ponte que o MON promove com design, arquitetura e outras formas de expressão faz parte da gênese do museu e também da receita do seu imenso sucesso. Esse interessante diálogo que Cláudia Moreira Salles estabelece entre forma e função, arte e design, nos coloca constantemente na posição de espectadores surpreendidos e maravilhados”, afirma.

Com criações que são um exercício da capacidade de adaptação de um móvel ou objeto, Claudia Moreira Salles subverte o conceito que a forma segue a função e lança, assim, um novo olhar para o design. Móveis que podem ser esculturas e objetos que ocupam o lugar de obras de arte. Fazem parte desse universo mesas de centro, mancebos, poltronas, mesas, bancos, carrinho de chá (que não tem pregos nem parafusos), luminárias e objetos como fruteiras, castanheiras, entre outros, cada um com sua especificidade que transita entre a elegância e a originalidade.

Processo criativo
Mesmo que a exposição seja uma viagem nas produções de Claudia Moreira Salles ao longo do tempo, a expografia não segue uma ordem cronológica – pelo contrário, ela é organizada pela afinidade do processo criativo de cada peça. As compilações vão se revelando aos poucos na exposição, que é dividida por telas, que instigam o visitante a conhecer as criações que estão atrás delas.

As paredes da sala de exposição também se tornaram uma obra de arte. Nelas estão expostos os processos de concepção das peças, com ilustrações, croquis e fotos de maquetes. “Ao observar essas informações, o visitante pode compreender o caminho percorrido até que a peça se materialize e entender que as ideias nem sempre começam e terminam iguais”, explica Claudia Moreira Salles.

Sintonia Fina
Também faz parte da exposição a “Coleção Sintonia Fina”, uma linha de luminárias de mesas, pé e teto que são produzidas com madeira de demolição, cobre e nióbio (metal raro encontrado no Brasil). Os objetos apresentam um contraste entre linhas retas e arredondadas, entre o quente e o frio dos materiais usados e o equilíbrio entre as cumbucas e discos de nióbio e as hastes finas de cobre. Inclusive, uma curiosidade: a variedade de cores das luminárias é obtida por um processo de anodização e da voltagem utilizada em cada uma delas. Estes também são objetos que harmonizam tranquilamente entre a arte e o design, muito característicos de Claudia.

“Foi uma surpresa e uma alegria receber o convite do Museu Oscar Niemeyer para expor ‘Forma e Matéria’. É tão significativo por ser justamente um museu que valoriza e organiza exposições de design. Além disso, Curitiba é uma cidade que tem tradição com a arte e realizar algo aqui, neste momento, é uma espécie de ressureição, e a arte tem esse poder”, diz a designer.

Claudia Moreira Salles
Claudia Moreira Salles é designer formada, em 1978, pela Escola Superior de Desenho Industrial do Rio de Janeiro. Trabalhou no Instituto de Desenho Industrial do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e atuou na equipe de designer da Escriba (indústria de móveis). Aos poucos começou a se dedicar a projetos mais artesanais e autorais, especialmente com a madeira. Primeiramente, criou peças para a Nanni Movelaria e, mais tarde, passou a desenhar móveis para Etel Carmona. Com o tempo, estendeu a colaboração com outras marcas, como Casa 21, Firma Casa, Dpot, Riva, Bertolucci e Lumini. Fora do Brasil, a designer é representada pela Espasso, com sede em Nova York (EUA).

SOBRE O MON
O Museu Oscar Niemeyer (MON) é patrimônio estatal vinculado à Secretaria de Estado da Comunicação Social e da Cultura do Paraná. A instituição abriga referenciais importantes da produção artística nacional e internacional nas áreas de artes visuais, arquitetura e design, além da mais significativa coleção asiática da América Latina. No total, o acervo conta com mais de 9 mil peças, abrigadas em um espaço superior a 35 mil metros quadrados de área construída, sendo 17 mil metros quadrados de área para exposições, o que torna o MON o maior museu de arte da América Latina. Os principais patrocinadores da instituição, empresas que acreditam no papel transformador da arte e da cultura, são: Copel, Sanepar, Grupo Volvo América Latina, Vivo, Grupo Focus e Moinho Anaconda.

Serviço:
Exposição “Forma e Matéria”, de Claudia Moreira Salles
De 19 de novembro a 13 de março
Sala 2
Museu Oscar Niemeyer (MON)
www.museuoscarniemeyer.org.br

Guaratuba recebe a primeira edição do Conexão Caiçara no próximo final de semana

Homenagens a Waltel Branco e Aldir Blanc são destaques da programação do evento, que além de música terá a gastronomia como atrativo

O próximo final de semana em Guaratuba será de muita música, gastronomia e cultura caiçara. Dias 6 e 7 de novembro acontece, no recém-inaugurado Espaço Litoral, a primeira edição do Conexão Caiçara. Em respeito aos protocolos recomendados pelos órgãos oficiais de saúde em relação à pandemia, o acesso ao espaço será limitado a 200 pessoas com acesso pela ordem de chegada. Nos dois dias, o Conexão Caiçara acontecerá das 12h às 17h com entrada gratuita.

Viabilizado pela Lei Aldir Blanc, com apoio da Prefeitura de Guaratuba, o Conexão Caiçara levará ao público informações sobre a história, meio ambiente, gastronomia e todo o universo caiçara através de uma grande exposição e pelo Museu Ecocultural Caiçara.

Agenda musical - A programação musical do Conexão Caiçara reserva homenagens ao músico, regente, produtor, arranjador parnanguara Waltel Branco e ao compositor e escritor, Aldir Blanc. No sábado, às 12h30, a banda Dinamite Combo sobe ao palco para tocar músicas instrumentais do universo do mestre Waltel Branco. No repertório, as consagradas Zoraia, Meu Balanço, Lady Samba entre outras. A programação segue abrindo espaço para artistas locais com apresentação de fandango e do Grupo Quintal do Samba.

No domingo (7), os músicos Ricardo Salmazo (voz e percussão), Vinicius Chamorro (violão) e Julião Boêmio (cavaquinho), do Trio na Madrugada, abrem os trabalhos tocando os grandes sucessos de Aldir Blanc. Para fechar o final de semana, o público poderá acompanhar a apresentação de fandango e do Grupo Quintal do Samba.

Maricultura - Para acompanhar as atrações artísticas, o Conexão Caiçara terá um box servindo bolinho de siri, camarão empanado, iscas de peixe e as mundialmente consagradas ostras da região do Cabaraquara. Além de saborear a iguaria, por meio de grandes painéis, o visitante poderá conhecer mais sobre a ostreicultura, importante ramo da maricultura e unidade econômica da região.

A ostra do mangue do Cabaraquara é considerada a melhor do país e uma das três melhores do mundo. O título foi concedido por especialistas japoneses que viajaram pelo Brasil e também avaliaram ostras produzidas em várias regiões do mundo.

Tradições caiçara - O Museu Ecocultural Caiçara estará presente no Espaço Litoral com seu acervo arqueológico e informações sobre os 250 anos da Vila de Guaratuba e a comunidade pesqueira da região. Em paralelo, uma exposição revela aspectos do universo e identidade caiçara com informações e imagens sobre elementos desta cultura litorânea.

Sobre a Lei Aldir Blanc - Lei nº 14.017 de 29 de junho de 2020 formulada pelo Congresso Nacional com a finalidade de atender ao setor cultural do Brasil, afetado com as medidas restritivas de isolamento social impostas em razão da pandemia de Covid-19.

Serviço:
Conexão Caiçara
Música, gastronomia, cultura e tradições
Data: sábado e domingo, dias 06 e 07 de Novembro
Horário: 12h às 17h
Local: Espaço Litoral
Endereço: Rua Antônio Rocha 480 - Guaratuba/PR
Capacidade: 200 pessoas
Entrada Franca (será respeitada a ordem de chegada)
Mais informações:
https://conexaocaicara.com.br
https://www.instagram.com/conexao_caicara/

MON inaugura sua 16ª exposição virtual no Google Arts & Culture

O Museu Oscar Niemeyer (MON) inaugura a exposição “Gente no MON”, do fotógrafo Dico Kremer, no Google Arts & Culture. É a 16ª exposição virtual do MON na plataforma.

Realização do próprio Museu, a mostra foi inaugurada em outubro de 2020, com curadoria do professor Fernando Bini. Reuniu 84 fotos selecionadas entre mais de 5 mil imagens de visitantes anônimos do MON entre março de 2016 e novembro de 2019.

GOOGLE ARTS & CULTURE – O MON ingressou na plataforma Google Arts & Culture em fevereiro de 2018, ao lado dos grandes museus do Brasil e do mundo. Além de “Gente no MON”, outras exposições estão disponíveis na plataforma. Entre elas: “Fernando Velloso por ele mesmo”; “O que é Original?”, de Marcelo Conrado; “Declaração de Princípios”, de Geraldo Leão; “Luz ≅ Matéria”; “Ásia: a Terra, os Homens, os Deuses”; “Nos Pormenores um Universo – Centenário de Vilanova Artigas”; “Irmãos Campana”; “Não Está Claro até que a Noite Caia”, da artista Juliana Stein; “Circonjecturas”, do artista Rafael Silveira; “O Último Império”, de Serguei Maksimishin; “Man Ray em Paris”; “Antanas Sutkus: Um Olhar Livre” e “União Soviética Através das Câmeras”.

Lançado em 2011, o Google Arts & Culture tem parcerias com mais de 2 mil museus e instituições culturais em todo o mundo. O MON está entre os mais de 60 museus brasileiros desde fevereiro de 2018.

SOBRE O MON
O Museu Oscar Niemeyer (MON) é patrimônio estatal vinculado à Secretaria de Estado da Comunicação Social e da Cultura do Paraná. A instituição abriga referenciais importantes da produção artística nacional e internacional nas áreas de artes visuais, arquitetura e design, além da mais significativa coleção asiática da América Latina. No total, o acervo conta com mais de 9 mil peças, abrigadas em um espaço superior a 35 mil metros quadrados de área construída, sendo 17 mil metros quadrados de área para exposições, o que torna o MON o maior museu de arte da América Latina. Os principais patrocinadores da instituição, empresas que acreditam no papel transformador da arte e da cultura, são: Copel, Sanepar, Grupo Volvo América Latina, Vivo e Moinho Anaconda.

Serviço:
Museu Oscar Niemeyer
“Gente no MON”, do fotógrafo Dico Kremer
Plataforma Google Arts & Culture
Disponível em https://bit.ly/MONGoogleArtsAndCulture

Artistas brasileiras selecionadas para a exposição “The Venice Glass Week” na Itália

As artistas brasileiras Désirée Sessegolo e Cristine Baena foram selecionadas para expor suas obras “Vuoti” e “Viva La Vida”, respectivamente no “The Venice Glass Week”, a maior exposição de arte em vidro na cidade de Veneza, na Itália.

Uma iniciativa promovida pela Câmara Municipal de Veneza e concebida por Fundação dos Museus Cívicos de Veneza, Fundação Giorgio Cini-LE STANZE DEL VETRO, Instituto Vêneto de Ciências, Letras e Artes e pela mais importante associação do setor, a Consorzio Promovetro Murano, gerente da marca da Região Veneto Vetro Artistico® Murano - faz parte do programa de "Grandes Eventos" apoiado pela Região do Vêneto.

Centenas de pedidos de participação foram recebidos pelo secretariado do "The Venice Glass Week" e selecionados pelo Comitê Científico, presidido por Rosa Barovier Mentasti - historiadora do vidro veneziano e composto por Rainald Franz - diretor do MAK-Museu Austríaco de Artes Aplicadas / Arte Contemporânea de Viena, Susanne Jøker Johnsen - diretora da Royal Danish Academy - Architecture, Design e Conservação de Copenhague e Diretora do Centro Europeu de Vidro e Cerâmica em Bornholm, na Dinamarca, acompanhados pelo curador Jean Blanchaert e o artista Marcantonio Brandolini d'Adda.

Pedidos de fundações, galerias de arte, museus, instituições culturais, universidades, institutos de ensino superior, vidrarias, fornos, empresas, artistas e colecionadores privados italianos e estrangeiros confirmam a grande vivacidade do cenário artístico, cultural e produtivo na cidade e a força atrativa de um tema que também é sentido no exterior, como uma "linguagem universal".

O programa do festival, de acordo com a tradição, consistirá em iniciativas das mais variadas espalhadas pela região, em sua maioria com entrada gratuita e terão como tema principal o vidro artístico e terá apelo a públicos de todas as idades, envolvendo as cidades de Mestre, Veneza e Murano.

Forte pela valorização das edições anteriores, um dos centros nevrálgicos do evento na cidade será o HUB da Semana do Vidro de Veneza, no Campo Santo Stefano, no Instituto Vêneto de Ciências, Letras e Artes na sede do Palazzo Loredan, que nesta edição hospedará uma seleção de obras de cerca de vinte artistas locais e internacionais, onde duas artistas brasileiras exporão suas obras.

“The Venice Glass Week” é realizado desde 2017 e este ano, acontece de 04 a 12 de setembro, nas cidades de Veneza, Murano e Mestre na Itália. Serão expostas obras de mais de vários artistas do mundo todo e este ano, do Brasil, somente duas artistas foram selecionadas.

Em sua terceira participação, a artista brasileira Désirée Sessegolo apresenta sua obra intitulada de “Vuoti” (vazio, em português). A instalação é composta por 300 peças em vidro branco, suspensas por fios de nylon, medindo 2,5 metros de comprimento por 0, 50 metros de largura e profundidade, pesando 10 quilos. As peças foram produzidas por meio de uma técnica própria no atelier da artista em Curitiba, que com suas diferentes formas, compõem uma obra inspirada no abstracionismo orgânico de Henry Moore, Barbara Hepworth e no surrealismo de Joan Miró.

“Vuoti” expressa a linguagem da artista, caracterizada por criar espaços vazados em vidro, evidenciados por efeitos de luz e sombra, como forma poética de evidenciar o vazio onipresente no universo, instigando o observador a reflexões.

O material utilizado é de origem tcheca, fabricado seguindo legislações europeias de proteção do meio ambiente e todos os resíduos gerados na realização da obra, foram integralmente reciclados na produção de acessórios de moda, à venda no site da artista -www.desireesessegolo.com, comprovando o inesgotável potencial de transformação e reciclagem do material. Como técnica, Désirée Sessegolo desenvolveu a sua própria, denominada como “Vidro Celular”, definida pelo seu processo de fusão, onde as partículas de vidro se movimentam buscando um equilíbrio físico, originando texturas orgânicas compostos por espaços vazados que remetem a texturas celulares.

“Ao associar as formas vazias, estabelecemos uma relação que vai além do pensamento estético, propondo também uma reflexão sobre a frágil e delicada presença da vida no universo.”, explica Désirée Sessegolo sobre a concepção de suas obras.

Já a artista Cristine Baena, apesar de já ter participado de outras exposições, estreia no "The Venice Glass Week” com sua obra "Viva La Vida" (Viva a vida, em português).

Toda construída com descarte de copos de vidro adquiridos por quilo de uma cristaleira paulistana e fundidos, estes cacos são tecnicamente retrabalhados e esculpidos para surgir a obra numa sincronia entre o velho e o novo ao utilizar ainda garrafas de vidro recortadas e recicladas. "Viva La Vida" é uma obra que retrata as máscaras que todos nós usamos diariamente buscando aprovações e nos libertamos quando finalmente conseguimos transformá-las, mostrando realmente como somos, de corpo e alma.

"Este trabalho é sobre as máscaras que todos usamos e a coragem de nos libertarmos da aprovação dos outros", explica Cristine Baena sobre a ideia da concepção de sua obra. "A força dentro de nós rompendo paredes e energias acumuladas durante nossas vidas. Podemos amar a nós mesmos, aos outros. Podemos AMAR.", conclui a artista.

"Viva la Vida" leva o espectador a se colocar dentro da obra vivenciando a emoção de liberdade e autoconhecimento, convidando-o a olhar através, entre ou contra as imagens disformes, procurando por um ângulo, uma sombra, uma composição que faça sentido dentro de sua própria busca.

Cristine tem grande parte de seu trabalho em obras de arte suspensa, mas trabalha também com a criação de peças exclusivas de decoração e acessórios de moda, misturando outros materiais ao vidro, sempre sua principal matéria prima.

A composição da obra de Cristine Baena mede 40 x 40 x 40cm, pesa dois quilos, utilizando o método de fusão em vidro, que possibilita infinitas formas, texturas, densidade e VIDA ao vidro, diferente e contrapondo como conhecemos o material, rígido, geométrico e frágil. Sua inspiração vem da transparência e seus estados. As cores ou a ausência delas, as dimensões associadas a emoções que transcendem e sublimam sentimentos ocultos.

O festival The Venice Glass Week é promovido pela Câmara Municipal de Veneza e organizado pela Fundação dos Museus Cívicos de Veneza, LE STANZE DEL VETRO - Fundação Giorgio Cini, Instituto Vêneto de Ciências, Letras e Artes e Consórcio Promovetro Murano.

Para acompanhar tudo o que estará acontecendo sobre o The Venice Glass Week, os interessados devem assinar a newsletter no site oficial do evento, no https://www.theveniceglassweek.com/.

Sobre o festival:

Com um programa de eventos, no conceito híbrido, tanto on-line como presencial na cidade de Veneza, o festival “The Venice Glass Week” conta com exposições, demonstrações e visitas guiadas, tendo como base o sucesso alcançado em 2019 quando 103.000 visitantes reuniram-se em Veneza, Murano e Mestre para participar dos mais de 200 eventos propostos em mais de 100 locais diferentes. Mesmo em um ano complicado pela Covid-19, como foi 2020, obrigando a indústria do vidro a fechar por meses, a edição #TheHeartOfGlass teve mais de 62.000 visitantes.

A “fabricação” do vidro é um conhecimento repassado de tradições ancestrais por gerações, enraizadas no DNA de Veneza, uma cidade que respira arte e produção, sempre inovando, unindo tradição e modernidade, tornando-se um orgulho italiano, admirado no mundo todo.

Sobre Désirée Sessegolo:

Désirée Sessegolo, é uma artista multidisciplinar ítalo-brasileira nascida na cidade de Curitiba, Brasil. Formada em Design pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), seu trabalho é reconhecido pelo Museu Alfredo Andersen, Casa João Turin, Museo del Vidrio de Bogotá, International Biennale of Glass na Bulgária e The Venice Glass Week na Itália dentre outros. Já participou de mais de 50 mostras, sendo 8 individuais, 27 coletivas e 15 internacionais. Possui escultura no acervo da International Biennale of Glass na Bulgária e além do Brasil, um atelier também em Vicenza, na Itália.

Outras conquistas da artista em 2021:

- The Glass Prize - Reino Unido (artista selecionada) com a obra “Empty”
- International Biennale of Glass - Bulgária (artista selecionada) com a obra “Voids”

Contatos:
Site: www.desireesessegolo.com
Facebook: www.facebook.com/veniceglassweek/
Instagram: @desireesessegolo
WhatsApp: 055 41 99963-2784
E-mail: desiree_sessegolo@hotmail.com

Sobre Cristine Baena

Cristine Baena é paulistana de nascença, mas com alma inquieta, viveu em Miami, Curitiba e Cidade do México. Formou-se em Artes Visuais na Universidade Tuiuti em Curitiba, onde inicia sua carreira. Mudou-se para o México, onde trabalhou como artista residente no Studio Romero Gurman, de 2008 a 2011.

É membro da Glass Art Society (GAS), e participa de conferências anuais nos EUA. Também é membro da Scottish Glass Society e da Contemporary Glass Society (UK), além de ter participado da Masterclass com Richard Wentworth no North Lands Creative Glass em Lybster, na Escócia, em Setembro de 2016, um marco em sua vida.

Fez uma série de oficinas em Barcelona, EUA e São Paulo para aprender e desenvolver técnicas de manipulação de vidro.

Modernistas como Antoni Gaudí, Alexander Calder, Henry Moore e Wassily Kandinsky são alguns dos grandes mestres inspiradores de suas obras.

Executou obras nos Estados Unidos e teve duas exposições próprias entituladas "Alma de Vidro", uma em Ouro Preto, em 2017 e a outra em São Paulo no D&D, em 2019. Vivendo agora no Brasil está com projetos em andamento.

Teve seu recente trabalho "Hope" avaliado por um júri da Glass Art Society (GAS) que a levou a participar da exposição "Visions in Glass" em St. Petersburg, FL, em Abril de 2019 e em 2020, teve sua outra obra "Tribo" selecionada pelo júri da Glass Art Society, sendo convidada a expor na Suécia.

Participação de Cristine Baena no The Venice Glass Week

2021 – Viva la Vida

Outras conquistas de 2021

- The Glass Prize - Reino Unido (artista selecionada) com a obra "Hope"

- Exhibition Textures da Contemporary Glass Society – Reino Unido (exposição on-line)

Contatos:

Site: http://www.cristinebaena.com/

Facebook: www.facebook.com/cristinebaenaglass

Instagram: @cristinebaena_art / @baenaglassstudio

WhatsApp: +55 11 99858-1777

E-mail: cristinebaena.art@gmail.com

Serviço:
Exposição - The Venice Glass Week
Data: 04 a 12 de setembro de 2021
Local: Instituto Vêneto de Ciências, Letras e Artes
Endereço: Campo Santo Stefano, 2945, Veneza
Entrada: Gratuita
Informações: www.theveniceglassweek.com
Site do evento: www.theveniceglassweek.com

Uma Cartografia Mítica da Escarpa Devoniana

Segue aberta para visitação até 18 de julho, no Museu da Fotografia do Solar do Barão, a exposição “Cartografia Mítica da Escarpa Devoniana”, com mapas, objetos, fotografias e vídeos que compõem uma proposta “work in progress”, iniciada em 2020 pela artista visual Maria Baptista.

Os trabalhos foram produzidos durante a passagem dela por cidades como Balsa Nova, Palmeira, Ponta Grossa e Tibagi, que integram a Área de Proteção Ambiental da Escarpa Devoniana, região de rica biodiversidade marcada pelo encontro dos biomas da Mata Atlântica com o Cerrado. Também fazem parte da exposição trabalhos anteriores, de 2018 e 2019, produzidos durante imersões nesse mesmo contexto geográfico.

Cada passo da pesquisa pode ser conhecido no website www.cartografiamitica.wordpress.com.

Interessados podem agendar uma visita guiada com Maria Baptista, pelo instagram (@gutabap). O Solar do Barão está aberto de terça a domingo das 12 às 18h, com todos os protocolos de segurança. Também é possível agendar visita guiada diretamente com a artista,

O Projeto é realizado com apoio do Fundo Municipal de Cultura – Programa de Apoio e Incentivo à Cultura – Fundação Cultural de Curitiba e da Prefeitura Municipal de Curitiba

Serviço:
Local: Museu da Fotografia Cidade de Curitiba (Rua Presidente Carlos Cavalcanti, 533 - Solar do Barão).
Horário de visitação. Até 18 de julho, de terça a domingo, das 12h às 18h. Respeitando o protocolo de saúde com uso obrigatório de máscara, álcool gel e distanciamento. Com no máximo 4 pessoas em sala.
Informações: 3321-3240
Agendamento de visitas guiadas pelo instagram: @gutabap

Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais

Ícones nacionais da arte, da Pinacoteca à Bienal Internacional de Arte Contemporânea de Curitiba, contam com atrações gratuitas em meios digitais

CURITIBA, 15/06/2021 – O acesso à arte e cultura, ainda que limitado pela pandemia, continua sendo essencial às pessoas. Conhecer artistas e obras, revisitar importantes períodos históricos do Brasil e apreciar a produção cultural do país são ótimas pedidas. Ainda que muitos espaços estejam fechados ou com visitas limitadas, plataformas digitais fornecem conteúdo e qualidade para o público.

Confira uma lista de indicações:

Bienal On-Line: Ação digital da 14ª Bienal Internacional de Arte Contemporânea de Curitiba, a Bienal On-Line apresenta muito conteúdo gratuito pelas redes sociais. Até dezembro, o evento tem programação de exposições, lives e bate-papos, entre outras atividades como a chamada aberta para artistas divulgarem seus trabalhos nos stories do Instagram @bienaldecuritiba. Pintura, escultura, vídeoarte, design e arquitetura, entre muitos outros, são apresentados na Bienal, que celebra discussões sobre responsabilidade socioambiental, tecnologia e arte. Mais informações em www.instagram.com/bienaldecuritiba e bienaldecuritiba.com.br.

Museu do Amanhã: Localizado no Rio de Janeiro, o Museu do Amanhã é dedicado à ciência. Foi inaugurado em 2015 com a proposta de pensar o futuro, sobre como podemos moldar os próximos 50 anos. Discussões ambientais, de sustentabilidade e convivência são promovidas pelo espaço e por suas exposições. A visita virtual apresenta fotos, vídeos e áudios explicando o conceito dos detalhes da construção, das obras de arte e das pesquisas que ganham as paredes do museu. Confira em: https://museudoamanha.org.br/tourvirtualpratodomundo/.

Museu Oscar Niemeyer: Com um espaço de 35 mil metros quadrados de área construída, é considerado o maior museu de arte da América Latina. Contando com acervo próprio e recebendo grandes exposições, já realizou desde 2002mais de 350 mostras nacionais, internacionais e itinerantes. No site, é possível conferir informações e imagens de algumas destas atrações. A visita virtual 3D destaca os espaços do MON, do famoso Olho ao jardim de esculturas, passando pelas maquetes e até uma sala de exposição. Disponível em www.museuoscarniemeyer.org.br/visite/visita-virtual-3D.

Pinacoteca de São Paulo: Fundada em 1905, a Pinacoteca de São Paulo é um museu de artes visuais, destacando produções a partir do século XIX até hoje. Seu cervo conta com 11 mil peças, incluindo nomes que mudaram os rumos da arte brasileira, como Tarsila do Amaral e Candido Portinari. A visita virtual conta com vídeo pelos corredores do prédio centenário que abriga o museu e a apreciação de obras, com explicações e links para entender a trajetória da arte brasileira. Mais em pinacoteca.org.br/visite/tour-virtual.

Museu Nacional de Belas Artes: Localizado no Rio de Janeiro, o Museu Nacional de Belas Artes abriga o maior acervo de obras de arte do século XIX. Inaugurado em 1938, abriga pinturas e esculturas de variados temas, desde um conjunto de esculturas africanas e arte decorativa até mobiliário e obras de arte popular e sacra. Documentos, livros, desenhos e objetos históricos também completam o acervo. Há dois roteiros de visita disponíveis, além da visualização de coleções, em artsandculture.google.com/partner/museu-nacional-de-belas-artes.

MON apresenta a exposição da artista Kika Costa

O Museu Oscar Niemeyer (MON) apresenta a exposição inédita “Formas & Anjos: Obras de Kika Costa (1984-2021)”, que reúne uma visão panorâmica da produção da artista desde a década de 1980 até hoje.
A artista, que é uma pessoa com deficiência, nasceu em 1961, em Porto Alegre (RS), onde vive. Trabalha exclusivamente com cerâmica, numa produção sistemática e contínua.
“A principal missão de uma instituição cultural é democratizar a arte, e ela deve ser exercida em sua plenitude”, diz a diretora-presidente do Museu, Juliana Vosnika. “Certamente, a exposição de Kika Costa contribuirá para ampliar o debate sobre as produções artísticas de pessoas com deficiência, que muitas vezes encontram limitadores.”
Ela explica que o MON se consolida, ano após ano, como uma instituição dinâmica, aberta ao diálogo artístico e à troca de experiências múltiplas. Com essa preocupação, o MON criou o Núcleo de Acesso e Participação (NAP), para ampliar o acesso de todos os públicos a obras do acervo e às atividades oferecidas pela instituição.
“O objetivo é inserir cada vez mais a comunidade no Museu, participando ativamente de suas ações e propostas”, comenta Juliana.
Kika Costa tem obras nos acervos do Museu Oscar Niemeyer (MON), do Museu de Arte Contemporânea do Paraná (MAC-PR), do Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul (MACRS) e do Museu de Arte do Rio Grande do Sul (MARGS), entre outros.

A mostra
A exposição tem curadoria de Gaudêncio Fidelis e curadoria adjunta de Ana Zavadil. “A obra de Kika Costa é uma contribuição significativa para a história das formas artísticas dentro de uma perspectiva criativa, estética e cultural que tem muito a nos ensinar sobre a natureza do objeto de arte como gerador de conhecimento”, diz Gaudêncio.
Para a curadora Ana Zavadil, a produção da artista é uma “demonstração de superação dos mais diversos obstáculos que um artista precisa enfrentar para produzir e ter sua obra reconhecida. Especialmente se essa artista é também uma pessoa com deficiência em um mundo que é essencialmente normativo”, comenta Ana.
Durante a exposição, será lançado o livro homônimo de autoria do curador e historiador de arte Gaudêncio Fidelis. Com 320 páginas e ilustrado por cerca de 600 obras, o livro se propõe a investigar os deslocamentos da obra da artista no campo da arte e da cultura.

O curador
Gaudêncio Fidelis (Brasil, 1965) é curador e historiador de arte. É mestre em Arte pela New York University (NYU) e doutor em História da Arte pela State University of New York (SUNY), com a tese “A Recepção e a Legibilidade da Arte Brasileira Contemporânea nos Estados Unidos” (1995-2005). Foi fundador e primeiro diretor do Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul, em 1992. Publicou inúmeros livros, entre eles, “O Cheiro como Critério: em Direção a uma Política Olfatória em Curadoria” (Argos, 2015). Foi diretor do Museu de Arte do Rio Grande do Sul (MARGS) entre 2011-2014. Foi curador-chefe da 10a Bienal do Mercosul – Mensagens de uma Nova América, em 2015, e curador da exposição “Queermuseu: Cartografias da Diferença na Arte Brasileira”, em 2017, exibida em Porto Alegre no Santander Cultural e na Escola de Artes Visuais do Parque Lage, em 2018. Desde 2019, é financiado pelo Institute of International Education (IIE) – Scholars Rescue Fund (SRF) e pelo programa The New School University in Exile Consortium (UIE), enquanto trabalha como pesquisador na Parsons School of Design, em Nova York.

A curadora-adjunta
Ana Zavadil (Brasil, 1957) é curadora e historiadora da arte brasileira moderna e contemporânea. É graduada em História, Teoria e Crítica de Arte pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), 2004, e mestre em História, Teoria e Crítica de Arte pela Universidade de Santa Maria/RS (2011) com a dissertação “Reatando os Nós: Arte & Fato Galeria, Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul e Torreão, espaços de legitimação em Porto Alegre” (1985-1997). Foi curadora-chefe do Museu de Arte do Rio Grande do Sul – MARGS (2013-2014), curadora assistente da 10ª Bienal do Mercosul: “Mensagens de uma Nova América”, em 2015, e curadora-chefe do Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul – MACRS (2015-2018); pertenceu à equipe de acervo e curadoria do MACRS (2011, 2012). Publicou o livro “Entre Curadoria AZ” (2013), mapeamento da jovem produção de arte contemporânea no Rio Grande do Sul, do período 2000-2013. Publicou também o livro “Há Tempo Atento ao Tempo” (2011), monografia do artista Leandro Selister.

Sobre o MON
O Museu Oscar Niemeyer (MON) pertence ao Estado do Paraná. A instituição abriga referenciais importantes da produção artística nacional e internacional nas áreas de artes visuais, arquitetura e design, além da mais significativa coleção asiática da América Latina. No total, o acervo conta com aproximadamente 7 mil peças, abrigadas em um espaço superior a 35 mil metros quadrados de área construída, sendo 17 mil metros quadrados de área para exposições, o que torna o MON o maior museu de arte da América Latina. Os principais patrocinadores da instituição, empresas que acreditam no papel transformador da arte e da cultura, são: Copel, Sanepar, Grupo Volvo América Latina, Vivo e Moinho Anaconda.

Serviço:
Exposição “Formas & Anjos: Obras de Kika Costa” (1984-2021)
Sala 11
Museu Oscar Niemeyer (MON)
www.museuoscarniemeyer.org.br

MON inaugura a exposição da artista Sonia Dias Souza

O Museu Oscar Niemeyer (MON) reabriu ao público com uma nova exposição: "Radical", primeira individual da artista Sonia Dias Souza, na Sala 1 do Museu. Com curadoria de Agnaldo Farias, a mostra tem caráter imersivo e reúne fotografias e instalações inéditas.

“O conjunto dos trabalhos propõe introspecção, mas, simultaneamente, diálogo com o imaginário universal, num dualismo instigante”, comenta a diretora-presidente do MON, Juliana Vosnika.

O objetivo é compartilhado pela instituição: o Museu Oscar Niemeyer tem o propósito de sensibilizar as pessoas pela arte. “Ao oferecer experiências múltiplas, como a apresentação do interessante trabalho dessa artista, facilita ao espectador uma leitura mais plural sobre si mesmo e sobre o mundo”, diz Juliana.

Um exemplo é a instalação “A semente que somos”, trabalho composto por cerca de três mil sementes de flores de lótus desidratadas, unidas por finos fios de arame e penduradas através de fios de pesca. As sementes foram escolhidas pela artista em razão do seu simbolismo, por estarem ligadas ao processo da vida e de sua superação.

“A beleza desta obra está em fazer refletir sobre a flor de lótus, que brota destas sementes apesar do ambiente adverso em que está enraizada, como a esperança que nasce do lodo”, comenta Juliana.

As muitas possibilidades de interpretação e a expansão de significados são marcas registradas da artista, que recusa a temporalidade e a possibilidade de perspectiva única em sua obra.

Os trabalhos apresentados se desenvolvem em conexão, sobre a relação do homem consigo e com seu entorno; sobre sua finitude, sua existência subjetiva como parte da complexa estrutura que sustenta a vida. Todos foram concebidos como janelas pelas quais encontramos possíveis acessos de novos sentidos e alternativas para a solução dos conflitos, inquietudes e medos que nos afligem nessa experiência da vida contemporânea

O título da exposição é inspirado pelo contraste entre a essência da natureza humana e as manifestações do Universo, ambas presentes na sutileza da produção de Sonia Dias Souza. “Radical” também traduz a noção de raiz como metáfora do engajamento de qualquer ser vivo com sua própria evolução, algo presente em sua busca.

A artista acredita que o universo, em suas diferentes dimensões, do macro ao micro subatômico, se organiza e se autorregula como uma composição de energias que estão em movimento e fluxo constantes, acontecendo através de processos interdependentes de interação e comunicação, do qual nós, humanos, somos parte.

“O mundo material que nos rodeia não é diferente. É uma rede de padrões inseparáveis de relações e a nossa evolução está na qualidade dessas relações”, diz Sonia.

O trabalho apresentado reúne expressões plásticas de uma visão subjetiva de nossa existência como fenômeno da complexa estrutura que sustenta o grande mistério da vida.

“Esta não é uma simples exposição de obras de arte. Para sua individual no Museu Oscar Niemeyer, Sonia Dias Souza preparou um ambiente único, um espaço projetado para tocar num ponto essencial: nós e o mundo somos uma coisa só”, explica o curador Agnaldo Farias.

Sobre o MON
O Museu Oscar Niemeyer (MON) pertence ao Estado do Paraná. A instituição abriga referenciais importantes da produção artística nacional e internacional nas áreas de artes visuais, arquitetura e design, além da mais significativa coleção asiática da América Latina. No total, o acervo conta com aproximadamente 7 mil peças, abrigadas em um espaço superior a 35 mil metros quadrados de área construída, sendo 17 mil metros quadrados de área para exposições, o que torna o MON o maior museu de arte da América Latina. Os principais patrocinadores da instituição, empresas que acreditam no papel transformador da arte e da cultura, são: Copel, Sanepar, Grupo Volvo América Latina, Vivo e Moinho Anaconda.

Serviço:
Exposição “Radical”, da artista Sonia Dias Souza
Sala 1
Museu Oscar Niemeyer (MON)
www.museuoscarniemeyer.org.br

MON leva “O Mundo Mágico dos Ningyos” a São José dos Pinhais

O Museu Oscar Niemeyer (MON) leva a São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, a exposição “O Mundo Mágico dos Ningyos”, uma versão da que está em cartaz no Museu. A mostra poderá ser vista a partir de 11 de junho, no Museu Atílio Rocco.

“Uma das maiores coleções de arte asiática da América Latina, que pertence ao acervo do Museu Oscar Niemeyer (MON) graças a uma generosa doação feita pelo professor Fausto Godoy, apresenta-se aqui num novo recorte”, explica a diretora-presidente do MON, Juliana Vosnika.

“O Mundo Mágico dos Ningyos” traz para perto do público a singular coleção de bonecos japoneses que, naquele país, extrapola o lúdico infantil. Muito mais do que brinquedos, são objetos de forte simbologia, revelam os costumes e a cultura do Japão.

Fausto Godoy, que assina a curadoria da exposição, explica que os Ningyos ocupam um lugar diferente na sociedade japonesa, em relação aos bonecos no Ocidente. “Para nós, eles são brinquedos, enquanto no Japão são objetos cheios de significados milenares, que evocam uma atmosfera mágica e ritualística”, diz. “São muito valiosos, frágeis e guardados como tesouros de família.”

Tradicionalmente, os Ningyos são presentes utilizados para desejar longevidade, saúde e fertilidade aos recém-nascidos. Também são exibidos pelas famílias em datas especiais e a eles se atribui a missão de proteger e purificar as casas que os recebem.

O significado da palavra Ningyo é “forma humana”: nin (humano, gente) e gyo (forma). “Esses objetos aqui apresentados atravessaram os últimos 200 anos do Japão e mostram um viés pouco explorado, mas extremamente rico, da alma e da cultura japonesas”, comenta Godoy.

Sobre o MON
O Museu Oscar Niemeyer (MON) pertence ao Estado do Paraná. A instituição abriga referenciais importantes da produção artística nacional e internacional nas áreas de artes visuais, arquitetura e design, além da mais significativa coleção asiática da América Latina. No total, o acervo conta com aproximadamente 7 mil peças, abrigadas em um espaço superior a 35 mil metros quadrados de área construída, sendo 17 mil metros quadrados de área para exposições, o que torna o MON o maior museu de arte da América Latina. Os principais patrocinadores da instituição, empresas que acreditam no papel transformador da arte e da cultura, são: Copel, Sanepar, Grupo Volvo América Latina, Vivo e Moinho Anaconda.

Serviço:
“O Mundo Mágico dos Ningyos”
Período expositivo: 11 de junho a 18 de julho
Museu Atílio Rocco (Rua Quinze de Novembro, 1.660)
www.museuoscarniemeyer.org.br

Legado do artista João Turin pode ser apreciado em um dos maiores jardins de esculturas do Brasil

E em memorial que reúne quase 100 obras

Memorial Paranista João Turin - foto Maringas Maciel (1).jpeg

Lide Multimídia - O escultor João Turin (1878-1949) é o grande destaque do Memorial Paranista, inaugurado em 14 de maio no Parque São Lourenço, em Curitiba. O novo espaço conta com 78 obras de Turin em uma exposição permanente, que pode ser visitada gratuitamente com agendamento antecipado pela internet (www.curitiba.pr.gov.br/memorialparanista) limitada a pequenos grupos em razão das medidas de prevenção de covid-19. O local guarda a memória do Paranismo, movimento artístico que exalta a identidade do estado do Paraná. Na área externa foi construído um dos maiores jardins de esculturas do Brasil, com 15 obras de Turin ampliadas em bronze. Ao todo, são quase 100 obras reunidas no Parque em uma junção de esforços entre Prefeitura de Curitiba (coordenadora geral do projeto), Copel, Família Lago (detentora dos direitos autorais de João Turin) e Governo do Estado do Paraná.

Vídeo sobre o Memorial Paranista João Turin:
https://www.youtube.com/watch?v=0ZevRuwdti8

Memorial-Paranista-João-Turin---foto-Maringas-Maciel-(5).jpg

MON estará aberto também às segundas-feiras

O Museu Oscar Niemeyer (MON) tem uma novidade aos seus visitantes: a partir de 24 de maio, passará a abrir também às segundas-feiras. A iniciativa tem o objetivo de oferecer mais uma opção para que o público visite o local em segurança, dentro do rígido protocolo sanitário que, entre outras questões, determina a limitação de pessoas para garantir o distanciamento seguro durante a pandemia.

De acordo com a determinação da Superintendência de Cultura do Paraná, o MON estará fechado neste sábado e domingo (22 e 23/5).

“A ideia é oferecer um dia a mais da semana como opção para que o público visite o MON em segurança e tranquilidade”, explica a diretora-presidente da instituição, Juliana Vosnika.
Ela lembra que um dos itens do rigoroso protocolo sanitário aprovado pela Secretaria de Estado da Saúde prevê público reduzido e limites individuais em cada sala expositiva, de acordo com o tamanho de cada uma.

O amplo espaço físico de 35 mil metros quadrados faz com que o MON, maior museu de arte da América Latina, seja uma das opções mais seguras de lazer durante a pandemia.
“É importante que o Museu continue sendo um espaço vivo e atuante e que a arte levada até o público possa ter um papel inspirador”, comenta Juliana. “Além de conteúdo, o Museu oferece aos visitantes leveza, entretenimento e descontração de maneira muito segura”, diz.

Outra medida adotada foi a substituição de todo o material impresso, como guias e folders, por versões digitais, disponíveis por QR codes. O protocolo completo de segurança do MON está disponível aqui: bit.ly/protocolomon.

Conteúdo
Várias exposições estão em cartaz atualmente no MON. São elas: “A Travessia do Desastre”, de François Andes; “Schwanke, uma Poética Labiríntica”; “Ásia: a Terra, os Homens, os Deuses – Segunda Edição”; “Japonésia”, de Naoki Ishikawa; “O Mundo Mágico dos Ningyos”; “Luz ≅ Matéria”; “África, Mãe de Todos Nós”; “Museu em Construção”; “Espaço
Niemeyer”; “Cones” e obras do Pátio das Esculturas.

Sobre o MON
O Museu Oscar Niemeyer (MON) pertence ao Estado do Paraná. A instituição abriga referenciais importantes da produção artística nacional e internacional nas áreas de artes visuais, arquitetura e design, além da mais significativa coleção asiática da América Latina. No total, o acervo conta com aproximadamente 7 mil peças, abrigadas em um espaço superior a 35 mil metros quadrados de área construída, sendo 17 mil metros quadrados de área para exposições, o que torna o MON o maior museu de arte da América Latina. Os principais patrocinadores da instituição, empresas que acreditam no papel transformador da arte e da cultura, são: Copel, Sanepar, Grupo Volvo América Latina, Vivo e Moinho Anaconda.

Serviço:
Museu Oscar Niemeyer
Aberto ao público: de segunda a sexta, das 10h às 18h
www.museuoscarniemeyer.org.br