McDonald’s substitui bandejas de plástico de seus restaurantes no Brasil por versão mais sustentável

A novidade chega a Curitiba primeiro no restaurante Cabral

A Arcos Dorados, maior franquia independente do McDonald's do mundo e que opera os restaurantes da rede na América Latina e no Caribe, avança em seu compromisso de impactar positivamente o meio ambiente e anuncia a substituição das bandejas de plástico utilizadas pelos clientes nos salões por uma versão mais sustentável.

O movimento faz parte de um programa de redução de plásticos que começou em 2018. Desde então, um total de 1.300 toneladas de plástico de um só uso foram retiradas dos restaurantes. O plano da companhia é continuar nesse caminho, garantindo que o material eliminado jamais retorne e que o impacto positivo das medidas seja verdadeiramente poderoso.

As novas bandejas representam o primeiro passo da parceria entre a Arcos Dorados e a UBQ, empresa israelense especialista na conversão de resíduos domiciliares em termoplásticos. Nesta primeira fase, 7.200 bandejas sustentáveis foram distribuídas em 30 McDonald's localizados em 20 capitais brasileiras. Em Curitiba, o restaurante Cabral é o primeiro a receber a novidade. A iniciativa será estendida gradualmente às demais unidades da rede em todo o país e, para isso, já estão em produção 11 mil unidades adicionais. Com o uso de UBQ na fabricação das bandejas, mais de 1.200kg de resíduos já deixaram de ir para aterros.

As novas bandejas são produzidas pela empresa brasileira Semaza, cuja fábrica está localizada em Santana de Parnaíba, na Grande São Paulo. As peças antigas retiradas dos restaurantes serão destinadas aos projetos de economia circular promovidos pela própria Arcos Dorados.

“Somos uma companhia totalmente comprometida com o meio ambiente e estamos fazendo tudo o que é possível para reduzir o impacto de nossa operação, dentro de nossa plataforma Receita do Futuro. A parceria com a UBQ é mais um passo para trazer cada vez mais soluções inovadoras para melhorar o mundo em nossa volta e estamos orgulhosos em dar esse primeiro passo, apoiando uma tecnologia que irá mudar a forma como a sociedade recicla seu lixo orgânico”, afirma Gabriel Serber, Diretor de Desenvolvimento Sustentável e Impacto Social da Arcos Dorados.

A iniciativa utiliza o processo inovador desenvolvido pela UBQ, que usa o resíduo orgânico como parte essencial na produção de um termoplástico mais favorável ao meio ambiente. No processo, os resíduos são divididos em seus componentes naturais básicos, como celulose, lignina, açúcares e fibra, para o desenvolvimento de uma matéria-prima compatível com máquinas e padrões de fabricação da indústria.

A produção de material UBQ também contribui para a redução de emissão de dióxido de carbono (CO2) na atmosfera. Ao reciclar uma tonelada, por exemplo, se evitam aproximadamente 15 toneladas de dióxido de carbono no meio ambiente. A estimativa é de que a produção das primeiras 18 mil bandejas do projeto represente uma redução de 3.713kg de dióxido de carbono.

Segundo a Quantis, líder global em avaliações de impacto ambiental, a matéria-prima criada pela empresa foi considerada o termoplástico mais favorável ao meio ambiente disponível, podendo compensar significativamente a pegada de carbono de um produto.

"UBQ™ tem o potencial de revolucionar a forma como vemos os resíduos, transformando-os em um recurso valioso para a manufatura. O mercado em geral está exigindo soluções sustentáveis e a indústria de alimentação rápida não é exceção. O UBQ permite que os fabricantes criem produtos que impactam positivamente o nosso mundo, sem comprometer a lucratividade. É uma solução tão simples quanto sua implementação”, Albert Douer, presidente executivo da UBQ Materials.

Compromisso com o Desenvolvimento Sustentável

A implementação de bandejas produzidas com material UBQ se soma a uma série de iniciativas da Arcos Dorados com foco na redução e uso consciente do plástico, incluindo a substituição das embalagens de alguns produtos e a suspensão da entrega proativa de canudos em seus restaurantes, o que já evitou o consumo de cerca de 200 toneladas de plástico descartável em um ano. Para conhecer as iniciativas e compromissos socioambientais da Arcos Dorados, visite o site www.receitadofuturo.com.br.

Além das ações regionais, a empresa está comprometida a cumprir as metas globais do McDonald’s para reduzir as emissões de gases de efeito estufa de seus restaurantes e escritórios em 36% até 2030, e mais 31% em toda sua cadeia de suprimentos no mesmo período. No total, 11 milhões de toneladas de CO2 não chegarão mais à atmosfera, o que equivale a plantar 3 bilhões de árvores ou retirar 25 milhões de carros das ruas.

Sobre a Arcos Dorados

A Arcos Dorados é a maior franquia independente do McDonald’s do mundo e a maior rede de serviço rápido de alimentação da América Latina e Caribe. A companhia conta com direitos exclusivos de possuir, operar e conceder franquias locais de restaurantes McDonald’s em 20 países e territórios dessas regiões. Atualmente, a rede possui mais de 2.200 restaurantes, entre unidades próprias e de seus subfranqueados, que juntos empregam mais de 100.000 funcionários (dados de 30/9/2020). A empresa também mantém um sólido compromisso com o desenvolvimento das comunidades nas quais está presente e com a geração de primeiro emprego formal para jovens, além de utilizar sua escala para impactar de maneira positiva o meio-ambiente. A Arcos Dorados está listada na Bolsa de Valores de Nova York (NYSE: ARCO). Para saber mais sobre a Companhia por favor visite o nosso site: www.arcosdorados.com

Sobre a UBQ:

A UBQ é uma empresa de tecnologia limpa com sede em Israel que prevê um mundo onde recursos finitos são infinitamente reutilizados. Uma empresa certificada da B-Corp, a UBQ transformou o lixo doméstico em um recurso renovável. Por meio de seu processo patenteado, os resíduos não classificados tornam-se o UBQ Material, um material termoplástico renovável, de base biológica e com aplicabilidade cada vez maior. Saiba mais sobre a empresa no site: www.ubqmaterials.com

Maçã: aprenda receita clássica para aproveitar o período de colheita da fruta

Ingrediente para doces, geleias e até vinagre, maçã tem período de colheita entre janeiro e maio

Com o período de colheita concentrado entre os meses de janeiro e maio, a maçã aparece com novas variedades, preços e ofertas nos supermercados nessa época do ano. Além disso, a safra nacional, segundo a Associação Brasileira de Produtores de Maçã, vem registrando um crescimento de 6.000% nas últimas três décadas, o que facilita ainda mais o acesso do consumidor a essa fruta.

Presente em grande parte dos lares brasileiros, a maçã é capaz de agradar diversos paladares. Desde os que preferem doces até os mais naturais podem usufruir da versatilidade da fruta para o preparo de receitas para todos os gostos. E, com o período de colheita em alta, a oferta nos supermercados torna mais fácil encontrar variedades diferentes e melhores preços para aproveitar. Por isso, a Herança Holandesa, marca de farinhas de trigo da Unium, que une as indústrias das cooperativas Frísia, Castrolanda e Capal, separou uma receita especial. Bom apetite!

Torta de maçã

Massa:

2 e 1/2 xícaras de farinha de trigo tradicional Herança Holandesa

225g de manteiga

1 colher (sopa) de açúcar

1 pitada de sal

2 colheres (sopa) de vinagre de maçã

água gelada (cerca de 4 a 6 colheres de sopa)

1 gema, para pincelar

Recheio:

1,5kg de maçã

1 xícara de açúcar

Suco de 1 limão

50g de manteiga

1 colher (chá) de canela em pó

1 pitada de noz moscada

Modo de preparo:

Para o recheio: descascar as maçãs e cortar em fatias, misturar o suco de limão e o açúcar. Derreter a manteiga em uma panela grande, juntar as maçãs e cozinhar em fogo baixo por 3 a 5 minutos. Juntar as especiarias e reservar até esfriar.

Para a massa: misturar os ingredientes secos. Cortar a manteiga em cubos e misturar aos secos com as pontas dos dedos, até obter uma farofa. Juntar o vinagre de maçã e a água, aos poucos, até obter uma massa lisa e uniforme. Gelar por 30 minutos. Dividir em duas partes e abrir com o rolo de massa, entre duas folhas plásticas.

Usar uma das massas para forrar uma forma baixa. Colocar o recheio e cobrir com a massa restante. Abrir fendas na superfície da massa para sair o vapor de fervura do recheio. Pincelar a gema batida com 1 colher (sopa) de água. Assar em forno pré-aquecido em 180ºC por 20 a 30 minutos – até que a massa esteja bem dourada.

Servir quente.

Rendimento: 1 torta

Tempo de preparo: 80 minutos

Sobre a Unium

Marca institucional das indústrias das cooperativas Frísia, Castrolanda e Capal, a Unium representa os projetos em que as cooperativas paranaenses atuam em parceria. Conta com três marcas de lácteos: Naturalle – com produtos livres de aditivos -, Colônia Holandesa e Colaso. No setor de grãos, a Unium tem a marca Herança Holandesa – farinha de trigo produzida em uma unidade totalmente adequada à ISO 22000, com elevados padrões de exigência.

Além disso, fazem parte dos negócios a Alegra, indústria de alimentos derivados da carne suína, e a Energik, usina de produção de energia sustentável, todas reconhecidas pela qualidade e excelência. Mais informações: http://unium.coop.br/

Hard Rock planeja 6 hotéis para crescer no Brasil na pandemia

Empreendimentos da marca americana, em parceria com a desenvolvedora VCI, pretendem atrair investidores com novo modelo multipropriedade
A relação do Brasil com as grandes redes internacionais do setor de serviços, como restaurantes e hotéis, é marcada por idas e vindas. Razões não faltam: custos elevados de operação, burocracia e baixo crescimento são alguns dos motivos que explicam saídas temporárias do país, como aconteceu com a Dunkin’ Donuts alguns anos atrás e chegou a se colocar em planejamento com os australianos do Outback antes da pandemia.

Por outro lado, o tamanho do mercado doméstico e o sucesso conquistado por redes como McDonald’s e Starbucks servem como argumentos para quem aposta no país. O mais novo representante desse movimento é o famoso Hard Rock, marca americana de lifestyle, hotéis e restaurantes que planeja a abertura de seis hoteis nos próximos anos. O aumento da presença no país vai se dar por meio de uma parceira, a VCI, uma incorporadora e desenvolvedora de projetos multipropriedade no segmento de alto padrão.

Os projetos mais avançados são o Hard Rock Hotel Fortaleza, na praia de Lagoinha, no Ceará, e o Hard Rock Ilha do Sol, em Sertaneja, na região de represas ao norte de Londrina, no Paraná, quase na divisa com o estado de São Paulo. Ambas as unidades haviam alcançado mais de 760 milhões de reais em vendas em novembro (dado mais recente divulgado). Os dois empreendimentos têm VGV (valor geral de vendas) projetado de 1,5 bilhão de reais.

A VCI contratou no ano passado a BN Engenharia, construtora do Grupo Bueno Netto, para acelerar a execução das obras do Hard Rock Hotel Fortaleza, em um contrato de 85 milhões de reais. É a unidade cujas obras estão em estágio mais avançado. O Hard Rock Hotel de Fortaleza tem previsão de entrega no fim deste ano, e o da Ilha do Sol, em 2022.

Haverá uma unidade também em São Paulo, o Hard Rock Hotel São Paulo (nome provisório), localizado na avenida Paulista, no prédio do grupo japonês Sumitomo.

As demais unidades em desenvolvimento são em Foz do Iguaçu (Paraná), Natal (Rio Grande do Norte) e Recife (Pernambuco). Quando entregues, os hoteis terão a operação a cargo da própria Hard Rock.

Quitação de debêntures e fundo de Cingapura

As receitas com as vendas para Fortaleza e Ilha do Sol permitiram que a VCI, por sua vez, quitasse integralmente suas debêntures antes do período de carência, com 22 meses de antecedência, e retirasse todos seus papéis de circulação na B3. No fim do ano passado, a empresa obteve um empréstimo de 400 milhões de reais com um fundo de Cingapura, com parte conversível em ações, avaliando a VCI em mais de 2 bilhões de reais.

Além da expansão por meio de hoteis, a Hard Rock tem quatro restaurantes no país, em Gramado (Rio Grande do Sul), Curitiba (Paraná), Ribeirão Preto (interior de São Paulo) e Fortaleza, que são administrados diretamente pela marca.

Modelo multipropriedade

A VCI comercializa cotas individuais dos apartamentos dos hotéis no Ceará e no Paraná, a um preço de entrada que na unidade de Fortaleza gira em torno de 60.000 reais. Ele dá direito ao registro de propriedade e a duas semanas de hospedagem por ano, uma vez que são negociadas 25 cotas por apartamento. Caberá ao proprietário usufruir do imóvel no período determinado ou rentabilizar por meio de um pool gerenciado pela VCI para aluguel.

Nos meses de crise mais aguda por causa das medidas de distanciamento social, a VCI lançou a startup 2Share, uma plataforma com um novo modelo de vendas online e franquias para empreendedores imobiliários. É um projeto que estava em desenvolvimento havia um ano e meio com a consultoria de negócios Cherto, do experiente Marcelo Cherto.

O modelo lançado em 2020 funciona com dois tipos de franquia. A primeira é uma microfranquia online para corretores individuais, pensada para gerar renda para microempreendedores durante a pandemia. Já o segundo modelo projeta uma loja física, com atendimento presencial tanto em pontos de rua como em shoppings.

O lançamento da startup praticamente fez dobrar as vendas online das frações da bandeira Hard Rock no Brasil - os números totais de 2019 foram superados em agosto do ano passado - e isso valorizou as cotas em 44%.

Conteúdo via Exame.com

LIDE Futuro promove mentoring com Marcelo Scandian

O primeiro unicórnio, apelido dado às companhias avaliadas em US$ 1 bilhão, anunciado em 2021 no Brasil é paranaense, o e-commerce MadeiraMadeira recebeu um aporte de US$190 milhões do fundo japonês Softbank e passou a ser a segunda startup fora de São Paulo a figurar na lista das bilionárias do país.

Marcelo Scandian, CFO e Co-Founder do Madeiramadeira abriu as mentorias do LIDE Futuro Paraná na última quarta-feira, 27, e recebeu um grupo de filiados na sede da empresa em Curitiba, seguindo todos os protocolos de segurança da OMS (Organização Mundial da Saúde).

Scandian contou a trajetória de erros e acertos que levou do pequeno barracão em São José dos Pinhais, em 10 anos, a se tornar uma das empresas mais valiosas do país. "A fórmula é praticar o day one, cada dia pensar o que podemos fazer para superar nossos resultados. Sempre pensamos na frente, temos metas audaciosas, comemoramos as conquistas, mas no dia seguinte é começar tudo de novo. Um processo de crescimento constante", destacou.

Entre os principais desafios abordados por ele durante a mentoria está relacionado a pessoas, tanto na gestão quando na contratação eficiente. Hoje a empresa tem 300 vagas abertas e Scandian conta que tem dificuldade de preencher essas colocações. "Buscamos ajuda no Sebrae, em profissionais de recursos humanos. O problema do Brasil não é o desemprego, é a falta de mão de obra qualificada". Até o final de 2021 a MadeiraMadeira pretende ter um quadro de 3.000 colaboradores diretos.

Hoje a MadeiraMadeira atende todo o Brasil, cresce em ritmo acelerado ano a ano e com o recente aporte vai ampliar o mix de produtos, investir em private label, e em lojas físicas onde aumentará a experiência do consumidor com a marca. A presidente do LIDE Paraná, Heloisa Garrett conduziu o encontro e destacou que uma das missões da entidade é inspirar os filiados com trajetórias vencedoras. "Estamos aos poucos retomando nossos encontros presenciais e é muito importante, neste momento onde os empreendedores passam por momentos desafiadores e também se deparam com oportunidades, ver que não estão sozinhos e podem encontrar em nosso ecossistema ajuda e inspiração", destaca.

Mais informações sobre o LIDE Paraná: www.lideparana.com.br