“É um gesto de coletividade”: cientistas reforçam uso de máscaras em novas respostas para perguntas da sociedade

Novas dúvidas da sociedade sobre o coronavírus foram esclarecidas por cientistas da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Dessa vez, as perguntas foram respondidas por 11 pesquisadores da Universidade, que reforçam o uso de máscaras sempre que for necessário sair de casa. “Atualmente, usar máscaras é um gesto de coletividade e solidariedade, pois mesmo que para quem está usando máscara a proteção seja baixa, barra parte das gotículas produzidas ao falar, ao tossir e ao espirrar, protegendo os outros”, explicam.
As dúvidas da população sobre prevenção, contaminação e outros temas que envolvem a doença Covid-19 integram a campanha “Pergunte aos Cientistas”, da Agência Escola de Comunicação Pública e Divulgação Científica e Cultural da UFPR. Para participar, basta enviar a pergunta ao e-mail agenciacomunicacaoufpr@gmail.com ou no direct do perfil @agenciaescolaufpr no Instagram, com nome completo, idade, profissão e cidade onde reside.
Nessa semana, as perguntas foram respondidas pelas cientistas Maria Fernanda de Paula Werner, Juliana Geremias Chichorro, Janaina Menezes Zanoveli e Alexandra Acco, professoras do Departamento de Farmacologia, e Maria Carolina Stipp e Bruna Barbosa da Luz, doutorandas do mesmo departamento; Juliana Bello Baron Maurer, professora do Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular; Lucy Ono (integrante da comissão de especialistas), Edneia Cavalieri e Patricia Dalzoto, professoras do Departamento de Patologia Básica. Também participou o presidente da Comissão de Enfrentamento e Prevenção à Covid-19 da UFPR, Emanuel Maltempi de Souza, professor do Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular. Confira abaixo:
Prevenção
“Os chineses consideram que é um erro não usar máscaras, pois a Covid-19 pode ser transmitida mesmo por uma pessoa assintomática. A máscara, neste caso, deveria ser de uso de todos como apontam muitos cientistas na revista Science. Todo mundo está confuso com as informações. Uma hora o Ministério da Saúde diz que não é para usar, depois diz que deve. Devemos usar máscaras? Qual é o tecido ideal para a fabricação caseira destas máscaras?” (Claudia Quadros, professora de Comunicação da UFPR, Curitiba-PR)
Cientistas UFPR – Claudia, você tem toda a razão. Esse é um ponto que gerou muita confusão. A recomendação inicial era para não usar máscaras. Mas essa recomendação foi mudada – talvez porque toda essa situação é muito nova e estamos aprendendo juntos. Como você mesma disse, novos experimentos publicados estão subsidiando essas mudanças. O uso de máscaras é indicado sempre que for necessário sair de casa. Mesmo as máscaras caseiras diminuem a propagação do vírus por pessoas contaminadas, e diminuem novas infecções. Mas veja que a máscara impede que você emita gotículas, mas pouco protege você das gotículas dos outros. Por isso é importante cobrar de todos o uso da máscara. As máscaras caseiras, feitas com tecido, permitem a entrada de 70% a 90% das partículas pequenas (aerossóis) emitidas por uma pessoa que esteja a menos de dois metros de distância. Ou seja, não protegem o indivíduo de forma direta. Por outro lado, com o uso destas máscaras, a saída de partículas pequenas é reduzida em até 78%. Além disso, limita o contato manual, tornando-se uma barreira física entre as mãos potencialmente contaminadas e as vias respiratórias. Atualmente, usar máscaras é um gesto de coletividade e solidariedade, pois mesmo que para quem está usando máscara a proteção seja baixa, barra parte das gotículas produzidas ao falar, ao tossir e ao espirrar, protegendo os outros. Portanto, quando estiver fora de casa, use máscaras de proteção individual.
As máscaras:
– Podem ser feitas com duas camadas de tecidos como algodão e tricoline, ou três camadas de TNT.
– Podem ser utilizadas por até duas horas.
– Podem ser higienizadas com água e sabão neutro, ao estarem secas, passadas com ferro para então serem utilizadas novamente.
Lembre-se:
– Mesmo com uso das máscaras, as medidas de proteção individual, como lavagem das mãos com água e sabão e o uso do álcool 70% em gel devem ser mantidas.
– Mantenha distância de pelo menos dois metros.
– Evite levar as mãos ao rosto para coçar abaixo da máscara ou coçar os olhos.
– É necessário ter cuidado ao retirar a máscara, pois pode estar contaminada.
Ainda não há estudos que tenham quantificado o efeito do uso universal de máscaras para diminuir a velocidade de disseminação da Covid-19, no entanto, países asiáticos que têm esse hábito de usar máscaras para proteger o outro da exposição às gotículas contaminadas da sua orofaringe têm conseguido, aliado às demais medidas de distanciamento social e de prevenção baseadas em higiene das mãos e ambientes, diminuir a velocidade de propagação do novo coronavírus. O Ministério da Saúde não recomenda o uso de máscaras cirúrgicas e respiradores N95 pela população, solicitando que esses equipamentos de proteção individual comerciais sejam destinados ao uso dos profissionais da área de Saúde para que esses materiais estejam disponíveis para aqueles que estão sob maior risco de infecção. A última recomendação do Ministério da Saúde, apoiada pela Comissão de Acompanhamento e Controle de Propagação do Novo Coronavírus na UFPR, é pelo uso universal de máscaras caseiras pela população assintomática, o que não influenciaria na disponibilidade de máscaras cirúrgicas para os profissionais da área de Saúde.
“Tenho feito caminhada ao ar livre mesmo com a ameaça do coronavírus. Não venho utilizando máscara, mas agora a orientação do Ministério da Saúde é que todos usem máscara. Devo caminhar de máscara ou devo parar as saídas e fazer exercícios de casa?” (Tamires Sales de Quadros, 24 anos, estudante, Salvador-BA)
Cientistas UFPR – Olá, Tamires! As máscaras podem oferecer uma proteção adicional, sendo muito úteis ao sair de casa. O Ministério da Saúde está recomendando que todos, mesmo sem sintomas, de forma universal, usem máscara caseira (de tecido) ao sair de casa. Esta recomendação se baseia no fato de que, embora para quem esteja usando máscara a proteção seja baixa, barra parte das gotículas que produzimos ao falar, ao tossir e ao espirrar. Assim, o uso da máscara protege os outros (e não a nós mesmos). Por que usarmos para proteger os outros, se não apresentamos sintomas? Há evidências robustas da liberação de partículas virais por pessoas que foram infectadas e apresentam sintomas muito leves (a ponto de não serem diagnosticadas clinicamente) ou que simplesmente não apresentam sintoma. Mesmo nesses casos, essas pessoas podem transmitir o vírus por meio das gotículas que eliminam ao falar, tossir e espirrar.
Um novíssimo estudo indica que as pessoas correndo, andando de bicicleta ou se exercitando ao ar livre expelem gotículas pela boca e nariz a distâncias muito maiores, de até quatro metros. Mesmo que seja apenas um estudo de modelagem Matemática, é prudente manter maior distância de pessoas se exercitando (quatro a cinco metros) e também usar a máscara. Por isso, é importante manter o distanciamento social quando possível e só sair de casa em casos urgentes. Sabemos que as caminhadas são importantes e que deve continuar se exercitando para manter seu corpo e sua mente saudável. A atividade física é essencial para a manutenção da saúde e é recomendada, neste momento de isolamento social, também por contribuir com a diminuição da ansiedade. A melhor maneira, agora, é fazer exercícios em casa. Várias pessoas têm feito isso com o auxílio da internet. Se tiver acesso à internet, você pode pesquisar no Google ou YouTube a atividade física que desejar e encontrará várias aulas de 10, 20 ou 30 minutos. Se não tiver internet, você pode se alongar, fazer exercícios de força e movimentar seu corpo (subir e descer escadas, fazer pequenas corridas, polichinelos, abdominais, alongamentos etc.), sem sair de casa.
Recomenda-se que sejam evitadas ao máximo possível as saídas que não sejam essenciais, pois ao sair de casa pode-se ter contato com objetos contaminados e eventualmente encostar a mão no rosto após tocá-los. Além de outras situações imprevisíveis como a aproximação de pessoas nesses espaços públicos ou a necessidade de dividir elevadores para descer à rua, ou seja, o risco de infecção existirá. Somente diminuindo a circulação de pessoas, nesse momento em que os números de casos infectados e de mortes está se elevando no Brasil e em que ainda não existe medicação comprovadamente eficiente ou vacina contra a Covid-19, conseguiremos diminuir a velocidade de transmissão do vírus.
“O café onde trabalho irá voltar a funcionar e irá fornecer máscaras de tecido para os funcionários. Com o que higienizá-las sem água sanitária já que a máscara é preta e água sanitária iria manchar?” (Ana Carolina Rodrigues Minucci, estudante, 23 anos, Curitiba-PR)
Cientistas UFPR – Olá, Ana! É absolutamente necessário lavar as máscaras após o uso, mas basta usar água e sabão para lavar roupas comum. Esse é um método eficiente. O uso da máquina de lavar também é suficiente para a limpeza de máscaras. Neste caso, adicionais cuidados que podem ser utilizados (e caso ainda seja compatível com o tecido) incluem: usar a água na temperatura de 60 a 90 graus e utilizar a opção molho. Seque bem as máscaras, de preferência ao sol, e recomenda-se o uso de ferro de passar roupa. Lembre-se: as máscaras são para uso individual e também que não deve-se usar a máscara por muito tempo, pois o ar expirado úmido vai deixá-la molhada, facilitando contaminação. O ideal é trocá-la a cada duas horas e colocá-la em saco plástico até a hora de lavar.
Entre os desinfetantes recomendados pelo Ministério da Saúde, além da solução de água sanitária diluída, há a possibilidade de uso de soluções a base de peróxido de hidrogênio 0,5% para a desinfecção prévia à lavagem convencional das máscaras caseiras, e pode ser encontrado na formulação de desinfetantes para roupas hospitalares, preservando em parte a cor dos tecidos (deve ser usado de acordo com as instruções do fabricante). Além da recomendações de lavagem e desinfecção das máscaras caseiras de tecido, reforçamos a necessidade de uso correto das mesmas, o que pode ser acessado neste link.
“A Organização Mundial de Saúde (OMS) orientou usarmos um pouco de hipoclorito diluído na água para lavar as máscaras e roupas que usamos na rua. Porém tenho medo de manchar as roupas. Posso usar Lysoform para isso? É eficaz?” (Camila Nery, 28 anos, estudante, Santos-SP)
Cientistas UFPR – Olá, Camila! O uso da máquina de lavar deve ser suficiente para a limpeza e higienização de roupas. Pode-se utilizar o Lysoform como adicional cuidado na limpeza de roupas – duas recomendações: 90 ml ou um copo americano no processo final de lavagem (fabricante) ou usar diluído no programa pré-lavar/molho por cinco minutos. Como recomendação, fazer um teste inicial para verificar se o produto não causará nenhum dano ao tecido. Você pode ainda deixar de molho em sabão de lavar roupas em algumas horas para aumentar eficiência. Em caso de um baixo grau de contaminação viral, como parece ser a condição das roupas utilizadas, lavar com água e sabão e secar bem deve ser suficiente para a inativação viral. No caso das máscaras, também podem ser desinfetadas separadamente com solução diluída de água sanitária e enxaguadas, antes de serem colocadas para lavar juntamente com as outras peças de roupas. A máscara deve ser bem secada e, se possível, deve ser passada. Lembre-se que você deve usar por duas a três horas e então trocar, sempre sem tocar a frente da máscara, mas manuseando apenas pelo elástico ou fita.
“Tenho 63 anos, sou diabética tipo 2 e hipertensa. Sempre fiz caminhada, hidroginástica, musculação e pilates. Agora só dentro casa, como devo proceder? Gostaria muito de fazer pelo menos a caminhada” (Maria Aparecida Correa, Volta Redonda-RJ)
Cientistas UFPR – Olá, Maria Aparecida! Excelente gostar e praticar atividade física. Esse seu hábito com certeza ajuda a controlar sua diabetes e hipertensão. Você pode continuar se exercitando e deve fazer isso pelo seu corpo e para uma mente saudável. A melhor maneira, agora, é fazer exercícios em casa. Várias pessoas têm feito isso com ou sem o auxílio da internet. Se tiver acesso à internet, você pode pesquisar no Google ou Youtube a atividade física que desejar e você encontrará várias aulas de 10, 20 ou 30 minutos. Se não tiver acesso, você pode se alongar, fazer exercícios de força e movimentar seu corpo (subir e descer escadas, fazer pequenas corridas, polichinelos, abdominais, alongamentos etc.), sem sair de casa. Mudar os hábitos não é fácil. Mas nesse período de Covid-19 isso se tornou essencial. Boa sorte nessa fase, lembrando que é uma fase e vai passar! Que tal começar agora?
“É bom ter um nebulizador em casa?” (Ivani Marques, 32 anos, Salvador-BA)
Cientistas UFPR – Olá, Ivani! Boa pergunta. O nebulizador é um equipamento para auxiliar no tratamento de doenças respiratórias, como sinusite, bronquite, asma etc. Assim, a utilização adequada deste equipamento deve ser recomendada pelo médico ou por um profissional da saúde. Nenhuma recomendação de Sociedades Brasileiras (Pneumologia ou Pediatria) foi feita em relação à necessidade de adquirir nebulizadores para uso em casa. Por outro lado, nos serviços de pronto atendimento recomenda-se evitar o uso dos nebulizadores convencionais para mitigar possíveis contaminações e/ou transmissões. Além disso, em suspeita de Covid-19 deve-se dar preferência ao uso de broncodilatador em spray inalatório (“bombinha”). Para hidratar as vias aéreas se você vive em lugar muito seco, use soro fisiológico – lembre-se que o soro fisiológico é de uso pessoal: não deve ser compartilhado com ninguém, pois pode contaminar com conta-gotas usado por outra pessoa.
“A água sanitária pode ser guardada em frasco escuro para ser utilizada depois? Com a amônia quaternária o procedimento é o mesmo? Posso fazer a diluição e guardar num frasco com borrifador para limpar as embalagens vindas do mercado, maçanetas, pisos etc.?” (Eliane Américo, 38 anos, orientadora educacional, Valparaíso-GO)
Cientistas UFPR – Olá, Eliane! Sua preocupação é bem pertinente, pois vários fatores podem interferir na estabilidade das soluções de hipoclorito de sódio, como pH (medida de acidez da solução), temperatura, luminosidade, concentração, embalagem, contato com o ar, presença de matéria orgânica e íons metálicos. Aconselha-se armazenar a solução de hipoclorito de sódio em frascos bem fechados, protegidos da luz e em temperatura que não exceda 20 graus. Neste sentido, os frascos âmbar de vidro ou de plástico são práticos, pois protegem o hipoclorito da ação da luz. Um estudo mostrou que soluções de hipoclorito mantidas nestes frascos e em refrigeração se mantiveram estáveis por cerca de 120 dias. Importante ressaltar que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomenda aos consumidores a utilização somente de produtos regularizados. O ideal é dar preferência aos saneantes classificados nas categorias “água sanitária” e “desinfetante para uso geral”, e que apresentem no rótulo o número de registro na Anvisa ou de notificação. A concentração de hipoclorito que inativa em até um minuto o SARS-CoV2 é de 0,1 % (diluição contendo uma parte de água sanitária e 25 partes de água ou aproximadamente três ou quatro colheres de sopa de água sanitária e um litro de água). Em geral recomenda-se que essa solução seja preparada diariamente quando mantida em frasco como o borrifador sem perda de eficiência, mas encontramos pelo menos um estudo que mostrou que após 30 dias nesse tipo de frasco e à temperatura ambiente houve redução de aproximadamente 50% de cloro ativo. O cloreto de benzalcônio é o sal de amônio quaternário mais comumente utilizado. É um agente eficiente contra bactérias patogênicas e parece ser de menor eficácia em baixas temperaturas (8 graus) do que em temperatura mais elevada (20 graus). Mas são poucos estudos que testam a eficiência desse desinfetante contra coronavírus. Alguns ensaios indicam que cloreto de benzalcônio a 0,05-0,2% é menos eficiente para inativar coronavírus SARS-CoV1 do que etanol 70% ou hipoclorito de sódio 0,1%, que são os desinfetantes de escolha para esse vírus. Por isso tem se sugerido uso de álcool 70% ou hipoclorito de sódio a 0,1 %, que tem capacidade de inativar o coronavírus em um minuto ou menos. O cloreto de benzalcônio é um composto bastante estável à temperatura ambiente e numa ampla faixa de pH. Assim, é possível guardar a solução estável em borrifador durante o uso por alguns dias sem perda de eficiência.
Contaminação
“Se uma pessoa com Covid-19 assintomática está numa piscina, todas as pessoas que estiverem naquela piscina serão contaminadas?” (Keila Corrêa Bittencourt, 35 anos, economista, Curitiba-PR)
Cientistas UFPR – Olá, Keila! Provavelmente não, mas depende de qual é o tratamento da água desta piscina. Segundo a Sociedade Brasileira de Salvamento Aquático, com base nas instruções da Organização Mundial de Saúde (OMS), água clorada com um a três partes por milhão (ppm) de cloro na piscina inativa o novo coronavírus em menos de 30 minutos. O risco de adquirir a Covid-19 dentro da piscina é pequeno ao se manter um distanciamento de três metros entre seus frequentadores. Além disso, tem o fator de diluição: algumas gotículas de saliva na água serão diluídas em milhares de litros de água, diminuindo muito a chance de que vírus encontre seu alvo. Assim, é improvável que alguém seja contaminado pela água da piscina.
Mas há questões importantes a serem lembradas:
1) O spray respiratório produzido ao nadar é semelhante à tosse e ao espirro, podendo ter a mesma amplitude de contágio.
2) O principal local de contaminação nesta situação são os vestiários, cadeiras compartilhadas e áreas comuns próximas à piscina.
3) Pessoas com qualquer sintoma que possa remeter à Covid-19 devem permanecer em distanciamento social – não devem frequentar piscinas ou salas de ginástica que sejam de uso comum em condomínios ou clubes.
Os cuidados são importantes porque não se tem ainda muitas evidências da sobrevivência do coronavírus na água limpa ou em esgoto. Pela característica deste vírus, de ter um “envelope” lipídico pouco resistente que o envolve, é provável que se torne inativo significativamente mais rápido do que vírus entéricos humanos não envelopados com conhecida transmissão por água, tais como adenovírus, rotavírus e vírus da hepatite A. Considerando os riscos citados acima, não recomendamos uso de piscinas comunitária nesse momento de alta disseminação do novo coronavírus.
“É verdade que o ciclo do vírus no organismo é de aproximadamente 15 dias? Então se fizer o exame de sorologia um mês depois de apresentar os sintomas o resultado será negativo?” (Eliane Alberti, 42 anos, professora UFPR, Piraquara-PR)
Cientistas UFPR – Olá, Eliane! O período de incubação do vírus, que seria o tempo entre a infecção e os sintomas da doença varia de um a 14 dias, em geral de três a sete dias, de acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). Mas há relatos de casos discrepantes com período de incubação de até 27 dias. O tempo de recuperação médio da doença para casos leves é de duas semanas e de três a seis semanas para casos graves. Como na maioria dos casos o vírus não está presente depois de 14 dias, a recomendação é de isolamento domiciliar para pacientes com Covid-19 com sintomas leves. Pacientes hospitalizados podem ser testados para confirmar a eliminação do vírus antes de terem alta. Se o teste para a Covid-19 for um exame sorológico que detecta anticorpos (IgG/IgM) contra o vírus, indicará infecção em progresso (IgM positivo) ou passada (IgG positivo). Mas esse teste só dá positivo depois do desenvolvimento de anticorpos, aproximadamente sete a 10 dias após aparecimento de sintomas. O teste de RT-PCR detecta diretamente o material genético do vírus (RNA viral) e dá positivo a partir da infecção, quando o vírus começa a se replicar no paciente. Os vários tipos de testes imunológicos também apresentam características distintas como diferentes sensibilidades e especificidades. Se esse exame de detecção de RNA viral for feito após 30 dias do início dos sintomas, em um quadro leve ou assintomático de Covid-19, é provável que seu resultado seja negativo. Mas se nesse período de 30 dias sugerido por você forem usados testes de sorologia para detecção de anticorpos contra o novo coronavírus no sangue, serão positivos. Mesmo o vírus não estando mais presente na amostra clínica, os anticorpos que o sistema imune produziu contra ele poderão ser detectados. Dados epidemiológicos da Covid-19 ainda estão sendo estudados para conhecer melhor a forma de transmissão, a progressão e as respostas imunológicas frente ao SARS-CoV-2.
“Nos últimos dias foram noticiados o contágio em felinos, um gato e uma tigresa. Há a possibilidade de que eles possam se tornar hospedeiros intermediários para o SARS-CoV-2? Isto é, a doença poderia se espalhar entre eles e, porventura, nos contaminaríamos em contatos com esses animais? Além disso, há alguma chance de que o Aedes aegypti possa se tornar um transmissor do vírus?” (Wesley Rodrigo Santos, 27 anos, estudante, Curitiba-PR)
Cientistas UFPR – Muito importantes e pertinentes essas perguntas, Wesley. De acordo com estudo publicado na revista Science, os gatos se mostraram suscetíveis à infecção para SARS-CoV-2. Porém, não foi verificado se os gatos podem ser hospedeiros intermediários ou vetores para transmissão do vírus. Recomenda-se, por questão de higiene pessoal, sempre lavar as mãos após brincar com qualquer pet. O mais importante é manter os animais de estimação afastados de pessoas com Covid-19 que estejam se tratando em casa. Essas pessoas precisam ficar em isolamento doméstico seguindo regras estritas para não terem contato com outras pessoas e nem com animais de estimação. Então reforçamos que não há registro de transmissão do SARS-CoV2 de animais de estimação para humanos.
O Aedes aegypti é vetor de doenças chamadas arboviroses, que são doenças provocadas por vírus que estão presentes na circulação sanguínea e cujo ciclo de vida depende de passagem por um artrópode (que é o mosquito). Ou seja, vírus como da dengue e febre amarela provocam doença no mosquito também e o mosquito doente transmite o vírus para humanos quando vai se alimentar. O SARS-CoV-2 não é capaz de se replicar no Aedes aegypti e também não há evidência de que esteja presente no sangue de pessoa com Covid-19. Assim, até o momento não há nenhuma informação de que o Aedes aegypti possa ser transmissor do SARS-CoV-2. A principal forma de transmissão da Covid-19 é de pessoa para pessoa. O que se sabe até agora é que o receptor utilizado por esse vírus está presente em células de outros tipos de primatas, humanos e porcos, e que há uma similaridade desse vírus aos encontrados em morcegos.
“Não sou do grupo de risco, tenho 36 anos, nenhuma comorbidade, pratico exercícios físicos e me alimento bem. Se minha imunidade estiver ok e eu entrar em contato com o vírus, obrigatoriamente eu vou desenvolver a doença (ou ficar com o vírus no meu corpo e ser um transmissor assintomático) ou pode ser que eu não contraia a doença por ter uma imunidade alta?” (Aline Marchese, 36 anos, professora de Agronomia UFPR, Curitiba-PR)
Cientistas UFPR – Aline, não há certeza. Os dados têm mostrado que qualquer um pode ser infectado pelo vírus, em qualquer idade e qualquer condição de saúde. A taxa de infectados decresce com a idade, especialmente abaixo de 20 anos. A faixa de 30 a 39 anos constitui 17% dos doentes na China. Esses números variam um pouco dependendo da estratificação etária da população. Não há evidência indicando que uma pessoa “saudável”, sem comorbidade, será refratária à infecção. Comorbidade influi na probabilidade de desfecho positivo, assim como sexo. Mulheres sem comorbidade têm probabilidade menor de morte, mas não necessariamente de desenvolver a forma mais grave da doença. É possível que você entre em contato com o vírus, não desenvolva a doença, e seja uma portadora assintomática, mas capaz de transmitir o SARS-CoV-2 uma vez que a Covid-19 é contagiosa durante o período de latência. Pode ser que também não contraia a doença – não se pode dizer que seja por sua imunidade alta ou por outros fatores como carga viral, por exemplo. É comum na medicina humana relatos de infecções que não apresentam sintomas ou manifestação clínica.
A prática de exercícios físicos regulares e uma alimentação adequada podem contribuir sim para a manutenção de um estado hígido necessário para uma resposta imune que seja a mais adequada para a contenção da multiplicação do vírus. Mas mesmo dentro dessa condição ideal de condicionamento físico e alimentação, a exposição ao vírus poderá levar à infecção, sem aparecimento de sintomas ou com sintomas muito leves ou ao aparecimento de sintomas moderados e até mesmo graves. Ou seja, não é um impeditivo para o desenvolvimento de sinais e sintomas da doença. Dados epidemiológicos da Covid-19 ainda estão sendo estudados para conhecer melhor sobre a transmissão, a progressão e as respostas imunológicas frente ao SARS-CoV-2.
“Corro algum risco de contaminação indo ao meu sítio nos fins de semana? Entro no carro na garagem de casa e só saio no sítio – lá não terei contato com ninguém. Na volta para casa procederia da mesma maneira. Somos meu marido e eu com 73 e 71 anos, respectivamente” (Ângela Trece Lopes, 71 anos, economiária aposentada, Belo Horizonte-MG)
Cientistas UFPR – Olá, Ângela! Você e seu esposo são do grupo de risco. Portanto, o distanciamento social é altamente recomendado. Se vocês não têm contato com ninguém em casa e no sítio, correm pouco risco de serem infectados. Se alguém além de vocês tiver acesso à casa do sítio, pode ser uma fonte de contaminação. Portanto, importante manter a casa bem arejada na sua chegada e limpar as superfícies, de preferência, com álcool 70%. O vírus pode sobreviver em superfícies. É importante higienizar todos os produtos que chegam da farmácia e supermercado para que o vírus não tenha acesso à sua casa através desses produtos. Durante a higienização dos produtos, procure não levar as mãos ao rosto e lave bem as mãos com água e sabão quando terminar. Dê preferência às compras por telefone ou aplicativo ou peça ajuda aos mais jovens, evitando assim locais fechados e com aglomeração de pessoas. Além disso, devemos sempre considerar que a parte externa do carro está exposta ao vírus. Desta forma, é recomendado que após tocar a parte externa, como a porta e porta-malas, seja usado o álcool 70% para higienizar as mãos. É importante também limpar o volante, a marcha e o freio de mão com um papel toalha embebido em álcool 70%. Os tapetes do carro também devem ser lavados periodicamente com água e sabão, pois nossos sapatos levam a sujeira para o interior do carro. E sempre lavar as mãos com água e sabão, mesmo que não tenha tido contato com outras pessoas. Recomendamos que pesem a decisão de se deslocarem de casa, a probabilidade de acontecimento de imprevistos que poderiam levar ao contato não programado com outras pessoas e o fato de normalmente os locais como sítios, por serem afastados das cidades, levarem a maiores dificuldades de acesso a hospitais e unidades de saúde caso surjam emergências médicas. Parabéns pela sua preocupação e continuem praticando o distanciamento social, tão importante nesse momento para diminuir a velocidade de propagação da Covid-19 no Brasil.
“Tenho hipertensão e tomo o medicamento Losartana 50mg de 12 em 12 horas. Mesmo eu não tendo mais de 60 anos, também sou considerado do grupo de risco?” (Jean Pscheidt Weiss, 26 anos, químico, Curitiba-PR)
Cientistas UFPR – Essa deve ser uma dúvida de muita gente. A relação entre o uso de medicamento losartana (que é da classe dos bloqueadores do receptor AT1 da angiotensina 2 ou ARBs) e a maior propensão à infecção do SARS-CoV-2 é baseada em hipótese e não confirmada – ou seja, não é baseada em evidência clínica. De acordo com a Sociedade Brasileira de Cardiologia, os hipertensos não devem em nenhuma circunstância deixar de tomar o hipertensivo prescrito e qualquer modificação do tratamento deve ser avaliada pelo seu médico. Quanto à sua pergunta, a resposta é sim. Você faz parte do grupo de risco. Em números significa o seguinte: pacientes com Covid-19 que são hipertensos têm 6-8% de morte enquanto os que não tem uma comorbidade têm risco abaixo de 1%. É uma grande diferença e por isso você precisa ser extra cuidadoso. Mas se sua hipertensão estiver descontrolada, o risco pode aumentar. Por isso, não deixe de tomar seu medicamento e monitore sua pressão. As pessoas hipertensas, assim como os portadores de doenças cardíacas e respiratórias crônicas, diabéticos e em tratamento contra câncer, devem reforçar as medidas de prevenção indicadas pelo Ministério da Saúde e pela Organização Mundial da Saúde. Fazer distanciamento social rígido (só saia de casa se for essencial e mantenha distância de pessoas que coabitam com você e precisam sair), lavar as mãos, usar de álcool gel quando necessário, usar máscara etc.
“Qual é a projeção percentual de contágio por Covid-19 nas pessoas que hoje estão confinadas? Findo o confinamento estas pessoas estarão em contato com possíveis pessoas ainda contaminadas. Se para chegar ao Brasil bastaria uma pessoa assintomática, por que não haverá contaminação? Por que o número total de contaminados na hipótese de ausência de restrição de contato social poderia ser maior que a soma do número de pessoas contaminadas durante a restrição do confinamento de contato social? Mais o número de pessoas que serão contaminadas após o fim da restrição de contato social? Mais os casos de pessoas recontaminadas? Imaginaria que o confinamento somente teria evitado as mortes por insuficiência de leitos se o pico ultrapassasse a capacidade hospitalar do Brasil. Estou certo? O número de imunes e ou imunizados seria sempre o mesmo nas duas situações, se não aparecer remédio ou vacina” (Liamar Bicalho, 77 anos)
Cientistas UFPR – Liamar, estudos realizados nos Estados Unidos e no Reino Unido utilizaram modelos Matemáticos para tentar prever possíveis cenários da pandemia no Brasil, considerando o confinamento ou não da população. O fato é que diante do cenário atual não dispomos de vacinas e nem medicamentos específicos para prevenir a contaminação e tratar a Covid-19. Até o momento, tanto a Organização Mundial da Saúde (OMS) quanto o Ministério da Saúde recomendam o isolamento social como importante ferramenta de saúde pública, pois diminuem significativamente o número de contágio por Sars-CoV-2. Estudos demonstraram que o percentual de incidência de Covid-19 entre pessoas que estão sob isolamento social é de 1,5%, considerando pessoas com histórico de viagens e que estiveram em contato com casos suspeitos. Atualmente, o Brasil não tem testes suficientes para avaliar a quantidade de pessoas que foram contaminadas e que pertencem ao grupo dos assintomáticos. Então, mesmo que nossas medidas de saúde pública não consigam conter completamente a disseminação da Covid-19 por causa das características do vírus, ainda serão eficazes para atrasar o início da transmissão generalizada na comunidade, reduzindo a incidência do pico da doença e seu impacto nos serviços públicos. Levando em consideração a gravidade dos sintomas clínicos, caso não houvesse isolamento social o número de leitos disponíveis não seria suficiente para atender todos os pacientes. Enquanto ainda não contarmos com testes suficientes para contabilizar a porcentagem de indivíduos que já foram contaminados com o Sars-Cov-2 não temos como fazer previsões nem como estimar a possibilidade de recontaminação. É preciso ainda lembrar que situações de pandemia como essa têm reflexos diferentes em países onde há grande desigualdade social, como é o caso do Brasil. Quando todos praticam o distanciamento social, permanecendo nesse momento em suas residências, estaremos ajudando a proteger também as parcelas mais vulneráveis socialmente da população brasileira. Enquanto não dispomos de medicamentos comprovadamente eficientes para tratar as pessoas infectadas, de vacinas seguras e eficientes e de testes para avaliar a população de modo geral, as medidas de distanciamento social são nesse momento o único recurso de que dispomos (associado às medidas de higiene de mãos e superfícies) para diminuir a velocidade de propagação do novo coronavírus. Como você mesmo observou temos mais interrogações do que respostas, mas é possível prever alguns cenários:
1) Se não houver regras de distanciamento social rígidas nesse momento, o fato de termos transmissão comunitária disseminada significa que o número de novos casos crescerá exponencialmente, dobrando a cada três a quatro dias no máximo. Nessa situação nosso sistema de saúde entra em colapso, pois cerca de 5% a 8% dos doentes precisam de cuidados em unidade de terapia intensiva (esse número parece estar se mantendo em todos os países). Podemos imaginar que os médicos teriam que escolher quem vive e quem morre. Os modelos mencionados acima preveem esta situação explosiva.
2) Podemos viver numa situação de distanciamento social que mantenha um número de casos novos em equilíbrio com o número de pessoas recuperadas e falecidas. Essa situação perdura até que número substancial da população estiver imunizada (as estimativas variam de 50% a 70%) ou descoberta de uma vacina. Há incertezas a respeito de recontaminação (estudo recente citado pela OMS diz que algumas pessoas não desenvolvem anticorpos contra o novo coronavírus), duração da imunidade, além de ser difícil definir o ponto de equilíbrio e a duração e quando vacina estará disponível.
3) Podemos aplicar regras rígidas até que o número de casos novos esteja bastante reduzido, nosso sistema de saúde tenha folga de leitos de UTI (números precisam ainda ser determinados). Nesse momento, duas ações são necessárias: afrouxar distanciamento social progressivamente com regras bem definidas (algumas regras de distanciamento devem ser permanentes como eliminar contato físico ao cumprimentar, uso de máscaras, eliminação de filas etc.), estabelecer um sistema de monitoramento por exames abrangentes e vigilância constante. Nesse cenário, a cada novo caso, todos contatos dessa pessoa são identificados e testados para barrar a transmissão, uma estratégia chamada de “contact tracking”. Além disso, seria importante analisar amostras da população para presença do vírus em assintomáticos (escolhidas usando análise estatística) e presença de anticorpos contra SARS-CoV-2.
Esses cenários são bem simplificados. Entre essas possibilidades a terceira parece trazer mais benefício com as informações que dispomos. Exemplos de aplicação dessa estratégia encontra-se a Coreia do Sul, China e Alemanha. Na Coreia do Sul e China o número de novos casos é bastante reduzido, depois de uma fase de crescimento exponencial. A Alemanha ainda tem um grande número de casos, mas um número de mortes muito menor que em outros países com características semelhantes.
Confira outras perguntas da sociedade sobre coronavírus respondidas por cientistas da UFPR
Ida ao mercado, caminhada e imunidade: cientistas da UFPR respondem novas perguntas da sociedade sobre coronavírus
“É verdade que todos vão pegar coronavírus?”: cientistas da UFPR respondem novas perguntas da sociedade
Saiba tudo sobre as ações da UFPR relacionadas ao coronavírus

Projeto inspirador da Duplo Produções Culturais

@duploproduçõesculturais que teve essa ideia bacana para promover nossos artistas!!
👇🏽
Projeto inspirador da Duplo Produções Culturais:
Você artista pode se inscrever gratuitamente e se conectar a esta Rede para promover o seu trabalho!
Você empreendedor, empresário, e/ou executivo de marketing pode se inscrever gratuitamente também! Incentive a cultura para seus colaboradores e clientes e contrate esses profissionais para desenvolver ações criativas para impactar seus públicos no período de quarentena e após sairmos desta crise do Covid-19!
O objetivo é aproximar o artista de marcas, produtoras e produtores independentes para gerar parcerias e movimentar o segmento da arte e da cultura no Paraná!
Participe! Compartilhe!
O teatro, a música, a dança e as artes visuais (como já percebemos em algumas ações pioneiras online) aproximam e propõem uma experiência inesquecível. A hora é agora!!

Concha Y Toro lança campanha #continue e disponibiliza curso de vinhos online gratuito

Rótulos Marques de Casa Concha e Casillero del Diablo protagonizam ações e campanha digital. Curso EAD já está disponível a partir de hoje

A Vinicola Concha Y Toro Brasil, filial e distribuidora do Grupo Concha Y Toro no país, sensível ao cenário de quarentena e isolamento social impostos pelo avanço do coronavírus mobilizou sua equipe de marketing e vendas em São Paulo para deflagar este mês ações de relacionamento e a campanha #continue junto a consumidores, influenciadores digitais e mídias em geral.

Entre outras iniciativas, a VCT também está disponibilizando um curso EAD para que amantes do vinho possam desfrutar de seu fascinante universo. O curso é ideal tanto para iniciantes quanto para iniciados, pode ser acessado através deste link e estará disponível a partir de quarta-feira, 15 de abril.

A Concha y Toro acredita que nesses momentos todas as marcas devam disponibilizar seus conteúdos e informações para que amantes do vinho continuem desfrutando de conhecimento, degustando e aprendendo mais sobre seus rótulos preferidos. A mensagem que a vinícola chilena quer passar é que todos continuem fazendo aquilo que mais gostam, mesmo no isolamento social. Seja preparando uma receita, maratonando séries preferidas, fazendo lives ou calls com amigos, a ideia é que todas essas atividades possam ser prazerosas, ainda que em quarentena.

A hashtag #continue define o espírito da campanha que tem como protagonistas os rótulos Marques de Casa Concha – como companheiro na hora de preparar receitas e compartilhá-las com os amigos – e Casillero del Diablo - para seguir fazendo tudo o que as pessoas mais gostam, sem que abdiquem de seus pequenos prazeres, entre os quais, uma boa taça de vinho.

Confira aqui a URL do curso EAD: https://www.youtube.com/channel/UCH_ZwYUmBgnMhDzX7e444aA?guided_help_flow=3

Sobre a Concha Y Toro

Fundada em 1883, a Concha Y Toro se tornou o principal produtor de vinhos da América Latina, com uma posição de destaque entre as mais importantes empresas de vinho do mundo e presença em mais de 130 paises. A empresa possuir cerca de 11.600 hectares de vinhedos no Chile, Argentina e Estados Unidos. Seu portfolio inclui os ícones Don Melchor e Almaviva e suas emblemáticas marcas Marques de Casa Concha e Casillero del Diablo, além de vinhos Trivento, da Argentina, e Fetzer, da California. A companhia conta com mais de 3 mil funcionários e seus escritórios principais estão em Santiago, Chile.

Daj Resort & Marina faz manutenção e prepara novidades para receber hóspedes no fim da quarentena

Em tempos de quarentena, viajar, aproveitar o sol e o lazer está entre os maiores desejos de quem gosta de pegar a estrada e curtir a vida com amigos, em casal ou com a família.

Para que esse desejo seja realizado da melhor forma, quando for possível, o Daj Resort & Marina mantém suas atividades de manutenção das piscinas, pomar e outras áreas de lazer, além de planejar novas atividades com o intuito de oferecer o que há de melhor para os hóspedes.

“Mantivemos um número reduzido de funcionários para poder manter os quartos higienizados e ventilados e a conservação das áreas externas e de lazer. Além disso estamos planejando novidades como curso de gastronomia para nossos hospedes ”, explica a gerente do resort, Silmara Camargo.

Com o reconhecimento “Traveller Review Awards 2020”, do Booking.com por atingir nota de 9.6 na avalição dos hóspedes, o Daj oferece o que há de melhor em conforto, requinte e lazer.

Destaque para as piscinas externas com bar molhado para aproveitar até o ultimo raio de sol e uma das maiores piscinas internas do Brasil com água aquecida e cromoterapia que é um convite para relaxar no final do dia. O hóspede pode aproveitar ainda uma das massagens terapêuticas no Jaune Spa By L’Occitane.

Campo de futebol, quadra de tênis, pescaria, bicicletas, sala de cinema, espaço kids, tênis de mesa, recreadores, completam as opções de lazer do Daj.

As amplas e confortáveis acomodações permitem duas crianças de até 11 anos no quarto do casal como cortesia. São 32 suítes que vão de 90 m2 a 110 m2, com mini-cascata e ofurô exclusivos na opção Brilliant. O resort oferece kit infantil com berço, enxoval e mini banheira, além da disponibilidade de copa do bebê.

Todas as acomodações possuem sofá-cama e camas box, closet, mobília completa, cofre eletrônico, smart TV 55” com canais Sky, frigobar, ar-condicionado.

Localização

Localizado na divisa entre os estados do Paraná e São Paulo, às margens da represa de Chavantes com suas águas translúcidas, o DAJ é o melhor destino para quem quer chegar de carro, sem o custo de passagens aéreas, de diversas cidades dos estados de São Paulo e Paraná. Está localizado a 390 km de Curitiba, São Paulo e Campinas; 350 km de Rio Preto e Piracicaba; 280 km de Ponta Grossa e Maringá; 240 km de Presidente Prudente e Apucarana ; 185 km de Londrina; 150 km de Marília e Bauru, 45 km de Ourinhos.

Serviço:

Daj Resort & Marina – Ribeirão Claro-PR - Rodovia Bernardino Teodoro Ribeiro, km 0,3, Ribeirão Claro

Informações e Reservas (43) 3371-3901 ou (43) 9 9149-9370

Adriano Rattmann – (41) 999764020
Simone Bello - (41) 999850332

Loubet realiza live em parceria com o Canal do Boi

downloadAttachment&Message%5Buid%5D=167066&Message%5Benvelope%5D%5Bmessage-id%5D=%253C05a401d6135a%252408bd0cc0%25241a372640%2524%2540criarteproducoes.net%253E&Message%5BmailBox%5D%5Bmailbox_id%5D=INBOX&MessageAttachment%5B%5D%5Battachment_id%5D=%3C05a401d6135a%2408bd0cc0%241a372640%24%40criarteproducoes.net%3E-1.2

Fotos em alta (créditos: Pedro Renato @pedrorcl) - https://we.tl/t-EircFlZ08B

Nesta sexta-feira, 17 de abril, a partir das 20h, Loubet, em parceria com o Canal do Boi (Canal 190 da Claro TV/Net), fará uma live (#AGROLIVE) com transmissão simultânea na TV e no canal oficial do cantor no YouTube (https://www.youtube.com/loubetoficial). Durante pouco mais de duas horas, o artista apresentará algumas canções e destacará a importância do agro durante a pandemia.

“Vai ser muito legal! Vamos cantar muita música bacana, não só músicas do meu repertório, mas também canções de artistas do Brasil inteiro. E eu conto com a audiência da galera que curte sertanejo”, adianta Loubet.

O objetivo da live é falar sobre a importância de as pessoas ficarem em casa e ajudar quem precisa. Durante o show, será disponibilizado um QR Code que destinará as doações para a AACC/MS (www.aacc.ms.org.br), que assiste mais de 600 crianças e adolescentes carentes com câncer. Além disso, um número de telefone será destinado para doações de alimentos e cestas básicas que serão distribuídos para outras instituições.

“O intuito da live é ser solidário, ajudar quem precisa, matar as saudades dos palcos e passar também a mensagem sobre o agro, que eu acho muito importante. O sertanejo veio do campo, da lida e sempre contou essas histórias, então falaremos sobre isso também, como o agro está ajudando o Brasil e ajudando as pessoas que ficam em casa a terem um alimento. O agro não para”, destaca Loubet.

Recentemente Loubet lançou o primeiro volume do DVD ‘Ao Vivo no Coração do Brasil’, gravado novembro passado, no Coração Sertanejo, em São Paulo. O projeto contou com as participações especiais de Fernando e Sorocaba e Israel e Rodolffo. Ao todo foram captadas 15 faixas que serão divulgadas em três EP´s, com cinco faixas cada. No dia 24 de abril o artista lança em todas as plataformas de streaming a segunda parte do trabalho. No YouTube, os vídeos inéditos serão disponibilizados semanalmente.

Loubet Ao Vivo no Coração do Brasil VOL 1:
https://www.youtube.com/watch?v=NL2S0jdlaqk&list=PLXYA9yLixxX8QNgDfM1mo6DZzH3M_arfw

downloadAttachment&Message%5Buid%5D=167066&Message%5Benvelope%5D%5Bmessage-id%5D=%253C05a401d6135a%252408bd0cc0%25241a372640%2524%2540criarteproducoes.net%253E&Message%5BmailBox%5D%5Bmailbox_id%5D=INBOX&MessageAttachment%5B%5D%5Battachment_id%5D=%3C05a401d6135a%2408bd0cc0%241a372640%24%40criarteproducoes.net%3E-1.3

Festival de Teatro Infantil do Paraná encerra inscrições com 207 espetáculos de 80 cidades de todo o Brasil

A organização do Festin Paraná está analisando o cenário de pandemia para definir se manterá a data divulgada inicialmente

O Festival de Teatro Infantil do Paraná, o Festin Paraná, recebeu inscrições de 207 espetáculos para a edição deste ano, prevista inicialmente para o mês de agosto, entre os dias 18 e 23. O prazo encerrou no dia 5 de abril com companhias de todo o Brasil. Realizado pela terceira vez na cidade de Cascavel, o festival tem como grande novidade a participação especial de uma companhia internacional. Com o cenário de pandemia de Covid-19, a organização do Festin está analisando se irá manter a data ou se haverá alterações no calendário. A confirmação deverá ser anunciada com o resultado do edital, a partir de 5 de maio.

A abrangência geográfica foi um dos diferenciais entre os inscritos desse ano, conforme explica a coordenadora de produção do festival, Bruna Bayley. “Posso afirmar que metade das companhias inscritas é do Estado de São Paulo e que a grande diferença desse ano foi a adesão de grupos do interior”, conta. Os organizadores receberam inscrições de companhias de 80 cidades diferentes neste ano, contra 72 cidades em 2019.

“O número de grupos do Rio de Janeiro também surpreendeu. Depois desses dois Estados, os maiores números de inscrições vieram de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul”, avalia Bayley, lembrando que também chegaram inscrições da Bahia, Minhas Gerais, Espírito Santo, Distrito Federal, Alagoas, Ceará, Rio Grande do Norte, Pernambuco, Piauí, Paraná, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará e Amazonas.

Todo o processo de inscrição desta edição foi online. Os interessados enviaram a ficha de inscrição preenchida além de um vídeo da peça e dos demais documentos exigidos no edital, disponível no site do festival. Entre os inscritos, oito espetáculos serão selecionados. No total 10 companhias se apresentarão, sendo que duas serão convidadas a compor a programação especial desta edição.

Os nomes dos selecionados deverão ser conhecidos no mês de maio.

O festival é patrocinado pela Syngenta Brasil e tem o apoio cultural dos Hotéis Bourbon – Cascavel.

DELIVERY PRÓPRIO E VENDA DE MASSAS ARTESANAIS PARA QUEM GOSTA DE COZINHAR EM CASA

TERRAZZA 40 ANUNCIA
A partir de hoje (23.03) restaurante fará venda on-line de vários
pratos do menu com entrega agendada, a partir das 18h

Para trazer aos clientes a tranquilidade e segurança que o momento pede, o restaurante panorâmico Terrazza 40 anuncia nessa segunda feira (23.03) o início de seu delivery próprio, além da venda de massas artesanais congeladas produzidas pela Chef da casa. As opções estão disponíveis na loja on-line https://www.terrazza40.com/emcasa e a compra pode ser feita a qualquer hora do dia, via PayPal, mediante pagamento antecipado.

As entregas estarão disponíveis todos os dias da semana, a partir das 18h, e será feita com uma equipe própria do restaurante, treinada para a situação, em horário programado. “Eles estão treinados, utilizando máscara, luva e álcool em gel, principais medidas preventivas para a contenção da propagação do vírus. O próprio pagamento antecipado é uma medida de prevenir, justamente por ser online e não precisar do contato próximo entre entregador e cliente”, comenta Marcelo Campos – gestor estratégico do restaurante.

Entre as opções, pratos salgados que servem duas pessoas a partir de R$ 82.50, sobremesas com valor fixo de R$ 14.90 (entre elas a campeã de vendas Torta Alfajor, nas versões ganache e doce de leite), massas congeladas a partir de R$ 5, espumantes e vinhos.

SERVIÇO
Site p/ compra e pagamento: https://www.terrazza40.com/emcasa
Contato para informações: 041. 98753.0898
Pratos servem duas pessoas

IMPORTANTE
O almoço no Terrazza 40 está suspenso temporariamente. O jantar está disponível todos os dias, das 19h às 00h, com operações limitadas a 45 clientes em cada turno e 5 colaboradores em salão, seguindo determinações dos órgãos competentes. A casa mantém janelas sempre abertas, com ambiente arejado, mesmo que com o ar funcionando. Clientes sem reservas somente serão atendidos dentro da nova capacidade de atendimento informada, não sendo permitido ficar no ambiente para esperar liberação de mesa. O restaurante alerta que o serviço pode sofrer atraso, visto que após cada atendimento é feita higienização das mesas, cadeiras, cardápios, etc. Cuidados redobrados também com limpeza e higienização de elevadores, fechaduras de portas, corrimãos de escadas, talheres e demais utensílios usados. Álcool em gel está disponibilizado em pontos estratégicos do observatório e todos os colaboradores acima de 60 anos e/ou com problemas respiratórios foram afastados durante tempo indeterminado, medida também adotada para profissionais que, nos últimos 12 meses, passaram por algum procedimento cirúrgico.

CURITIBA: Bar de Cervejas Artesanais promove live para mutumzeiros

1º evento cervejeiro “mutumzeiros online” será no sábado (18.04) em live através do instagram da BeerMad com discotecagem no vinil, brasilidades, soul e rock

INSTAGRAM: @beermadoficial

Quem gosta da MUTUM CAVALO, da cervejaria Ignorus, tem compromisso marcado nesse sábado (18.04). Uma live embalada pelo DJ João Freitas (@jhonipfreitas) no instagram do bar de cervejas artesanais BeerMad vai reunir todos os “mutumzeiros” de quarentena para um momento divertido no final de semana. A transmissão começa às 16h promete levar alegria e descontração, enquanto os apreciadores desse rótulo carregado de lúpulo degustam a cerveja.

A compra da bebida poderá ser feita a partir dessa quarta, dia 15, ao preço promocional de R$ 24 o litro, já com growler PET. O cliente pode retirar no bar, que fica dentro do SOUQ CURITIBA, ou agendar a entrega em casa - com taxa de R$ 12. Para pedidos acima de R$ 100, o frete é gratuito. “Temos nosso delivery próprio, com atendimento e entregas personalizadas, garantindo ao cliente toda a segurança e comodidade que o momento pede. Esse valor promocional é de quarta a sexta, depois teremos outro preço”, diz Daiane Santos – Beer Sommelier da BeerMad.

“É o primeiro evento cervejeiro online. Estamos na expectativa que seja, acima de tudo, muito divertido para quem está há tantos dias em casa. Queremos levar alegria e diversão, quebrar a rotina e propor algo diferente. Estamos de olho nas lives musicais e, por que não, uma live que une música e cerveja artesanal? É uma ótima combinação para o final de semana, principalmente para aproximar a legião de fãs MUTUM”, completa Daiane.

Os pedidos devem ser feitos através do LINK da bio do instagram do bar!

Sobre o rótulo

Com uma base de maltes consistente e uma enorme carga de lúpulos norteamericanos, é a cerveja ideal para lupulomaníacos. Tem aromas intensos que lembram frutas cítricas como abacaxi, limão e maracujá, final amargo, potente, longo e seco, como uma IPA de respeito deve ter.

O inverno e os pets: combinação perigosa

Veterinária dá dicas de como proteger os animais de estimação nesses dias mais frios

Com o frio se aproximando em quase todas as cidades brasileiras, surge mais uma preocupação: como proteger os animais de estimação? Muitas pessoas pensam que, por terem pelos, os pets não sofrem com temperaturas baixas, mas a especialista Luana Sartori, veterinária responsável pela Monello Select, da Nutrire, alerta que cães e gatos podem ficar doentes se não forem aquecidos em dias com vento, chuva e frio.

Animais podem pegar gripe?

Sim, eles também ficam resfriados e os sintomas são bem parecidos com os da gripe nos humanos. “Espirros, falta de apetite, secreção ocular e nasal, e febre podem ocorrer. Além disso, quando estão gripados, os animais ficam apáticos, sem vontade de brincar ou interagir com seus tutores”, explica Luana. Muito embora eles possam ficar gripados em qualquer estação, o inverno é sempre mais perigoso, principalmente para os animais que dormem nos pátios das casas. Filhotes e idosos também sofrem mais com o frio e estão bem mais suscetíveis às doenças respiratórias.

Como saber se meu pet está com frio?

Vários sinais podem indicar que o seu melhor amigo está com frio. “O pet busca lugares quentes, como os cantinhos da casa, por exemplo. Eles costumam ficar enroladinhos no próprio corpo, os focinhos e orelhas ficam gelados”, indica. Os gatos procuram as cobertas para se aquecer. Luana alerta que felinos com acesso à rua estão mais propícios ao frio. “O principal fator de risco para a saúde e segurança dos gatos é rua”, acrescenta.

Devo colocar roupas em cães e gatos?

A resposta é: depende. Cachorros são mais tolerantes, mas os gatos realmente não gostam de roupinhas, com algumas exceções. “É preciso analisar com bom senso, pois o que pode ser bonitinho para as pessoas, pode ser desconfortável ao extremo para o pet”, diz. Luana revela que cachorros mais velhos e filhotes se adaptam melhor ao uso de roupas. “Para os animais idosos ou com pelo curto, que sentem mais frio, as roupinhas são uma boa opção”, explica.

No mercado há vários tipos de tecidos que ajudam a combater o frio, mas alguns pets podem ser alergicos, esse cuidado é essencial que você tenha ao escolher o tipo de roupa, converse com o veterinário antes. “Não esqueça que animais de rua sofrem muito mais com as temperaturas baixas. Se você quiser ajudar a aquecer um bichinho sem dono, encontre uma entidade protetora perto de você e doe o que puder”, pede a especialista.

Meu cachorro dorme no pátio, e agora?

A primeira coisa é garantir uma casinha com cobertura e cobertor para o pet, nunca em espaço aberto. Se o pet está acostumado a dormir na rua, garanta que ele esteja longe da chuva e do vento direto. “Proteja a cama do cão colocando revestimento de borracha ou estrado evitando o contato direto com o chão”, diz.

Devo diminuir a frequência do banho?

Se for possível, sim. Além disso, banhos devem ser com água morna e a secagem é muito importante. Não deixe o pet molhado e nem saia com ele após o banho. Espere, no mínimo, 30 minutos. “Nesses tempos de quarentena, os passeios devem cessar. Se o animal precisa sair para as necessidades fisiológicas, evite locais com aglomeração de pessoas. No retorno do passeio, lave as patinhas com água e sabão”, explica. Nos gatos, aumente a frequência da escovação. “Com o frio eles se lambem mais e, consequentemente, engolem mais pelos que podem prejudicar o estômago. A indicação é que o tutor escove o pet três vezes por semana”, conclui a veterinária.

Animais podem pegar o novo Coronavírus?

Até o momento não há indicações de que isso possa acontecer. A gripe felina se chama Rinotraqueíte Felina e pode ser provocada pelo vírus Herpesvírus felino tipo 1 ou FeHV-1. “Por ser caracterizada pelos sintomas respiratórios, é também conhecida como Complexo Respiratório Viral Felino (CRVF) e acomete o trato respiratório superior”, explica. Seu período de incubação é curto, sendo que no inverno os casos se multiplicam e se manifestam com muita intensidade.

Já nos cães, a gripe é pelo vírus influenza A e a Traqueobronquite Infecciosa Canina é fruto da infecção por parainfluenza, bordetella e adenovirus. Cães e gatos também podem pegar resfriados mais comuns, onde os sintomas também são mais leves”, conclui a veterinária. A indicação da OMS é de que humanos com sintomas do Covid-19 devem ficar longe de seus animais de estimação, evitando o contato o máximo possível. Embora não haja evidências científicas de contágio, o cuidado é sempre bem vindo.

Rede Lojacorr assina manifesto #nãodemita

CURITIBA, ABRIL DE 2020 – LIDE MULTIMÍDIA - No início desse mês, mais de 40 empresas brasileiras se uniram para criar o manifesta #nãodemita, pensando em manter os quadros de colaboradores, evitando e minimizando um possível colapso econômico e social no País. Compartilhando dessa ideia, é que o CEO da Rede Lojacorr, Diogo Arndt Silva, assinou o manifesto poucos dias depois, ampliando a rede de empresas aderentes ao propósito.

Para ele, “o País precisa do nosso protagonismo e esforço máximo para minimizarmos os impactos dessa pandemia em nossa sociedade. Se todos fizerem sua parte, para mantermos o isolamento social e empenharmos nossos esforços para sustentar a atividade econômica, logo sairemos dessa”, diz.

Na Rede Lojacorr, após o cancelamento dos eventos, reuniões e treinamentos presenciais, todos os colaboradores foram colocados em home office com o apoio das equipes de tecnologia, suporte, pessoas e cultura, comunicação e o comitê multidisciplinar, de forma rápida para manter a qualidade das operações, focando nas entregas dos projetos estratégicos prioritários. Em paralelo, foram desenhadas novas medidas financeiras para auxiliar as unidades e corretoras. Essas ações priorizaram manter os empregos diretos do quando colaborativo da Rede, bem como as estruturas das corretoras do ecossistema.

O manifesto também sugere que os gestores de fábricas e instalações que permanecem em operação, que sigam as orientações da OMS e do Ministério da Saúde, criando um ambiente de trabalho em que as pessoas possam comer e trabalhar com distância física, e assim se sintam tão seguros quanto se estivessem em casa.

O movimento é válido até o final de maio e está criando uma cadeia de reflexão sobre os custos empresariais, bem como a criação de alternativas que não a demissão para manter as organizações após a pandemia do coronavírus no Brasil. O manifesto recomenda a busca de linhas de crédito e opções para evitar as demissões em massa, em meio às circunstâncias das dificuldades financeiras que as empresas estão enfrentando.

Para aderir e conhecer mais sobre o programa, acesse o link https://www.naodemita.com/

Sobre a Rede Lojacorr: A Lojacorr é a maior Rede de Corretoras de Seguros Independentes do Brasil. Por meio do seu modelo de negócios disruptivo, realiza a intermediação entre corretoras de seguros e as seguradoras, disponibilizando suporte operacional, comercial e estratégico. Fundada em 1996, a empresa se dedica para oferecer as melhores soluções em distribuição de seguros e produtos financeiros às corretoras e clientes. Presente em 22 estados e no Distrito Federal, por meio de 55 Unidades de Negócios, as 360 mil apólices ativas, foram comercializadas por 3.330 profissionais de seguros, que atuam em mais de 3600 municípios. Tendo como sede administrativa, Curitiba (PR) e sede comercial em São Paulo (SP), a Rede Lojacorr conta também com 220 colaboradores. A Rede Lojacorr está entre as empresas emergentes do Sul e é certificada pelo Great Place to Work.

Agricultores japoneses investem na produção de alho negro em Guatapará, interior de São Paulo

Uma história de tradição e inovação

No Alho Negro do Sítio a produção do alho negro começou apenas em 2010, mas a história desta empresa teve início muito antes disso. Em 1945, Shiro Kondo nasceu na colônia japonesa na Manchúria, China, e ainda bebê foi para o Japão com a família, como refugiado. Lá ele cresceu, se formou em direito e ao completar 23 anos de idade decidiu se mudar para o Brasil. Aqui, Shiro trabalhou em diversas fazendas para sustentar-se e, com agricultores, aprendeu técnicas de cultivo de alimentos na prática. Em 1973 casou-se com Sayoko, sua esposa até os dias de hoje. Recebeu um pedaço de terra na colônia de Guatapará, interior de São Paulo, como benefício do programa de migração do governo japonês. Lá a família então se dedicou à agricultura, tendo como o primeiro cultivo o abacaxi.

Sayoko Kondo Alho Negro do Sítio

Shiro Kondo em seu sítio em Guatapará - SP

Em 1981, aconteceu a geada negra (condição atmosférica que provoca o congelamento da parte interna da planta devido ao frio intenso) e todo o plantio foi perdido. Após este fatídico episódio, eles foram em busca de alguma especialidade que conseguisse resistir às alterações climáticas, por fim, decidiram começar a cultivar o alho. A produção, que no começo não tinha tanta qualidade pela falta de experiência, foi se aprimorando, com a implantação de tratos culturais específicos ao alho e outras técnicas sustentáveis, como de compostagem, rotação de culturas, cobertura morta e adubação verde.

Em 2006, após uma pesquisa publicada nos Estados Unidos apontar o alho como o melhor alimento para prevenção do câncer, e estudos revelarem o aumento da capacidade antioxidante do alho com o processo de maturação, houve um grande “boom” do alho negro no Japão. Animado com esta novidade, Shiro passou a produzir este remédio natural com a ajuda da sua esposa.

Sayoko Kondo Alho Negro do Sítio

Sayoko Kondo na produção do Alho Negro

No início, Shiro fornecia apenas para os amigos da colônia japonesa. Não foi fácil, mas aos poucos eles estabeleceram um padrão de qualidade e foram conquistando a confiança dos consumidores. Atualmente já fornecem o alho negro para renomados empórios e restaurantes. Hoje quem administra a empresa é o agrônomo Fernando Kondo, filho dos fundadores, formado pela Universidade Agrícola de Tóquio.

A produção da Alho Negro do Sítio se difere das demais pela garantia de origem com alho nobre nacional, por oferecer o alho negro já descascado e não pasteurizado. Assim, mesmo depois de embalado, o produto continua seu processo de maturação, o que o deixa ainda melhor com o tempo.

Hoje, além do alho negro descascado em diversos tamanhos, a empresa também produz uma grande variedade de produtos com a iguaria. Alguns de produção ainda artesanal, como o azeite aromatizado com alho negro e ervas, o sal grosso com alho negro, outros feitos com a ajuda de outros pequenos produtores, como a ghee, mostarda e pimenta de alho negro, e ainda, produtos feitos em maior escala, como a geleia, pasta, molho pesto e chimichurri com alho negro.

Kit Alho Negro do Sítio

Para conhecer mais sobre a Alho Negro do Sítio, acesse o site http://alhonegrodositio.com.br/
Abaixo, segue conteúdo institucional e imagens em alta.
https://www.dropbox.com/sh/d8xfgqovcd0id7q/AADx74W5Zu0R_GGZZP7HVNC4a?dl=0

20 DÚVIDAS MAIS COMUNS EM CADA FASE DA GRAVIDEZ

A preocupação em cuidar do bebê aparece desde o primeiro momento em que a mulher descobre que vai ser mãe. A partir desse momento as mamães começam a se interessar por qualquer informação que possa ajudar no desenvolvimento de uma gravidez tranquila e saudável. Algumas delas até se transformam em “experts“ de bebês e até orientam outras grávidas sobre suas descobertas.
De acordo com o ginecologista e obstetra Dr. Domingos Mantelli Borges Filho (CRM- 107.997), a cada fase que a gestante avança, o corpo modifica. “A gestação é uma fase marcada por mudanças físicas e psíquicas. Durante a gravidez a mulher começa a produzir uma quantidade enorme de hormônios, como o Beta HCG, a progesterona e diversos outros, que vão interferir diretamente no seu corpo”, explica o ginecologista.
A gestação é dividida em três fases: Primeira, Segunda e Terceira, cada uma referente a um trimestre.
O primeiro trimestre corresponde a 1ª a 13ª semana. É a fase mais difícil para a mãe e o bebê. “Enjoos matinais, cansaço, alterações de humor, seios sensíveis são um dos sintomas que correspondem ao primeiro trimestre da gravidez. O exercício físico, substituir os sutiãs por outros mais confortáveis, consumir bebidas quentes e frutas secas são boas escolhas para atenuar esses sintomas durante esse estágio”, destaca o ginecologista Dr. Domingos Mantelli Borges Filho.
O segundo trimestre ocorre da 14ª a 27ª semana. A barriga começa a crescer e as náuseas desaparecem. É a hora de a mãe passar a cuidar melhor da alimentação e evitar os excessos para não engordar. “A partir do quarto mês, o alargamento da cintura é mais nítido e com isso surge à necessidade de começar a usar roupas mais confortáveis e soltas. É possível que a gestante engorde, em média, de 5 a 7 quilos, devido ao apetite que aumenta na mesma proporção em que o bebê cresce. A digestão fica mais lenta e pode ocorrer constipação e prisão de ventre. Por isso, é importante uma alimentação rica em grãos integrais e fibras”, alerta o médico.
O terceiro trimestre que acontece da 28ª a 40ª semana marca a última fase da gestação. “Nesse último estágio que antecede a chegada do bebê a gestante pode sentir falta de ar provocada pela pressão do ventre desenvolvido sobre o diafragma. Outro fator é o crescimento do bebê que também aperta a bexiga, podendo levar a perdas involuntárias de pequenas quantidades de urina ao tossir, correr, rir ou fazer algum esforço”, ressalta o ginecologista.

O ginecologista e obstetra Dr. Domingos Mantelli esclarece 20 dúvidas das gestantes que estão passando por cada uma dessas fases.
Primeiro Trimestre
1.Sangrar durante o início da gravidez é normal?
A perda de sangue no início da gravidez ocorre em quase 20% das gestantes e pode sim ser normal, correspondente à nidação que é a fixação do embrião dentro do útero! Porém as patologias como a ameaça de abortamento devem ser descartadas.
2.Os meus sintomas de gravidez parecem ter desaparecido, significa que posso ter tido um aborto?
A intensidade dos sintomas como cansaço, tensão mamária, náuseas variam muito de mulher para mulher. Caso, você note alguma anormalidade diante desses sintomas, procure o seu médico para ele fazer um exame que possa detectar se existe algum problema fora do comum.
3. Como deve ser feita a alimentação?
Alimentação da gestante deve ser equilibrada. Frutas, verduras, carnes, cereais e leite devem ser incluídos. “O ideal é a gestante comer pouco e fazer de quatro a seis refeições ao dia, bebendo bastante líquido (de um a dois litros de água por dia). Evite massas, doces, bebidas gasosas e álcool. E observe o seu peso, o recomendado é 9 a 12 Kg referentes ao IMC da gestante, que é considerado uma medida saudável para a mãe e o bebê”, orienta o ginecologista. E nada de comer por dois!!
4. É possível sentir os movimentos do feto a partir do primeiro trimestre de gestação
Os movimentos do bebê nesse estágio ainda não são perceptíveis pela mãe. O bebê só pode ser sentido a partir da décima oitava semana. Antes disso o que a gestante sente são os movimentos peristálticos do intestino.
5. Inchaço em grávidas é sempre sinal de que a pressão está alta?
No final da gestação o edema é bastante comum, devido á compressão da veia cava dentro do abdômen e muitas vezes não significa que é problema de pressão alta.
6. Sexo durante a gravidez faz mal para o bebê?
A relação sexual pode ser bem-vinda para o casal. Exceto em casos especiais, como o surgimento de sangramento ou contrações.
Segundo Trimestre
7. Já dá para saber o sexo do bebê e a data do parto?
A data do parto pode ser calculada a partir da primeira data da última menstruação. Quanto, ao sexo do bebê, por meio do exame de sangue a partir da 10 semanas e com o ultrassom com 18 semanas é possível saber o sexo do bebê.
8. Grávidas não podem fazer nenhum tratamento odontológico?
Isso é mito. A gestante pode realizar um tratamento bucal normalmente, pois é nesse estágio de gravidez que há maior incidência de cáries e inflamação na gengiva. Caso for necessário realizar exames de raios-X, a gestante deve vestir um avental de chumbo para proteger o feto, e a anestesia deverá ser preferencialmente sem substância vasoconstrictora.
9. A partir de quantas semanas é possível ouvir o coração do bebê?
Os batimentos cardíacos são audíveis a partir da quinta semana com o uso do ultrassom.
Entre 12ª e 14ª semanas de gestação, é possível ouvir o coraçãozinho do bebê com outro equipamento, o sonar Doppler.
10. Quantos quilos posso engordar?
A gestante deve se preocupar com o ganho de peso durante o segundo trimestre. As futuras mamães não podem ultrapassar o seu IMC (Índice de Massa Corpórea), ela pode ter variações de peso para um pouco mais ou para menos conforme o seu IMC.
O ideal seria engordar de 5 a 12kg no máximo .
11. Posso passar qualquer hidratante no corpo ou precisa ser um tipo específico para gestantes?
Alguns ativos de hidratantes comuns são proibidos na gravidez, como ureia em concentrações altas. Por essa razão, o melhor é optar por produtos exclusivos para gestantes. Mas saiba que mesmo eles podem causar alguma irritação.
12. Posso fazer tratamento para varizes?
As varizes que aparecem durante a gestação normalmente somem após o parto. O ideal para as gestantes que estão passando por esse problema é não optar por nenhum tratamento. Deixar as pernas levantadas por alguns minutos, evitar ficar muito parada em pé ou sentada e fazer caminhadas podem amenizar os sintomas.

13. Posso tingir o cabelo?
Somente a partir do quarto mês de gestação. As tinturas, mesmo aquelas sem amônia na composição, e a hena, não devem ser usadas no primeiro trimestre da gravidez. Escova progressiva, alisamentos também deve ser evitados durante toda a gestação.
14.Como calculo a semana de gestação?
Faça a contagem a partir do último dia da menstruação e considere que a gravidez tem 280 dias, ou 40 semanas. Mas, não misture o cálculo das semanas com o dos meses. Isso porque quatro semanas tem 28 dias, e não um mês

Terceiro Trimestre
15. A ansiedade pode acelerar o parto ou fazer mal para o bebê?
Independente do grau de ansiedade da mãe ela não interfere no aceleramento da gestação. Em alguns casos, alguns médicos orientam o uso de medicamentos para controlar o equilíbrio emocional, pois você querendo ou não, essa ansiedade apesar de não acelerar o parto, ela libera hormônios que passa para o bebe causando varias alterações.
16. Estou muito inchada. Devo me preocupar?
O inchaço é comum no final da gestação, mas se ele acontece de forma generalizada, procure o seu médico para diagnosticar se esse edema pode desencadear um problema grave, por exemplo, a doença hipertensiva que ocorre na gravidez.
17. Tenho tido muitas dores nas costas. O que posso fazer para aliviá-las?
A coluna vertebral é bastante sobrecarregada durante a gestação. Se as dores forem insuportáveis, pode-se ainda utilizar analgésicos.
Alongamentos e massagens pode ser a salvação durante toda a gravidez.
18. Até quantas semanas uma gestação pode ir?
O tempo previsto é de 40 semanas. O envelhecimento da placenta pode comprometer tanto a circulação do sangue como a troca de nutrientes entre o bebê e a mãe. Essa situação é arriscada para ambos. Porém hoje em dia os estudos mostram que podemos aguardar em segurança até 41 semanas
19. Como sei que estou entrando em trabalho de parto?
As contrações aumentam e duram em torno de 30 a 40 segundos cada uma. Ocorrem em media de 3 contrações em 10 minutos. O rompimento da bolsa é o sinal que a mãe deve ir imediatamente para o hospital, pois ela pode estar entrando em trabalho de parto.
20. Quando o bebê encaixa?
A mulher não tem como saber. Somente um exame clínico e o toque vaginal é que são capazes de revelar se há ou não a dilatação.

Dr. Domingos Mantelli, ginecologista e obstetra - autor do livro “Gestação: mitos e verdades sob o olhar do obstetra”. Formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de Santo Amaro (UNISA) e residência médica na área de Ginecologia e Obstetrícia pela mesma instituição. Dr. Domingos Mantelli tem pós-graduação em Ultrassonografia Ginecológica e Obstétrica, e em Medicina Legal e Perícias Médicas.

Site: http://domingosmantelli.com.br

Redes Sociais:

Instagram: @domingosmantelli

https://www.instagram.com/domingosmantelli/

Live especial do VillaMix Festival com “Amigos” acontece na próxima segunda (20)

O VillaMix Festival, maior festival de música do país vai levar mais uma vez alegria e entretenimento para você nessa quarentena

Na próxima segunda, véspera de feriado (20/04), o VillaMix Festival, maior festival de música do país vai realizar uma live especial com “Amigos”. A transmissão ao vivo no canal oficial do festival no Youtube, começa a partir das 20h.

O projeto “Amigos”, formado por Chitãozinho & Xororó, Leonardo e Zezé Di Camargo & Luciano, promete um show inesquecível, cheio de grandes histórias e sucessos que marcaram suas trajetórias nesses 20 anos.

Vale lembrar que durante a transmissão terá novamente diversas ações solidárias, para ajudar aqueles que mais precisam neste momento de pandemia por causa do coronavírus (COVID 19).

Não perca! Para conferir a live especial, acesse: https://www.youtube.com/villamix

Acompanhe o VillaMix Festival:
Site oficial: http://villamixfestival.com.br/
Instagram: @VillaMix
Facebook: https://www.facebook.com/villamix/
YouTube: https://www.youtube.com/user/VillaMixFestival

LIDE Paraná Talks discute sobre a importância da criatividade em tempos de crise

"Inovação pressupõe mudanças, não apenas no cenário tecnológico, mas sim de comportamento humano"

Nesta segunda-feira (13), o LIDE Paraná no quinto episódio da websérie "LIDE Paraná Talks" discutiu sobre a necessidade da inovação em tempos de crise e sobre a grande oportunidade atual das empresas em ganharem aliados ao contarem com a capacidade criativa e atitude de liderança de suas equipes.

Especialistas no assunto criatividade, os entrevistados foram Jean Sigel, fundador da Escola de Criatividade e Rafael Bretas, publicitário e fundador da agência FOG.

Em rápidas mudanças de cenários fica difícil reconhecer o que está acontecendo e quais decisões devem ser tomadas, para isso é necessário que tenha reflexão. "O primeiro passo é entender que está em uma crise. Entenda que isso é sério e que precisa ser tomadas decisões, que não podem ocorrer por impulsos." diz Rafael Bretas.

Inovação pressupõe mudanças, não apenas no cenário tecnológico, mas sim de comportamento humano. Um dos temas abordados foi que neste momento, mais do que em outros, as conexões entre as pessoas de uma mesma empresa devem estar mais fortes, pois pessoas são peças chaves no processo de inovação, consideradas até mesmo motores da inovação. "Transparência e conexão são fundamentais, para extrair o melhor das pessoas e criar confiança, se relacionando verdadeiramente com os funcionários". diz Jean Sigel.

Outra reflexão foi sobre como reconhecer o que faz cada um ser criativo, sendo um processo individual. O cenário de crises deixa as pessoas mais criativas em diversas áreas e isso deve ser aproveitado como uma chance de descoberta atraindo o espírito de equipe. Refletir sobre todos os processos é fundamental. "Refletir de qual maneira eu preciso do conhecimento e da minha equipe. Sobre como minha empresa está se comunicando e como eu estou fazendo isto acontecer." afirma Jean.

Os episódios do LIDE Paraná Talks podem ser acompanhados na íntegra no site lideparana.com.br/talks

LIDE Paraná Talks - A websérie do LIDE Paraná se posiciona como uma ferramenta com o objetivo de trazer informações precisas e consistentes que vão principalmente auxiliar os empresários na tomada de decisões nesse período do COVID-19 e no cenário pós epidemia.
Crédito do texto: Lide Paraná

McDonald’s Gestão de resíduos é tema de webinar promovido pela Arcos Dorados

Conteúdo faz parte do curso oferecido pela empresa para micro e pequenos negócios do setor de alimentação

A Arcos Dorados, maior franquia independente do McDonald's no mundo, realiza na próxima quinta-feira, 16 de abril, o webinar Gestão de Resíduos, que integra o curso online e gratuito oferecido pela companhia para micro e pequenos empresários do setor de alimentação. As inscrições podem ser realizadas no site www.trilhas.info.

A preocupação com os resíduos vem sendo discutida há algumas décadas nas esferas nacional e internacional, devido à expansão da consciência coletiva com relação ao meio ambiente. De acordo com o Ministério do Meio Ambiente, a complexidade das atuais demandas ambientais, sociais e econômicas induz a um novo posicionamento, tanto do governo, como também da sociedade civil e da iniciativa privada. Este webinar, que conta com coordenação do Diretor Corporativo de Desenvolvimento Sustentável e Compromisso Social da Arcos Dorados, Leonardo Lima, irá abordar como os estabelecimentos do setor de alimentação podem contribuir com este cenário.

O curso completo apresenta uma grade dividida em três pilares principais: Segurança Alimentar, Higiene e Desenvolvimento Sustentável, frentes em que a companhia é reconhecida internacionalmente por sua excelência. Essas áreas têm importância essencial para assegurar medidas de prevenção de contaminação por microrganismos, incluindo o novo Coronavírus.

O curso já conta com 1.845 inscritos e teve início no final de março. As gravações dos módulos anteriores já estão disponíveis no site www.trilhas.info, para que os novos interessados possam acompanhar o conteúdo.

“O momento exige comprometimento de todos para proteger a população. Acredito na união de forças para que o país possa superar esse momento de pandemia causada pelo novo Coronavírus”, comenta Paulo Camargo, Presidente da Divisão Brasil da Arcos Dorados.

Além do conhecimento, os participantes do curso receberão 10 pontos na plataforma Gooders, que oferece benefícios para aqueles que buscam empreender de forma consciente, fazendo o bem e gerando um impacto social positivo. Os pontos poderão ser trocados por descontos ou experiências, por meio do site https://www.gooders.com.br/.

Medidas para segurança de seus colaboradores

Tendo como prioridade proteger a saúde e bem-estar de seus funcionários e clientes, a companhia implementou um comitê focado especialmente em monitorar e agir em torno de diversos assuntos relacionados ao tema.

A empresa estabeleceu um protocolo especial para a operação de seus serviços que serão mantidos, como Delivery e Drive-Thru, incluindo a demarcação de áreas de distanciamento social nos restaurantes, disponibilização de produtos para higienização das bolsas dos entregadores e lavagem de mãos, cuidado no condicionamento de produtos, além do reforço dos protocolos de higiene em todos os restaurantes da rede, como aumento na frequência da limpeza de equipamentos, ampliação do número de dispensers de álcool em gel, entre outras ações.

Além disso, a empresa seguiu a recomendação de uso de máscaras feita pelo Ministério da Saúde no início de abril. Já foram adquiridas máscaras descartáveis e de tecido e também começaram a ser instaladas barreiras acrílicas para proteção física entre atendentes e clientes nas cabines Drive-Thru.

Entre as iniciativas já implementadas pela empresa, estão o home office ou licença remunerada para seus colaboradores que pertencem ao grupo de risco, em todos os setores, inclusive restaurantes, e a recomendação de trabalho remoto para todos os funcionários da sede administrativa.

Sobre a Arcos Dorados

A Arcos Dorados é a maior franquia independente do McDonald’s do mundo, tanto em vendas totais do sistema quanto em número de restaurantes. A Companhia é a maior rede de serviço rápido de alimentação da América Latina e Caribe, com direitos exclusivos de possuir, operar e conceder franquias de restaurantes McDonald’s em 20 países e territórios, incluindo Argentina, Aruba, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Curaçao, Equador, Guiana Francesa, Guadalupe, Martinica, México, Panamá, Peru, Porto Rico, St. Croix, St. Thomas, Trinidad & Tobago, Uruguai e Venezuela. A Companhia opera ou franqueia mais de 2.200 restaurantes McDonald’s com mais de 90.000 funcionários e é reconhecida como uma das melhores empresas para se trabalhar no América Latina. A Arcos Dorados está listada na Bolsa de Valores de Nova York (NYSE: ARCO). Para saber mais sobre a Companhia visite a seção de Investidores de nosso site: www.arcosdorados.com/ir.

Quarentena e o risco de obesidade para os pets

Cães ociosos tendem a comer mais e o excesso de peso pode reduzir em até dois anos o tempo de vida.

Médica-Veterinária dá dicas para o período de quarentena.

Mais de 50% da população mundial de pets sofre com o sobrepeso e a obesidade, sendo essa a condição clínica mais importante que afeta os pets do mundo todo. No cenário atual, com o distanciamento social e as atividades ao ar livre restritas, o pet pode estar menos ativo que o habitual e convivendo grande parte do seu dia na companhia da família, o que exige a atenção dos tutores para que um quadro de obesidade seja evitado no futuro.

Como doença primária, a obesidade pode predispor ao aparecimento de várias outras condições como diabetes, doenças osteoarticulares, dermatológicas, digestivas, entre outras. Mas, o perigo não para por aí. A partir de um estudo realizado pela Universidade de Liverpool e o WALTHAM™ Science Institute, parte da Mars Petcare, com mais de 50 mil cães do continente americano, de 12 raças diferentes, descobriu-se que, para cada uma delas, o sobrepeso estava associado com um menor tempo de vida. Em cães de porte grande isso significou uma média de 6 meses, enquanto raças pequenas representou cerca de 2 anos a menos.

As pessoas, de um modo geral, amam agradar seus pets oferecendo porções extras de alimentos, petiscos ou sua própria refeição, afinal, muitas têm o entendimento de que “comida” é amor, e esse é um dos grandes desafios na luta contra a obesidade. Estes hábitos, combinados a uma rotina de falta de exercícios, pode trazer consequências graves para a saúde do animal.

A Médica-Veterinária Natália Lopes, Gerente de Comunicação Científica da ROYAL CANIN® e Representante de WALTHAM™ no Brasil, selecionou 8 dicas que podem auxiliar o tutor a lidar com esse momento e aproveitar melhor o tempo em que todos estão em casa:

Coloque sempre a refeição na quantidade correta recomendada, pesada em uma balança de cozinha. Não coloque mais do que o necessário, pois no período de ociosidade alguns pets podem comer mesmo sem ter fome, o conhecido comportamento glutão.

Avalie se o pet está menos ativo que o habitual. Se necessário, ajuste a quantidade das porções de alimento de acordo com o nível de atividade para evitar o ganho de peso. No rótulo da embalagem do alimento, o tutor encontra a porção diária recomendada de acordo com o nível de atividade física praticado pelo pet.

O consumo de calorias vindas de petiscos deve ser de até 10% da necessidade energética do pet, um cálculo que o Médico-Veterinário pode orientar. É muito importante se atentar a tabela nutricional de cada petisco para que o consumo de calorias seja respeitado.

Cuidado com alimentos destinados aos humanos. Alguns deles, como por exemplo o alho, a cebola, uvas e chocolates, são tóxicos para os animais.

O fato do tutor estar em casa o dia todo pode confundir o pet e levá-lo a desenvolver um comportamento pedinte. Mude o hábito de oferecer alimento nesses momentos por oferecer carinho ou uma brincadeira, e continue mantendo os horários habituais de suas refeições.

A hora da alimentação também pode ser um momento para exercitar a mente e brincar com o pet. Opte por colocar o alimento em comedouros interativos que desafiam o pet a “conquistar” sua refeição, além de diminuir a velocidade de consumo.

Procure encontrar novas maneiras de interação dentro de casa: brinquedos para ambientes internos podem ajudar a estimular a mente e exercitar o corpo do cão.

Treinamentos de agilidade e obediência também são uma boa opção para pet e tutor realizarem juntos.

Sobre WALTHAM™

WALTHAM™ é o centro científico fundamental da Mars Petcare e se concentra na nutrição e no bem-estar de cães, gatos, cavalos e peixes e em seus benefícios para os seres humanos. Desde seu primeiro artigo científico, há mais de 50 anos, a WALTHAM compartilhou sua experiência através de 1.700 publicações, incluindo mais de 600 artigos de periódicos revisados ​​por pares. Além disso, os pesquisadores da WALTHAM colaboram com alguns dos mais renomados cientistas veterinários e nutricionais do mundo. Em colaboração com os principais institutos de pesquisa do mundo, fornece a ciência e a experiência subjacentes às principais marcas da Mars Petcare.

Sobre a Mars, Incorporated

A Mars, Incorporated é uma empresa familiar, privada, com mais de 100 anos de história e dona de algumas das marcas mais amadas do mundo, como ROYAL CANIN®, PEDIGREE®, WHISKAS®, EUKANUBA®, OPTIMUM™, M&M’S®, TWIX®, SNICKERS®, UNCLE BEN’S®, MASTERFOODS®, ORBIT®, EXTRA®, SKITTLES® e STARBURST®. Sediada em McLean, no
estado norte-americano da Virginia, a Mars tem faturamento acima de US$ 35 bilhões providos de seus 4 segmentos de negócio: Petcare (alimentos e cuidados para animais de estimação), Confeitos (chocolates, balas e gomas), Alimentos e Pesquisa. Cerca de 125 mil colaboradores, em mais de 80 países, estão reunidos sob os Cinco Princípios da empresa - Qualidade, Eficiência, Responsabilidade, Mutualidade e Liberdade - trabalhando, diariamente, para desenvolver relações mútuas com todos os seus públicos, buscando um crescimento do qual a empresa se orgulha.
Para mais informações sobre a Mars, Incorporated, por favor acesse www.mars.com/brazil/pt