Sete lições que estamos aprendendo durante a pandemia

O escritor e pastor Antonio Junior aponta sete importantes lições aprendidas pela ótica cristã com a pandemia da covid-19.

A pandemia do novo coronavírus estabeleceu um novo normal nas vidas de muitas pessoas, de todas as esferas sociais e históricos profissionais, mas também trouxe questionamentos sobre o papel da fé e da a religião neste momento tão difícil, em que muitos receiam sair de suas casas diante da ameaça de contaminação com o novo coronavírus.

O escritor e pastor Antonio Junior, dono do maior canal de mensagens cristãs do YouTube mundial, com quase cinco milhões de inscritos, aponta como a pandemia da covid-19 trouxe consigo não apenas a doença, mas também uma oportunidade de aprendermos lições valiosas: “em momentos como estes, de incertezas e dificuldades, encontramos respostas através das lições que aprendemos através de tudo que estamos vivendo. O novo coronavírus é uma ameaça real e não faz distinção de raça, credo religioso ou condição social, o que nos faz refletir mais na nossa condição humana, do quanto precisamos de Deus e até mesmo no quanto somos pequenos diante de circunstâncias como estas.”

Acompanhe as 7 lições apontadas pelo pastor Antonio Junior que estamos aprendendo durante a pandemia do novo coronavírus:

1. A internet não é a vilã
Durante muitos anos, pessoas que cresceram dentro de uma linha de pensamento mais tradicional, via o avanço da tecnologia com maus olhos. No entanto, a pandemia está nos mostrando que, na verdade, ela é uma grande ferramenta e uma aliada. A quarentena e toda a situação de isolamento social têm sido extremamente educativas, em especial para pastores e líderes, que estão percebendo que há um novo normal e que se não usarem a internet de maneira apropriada, poderão ter uma redução significativa no número de pessoas em suas congregações, dadas as novas regras de convivência.

2. Templos vazios, lares cheios
Esse vírus foi um grande desafio para aqueles pastores e líderes religiosos que só estavam preocupados com ganhos financeiros, assim como charlatões que prometem curas e milagres de forma irresponsável, e que agora, estão sendo desmascarados. Aprendemos com a pandemia que a igreja somos nós e não as instituições e os prédios que as comportam, e que onde estiverem 2 ou 3 reunidos em nome do Senhor, Deus está presente com eles, ainda que via streaming.

3. Menos consumismo, mais reflexão
Fechamos as portas dos comércio e abrimos as portas para a reflexão. O consumismo desenfreado teve que parar durante a pandemia, quando muitos de nós percebemos que não precisávamos de sacolas de compras abarrotadas durante uma visita ao shopping center para sermos felizes. A pandemia nos ensinou que precisamos de muito menos do que pensávamos para viver uma vida plena.

4. Somos finitos e limitados
O novo coronavírus nos lembra que não somos tão fortes assim, que somos mortais, finitos e frágeis, e que o fato de termos uma fé não nos torna imbatíveis perante a ameaça da pandemia. Afinal, não devemos tentar a Deus nos colocando na linha de frente do perigo, e sim sermos prudentes.

5. Não existem salvadores da pátria
A pandemia nos ensina que não há um político sequer que tenha todas as respostas aos nossos problemas e que não devemos idolatrar nenhum deles, muito menos depositar neles todas as nossas esperanças, seja quem for. Nenhum deles pode trazer a solução que precisamos e alguns até falham em apresentar medidas e orientações que se mostram totalmente equivocadas, conduzindo milhões ao erro. Neste momento em que até mesmo os especialistas não nos podem dizer com precisão o caminho a seguir, somos desafiados a confiar em Deus totalmente.

6. Não estamos tão seguros quanto pensávamos
A pandemia nos ensinou que o mercado não é estável nem capaz de se regular sozinho diante de situações nos momentos de maior crise econômica. Sistemas políticos e financeiros entraram em colapso e muitos não foram capazes de prover auxílio e respostas à população. Afinal, nosso sistema capitalista também é falho.

7. A solidão e o silêncio nunca falaram tão alto
Acredito que em meio à dor e a solidão, Deus pode nos ensinar valiosas lições. Quando calamos a voz da correria e dos afazeres, abrimos espaço para deixar Deus falar e ouvirmos sua voz dentro de nós. Muitas pessoas se voltaram mais para a fé, a leitura da Bíblia e à oração neste período de tribulação que vivemos.

Esquadrão da Moda, no ar aos sábados, às 21h15!

cid:image001.png@01D342B2.45BFB580

Inédito: Esquadrão da Moda repagina visual de esteticista que compra roupas no setor infantil das lojas

downloadAttachment&Message%5Buid%5D=173635&Message%5Benvelope%5D%5Bmessage-id%5D=%253CCPXP152MB3253B53E48EE6FAE3D00CBF2EB650%2540CPXP152MB3253.LAMP152.PROD.OUTLOOK.COM%253E&Message%5BmailBox%5D%5Bmailbox_id%5D=INBOX&MessageAttachment%5B%5D%5Battachment_id%5D=%3CCPXP152MB3253B53E48EE6FAE3D00CBF2EB650%40CPXP152MB3253.LAMP152.PROD.OUTLOOK.COM%3E-1.1.3downloadAttachment&Message%5Buid%5D=173635&Message%5Benvelope%5D%5Bmessage-id%5D=%253CCPXP152MB3253B53E48EE6FAE3D00CBF2EB650%2540CPXP152MB3253.LAMP152.PROD.OUTLOOK.COM%253E&Message%5BmailBox%5D%5Bmailbox_id%5D=INBOX&MessageAttachment%5B%5D%5Battachment_id%5D=%3CCPXP152MB3253B53E48EE6FAE3D00CBF2EB650%40CPXP152MB3253.LAMP152.PROD.OUTLOOK.COM%3E-1.1.4
Danieli e Joandre/ Arlindo e Isabella
Foto: Gabriel Cardoso/SBT

O Esquadrão da Moda deste sábado, 11 de julho, vai repaginar o visual da esteticista Danieli, 31 anos de Poá/SP. Ela é miúda, bem baixinha e magrinha. Freqüentemente precisa provar que é maior de idade, seja no trabalho, em viagens ou quando sai para baladas e shows com o marido. O Joandre, o marido, a inscreveu exatamente por isso: ela, por já ser pequena, não passa muita credibilidade quando precisa e ainda para piorar se veste de maneira bem adolescente. Danieli passou por uma reeducação alimentar e emagreceu bastante. Hoje tem emprestado roupas da sua sobrinha de 14 anos e comprado no setor infantil de lojas de departamento: “Ela tem usado muitas blusinhas com personagens, peças infantilizadas”, diz Joandre. Dani se incomoda muito em sempre a acharem mais nova. Caberá a Arlindo e Isabella ajudá-la a escolher peças que se adequem ao seu corpo miúdo, para que Dani se adeque profissionalmente e socialmente.