Kinoshita apresenta versão Primavera de seu famoso Omakase

ba40c87e4d7d66459835ed90bcf33aad_medium.jpg

Kinoshita apresenta versão Primavera de seu famoso Omakase

Novo menu em 9 tempos contempla iguarias inusitadas da estação

“Poucas experiências gastronômicas são tão admiradas ou tão surpreendentes quanto o omakase, um jantar japonês no qual os convidados confiam totalmente na escolha do chef e degustam receitas sazonais, elegantes e artísticas, preparadas com os ingredientes mais frescos disponíveis”, descreve o Guia Michelin, em sua edição brasileira. É neste prestigiado guia, que o Kinoshita desponta já há vários anos com uma estrela, mantida graças à qualidade de seus pescados e à inovação de seus preparos, sempre inusitados e surpreendentes.

Nesse início de primavera a casa apresenta nova edição do Omakase dedicada à estação, com um caprichado menu em nove tempos trazendo iguarias da alta culinária japonesa. O banquete inicia com Moru Kai Wagyu (mexilhão confit, gordura de wagyu, vinagre de jerez, pesto shissô e flor de sal); prossegue com Shiromi Kunsei (peixe branco defumado, terra de shitake e tomate confit); na sequência entram o Maguro Mujol Zarusoba (atum bati akami, macarrão de trigo sarraceno, caviar mujol, tsuyo, wasabi, gengibre e cebolinha) e o Robusuta Tempura – Gomadare ( Lagosta, tempurá, tepuraku, gergelim, molho gama dare e ikurá)

A sexta surpresa chega com o Sashimi Moriawase (seleção de peixes e frutos do mar) seguido do Niguiri Zushi (seleção de sushis especiais). A oitava iguaria é o Black Cod Missoyaki (peixe marinado no carvão, acelga chinesa, saikio missô, benishoga e karasumi). O final é coroado com O Yuzu (mousse de yuzu, chocolate branco, crocante de chocolate e yuzu líquido). O Omakase custa R$ 462,81 por pessoa, bebidas e serviço à parte.

“Jantar um omakase significa estar frente a frente com o chef, que observará a reação dos clientes, guiando-os pela melhor experiência possível. Para os chefs é sempre um enorme prazer, porque não se está simplesmente cozinhando, isolado na cozinha, mas acompanhando a reação dos seus clientes, o prazer da degustação”, comenta o crítico do Michelin, Jacob Dean, baseado em Nova York.

De certa forma, segundo ele, o omakase faz um contraponto ao kaiseki, uma refeição japonesa com várias etapas, construída com ingredientes sazonais e preparações simples. Existe, porém, uma diferença fundamental. Enquanto o kaiseki é uma refeição altamente ritualizada, com fluxos muito específicos, o omakase muda a cada ocasião, com o chef tomando decisões sobre o que cozinhar no meio do processo. A verdade sobre o omakase está na própria palavra: em tradução livre, significa “eu confio em você”.

Sobre o Kinoshita

Um dos restaurantes mais famosos de São Paulo, foi o primeiro a apostar na cozinha Kappô para levar aos brasileiros a genuina gastronomia japonesa mostrando níveis de excelência em sua vertente Washoku: produtos de temporada, apresentações impecáveis e uma harmonização perfeita dos ingredientes. Predominam os nigiris, dentre sashimis, temakis, yaimons (grelhados), entre outras iguarias, exibindo finas texturas, elegância e muito sabor.

No Kinoshita se preserva a tradição da cozinha kappô, que transita pelos diversos métodos de culinária: do corte preciso dos insumos e como cozinhar, grelhar, fritar, assar os ingredientes, potencializando seus sabores naturais. Um cozinheiro kappô é considerado um artesão no Japão, e para ele se tornar um profissional se exige pelo menos 15 anos de aprendizado. A cozinha kappô é considerada o ápice dos saberes culinários. 

Por sua vez, a culinária japonesa tradicional, conhecida como Washoku foi indicada como Patrimônio Cultural Intangível da Humanidade, pela Unesco, em 2013. Alguns quesitos que contribuíram para esta classificação incluem o respeito à sazonalidade dos insumos. Este saber está intimamente ligado ao ato de extrair o melhor de cada ingrediente, em sua melhor época. Uma maneira de apreciar esta sabedoria gastronômica é experimentar o kaiseki ryori, uma refeição em sequência que expressa bem as características de cada estação do ano à mesa.

A estética na apresentação é uma das características marcantes da culinária japonesa. Os cortes dos ingredientes, a disposição no prato, e a relação da comida com o recipiente, realçando as características naturais dos insumos fazem parte da preocupação do cozinheiro no preparo do washoku. Saúde. A culinária japonesa é concebida também se pensando na harmonização dos valores nutricionais dos ingredientes e sua maneira de preparar. Está comprovada que a culinária japonesa faz bem à saúde.

No Kinoshita você encontra tudo isso. Insumos próprios da estação, apresentação impecável e a harmonização perfeita dos ingredientes com os melhores métodos de preparo.

www.restaurantekinoshita.com.br

Rua Jacques Félix, 405

(11)3849.6940

Maguro Zarusoba
Joao Erbert

74aa780babef8c9ed103f50332c5b1fc_small.jpg
Muru Kai
João Herbert
595c6a184b11f16f8d05a620fdcabb61_small.jpg
Robusuta Tempurá
João Erbert
aefa12a2224166de7f6faef0be065703_small.jpg
Shiromi Kunsei
João Erbert
4f80bcd998d045829f6a498e71e25266_small.jpg
O Yuzu
João Erbert
*com divulgação

Categorias:AGÊNCIAS DE COMUNICAÇÃO, AGENDA DA SEMANA, AGENDA DO FIM DE SEMANA, BARES, Bebidas, BRASIL, COLUNA VANESSA MALUCELLI, DIVIRTA-SE, FREE LIFESTYLE, GASTRONOMIA, LANÇAMENTOS, PASSEIO, restaurantesTags:, , , , , , , , , ,

VanessaMalucelliAndersen

Colunista do Site — Divirta-se Curitiba!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s