Circos – Festival Internacional Sesc de Circo 2021 reúne dezenas de atrações

A sexta edição do evento será totalmente on-line, com onze espetáculos transmitidos ao vivo a partir de unidades do Sesc; serão quatro estreias mundiais, três inéditas virtualmente, além de uma ampla programação formativa

original_bloom.jpg?1629205940
Cena de Bloom - Caminhos e Encontros, da Cia La Mala - Crédito da foto: Ricardo Avellar – CircoLab

Imagens e vídeos em: https://bit.ly/Circos2021

Qual a importância de um festival de circo em meio ao isolamento que estamos vivendo? Como a tecnologia pode ser usada para unir artistas e público, neste momento? É com o objetivo de trazer essas e outras perguntas para os palcos e para o debate que o Circos – Festival Internacional Sesc de Circo chega à sua sexta edição, entre 28 de agosto e 4 de setembro de 2021, de forma totalmente on-line, com criações inéditas, além de uma série de atividades formativas para todos os públicos.

"Apesar do distanciamento, a arte segue sendo um respiro e proporcionando encontros nas mais variadas plataformas on-line, chegando a diversas pessoas a partir do campo criativo, potente e inventivo que é o digital, com suas presencialidades possíveis.", afirma Danilo Santos de Miranda, diretor do Sesc São Paulo. E complementa: "Frente aos novos desafios, o Sesc segue cumprindo sua missão de fomentar a difusão cultural e artística, e também as interlocuções, os encontros, as vivências e reflexões."

A programação tem onze espetáculos, sendo que quatro deles são estreias mundiais e outros três apresentados pela primeira vez de forma virtual. São mais de duas dezenas de atrações ao vivo, entre espetáculos transmitidos a partir de unidades do Sesc – SP e outras mais de 50 atividades gravadas, além de inúmeras ações formativas e encontros entre profissionais de várias partes do mundo. Todas as exibições acontecem a partir do youtube.com/SescSP em dias e horários disponíveis a partir de 19 de agosto no site circos.sescsp.org.br.

Entre os espetáculos, são quatro estreias mundiais: Circo Misterium, da cia. Barracão Teatro, em uma apresentação de palhaços que discute a finitude e a eterna continuidade da vida; CircomUns, do Circo e Teatro Palombar, que investiga a imagem de pessoas anônimas relacionando-as a uma 'estética periférica'; La Trattoria, do grupo Los Circo Los, com a história da inauguração de um restaurante; e Retumbantes, com Livia Nestrovski, Lívia Mattos, Tomás Oliveira e Rafé, espetáculo-show que promove o encontro do circo com a música e as artes visuais.

Além disso, alguns espetáculos, como A Caravana do Tempo, do Unidos do Swing, Bloom – Caminhos e Encontros, da Cia La Mala, e Ela - Em todos os lugares, da Troupe Guezá, são apresentados pela primeira vez de forma virtual.

Se numa ponta há ineditismo em montagens estreadas neste Circos de 2021, há também Exceções à Gravidade, obra apresentada há quase 40 anos no mundo inteiro pelo americano Avner Eisenberg - aclamado como um dos mais importantes palhaços de todos os tempos. Sempre arrancando gargalhadas do público, Eisenberg diverte a plateia em números de malabares, ilusionismo e palhaçaria, questiona o que é perder e ganhar com números engraçados, como engolir uma quantidade inacreditável de guardanapos ou equilibrar uma pena muito comprida em seu nariz.

Integram a programação ainda: Prot{agô}nistas - O Movimento Negro no Picadeiro, do coletivo Prot{agô}nistas - tema de documentário exibido durante a programação; Cachimônia, da Cia Artinerant's, que agora fecha a trilogia iniciada com os espetáculos Vizinhos (2014) e Balbúrdia (2017), que estarão disponíveis on demand durante o Festival; e Circo Charanga, o mais recente espetáculo da Cia. LaMínima.

E por falar em LaMínima, durante o CIRCOS 2021, será lançado o curso EAD de Palhaçaria dentro da plataforma digital do Sesc para ensino a distância (https://ead.sesc.digital/). O tema do curso é a criação dramatúrgica em palhaçaria, ministrado por uma companhia de circo e teatro que há quase 30 anos pesquisa o repertório clássico do palhaço.

A edição 2021 do CIRCOS conta ainda com encontros entre programadores brasileiros e internacionais para um intercâmbio de técnicas, conhecimentos e produções. A abertura (virtual) será no dia 30 de agosto, às 12h, pelo diretor do Sesc São Paulo, Danilo Santos de Miranda e pelo Secretário Municipal de Cultura, Alê Youssef.

As estreias

Uma das estreias deste ano do CIRCOS reúne duas artistas de trajetórias diferentes e o mesmo nome. Retumbantes traz Livia Nestrovski e Lívia Mattos, além de Tomás Oliveira e Rafé, em um espetáculo-show, em que o som é a forma de lidar com o mundo. As canções que servem de trilha e complemento aos números circenses - que incluem acrobacia, malabarismo, equilibrismo, ilusionismos, entre outras técnicas - são todas tocadas ao vivo pelos artistas em cena. São composições instrumentais e canções, trabalhos autorais do grupo e criações de nomes como Hermeto Pascoal e Capiba, tocadas com voz, instrumentos tradicionais, como a sanfona, e excêntricos, caso do serrote, do piano de garrafa e do contrabanjo (espécie de contrabaixo).

Os quatro artistas buscam a sua forma de ser e estar no mundo, em ressonância paradoxal entre os seus anseios e a incoerência da existência. Um homem que perdeu a cabeça, gêmeas siamesas de genealogias diversas e um beatboxer malabarista, têm a música como linguagem de interlocução entre eles e também com o seu entorno.

Numa apresentação de circo, o palhaço Zabobrim se engasga com suas bolinhas de pingue-pongue e cai desfalecido. Este é o ponto de partida de Circo Misterium, do Barracão Teatro. Nesse enredo, o grupo fala sobre a vida, em um sentido mais existencial do que religioso, tratando sobre a finitude, sempre de um jeito leve, a partir de técnicas de palhaçaria.

O espetáculo mostra o Zabobrim tentando encontrar respostas com a ajuda de divindades (seres imortais) de crenças diversas – de matrizes judaico-cristã, africana, islâmica, espírita, budista e de povos originários das Américas, que são representados no espetáculo por artistas do circo, com diferentes habilidades. A direção é de Luiz Carlos Vasconcelos, o palhaço Xuxu.

Do Circo e Teatro Palombar, o inédito CircomUns traz nove artistas ao picadeiro virtual em apresentações que falam do território urbano e retratam os trabalhadores comuns que fazem a cidade acontecer e que passam despercebidas na maioria das vezes. O grupo valoriza o trabalho coletivo continuado, a multiplicidade de linguagens e a criação de uma poética periférica, retratando paisagens do bairro de onde o grupo vem, Cidade Tiradentes, extremo leste de São Paulo.

O protagonismo de cada uma dessas figuras - estudantes, motoboys, artistas de rua, eletricistas e executivos - aparece em números individuais, como mágica, palhaçaria, roda cyr (círculo de metal usado em giros e acrobacias), cubo, manjota (hastes para equilíbrio sobre as mãos) e arame. A trilha sonora traz sons da cidade e ritmos urbanos, como o hip-hop, além de intervenções musicais tocadas ao vivo pelo elenco, com uso de saxofone, trompete e sanfona.

O que é o sucesso? São perguntas que estão em La Trattoria, da cia Los Circos Los. A sinopse trata da tão aguardada e sonhada inauguração do "La Trattoria", um requintado restaurante.

Em cena, números de palhaçaria, acrobacia e equilíbrio, costurados com comicidade físicas, gags (o efeito cômico obtido por surpresa ou improviso) e quedas. A cia Los Circo Los vem compondo seu repertório com números, cenas e espetáculos em que estão presentes a comicidade física, as acrobacias, o malabarismo e equilíbrio, em dramaturgias singulares.

Estreias virtuais

Três espetáculos poderão ser vistos virtualmente pela primeira vez. Abrindo a programação do Festival este ano, em um clima de animação que remonta tanto às antigas caravanas circenses de séculos atrás quanto ao carnaval de rua de New Orleans (EUA) - mas com o ritmo brasileiro - Unidos do Swing apresenta A Caravana do Tempo. Gravado diretamente da parte externa do Sesc Itaquera, o espetáculo tem o acompanhamento musical do jazz temperado com ritmos brasileiros.

O grupo, que tem a característica de brincar com a arquitetura dos espaços, subverte movimentos cotidianos por meio de números de circo, unindo as linguagens da música, da dança e do circo numa proposta estética acústica, performática e interativa. Os arranjos musicais originais vão do swing jazz ao maracatu, do blues ao baião, da música brasileira de carnaval ao ritmo das brass bands. O espetáculo inclui a participação de 12 músicos e 13 artistas circenses, com números de malabares, monociclo, bambolê, duplas acrobáticas, pernaltas acrobáticas e Mastro Chinês.

A Cia La Mala apresenta, também no dia da abertura de Circos, seu mais recente espetáculo, Bloom - Caminhos e Encontros. O motor criativo desta obra é o encontro, o florescimento, a percepção da diferença dos indivíduos e dos corpos e de que pessoas diferentes reunidas potencializam tudo - o conhecimento, as dores e as alegrias. A companhia, composta pelos artistas Carlos Cosmai e Marina Bombachini, resolveu ampliar sua parceria e chamar outros artistas para compor. Em cena, os acrobatas - munidos de suas ancestralidades, histórias, gestos e movimentos - amplificam com técnicas circenses as referências aos ciclos da natureza e das estações do ano, em que o florescer (bloom) da primavera concentra toda a potência do encontro em forma de cor, sonoridade e movimento.

Um espetáculo que nasceu da vontade de falar sobre temas comuns a todas as mulheres. Assim foi criado Ela - Em todos os lugares, apresentado pela Troupe Guezá. Fundado há 20 anos, o grupo se constitui de artistas circenses com múltiplas habilidades e interessados nas práticas e pesquisas corporais.

A versão que se verá no CIRCOS 2021 traz à cena três mulheres com seus tipos reais e diversos e que, enaltecendo a virtuosidade e leveza, buscam a representação poética do ser feminino. O coletivo se debruça neste universo tanto no trabalho físico – com acrobacias solo e aéreas pensadas para mulheres – quanto na temática, em que a narrativa apresenta figuras fortes que buscam em seus corpos e vivências a superação. É uma adaptação do espetáculo de sala Ela, de 2019.

Mais espetáculos on-line

Fazendo uso da mistura do circo, música e dança, e com base na comicidade, o Prot{agô}nistas apresenta um espetáculo com 25 artistas negros em cena. A ideia é mostrar uma diversidade de linguagens para manter o público atento, com números circenses a serviço da narrativa e embalado pela música. Trata-se de um convite à celebração, em uma dramaturgia que chama a plateia a contemplar a beleza negra na estética, discurso, humor e poesia.

O espetáculo, do coletivo homônimo do espetáculo, tem sequência com cenas e números circenses de faixa, palhaçaria, tecido, malabares, trapézio, contorcionismo e equilíbrio. Seu contexto vai além da celebração e transita pelo humor e poesia, com muita técnica e orgulho do futuro a partir do reconhecimento das ancestralidades presentes.

Antes da apresentação, haverá a exibição de um documentário produzido pelo grupo durante a pandemia. O foco não é o espetáculo em si, e sim o aquilombamento, o afeto, o cuidado e a troca de conhecimento entre os integrantes. A narrativa é construída mesclando depoimentos e imagens, com cenas de arquivo e outras inéditas.

Três palhaços erguem uma pequena lona no meio da rua e apresentam um espetáculo de variedades. Este é o enredo de Circo Charanga, da Cia La Mínima. Com direção de Esio Magalhães, o espetáculo é uma homenagem à tradição dos circos de lona, com números clássicos circenses.

Foram revisitados esquetes escolhidos e contados especialmente por artistas que são referência na palhaçaria brasileira, como Biribinha, Tubinho e Dedé Santana. Das técnicas e números, estão lá a manipulação de chapéus e acrobacias, o piano de garrafa e o trio de sopros, formando a charanga que batiza o espetáculo.

Com quase 30 anos de estrada, o grupo estará à frente de um EAD de palhaçaria lançado durante o CIRCOS 2021, dentro da plataforma digital do Sesc para ensino a distância (https://ead.sesc.digital/). O curso, em seis aulas, vai tratar da criação dramatúrgica em palhaçaria, abordando diversos temas pertinentes a este universo, como a comicidade física, a música excêntrica, os espetáculos de rua, a construção da dramaturgia e a pantomima (teatro gestual).

CachimÔnia é a parte final de uma trilogia, composta ainda por Vizinhos (2014) e Balbúrdia (2017) - que estarão disponíveis durante o CIRCOS 2021. Com elementos cênicos que remetem às artes plásticas, como se estivessem dentro de uma pintura, a dupla traz números acrobáticos, de equilíbrio e até de ilusionismo.

Dirigida por Lu Lopes e Tato Villanueva, a obra final da trilogia do Artinerant's revela que tudo pode ter sido um sonho. CachimÔnia mostra uma noite de um casal no campo, em um universo onírico e repleto de delírios, em que as vontades e emoções viram cenário de cenas surrealistas, com mesas que giram sozinhas, cabras que dão vinho no lugar de leite, objetos voadores e pessoas que se transformam em animais.

Cursos e oficinas

Uma das antigas expressões artísticas do mundo, o circo atravessa os séculos se reinventando e incorporando técnicas e linguagens como a música, o teatro e a dança. Para alcançar o espectador em 2021 - um ano marcado por fruições online, assim como 2020 - o Circos traz uma programação virtual para quem gosta de acompanhar esse universo e quer entender melhor como ele funciona (por meio das atividades formativas).

Para além das apresentações, conversas sobre questões ligadas ao circo estarão presentes durante a programação. Os debates serão transmitidos nas redes Sesc e terão diversos temas para discutir o papel do circo nos dias de hoje, como a participação de artistas com diferentes tipos de corpos até a produção circense em tempos de distanciamento social, passando pelo fazer rir em tempos em que uma pandemia deixa um rastro de morte e sequelas pelo planeta. Entre os debatedores, estão nomes como Christian Dunker (psicanalista e autor), Ronaldo Aguiar (palhaço e diretor da ONG Doutores da Alegria), Ermínia Silva (pesquisadora e quarta geração de circenses no Brasil), Bete Dorgam (palhaça, diretora e professora universitária), Lu Menin (diretora e artista circense) e Raimo Benedetti (videoartista e pesquisador), Tiago Munhoz (palhaço de rua), entre outros.

Ainda faz parte do CIRCOS 2021 uma série de cursos e oficinas a distância para crianças e adolescentes e para todos os tipos de público - parte pode ser acompanhada nas redes sociais do Sesc-SP, parte precisa de inscrições para participação. Também serão oferecidos oficinas e cursos para ensinar desde números circenses até técnicas de áudio e vídeo para melhorar a transmissão de apresentações, passando por maquiagem artística e exercícios de preparação corporal.

Uma sala de encontro entre programadores, artistas e produtores reunirá debates sobre os desafios do circo no futuro e a promoção de festivais em meio à pandemia de Covid-19, sendo também um espaço aberto para encontros, conversas e troca de ideias.

Outro destaque deste ano é o lançamento de um periódico reflexivo sobre a linguagem circense, com textos de pesquisadores da área, como Júlia Henning (artista, gestora cultural e fundadora da Cia Instrumento de Ver), Cibele Appes (cineartivista), Bel Mucci (artista circense, socióloga, professora de artes aéreas circenses e pesquisadora) e Mafalda Pequenino (atriz e diretora de circo e teatro, coordenadora dos Pernaltas do Orun, do grupo afro Ilú Obá de Min).

Está prevista, ainda, uma residência de palhaços, para instigar o processo criativo colaborativo. Participam Tato Villanueva e Letícia Vetrano (palhaços argentinos e diretores), Bruno Saggese (Palhaço Mimo), Dani Maimoni (Palhaça Danisguela), Tiago Marques (Palhaço Ritalino), Ariadne Antico (Palhaça Birita) e Dani Majzoub (Palhaça Olívia).

Programação para assistir quando quiser

Durante o Festival, obras audiovisuais estarão disponíveis on demand. São documentários, séries e outras obras sobre o atual momento do circo no Brasil e no mundo, além de investigar temas importantes como a negritude.

Alguns grupos que estão na programação do Circos 2021, também vão ser tema de outros materiais exibidos nas redes do Sesc. Como o coletivo Prot{agô}nistas, que produziu um documentário artístico durante a pandemia sobre o lugar do artista negro e sua representatividade na cena cultural paulista. E da exibição de Vizinhos e Balbúrdia, do grupo Artinerant's, que junto com CachimÔnia (uma das estreias deste ano), completam a trilogia que trata de forma divertida os encontros de um casal.

Será possível acompanhar também, por exemplo, "Palhaças do Mundo", seriado documental que mapeia poeticamente o universo de mulheres palhaças espalhadas pelo globo, com direção de Manuela Castelo Branco. A série será lançada no SescTV, com 12 episódios que trazem entrevistas com Fran Marinho, Drica Santos, Nola Rae, Enne Marques, Nara Menezes, entre outras palhaças que vão contar um pouco sobre a criação de personagens, suas inspirações e até suas pesquisas sobre o mundo circense.

"Guarany - A história do circo dos pretos", com direção de Mariana Gabriel, conta a história do Circo Theatro Guarany para resgatar a memória de negritude, racismo, questões de gênero, memória, terceira idade e até a arquitetura da antiga capital paulista dos anos 1940 e 1950. A diretora é bisneta de João (dono do circo do título) e traz à luz a história de sua família, em especial de sua mãe Deise Alves dos Reis Gabriel e da avó Maria Eliza, intérprete do Palhaço Xamego (uma mulher que se vestia de palhaço para trabalhar no circo do pai).

Haverá ainda a exibição de uma série de vídeos com apresentações circenses criadas especialmente para o meio audiovisual, feitas durante a pandemia. A série reúne mais de uma dezena de vídeos produzidos por profissionais de diversas partes do Brasil e do mundo, em trabalhos curtos, registrados nos mais diversos ambientes. Entre os artistas e grupos que que terão seus trabalhos exibidos estão Alice Rende, Daniel Seabra, Margarida Monteny, Kiriaki Baili e Luca Poit, e os grupos, Cia Duna, Cia Barnabô, Cia. do Relativo e Trupe Baião de Dois.

Os vídeos complementam a programação, mostrando a diversidade, a relevância e a amplitude das atividades circenses nos dias de hoje.

Circos – Festival Internacional Sesc de Circo
De 28 de agosto a 4 de setembro
Informações em circos.sescsp.org.br

Opções para comemorar o Dia da Cabernet Sauvignon com rótulos Concha y Toro

Motivos para celebrar o Dia da Cabernet Sauvignon, em 02 de setembro, não faltam! Prova disso é a variedade de rótulos oferecidos pela Concha y Toro, cada um dedicado especialmente para ocasiões diferentes, mas todos com algo em comum: a oportunidade em apreciar um belo vinho com a cepa que tem sua origem entre o cruzamento natural de Cabernet Franc e a variedade Sauvignon Blanc. Cabernet Sauvignon é soberana entre as uvas tintas - vinho que costuma envelhecer muito bem em barricas, de taninos amaciados, encorpados e de cor profunda. O resultado? Uma bebida intensa, versátil e de grande personalidade.

Reflexo de excelência e dedicação, Don Melchor é um grande Cabernet Sauvignon capaz de oferecer uma experiência única sobre a uva. O enólogo Enrique Tirado soube encontrar o equilíbrio de diferentes expressões de Puente Alto, terroir da Viña Don Melchor, um dos mais privilegiados do mundo. Presença marcada por frutas vermelhas, o rótulo apresenta taninos suaves que resultam em um vinho de elegância e densidade, com diferentes camadas de aromas e sabores, além de um nariz prolongado e persistente. Tal complexidade teve como reconhecimento a mais perfeita pontuação para a safra 2018: 100 pontos conferidos pelo crítico norte-americano James Suckling, o que é considerado um marco no setor vitivinícola do Chile.

Se a ideia for um jantar, podemos pensar na linha de alta gama da vinícola, a The Cellar Collection, com vinhos finos e raros originados dos mais prestigiados terroirs do Novo Mundo. As sugestões ficam por conta de Gravas Cabernet Sauvignon, com tremenda intensidade aromática e notas de frutas vermelhas e especiarias. Em seu paladar suave exibe uma fina evolução, um notável equilíbrio e uma destacada rede de taninos que conferem elegância e corpo a este grande vinho. 85% de cabernet sauvignon, 2% de cabernet franc, 3% Petit Verdot, com graduação alcóolica de 14,5%. Harmoniza bem com carnes vermelhas e brancas, aves e carnes de caça, massas com diferentes molhos, terrines e patês, queijos secos, maduros e cremosos. Há ainda o Terrunyo Cabernet Sauvignon, de cor vermelho vivo, um vinho muito expressivo no nariz, com aromas de frutos vermelhos, salsaparrilha negra e mirtilos, bem como notas minerais, como grafite de lápis. Com boa estrutura e equilíbrio na boca, oferece excelente densidade, acidez fresca e taninos sedosos, com notas sutis de baunilha e terra no seu final persistente. 99,75% Cabernet Sauvignon e 0,25% Cabernet Franc. Graduação alcóolica de 14,5%. Harmoniza com cordeiro, carnes vermelhas e carnes de caça, como cervo e javali, preparadas com tomate, vinho e ervas aromáticas como tomilho e louro. Perfeito para acompanhar queijos de sabor intenso.

Ótima opção para uma reunião descontraída, o vinho Marques de Casa Concha harmoniza muito bem para receber familiares e os mais chegados em casa, ou também no preparo de um jantar a dois, por exemplo. O rótulo Cabernet Sauvignon, do portfólio de Marques, apresenta uma cor vermelha profunda, com taninos firmes e uma textura suave que chega a ser quase sedosa no paladar. Harmoniza perfeitamente com carnes bovinas e de caça, assadas ou na grelha, molhos intensos e com toques de acidez e é a combinação ideal com queijos.

Sobre Marques de Casa Concha

A permanente vocação para explorar novas variedades de terroirs do Chile dá origem à vinhos inovadores e de vanguarda como os da linha Marques de Casa Concha, rótulo de alta gama da Vinícola Concha Y Toro. Desde sua criação, Marques de Casa Concha tem sido amplamente reconhecido pela imprensa internacional e conquistado menções por 5 vezes na lista dos 100 melhores vinhos do mundo pela Wine Spectator. São vinhos fiéis a expressão de origem e variedade, e que representam a diversidade de terroirs do Chile. Experimentar novas técnicas de vinificação e manter o espírito inovador da marca, somando-se à habilidade de dar aos vinhos personalidade e sentido de origem, é o que move Marcelo Papa, enólogo de Marques de Casa Concha, a criar rótulos excepcionais, e o que faz dele um dos profissionais mais reconhecidos e respeitados do Chile.

São atualmente 9 rótulos na linha completa, incluindo Rosé, Chardonnay, Pinot noir, Merlot, Cabernet Sauvignon, Carmenère, Syrah, Malbec e Etiqueta Negra.Suas uvas são cultivadas desde a costa, passando pela Cordilheira dos Andes, representando toda a diversidade do Chile. Possui 7 origens para suas variedades, o que garante que cada uma delas seja cultivada na área mais adequada a seu tipo, resultando em vinhos excepcionais.

Sobre The Cellar Collection

A Concha y Toro, em sua busca constante por inovar e levar qualidade a um novo patamar lançou The Cellar Collection, uma exclusiva seleção de vinhos finos e raros originados dos mais prestigiados terroirs do Novo Mundo. Chile, Argentina e Estados Unidos são as três origens que dão vida às marcas que compõem este portfolio, no qual se incluem vinhos atraentes, de antigas e atuais safras, e que são altamente reconhecidos pela mídia especializada.

Sobre Don Melchor

A cada ano, o enólogo Enrique Tirado percorre o vinhedo, provando fileira por fileira e checando a maturação dos cachos para definir o momento exato no qual a uva deve ser colhida. A vindima de Don Melchor é determinada após a degustação e a realização de análises específicas na uva. As frutas são colhidas manualmente, entre meados de abril e princípio de maio e apenas aquelas bagas de uva maduras, intactas e saudáveis são selecionadas para a fermentação em tanques de aço inoxidável. Cada seção homogênea é vinificada separadamente, com especial cuidado com a temperatura e as remontagens de cada tanque. A cor e os taninos são extraídos do bagaço e das sementes da uva através de uma delicada maceração. Após a fermentação, o bagaço juntamente com as sementes é prensado para preservar a máxima qualidade dos taninos da uva. Uma nova safra de Don Melchor nasce quando é definida a proporção dos distintos Cabernet Sauvignon, provenientes dos diversos lotes do vinhedo, que formarão o blend final, podendo chegar a representar 60 a 70% do vinho total.

Alguns anos, pequenas porcentagens de Cabernet Franc, Merlot e Petit Verdot são adicionadas para entregar complexidade e elegância ao blend final. Assim, todos os anos no povoado de Lamarque, Bordeaux, na França, o enólogo Enrique Tirado se reúne com Eric Boissenot - filho do renomado consultor bordalês Jacques Boissenot - para degustar em torno de 150 lotes do vinhedo, selecionando apenas aqueles que, na proporção exata, definirão uma nova safra de Don Melchor. Uma vez definida a mescla, a nova safra de Don Melchor é transferida para barris de carvalho francês dos bosques de Allier, Tronçais e Nevers. Cerca de dois terços dos barris são novos e o terço restante já foi usado anteriormente. Após um período de 14 a 15 meses, o vinho é engarrafado e continua seu envelhecimento por mais um ano, desenvolvendo assim a complexidade e a elegância próprias de Don Melchor.

Montblanc 1858: uma coleção de relógios com ar vintage para aproveitar a vida na natureza

Inspirada nos relógios militares dos anos 1930 e 1940 da célebre Manufatura Minerva, a coleção Montblanc 1858 é um convite para atividades ao ar-livre e esportes de aventura nas montanhas, nas geleiras, na areia e em todos os lugares.

De modelos automáticos a cronógrafos com 1 ou 2 botões até a exclusiva complicação Geosphere, representada pelos Hemisférios Norte e Sul em globos giratórios em cúpula, às 6h e ás 12h, a coleção está disponível nas joalherias credenciadas de todo o país. Inclusive aqui, na nossa cidade.

O Brasil tem paisagens maravilhosas. É um verdadeiro convite para aventuras ao ar livre. E a melhor companhia para essas aventuras são os relógios Montblanc 1858, modelos esportivos com um ar vintage, inspirados na tendência de se reconectar à natureza e ao patrimônio Montblanc.

Os relógios Montblanc continuam o legado de mais de 160 anos da história da Minerva com a linha Montblanc 1858, unindo o passado e o presente através do design, estilo e inovação técnica. Precisos, legíveis e robustos para uso em condições extremas, os lendários relógios profissionais Minerva das décadas de 1920 e 1930 foram concebidos para uso militar. Reinterpretando esses relógios históricos, Montblanc continua a história de sucesso da Minerva com a introdução de novos modelos à materiais como titânio e cerâmica, em três níveis de perícia artesanal: automático, cronógrafo e Geosphere.

Como em toda a linha 1858, os novos modelos têm caixas com acabamento acetinado com alças polidas e bordas chanfradas, realçando a sua forma. Outros detalhes incluem coroas caneladas, que lembram as dos relógios de época, e cristal de safira em cúpula, aumentando a robustez e a aparência de cada relógio.

Além disso, os relógios 1858 Montblanc revelam uma imagem única da montanha Mont Blanc gravada no verso da caixa, juntamente com uma bússola e duas picaretas de gelo cruzados, que reforçam ainda mais o espírito da exploração das montanhas e o pico icônico que inspirou os fundadores da Maison.

Para maior legibilidade e design, os mostradores destacam cores contrastantes com seus ponteiros históricos brancos, luminescentes e em forma de catedral, com um design "cloisonné". O mostrador inclui algarismos arábicos revestidos com SuperLumiNova® branco, minuteria em trilhos ferroviários e o logotipo original da Montblanc da década de 1930 com sua fonte histórica e emblema da montanha Mont Blanc. O Geosphere 1858 apresenta ainda uma gravura especial que presta homenagem às Sete Cúpulas, o Santo Graal das aventuras de alpinismo.

Os relógios possuem pulseiras de couro de bezerro azul Sfumato com costura branca proveniente da Pelletteria de Florença, Itália. A opção de braceletes artesanais "NATO" também está disponível para as versões automática e cronógrafo, como acessório, e podem ser adquiridas nos revendedores credenciados da Montblanc em todo o país ou no e-commerce da marca.

Em clima olímpico, Curitiba recebe seletiva de principal Campeonato Mundial de breaking

Red Bull BC One abre inscrições nesta segunda (30) e reúne os maiores nomes da modalidade, que agora faz parte do programa oficial de Paris-2024

Brasileiros se enfrentarão em busca de vaga na Final Mundial, que ocorre na Polônia, em novembro (Crédito: Little Shao/Red

Bull Content Pool)
Com quase duas décadas e fortes nomes do breaking reunidos ao redor do mundo, o Red Bull BC One retorna ao Brasil em 2021 e abre inscrições a partir desta segunda-feira (30), por meio do site www.redbull.com.br/bcone. Para conectar os mais talentosos dançarinos do País, o evento conta com seletivas regionais, as chamadas Cypher - que, neste ano, não permitirão a presença de público - nas cidades de Curitiba (PR), Fortaleza (CE), São Paulo (SP), e Brasília (DF). Os 16 b-boys e 16 b-girls que se destacarem nesta primeira fase se enfrentarão na Final Nacional visando à uma vaga por categoria na etapa Mundial do evento, que ocorre na Polônia, em novembro.

A disputa deste ano, que conta com a participação de mais de 30 países, marca a primeira edição após entrada oficial da modalidade no maior evento multiesportivo do mundo, e possibilitará que o público acompanhe um alto nível de disputa e conheça os principais nomes da cena. No júri da etapa nacional, grandes referências avaliarão os dançarinos brasileiros, como o b-boy Pelezinho, lenda do breaking e figura presente na cena há mais de 20 anos; o b-boy Neguin, colecionador de diferentes títulos mundiais; e a b-girl FaB*Girl, dançarina, coreógrafa, pesquisadora e fundadora do BSBGIRLS, primeiro grupo nacional de breaking formado apenas por mulheres.

“Neste ano, estou muito a fim de ver além de corpos altamente preparados: a expressão da autenticidade e espiritualidade. Ver as pessoas sendo quem elas verdadeiramente são e assumindo suas origens, regionalidades e suas histórias é tocante, inspira e emociona. Além disso, a tranquilidade e segurança expressa são fatores importantes. É sobre presença, saber a que veio e assumir a sua posição ali ou aqui no mundo - está na própria postura e comportamento ao dançar”, reflete Fab*Girl.
E MAIS:
> Confira o ‘beabá’ do breaking na produção “ABC do... Red Bull BC One”, que apresenta os diferentes elementos e movimentos que compõem uma dança da modalidade.
A competição funciona no formato 1x1, com duas a três entradas dos dançarinos em cada round. As apresentações levam de 30 segundos até 1 minuto, a depender da estratégia adotada pelo participante em cada um dos momentos. Para surpreender aos jurados, os artistas devem considerar em suas performances fatores como criatividade, originalidade, dinâmica, combinações de movimentos e musicalidade - que significa dançar em cima da ‘quebra’ da música, o que traduz o nome da modalidade.

“A expectativa para esse evento é imensa, já que, por conta da pandemia, não tivemos o evento por um ano aqui no Brasil. Com esse período em casa, os dançarinos tiveram bastante tempo para treinar, pensar e criar, então, acredito que o nível estará altíssimo e que os participantes virão bem afiados para disputar as cyphers deste ano”, revela Pelezinho.

Conheça o Red Bull BC One:
O Red Bull BC One é a maior competição individual do mundo entre b-boys e b-girls. Criado em 2004, o evento de breaking é realizado em diversos países, onde a cada ano milhares de dançarinos competem em batalhas regionais, as chamadas Cyphers. Após essa primeira fase, os melhores 16 b-boys e 16 b-girls se enfrentam na final nacional do evento que, neste ano, ocorre em outubro na cidade de São Paulo. Os vencedores dessa etapa (um de cada categoria) garantem uma vaga na final mundial, que acontece no dia 6 de novembro, em Gdansk, na Polônia. A grande decisão funciona no formato mata-mata, no qual os participantes dançam em frente a um painel formado por cinco jurados e têm suas habilidades avaliadas. Vale tudo para impressionar: técnica, criatividade e simpatia. Quem for melhor em todos os requisitos e conquistar os juízes, vence.

Fique de olho nas datas!
30/08 - Início das inscrições por meio do site www.redbull.com.br/bcone
10/09 - Último dia de inscrições
11/09 - Cypher Fortaleza
19/09 - Cypher Brasília
25/09 - Cypher Curitiba
02/10 - Cypher São Paulo
03/10 - Final Nacional em São Paulo
06/11 - Final Mundial na Polônia

Jokers programação de setembro

A programação mensal de setembro do Jokers (R. São Francisco, 164 – Centro Histórico) inicia com uma variedade de shows que vão contemplar vários gêneros musicais. Todos os shows são realizados no formato pocket show, sem pista de dança e com o público sentado, seguindo as recomendações preventivas para a Covid-19.
A casa trabalha com capacidade reduzida e por isso os lugares são limitados, com reservas antecipadas pelo telefone e (41) 3324-2351.
A abertura da casa é às 18h, de segunda a sexta-feira, e às 21h nos sábados, com os shows iniciando às 19h30. A casa oferece o Happy Jokers das 18h. até as 20h30 com mais de 100 produtos com 50% de desconto.

Confira a programação até o dia 10 de setembro:

QUARTA 1º SET, às 19h30 horas - Ney Ranjel Trio Jazz –. Ingressos R$5.

QUINTA 2 SET, às 19h30 horas – Guima Looper e Will Costa – Pop Rock Internacional –. Ingressos R$5.

SEXTA 3 SET, às 19h30 horas – Bruno (Anacrônica) e Ivan Rodrigues –Rock anos 90 Nacional –. Ingressos R$5.

SÁBADO 4 SET, às 21 horas – Discotecagem com DJ Gilber – Hits dos anos 80/90 no vinil com o melhor do pós punk–. Ingressos R$10.

QUARTA 8 SET, às 19h30 horas – Jazz Pirata com Pirata e Boldrini –. Ingressos R$5.

QUINTA 9 SET, às 19h30 horas – Amandio e Renato Ximú – Clássicos do Rock –. Ingressos R$5.

SEXTA 10 SET, às 19h30 horas – Men in Black – Rock –. Ingressos R$5.

Jokers – R. São Francisco, 164 – Centro Histórico
Reservas e informações: (41) 3324-2351. www.jokers.com.br

Projeto Doze Belas – Edição Especial 10 anos

Com a missão de resgatar a beleza da mulher real em sua totalidade, a empreendedora Maribel Souza idealizou o Projeto Doze Belas, que valoriza a essência feminina nas diferentes etapas da vida, exaltando os traços e estilos únicos que toda mulher possui. O projeto busca por 12 belas mulheres entre 30 e 70 anos ou mais, para compor um editorial de moda, assinado por grandes nomes e publicado em uma revista. Estas mulheres serão escolhidas não somente pela beleza exterior, mas também por suas histórias de vida. Trabalhadoras, mães, donas de casa, avós ou empresárias: para o Projeto Doze Belas o que conta é a garra, a força, a coragem e a determinação destas mulheres.
E não é a primeira vez que o projeto mexe com as emoções das mulheres de Curitiba. A primeira edição foi desenvolvida no ano de 2011, seguida de mais três edições (2012, 2013 e 2014) na cidade e uma em São Paulo. Agora, depois de 5 edições de absoluto sucesso, volta com a sexta edição, especial de 10 anos. Em breve doze novas estrelas irão compor um super editorial de moda assinado pelos maiores nomes do cenário nacional da beleza, moda e consumo.
As inscrições estarão abertas a partir do dia 13/9 e se encerram 13/10. Na primeira etapa de seleção, serão 30 mulheres classificadas e somente doze vão para a final, compondo o time da Edição Especial de 10 anos do projeto. Todas as doze belas escolhidas por suas trajetórias terão pela frente uma maratona de momentos especiais, que inclui sessões fotográficas, eventos, entrevistas, ações sociais, além de muitos mimos e cuidados especiais. O cronograma do projeto inicia com a abertura das inscrições e vai até a festa final, que se realizará no final de novembro com a apresentação do editorial e do filme com as doze belas, seus familiares, convidados, patrocinadores e imprensa.
As interessadas poderão se inscrever no link que será disponibilizado na bio do instagram e facebook do Projeto Doze Belas.
Instagram: @projetodozebelas
Facebook: /projetodozebelas
Email: projetodozebelas@gmail.com Idealizadora: Maribel Souza (@maribelsouza)