Máscaras de tecido precisam respeitar as recomendações da OMS para serem eficazes

Grupo Arquitetizze produz 200 mil máscaras com tecido protect, que inibe a proliferação de bactérias, fungos e contém propriedades de repelência à água

A máscara já virou objeto indispensável no dia a dia dos brasileiros e em diversos países do mundo. Há quem tem uma de cada cor, para combinar com o look, quem faça suas próprias máscaras e quem produza em casa para revender.

A máscara caseira ou artesanal precisa seguir alguns critérios, seja dos tecidos utilizados, como também sobre a limpeza e descarte do material. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), todos os indivíduos devem usar a máscara onde houver transmissão ampla da doença e em situações em que o distanciamento social não é possível, como no transporte público, por exemplo.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) indica que as máscaras devem cobrir totalmente a boca e o nariz, sem deixar espaços nas laterais, além de serem confeccionadas com tecido confortável e adaptar-se bem ao rosto, para evitar sua recolocação toda hora. Para a confecção da máscara, são recomendados tecidos 100% algodão ou cotton. O coronavírus pode ser espalhado por gotículas suspensas no ar quando pessoas infectadas conversam, tossem ou espirram e essas gotículas podem ter sua formação diminuída pelo uso de máscaras não profissionais.

O Grupo Arquitetizze, que atua importação e comercialização de produtos inovadores de diferentes segmentos, fez a produção de 200 mil máscaras com o tecido protect. Fabricado pela Tecidos Fiama, indústria têxtil de Campinas, o material apresenta acabamento em alta performance que inibe a proliferação de bactérias, fungos e contém propriedades de repelência à água. Indicado para uso doméstico, a máscara é reutilizável e a proteção tem duração atestada pelo fabricante de até 30 lavagens. O acabamento possui tecnologia antimicrobiana, que evita o crescimento desses microrganismos e colabora da diminuição da propagação da COVID-19.

“A grande demanda dessas máscaras se dá pela proteção oferecida. Muitas máscaras vendidas no mercado são de tecidos não recomendados pela Anvisa e não oferecem uma proteção para quem utiliza”, afirma o diretor de negócios do grupo, Franklin Freiberger. As máscaras da Arquitetizze são vendidas tanto para pessoas físicas, a partir de cinco unidades, quanto para empresas. O grupo tem capacidade de produção em alta escala e é possível personalizá-las com logomarca de empresas.

Sobre o Grupo Arquitetizze:
Design inovador e produtos de qualidade – essa é a premissa do Grupo Arquitetizze, referência em sua área de atuação desde 2011. O grupo engloba a Arquitetizze, especializada em venda e importação de lustres, e a Design Chair – ícone no mercado de cadeiras para escritório e decorativas. Com sede em Pinhais, no Paraná, e Araquari em Santa Catarina, o Grupo atua também na importação e comercialização de produtos inovadores de diferentes segmentos.

WhatsApp_Image_2020-06-30_at_10.46.14_(2)
*com divulgação

Categorias:AGÊNCIAS DE COMUNICAÇÃO, AGENDA DA SEMANA, AGENDA DO FIM DE SEMANA, BRASIL, COLUNA VANESSA MALUCELLI, DIVIRTA-SE, evento, FREE LIFESTYLE, LANÇAMENTOS, SAÚDE, SHOWSTags:, , , , , , , , ,

VanessaMalucelliAndersen

Colunista do Site — Divirta-se Curitiba!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s