O Festival de Primavera do Medieval Market terá uma programação completa, incluindo no passaporte um farto Banquete Medieval

Acampamento Histórico com encenação da Era Medieval do século X, Lutas e Esgrima da Idade Média, Mercadores Temáticos e Artesãos, Música ao vivo, Oficinas, Mediações e um incrível Campeonato de Arquearia para iniciantes com direito à prêmios.

O Banquete Medieval conta com receitas históricas e o capricho dos chefes de cozinha alemães do Refúgio do Vale. Entre as diversas opções de carnes e legumes assados, pães feitos com fermentação natural, mel e muitas frutas, os participantes com restrições alimentares podem contar com opções ricas de pratos veganos.

Preparem-se para dançar ao som de músicas que narram a história de muitos reinos medievais da Europa e dos seus viajantes do Oriente. O Festival contará com a participação de músicos estudiosos de canções eslavas, francesas, portuguesas, catalãs, nórdicas e árabes.

Durante todo o evento, haverá um acampamento histórico baseado em achados arqueológicos e pesquisas sobre o séculos IX ao XI da Era Viking Escandinava. Os reencenadores do período são pesquisadores que estarão vestidos com roupas da época ensinando sobre suas atividades em pequenas oficinas e mediações, como por exemplo: tintura natural e tecelagem, trabalho em couro, produção de cerveja artesanal dos monges, arquearia, esgrima medieval e muito mais!

Nos últimos anos, o Medieval Market já reuniu mais de 3 mil pessoas em diferentes versões dos eventos, entre oficinas de artesanato históricas e festivais culturais que movimentam o turismo na região trazendo visitantes de diversos Estados brasileiros. Sempre com objetivos educacionais e trazendo o contato com a História na prática da vida atual.

Nesta edição, a equipe de produção está tomando todas as ações recomendadas pela OMS e pelo decreto do Governo do Estado do Paraná para manter o distanciamento social e evitar a contaminação do covid-19. Além do uso de máscaras, o distanciamento de 1,5 metros e higienização constante com álcool em gel durante o evento, na entrada a produção medirá a temperatura de cada participante e solicitará o comprovante digital ou impresso da vacinação contra o corona vírus. Os não vacinados podem participar apresentando o teste PCR negativo realizado até 72h antes do festival. As famílias podem se sentir seguras para aproveitar um encontro em uma chácara equipada e com acerca de 100 mil metros². Muito espaço verde, incluindo bosque, trilha e uma paisagem excepcional.

Não perca a oportunidade de experimentar uma História Viva ! As vagas são muito limitadas devido as restrições da pandemia.

INGRESSOS LIMITADOS PARA EVITAR AGLOMERAÇÕES

DATAS DOS LOTES:

1º Lote – R$250: venda até o dia 7 de Novembro ou até esgotarem os ingressos

2º Lote – R$280: venda até o dia 20 de Novembro ou até esgotarem os ingressos

O QUE ESTÁ INCLUSO NO PASSAPORTE:

Banquete Medieval Liberado

Todas as atrações culturais, artísticas e esportivas.

Entrada para o dia inteiro de festival

Demonstrações e Aulas Históricas nas Oficinas

NÃO INCLUSO:

Bebidas

Compras extras no mercado histórico

Campeonato de Arquearia – taxa de R$20 para aluguel do equipamento

Prêmio do Campeonato para melhor atirador: um arco e flechas

Aprenda as versões veganas dos pratos típicos do inverno

Receitas da Superbom, além de saborosas, são ideais para os dias mais frios do ano

Com a chegada do inverno, se inicia também a temporada de sopas, bebidas e receitas quentes perfeitas para os três meses da estação. Com isso em mente, a Superbom, empresa pioneira na produção de produtos saudáveis, preparou receitas que prometem fazer a alegria de veganos, vegetarianos e até mesmo daqueles que procuram reduzir o consumo de produtos livres de origem animal.

Cyntia Maureen, nutricionista da marca, idealizou cinco receitas que, passando por caldos e preparos como fondue e cappuccino sem cafeína, podem ser consumidos ao longo do dia no café da manhã, lanche da tarde e jantar. As receitas, completamente veganas, foram preparadas com produtos da Superbom que conta em seu catálogo com carnes plant-based, queijos vegetais e geleias e sucos orgânicos.

Confira abaixo as receitas idealizadas por Cyntia Maureen, nutricionista da Superbom:

Caldo de Tomate Vegano

1==QMwMjMjFmOyJmLt92YuEmcyVGdAlGbsV2Y1xWYtF2czVmbhZnO0YTN3EzN3ITNzozZlBnauc3bsdjN5IzM2MDM3EjRyUCM3EjRyUyN3UDNGJTJ0ADMyEzXtUTMt8VbvNmLyBXbtkmRyUiRyUSQzUycwRHdopTM

Ingredientes

• 2 colheres (sopa) de azeite de oliva extra virgem

• 1 cebola picada

• 2 dentes de alho picados

• 2 batatas em rodelas

• 500ml de suco de tomate temperado Superbom

• Folhas de louro a gosto

• Manjericão a gosto

Modo de preparo

Em uma panela, aqueça o azeite e refogue a cebola e o alho. Adicione a batata, o suco de tomate e o louro. Deixe cozinhar até as batatas ficarem al dente. Em seguida, descarte o louro e bata o restante dos ingredientes no liquidificador. Retorne para a panela e mexa até esquentar. Polvilhe manjericão e sirva.

Caldinho de Feijão Vegano

4==wM4MWNihjOyJmLt92YuEmcyVGdAlGbsV2Y1xWYtF2czVmbhZnO0YTN3EzN3ITNzozZlBnauc3bsZjMxMzM3ITNyMjRyUSNyMjRyUyN3UDNGJTJ0ADMyEzXtUTMt8VbvNmLyBXbtkmRyUiRyUSQzUycwRHdopDM

Ingredientes:

• 240g de Linguiça Defumada Superbom

• 2 colheres (sopa) de azeite de oliva extra virgem

• 1 cebola picada

• 1 dente de alho picados

• 2 xícaras de feijão cozido

• 1 xícara de água

• Salsinha a gosto

Modo de preparo

Em uma panela aqueça o azeite e refogue a cebola e alho até dourar. Em seguida, acrescente a linguiça cortada em cubos e deixe refogando por 3 minutos. Depois, adicione o feijão a água e tempere com sal e pimento do reino a gosto, abafe em fogo baixo até o caldo ficar encorpado. Por fim, bata tudo no liquidificador e se necessário adicione água até ficar na consistência desejada. Sirva com salsinha a gosto.

Fondue de Queijo Vegano

3==QMllTO5EmOyJmLt92YuEmcyVGdAlGbsV2Y1xWYtF2czVmbhZnO0YTN3EzN3ITNzozZlBnauc3bsFTN1cTO0AzM0IjRyUyM0IjRyUyN3UDNGJTJ0ADMyEzXtUTMt8VbvNmLyBXbtkmRyUiRyUSQzUycwRHdopzN

Ingredientes

• ½ xícara de mandioquinha cozida

• 400g de VeganCheese Prato Superbom ralado

• 1 colher (sopa) de polvilho azedo

• 1 colher (sopa) de polvilho doce

• 3 dentes de alho

• 170ml de água quente

• 4 colheres (sopa) de azeite

• 2 colheres (sopa) de vinagre de maçã diluído em 4 colheres (sopa) de água

• Sal a gosto

• Noz moscada

• Pão italiano para acompanhar

Modo de preparo

No liquidificador bater a mandioquinha cozida com o VeganCheese Prato da Superbom, polvilho doce e azedo, azeite, sal, água quente e alho. Em uma panela colocar o vinagre diluído em água e a mistura que foi batida no liquidificador. Mexer por 5min. Acrescentar noz moscada a gosto. Servir com pães diversos ou batatas.

Rosca de Damasco com Coco

8==wNjVmMxEmOyJmLt92YuEmcyVGdAlGbsV2Y1xWYtF2czVmbhZnO0YTN3EzN3ITNzozZlBnauc3bsFDM3QzMyATN2EjRyUSN2EjRyUyN3UDNGJTJ0ADMyEzXtUTMt8VbvNmLyBXbtkmRyUiRyUSQzUycwRHdopTN

Ingredientes

Massa

• 2 copos de água morna

• 1 pacote de fermento biológico seco

• 6 colheres (sopa) de açúcar demerara

• 1/2 xícara de óleo de girassol

• Suco de 1/2 limão

• 1 pitada de sal

• 1 1/2 xícara de chá de aveia em flocos finos

• Farinha de trigo até dar liga (cerca de 1kg)

• 1 a 2 frascos de Geleia de Damasco com Pedaços Superbom

• 1/2 xícara de coco ralado

Cobertura

• 1/2 xícara de Melado de Cana Superbom

• 1 vidrinho de leite de coco*

• 2 colheres de sopa de coco ralado

Modo de preparo

Em uma bacia, coloque a água, o fermento e o açúcar. Mexa bem. Adicione o óleo, o sal, o suco de limão, a aveia, mexa e acrescente a farinha aos poucos até a massa desgrudar do fundo. Transfira para uma superfície limpa e sove bem até que fique uma massa bem lisa, elástica e sem grudar nas mãos. Cuidado para a massa não ficar seca nem dura.

Em uma superfície lisa, coloque papel manteiga e abra a massa com cerca de 1 dedo de espessura. Recheie com a Geleia de Damasco com pedaços Superbom, salpique o coco ralado e enrole, como um rocambole. O papel manteiga irá ajudar bastante nesse momento. Corte fatias com cerca de 4 dedos de largura, sempre com cuidado

Unte uma forma de bolo com furo no meio (com cerca de 30cm de diâmetro) e disponha sobre ela, lado a lado para dar o formato de rosca.

Cubra a assadeira com um guardanapo seco e deixe a massa descansar cerca de 30 minutos.
Asse em forno médio (cerca de 210ºC) pré-aquecido por cerca de 25 minutos ou até dourar.
Para a cobertura, em uma vasilha, misture bem o Melado de Cana Superbom, o leite de coco e o coco ralado.

Retire a assadeira do forno, mas mantenha-o ligado. Jogue a cobertura sobre o pão e devolva-o ao forno. Asse até a cobertura secar e cristalizar sobre o pão e está deliciosamente pronto!

*Se desejar um pouquinho mais seco, diminua a quantidade do leite de coco da cobertura.

Cappuccino sem Cafeína

8==AOwETN0YmOyJmLt92YuEmcyVGdAlGbsV2Y1xWYtF2czVmbhZnO0YTN3EzN3ITNzozZlBnauc3bsdjNwgTMxUDOwMjRyUCOwMjRyUyN3UDNGJTJ0ADMyEzXtUTMt8VbvNmLyBXbtkmRyUiRyUSQzUycwRHdopTN

Ingredientes

• 1 colher de sopa de cevada solúvel Superbom

• 200ml de leite de castanha de caju

• 1 colher (sopa) de açúcar demerara

• 1 colher (café) de Canela em pó (opcional)

• 1/2 colher (sopa) de cacau natural em pó

• Se preferir, você pode substituir o açúcar demerara por mel ou melado de cana Superbom

Modo de preparo

Em uma xícara adicione a cevada, canela, cacau e o açúcar. Adicione 3 colheres de sopa do leite de castanhas de caju para dissolver os ingredientes até formar uma espuma, depois adicione o restante do leite quente e se delicie.

Sobre a Superbom

A Superbom é uma empresa alimentícia, que trabalha com uma linha de produtos saudáveis, que abrange sucos, geleias, salsichas, proteínas, pratos prontos, entre outros. Fundada em 1925, a Superbom comercializa os seus produtos em mais de 25 mil pontos de vendas em todo país. Em função disso, é considerada uma das principais empresas do ramo de alimentos para veganos e vegetarianos do Brasil. A empresa iniciou as suas atividades com a produção de suco de uva, no interior de uma antiga casa pertencente ao Colégio Adventista Brasileiro (CAB), que posteriormente ficou conhecido como Instituto Adventista de Ensino e, hoje, abriga o Centro Universitário Adventista de São Paulo (Unasp-SP). Durante toda a sua história, a empresa atua diretamente ligada à Igreja Adventista do Sétimo Dia. Atualmente, a companhia conta com 250 colaboradores, entre a sede e as duas plantas da indústria (localizadas em São Paulo, capital, e em Lebon Régis, Santa Catarina).

Dia do Hambúrguer: produtos vegetarianos e veganos ganham espaço na data

A escolha por proteínas alternativas à carne vermelha, deve crescer quatro vezes e alcançar 8% do que é consumido até o fim da década, segundo estudo

Com a pandemia, 68% dos consumidores acreditam que a preocupação com a sustentabilidade deve ser levada ainda mais em conta, segundo o estudo “Food Trends Report 2021”. A preocupação com o meio ambiente, com a qualidade do alimento e com a saúde são indicativos do que muitos brasileiros buscam atualmente. É nesse sentido que a conscientização do impacto ambiental que a produção de alimentos causa no planeta desperta o interesse em saber o que se consome e entender as etapas do processo.

No dia 28 de maio, é comemorado o Dia do Hambúrguer, e uma das possibilidades é consumir carne vegetal ou hambúrgueres plant based. Nos restaurantes, nos mercados, nos aplicativos de delivery, as “plant-based meals” estão cada vez mais acessíveis e fazendo parte da rotina dos brasileiros. A busca por qualidade de vida e a preocupação com o meio ambiente são alguns fatores que incentivam hábitos mais saudáveis e sustentáveis. Segundo pesquisa da BHB Foods e Suplementos, a busca por produtos veganos cresceu 941% nos últimos oito anos no Brasil.

Segunda a engenheira de alimentos Erika de Almeida, alimentos veganos ou vegetarianos, que possuem ingredientes funcionais e menos aditivos químicos, são algumas tendências do segmento. “Entender a importância de uma alimentação saudável para a qualidade de vida e manutenção da saúde tem feito parte do dia a dia das pessoas nos últimos anos, e isso se acentuou durante a pandemia, com a necessidade de melhorar a imunidade”, afirma.

A analista de Pesquisa e Desenvolvimento da Jasmine Alimentos ainda afirma que “já se foi o tempo em que as alternativas de substituição da carne de origem animal eram difíceis de encontrar e exclusivas de vegetarianos”. Ela ainda lembra que a produção de alimentos substitutos de carne vem crescendo ano a ano. "Consumidores flexitarianos também estão impulsionando este mercado, ao diminuir o consumo de proteína animal”, explica.

Movimento Meatless

Com o significado de “menos carne”, Meatless é um movimento que apoia a redução do consumo de proteína animal. Indústrias de alimentos se adaptam a um cenário que gira em torno da popularização do veganismo e das preocupações do consumidor com a saúde e a crise climática. Erika ainda afirma que “o cenário está cada vez mais propício para empresas mudarem práticas e formas de produção. Não é passageiro, e atualmente podemos até chamar de tendência, mas o número de pessoas reduzindo o consumo de proteína animal tem tudo para seguir no caminho que estamos acompanhando hoje”. Segundo relatório da AT Kearney, em 2040, 60% da carne consumida será vegetal ou produzida em laboratório.

Sobre a Jasmine Alimentos

A Jasmine Alimentos é uma empresa referência em alimentação saudável. Com produtos categorizados em orgânicos, zero açúcar, integrais e sem glúten, a marca visa atingir o público que busca alimentos saudáveis de verdade e qualidade de vida. A operação da Jasmine começou de forma artesanal no Paraná, há 30 anos. A Jasmine está consolidada em todo Brasil e ampliando sua atuação para a América Latina. Desde 2014 a marca pertence ao grupo francês Nutrition et Santé, detentor de outras marcas líderes no segmento saudável na Europa.

Mais informações: www.jasminealimentos.com

3 receitas para experimentar no Dia Mundial Sem Carne que vão além das saladas

De entreveiro a escondidinho, são diversas opções para uma dieta equilibrada, deliciosa e sem origem animal

O Dia Mundial Sem Carne (20 de março) foi criado em 1985, nos Estados Unidos, pela Farm Animal Rights Movement (FARM) e há mais de 30 anos vem desafiando as pessoas a substituírem produtos alimentícios de origem animal por uma refeição vegana ou vegetariana. O objetivo da iniciativa é comprovar que é, sim, possível ter uma alimentação equilibrada, prazerosa e saborosa sem o consumo animal, e ainda ajudar na sustentabilidade do planeta e a melhorar a própria saúde. Só no Brasil, de acordo com uma pesquisa do IBOPE Inteligência realizada em 2018, 14% da população se declara vegetariana.

Atenta à essa tendência, a Vapza Alimentos – empresa que trabalha com alimentos saudáveis e práticos embalados a vácuo e cozidos a vapor – conquistou, em 2019, a Certificação Vegan Internacional. O selo é emitido pela Vegan Society que comprova a procedência vegana da linha. São vários produtos que não possuem qualquer origem animal, e reforçam a preocupação da empresa com a sustentabilidade e o meio ambiente.

Para o Dia Mundial Sem Carne, a Vapza separou três indicações que utilizam suas criações e vão muito além das tradicionais folhas. Confira abaixo todos os ingredientes necessários e o modo de preparo simplificado de cada um dos pratos:

Entreveiro Vegano de Grão de Bico

Ingredientes

1 Kg de Grão de Bico VAPZA

200 gramas de Pimentão Verde (cubos)

200 gramas de Pimentão Amarelo (cubos)

200 gramas de Pimentão Vermelho (cubos)

200 gramas de Cebola (cubos)

200 gramas de Abobrinha (cubos)

200 gramas de Tomate (cubos)

40 gramas de alho (picado)

60 ml de azeite

20 gramas de salsinha (picada)

20 gramas de manjericão (picado)

30 gramas de sal

7 gramas de Pimenta do reino

10 gramas de Páprica Picante

Modo de preparo

Em uma panela, coloque o azeite e o alho – deixe dourar. Em seguida, acrescente os pimentões, abobrinha, cebola e refogue. Após refogar, adicione o Grão de Bico Vapza e misture. Tempere com sal, pimenta do reino e páprica picante. Finalize com salsinha e manjericão.

Escondidinho Vegano

Ingredientes

2,5 Kg de Mandioquinha VAPZA

60 ml de Azeite

60 gramas de Alho picado

300 gramas de Abobrinha ralada

300 gramas de Cenoura ralada

300 gramas de Cogumelo Paris cortado em tiras

300 gramas de Beringela picada

200 gramas de Cebola em cubos

200 gramas de Sal

7 gramas de Pimenta do Reino

30 gramas de Salsinha picada.

Modo de Preparo

Em um recipiente, coloque a Mandioquinha Vapza e amasse até formar uma massa lisa e sem grumos até ter a consistência de um purê. Coloque 20 ml de azeite e metade do alho e deixe dourar. Adicione o purê de Mandioquinha e misture. Tempere com sal e pimenta do reino. Reserve. Em uma panela, coloque o restante do azeite e do alho e deixe dourar. Adicione a beringela e o cogumelo e refogue. Em seguida, adicione a cebola, a cenoura e a abobrinha e refogue. Tempere com sal, pimenta do reino e salsinha. Reserve. Em uma travessa, coloque a metade do purê e espalhe no fundo. Em seguida, adicione o refogado e finalize com a outra metade do purê. Leve ao forno e deixe aquecer até dourar.

7 Grãos Orgânico Vapza

Ingredientes

250 gramas de 7 Grãos Orgânicos Vapza

150 gramas de brócolis em pequenos pedaços

50 gramas de cebola picada

10 gramas de alho picado

30 ml de azeite

10 gramas de sal

Modo de Preparo

Em uma panela, coloque o azeite e refogue a cebola e o alho. Adicione os brócolis e refogue deixando “al dente”. Em seguida, adicione o 7 Grãos Orgânicos Vapza. Deixe aquecer e sirva em seguida.

Sobre a Vapza

A Vapza nasceu em 1994, em terra fértil, nos campos gerais do Paraná. A história está ligada ao pequeno produtor e desenvolvimento de produtos saudáveis e práticos. Os alimentos passam por um processo rigoroso de seleção e são embalados à vácuo. Após esse processo, eles são cozidos no vapor dentro da própria embalagem, esterilizando o alimento e dispensando o uso de conservantes. A Vapza possuí as certificações BRCG, HACCP que garantem a saudabilidade e segurança dos alimentos. Hallal e Kosher que são para dietas específicas. Certificação Vegan Internacional, pois o processo permite que não haja contaminação cárnea e certificação Orgânica internacional.

Páscoa Vegana com a nutri Renata Pigliasco

Receita de brownie vegano
Ingredientes:
2/3 de xícara de chá de pasta de amêndoas
300g de abóbora japonesa cozida e amassada
1/3 de xícara de chá de cacau em pó 70%
3 col sopa de whey protein vegano (sabor chocolate)
1 col de chá de essência de baunilha
1 pitada de sal
1pitada de canela
1/4 de xícara de chá de açucar mascavo ou xilitol ou eritritol ou pode não adoçar 😁

Modo de preparo:
Pré aqueça o forno a 160graus e forre uma forma retangular com papel manteiga. Aqueça a pasta de amêndoas ate que adquira uma textura fácil de misturar. Misture todos os ingredientes ate obter uma massa homogênia. Despeje a massa na forma forrada e leve ao forno por aproximadamente 20 min.Retire do forno, deixe esfriar, cubra com papel toalha e deixe na geladeira por cerca de 8 horas, para que o brownie fique mais firme. Se desejar, pode adicionar cobertura aos brownies.

DIA MUNDIAL SEM CARNE COMPLETA 35 ANOS E SVB CELEBRA NÚMEROS RECORDES NA PROMOÇÃO DO VEGANISMO

Programa Segunda Sem Carne (SSC) registrou crescimento de 20% em relação a 2019, com mais de 80 milhões de refeições a base de vegetais servidas nos estabelecimentos parceiros.

O Dia Mundial Sem Carne é comemorado, hoje, como o maior símbolo dos benefícios da alimentação a base de frutas, verduras, grãos e legumes na saúde das pessoas. Criada em 20 de março de 1985, a data representa mais de três décadas de trabalho dos movimentos vegetariano e vegano em todo o planeta.

Para a Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB), os números são igualmente relevantes. Criada há pouco mais de 17 anos, a organização fechou o ano passado com núcleos ou grupos presentes em 50 cidades do Brasil, promovendo a alimentação vegetariana como uma escolha ética, saudável, sustentável e socialmente justa.

Promoção do veganismo

Mais de 1,2 mil cozinheiras(os) e 52 nutricionistas foram capacitados por meio da SSC, no último ano. Com os resultados alcançados por meio das refeições vegetais, cerca de seis toneladas de carne deixaram de ser consumidas ano. O meio ambiente foi poupado em um bilhão de litros de água, 981 mil metros quadrados de área agrícola, 331 mil toneladas de grãos (que poderiam alimentar quase cinco milhões de pessoas), além de 400 mil toneladas de gases que contribuem para o efeito estufa, que deixaram de ser emitidos na atmosfera.

O programa Opção Vegana (OPV) foi outro grande canal de promoção do veganismo, oferecendo consultoria gratuita e levando a alimentação a base de vegetais para mais de 1,4 mil estabelecimentos comerciais, em diversos locais do Brasil. O Curso de Capacitação em Nutrição Vegetariana, por sua vez, capacitou mais de três mil profissionais que atuam na área da saúde.

Defesa dos animais

A SVB ainda foi reconhecida, pelo segundo ano consecutivo, como uma das nove instituições sem fins lucrativos mais eficazes do mundo na defesa da causa animal. A avaliação foi feita pela Organização Internacional Animal Charity Evaluators (ACE), referência mundial no setor, e considerou o trabalho de 166 organizações que atuam no mundo.

SOBRE A SOCIEDADE VEGETARIANA BRASILEIRA

Fundada em 2003, a Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB) é uma organização sem fins lucrativos que promove a alimentação vegetariana como uma escolha ética, saudável, sustentável e socialmente justa. Por meio de campanhas, programas, convênios, eventos, pesquisa e ativismo, a SVB realiza conscientização sobre os benefícios do vegetarianismo e trabalha para aumentar o acesso da população a produtos e serviços vegetarianos. Para mais informações, acesse www.svb.org.br ou os nossos perfis no Instagram, Facebook e Youtube.

Argentinos fazem viagem de carro cruzando as Américas, participam do Psycho Carnival em Curitiba e depois seguem rumo ao Alaska

Contemplando América - Vampi e Dash na fronteira em São Borja-RS.jpg

O Festival Psycho Carnival é realizado há 21 anos em Curitiba, com uma programação repleta de shows de rock durante as festividades carnavalescas, com dedicação ao gênero psychobilly e outros estilos relacionados. Desde as primeiras edições o evento tem caráter internacional, trazendo não só artistas de vários países mas também um público de fora do Brasil para apreciar o festival.

Nesta edição de 2020, o Psycho Carnival receberá a visita de duas pessoas da Argentina que estão em uma grande viagem cruzando as Américas, tendo como destino final o Alaska. Davi e Ludmila (que costumam ser chamados como Dash e Vampi) saíram de Buenos Aires e iniciaram esta aventura, adotando um estilo de vida alternativo, nômade e minimalista.

Esta viagem, realizada a bordo de uma van, ganhou o nome de Contemplando América e vai passar pelo maior número de países possíveis. O primeiro destino é o Brasil, onde estão desde setembro do ano passado, quando cruzaram a fronteira em São Borja, no Rio Grande do Sul, e seguiram para Santa Catarina.

Por ser realizada por vias terrestres, o roteiro pode variar conforme os viajantes vão conhecendo o país, gerando a vontade de conhecer determinados locais e eventos. Foi assim que o festival curitibano se tornou uma das escalas. “O Psycho Carnival nos entusiasmou desde que chegamos ao Brasil”, afirma Vampi, que assim como Dash, são apreciadores de gêneros como psychobilly e rockabilly. “Dessa vez, viajamos de Florianópolis a Curitiba para curtir e conhecer outras bandas que participam do festival, em especial Guana Batz”, comenta, referindo-se aos britânicos que são a principal atração do evento.

Companheiros, viajantes e aventureiros, Dash e Vampi são veganos e defensores dos direitos dos animais. Eles difundem relevantes informações sobre este tema durante a viagem, buscando expandir a empatia e o respeito aos animais. “Desenvolvemos atividades diferentes nesta área e levamos esse trabalho conosco aonde quer que vamos, procuramos transmitir uma mensagem em favor do respeito e do amor por outros seres”, afirma. Os relatos de viagem são registrados nas redes sociais do Contemplando América (no Facebook e Instagram) e também eu um fanzine impresso chamado Travelzine.

Confira a entrevista completa com Vampi:

Qual a imagem que vocês tem do carnaval brasileiro? E do Psycho Carnival, que é um evento diferenciado no Carnaval?
Quanto ao renomado Carnaval do Brasil, temos uma imagem com forte conotação cultural e tradicionalista, em que também encontramos a maior diversidade sexual, assim como as diferentes etnias que habitam o país, vivida de forma livre e aceita pela sociedade como algo natural, como deveria ser em qualquer outro lugar do mundo. Também está claro o espírito dos nativos dessas terras, de alegria, muita dança e cores.

O Psycho Carnival nos entusiasmou desde que chegamos ao Brasil. Já que eu (Vampi) nunca pude frequentar na Argentina por diferentes razões. Contei a Dash sobre o festival, do que se trata, já que compartilhamos um gosto pela cena e cultura rockabilly / psychobilly, ele gostou da ideia de visitar Curitiba para participar e aqui estamos, aguardando pelo evento.

Desde que chegaram ao Brasil, quais cidades vocês visitaram? Depois de Curitiba, para onde vocês irão?
Cruzamos a fronteira em 18 de setembro pela cidade de São Borja tendo como primeiro destino Florianópolis, atravessando o Rio Grande do Sul. Visitamos a ilha quase inteiramente onde aproveitamos a oportunidade para trabalhar na temporada, também visitamos Camboriú e todas as suas praias. No caminho para o Psycho Carnival de Curitiba, visitamos as cidades de Blumenau e Pomedore.

No final do festival, continuaremos percorrendo um pouco mais do Brasil. Estamos indo para São Paulo, onde visitaremos o Santuário Terra dos Bichos, entre outros lugares. Depois vamos para o Rio de Janeiro visitando as diferentes praias no caminho e de lá vamos para o Peru, passando por destinos como Belo Horizonte, Brasília e parte do Mato Grosso. Será uma aventura.

Depois do Brasil, quais outros países vocês pretendem visitar?
Contemplando a América, como chamamos essa travessia, propõe-se atravessar o continente do país mais ao sul de onde viemos (Argentina) até a última fronteira ao norte (Alasca, EUA), visitando todos os países possíveis, com exceção da Guiana, Suriname e Guiana Francesa por uma questão de vistos.

Quanto tempo vai levar para chegar ao Alaska? O retorno à Argentina será mais rápido ou haverá muitas paradas?
Contando a partir de agora, acreditamos que em dois anos e meio estaremos no Alaska. Não temos nenhum tipo de planejamento em relação ao retorno, acreditamos que será mais rápido. Neste modo de vida, muitas coisas surgem o tempo todo, o que torna a viagem muito incerta. Também gostaríamos de conhecer outros continentes.

Como vocês planejaram a viagem? Qual o veículo utilizado? À noite vocês acampam, dormem no carro ou ficam em hotéis?
O planejamento de viagens baseia-se em viver a vida da mesma maneira que em qualquer outra alternativa padrão, embora optemos por ficar longe de laços e estagnação. Viajamos e trabalhamos na estrada. Somos surpreendidos dia após dia, não apenas por regiões com seus habitantes e suas paisagens, mas também pela capacidade de sermos uma espécie com adaptabilidade. Viajamos e vivemos o que é conhecido como VanLife, em um VW Transporter T4 modelo 2000 (Albita), que foi equipada com tudo o que é necessário para esse fim, com isolamento térmico e possui uma agradável sala de estar que se converte em uma cama à noite. Também temos um banheiro químico, uma cozinha completa e um chuveiro de mão. Portanto, dormimos onde gostamos, evitando despesas desnecessárias para nós, como hotéis, camppings, etc.

Vocês trabalham nas cidades que viajam para pagar as despesas de viagem?
Sim, não temos outra forma de financiamento no momento, nem somos ricos, portanto usamos nossa criatividade para gerar renda para pagar a viagem ao longo do percurso. Carregamos conosco uma TravelZine, uma revista de viagem autogerenciada e adesivos com nosso logotipo. Este material está disponível e todas as vendas são úteis para seguirmos adiante.

Vocês são ativistas veganos e defensores dos direitos dos animais. Fale mais sobre essa causa.
Este ponto é muito importante para nós, pois nos motiva e nos une além da viagem como uma aventura. Nos conhecemos em Buenos Aires, Argentina, em um trabalho pela causa dos direitos dos animais, independentemente das espécies. Como ativistas, desenvolvemos atividades diferentes nesta área e levamos esse trabalho conosco aonde quer que vamos, procuramos transmitir uma mensagem em favor do respeito e do amor por outros seres sencientes com quem compartilhamos o planeta, conscientizando as pessoas sobre a situação que os animais e o planeta estão sofrendo por causa do nosso consumo, que são altamente substituíveis nesses tempos.

É difícil fazer o ser humano entender a diferença entre um algo e um ALGUÉM. No entanto, as mentes estão mudando e trabalhamos para isso, essa cruzada também é um alerta, para desenvolver empatia e igualdade. Qualquer pessoa pode viver sem prejudicar os outros, independentemente da situação em que vive, da região, do clima e de outros fatores. Só é necessário ter consciência sobre o sofrimento que causamos em cada escolha que fazemos.

Convidamos todos a conhecer mais sobre esse problema assistindo a documentários como “Dominion” e “Cowspiracy”.

O Psycho Carnival já recebeu várias bandas argentinas, inicialmente com artistas de neorockabilly (como Motorama e Los Primitivos), até o surgimento das primeiras bandas psychobilly portenhas (como Jinetes Fantasmas). Qual a experiência de vocês nesse cenário musical?
Nossa experiência nesta cena começou assistindo aos shows destas bandas em Buenos Aires ou cidades costeiras da Argentina. Jinetes Fantasmas, Los Cianuros, The Broken Toys, Los Peyotes, Ghost Bastards, etc. Uma das nossas bandas favoritas é o Sick Sick Sinners (de Curitiba), uma ótima referência local.
Dessa vez, viajamos de Florianópolis a Curitiba para curtir e conhecer outras bandas que participam do festival, em especial Guana Batz (da Inglaterra).

O que vocês esperam da estadia em Curitiba durante o Psycho Carnival?
É a nossa primeira visita à cidade, esperamos que seja uma estadia segura e muito divertida. Estamos na expectativa por onde estacionar nossa van para ir tranquilamente ao festival, visitar o local, conhecer novas pessoas e voltar para descansar em nossa casa sobre rodas. Estamos empolgados com a chegada antecipada e sabemos que vamos ter experiências positivas e muitas outras histórias para contar.

Produtos naturais e veganos ganham destaque nas prateleiras da Americanas em todo o País

Companhia amplia segmento de alimentos à base de soja, integrais e veganos. As mais de 1.600 lojas do país já contam com produtos da categoria

Para estimular a mudança dos hábitos de consumo dos brasileiros, em busca de uma vida e alimentação mais saudáveis, a Americanas expande a oferta de produtos naturais, integrais e veganos nas mais de 1.600 unidades físicas em todo o País. De acordo com estudo do Instituto Ipsos, de 2019, 65% dos brasileiros consideram a saúde e o bem-estar físico como os itens mais importantes para alcançar a felicidade, o que influencia diretamente na mudança dos hábitos alimentares.
Apostando nesta transição, a Americanas vem disponibilizando diversos produtos de marcas renomadas deste segmento, como a Flormel, Greenpeople, Mãe Terra e Roots to Go, incluindo a sua linha própria de bebidas e alimentos relacionados ao bem-estar, a Leven. Entre eles estão os populares chips à base de soja e de lentilha da Leven, com sabores variados, certificados pela Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB). Veganos, os snacks possuem a garantia de estarem livres de qualquer ingrediente de origem animal, desde a etapa de desenvolvimento até sua comercialização final.
Criada pela Americanas em 2015, a marca Leven oferece uma diversidade de produtos como chips de soja, barras de nuts e snacks de granola, entre outras opções de alimentos leves, desenvolvidos com base no padrão de consumo das gerações atuais e futuras.
O sortimento traz ainda itens para diferentes gostos e necessidades, como o mix de castanhas Joy, o chips de coco sem açúcar da Flormel e o chips de batata-doce e mandioca da Roots to Go. Além deles, os amantes da pipoca também têm uma alternativa saudável: a pipoca orgânica Nupoca, da Mãe Terra, é encontrada nos sabores cacau, lemon peper, azeite e sal e açúcar mascavo com coco.
Com a expansão do departamento, a Americanas busca reforçar seu posicionamento na promoção da saúde e do bem-estar para todos, além de estimular melhores práticas de consumo consciente.

Sobre Americanas

A Americanas está presente no dia a dia dos brasileiros há mais de 90 anos, oferecendo tudo que os clientes precisam, a toda hora e em qualquer lugar. Por meio de sua plataforma física com diversos formatos de lojas, sua plataforma digital (via B2W Digital, com as marcas Americanas.com, Submarino, Shoptime e Sou Barato) e a Ame, fintech e plataforma de negócios mobile, são mais de 20 milhões de produtos disponíveis, dentre nacionais, importados e de marcas exclusivas, em mais de 40 categorias. A Americanas é democrática, inclusiva e oferece aos clientes a melhor experiência de compra e os melhores serviços, que incluem serviços financeiros. Para garantir a entrega mais rápida do Brasil, a marca conta com uma logística inteligente, que engloba 15 centros de distribuição em São Paulo, Rio de Janeiro, Pernambuco, Minas Gerais, Santa Catarina e uma equipe altamente qualificada.

Dia Mundial do Veganismo: conheça essa filosofia de vida

Professora de nutrição explica que o veganismo contribui para a saúde e minimiza os impactos ambientais; o maior ponto de atenção é a vitamina B12, que precisa ser suplementada

No dia 1º de novembro, comemora-se internacionalmente o veganismo, filosofia de vida que prega o respeito a todos os animais. Para isso, os veganos evitam produtos de origem animal a todo custo, seja na alimentação, no vestuário, nos medicamentos, nos produtos de limpeza, entre outras áreas.

Foto: Marco Verch, Creative Commons 2.0.

“A opção por um estilo de vida vegano pode ser vista como uma adoção de filosofia de vida, pois pretende minimizar os impactos ambientais, preservar os animais e ter um estilo de vida mais saudável”, explica a coordenadora do curso de Nutrição do Centro Universitário Internacional Uninter, Thaís Mezzomo.

Ela esclarece que o veganismo é diferente do vegetarianismo, pois os vegetarianos não consomem carne na dieta, seja ela vermelha, branca ou de peixe, mas podem consumir produtos de origem animal, como ovos, leite, iogurte, manteiga, mel, entre outros. Diferentemente dos veganos, que não incluem produtos de qualquer origem animal nas refeições.

 “Os veganos apresentam menores índices de sobrepeso e obesidade, melhor controle da pressão arterial, melhor controle glicêmico e menores taxas de doenças crônicas não transmissíveis, tais como infarto agudo do miocárdio”, diz.

As fontes de proteínas na alimentação são as leguminosas (feijão, lentilha e grão-de-bico, por exemplo) e as oleaginosas (castanhas, nozes, amendoim). O único nutriente ausente desta dieta é a vitamina B12, pois só pode ser encontrada em produtos de origem animal. Para obtê-la, os veganos podem fazer suplementação e consumir produtos enriquecidos com ela, como leites vegetais.

Para aqueles que desejam tornar-se veganos, a professora recomenda acompanhamento nutricional. “Uma pessoa com hábitos alimentares ruins que decide tornar-se vegana sem uma reeducação alimentar pode ter cansaço, sonolência, queda de cabelo, dores musculares e enfraquecimento das unhas. Em casos mais graves, deficiências de proteínas e micronutrientes. Todos, veganos ou não, devem estar atentos à ingestão dos nutrientes necessários para um bom funcionamento do organismo”, explica.