Expo Turismo Paraná 

Expo Turismo Paraná reúne dezenas de setores no primeiro evento após a fase grave da pandemia Otimismo marcou solenidade do evento, que foi muito prestigiado pelas autoridades de municípios e do Estado

A Expo Turismo Paraná teve sua abertura hoje, 9, com o otimismo estampado no rosto de todos os profissionais do trade turístico, que não se reuniam pessoalmente em Curitiba desde 2019, no último evento deste porte antes da pandemia começar. A solenidade foi muito prestigiada por autoridad
Presidente da Paraná Turismo, Irapuan Cortes; secretário executivo do Ministério do Turismo, Marcos Pereira; secretário de Turismo do Paraná, Luiz da Costa Souza; vice-presidente da instituição da CEPATUR, Giovanni Bagatini, diretor Superintendente do Sebrae Paraná, Vitor Tioqueta

Lide Multimídia conquista conta do Hub do Investidor

A Lide Multimídia, empresa de comunicação empresarial com 29 anos de atuação no mercado nacional e internacional, passa a atender o Hub do Investidor. Fundada por Ricardo Penha e Jayme Simão, há dois anos, a empresa conta também com os sócios Fabio Milan e Felipe Muller, atuando em conjunto com uma equipe de especialistas que entregam estratégias de investimento baseadas em inteligência de dados à investidores que visam equilibrar as suas decisões de acordo com os movimentos de mercado, através de uma plataforma completa.
A ampla experiência dos sócios e fundadores no mercado de investimentos é uma das principais marcas do negócio. O Hub do Investidor atualiza seus clientes diariamente com as principais informações do mercado financeiro global, a plataforma conta com mural de ideias sobre estratégias de aplicações, cotações online de ativos, além de um portfólio de conteúdos exclusivos produzido pela equipe de analistas da casa para seus assinantes PRO.
Para conhecer mais sobre o Hub do Investidor acesse o canal do Youtube: https://www.youtube.com/channel/HubdoInvestidor; no Instagram: @hubdoinvestidor; no LinkedIn: https://www.linkedin.com/company/hub-do-investidor e no Twitter: @hubdoinvestidor.

Perfil do investidor aponta que brasileiros diversificam pouco

Sócio-fundador do Hub do Investidor explica que todo investidor deveria passar por um passo a passo antes de iniciar os investimentos e buscar uma maior diversificação

Curitiba, maio de 2022 – Quem está começando a investir no mercado financeiro ou tem dúvidas sobre as melhores aplicações precisa ter em mente que uma estratégia financeira é o ponto de partida para que o investidor atinja seus objetivos. Segundo Ricardo Penha, sócio-fundador do Hub do Investidor, em momentos como os atuais, de enorme volatilidade, é fundamental que se tenha disciplina e uma correta alocação de recursos.
O especialista explica que a melhor opção é a diversificação. “Se feita corretamente a diversificação dos investimentos conseguimos manter o retorno esperado, mas com o menor risco”, diz. Mais do que isso, Penha avalia que ele funciona como um escudo contra o próprio investidor, contra o emocional que, segundo ele, é o maior inimigo do mercado financeiro. “A chance de você tomar uma decisão errada aumenta à medida que o valor de uma carteira diminui. Precisamos lembrar do lendário investidor Ray Dalio, gestor do maior hedge fund do mundo. Conforme suas análises, diversificação é o santo graal dos investimentos”, explica.
downloadAttachment&Message%5Buid%5D=245639&Message%5Benvelope%5D%5Bmessage-id%5D=%253C6be4c32078df2c386f1726a06016dd68%2540mail.gmail.com%253E&Message%5BmailBox%5D%5Bmailbox_id%5D=INBOX&MessageAttachment%5B%5D%5Battachment_id%5D=%3C6be4c32078df2c386f1726a06016dd68%40mail.gmail.com%3E-1.1.2

Perfil dos investidores mostra pouca diversificação

Penha diz que, na prática, quem chega ao Hub do Investidor, 80% das carteiras possuem pelo menos três características que trazem a falsa sensação de diversificação, como: a carteira de ações possui 30 ativos ou mais; tem um peso enorme em setores específicos e com diferentes nomes, por exemplo, a pessoa carrega Banco do Brasil, Bradesco e Itaú; e ela está 100% concentrada em ativos no país.
Para entender a diversificação corretamente e como ela reduz risco, é preciso entender o conceito de correlação. Tendo como exemplo o gráfico de ações do Banco Itaú (azul) e Bradesco (laranja), é possível perceber como as ações acabam andando praticamente juntas, quando uma sobe ou cai, a outra também e vice-versa.

downloadAttachment&Message%5Buid%5D=245639&Message%5Benvelope%5D%5Bmessage-id%5D=%253C6be4c32078df2c386f1726a06016dd68%2540mail.gmail.com%253E&Message%5BmailBox%5D%5Bmailbox_id%5D=INBOX&MessageAttachment%5B%5D%5Battachment_id%5D=%3C6be4c32078df2c386f1726a06016dd68%40mail.gmail.com%3E-1.1.3

Para o especialista, é possível ainda adicionar a ação do Santander que teríamos comportamentos semelhantes, ou seja, em uma eventual crise no país ou um aumento súbito da inadimplência, o investidor seria surpreendido com a queda das ações do setor inteiro. “Com o advento da tecnologia e desburocratização dos investimentos, o investidor, hoje, consegue diversificar não só as classes de ativos, mas países e moedas”, diz. E cita como exemplo o comportamento da Bolsa brasileira versus a americana na mesma data.

downloadAttachment&Message%5Buid%5D=245639&Message%5Benvelope%5D%5Bmessage-id%5D=%253C6be4c32078df2c386f1726a06016dd68%2540mail.gmail.com%253E&Message%5BmailBox%5D%5Bmailbox_id%5D=INBOX&MessageAttachment%5B%5D%5Battachment_id%5D=%3C6be4c32078df2c386f1726a06016dd68%40mail.gmail.com%3E-1.1.4

O sócio-fundador do Hub do Investidor explica que todo investidor deveria passar por um passo a passo. O primeiro é definir o perfil de risco. “Não negligenciem essa etapa, ela é a mais importante e será o ponto de partida para montar uma carteira de investimentos”, diz. A segunda atitude é a definição dos percentuais-meta em cada classe de ativo (gaveta) e horizonte de investimento. “Quantos % o investidor terá na renda fixa? Quantos % em ações? O perfil permite diversificar em ativos alternativos como criptomoedas? O horizonte de tempo é fundamental para que o investidor não tenha que vender posições em momentos desfavoráveis por falta de liquidez”. Por fim, é preciso pensar no balanceamento da carteira. “Como o investidor decide quando comprar ou quando vender? Por meio do balanceamento do portfólio, exemplo, uma carteira de R$10.000 tem 50% em renda fixa e 50% em ações, as ações subiram rapidamente 20%, o peso de ações na carteira total agora é de ~70%, o investidor deveria vender parte das ações, para voltar ao peso meta definido, criando assim um ciclo virtuoso de vender na alta e comprar na baixa”, completa.
Para conhecer mais sobre o Hub do Investidor acesse https://hubdoinvestidor.com.br/; no linkedin: https://www.linkedin.com/company/hub-do-investidor; no Twitter: @hubdoinvestidor; no Instagram: @hubdoinvestidor; e no canal do Youtube: https://www.youtube.com/channel/HubdoInvestidor.

Modismos e falta de informação têm gerado muitas perdas para investidores de ações de tecnologia

Investir com responsabilidade e estratégia, conforme sócio-fundador do Hub do Investidor, requer planejamento, estratégia e estar munido de informação especializada, sem euforia

Curitiba, maio de 2022 – Muita gente gosta da adrenalina dos mercados financeiros apresentada nos filmes. Na vida real, investir seu dinheiro apenas pela emoção ou pela expectativa de um determinado setor pode resultar em prejuízo. Volta e meia vemos isso acontecendo com as “vedetes” de algumas áreas, de bancos a empresas privadas que abrem capital e começam a provocar uma grande expectativa. A bola da vez, nos últimos meses, foi o mercado de tecnologia. As potentes empresas virtuais são realmente um exemplo de sucesso, mas isso não significa que suas ações vão se comportar da mesma forma.
Exemplo recente que vem frustrando não só investidores, como, também, correntistas, são as ações do Nubank, que depois da abertura de capital já despejou prejuízos de -63% nos sonhos daqueles que esperavam crescer tanto quanto o banco. No mesmo período, tristeza maior ainda para os investidores da Zoom (-84%) e da Netflix (-73%).
Segundo Ricardo Penha, sócio-fundador do Hub do Investidor, muitos estão comparando a recente correção no mercado americano à bolha.com dos anos 2000. “O índice Nasdaq perdeu US$ 9 trilhões em valor de mercado e vimos ações despencarem 70/80% de suas máximas”, comenta, complementando que a correção atingiu também nomes sólidos também, como a Amazon (-42%), Google (-28%) e Microsoft (-28%).

Nasdaq 100 Index P/E ratio is near its long-term average

Penha diz que o mercado é movido por narrativas. “Recentemente vimos o Nubank ser avaliado como o banco mais valioso da América Latina, mesmo não sendo rentável ainda. Já a Netflix iria quebrar as emissoras de televisão e consolidaria o streaming no mundo. Essas narrativas fizeram com que investidores pagassem caríssimo por essas ações, a mudança de percepção sobre essas empresas é uma mudança de paradigma em que se valorizaram histórias bem contadas em power point, promessas de crescimento a qualquer custo e palavras bonitas, como sinergia, disrupção e green friendly, tudo isso para substituir as palavras que estavam fora de moda, como geração de caixa, EBITDA e lucro”, ressalta.
As palavras bonitas e os modismos podem esconder alguns riscos para os novos investidores. “Para os novatos nesse mercado, e que não estavam munidos de boas análises, ficou o prejuízo. Da mesma forma para aquele que comprou sem motivo, sem técnica e pela euforia: vai vender da mesma forma”, diz o especialista.
Investir com responsabilidade e estratégia, conforme Penha, requer planejamento, estratégia e estar munido de informação especializada, sem euforia. “O investidor anticíclico – e que tem estratégia -, sabe que são nos momentos de crise, de preocupação e de pânico que as verdadeiras oportunidades de multiplicação de riqueza acontecem”, completa.
Para conhecer mais sobre o Hub do Investidor acesse https://hubdoinvestidor.com.br/; no linkedin: https://www.linkedin.com/company/hub-do-investidor; no Twitter: @hubdoinvestidor; no Instagram: @hubdoinvestidor; e no canal do Youtube: https://www.youtube.com/channel/HubdoInvestidor.

Cinco motivos para acreditar que o Petróleo atingirá US$150 dólares em 2022

Sócio-fundador do Hub do Investidor fala as expectativas para o mercado de petróleo

Curitiba, junho de 2022 – Ricardo Penha, sócio-fundador do Hub do Investidor, faz uma análise sobre as consequências da invasão militar russa na Ucrânia. Segundo ele, essa ação militar desencadeou uma série de medidas pelo ocidente contra a Rússia com intuito de punir Putin, como congelamento de suas reservas internacionais em dólar e euro, embargos a empresas e bilionários russos e ao petróleo. “Isso de fato machuca a economia russa, que deve ver seu PIB cair 15% em 2022, por outro lado, colocou uma pressão enorme na cotação do petróleo”, diz.
Conforme Penha, o mundo passou os últimos 10 anos investindo pouco na cadeia de óleo e gás. “A pauta ESG (em português Ambiental, Social e Governança) ganhou relevância global e inibiu empresas e investidores de olhar para essa velha economia, que é julgada como ultrapassada e poluidora. Para ajudar, a Europa percebeu o tamanho do erro que cometeu ao delegar sua soberania energética a um país de confiança duvidosa”, avalia.
O fato é que mundo ainda precisa de petróleo e a Rússia é o segundo maior produtor mundial. “Quando Europa e os Estados Unidos anunciam que irão parar de comprar petróleo russo, eles acabam dando um tiro no próprio pé, pressionando o preço da commodity para cima e, principalmente, tornando a tarefa dos bancos centrais de combater a inflação ainda mais difícil. Não à toa que a inflação nos EUA e na Zona do Euro é a maior dos últimos 40 anos”, explica o especialista.
Para o sócio-fundador do Hub do Investidor, o processo de precificação de um iphone é difícil e complexo, já o processo de precificação de uma commodity é simples: oferta versus demanda. “Se você tem muita oferta e uma demanda estável, o preço cai, mas se você tem a mesma oferta e a demanda sobe, o preço sobe. Mas parece que políticos fingem não saber disso, propondo subsídios para “baratear os combustíveis”, completa.
Penha destaca os cinco motivos que fazem a casa seguir comprada em commodities e em empresas do setor:
1) Os estoques de Petróleo, Diesel e Gasolina dos EUA e Europa estão nas mínimas dos últimos 30 anos. Esse período é marcado pela recomposição dos estoques, que caem ao longo do inverno e crescem durante o verão. Movimento que não está acontecendo esse ano.
2) A opep+ (cartel do petróleo) parece não ter capacidade para aumentar muito mais sua produção no curto prazo, inclusive temos países com dificuldade de produzir sua cota acordada.
3) O capex das maiores petroleiras do mundo, as chamadas Majors Oils, como Shell, Exxon Mobil, Chevron e cia é o menor dos últimos 20 anos, é esperado que a produção delas caia 2% em relação a 2021.
4) Mesmo que haja um cessar fogo na Ucrânia, Europa e EUA dificilmente voltariam atrás de suas decisões de embargo aos russos.
5) A produção adicional poderia vir do Iraque e da Venezuela, 2 países complexos e que não há dados concretos de suas capacidades reais de produção.

Graphical user interface Description automatically generated

Você pode baixar o áudio com os comentários sobre petróleo, por Ricardo Penha, clicando aqui: https://we.tl/t-gwxM5CC6Hk

Para conhecer mais sobre o Hub do Investidor acesse https://hubdoinvestidor.com.br/; no linkedin: https://www.linkedin.com/company/hub-do-investidor; no Twitter: @hubdoinvestidor; no Instagram: @hubdoinvestidor; e no canal do Youtube: https://www.youtube.com/channel/HubdoInvestidor.

Curitiba torna-se a capital do Turismo nos dias 9 e 10 de junho

Evento oficial da ABAV-PR reúne trade turístico e discute os rumos do setor depois da pandemia
Depois de dois anos sentindo fortemente os efeitos da pandemia, o reencontro dos profissionais do Turismo ocorre em Curitiba. O segmento foi o primeiro que sentiu o impacto do coronavírus e busca sua retomada. As viagens já foram liberadas, atendendo a diversos protocolos sanitários, mas depois destes dois anos o consumidor mudou, bem como as maneiras de fomentar negócios neste segmento.
Para entender como fica o segmento e que rumos as empresas turísticas e destinos precisam tomar para se fortalecer, ocorre a Expo Turismo Paraná. O evento é organizado e promovido pela Associação Brasileira das Agências de Viagens do Paraná (ABAV-PR) e reúne uma grande feira de negócios, eventos simultâneos e capacitações. Exclusivo para profissionais do Turismo, o evento acontece nos dias 9 e 10 de junho, em Curitiba, com a expectativa de reunir nos dois dias de evento cerca de 5 mil profissionais do segmento e mais de 300 marcas. Este é o primeiro grande acontecimento do setor presencial em dois anos.
A vontade de reencontrar profissionais conhecidos, fazer novas alianças e fortalecer as parcerias comerciais foi o que fez com que todos os estandes do evento fossem vendidos em apenas quatro meses de comercialização. “Este é o primeiro evento realizado depois da fase mais grave da pandemia. Muitos de nós, do trade turístico, ainda não nos reencontramos pessoalmente em Curitiba. E, num setor como o nosso, não há nada melhor do que o olho no olho e de estabelecer relações de confiança. Isso a gente começa em um evento como a Expo Turismo Paraná”, diz o presidente da ABAV-PR, João Alceu Rigon Filho.
Como ficou o Turismo depois da pandemia?
O Turismo está se recuperando do grande baque: a queda do setor foi de 36,7% em 2020, com crescimento de 21,1% no volume de serviços em 2021, comparado com 2020, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Para a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) o Turismo deixou de faturar R$ 214 bilhões em 2021. Neste contexto, ainda com os dados da CNC, 476 mil vagas formais foram fechadas em 2020, sendo registradas pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged); em 2021, foram criados 150,9 mil postos de trabalho, o que corresponde a um terço do total perdido. O Turismo representava 7,7% do Produto Interno Bruto (PIB) no Brasil em 2019, segundo dados da World Travel & Tourism Council (WTTC).
As entidades do segmento estimam que a recuperação ocorrerá completamente dentro de alguns anos, pois, depois da crise sanitária veio a conjuntura econômica, que desfavorece o Turismo. Além disso, o perfil do turista mudou bastante. “As pessoas buscam mais informação sobre o destino antes de fechar o pacote; além do cuidado com as medidas sanitárias, o passageiro também precisa redobrar sua atenção com a documentação exigida em cada país. Não é todo mundo que tem essa paciência e acabam recorrendo a viagens mais próximas de casa, de carro mesmo, com as pessoas da família ou pequenos grupos”, explica o presidente da ABAV-PR, João Alceu Rigon Filho.
Assim, destinos regionais são muito favorecidos, além dos nacionais e dos que estão próximos do Brasil. É o caso da serra gaúcha, das cidades do interior do Paraná, da serra gaúcha, da Argentina e do Uruguai – todos expositores da Expo Turismo Paraná. “Estes destinos estão atentos que a hora deles potencializarem seu Turismo é agora e, por isso, muitos vêm ́vender o seu produto ́ na Expo. É uma alegria para nós ter tantos destinos”, diz Rigon. Segundo a Organização Mundial do Turismo (OMT), a tendência é a retomada gradual do turismo partindo dos destinos regionais, depois nacionais e, por fim, internacionais – e isso favorece o turismo interno.
Outro segmento que viu suas vendas alavancarem foi o setor de seguro viagem. A maioria deles oferece agora cobertura nacional e internacional para casos específicos de covid-19, como adoecer durante a viagem e ser necessário atendimento hospitalar, até situações de imprevistos.

Feira de Negócios: vitrine, networking e dinheiro no bolso
A Feira possui 1326 metros quadrados de estandes, com cerca de 300 marcas na vitrine dos estandes. Estão expondo no evento operadoras de turismo; meios de hospedagem; destinos regionais, nacionais e internacionais; cia marítima; cias aéreas; serviços turísticos; empresas de transfers e transporte de passageiros. O evento também é prestigiado pelas entidades ligadas ao setor, como Fecomércio Paraná, Sindetur PR, Sebrae Paraná e outras.
O Paraná é o Estado anfitrião do evento e terá uma área de destaque onde expõe as 15 regiões turísticas do Estado, com suas vocações e atrativos, além de dar destaque especial aos parques estaduais, com a participação do Instituto Agua e Terra (IAT).
Para fomentar negócios entre fornecedores e compradores, o Sebrae Paraná preparou quatro rodadas de negócios que funcionarão por temas: encontro empresarial, mercado metropolitano, inovação e tecnologia, e agências de viagens. As rodadas funcionarão por meio de agendamento prévio por meio do aplicativo Meu Sebrae (disponível nas lojas de apps), realizar um cadastro e inserir o código 090622 para participar da Rodada de Negócios da Expo Turismo Paraná.
Qualificar para prosperar
Em paralelo com a Feira de Negócios, a Expo Turismo Paraná oferece uma série de oportunidades para profissionais do trade atualizarem seus conhecimentos. São palestras sobre vendas (“Tem que ser fácil fazer negócios com você”, com Fernando Chiara); gestão (“Mulheraço no Turismo: como elas utilizam a inteligência estratégica nos negócios); capacitação sobre cruzeiros (Norwegian e Costa Cruzeiros); Turismo Sustentável; destinos (Paraná, Argentina e Rio Grande do Norte) e tecnologia. Também estará em pauta o impacto da guerra na Ucrânia com palestra especial.
A Expo Turismo Paraná também recebe o 1o Seminário Nacional do Turismo de Fronteiras, que vai discutir aspectos das cidades gêmeas, das políticas públicas e iniciativa privada, ilegalidades, cases e muito mais. O evento é promovido pela Fecomércio Paraná e Confederação Nacional do Comércio. E o Instituto Municipal de Turismo de Curitiba também traz um pouco da Escola de Turismo para a programação da Expo. Em seu estande, preparou oito programações especiais que falam de muitos assuntos pertinentes aos profissionais do setor.
No estande de Curitiba também haverá uma programação de qualificação, com o projeto Escola do Turismo. Serão oito oportunidades de capacitação gratuita sobre temas pertinentes ao serviço turístico contemporâneo.
Serviço:
Expo Turismo Paraná – evento exclusivo para profissionais do turismo realizado pela ABAV-PR
Datas: 9 e 10 de junho de 2022
Horários: Dia 9/06 (quinta-feira): 10h – abertura; das 12h às 20h – Feira de Negócios; das 14h às 20h – Capacitações. Das 16h às 20h – 1o Seminário Nacional de Turismo de Fronteira. Dia 10/06 (sexta-feira): das 12h às 20h – Feira de Negócios; das 14h às 20h – Capacitações.
Local: Expo Unimed Curitiba – Rua Pedro Viriato Parigot de Souza, 5300 Curitiba – Paraná - Brasil
Evento gratuito, com credenciamento no local.
Informações: (41) 3223 3411 ou www.expoturismoparana.com.br

Sommelière Daniele Lopez & Cantina Zanchetta & Tour de Enoturismo no Paraná

Iniciando a rota oficial do vinho!
 Enocultura e Enoturismo, ainda na parte técnica, mas com muita vontade de mostrar o produto Paranaense, o vinho de nossos artistas sim,  do pintor Poty Lazarotto ao Enólogo do Vinho e Produtor,  que merece nosso respeito, da videira ao produto final maravilhoso.
Hoje degustei o típico rodízio italiano, a melhor salada de radichie, a polenta com  o frango, o risoto, a sofisticação e qualidade gastronômica  do Paraná.
Que venha o melhor Enoturismo e tour gastronômico e acima de tudo o incentivo ao pequeno produtor.
Obrigada Cantina Zanchetta, a rota das Colônias e a lasanha de pinhão do José!

#vinoevinho #danielecristinalopez #peguesuatacaevenhacomigo
Créditos: Vanessa Malucelli Andersen
texto Daniele Lopes Daniele Lopez Sommelière
Apoio:
Vinícola Sanber
Vinicola Araucaria #vinicolaaraucaria
Cantina Zanchetta.

Curitiba comemora seus 329 anos, com teatro e Educação Ambiental, Greca relança Família Folhas

Uma nova geração de curitibinhas agora conhece os integrantes da família mais verde que já existiu na cidade. A antiga Família Folhas, da década de 1990, voltou renovada como um presente de aniversário dos 329 anos de Curitiba.

O relançamento da família mais sustentável de Curitiba foi feito pelo prefeito Rafael Greca, em evento especial no Passeio Público, que contou a presença de estudantes das escolas municipais Professor Brandão, Eny Caldeira e Miriazinha Braga.

A volta da família marca a nova etapa da campanha para reforçar a reciclagem de Lixo que Não é Lixo e também os programas de sustentabilidade desenvolvidos na cidade (voltados a combater os efeitos das mudanças climáticas).

Os participantes puderam acompanhar uma peça de teatro com Seu Folha, Dona Fofô, Fofis e Fifo, da formação original, além da Flora, Fefo (filhos de Fofis) e Folheco (o pet folha de Fifo), as novidades para a campanha em 2022.

Ao lado dos estudantes, o prefeito Rafael Greca acompanhou o teatro e lembrou a importância da pauta ambiental em Curitiba.

Após pedir uma salva de palmas à família e aos responsáveis pela limpeza pública, o prefeito perguntou a opinião das crianças sobre a campanha de sustentabilidade.

“Estes personagens vão visitar as escolas e os CMEIS até que todos tenham na ponta da língua e no coração a ideia de que precisamos de um mundo limpo e sustentável. É o que queremos para o futuro de Curitiba”, contou Greca.
Após interagir com as crianças, a família partiu em carreata pelas ruas da cidade em caminhões-vitrine, seguidos por caminhões da coleta seletiva com a cara dos Folhas. 

LEIA MAIS

Saiba como separar e destinar corretamente o Lixo que Não é Lixo
De Usina Solar à volta da Família Folhas, Curitiba reúne de série ações de sustentabilidade
O que faz de Curitiba a Capital Ecológica
Mudanças climáticas pedem ações locais para problemas globais

Maior e renovada

O refrão Lixo Que Não É Lixo/Não Vai pro Lixo/SE-PA-RE continua o mesmo, mas a campanha de separação de recicláveis tem um novo jingle, além da novidade dos novos integrantes da Família Folhas. 

“Encomendei essa campanha, desenhada pelo nosso renomado cartunista e escritor Ziraldo, com uma família ampliada e inclusiva", disse o prefeito.
"Todos eles ensinam a não jogar lixo reciclável no lixo comum, a separar corretamente, descartar corretamente lixo tóxico, objetos inservíveis e outros resíduos para termos um planeta melhor no enfrentamento e resiliência às mudanças climáticas”, reforçou.

Sucesso

Quase tudo era novidade para os estudantes que estavam no Passeio Público nesta terça. Afinal, eles não eram nascidos nos anos 1990, quando Curitiba deu início ao programa de separação de resíduos e, pela primeira vez, a Família Folhas apareceu para dar mais visibilidade à prática. Mas os pais de muitos deles passaram os ensinamentos para frente. 

Isabelly Motta, de 9 anos, estudante do 4° ano da Escola Municipal Mirazinha Braga, estava feliz em conhecer a Família Folhas.

“O meu favorito é o cachorrinho Folheco”, contou Isabelly. “Em casa, nós sempre separamos o lixo e meus pais adoraram quando descobriram que eu aprendo sobre isso na escola também.”
Sua colega Eloah Sophya de Campos, de 9 anos, também entende que é preciso aprender sobre reciclagem. “É muito importante, meus pais sempre me dizem para jogar lixo no lugar certo.” Ela adorou o pequeno Fefo, filho da Fofis e neto do Seu Folha e da Dona Fofô, porque, assim como ela, o personagem também está crescendo e aprendendo sobre diversidade, meio ambiente e qualidade de vida. 

Fefo também é o personagem favorito do estudante Benjamin Alves de Vieira, 9 anos, da mesma turma da Escola Municipal Mirazinha Braga.

“O Fefo é muito maneiro porque ajuda o meio ambiente. É muito importante a gente falar sobre reciclagem, porque se não os bueiros entopem e a poluição aumenta”, ensinou o menino Benjamin. 

Presenças

Participaram do evento o vice-prefeito Eduardo Pimentel; as secretárias do Meio Ambiente, Marilza do Carmo Oliveira Dias; da Educação, Maria Sílvia Bacila; da Comunicação Social, Cinthia Genguini; o secretário municipal de Obras Públicas, Rodrigo Rodrigues; e a presidente da Fundação Cultural de Curitiba, Ana Cristina de Castro, também acompanharam a apresentação junto ao prefeito.

Fiep promove webinar sobre benefícios da atividade de comércio exterior

Evento gratuito vai discutir as vantagens de atuar no mercado internacional e possibilidades de redução de custos nas exportações

O evento é gratuito e será transmitido pelo Canal da Indústria do Sistema Fiep no Youtube. (Foto: Gelson Bampi)
Por meio do Centro Internacional de Negócios (CIN/PR), a Federação das Indústrias do Paraná promove, no dia 16 de março, às 16 horas, o webinar “Benefícios no Comércio Exterior. O objetivo é mostrar os ganhos para quem entra na atividade de comércio exterior, vantagens ao emitir o certificado de origem e como as empresas podem obter a recuperação tributária. Serão apresentadas ainda as possibilidades de redução de custos por meio do drawback, que é a suspensão ou eliminação de tributos incidentes sobre produtos que serão exportados, tornando-os mais competitivos.
O evento é gratuito e será transmitido pelo Canal da Indústria do Sistema Fiep no Youtube. As vagas são limitas e as inscrições prévias pode ser feitas neste link.

*** Mais informações no site www.fiepr.org.br/cinpr ou nos emails:caroline.nascimento@sistemafiepr.org.br e camilla.bonnevialle@sistemafiep.org.br

Programação:
16h – Abertura Claudia Schittini – Gerente de Relações Internacionais Fiep
16h07 – Benefícios na Emissão do Certificado de Origem, Márcia A. Demorath Bezerra - Coordenadora de Negócios Certificação de Origem Fiep
16h22 – Benefícios do Drawback, Rafael Zannin – Comprador Internacional
16h37 – Recuperação Tributária, Angelo Virtuoso – Diretor da VISONET e William Silva Pinto – Gestor de Projetos
16h52 – Perguntas e respostas
17h07 – Encerramento
Duração: 75 minutos

Padre Reginaldo Manzotti repudia invasão de Igreja em Curitiba e condena a intolerância religiosa

No último final de semana, em Curitiba (PR), um vereador da cidade com um grupo de manifestantes invadiu a Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, no centro histórico da capital, interrompendo uma celebração para um ato de manifesto reivindicava a apuração da morte de Moïse, que ocorreu no Rio de Janeiro (RJ).

Invadir um espaço sagrado católico ou não é no mínimo um ato de desrespeito, imoral e também criminoso. Dados mais recentes do Ministério dos Direitos Humanos através do Disque 100, entre 2015 e 2017, mostram que católicos e protestantes são vítimas de 1,8% e 3,8% das denúncias de intolerância religiosa, respectivamente. As denúncias relativas a fiéis do candomblé e da umbanda somam 25% do total. Em contrapartida, segundo pesquisa Datafolha de dezembro do ano passado, os católicos são 50% da população brasileira. Os evangélicos, 31%, e os adeptos de religiões de matriz africana, 2%.

“Temos que nos unir ao lembrar que fomos feitos a imagem e semelhança de Deus tendo mesma alma, origem, natureza e igual dignidade. É nossa obrigação repudiar tais atitudes e dizer um basta a intolerância religiosa”, afirma Padre Reginaldo Manzotti.

Papa Francisco refletiu sobre perseguição religiosa em seu vídeo de janeiro: "Como é possível que hoje muitas minorias religiosas sofram discriminação ou perseguição? Como permitimos que nesta sociedade altamente civilizada existam pessoas que são perseguidas simplesmente por professar publicamente sua fé? Isso não só é inaceitável, é desumano, é insano.”

Garantir a liberdade religiosa está além de garantir somente a liberdade de culto. Mas sim, valorizar as diferenças e reconhecermo-nos como irmãos. 67% da população mundial vive em países onde o direito à liberdade religiosa é negado.

A Igreja Católica já deu passos importantes na declaração Dignitatis Humanae, sobre a liberdade religiosa, aprovada pelo Concílio Vaticano II no dia 07 de dezembro de 1965. O documento afirma, em suas primeiras linhas, que a pessoa humana tem direito à liberdade religiosa e sublinha que deve ser assegurado por todas as nações.

Na Encíclica Fratelli Tutti do Papa Francisco também ressalta que: “O perdão e a reconciliação são temas de grande relevo no cristianismo e, com várias modalidades, noutras religiões. O risco reside em não entender adequadamente as convicções dos crentes e apresentá-las de tal modo que acabem por alimentar o fatalismo, a inércia ou a injustiça, e, por outro lado, a intolerância e a violência.”. O Santo Papa também nos mostra que Jesus Cristo nunca incentivou e fomentou a violência ou a intolerância, pelo contrário, sempre condenou o uso da força ao se impor aos outros: “Sabeis que os chefes das nações as governam como seus senhores, e que os grandes exercem sobre elas o seu poder. Não seja assim entre vós” (Mt 20, 25-26).

Precisamos, urgentemente, falar sobre intolerância religiosa, suas causas e consequências na sociedade e claro, de forma aprofundada e promovendo o respeito a diversidade religiosa no Brasil e no mundo.

Sobre o Padre Reginaldo Manzotti
Sacerdote, escritor, músico, compositor, cantor e apresentador de rádio e TV, o padre Reginaldo Manzotti ao completar 25 anos de sacerdócio, decidiu se reinventar e inovar mais uma vez em prol da evangelização.

Antenado com as mídias digitais, o sacerdote tem 7.3 milhões de seguidores no Facebook, 4 milhões de seguidores no Instagram, 3 milhões de pessoas inscritas em seu canal do YouTube, 705 mil seguidores no Twitter e 221 mil em seu canal Vevo. Seu portal, www.padrereginaldomanzotti.org.br, recebe mais de 1 milhão de acessos mês.

Sacerdote que evangeliza pelos meios de comunicação, o padre apresenta programas de rádio e televisão que são retransmitidos e exibidos em mais de 1680 emissoras do país, além de outros países como: Inglaterra, Estados Unidos, Portugal, Espanha, Angola, Paraguai, Bolívia e Uruguai.

Varejo ganha centro de inovação com laboratório para pesquisas

Com o objetivo de resolver as “dores” do varejo e fomentar novas soluções para o segmento, o HIPE Innovation Center foi inaugurado neste dia 30 de setembro, em Curitiba, em uma live com palestrantes e envolvidos no projeto. São 2 mil m² que podem abrigar cerca de 300 posições de trabalho, entre startups e profissionais que optarem pelo modelo de espaço compartilhado. O objetivo é criar um ambiente descontraído e com grande potencial de networking para estimular a criatividade e a inovação dos participantes.

Entre as iniciativas do HIPE, está o HIPE SPACE, com salas privativas, espaço aberto para trabalho, salas de reunião, ambientes de descompressão e para os mais diversos eventos. Para integrar este ambiente físico, a Incubadora irá selecionar os interessados em participar do processo de pré-incubação. Quem tiver interesse basta acessar o site http://www.hipe.cc/myidea, preencher o cadastro com informações sobre a sua empresa ou startup e aguardar a análise e retorno do time HIPE. “Estamos abertos a todas as ideias, soluções e, principalmente, pessoas que acreditam que podem fazer a diferença junto com a gente”, afirma a CEO do HIPE, Mariane Pocai.

Já pensando em gerar inteligência de mercado, também foi lançado o HIPE Lab, que não possui fins lucrativos e será responsável pelos laboratórios de testes, pesquisas e estudos realizados por experientes profissionais do mercado varejista, consultores e membros do universo acadêmico. “Queremos trazer informações de grande relevância para os varejistas e nos antecipar às tendências. Assim, o varejo brasileiro estará um passo à frente e em constante evolução para oferecer ao consumidor a melhor experiência de compras possível”, destaca o COO do HIPE, Ricardo Pontes.

Entre as novidades está o laboratório virtual do HIPE Lab, um simulador de supermercado com ambiente de aproximadamente 500m², que funcionará também como um laboratório para pesquisas realizadas com o consumidor. A tecnologia cria uma experiência imersiva de compras e de gestão através de aplicações web e óculos VR, possibilitando demonstrações, testes e uma alta visibilidade de marca para o público-alvo. Em um espaço em 3D, tanto os varejistas quanto o público vão poder fazer uma jornada de conhecimento em que poderão identificar quais são os parceiros do HIPE Lab e quais tecnologias eles estão desenvolvendo para melhorar os processos do varejo.

O prefeito de Curitiba, Rafael Greca, participou do lançamento e destacou a importância do HIPE para o Vale do Pinhão, criado pela prefeitura em alusão ao Vale do Silício. “Em Curitiba a inovação não para, e no Vale do Pinhão é cada dia mais criatividade. A cidade ganha mais este centro de inovação, em que jovens estão desenvolvendo tecnologias para o mercado de varejo. Eles sabem que, antes de uma ação geradora de empregos e de renda, é preciso ter as ideias. E são uma rapaziada das ideias”.

Os sponsors do HIPE são duas empresas voltadas ao varejo: RP Info, especialista em sistemas para gestão e automação, e a Siga Cred, administradora de serviços financeiros.

Embaixada reabre para emissão de vistos: intercâmbio nos EUA já podem ser realizados

Com os vistos de estudante, brasileiros não precisarão mais passar 14 dias em outro país antes de entrar nos Estados Unidos

Em maio, alguns estados americanos iniciaram uma campanha de vacinação de turistas que forem visitar as terras estadunidenses. Essa movimentação levantou diversos debates sobre ética e desigualdade, mas o fato é que não há irregularidades legais para essa movimentação e, para os que têm condições, é uma oportunidade de adiantar a imunização sem furar a fila brasileira.

7wUmYiZGM6InYu02bj5SYyJXZ0BUasxWZjVHbh1WYzNXZuFmd6QDN5ADO4EjNyIjOnVGcq5CO3UTO3ATOwMjMGJTJwMjMGJTJxgDMyEjRyUiN4AzMx8VL1ETLf12bj5icw1WLp5CcwFmRyUiRyUSQzUycwRHdopTM
A vacinação nos Estados Unidos não necessita de agendamento e está disponível para qualquer adulto que queira se vacinar. Mercados, aeroportos e até nas grandes avenidas são locais de vacinação (Foto: Pixabay)

Também criou-se questionamentos sobre o motivo do país estar oferecendo suas vacinas a estrangeiros. Além do fato de movimentar a economia do turismo, há doses de sobra, visto que muitos americanos, por conta de teorias da conspiração e resistências de algumas comunidades, não estão se vacinando.

Os brasileiros que desejam ir para fazer o "turismo de vacinação" precisam ter a dupla cidadania, ou passar por uma quarentena de pelo menos 14 dias em um país que tenha voos permitidos para os Estados Unidos. Todavia, para os indivíduos que têm o visto de estudante não há mais a necessidade de cumprir esses 14 dias isolados. Para os que não possuem o visto de estudante há várias opções no México, em que é possível aproveitar o tempo nas praias do país. Ao final, é necessário que apresente um teste negativo da Covid para, então, conseguir um embarque rumo às terras norte-americanas.

Com essa promessa, buscadores de viagem viram a procura de voos rumo aos EUA aumentarem. Em maio, só o buscador Kayak registrou 719% mais procuras de voos rumo à Nova York em relação ao mês anterior. Miami, Los Angeles e Orlando também tiveram um grande aumento (527%, 421% e 398% respectivamente).

Os beneficiados com esse programa, entretanto, eram apenas aqueles com documentos em mãos, já que a Embaixada Americana no Brasil parou de emitir vistos em 2020 por conta da pandemia. Agora, após um ano da suspensão, a Embaixada voltou a realizar agendamentos para o pedido de vistos de estudo no exterior.

Eduardo Heidemann, diretor da TravelMate , empresa associada da Belta (Associação que certifica a credibilidade das agências de intercâmbio brasileiras), explica que "para conseguir um visto F1 é necessário já estar aceito em alguma instituição de ensino nos EUA". Heidemann complementa que é possível fazer a aquisição do pacote de intercâmbio para estudar nos EUA com a Travelmate, de forma parcelada, e segura. Enfatizou que os programas devem ter início a partir do dia 1º de agosto, além disso, relembrou que a entrevista no consulado é de forma presencial e o embarque pode ser feito até 30 dias antes do início das aulas. Por isso, a importância de já aproveitar este mês de Junho para adquirir o intercâmbio.

Para a emissão do documento americano é necessário comprovar matrícula em instituições de ensino nos Estados Unidos, preencher três formulários (I-20, DS-160 e I-901), pagar a taxa de solicitação e a SEVIS (Student and Exchange Visitor), agendar a entrevista e entregar a documentação. Essas e mais informações estão disponíveis no site da Embaixada Americana .

Com esse tipo de visto, é possível ir ao exterior fazer um curso de idiomas, um programa high school ou higher education em alguma universidade americana e, ainda, aproveitar e se imunizar em outro país, sem os gastos da quarentena no México. "É uma ótima oportunidade para quem vem postergando o sonho de estudar nos Estados Unidos. Além de fazer um intercâmbio, estar imunizado contra a doença que aflige todo o mundo há quase 2 anos é uma ótima oportunidade", comenta Eduardo Heidemann.

Se com essa notícia, os ânimos aumentaram, entre aqui e confira as oportunidades no exterior.

Sobre a TravelMate
Criada há 19 anos, a TravelMate tem como objetivo promover a educação internacional, por meio de vários programas de intercâmbio que atendem pessoas em todas as fases da vida. O foco está em proporcionar segurança, atendimento e suporte durante toda a vivência desse intercambista em outro país. A rede de franquias de intercâmbio e turismo comandada por Alexandre Argenta e Eduardo Heidemann possui uma ampla equipe em 50 unidades do Brasil, que é treinada regularmente para promover uma ótima vivência aos que embarcam com a TravelMate e para que a experiência de trabalhar na TM seja satisfatória para todos e todas. Foram mais de 25 mil vidas transformadas pela rede TravelMate, 25 mil projetos tirados do papel, e 25 mil embarques para o exterior. A rede ainda é associada da Belta - Associação das Agências de Intercâmbio do Brasil - que existe há 26 anos e é a única associação que tem como foco certificar com o Selo Belta agências confiáveis no setor de intercâmbio, por meio de um processo cuidadoso de análise financeira, técnica e ética das agências. Atualmente, as agências especializadas Selo Belta representam 75% do mercado de educação internacional.

Oportunidade de trabalho: Sobram vagas, nos EUA, no setor de serviços

Empregadores do país passam por dificuldades em encontrar pessoas interessadas para preencher vagas de trabalho

Os Estados Unidos vêm passando por uma crise diferente. Após uma onda de desemprego por conta da covid-19, empresários buscam por novos funcionários para suas empresas, o problema é que não há pessoas interessadas nas vagas. Carlos Gazitua, presidente da rede de restaurantes Sergio's, na Flórida, comentou que "quando chega uma candidatura, os gerentes pulam de alegria, mas, na prática, os candidatos não aparecem para a entrevista." Alguns estabelecimentos, inclusive, oferecem uma quantia em dinheiro para os que comparecerem na entrevista, é o caso de um McDonald's em Tampa que oferece US﹩ 50.

Mesmo com o avanço da vacinação no país, muitas pessoas ainda não se sentem seguras e confortáveis em sair de casa. Além disso, há ainda um plano do governo federal que oferece US﹩ 300 por semana para os desempregados do país, auxílios e benefícios de cada estado.

Work&Travel
Para aproveitar essa oportunidade e ainda treinar um segundo idioma, algumas agências de intercâmbio oferecem viagens com possibilidades de trabalho, uma experiência enriquecedora para aqueles que desejam incrementar mais o currículo.

Aproveitar as férias para realizar uma nova experiência no exterior é para aqueles que realmente tem o desejo de aprender sobre o mercado de trabalho dos Estados Unidos (Foto: Arquivo Pessoal)

Eduardo Heidemann é especialista em intercâmbios e Diretor da TravelMate , empresa de intercâmbios que oferece esse serviço aos clientes. A TM é uma rede associada da Belta (Associação das Agências de Intercâmbio do Brasil) e possui o Selo Belta há 14 anos. Heidemann comentou que o principal objetivo do programa é fazer com que "o participante tenha uma experiência de intercâmbio de trabalho no exterior sem comprometer seus estudos no Brasil, já que o programa acontece exatamente no período de férias escolares das universidades no Brasil."

O programa, intitulado Work&Travel é voltado para estudantes universitários com idade entre 18 e 28 anos e com um inglês pelo menos intermediário. Esse programa é oferecido somente nos Estados Unidos devido às regras específicas daquele país. O intercâmbio tem duração de 3 a 4 meses e oferece ao participante grandes vantagens de desenvolvimento tanto na carreira quanto no âmbito pessoal, proporcionando a criação de networking exercício da flexibilidade, adaptabilidade e, claro, a prática do inglês no ambiente de trabalho.

O intercambista será contratado ainda aqui no Brasil para trabalhar em estações de ski, hotéis, restaurantes, lojas e outros estabelecimentos turísticos. "Com a remuneração o participante normalmente se mantém nos EUA e muitos conseguem arrecadar fundos para viajar e aproveitar a estadia e o tempo livre", explicou Eduardo. O diretor ainda adiciona que o programa existe apenas nos EUA, pois há grande demanda de mão de obra temporária nas temporadas de inverno, a qual coincide com as férias das universidades no Brasil.

Como se planejar
Para iniciar o processo é necessário que algumas etapas sejam concluídas. A TravelMate costuma avaliar o idioma e perfil do candidato, além de solicitar alguns documentos (como currículo, atestado de matrícula no brasil, formulários de inscrição), organizar entrevistas com possíveis empregadores, auxiliar na reserva de acomodação, no processo de visto, e nos preparativos de embarque e a viagem em si.

"Os participantes podem fazer tudo num período de 3 a 4 meses antes de Dezembro (data de embarque), mas é recomendável que procurem a agência de intercâmbio com mais tempo (uns 6 a 8 meses de antecedência) para que o processo aconteça de maneira mais tranquila", recomendou o diretor da TM. Eduardo ainda relembrou que as seletivas e entrevistas com os empregadores deste ano já começaram.

Priscila Pieper, estudante universitária e ex intercambista da TravelMate, compartilhou sobre a sua experiência no mercado de trabalho norte americano. Priscila trabalhou como Ski Checker em um resort em Vermont. "Minha entrevista de emprego foi muito tranquila e a entrevistadora foi compreensiva e entendeu que eu estava falando um idioma diferente do meu. As perguntas foram as tradicionais, as mesmas que são feitas aqui no Brasil, ou seja, pediram para que eu falasse sobre pontos fortes e fracos, situações que passei e etc, e nela eu apenas fui eu, apesar de todo o nervosismo, mostrando que tenho o perfil do Work&Travel, uma pessoa maleável, disposta, proativa e aberta a novas experiências".

0=gzNxEDZ2ojci5SbvNmLhJnclRHQpxGblNWdsFWbhN3cl5WY2pDN0ITNwUDN3IDN6cWZwpmL4ETN0EjN0ATOGJTJ0ATOGJTJxgDMyEjRyUiN4AzMx8VL1ETLf12bj5icw1WLp5CcwFmRyUiRyUSQzUycwRHdopjN
Como o próprio nome diz, o Work&Travel é ótimo para pausar a realidade de estudos e viajar enquanto recebe dinheiro trabalhando em outro país (Foto: Arquivo Pessoal)

Com o objetivo de auxiliar ainda mais os que pretendem e planejam obter experiência profissional fora do Brasil, Eduardo Heidemann, da Travelmate , ainda trouxe algumas dicas para que o processo todo, desde o planejamento até o fim da viagem, sejam realizados da melhor forma possível:

1 - Continue treinando o inglês, para melhores oportunidades de vagas. O nível mais avançado de inglês ajuda na performance não somente das entrevistas, mas também no desempenho das atividades e tarefas.

2 - Busque agências e empregadores com antecedência, pois dessa forma você evita surpresas e pode se planejar de maneira mais realista para o programa. Poucas agências oferecem esse serviço e, quanto antes se inscrever, mais oportunidades de vagas e empregadores estarão disponíveis

3 - Converse com outros participantes que já foram e também com outros que vão na mesma temporada que você. Fazer amigos ajuda a reduzir os custos de viagem, moradia, deslocamentos, etc.

Para animar ainda mais os que já estão decididos, e dar um impulso naqueles que estão em dúvida, Priscila narrou um pouco sobre a sua experiência em Vermont: "a minha posição era a melhor dentro do hotel para intercambistas, além dos salários nós recebíamos "tips" por cuidarmos e guardarmos dos materiais de snowboard dos hóspedes, era super simples e legal. Eu lidava diretamente com o público, e sendo sincera passei por algumas situações péssimas e constrangedoras, mas de modo geral era muito legal. Fiz muitas amizades, lembro de uma hóspede que era argentina e, no hotel, ela fez alfajores caseiros e as empanadas argentinas e levou para cada um".

Dicas
Para evitar problemas e adquirir a melhor experiência possível, a Priscila conta que a sua primeira dica é estar de mente aberta e viver a experiência. Para isso, ela diz que é interessante economizar tudo o que puder "eu trabalhei muito para poder gastar lá, viajar e conhecer o país, mas tenha o seu objetivo na cabeça, se você for para guardar dinheiro, saiba que poderá ser necessário fazer hora extra ou até mesmo achar um segundo emprego".

Sorrir e ser gentil independente da situação é a próxima indicação da intercambista "essa dica foi o meu próprio chefe, o hóspede não quer saber o que está acontecendo, apenas querem ser bem atendidos, então aprenda a ter esse domínio psicológico, por que senão é só choro." Priscila ainda conta que aprender a superar dificuldades é um dos maiores aprendizados do intercâmbio.

3=EjZkBDNmpjci5SbvNmLhJnclRHQpxGblNWdsFWbhN3cl5WY2pDN0ITNwUDN3IDN6cWZwpmLxcDN5YzNwETMGJTJwETMGJTJxgDMyEjRyUiN4AzMx8VL1ETLf12bj5icw1WLp5CcwFmRyUiRyUSQzUycwRHdopTM
O Work&Travel é uma experiência que abrange diversas oportunidades (Foto: Arquivo Pessoal)

Em terceiro lugar, a estudante diz que, assim como em toda posição de trabalho, é preciso mostrar sua melhor versão, representando a cultura brasileira, deixando os chefes orgulhosos, mostrando o interesse em aprender e adquirir novas experiências. Muitas das posições dos intercambistas são profissões desprezadas, como faxineiro e camareiro, o que abre os olhos dos viajantes para entender novas realidades.

Por fim, coloquei na cabeça que quem faz o intercâmbio é o intercambista, portanto busque atividades extras, converse com os locais, faça amizades e esteja disposto e aberto para trazer bons frutos e fazer a viagem valer a pena sem depender de ninguém.

Se você está interessado em preencher alguma dessas vagas, entre em contato com a TravelMate para mais informações!

Sobre a TravelMate

Criada há 19 anos, a TravelMate tem como objetivo promover a educação internacional, por meio de vários programas de intercâmbio que atendem pessoas em todas as fases da vida. O foco está em proporcionar segurança, atendimento e suporte durante toda a experiência transformadora da vivência internacional. A rede de franquias de intercâmbio comandada por Alexandre Argenta e Eduardo Heidemann possui uma ampla equipe em 50 unidades do Brasil e no exterior, que é treinada regularmente para promover atendimento e suporte de qualidade para todos os que embarcam com a TravelMate.

Foram mais de 25 mil vidas transformadas pela TravelMate, 25 mil projetos tirados do papel, e 25 mil embarques para o exterior. A rede ainda é associada da Belta - Associação das Agências de Intercâmbio do Brasil - que existe há 26 anos e é a única associação que tem como foco certificar com o Selo Belta agências confiáveis no setor de intercâmbio, por meio de um processo cuidadoso de análise financeira, técnica e ética das agências. Atualmente, as agências especializadas Selo Belta representam 75% do mercado de educação internacional.

Programa acelera negócios com impacto positivo na Grande Reserva Mata Atlântica

Ao todo, 15 empreendimentos que atuam em pelo menos um dos 50 municípios da região passarão por capacitação e mentoria gratuitas, visando potencializar os benefícios gerados ao meio ambiente e à sociedade. As três iniciativas mais bem avaliadas no final do processo receberão, ao todo, R$ 20 mil

Empreendedores de negócios que promovem impacto positivo para a proteção da natureza e para o desenvolvimento socioeconômico na região da Grande Reserva Mata Atlântica – o maior remanescente contínuo do bioma no Brasil, englobando áreas em São Paulo, Paraná e Santa Catarina – podem se inscrever a partir desta segunda-feira, 7 de junho, no novo ciclo do Programa Natureza Empreendedora. Ao todo, 15 negócios de impacto serão selecionados para passar por um processo gratuito de capacitação e aceleração. As três iniciativas mais bem avaliadas no final do processo receberão, ao todo, R$ 20 mil. As inscrições vão até 20 de junho.

A 3ª edição da iniciativa da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, com execução técnica do Sebrae, tem como objetivo fortalecer e dar visibilidade a empreendimentos inovadores que contribuam com a conservação da biodiversidade nos 50 municípios da Grande Reserva. Ao longo de 20 semanas, os negócios selecionados passarão por capacitações de gestão, marketing, finanças, liderança e mensuração de impacto em conservação, em cerca de 30 horas de capacitação e workshops on-line. Cada negócio também terá, a cada semana, duas horas de consultoria individual e uma hora de mentoria para acompanhamento individualizado do desempenho de cada negócio, tirar dúvidas e compartilhar experiências.

“Buscamos empreendedores que queiram aliar seus negócios à conservação ambiental, de forma que seu crescimento também traga maior impacto positivo à manutenção e à proteção da biodiversidade da região”, explica o coordenador de Negócios e Biodiversidade da Fundação Grupo Boticário, Guilherme Karam. “Temos cada vez mais convicção de que as empresas – assim como governos, organizações da sociedade civil e os cidadãos de forma geral – necessitam gerar impacto ambiental positivo a partir de suas atividades. Sem um planeta saudável não é possível que os negócios prosperem. Queremos ‘acelerar’ esses negócios que preservam a Mata Atlântica.”

São elegíveis ao iniciativas sediadas nos seguintes municípios: Apiaí, Barra do Turvo, Cajati, Cananéia, Capão Bonito, Eldorado, Guapiara, Ibiúna, Iguape, Ilha Comprida, Iporanga, Itaóca, Itariri, Jacupiranga, Juquiá, Juquitiba, Miracatu, Pariquera-Açu, Pedro de Toledo, Peruíbe, Piedade, Pilar do Sul, Ribeirão Grande, São Miguel Arcanjo, Sete Barras e Tapiraí (SP); Adrianópolis, Antonina, Bocaiúva do Sul, Campina Grande do Sul, Guaraqueçaba, Guaratuba, Matinhos, Morretes, Paranaguá, Piraquara, Pontal do Paraná, Quatro Barras, São José dos Pinhais, Tijucas do Sul e Tunas do Paraná (PR); Campo Alegre, Corupá, Garuva, Itapoá, Jaraguá do Sul, Joinville, São Bento do Sul, São Francisco do Sul e Schroeder (SC).

O formulário de inscrição e mais informações podem ser acessados no site https://www.sebraepr.com.br/natureza-empreendedora/. Ao final do Programa Natureza Empreendedora, os negócios passarão por uma banca que avaliará critérios de viabilidade técnica e econômica, impacto ambiental positivo, visão de futuro, envolvimento com a comunidade local e time e parceiros estratégicos. O primeiro colocado receberá R$ 10 mil, o segundo e o terceiro, R$ 5 mil cada.

Natureza Empreendedora
Iniciado em 2018, o Programa Natureza Empreendedora foi estruturado a partir da identificação do potencial empreendedor da região aliado à conservação da Mata Atlântica. No ano passado, os três negócios vencedores do programa foram, o delivery on-line Olha o peixe!, que conecta a pesca artesanal e o consumidor, impactando positivamente a economia das comunidades pesqueiras, os estoques pesqueiros, a informação de qualidade sobre espécies e alimentos e o consumo consciente; a cervejaria artesanal Porto de Cima Brewing, que mantém a floresta protegida, usa ingredientes de espécies nativas, fomenta a economia local e divulga a fauna e a flora da região nos rótulos de seus produtos; e a empresa turística Ekoways, que trabalha com turismo regenerativo e se propõe a incentivar uma mudança de valores e um olhar de sustentabilidade para toda a cadeia do turismo, impactando positivamente as comunidades visitadas, as boas práticas de gestão de resíduos e a educação ambiental.

Sobre a Fundação Grupo Boticário
Com 30 anos de história, a Fundação Grupo Boticário é uma das principais fundações empresariais do Brasil que atuam para proteger a natureza brasileira. A instituição atua para que a conservação da biodiversidade seja priorizada nos negócios e em políticas públicas e apoia ações que aproximem diferentes atores e mecanismos em busca de soluções para os principais desafios ambientais, sociais e econômicos. Já apoiou cerca de 1.600 iniciativas em todos os biomas no país. Protege duas áreas de Mata Atlântica e Cerrado – os biomas mais ameaçados do Brasil –, somando 11 mil hectares, o equivalente a 70 Parques do Ibirapuera. Com mais de 1,2 milhão de seguidores nas redes sociais, busca também aproximar a natureza do cotidiano das pessoas. A Fundação é fruto da inspiração de Miguel Krigsner, fundador de O Boticário e atual presidente do Conselho de Administração do Grupo Boticário. A instituição foi criada em 1990, dois anos antes da Rio-92 ou Cúpula da Terra, evento que foi um marco para a conservação ambiental mundial.

O desrespeito nos afasta de possíveis soluções

Por José Luiz Gomes do Amaral*

Como nas tantas pestes que precederam esta, elas nunca vieram sós; com frequência se fizeram acompanhar da ignorância e da intolerância.
Vivemos, também no Brasil, tristes momentos de tensão e agressividade.
É deplorável ver cidadãos e colegas serem alvo de agressões, ameaças, calúnias, apenas por externarem suas convicções. A liberdade de pensamento e expressão, bem como o respeito às ideias discordantes, são essenciais às sociedades civilizadas.
A sociedade brasileira está enlutada pela perda de cerca de meio milhão de pessoas: nossos familiares, amigos, colegas e pacientes. A morte nos ronda, levando-nos todos os dias aos milhares. Este é o foco da tragédia.
Quando a solidariedade e a convergência se fazem mais necessárias, vemos a discórdia prevalecer.
Profundamente lamentável!
No Congresso Nacional, uma CPI foi criada para que, da análise dos erros encontre-se o melhor caminho. Entre os protagonistas da gestão desta crise, vários têm sido chamados a depor: médicos, ministros, militares, advogados, economistas, empresários... Outros virão. Independentemente de seus cargos, formação, independentemente de suas convicções e matizes político-ideológicas, serão tirados de suas respostas os elementos que caracterizarão erros e acertos na condução da pandemia, de sorte a, com eles definir, o melhor caminho a seguir. Entretanto, não será jamais possível lograr o esperado êxito sem ouvi-los, em ambiente de civilidade e equilíbrio. Se não lhes é dado falar livremente, se não lhes dão ouvidos, de que serve obrigá-los a depor? Para expô-los a deploráveis cenas de humilhação? Inaceitável!
Assistimos o constrangimento dos depoentes, episódios que, a repetirem-se, afastar-nos-ão da desejada solução.
Acrescentar-se-á à peste a destruição dos nossos melhores valores e da nossa própria estrutura social.
Devemos resposta aos tantos que ficaram neste caminho.

*José Luiz Gomes do Amaral, presidente da Associação Paulista de Medicina

CIEE/PR lança campanha para arrecadar alimentos

Iniciativa deve contribuir para mitigar os efeitos econômicos da pandemia em diversas regiões do Estado

O Centro de Integração Empresa-Escola do Paraná (CIEE/PR) está lançando uma campanha para arrecadação de alimentos em todas as 37 unidades espalhadas pelo Estado. A iniciativa é uma forma de reduzir os impactos econômicos causados pela pandemia de Covid-19 em muitas famílias e manter, assim, uma das características mais importantes da instituição: sua atuação social. Em Curitiba, os alimentos arrecadados serão doados à Fundação de Ação Social (FAS).

Toda a arrecadação está sendo realizada por meio de doações que devem ser deixadas nas unidades do CIEE/PR, em cidades como Londrina, Maringá, Ponta Grossa, Foz do Iguaçu e Curitiba. A lista completa das unidades está disponível no site da entidade. Para o presidente do CIEE/PR, Domingos Murta, é preciso reforçar ações como essa neste momento. “A pandemia trouxe impactos inevitáveis para a vida de todos, mas há pessoas que sofreram consequências sociais muito graves. Juntos, podemos diminuir esses impactos e fazer a diferença na vida de muitos”, afirma.

A preocupação com as questões sociais tem norteado o trabalho da instituição desde sua fundação, há mais de 50 anos. Programas como o Jovem em Ação e o Família em Ação são inteiramente dedicados a promover a inserção de jovens em situação de vulnerabilidade no mundo do trabalho e, ao mesmo tempo, desenvolver os vínculos afetivos dentro das famílias.

Serviço

Campanha de arrecadação de alimentos não perecíveis

Onde: nas unidades do CIEE/PR em todo o estado

Quando: até o dia 17 de junho de 2021

Sobre o CIEE/PR

Há mais de 53 anos, o Centro de Integração Empresa-Escola do Paraná (CIEE/PR) atua para promover a integração dos jovens ao mercado de trabalho. Por meio de programas de estágios e aprendizagem, cursos de capacitação e cidadania e programas sociais, a instituição contribui para o desenvolvimento econômico e social do Estado. Com 37 unidades operacionais distribuídas em todas as regiões do Paraná, o CIEE/PR tem uma média mensal de 20 mil estagiários e já recebeu cerca de 30 títulos de Utilidade Pública. Está registrado nos Conselhos Municipais dos Direitos da Criança e do Adolescente em mais de 70 municípios e tem como um de seus propósitos trabalhar para fortalecer o desenvolvimento humano e social.