McDonald’s doa refeições para caminhoneiros no Brasil

Ação teve início em Bauru e será ampliada para mais regiões no país

Desde a descoberta do novo Coronavírus, a população no mundo inteiro tem contado com a dedicação e o trabalho incansável de inúmeros profissionais essenciais. São trabalhadores que contribuem para o bem-estar de todos, como os profissionais de saúde, entregadores e os caminhoneiros, que percorrem longas estradas para garantir o abastecimento de diferentes mercadorias nos estabelecimentos.

No Brasil, o McDonald’s realizou a entrega de aproximadamente 15 mil refeições para profissionais da saúde em mais de 28 cidades e está estendendo agora também essa iniciativa para caminhoneiros em diversas localidades. A ação teve início em Bauru, no interior de São Paulo, com o suporte da Polícia Militar Rodoviária e da Concessionária ViaRondon, na última segunda-feira, 30 de março. Ao longo dos próximos dias, a ação seguirá em Bauru e também será ampliada para outras regiões do interior de São Paulo, Rio de Janeiro e Tocantins, a partir de apoio dos Franqueados da rede no país.

A iniciativa faz parte do programa Bom Vizinho, um projeto de voluntariado e apoio à comunidade que tem mais de 15 anos de atuação, contabilizando mais de 100 mil ações. Por meio do programa, o McDonald’s busca utilizar sua escala e relevância para promover o bem. O incentivo ao voluntariado entre seus colaboradores, formados em sua grande maioria por jovens altamente engajados em contribuir de forma positiva nas regiões onde a companhia atua, já é uma tradição na companhia. Entre as iniciativas já realizadas, há desde a arrecadação de agasalhos, plantio de mudas, visita a asilos até a atual ação de doação de comida.

Medidas para segurança de seus colaboradores

Tendo como prioridade proteger a saúde e bem-estar de seus funcionários e clientes, a companhia implementou um comitê focado especialmente em monitorar e agir em torno de diversos assuntos relacionados ao tema.

A empresa estabeleceu um protocolo especial para a operação de seus serviços que serão mantidos, como Delivery e Drive-Thru, incluindo a demarcação de áreas de distanciamento social nos restaurantes, disponibilização de produtos para higienização das bolsas dos entregadores e lavagem de mãos, cuidado no condicionamento de produtos, além do reforço dos protocolos de higiene em todos os restaurantes da rede, como aumento na frequência da limpeza de equipamentos, ampliação do número de dispensers de álcool em gel, entre outras ações.

Além disso, entre as iniciativas já implementadas pela empresa, está o home office ou licença remunerada para seus colaboradores que pertencem ao grupo de risco, em todos os setores, inclusive restaurantes, e a recomendação de trabalho remoto para todos os funcionários da sede administrativa.

Apoio a micro e pequenos empreendedores

Acreditando na união de forças para que o país possa superar esse momento causado pelo novo Coronavírus, o McDonald’s decidiu apoiar micro e pequenas empresas do setor de alimentação no Brasil, abrindo turmas de formação gratuita e online voltadas a profissionais que atuam nesse segmento.

Os cursos contam com uma grade dividida em três pilares principais: Segurança Alimentar, Higiene e Desenvolvimento Sustentável, áreas em que a companhia é reconhecida internacionalmente por sua excelência. Essas são esferas fundamentais para garantir medidas de prevenção de contaminação por microrganismos, incluindo o novo Coronavírus.

A primeira turma contou com mais de 740 inscritos e teve início na última sexta-feira, 27/03, com o módulo básico de Segurança do Alimento. As inscrições para a próxima aula, que apresentará o módulo avançado de Segurança do Alimento e Higiene, ainda podem ser realizadas por meio do site https://trilhas.info/. A gravação de cada módulo está sendo disponibilizada na plataforma, para que os novos interessados possam acompanhar o conteúdo.

Confira a agenda das próximas aulas ao vivo:

02/04 – Segurança do Alimento e Higiene – Módulo Avançado

06/04 – Desenvolvimento Sustentável – Módulo I

08/04 – Desenvolvimento Sustentável – Módulo II

Sobre a Arcos Dorados

A Arcos Dorados é a maior franquia independente do McDonald’s do mundo, tanto em vendas totais do sistema quanto em número de restaurantes. A Companhia é a maior rede de serviço rápido de alimentação da América Latina e Caribe, com direitos exclusivos de possuir, operar e conceder franquias de restaurantes McDonald’s em 20 países e territórios, incluindo Argentina, Aruba, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Curaçao, Equador, Guiana Francesa, Guadalupe, Martinica, México, Panamá, Peru, Porto Rico, St. Croix, St. Thomas, Trinidad & Tobago, Uruguai e Venezuela. A Companhia opera ou franqueia mais de 2.200 restaurantes McDonald’s com mais de 90.000 funcionários e é reconhecida como uma das melhores empresas para se trabalhar no América Latina. A Arcos Dorados está listada na Bolsa de Valores de Nova York (NYSE: ARCO). Para saber mais sobre a Companhia visite a seção de Investidores de nosso site: www.arcosdorados.com/ir.

UFPR produz álcool para atender demanda de diferentes regiões

·
· UFPR participa da produção de máscaras de proteção ao Coronavírus em impressoras 3D

Solicitações de entrevista dependem da disponibilidade das fontes, mas o material abaixo pode ser livremente utilizado. Também dispomos de vídeos gravados pelos envolvidos no projeto, que podem ser solicitados via e-mail.

Valorize a ciência! Valorize o saber técnico e o conhecimento científico!

_________________________________________________________________________________

UFPR participa da produção de máscaras de proteção ao Coronavírus em impressoras 3D

Resumo: Laboratórios da Universidade Federal do Paraná (UFPR) estão participando de uma ação integrada para a impressão de equipamentos utilizados como proteção de equipes de saúde à frente da pandemia de Coronavírus. As impressoras 3D da instituição produzem estruturas para as máscaras, recurso indispensável para o atendimento de casos suspeitos e confirmados do vírus.

Segundo o professor José Eduardo Padilha de Sousa, vice-diretor do campus da UFPR em Jandaia do Sul, um grupo da instituição dividiu o trabalho por regiões, em seus diversos campi, justamente para suprir demandas locais. Na sua unidade, por exemplo, são duas impressoras trabalhando diariamente, 24 horas por dia, com capacidade de produção de 20 máscaras.

Padilha conta que a equipe trabalhou para otimizar o processo, aliando o conforto necessário aos equipamentos à velocidade da impressão.

SAIBA MAIS

FALE COM O CIENTISTA: professor Márcio Carboni, Expressão Gráfica - 41 99971-3641

________________________________________________________________

UFPR produz álcool para atender demanda de diferentes regiões

Laboratórios e equipes da Universidade Federal do Paraná (UFPR) estão atuando na produção de formulações de álcool, produto essencial para prevenção e controle da pandemia do Coronavírus. No campus de Jandaia do Sul, por exemplo, somente em um dia foram produzidos 700 litros do álcool 70% glicerinado. Em Palotina, foram 125 litros da formulação teste. Setenta litros do produto também serão doados, nos próximos dias, para redes de banco de sangue do estado via Pró-reitoria de Administração (PRA).

Em texto, o professor do departamento de Ciências Exatas do campus Jandaia do Sul, Simão Nicolau Stelmastchuk, explica que a iniciativa começou com o desejo de atender a região do Vale do Ivaí e norte Pioneiro com a produção de Álcool 70% para a higienização das mãos. Como o álcool em gel estava em falta ou era vendido por preços muito acima da média, adotou-se uma formulação eficiente, aprovada pela Agência de Vigilância Sanitária da Regional de Apucarana.

ENTREGA-PAM-1-1-800x389.jpeg
Segundo o professor e pesquisador do Laboratório de Espectrometria de Massas da UFPR, Eduardo Meurer, o álcool 70% glicerinado é o produto ideal para desinfecção, e sua diferença para o popular álcool em gel, hoje em falta no mercado, é basicamente a sensação de conforto do usuário. “O álcool em gel é fabricado com Carbopol, um polímero que muda a consistência do produto e que encarece a produção”, explica. “As pessoas costumam gostar mais desse para as mãos, mas o líquido é mais eficiente, pode estar em frascos de pulverização, tem melhor espalhabilidade, além de ser muito mais barato”.

A produção em Jandaia do Sul está em um ritmo intenso, chegando a ocupar três turnos, que envolvem duplas de professores e acadêmicos, para respeitar a recomendação de isolamento e distanciamento social.

ONGs intensificam ajuda solidária durante pandemia mundial

Entidades brasileiras se unem para combater a fome, promovem arrecadação de produtos de higiene básica e orientam sobre cuidados necessários para evitar o contágio do Coronavírus entre moradores de favelas

A Covid-19 já afeta a vida de milhões de pessoas no mundo todo e nem todos podem trocar os escritórios pelo home office. Com os filhos longe da escola, o consumo alimentar dentro de casa aumentou, mas a renda foi comprometida pela falta de trabalho. Preocupadas com a situação de moradores das favelas, entidades, como a ONG Incanto (Instituto de Cultura, Arte e Novas Tecnologias), de Curitiba, em parceria com a rede de ONGs Gerando Falcões, de São Paulo, conduzem uma campanha solidária com a entrega de cestas básicas digitais e arrecadação de álcool em gel.

Os voluntários das entidades prestarão apoio social para 600 famílias. Cerca de 2.400 moradores de comunidades carentes serão beneficiadas com a ação, em Curitiba e Região Metropolitana. De acordo com a presidente da Incanto, Camila Casagrande, as famílias contempladas são de 20 favelas em que a ONG já atua. “Estamos em um momento muito delicado em que todos os planos tiveram que ser adiados e reformulados. Mas, para essas pessoas, não existem outras alternativas, então vamos nos empenhar ao máximo no que pudermos", explica.

O Instituto Incanto solicita ajuda como doações em dinheiro para realizar a compra de álcool em gel para ser enviado às famílias junto das cestas básicas. O produto não faz parte da realidade na vida dessas pessoas, pelo preço e a dificuldade de encontrar esse produto em mercados populares. É um item essencial que poderá mudar esse cenário de contato com a doença. "Diante da realidade dessas famílias que precisam ir às ruas buscar seu ganha pão, o vírus ganha ainda mais espaço. Precisamos minimizar qualquer possibilidade de contágio e levar esse vírus para dentro das favelas, uma vez que, essa quarentena é totalmente seletiva", concluiu Camila.

Serviço
Para ajudar com as doações acesse: https://painel.dupay.com.br/app/incantocovid19
Tem álcool em gel sobrando em casa, conhece algum fabricante, fornecedor ou comerciante que pode contribuir com grandes quantidades deste produto? Entre em contato agora mesmo através da nossa página na internet pelo link Instituto Incanto, pelo nosso perfil do Instagram: @institutoincanto ou pelo whatsapp +55 (41) 9 9223-5118.

Sobre as ONGS

O Instituto Incanto é uma ONG que faz a conexão entre voluntários artistas com outras ONG's para que sejam aplicadas aulas regulares de arte e cultura. Hoje, o Incanto atende 17 Casas Lares e projetos de contraturno escolar, transformando a vida de 510 crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade.

Gerando Falcões é uma rede de ONGs em âmbito nacional que transforma periferias e favelas. Eles conseguiram juntar em menos de uma semana, 60 mil cartões alimentação que garantem por três meses o sustento dessas famílias. Esses cartões estão sendo entregues nas favelas, via parceiros de todo o Brasil e o Instituto Incanto faz parte desse time.

Contato: Camila Casagrande 41 9 9758 5118

Quase 1000 em Curitiba: McDonald’s doa refeições para profissionais de saúde em 22 cidades brasileiras

Em Curitiba, a Associação dos Amigos do Hospital de Clínicas e o Hospital Santa Cruz foram beneficiados pelo programa Bom Vizinho, que reconheceu o papel fundamental dos profissionais de saúde no combate ao Coronavírus

Desde a descoberta do novo coronavírus, a população no mundo inteiro tem contado com a dedicação e o trabalho incansável dos profissionais de saúde, que lutam para salvar vidas e manter o bem-estar de mais de 400 mil pessoas afetadas globalmente até agora.

Pensando em apoiar essas pessoas que estão na linha de frente dessa grande batalha, a Arcos Dorados, maior franquia independente do McDonald's no mundo, vai doar refeições aos profissionais de saúde de instituições distribuídas por todo o país. Com a ação, 29 instituições receberão produtos da rede em 22 cidades.

Em Curitiba, o Hospital de Clínicas, por meio da Associação dos Amigos do Hospital de Clínicas, e o Hospital Santa Cruz receberam, ao todo, 842 refeições que foram distribuídas aos seus profissionais de saúde por meio do programa Bom Vizinho, uma iniciativa da Arcos Dorados que busca contribuir em diversas frentes com as comunidades onde a companhia atua.

“Os nossos colaboradores responsáveis pelo preparo das refeições têm enviado mensagens de apoio e agradecimento junto às entregas. Essa é uma atitude que nos enche de orgulho e reflete o caráter humano que buscamos ressaltar no dia a dia de nossa companhia”, comenta Paulo Camargo, presidente da Divisão Brasil da Arcos Dorados. “Acreditamos na união de forças para que o país possa superar esse período crítico causado pela pandemia” complementa.

As doações tiveram início na última semana, com a entrega de produtos em São Paulo, e estão sendo expandidas para outras praças brasileiras por meio do programa Bom Vizinho, uma iniciativa de voluntariado e apoio à comunidade que tem mais de 15 anos de atuação, contabilizando mais de 100 mil ações. Por meio do programa, a Arcos Dorados busca utilizar sua escala e relevância para promover o bem. O incentivo ao voluntariado entre seus colaboradores, formados em sua grande maioria por jovens altamente engajados em contribuir de forma positiva nas regiões onde a companhia atua, já é uma tradição na companhia. Entre as ações já realizadas, há desde a arrecadação de agasalhos, plantio de mudas, visita à asilos até a atual ação de apoio aos profissionais da saúde.

As entregas estão sendo realizadas em veículos de grande capacidade, evitando a circulação excessiva de motos e entregadores nos hospitais.

Medidas da Arcos Dorados para segurança de seus colaboradores

A Arcos Dorados tem como prioridade proteger a saúde e bem-estar de seus funcionários e clientes. A companhia implementou um comitê focado especialmente em monitorar e agir em torno de diversos assuntos relacionados ao tema.

A empresa estabeleceu um protocolo especial para a operação de seus serviços que serão mantidos – Delivery, Drive Thru, incluindo a demarcação de áreas de distanciamento social nos restaurantes, disponibilização de produtos para higienização das bolsas dos entregadores e lavagem de mãos, cuidado no condicionamento de produtos, além do reforço dos protocolos de higiene em todos os restaurantes da rede, como aumento na frequência da limpeza de equipamentos, ampliação do número de dispensers de álcool em gel, entre outras ações.

Além disso, entre as iniciativas já implementadas pela empresa, está o home office ou licença remunerada para seus colaboradores que pertencem ao grupo de risco, em todos os setores, inclusive restaurantes, e a recomendação de trabalho remoto para todos os funcionários da sede administrativa.

Apoio a micro e pequenos empreendedores

Acreditando na união de forças para que o país possa superar esse momento de pandemia causada pelo novo Coronavírus, a Arcos Dorados decidiu apoiar micro e pequenas empresas do setor de alimentação no Brasil, abrindo turmas de formação gratuita e online voltadas a profissionais que atuam nesse segmento.

Os cursos contam com uma grade dividida em três pilares principais: Segurança Alimentar, Higiene e Desenvolvimento Sustentável, áreas em que a companhia é reconhecida internacionalmente por sua excelência. Essas são esferas fundamentais para garantir medidas de prevenção de contaminação por microrganismos, incluindo o novo Coronavírus.

Com início programado para a próxima semana, os cursos terão inicialmente vagas limitadas. Poderão participar donos de pequenos estabelecimentos do setor e seus empregados.

Sobre a Arcos Dorados

A Arcos Dorados é a maior franquia independente do McDonald’s do mundo, tanto em vendas totais do sistema quanto em número de restaurantes. A Companhia é a maior rede de serviço rápido de alimentação da América Latina e Caribe, com direitos exclusivos de possuir, operar e conceder franquias de restaurantes McDonald’s em 20 países e territórios, incluindo Argentina, Aruba, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Curaçao, Equador, Guiana Francesa, Guadalupe, Martinica, México, Panamá, Peru, Porto Rico, St. Croix, St. Thomas, Trinidad & Tobago, Uruguai e Venezuela. A Companhia opera ou franqueia mais de 2.200 restaurantes McDonald’s com mais de 90.000 funcionários e é reconhecida como uma das melhores empresas para se trabalhar no América Latina. A Arcos Dorados está listada na Bolsa de Valores de Nova York (NYSE: ARCO). Para saber mais sobre a Companhia visite a seção de Investidores de nosso site: www.arcosdorados.com/ir.

Mercado estuda uso de Drones para entregas em casa

A pandemia ocasionada pelo novo Coronavírus (COVID-19) está fazendo com que muitas empresas de delivery repensem suas alternativas de entrega. Uma das opções é o uso de drone, tendo em vista que a tecnologia aumenta a velocidade da entrega e evita o contato entre cliente e entregador.

“Grandes marcas já estão com projetos de uso de drone prontos para serem colocados em prática. Em diversos países este sistema é uma realidade e, neste momento, se mostra uma alternativa eficaz e segura”, afirma o professor do curso de pilotagem de drones do Centro Europeu, Alexandre Scussel.

O mercado de delivery no Brasil está em constante expansão. O último levantamento realizado pelo Sebrae (2017) aponta que a movimentação chegou a R$ 9 bilhões em um ano, com crescimento de aproximadamente 12% no mesmo período. Em 2018 a movimentação ultrapassou R$ 10 bilhões.

Segundo ele, além da comodidade de escolher o que precisa por aplicativo e esperar o produto chegar em casa, agrada a muitos brasileiros e o serviço de entrega está passando por uma transformação. “Outra contribuição desta tecnologia - utilizada em países da Europa e África - está associada ao transporte de órgãos e medicamentos”, afirma.

Alexander Scussel conta que na área da alimentação os primeiros testes para entregas utilizando drones no Brasil foram feitas em 2018. “A realidade da entrega de comida por drones está mais distante do que o delivery utilizado pela indústria, mas tende a crescer rapidamente”, completa.

EXEMPLO - A startup SMX Systems é a primeira e única a atuar no Brasil com drones para o transporte e entrega de cargas leves. O serviço é prestado em Rifaina, cidade no interior de São Paulo que é cortada por um rio, e consiste na entrega de medicamentos.

Os equipamentos realizam entregas com segurança em um raio de aproximadamente 5 quilômetros. “Às vezes a distância não é tão grande, mas existem entroncamentos ou algum outro obstáculo de trânsito.Também sabemos que a quantidade de carros nas ruas é um problema global, o que pode incentivar ainda mais o mercado de entregas por drone”, explica Scussel.

MERCADO DE TRABALHO

Para prestar o serviço de pilotagem de drone é necessário ter autorização e cumprir as determinações da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC). Em Curitiba, o Centro Europeu possui um curso específico para a formação de pilotos de drone, demanda que surgiu devido ao crescimento do mercado.

“Hoje os pilotos trabalham principalmente com a produção de imagens e vistorias técnicas de áreas. No entanto, as crise está gerando novas áreas de atuação. Sabemos que será necessário muitos profissionais capacitados”, explica Alexandre.

--

SACOLEIRAS EM TEMPOS DE LOJAS FECHADAS

Como as sacoleiras do Brás estão mantendo seus negócios

Com todas as apostas voltadas a um período difícil de recuperação pós-coronavirus, as sacoleiras, arrimos de família, vão ter que manter seus negócios ativos para manter seus filhos, pais e muitas vezes, amigas e vizinhas.

Como comprar a mercadoria e manter ativas as suas páginas nas redes sociais e não perder o contato diário com as clientes?

Neste momento, a compra por internet tem se tornado a grande saída para estas mulheres que não podem viajar e que precisam garantir que seus negócios. Segundo Viviane Marrese, CEO do Gironobrás, o marketplace dos fabricantes e lojistas do Brás, as vendas cresceram muito e o site vem sendo acessado por novas clientes nos últimos dias.

Muitas pessoas preferiam viajar para São Paulo para ver o produto e para buscar oportunidades de produtos em promoção, seja da coleção passada ou de algum fornecedor que tivesse muitos produtos com giro baixo. Por conta das lojas e fábricas fechadas, aconteceu uma migração para o online e a surpresa das compradores é que encontraram oportunidades e preços competitivos pela internet, com a vantagem de poderem parcelar a compra em até 12 vezes, correndo um risco menor na compra.

A vantagem da economia em viagens e a possibilidade de escolher as mercadorias com tempo e no melhor momento do dia, tem impulsionado as vendas do site. Muitas das sacoleiras foram surpreendidas com um atendimento diferenciado e carinhoso por parte da equipe do site. Tiram dúvidas, ajudam na escolha do melhor mix e orientam quanto aos produtos de maior saída, até por região do país. O sucesso das clientes se reflete na recompra do site, que teve um crescimento de 140% nos últimos 20 dias.

Para fortalecer ainda mais o comércio local, existem uma campanha forte junto às sacoleiras para escolherem os produtos de qualidade superior. Como o site somente trabalha com empresas brasileiras, desde sua fundação há 3 anos, já existe uma campanha bastante positiva em relação aos modelos e à qualidade diferenciada de produtos, principalmente das fábricas de jeans.

Os fabricantes da região: Black Jeans, Colbie, Darlook, Dinho's, Eruption e Fact Jeans estão trabalhando arduamente há muitos anos para melhorarem as modelagens, acabamento e aumentarem a oferta de modelos. Hoje, os modelos confeccionados no Brás estão alinhados às grandes tendências mundiais e estão prontos para serem exportados e ganhar o mundo em grande escala.

Quarta é dia de saúde bucal com a Florense Carlos de Carvalho e o chef Guga Torelli no projeto especial para as redes sociais

O tema desta quarta-feira (1) é sobre os cuidados com a saúde bucal com a participação da odontóloga Sahara Zétola

Como amenizar a quarentena pelo paladar? O chef Guga Torelli e a odontóloga Sahara Zétola, do Instituto Zétola, respondem a essa pergunta e as dúvidas dos seguidores na live desta quarta-feira (1), às 19h, no instagram @gugatorelli. O projeto é uma iniciativa da Florense Carlos de Carvalho e do chef especialista em cuisine santé e alimentação saudável, que se juntaram para promover conteúdos sobre gastronomia e cuidados com a mente e o corpo, nesse período de distanciamento social.
“A boca é a porta de entrada para o nosso corpo, por isso é importante a higienização correta e prevenção de doenças bucais para proteção em momentos como este, de transmissão massiva de doenças virais”, relata Sahara, explicando que durante a live, irá apresentar dicas e cuidados para crianças e adultos com a saúde da boca.
As lives acontecem todas segundas, quartas e sextas, com a proposta de trazer informações sobre como manter um estilo de vida saudável nesse momento de isolamento social. "A ideia é dar vida e criatividade a quarentena das pessoas, que estão nas redes sociais, por meio do paladar", esclarece Guga Torelli. Nas lives, serão apresentadas dicas de receitas para produzir com a família, cuidados com os alimentos e como manter a mente saudável durante a quarentena.
Para o sócio da Florense Carlos de Carvalho, Nelson Calcagnotto, o intuito da ação é ajudar os profissionais que escolheram ficar em casa, durante esse momento de quarentena, criando conteúdos voltados para o seu estilo de vida. "Sabemos que o isolamento pode ser difícil, por isso incentivamos projetos que visam ao bem-estar e à melhoria na qualidade de vida dos seguidores", finaliza.
Serviço
Florense Carlos de Carvalho
Endereço: Alameda Carlos de Carvalho, 1301, Batel – Curitiba (PR)
Telefone: 3013-1010
Site: www.florense.com
Instagram: @florensecarlosdecarvalho

Pandemia: pesquisadores da UFPR explicam incidência nos pets, importância do isolamento

*Comunidade científica não tem consenso sobre efeitos do Coronavírus nos pets

*Pesquisador defende isolamento social para reduzir impactos na saúde pública

*Pesquisador alerta para necessidade de mudança radical nos estilos de vida por conta da pandemia

As fontes são o professor o Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular Emanuel Maltempi de Souza e o professor sênior do Programa de Pós Graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento, Dimas Floriani. Solicitações de entrevista dependem da disponibilidade de ambos, mas o material abaixo pode ser livremente utilizado.

Valorize a ciência! Valorize o saber técnico e o conhecimento científico!
__________________________________________________________________________________

Animais de estimação não adquirem Covid-19; tutores doentes não devem ter contato com humanos ou animais

Resumo: Presidente da comissão, o professor do Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular Emanuel Maltempi de Souza, orienta a manutenção dos hábitos de higiene em humanos e animais. “É bom sempre manter os animais bem asseados e lavar as mãos depois de manuseá-los, alimentá-los ou limpar as áreas que ocupam. Se tiver dúvida sobre quais produtos usar nos pets, é indicado consultar um veterinário”.
Caso o animal de estimação teste positivo para o novo coronavírus, é necessário que fique em quarentena e seja isolado do contato com outras pessoas. “Mas isso é extremamente raro e, até agora, nenhum teste tem sido feito em animais de estimação no Brasil”, afirma Souza.
As orientações do Conselho Federal de Medicina Veterinária e do Conselho Regional de Medicina Veterinária de São Paulo são para que pessoas infectadas evitem contato com seus cães e gatos, fazendo quarentena de convivência com eles durante o período de isolamento domiciliar. A medida tem o objetivo de evitar que o tutor infectado, ao espirrar ou tossir, espalhe partículas virais na pelagem no animal.
Os veterinários recomendam, ainda, que as saídas com os animais sejam curtas, buscando lugares não aglomerados e horários de menor movimento. Ao retornar para a residência, é necessário higienizar as patas dos pets com água e sabão neutro, para evitar que o contato com superfícies contaminadas na rua leve partículas virais para o ambiente domiciliar.
SAIBA MAIS
__________________________________________________________________________________

Pesquisador defende isolamento social para reduzir impactos na saúde pública

Resumo: O quadro demonstra que, até este ponto, a evolução do Coronavírus no Brasil foi parecida com a da Itália, dos Estados Unidos e da Espanha, afirma o cientista Emanuel Maltempi de Souza, professor do Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e presidente da Comissão de Acompanhamento e Controle de Propagação do Coronavírus na universidade. Nesses países, quando cerca de duas mil pessoas apresentavam a condição, já haviam morrido aproximadamente 50.
“Todos esses países estabeleceram medidas semelhantes às do Brasil para diminuir a transmissão entre as pessoas: medidas de distanciamento social rígidas – como suspensão de aulas em escolas e universidades, fechamento de comércio e ordem para ficar em casa – e de higiene pessoal, principalmente lavar as mãos e não tocar o rosto”, comenta Souza. Após a implantação dessas providências, espera-se que o número de novos doentes apresente redução. Contudo, o professor lembra que o resultado deve aparecer claramente entre duas a três semanas depois da adesão da população às medidas, já que o período de incubação do vírus pode ser de até 14 dias, embora na maioria das vezes seja de três a cinco dias.
Atitudes de distanciamento social foram empregadas no Brasil e no Paraná ainda no início da expansão da Covid-19, em comparação com outros países. A região italiana da Lombardia, por exemplo, foi isolada quando já havia 237 casos e três mortes (em 23 de fevereiro), mas as universidades e escolas do país só suspenderam as atividades quando já existiam cerca de 3800 doentes (em 8 de março). “Esse atraso para romper o ciclo de contaminação provavelmente levou à transmissão disseminada da enfermidade. Apenas nos últimos dois ou três dias (23 a 25 de março) é que foi possível notar a estabilização do número de novos casos, cerca de duas semanas após a implantação de medidas rigorosas. Ou seja, mesmo em casos extremos como o da Itália, o distanciamento social realmente funciona”, reitera o cientista.
“Mesmo em casos extremos como o da Itália, o distanciamento social realmente funciona”.
SAIBA MAIS
________________________________________________________________

Pesquisador da UFPR alerta para momento de mudança social, mas também de perigos que podem custar a vida

Resumo: Professor sênior e pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento (PPGMAD), o sociólogo Dimas Floriani pode ser considerado, a partir dos seus estudos, um analista de vanguarda do que vivemos hoje. Amparado em referenciais teóricos que pensam as relações do homem com a natureza, ele sinaliza, retomando os gregos, que a crise é momento de criação, mas também de perigos que nos podem custar a vida. “E sem ela não há nada a fazer”, aponta.
A questão traz um conjunto de complexidades que não escapam aos argumentos do pesquisador. De acordo com ele, a forma como os modelos de organização social deixaram marcas na natureza, alterando condições de vida, pintou um quadro difícil de ser revertido, como o surgimento de um estilo de vida consumista e a crise climática registrada desde o século passado.
“Os estilos de vida, a concentração urbana, questões relacionadas ao saneamento e à higiene, os hábitos alimentares. Todos esses fatores se conjugam naquilo que se chama de sociedade de risco”, explica. De acordo com ele, a medicina estuda os fatores biológicos e genéticos, mas há causas da doença que estão internalizadas nestes estilos de vida.
Para Floriani, esse é um momento em que o lado racional da humanidade pensa em questões práticas, mas sua necessidade de preservação da espécie mobiliza medidas de cooperação e solidariedade.“No imediato não há luz possível que acenda qualquer esperança: é o completo aleatório, uma ameaça permanente sobre nós. Contudo, os seres humanos carregam a esperança que lhes restitui a capacidade de reagir frente ao caos”.
SAIBA MAIS

Santa Casa recebe doação expressiva para compra de equipamentos hospitalares

GT Building

A contribuição foi feita pela GT Building para ajudar no tratamento dos infectados pelo novo coronavírus

Nesta semana, a GT Building, que está entre as maiores incorporadoras imobiliárias do Paraná, colaborou diretamente com um dos hospitais mais tradicionais de Curitiba: a Santa Casa. Foram doados milhares de reais em dinheiro, que serão revertidos na compra de dois novos respiradores Dräger Savina, no valor de 84.400 reais cada, e também de dois monitores multiparamétrico com capnografo, que custam cerca de 15 mil cada. Os equipamentos são essenciais para o tratamento de pacientes em estado mais grave que forem infectados pelo novo coronavírus.

Em nota assinada pelo Monsenhor Mario Sérgio Bittencourt de Carvalho, a Santa Casa agradece a atitude da empresa e afirma que solidariedade e empatia são sentimentos necessários para superar a crise. “Em nossa história, enfrentamos epidemias, desenvolvemos curas, formamos muitos profissionais de saúde, mas, acima de tudo, aprendemos que salvar vidas é um grande trabalho em equipe, no qual cada um colabora e faz a diferença com o que está em suas mãos. Por isso, nos faltam palavras para agradecer o apoio recebido, com o qual efetuamos a compra de equipamentos que servirão para a ventilação mecânica dos pacientes e também para detectar sinais vitais e auxiliar no acompanhamento cirúrgico dos internados. São gestos de misericórdia como esse que nos trazem o alívio de uma certeza: vamos superar essa fase juntos”.

O CEO da GT Building, Geninho Thomé, reitera a necessidade de unir forças nesse momento e contribuir com instituições que precisam. “A doação feita a Santa Casa é para beneficiar centenas de pessoas que passam pelo hospital todos os dias. Agir com reciprocidade e compaixão em situações como essa é quase um remédio para quem não está doente”, comenta.

A Santa Casa de Curitiba segue recebendo doações para auxiliar no tratamento e cura de enfermos. Para fazer parte dessa corrente, acesse o site da instituição e doe qualquer valor.

Sobre a GT Building

A partir de um conceito inovador, aliado à tecnologia, modernidade, qualidade e diferentes projetos de vida, a GT Building faz parte do grupo GT Company, que desde 2017 empreende no setor imobiliário em Curitiba por meio da GT Invest. Com foco na construção de alta qualidade, nos comprometemos com a excelência, ideias inovadoras guiadas pelas mãos dos líderes, a incorporadora chega como uma das maiores empresas do ramo em Curitiba, com 18 empreendimentos, entre eles o All You Need, o Denmark e o Bosco Centrale.

www.gtbuilding.com.br

CORECON-PR — Sanar dúvidas na crise do coronavírus

Diante da pandemia do novo Coronavírus (Covid-19) que o Brasil e o mundo estão enfrentando, muitas pessoas estão se perguntando sobre a gravidade dos danos que esta crise de saúde pública causará na economia do Estado e consequentemente na vida financeira pessoal e/ou empresarial. Com o objetivo de esclarecer estas dúvidas o Conselho Regional de Economia do Paraná (CoreconPR) lança um Canal de Comunicação entre a entidade e a sociedade civil.

Empresários, principalmente das micro, pequenas e médias empresas de todos os setores, e população em geral, podem fazer perguntas e esclarecer dúvidas de questões referentes ao enfrentamento da crise e a reconstrução da economia. Para participar, as pessoas deverão enviar suas dúvidas e perguntas para o e-mail: duvidaseconomia@coreconpr.gov.br.
Vários economistas paranaenses se voluntariaram em uma Rede de Economistas Consultores Voluntários do CoreconPR a fim de responder às inúmeras dúvidas que surgem neste período, contribuindo através dos seus conhecimentos na área econômica e financeira.

O presidente do CoreconPR, Carlos Magno Bittencourt, reforça a importância de ações como essa em prol da sociedade. “ Diante deste cenário, o Conselho Regional de Economia do Paraná, quer se aproximar e se solidarizar com a sociedade paranaense. Então, a forma mais adequada é compartilhar nossos ricos conhecimentos com aqueles que carecem de informações e alternativas. O compromisso de exercer nossa profissão em prol do próximo“, conclui.

Impressoras 3D confeccionam protetores faciais para médicos e enfermeiros

Itens serão entregues gratuitamente aos profissionais de saúde de Curitiba

A informação correta, as ações preventivas de higiene e o isolamento social são as melhores armas no combate à Covid-19. Diversas medidas de segurança estão sendo recomendadas pelos órgãos de governo e veiculadas nos meios de comunicação.

Médicos, enfermeiros e profissionais da área de saúde se desdobram nas unidades de atendimento e hospitais para atender às demandas, orientar a população em relação aos sintomas e aos cuidados necessários em época de pandemia de Coronavírus.

Mas como eles também precisam se cuidar e usar os equipamentos adequados para se proteger, uma comunidade internacional de mulheres – chamada de Women in 3D Printing Brazil - criou o www.projetohigia.com.br cujo objetivo é confeccionar protetores faciais e destinar gratuitamente a esses profissionais.

Tecnologia a serviço do bem comum

Em Curitiba, a Boa Impressão 3D participa dessa causa. “Dispensamos os funcionários para home-office ou férias, mudamos a rotina interna e colocamos 11 Stella 2 (impressoras 3D) para trabalhar ininterruptamente e confeccionar os protetores faciais para ajudar no combate ao Coronavírus”, conta a diretora Vanessa Peixoto.

Ela e o marido Thiago Peixoto coordenam a atividade na companhia. Já os colaboradores que têm as máquinas 3D em suas residências também ajudam nas impressões.

“A meta inicial é produzir pelo menos 700 kits, que serão doados à Agência Curitiba de Desenvolvimento e Inovação. Uma equipe dessa agência vai recolher e fazer a entrega nos hospitais e nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) da capital paranaense”, explica Vanessa.

Para evitar contaminações, o casal toma as devidas precauções de higiene, faz a limpeza de todos os materiais utilizados na produção dos kits e envia um manual de orientações por escrito que explica como montar o kit antes do uso.

Ação de solidariedade nacional

Em todo Brasil, a meta do Projeto Hígia é confeccionar 100 mil protetores faciais. Para isso, foi criada uma vaquinha virtual na internet para arrecadar R$ 50 mil. Os recursos serão destinados à compra de filamentos para impressão 3D, elásticos, acessórios, custear o transporte e o envio dos materiais aos hospitais.

O endereço é https://www.vakinha.com.br/vaquinha/protetores-faciais-ajude-a-combater-o-coronavirus Até agora o projeto tem 200 apoiadores e foi coletado mais de R$ 29 mil.

Proteção extra

Os protetores faciais não substituem o uso da máscara e sim formam uma barreira a mais para o rosto e pescoço.

Cada protetor é formado por uma haste para a cabeça que pode ser impressa com qualquer tipo de filamento para modelagem por fusão e deposição, em impressoras 3D, montado com uma folha de acetato transparente.

“Ao chegar aos hospitais e UPAS, esses itens estarão desmontados e embalados numa caixa. Inserimos também um manual de orientações - por escrito – que reforça o jeito certo de como eles devem ser montados. Depois da higienização rotineira para entrada de equipamentos e acessórios em hospitais, os médicos e enfermeiras podem colocar sobre o rosto e pescoço e se resguardar ainda mais”, conta Vanessa.

Quem reside em Curitiba e Região Metropolitana e quiser ajudar com a doação de insumos - como folhas de acetatos transparentes ou lâminas de acrílico – pode entrar em contato com a Boa Impressão 3D pelo tel. 41-3180-0113 (também é WhatsApp) ou direto nas redes sociais @boaimpressao3d.

O que uma impressora 3D pode fazer?

Elas são capazes de criar os mais variados objetos - desde os simples aos complexos - de maneira eficiente, com alta qualidade, baixo custo e com materiais variados. Ou seja, vieram para revolucionar a indústria e a maneira de consumo da sociedade atual.

Sejam itens como brindes para eventos, miniaturas, maquetes, brincos, protótipos, brinquedos educativos, ferramentas, acessórios para celular e videogame, vasos para decoração, móveis para residências.

Em alguns países, as impressoras 3D já confeccionaram bicicletas de nylon, carros, casas, prédios, castelos, roupas, bolsas, perucas, instrumentos musicais, próteses, tatuagens e muito mais.

Quem deseja obter uma renda extra, pode ter em sua casa uma dessas máquinas – que custa a partir de R$ 2.500,00 - e criar seu próprio negócio.

Sobre a Boa Impressão 3D

A Boa Impressão 3D começou suas atividades em Curitiba há 5 anos e promove uma nova forma de aproximar a tecnologia à sociedade.

Mais do que comercializar impressoras 3D, linhas de filamentos e acessórios, a empresa realiza cursos e workshops para mostrar os conceitos iniciais para modelar objetos e utilizar a ciência em benefício das pessoas.

Para quem é totalmente leigo no assunto, a empresa faz treinamento completo para utilizar o equipamento, oferece suporte online e desmistifica o uso da impressora 3D, que ganhará cada vez mais utilidade nos próximos anos.

Sugestão de legendas

Impressora iniciando a confecção do protetor facial

Foto 8ª = Vanessa e Thiago Peixoto mostram as bases dos protetores faciais feitos por impressoras 3D

Mais fotos e vídeos no https://photos.app.goo.gl/EzCVvyHZiCk664GY9

No vídeo, Thiago Peixoto explica cuidados e mostra as máquinas trabalhando para confeccionar os 700 protetores faciais que serão entregues aos hospitais e Unidades de Pronto Atendimento da capital paranaense

Pague agora, leve depois: restaurante de Curitiba aplica nova estratégia de mercado

Micro e pequenos empresários buscam soluções criativas para atravessar a crise

Vouchers poderão ser utilizados sem prazo de validade nem restrição de cardápio. (Foto: Rafael Graminho)

Diversos setores da economia já sentem os efeitos da crise causada pelo Coronavirus. De acordo com um levantamento realizado pelo Sebrae, os pequenos negócios de alimentação fora do lar, lazer e serviços de beleza são os mais afetados. A queda do público e das vendas obriga empreendedores a buscar por soluções criativas para reduzir custos e aumentar a receita. Diversas estratégias são utilizadas por diferentes segmentos para manter o negócio em funcionamento, mas uma delas se destaca pelo inusitado: é o sistema “pague agora, leve depois”.

A utilização de vouchers para consumo não é novidade no setor alimentício, mas os sócios Mario Ferrari e André Smanhotto, do GastroPub Flame, em Curitiba, decidiram modificar a ideia original e oferecer o serviço com o adicional de 20% no valor para o consumo. Ou seja, se o cliente compra um voucher de R$100, pode consumir até R$120 quando o local retornar ao atendimento normal. As vendas dos vouchers são feitas via redes sociais. Os sócios enviam os dados da conta corrente e os clientes retornam com o comprovante de transferência.

“Não há prazo de validade para uso do voucher, nem restrição de produtos. O valor poderá ser utilizado a qualquer momento e para qualquer item do cardápio. Deixamos nossos clientes bastante à vontade para uso do valor adquirido no retorno de nossas atividades”, comenta Mario.

A ideia do Cashback é positiva para os clientes que conseguem consumir um valor mais alto do que aquele que pagaram e também é positiva para os empreendedores, que conseguem manter um giro de caixa neste momento tão crucial do negócio.

“Essa é uma forma de obter capital de giro sem precisar recorrer a empréstimos junto a instituições financeiras. Além disso, acreditamos que isso nos traz uma proximidade ainda maior de nossos clientes. Em meio a tantas notícias ruins, sabermos que há pessoas que acreditam em nossa proposta e que estão se esforçando para nos ver abertos novamente é um alento. Estamos surpresos com a receptividade”, diz Mario.

A ideia surgiu pela necessidade em manter o negócio em funcionamento. O GastroPub havia reaberto há apenas uma semana depois te ter passado quatro meses em reforma para ampliação. Com o capital de giro comprometido, as contas começaram a vencer e foi preciso iniciar uma busca por soluções criativas.

“Passamos a olhar com mais atenção as medidas alternativas que estavam sendo adotadas em outras regiões e nos chamou a atenção que alguns estabelecimentos de São Paulo estavam vendendo vouchers para uso no pós-crise. Porém, dificilmente conseguiríamos replicar com o mesmo efeito modelos bem-sucedidos por lá. Foi então que, depois de fazermos alguns cálculos, entendemos que seria viável retornar 20% do valor dos vouchers às pessoas que nos apoiassem neste momento tão delicado”, conta Mario.

Para a consultora do Sebrae/PR, Vivian Escorsin, o mais importante para o empreendedor neste momento é buscar alternativas para enfrentar a crise. “A estratégia de antecipação da receita com prorrogação na entrega do serviço ou produto é positiva porque gera o recebimento em um momento em que não haveria. Considerando que essa crise não deve se resolver em poucos dias, é importante manter a receita o mais regular possível durante este período”, indica.

O momento pede para que o micro e pequeno empresário seja criativo, busque inovação para o negócio e apresente soluções, mas é importante lembrar que nem toda ideia é viável para todos os negócios.

Atendimento

O Sebrae/PR promove uma força-tarefa para atender digitalmente e sem custos os empreendedores de micro e pequenas empresas em todo Estado, diante das medidas previstas para combater a pandemia do Coronavírus (Covid-19). O contato com essa força de trabalho pode ser feito pelo portal do Sebrae/PR (https://www.sebraepr.com.br/). Nele é possível acessar canais como WhatsApp, 0800 570 0800 e telefones regionais, onde o empresário tem acesso livre e gratuito a orientações, exemplos de outros empreendedores que encontraram soluções inovadoras, dicas de como lidar com a atual situação, além de cursos online com conteúdo diverso.

Prazo final de entrega da declaração anual do MEI é prorrogado para 30 de junho

Medida faz parte de um conjunto de ações do Governo Federal no enfrentamento ao Coronavírus
Por causa dos impactos da pandemia do Coronavírus (Covid-19), o prazo final para entrega da Declaração Anual Simplificada, referente a 2019, para o microempreendedor individual (MEI) foi prorrogado para 30 de junho de 2020. A medida, aprovada pelo Comitê Gestor do Simples Nacional, foi publicada no Diário Oficial desta quinta-feira (26). Além disso, também foi prorrogado, para a mesma data, o prazo para apresentação da Declaração de Informações Socioeconômicas e Fiscais (Defis) referente ao ano passado.

O consultor do Sebrae/PR, Rodrigo Feyerabend, elogiou a decisão e explicou que a equipe de consultores está à disposição para realizar todas as orientações necessárias aos microempreendedores individuais, por meios digitais.

“A prorrogação é uma importante medida tomada durante esse período de combate aos efeitos do Coronavirus. Ela possibilitará que os empreendedores cumpram com essa obrigação acessória e consigam se reorganizar diante da situação inesperada. Os empreendedores que tiverem qualquer dúvida ou que busquem orientações à respeito do assunto poderão procurar o Sebrae/PR em vários canais digitais para auxiliar no processo de declaração”, afirmou.

Atendimento

O Sebrae/PR promove uma força-tarefa para atender digitalmente e sem custos os empreendedores de micro e pequenas empresas em todo Estado, diante das medidas previstas para combater a pandemia do coronavírus (Covid-19). O contato com essa força de trabalho pode ser feito pelo portal do Sebrae/PR (https://www.sebraepr.com.br/). Nele é possível acessar canais como WhatsApp, 0800 570 0800 e telefones regionais, onde o empresário tem acesso livre e gratuito a orientações, exemplos de outros empreendedores que encontraram soluções inovadoras, dicas de como lidar com a atual situação, além de cursos online com conteúdo diverso.

Delivery de cervejas e ovos trufados — “quarentena” dos curitibanos

BeerMad investe em delivery próprio com entregas programadas de growlers e latinhas,

além de antecipar a Páscoa com opções de chocolate 100% belga

Quarentena. Home Office. Crianças em Casa. Sorte dos curitibanos que têm opções para quebrar a rotina, não é mesmo? Nos últimos dias uma onda ainda mais forte de delivery invadiu a capital, com opções que deixam o tédio de ficar em casa de lado, levando alegria e momentos especiais para dentro das casas.

Enquanto o SOUQ Curitiba permanece fechado – em medidas preventivas pela saúde e segurança da população - a BEERMAD (loja de cervejas artesanais) inovou mais uma vez e criou um serviço de delivery próprio, com atendimento personalizado de sommelier e entregas agendadas.

Growlers PET de 1 ou 2 litros, além de latinhas de 473 ml (crowler) estão disponíveis para o curitibano. “A cada semana pretendemos mudar os estilos de cervejas para levar a esse público novos sabores e experiências. Além de estarmos no iFood, estamos recebendo pedidos via ‘whats’ para dar um atendimento ainda mais personificado ao nosso cliente. Mas estamos torcendo muito para que tudo isso passe rápido, né” - comenta Daiane Santos – beer sommelier da loja.

A partir de hoje (27.03) as cervejas disponíveis para delivery são Weizenbock da Alright, Ipê Amarelo da Cervejaria Blumenau Crazy Train, da Locomotive, e Dry Stout da Haenchbier. Todos os rótulos foram premiados no Festival Brasileiro da Cerveja de 2020.

Páscoa: chocolate e cerveja!

E, de olho na páscoa, a BEERMAD já está fazendo entregas dos chocolates CACAU BEER. São ovos 100% feitos de chocolate belga, trufados e maciços com os sabores dos melhores estilos de cerveja. Estão disponíveis os ovos grandes no estilo “IPA” e “DRY STOUT” – com cristais de malte - e o kit com 4 ovos sortidos: IPA, APA, PURO MALTE e STOUT.

- IPA: (Indian Pale Ale): chocolate belga ao leite com 33% de cacau, marcante nota de lúpulo, além de aromas cítricos e frutados.

- APA (American Pale Ale): chocolate belga ao leite, 33% de cacau e cristais de malte, equilibrado, com delicados tons cítricos e florais e um leve toque de caramelo.

- PURO MALTE: puro malte em chocolate belga branco, cristais de malte, com sabor suave, finalizando com aromas cítricos.

- STOUT: chocolate belga de dry stout, com 40% de cacau e notáveis tons de torras de malte e café.

Serviço

Compras acima de R$ 80 tem frete grátis. Pagamento por transferência bancária ou com a máquina de cartão (nesse caso, o entregador toma todas as precauções de higiene orientadas pelos órgãos oficiais). Entregas via iFood ou Delivery próprio, pelo telefone/whats 041. 99721.4399

Valores

Kit com 4 latas: R$ 45

Litro da cerveja: R$ 28 (qualquer estilo)

Kit com 4 ovos pequenos: R$ 40

Ovos grandes: R$ 60 (unidade)