Sommelier ajuda na escolha dos melhores para suas festas de fim de ano

É possível encontrar espumantes brasileiros premiados internacionalmente com ótimo custo-benefício, revela especialista

Produtores de espumantes têm a expectativa de 60% de crescimento em vendas neste fim de ano │Foto: Divulgação

Os espumantes brasileiros vêm, ano após ano, se destacando em premiações internacionais. Segundo a Associação Brasileira de Enologia (ABE), só no ano passado, foram conquistadas 147 medalhas pelo mundo. Com uma infinidade de rótulos disponíveis em adegas e em grandes supermercados, o consumidor pode ficar em dúvida sobre as melhores opções e custo-benefício para celebrar neste fim de ano. É onde a opinião de um sommelier pode ajudar.

De acordo com o professor do curso de Sommelier do Centro Europeu e enólogo consultor Alcioni Dümes, a escolha de um bom espumante deve levar em conta o gosto pessoal e a ocasião em que a bebida será consumida. "É para um momento mais descontraído, jovial, à beira da piscina ou praia? Pode ser um espumante leve e refrescante. Se for para acompanhar um jantar pode ser um espumante mais encorpado e estruturado", comenta Dümes.

O especialista destaca que o consumidor também deve avaliar o investimento que pretende fazer na bebida e como um sommelier pode auxiliar na melhor escolha.

"Podemos encontrar espumantes com excelente custo-benefício. Atualmente um espumante brasileiro na casa dos R$ 60 a R$ 80, é possível encontrar boas opções. A vinícola Cave Geisse, com Amadeu Brut, Rosé, Demi-sec, Moscato Rosé, são excelentes nessa faixa de preço. Temos outras também como os da Chandon, Garibaldi e Aurora", diz.

Também entre os espumantes brasileiros há opções mais refinadas, com qualidade superior e custo um pouco mais elevado. Segundo Dümes, é possível encontrar rótulos de vinícolas brasileiras com método champenoise brut e nature, mais encorpados e elaborados, com 24 meses de autólise (processo responsável por trazer mais complexidade aromática, textura e borbulhas à bebida) na faixa de R$ 120 a R$ 140.

"Creio que o consumidor precisa sim se orientar pelo preço, mas pensando em atendimento personalizado uma conversa com um sommelier pode, com certeza, ajudar muito na escolha desse produto para garantir uma melhor qualidade e custo-benefício", explica.

Melhores opções na opinião do especialista - Para Dümes, pensando em qualidade, conceito, elaboração e estética, a melhor opção é a Cave Geisse. Seguida por rótulos da Casa Valduga e da Vinícola e Casa Perini, com produtos mais baratos e acessíveis. E em terceiro lugar a Chandon Brasil.

Expectativas de mercado e reconhecimento internacional - Produtores nacionais de espumantes têm a expectativa de um crescimento de 60% nas vendas neste ano. Reflexo da diminuição de restrições sociais, dos casos de COVID-19 e do retorno de eventos presenciais.

O estado em que mais se produz espumantes no Brasil segue sendo o Rio Grande do Sul. Com bastante chuva, a colheita de uvas é feita relativamente cedo, ainda verdes, o que garante mais acidez e menor teor alcoólico, produzindo bebidas mais refrescantes.

"O Brasil é um grande produtor de espumantes e reconhecido lá fora. Diversas vinícolas brasileiras são conceituadas no exterior pela produção dos espumantes. Levo em consideração o último comentário da crítica inglesa Jancis Robinson que colocou o Cave Geisse como um dos melhores da América Latina e obviamente outros críticos também reconhecem a qualidade do espumante brasileiro", comenta o sommelier Alcioni Dümes.

Como harmonizar o espumante?

O espumante não é uma bebida apenas para brindar em festas de fim de ano e celebrações. Ele pode acompanhar uma refeição do começo ao fim, basta saber os pontos em comum entre o espumante e os pratos.

Um espumante mais encorpado e estruturado pode ser harmonizado com peixe, bacalhau ou até uma ave em um prato mais sofisticado. Já o espumante rosé pode harmonizar muito bem com salmão e camarão, onde a cor também harmoniza muito bem.

Nas sobremesas, que não necessariamente precisam ser doces, como uma cheesecake de frutas vermelhas e outras sobremesas que levam frutas em sua composição, podem ser harmonizadas com um espumante rosé levemente adocicado.

Segundo Dümes, a única contraindicação para a harmonização de espumantes é quando a sobremesa é de chocolate. Se o espumante for indispensável é importante que essa sobremesa leve também uma fruta para trazer acidez e frescor. Neste caso, um Demi-sec ou moscatel podem harmonizar com o prato.

Curso de Sommelier do Centro Europeu

O Centro Europeu é a maior escola de profissões da América Latina. Na Escola de Gastronomia, o Curso de Sommelier tem o objetivo de formar profissionais expert em vinhos, seus processos, origens, história, serviços da bebida com muita ênfase na harmonização enogastronômica.

O curso promove oficinas de degustação e palestras técnicas oferecidas em parceria com as principais importadoras do Brasil, para aprofundamento do conhecimento de diferentes regiões e produtores de vinhos nacionais e internacionais. As aulas são em ambiente propício para o estudo do vinho e gastronomia.

Panetones fits, funcionais e com baixo teor de carboidratos permitem o foco na dieta

As comemorações natalinas estão chegando, e o panetone está entre os alimentos que não podem faltar nessa época do ano. Para quem deseja manter o foco na dieta, existem versões mais saudáveis do panetone e com menos calorias.

Segundo a chef, Patrícia Araújo, professora da disciplina de Boulangerie FIT no curso de Boulangerie do Centro Europeu, após dois anos de pandemia as pessoas têm se preocupado mais com a alimentação. "Depois da pandemia, as pessoas têm cozinhado mais em casa, com foco na saúde. Elas estão com um olhar mais criterioso para a alimentação e buscam alternativas para consumir refeições mais saudáveis", explica.

Panetone fit - O panetone fit e low carb está entre as grandes apostas para esse Natal. De acordo com a chef Patrícia, um panetone saudável é feito com trocas inteligentes e ingredientes funcionais, que também proporcionam uma versão mais nutritiva.

Ela traz algumas dicas como, por exemplo, substituir a farinha de trigo branca pela farinha de amêndoas no preparo da massa, o que deixa o panetone mais saudável sem perder o sabor. "Um panetone com fibras, flocos de amaranto, flocos de quinoa, farinha de amêndoas, biomassa de banana verde, podem deixar a receita mais nutritiva. É uma infinidade de produtos funcionais que podem ser adicionados ao panetone", afirma.

Low carb - Para as pessoas que buscam reduzir o consumo de carboidratos, devido a problemas de saúde ou até mesmo para a perda de peso, o panetone low carb é uma boa opção. A produção de panetone com baixo teor de carboidratos, o low carb, pode ter uma redução de 50% a 80% no uso destes alimentos.

No entanto, a professora do Centro Europeu reforça que o consumo desse panetone e até mesmo a dieta low carb deve ser feita com a orientação e acompanhamento de um nutricionista. "O panetone low carb é feito com um mix de farinhas que diminui a quantidade de carboidratos, em comparação com a farinha de trigo branca. Essas substituições fazem com que o panetone tenha uma redução de 50% até 80% de carboidratos", diz.

Sem açúcar - A versão sem açúcar do panetone também pode ser feita ou comprada. Ela é indicada para pessoas com diabetes ou que estão reduzindo açúcar. Neste caso o açúcar é substituído por adoçante e fica com uma menor quantidade de carboidratos e calorias, a receita pode ser consumida por pessoas que têm diabetes, por exemplo. "Por ser uma massa com baixa concentração de açúcar e carboidratos, a recomendação é que seja consumida por aqueles que têm uma restrição alimentar, como pacientes com diabetes, ou pessoas que adotaram uma dieta low carb com foco no emagrecimento, sob orientação de um nutricionista", explica Patrícia.

Com frutas - Os pais têm procurado, nos últimos anos, mais opções de alimentos saudáveis para as crianças, principalmente em versões com menos açúcar. Patrícia afirma que essa preocupação aumentou durante a pandemia. "Com as crianças mais tempo em casa, o consumo de doces aumentou bastante e, agora, os pais têm buscado opções mais nutritivas. Adoçar o panetone com tâmaras, maçã, melado, ou até mesmo frutas, podem deixar a receita mais saudável para as crianças. Frutas secas não são recomendadas porque contém muito açúcar", diz.

Chocotone com alto teor de cacau - Para quem gosta da versão do panetone cheia de chocolate, uma dica é escolher o chocotone com 70% de cacau sem açúcar. Uma dica é optar por aqueles que já tem ingredientes funcionais na composição da massa, como farinha de amêndoas, farinha de aveia e linhaça.

Curso de Boulangerie - O curso de Boulangerie do Centro Europeu é oferecido nos formatos presencial e online, com início nos meses de março e agosto. O aluno passa por várias áreas de conhecimento da boulangerie, desde os fundamentos da panificação até as mais sofisticadas e modernas técnicas na produção de pães tradicionais, artesanais, especiais, funcionais e viennoiserie. Com o curso de Boulangerie, os profissionais podem atuar na panificação, uma área consolidada e diferenciada da gastronomia, que apresenta excelentes oportunidades, tanto para quem deseja empreender como para quem quer conquistar um espaço no mercado da alimentação.

5 dicas do chef e beer sommelier para harmonizar sua ceia de Natal com boas cervejas

Estilo biere brut lembra espumantes e é uma opção leve e festiva
O Brasil é o 3º país que mais consome cervejas em todo o mundo, sendo responsável por 7% do consumo de todo o planeta. Os dados são de uma pesquisa divulgada pela Credit Suisse e Statista e divulgada pela CupomValido (2021), o levantamento também aponta que o brasileiro ingere, em média, seis litros da bebida por mês.

Os amantes da cerveja - que estão planejando o consumo nas festas de final de ano - precisam ficar atentos à harmonização dos diversos estilos da bebida com a ceia. Para ajudar nesta escolha, ouvimos o chef e beer sommelier, professor do Centro Europeu, Guilhermo Spindola, que trouxe dicas valiosas:

1 - CERVEJA PARA A CEIA TRADICIONAL - Para muitos brasileiros o Natal é acompanhado de pratos como o peru ou leitão assados. "Nestes casos, que geralmente também acompanham farofa e arroz, eu recomendo usar uma cerveja do tipo Amber Ale e Brown ale, com malte mais tostado, puxando para o caramelo, que vai harmonizar bem com as notas de tostado e assado do peru e do leitão".

Já para os que preferem incluir pratos a base de bacalhau, a cerveja que acompanha o prato deve mudar. "Uma de trigo, Weissbier e Witbier, combinam muito bem. Elas têm na composição, além do trigo, elementos de especiarias como o coentro e a casca de laranja", explicou Spindola.

2 - CERVEJAS PARA CEIAS VEGETARIANAS - Quem não consome carnes ou derivados pode fazer um jantar que harmoniza bem com a Pilsner (ou Pilsen) ou com uma IPA.

"Uma dica de entrada é um mix de nuts, que fica super legal com a cerveja mais clássica e comum ao nosso paladar, a Pilsner que são leves e fáceis de beber, além de combinar com o clima do Natal, mais tropical. Como prato principal imagino uma massa com abóbora ou legumes grelhados, acompanhado de especiarias que remetem ao Natal (cravo, canela, noz moscada) e harmonizam bem com uma cerveja IPA ou de abóbora".

3 - CERVEJA PARA MESA DE FRIOS - Quem planeja a ceia com queijos e embutidos também pode escolher as cervejas ideais. De acordo com o chef, a bebida é a mais fácil de harmonizar com esses alimentos "pensando em queijos macios, semiduros, de mofo branco ou mofo azul".

Guilhermo explica que os queijos mais cremosos, como a Burrata, funcionam bem com uma New England IPA. "Já para um queijo Brie, uma cerveja Weissbier, que pode ser complementada com uma geleia no alimento. O parmesão funciona bem com IPAs tradicionais, queijos de cabra vão bem com cervejas Saison ou Farmhouse Ale, que têm as notas de leveduras mais selvagens e são bem interessantes de degustar".

As opções mais intensas como queijo gorgonzola ou roquefort, podemos harmonizar com cervejas do tipo Barley Wine. "Pensando nos embutidos temos cervejas defumadas, um salame com defumação não tão intensa ou com embutidos, que são mais picantes fica legal para harmonizar com a IPA, que caiu bastante no gosto do público e tem bastante versatilidade".

4 - DICA ESPECIAL DO CHEF - O especialista lembrou da tradicional rabanada. "É um prato saboroso e simples de fazer, que leva bastante canela, noz moscada, raspas de laranja e algumas pessoas colocam leite. Harmoniza muito bem com cerveja do estilo Tripel, finalizando com uma raspinha de laranja e mel", orientou.

5 - CERVEJA QUE LEMBRA ESPUMANTE - Atualmente os estilos de cerveja são variados e agradam diferentes paladares, entre as opções está a cerveja que lembra a champagne. "É o estilo Bière Brut, que passa pelo método champenoise, usando levedura de champagne, é bem refrescante e harmoniza muito bem com as festas", explicou.

CUIDADOS PARA SERVIR - Os rótulos das cervejas artesanais têm indicação da temperatura ideal para servir a bebida e também qual é o copo ou taça mais adequada.

Como nem sempre temos à nossa disposição grande variedade de taças, podemos apostar em peças coringas. "Temos a taça ISO, que é de degustação e funciona para cerveja e vinho. Existe também a Teku, que foi desenvolvida especialmente para tomar cerveja por um italiano, uma taça bem bonita e elegante", explica o chef e beer sommelier, professor do Centro Europeu, Guilhermo Spindola.

APRENDA A HARMONIZAR CERVEJAS ARTESANAIS - Os amantes de cervejas que desejam se especializar podem ingressar no Curso Beer Sommelier & Home Brewer que é oferecido nos formatos presenciais e online pelo Centro Europeu. Além de preparar o aluno para produzir sua própria cerveja, o curso ensina técnicas de degustação, análise sensorial e harmonização gastronômica com a bebida.

São ministradas aulas de insumos, produções, técnicas de harmonização e contamos também com técnicas de serviços da bebida e glassware - adequação de taças à bebida. Os alunos recebem um case com taças para degustação, livro de conteúdos, caderno de análise sensorial, abridor de cerveja, kit de análise sensorial (on off flavors) e aproximadamente 40 rótulos de cervejas das principais escolas cervejeiras mundiais, para que possam acompanhar as degustações que serão conduzidas para cada aula.

Sommelier ajuda na escolha dos melhores espumantespara suas festas de fim de ano

É possível encontrar espumantes brasileiros premiados internacionalmente com ótimo custo-benefício, revela especialista

Produtores de espumantes têm a expectativa de 60% de crescimento em vendas neste fim de ano │Foto: Divulgação

Os espumantes brasileiros vêm, ano após ano, se destacando em premiações internacionais. Segundo a Associação Brasileira de Enologia (ABE), só no ano passado, foram conquistadas 147 medalhas pelo mundo. Com uma infinidade de rótulos disponíveis em adegas e em grandes supermercados, o consumidor pode ficar em dúvida sobre as melhores opções e custo-benefício para celebrar neste fim de ano. É onde a opinião de um sommelier pode ajudar.

De acordo com o professor do curso de Sommelier do Centro Europeu e enólogo consultor Alcioni Dümes, a escolha de um bom espumante deve levar em conta o gosto pessoal e a ocasião em que a bebida será consumida. "É para um momento mais descontraído, jovial, à beira da piscina ou praia? Pode ser um espumante leve e refrescante. Se for para acompanhar um jantar pode ser um espumante mais encorpado e estruturado", comenta Dümes.

O especialista destaca que o consumidor também deve avaliar o investimento que pretende fazer na bebida e como um sommelier pode auxiliar na melhor escolha.

"Podemos encontrar espumantes com excelente custo-benefício. Atualmente um espumante brasileiro na casa dos R$ 60 a R$ 80, é possível encontrar boas opções. A vinícola Cave Geisse, com Amadeu Brut, Rosé, Demi-sec, Moscato Rosé, são excelentes nessa faixa de preço. Temos outras também como os da Chandon, Garibaldi e Aurora", diz.

Também entre os espumantes brasileiros há opções mais refinadas, com qualidade superior e custo um pouco mais elevado. Segundo Dümes, é possível encontrar rótulos de vinícolas brasileiras com método champenoise brut e nature, mais encorpados e elaborados, com 24 meses de autólise (processo responsável por trazer mais complexidade aromática, textura e borbulhas à bebida) na faixa de R$ 120 a R$ 140.

"Creio que o consumidor precisa sim se orientar pelo preço, mas pensando em atendimento personalizado uma conversa com um sommelier pode, com certeza, ajudar muito na escolha desse produto para garantir uma melhor qualidade e custo-benefício", explica.

Melhores opções na opinião do especialista - Para Dümes, pensando em qualidade, conceito, elaboração e estética, a melhor opção é a Cave Geisse. Seguida por rótulos da Casa Valduga e da Vinícola e Casa Perini, com produtos mais baratos e acessíveis. E em terceiro lugar a Chandon Brasil.

Expectativas de mercado e reconhecimento internacional - Produtores nacionais de espumantes têm a expectativa de um crescimento de 60% nas vendas neste ano. Reflexo da diminuição de restrições sociais, dos casos de COVID-19 e do retorno de eventos presenciais.

O estado em que mais se produz espumantes no Brasil segue sendo o Rio Grande do Sul. Com bastante chuva, a colheita de uvas é feita relativamente cedo, ainda verdes, o que garante mais acidez e menor teor alcoólico, produzindo bebidas mais refrescantes.

"O Brasil é um grande produtor de espumantes e reconhecido lá fora. Diversas vinícolas brasileiras são conceituadas no exterior pela produção dos espumantes. Levo em consideração o último comentário da crítica inglesa Jancis Robinson que colocou o Cave Geisse como um dos melhores da América Latina e obviamente outros críticos também reconhecem a qualidade do espumante brasileiro", comenta o sommelier Alcioni Dümes.

Como harmonizar o espumante?

O espumante não é uma bebida apenas para brindar em festas de fim de ano e celebrações. Ele pode acompanhar uma refeição do começo ao fim, basta saber os pontos em comum entre o espumante e os pratos.

Um espumante mais encorpado e estruturado pode ser harmonizado com peixe, bacalhau ou até uma ave em um prato mais sofisticado. Já o espumante rosé pode harmonizar muito bem com salmão e camarão, onde a cor também harmoniza muito bem.

Nas sobremesas, que não necessariamente precisam ser doces, como uma cheesecake de frutas vermelhas e outras sobremesas que levam frutas em sua composição, podem ser harmonizadas com um espumante rosé levemente adocicado.

Segundo Dümes, a única contraindicação para a harmonização de espumantes é quando a sobremesa é de chocolate. Se o espumante for indispensável é importante que essa sobremesa leve também uma fruta para trazer acidez e frescor. Neste caso, um Demi-sec ou moscatel podem harmonizar com o prato.

Curso de Sommelier do Centro Europeu

O Centro Europeu é a maior escola de profissões da América Latina. Na Escola de Gastronomia, o Curso de Sommelier tem o objetivo de formar profissionais expert em vinhos, seus processos, origens, história, serviços da bebida com muita ênfase na harmonização enogastronômica.

O curso promove oficinas de degustação e palestras técnicas oferecidas em parceria com as principais importadoras do Brasil, para aprofundamento do conhecimento de diferentes regiões e produtores de vinhos nacionais e internacionais. As aulas são em ambiente propício para o estudo do vinho e gastronomia.

Mais informações, acesse o site.

Conheça as melhores cervejas caseiras do Paraná

Aconteceu no último final de semana o X Concurso Paranaense de Cervejas Feitas em Casa, na sede de Gastronomia do Centro Europeu, em Curitiba. O evento é promovido pela Associação dos Cervejeiros Artesanais Paranaenses (Acerva), e nessa edição contou com o apoio do Centro Europeu.

A medalha de ouro do "Best Of Show", que define os três melhores rótulos do evento, ficou com o curitibano Jean Nascimento, que produziu a cerveja "Grand Cru 2019", no estilo Wild Specialty Beer.

"Foram anos produzindo e estudando sobre cervejas, sobre os insumos, fermentos e processo de produção com o meu parceiro Wagner Stumpf. Essa cerveja ficou maturando mais de um ano e oito meses no barril, além de aproximadamente um ano na garrafa até o concurso", afirma o vencedor.

A prata foi para Foz do Iguaçu, com o cervejeiro Plati Pedraja. Ele fez a cerveja "Arlovi Rauchbier", no estilo Rauchbier. O bronze está em Maringá, com Flávio Meneguetti, que fez a cerveja "Meu Porão", no estilo Kellerbier.

Do total dos 140 rótulos inscritos no concurso, nove vencedores vão participar da Copa Acerva Brasil. Foram classificados os ouros de cada categoria, entre elas: Lagers claras; Amber Lager, Dark Lager & Bock; Pales Ales; IPAs e Amber Ale & Brown Ale.

De acordo com o vice-presidente da Acerva e diretor de prova, Daniel Dallagassa, o nível das amostras inscritas foi surpreendente. "Eu nunca tinha visto um Best Of Show com um nível tão alto. A cerveja que ganhou é envelhecida em barril e tem uma dificuldade técnica enorme em ser feita. O cervejeiro entregou uma bebida em padrão de classe mundial. Foi excepcional", afirmou.

O presidente da associação, Lenir Filho, afirma que a expectativa de premiação das cervejas paranaenses na Copa Brasil é alta. "Os resultados expressam uma franca evolução do cervejeiro caseiro, com cervejas cada vez mais elaboradas e bem executadas".

Para Rogério Gobbi, diretor Acadêmico do Centro Europeu, "foi uma experiência única poder abrigar em nossa estrutura de gastronomia, um concurso dessa grandeza, além de contribuir com a divulgação e valorização da cerveja artesanal, considerando ainda, que há mais de 6 anos o Centro Europeu incluiu em seu portfólio, o curso de Beer Sommelier & Home Brewer, pois sempre acreditamos no crescimento e na profissionalização desse setor". Esse concurso vem coroar nossa aposta".

O resultado de cada categoria está disponível em: https://bit.ly/2YOjAYx . A 1ª Copa Brasil, vai acontecer em Brasília, entre os dias 06 e 07 de novembro.

APRENDA A PRODUZIR CERVEJAS ARTESANAIS - Os amantes de cervejas que desejam se especializar podem ingressar no Curso Beer Sommelier & Home Brewer que é oferecido nos formatos presenciais e online pelo Centro Europeu. Além de preparar o aluno para produzir sua própria cerveja, o curso ensina técnicas de degustação, análise sensorial e harmonização gastronômica com a bebida.

São ministradas aulas de insumos, produções, técnicas de harmonização e contamos também com técnicas de serviços da bebida e glassware - adequação de taças à bebida. Os alunos recebem um case com taças para degustação, livro de conteúdos, caderno de análise sensorial, abridor de cerveja, kit de análise sensorial (on off flavors) e aproximadamente 40 rótulos de cervejas das principais escolas cervejeiras mundiais, para que possam acompanhar as degustações que serão conduzidas para cada aula.

Para saber mais e realizar a sua matrícula, acesse: centroeuropeu.com.br

Vinho e Itália: Evento online explora as vinícolas italianas em viagem virtual

O Masterclass de Degustação de Vinhos acontece ao vivo e tem participação de três renomados sommeliers

Na quinta-feira (16), às 19h, aconteceu o Masterclass de Degustação de Vinhos, uma viagem virtual pelas regiões vinícolas da Itália e o melhor da enogastronomia italiana.

Ristorantino reúne sofisticação, comida boa e arte em Curitiba

Aliar a alta gastronomia com sofisticação e arte. Esta é a proposta do Ristorantino Ópera Arte, restaurante inaugurado recentemente, no Shopping Pátio Batel, em Curitiba e que tem como diferencial um menu contemporâneo em ambiente elegante.

O espaço foi projetado pela arquiteta e proprietária Isabela Aguirra Pilagallo, que também é chef de cozinha formada pelo Centro Europeu. A decoração foi pensada nos mínimos detalhes para um espaço que tem a arte como uma das suas principais propostas.

Uma adega para mil garrafas - projetada com madeira nobre - divide os dois salões. Entre as novidades estão uma grande escultura em alumínio que fica sobre o bar, feita por Isabela, e uma parede com obras de arte da artista plástica India Filipin cedidas pela galeria Zilda Fraletti. O projeto adotado foi o As-built, que preconiza o reaproveitamento de materiais como forma de evitar o desperdício e a geração de resíduos.

Os ambientes - incluindo a enorme varanda com vista para o bosque - é um dos diferenciais do restaurante e que favorece a absorção de luz natural. O projeto luminotécnico é 100% com luminárias de led.

Segundo Isabela, aliar as duas profissões - a de arquiteta e chef de cozinha - tem feito a diferença para administrar o negócio em um ano tão atípico. "O curso de chef nos prepara para administrar negócios na área de gastronomia e isso fez toda a diferença na gestão do restaurante", conta.

Além disso, a formação como arquiteta contribui para a proposta de oferecer um projeto diversificado ao público curitibano, que é conhecido por sua exigência.

Para o diretor acadêmico do Centro Europeu e supervisor dos cursos de gastronomia , Rogério Gobbi, o sucesso do Ristorantino demonstra que - seja em tempos de pandemia ou não - para um negócio prosperar precisa ser administrado por pessoas com conhecimento. "A Isabela é uma profissional muito talentosa e que aliou conhecimento em outras áreas de atuação para empreender. Gastronomia não envolve apenas cozinhar, mas também fazer a gestão do negócio, o que é fundamental", ressaltou Gobbi.

Comida italiana
Com foco na gastronomia italiana, estão entre os diferenciais do restaurante Ristorantino Ópera Arte o toque brasileiro nos pratos preparados pelo chef Marcos Rodrigues. O menu inclui massas com frutos do mar, pizzas, foccacias e burratas - a gastronomia moderna da Itália.

A apresentação dos pratos é impecável, o serviço de qualidade e o ambiente agradável. "Temos alguns pratos do dia com entrada, prato principal e sobremesa para as refeições em horário de almoço", diz Isabela.

O Ristorantino é comandado por Isabela e sua irmã Rafaela Pilagallo. A família também é proprietária do restaurante e espaço de eventos Ópera Arte que funciona junto à Ópera de Arame, cartão postal de Curitiba.

O Ristorantino Ópera Arte abre de segunda a sábado com horários especiais devido à pandemia. De segunda a quinta-feira do meio-dia às 14h30, para o almoço, e das 18h às 21h30 para o jantar. Sexta e sábado do meio-dia às 21h30. Aos domingos não abre. O restaurante não está atendendo na modalidade delivery.

Serviço:
Centro Europeu
https://centroeuropeu.com.br/
(41) 3233-6669

Cervejas artesanais sem álcool e mais saudáveis são tendência no mercado

Escola de profissões de Curitiba oferece curso completo de especialização em Beer Sommelier e Home Brewer.
A inovação do mercado cervejeiro artesanal nacional já trouxe uma série de novos aromas e sabores à bebida e tende a chegar, também, no ramo saudável.

De acordo com Gabriel Sant’anna Vasques, sommelier e professor do Centro Europeu a cerveja é uma bebida rica em vitaminas e considerada saudável quando produzida de forma artesanal. "As bebidas artesanais tem um processo de produção sem aditivos químicos ou qualquer forma de conservante, tornando a cerveja mais natural, com água, malte, cevada e lúpulo, sem os outros ingredientes utilizados nas grandes indústrias", afirma.

Uma pesquisa realizada pela agência Mintel (2020) aponta que cerca de um terço dos adultos brasileiros que já consumiram álcool afirmam que experimentariam uma cerveja em versão menos calórica e alcoólica.

Ainda de acordo com o levantamento Mintel, os consumidores de álcool com idades entre 18 e 24 anos apresentam maior interesse em experimentar bebidas não alcoólicas do que os de outras idades.

CARBOIDRATOS: A composição da bebida com e sem álcool é parecida, sendo que no segundo caso a cerveja passa por um processo específico para a retirada do teor alcoólico.

"Durante o processo de produção da cerveja (alcoólica ou não) fazemos o cozimento dos maltes que seriam as principais fontes de carboidratos e que, em sua maior parte são desfeitos ou consumidos pelas leveduras, reduzindo de forma significativa a quantidade. A fonte existe, mas na comparação com outros elementos se torna baixa concentração", explica Gabriel.

ISOTÔNICO OU UMA CERVEJA APÓS O TREINO?

A cerveja é uma ótima fonte de vitamina B e de acordo com Gabriel auxilia a melhorar nosso desempenho. "Essas vitaminas, principalmente a B9, são responsáveis pela produção de energia no corpo. Durante o treino, se consumida com parcimônia, é uma ótima fonte de energia. O lúpulo é rico em antioxidantes e a única forma de alimentação que temos com o lúpulo é a cerveja, que nos auxilia principalmente nesse processo de regeneração de células", afirma.

As cervejas também nos hidratam. "Grandes quantidades fazem nosso corpo usar água para nos purificar e retirar o álcool do organismo. Por outro lado, a bebida sem álcool acaba sendo quase isotônica, servindo muito bem como fonte de hidratação após um treino pesado". Gabriel.

Algumas cervejarias artesanais já trabalham com as opções de cervejas sem álcool, como desenvolver uma IPA zero, por exemplo. "Esse processo é mais caro devido a levedura e a tecnologia que é utilizada. A cerveja também chega mais cara para o consumidor final.", explicou Spindola.

CURSO - Os amantes de cervejas que desejam se especializar podem ingressar no Curso Beer Sommelier - Home Brewer que é oferecido nos formatos presenciais e online pelo Centro Europeu que prepara o aluno para além de produzir sua própria cerveja, desenvolver técnicas de degustação, análise sensorial e harmonização gastronômica com a bebida.

As aulas no formato online iniciam no dia 27 de setembro, sempre às segundas e quartas. De acordo com Edinéia Biassi, Coordenadora do curso de Beer Sommelier e Sommelier, o aluno sai preparado para o mercado de trabalho. "São ministradas aulas de insumos, produções, técnicas de harmonização e contamos também com técnicas de serviços da bebida e glassware - adequação de taças à bebida. Os alunos receberão um case com taças para degustação, livro de conteúdos, caderno de análise sensorial, abridor de cerveja, kit de análise sensorial (on off flavors) e aproximadamente 40 rótulos de cervejas das principais escolas cervejeiras mundiais, para que possam acompanhar as degustações que serão conduzidas para cada aula".

Os alunos recebem a certificação da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes. Para saber mais e realizar a sua matrícula, acesse: centroeuropeu.com.br

Primeiro reality de gastronomia saudável do Brasil terá médicos como participantes

Alimentação e saúde. Estes serão os pilares do primeiro reality de gastronomia saudável do Brasil. Voltado ao público que gosta de cozinha e também quer saber mais sobre pratos que fazem bem, "VOCÊ É O CHEF", nesta segunda edição, trará como participantes quatro médicos de diferentes especialidades.

Durante dois meses de programa semanal, os participantes médicos mostrarão suas habilidades gastronômicas para três chefes de cozinha e convidados, especialistas em alimentação saudável. A consultoria técnica e apoio ao programa é do núcleo de Gastronomia do Centro Europeu.

De acordo com Rogério Gobbi, diretor acadêmico do Centro Europeu, as provas do reality ocorrerão na unidade de gastronomia da escola e será uma oportunidade de levar às famílias informações úteis sobre os benefícios da gastronomia saudável, inclusive como possibilidade de profissão.

"É um programa sério e organizado que reunirá ciência e arte. Ciência por meio da participação dos médicos e arte com a contribuição de profissionais de gastronomia especializados em alimentação saudável. Todos serão os multiplicadores da cultura e hábitos alimentares voltados para melhorar a qualidade de vida das pessoas e que permitirá ao público aprender com os participantes", explica.

O programa - que estreia no dia 21 de agosto, com duração de dois meses - será gravado na sede de gastronomia do Centro Europeu e o cenário leva a assinatura do arquiteto André Henning.

O Você é o Chef - Desafio dos Médicos será exibido pela RIC TV e ficará disponível no canal do Youtube do Programa.

"O objetivo é levar informação e orientar os telespectadores sobre a importância de uma alimentação saudável e regrada, aliada às necessidades de pessoas em tratamentos específicos, prescrições, restrições e intolerâncias", afirma Mabel Rocha , produtora do Programa.

Participantes - O reality - que vai unir medicina e a culinária voltada para uma rotina mais saudável - contará com a presença dos médicos: o ortopedista e especialista em cirurgia de coluna, Antônio Krieger; a pediatra, Leila Derviche; o cardiologista, Francisco Puppo e a gastroenterologista, Mariane Singer.

Desafio dos Médicos - Cada episódio do Desafio dos Médicos contará com a participação de convidados especiais. Profissionais da área de saúde e nutrição convidados irão determinar o tema dos pratos - sempre relacionados com benefícios ao organismo - que serão preparados.

Os participantes médicos terão o apoio técnico dos chefs para a elaboração dos pratos, que serão apresentados para avaliação. O melhor prato será indicado pelos chefes avaliadores e convidado especial.

Todas as semanas serão lançados novos desafios individuais e não haverá eliminação. Entre os quesitos avaliados pelos jurados estão: conhecimentos, saúde, sabor, criatividade e apresentação final dos pratos.

Ao final do reality o participante médico que somar a maior pontuação durante as etapas, levará o prêmio de Você é Chef Médicos de 2021. O prêmio será um enxoval para a cozinha de um hospital a escolha do vencedor.

Chefes convidados - Todos os chefs convidados para o Desafio passaram por cursos de especialização no Centro Europeu. São eles: a Chef de Cuisine e sommelier, com especialização em gastronomia funcional e sustentável, Iracema Bertoco, que também é membro do Slow Food Brasil.

O chef Reinhard Pfeiffer é também um dos convidados. Ele é co-autor do livro "A Cozinha Vegetariana de Astrid Pfeiffer", consagrado como o segundo melhor livro de cozinha vegetariana pelo Gourmand Cook Book Awards em Paris, é pós-graduado em Gastronomia Funcional e idealizador do festival sustentável "Curitiba Santé" . Outra participante é Pati Bianco especializada em Cuisine Santé, assinou o menu nacional de saladas da rede Madero, lançou seu primeiro livro e best seler e lançou sua linha de produtos saudáveis.

A nutricionista Aline Quissak terá uma participação especial. Ela possui oito especializações internacionais no Canadá e Estados Unidos e atua nas áreas de avaliação nutricional e rotina hospitalar em oncologia e cirurgia bariátrica, com capacitações em nutrição no envelhecimento e nutrigenética.

Todas as receitas que serão exibidas no Programa ficarão disponíveis para os telespectadores via QR code.

Delivery, ‘chef at home’, inserção tecnológica e comida vegana estão entre as principais tendências na área gastronômica

Com o avanço da vacinação e a flexibilização da bandeira em alguns estados, inclusive no Paraná, novas tendências estão surgindo para atrair os clientes à área gastronômica, que - ainda preocupada com os feitos da pandemia - tem o delivery e a entrega de comida no balcão em alta.

De acordo com dados da Stock Apps, o mercado global de entrega de alimentos online deve atingir US $151,5 bilhões de receita e 1,6 bilhão de usuários até o fim de 2021, com crescimento de 10% no período de um ano. De acordo com diretor acadêmico e responsável pelos cursos de gastronomia do Centro Europeu, Rogério Gobbi, os restaurantes já se preparam para essa modalidade de atendimento. "Muitas empresas ligadas à gastronomia buscaram se adequar a esses formatos que antes não faziam parte de suas ofertas. Eles vieram para ficar e devem passar por um processo de melhorias no serviço, na adequação dos pratos, na logística, na forma de entrega e principalmente no aperfeiçoamento e na tecnologia das embalagens".

Outra realidade e tendência que surgiu durante a pandemia foram cozinhas compartilhadas para a produção dos alimentos. "Vimos a ascensão dos ‘cloud foods’, o compartilhamento de espaços de produção gastronômica, em sua maior parte para o atendimento de sistemas de delivery. Muitos empresários que não tinham condições de manter suas estruturas de cozinhas, adaptaram esses espaços para atender e compartilhar com uma série de segmentos gastronômicos", afirmou Gobbi.

A pesquisa Taste Tomorrow, realizada pelo Instituto Ipsos aponta as principais buscas do consumidor na área gastronômica e, entre elas estão: mais sabor, frescor e textura, mesmo nas compras via aplicativos; alimentação saudável; embalagens transparentes, personalização dos pratos e pratos alinhados com os propósitos pessoais.

E os Cardápios? Em um futuro próximo todos devem digitais. "Ouso dizer que, em breve, os cardápios impressos vão deixar de existir mesmo no atendimento presencial, já que as pessoas querem evitar tocar ou compartilhar objetos e já existe tecnologia disponível para isso, com os QR Codes, por exemplo".

Também temos como tendência a redução significativa no número de convidados e participantes de eventos, aniversários, casamentos e formaturas - conforme a liberação das autoridades sanitárias.

Além disso, o atendimento em casa, com chefs at home, deve voltar com grande demanda. "As pessoas tendem a optar pela segurança, sem precisar se deslocar e expor a riscos, recebendo eventos em casa e resgatando os serviços gastronômicos ofertados nessa modalidade". Os restaurantes com espaços abertos também devem ter a preferência do público.

COMIDA SAUDÁVEL - 18% da população brasileira já se considera vegetariana, de acordo com uma pesquisa realizada pelo IBOPE. A tendência é que esse número cresça cada vez mais. "O período de isolamento permitiu que muitas pessoas buscassem informações sobre formas de auxiliar - com a alimentação - o organismo cuidar da imunidade. A tendência vegana e vegetariana, com a substituição da proteína animal deve ser ainda maior", disse Rogério.

NOVAS FORMAS DE ATENDIMENTO - O Chef Piu José, professor do Centro Europeu e empreendedor precisou se reinventar durante a pandemia e criou a cervejaria Baldória, dentro de seu espaço de eventos, onde também serve pratos da culinária brasileira. "Desenvolvemos um cardápio variado e harmonizado com as bebidas, que vai desde tartine, aperitivos, costela de fogo de chão - até pratos mais nobres e elaborados", afirmou.

CERVEJA DO FUTURO - A cerveja sem álcool e sem glúten é uma tendência no mercado, criando uma bebida saudável. "Pensamos em trazer uma cerveja que possa ser reposição de carboidrato, pós-treino, não completamente sem álcool, mas com índices bem baixos", disse o chef.

O processo para destilar - tirar o álcool da cerveja - aumenta o custo da produção da bebida artesanal, exigindo mais capital. Um exemplo é o investimento feito na fábrica da Heineken, no Paraná, para a Heineken zero álcool, que chegou a R$ 865 milhões.

MÃO DE OBRA QUALIFICADA - A capital conta com mão de obra qualificada para a reabertura dos restaurantes. "Boa parte dos empreendimentos mantiveram, através de acordos, seus funcionários, principalmente os de cargos mais importantes como os chefs de cozinha. Vemos um movimento muito positivo e que deve ser valorizado na área de gastronomia, onde muitos empreendedores estão inovando e criando novos espaços, mesmo diante da crise", afirmou o diretor acadêmico e responsável pelos cursos de gastronomia do Centro Europeu.

CURSO DE GASTRONOMIA DO CENTRO EUROPEU - A escola de gastronomia do Centro Europeu oferece especializações em diferentes áreas da culinária, entre eles: Chef Gourmet, Chef de Cuisine - Restaurateur, Sommelier, Cake Design, Cuisine Sainté, Pâtisserie, Boulangerie e Beer Sommelier.
Para saber mais, acesse o site: centroeuropeu.com.br

Tá frio? Dicas para aquecer seu cãozinho no inverno

O Brasil é o segundo país com maior número de PETs no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos. A paixão que temos com os animaizinhos nos lembra que com a chegada do inverno e a queda nas temperaturas devemos adotar alguns cuidados especiais com cães e gatos.

1 - MANTENHA O PET AGASALHADO - As roupinhas são recomendadas para deixar seu cão ou gato mais quentinho nos dias frios. De acordo com Maurício Penteado, coordenador do curso Mercado PET do Centro Europeu, são necessários alguns cuidados na hora de escolher a roupinha. "Aquelas que possuem muitos enfeites podem causar acidentes. O Pet pode arrancar, ingerir e ter até uma obstrução intestinal. Tenha atenção ao tamanho, pois a roupa não pode limitar os movimentos do PET e deve ter o espaço de 1 dedo entre a pele do animal e o tecido", orienta.

Lembre-se também de lavar as peças com frequência para evitar o desenvolvimento de micro-organismos.

2 - SEU PET MERECE UMA CAMA QUENTINHA - Aposte nos cobertores mais grossos durante o inverno. "Fique atento também a forma como ele dorme, se tiver encolhido, enrolado no próprio corpo, é sinal que está tentando se aquecer", afirma Maurício.

3 - ESTIMULE BRINCADEIRAS EM CASA - Os dias mais frios podem deixar o cãozinho mais preguiçoso e se estiver muito gelado o ideal é substituir o passeio por brincadeiras dentro de casa, no ambiente mais quentinho.

4 - AUMENTE O INTERVALO ENTRE AS TOSAS - Os pelos servem para proteger e aquecer o seu PET. "No frio é interessante esperar um pouco a mais para tosar e garantir que seu cão esteja quentinho. Além disso, a secagem após o banho deve ser completa, evitando o frio e o desenvolvimento de micro organismos prejudiciais para a pelagem", alerta o coordenador do curso.

5 - CONSIDERE A VACINA PARA GRIPE - Assim como em nós, humanos, a gripe é mais frequente no inverno. Se seu amigo costuma frequentar hotéis, creches ou outros locais com mais cães, converse com o seu veterinário sobre a vacina para gripe.

DADOS: Apesar da crise econômica e a pandemia do Coronavírus, o mercado PET é uma área que não parou de crescer. Em 2020 o segmento teve alta de 13,5% na comparação com 2019, segundo o Instituto Pet Brasil.

Nos últimos cinco anos, o setor de acessórios e alimentos para pets cresceu 87%, de acordo com a empresa Euromonitor International, que realiza pesquisas de mercado. Segundo o levantamento, o Brasil - que já é o segundo mercado mundial de alimentos para cães - deve se consolidar como o sexto maior mercado pet do mundo em 2021.
A perspectiva é de 87% de crescimento até 2026.

CURSO NO CENTRO EUROPEU: Acompanhando as demandas do mercado o Centro Europeu oferece o curso Mercado PET, destinado para pessoas que já atuam na área, como por exemplo, banhistas, lojistas, tosadores, cuidadores (pet sitters), passeadores (dog walkers), adestradores, alunos de medicina veterinária, médicos veterinários e outros e também para empreendedores ou futuros empreendedores do mercado pet.

O curso tem 124 horas/aula , está com as matrículas abertas e as aulas iniciam em agosto.
De acordo com Maurício Penteado, o curso é completo e oferece uma série de disciplinas. "Entre elas estão bem estar animal, pesquisa de mercado, legislação e terceiro setor, gestão veterinária, eventos e gastronomia, criadores, pet shops e serviços pets, fábricas e distribuidores, tecnologias e startups".

Para saber mais, acesse centroeuropeu.com.br

Gastronomia sustentável ganha mais adeptos e incentiva boa alimentação com responsabilidade

Em um momento em que os cuidados com a saúde são fundamentais a boa alimentação e a gastronomia sustentável ganham mais adeptos e passam por mudanças, oferecendo diferenciais e experiências que vão além do paladar.

A chamada gastronomia sustentável é um movimento que convida as pessoas a modificarem a conduta dos seus negócios e também repensar a forma de produzir e descartar os alimentos. Dentro deste princípio inclui uma prática sustentável que vai desde a gestão operacional de restaurantes e marcas, a logística para compra dos alimentos - comprar de produtores locais é sempre a melhor opção, utilizar no cardápio produtos da estação, evitar o desperdício e utilizar ao máximo cada alimento inclusive na composição dos cardápios.

Para o diretor acadêmico e responsável pelos cursos de Gastronomia do Centro Europeu - uma das mais renomadas escolas da América Latina nesta área, Rogério Gobbi, os temas relacionados ao aproveitamento integral dos alimentos, incentivo de produtores locais e sustentabilidade há muito tempo deixaram de ser apenas um discurso politicamente correto.

"Quem trabalha em uma cozinha conceito, seja bistrô ou renomada, até por virtude de cortes e apresentação de um formato, muitas vezes ocorrem perdas de alimentos e o descarte impacta no preço e na própria sustentabilidade", conta Rogério. Por este motivo ele explica que - como escola de formação profissional - o Centro Europeu incluiu em seu curso de formação de Chef de Cozinha uma disciplina específica sobre sustentabilidade.

"O profissional da cozinha e da gastronomia é também responsável pelos recursos que alimentam a população do planeta e precisa ter consciência sobre a sua participação neste importante processo", reforça Gobbi.

Um dos cursos de gastronomia do Centro Europeu, que está sendo oferecido online e é voltado para a alimentação saudável, o aluno aprende além de modos de preparo 100% saudáveis técnicas para preservação de nutrientes e dicas para melhorar o aproveitamento dos alimentos, economizando nas compras.

Mercado - De acordo com o relatório "Tendências em alimentação saudável", elaborado pela empresa inglesa de pesquisa Mintel em 2019, os consumidores estão mais preocupados com saúde e sustentabilidade na hora de comer: 52% dos entrevistados têm dado preferência a alimentos e bebidas ricos em proteínas, fibras e com menos açúcar. Para a indústria, esse novo comportamento traz oportunidades de criar produtos, desenvolver diferentes nichos de mercado e aumentar o faturamento, aponta o estudo.
Além de dar preferência a alimentos naturais e nutritivos, os consumidores estão desenvolvendo um olhar abrangente, preocupando-se com o impacto dos seus hábitos alimentares no meio ambiente.

Dicas - Neste Dia Mundial do Meio Ambiente - comemorado 05 de junho - conversamos com a nutricionista, pesquisadora e professora do Centro Europeu, Aline Quissak. Ela atua na área de alimentação e defende o uso dos alimentos com sustentabilidade.
1- Evite o desperdício
- Pensar no cardápio da semana, ajuda a economizar e evita desperdício.Com base neste planejamento, faça a lista e escolha alimentos - principalmente os perecíveis - de uma forma mais consciente.
2 - Priorize frutas, verduras e legumes da estação - Ao escolher alimentos da estação você estará contribuindo com o consumo e alimentos locais e sazonais.
3- Zere o conteúdo de sua geladeira
- Antes de ir às compras tenha como meta sempre utilizar tudo o que tem na sua geladeira. Esta é uma forma eficaz de combater o desperdício dentro de casa.
4 - Cozinhe a quantidade certa
Esta é uma dica clássica, mas é sempre bom reforçar. Tente cozinhar a quantidade de comida adequada ao número de pessoas que irão comer.
5 - Use o alimento integralmente - Ser criativo na cozinha também faz parte do processo de produção e de sustentabilidade. Talos, cascas e sementes podem ser usadas em receitas e, além de serem nutritivos, possibilitam a criação de pratos muito saborosos.

Serviço :

Para saber mais sobre os Cursos de Gastronomia do Centro Europeu acesse:
https://centroeuropeu.com.br/portal/ ou ligue (41) 3324-6669

Boas fotos alavancam carreiras e negócios na pandemia

A fotografia de qualidade nunca foi tão importante como no momento em que estamos vivendo, com o crescimento no consumo de redes sociais e de vendas digitais para divulgar produtos e pessoas.

A queda na contratação dos registros fotográficos de eventos e casamento, nascimentos e outros levou profissionais experientes a se reinventarem, em busca de novos comportamentos e tendências.
Além disso, a fotografia profissional voltada ao jornalismo, para agência de notícias, publicidade e divulgação de eventos online continua em alta.

Novos mercados - Novas áreas tornaram-se mais fortes no universo da fotografia, enquanto outras se mantiveram estáveis como, por exemplo, agências de notícias e de publicidade. A venda de fotos em plataformas online cresceu muito e, se as fotos forem exclusivas, o valor pago aumenta. Já o mercado fotográfico de ensaios sensuais - para publicação em sites e redes sociais também foi um setor que expandiu.

A fotógrafa e professora, Tânia Buchmann, explica que com a pandemia o marketing digital ganhou ainda mais espaço - tanto no ensino como nos eventos online, em lives e sessões remotas, fomentando a comunicação como um todo.
" Com a pandemia o mercado mudou, há um ano os eventos são raros, mas existe um leque de opções que surge e que se mantém ativo, com o retorno gradual e dentro de uma nova realidade. Comemorações familiares ao ar livre com menos tempo e menos pessoas, tendências de registros de micro-casamentos e outros", destaca Tânia.

Recolocação profissional e mudança de foco - Assim como em outras áreas de atuação na fotografia também existe profissionais que querem explorar novos mercados e se recolocar no mercado de trabalho. Há também pessoas que não atuam como fotógrafo profissional, mas tem os conhecimentos básicos e gostariam de atuar profissionalmente.

Pensando nesses públicos, o Centro Europeu, a maior escola de profissões da América Latina, lançou o curso Fotografia Master.
Com duração de um semestre, o curso é para pessoas que já tem o conhecimento de técnicas básicas de fotografia e querem aprofundar ou ampliar a área de atuação. A maioria das aulas são práticas deixando o aluno preparado para trabalhar na área.
"Preparamos os alunos para enfrentar o mercado de forma mais rápida e eficiente", reforça Tânia Buchmann, que é a supervisora do curso de Fotografia Master do Centro Europeu.
O curso começa dia 19 de maio e entre os módulos estão: foto arte (fotografias comercializadas para galerias de arte e arte para decoração de ambientes), fotojornalismo e fotografia documental, fotografia de família, fotografia colorida e preto e branco, fotografia sensual, desenvolvimento de carreira - o aluno terá orientação para melhorar a sua atuação profissional, incluindo montagem de portfólio e nichos de mercado que quer seguir.
"Com as mudanças atuais muitos fotógrafos estão em busca de gerenciamento de carreira, procurando novas áreas para atuarem e como gerenciar seu próprio negócio", explica Charly Techio que também dá aulas no curso de fotografia e supervisiona do curso de Fotografia Master do Centro Europeu.
No final do curso o aluno deverá apresentar trabalho prático, um ensaio dentro de uma temática escolhida e que será avaliado pelos professores para a obtenção do certificado.

Serviço:
Saiba mais sobre o Centro Europeu - maior escola de profissões da América Latina - visite o site http://centroeuropeu.com.br ou ligue (41) 3233-6669.

6 a cada 10 casas de Curitiba têm animais de estimação.

Mercado pet tem demanda crescente mesmo durante a pandemia
O mercado PET registrou crescimento de 30% no Brasil, mesmo durante a pandemia, o país é o segundo com maior número de pets no mundo, com 141 milhões de animais, atrás apenas dos Estados Unidos.

Hotéis, creches, alimentação natural e até mesmo cervejas especiais para cães e gatos são itens que já fazem parte da rotina de quem tem um animal de estimação. O mercado PET é um dos que mais cresce no Brasil, com aumento de 30% mesmo durante a pandemia. O país é o segundo com maior número de pets no mundo, com 141 milhões de animais, atrás apenas dos Estados Unidos.

Acompanhando as necessidades do mercado, o Centro Europeu - maior escola de profissões da América Latina - está lançando o curso "Mercado PET".

O curso é destinado para pessoas que já atuam na área, como por exemplo, banhistas, lojistas, tosadores, cuidadores (pet sitters), passeadores (dog walkers), adestradores, alunos de medicina veterinária, médicos veterinários e outros e também para empreendedores ou futuros empreendedores do mercado pet.

"É um curso - com carga horária de 124 horas/aula - ideal para quem quer empreender de forma inovadora e para profissionais que já atuam na área e querem se aprofundar em outros segmentos do mercado PET", explica Maurício Penteado, coordenador do curso.

Entre as disciplinas estão bem estar animal, pesquisa de mercado, legislação e terceiro setor, gestão veterinária, eventos e gastronomia, criadores, pet shops e serviços pets, fábricas e distribuidores, tecnologias e startups "Os 26 professores que integram o curso são profissionais experientes e bem sucedidos em suas áreas de atuação, muitos são empresários e empreendedores do setor", reforça Maurício.

Perfil do consumidor - Na capital do Paraná, 6 a cada 10 casas têm pets. Em todo o país, 51% dos proprietários de cães são de classe A e B, casados, e 64% dos proprietários afirmam que o cão dorme dentro de casa. Do total de animais, 24% foram adotados, sendo que 59% não têm raça definida.

Já as importações de produtos para animais de estimação registraram alta de 16% em 2019.

"Hoje o mercado PET só tem a crescer. O Brasil é o quarto país em gastos neste setor de todo o mundo. Tivemos uma mudança no pensamento humano, que atualmente vê o pet como membro da família e o tutor busca sempre o melhor. Temos ampliação de mercado, com brinquedos específicos, alimentação natural, roupas e outros", afirma Maurício.

Já entre os gatos, 61% das proprietárias são mulheres e 48% acreditam que os felinos entendem o humor dos donos. Durante a pandemia cresceu em 50% o número de pessoas que adotaram um animal de estimação.

CURSO - O Centro Europeu lança em abril o curso "Mercado PET", com início das aulas marcado para o dia 08.

Podem se inscrever quem têm o ensino médio completo. Para saber mais sobre o curso ou realizar a sua matrícula, acesse: centroeuropeu.com.br

Plantas auxiliam no controle da ansiedade e mercado ganha força durante a pandemia

Em tempos de isolamento social e ao permanecer mais em casa, muitas pessoas passaram a valorizar ainda mais o contato com a natureza, a iluminação natural e o bem-estar proporcionado pelas plantas. Criar um "cantinho verde" em casa nunca foi tão desejado.

Isso porque estar em contato com as plantas ajuda no controle da ansiedade, os aromas emitidos pelas flores nos auxiliam a ter um sono mais tranquilo e a reduzir o estresse e o cansaço mental, de acordo com um estudo divulgado na revista Preventive Medicine Reports.

Cultivar plantas virou um hobby para muitas pessoas - em ambientes de trabalho ou no home-office - a vegetação contribui para a redução do nível de estresse e para o aumento do nível de concentração. Sem contar, que torna os espaços sempre mais aconchegantes.

Filipe Bender, supervisor do curso de Garden Design do Centro Europeu, explica que os jardins podem ser feitos em todos os espaços, sejam nas sacadas, em áreas externas ou internas. "Não precisa necessariamente acontecer em casas gigantes, com jardins gigantes. O garden está em interiores também, com paredes verdes, jardins verticais e pequenas hortas", afirma.

A profissão de Garden Designer está tão em alta quanto a atividade, tendo em vista que o profissional atua na elaboração de projetos aliando a estética com o meio ambiente, com o objetivo de tornar os ambientes mais agradáveis. "Com a pandemia aumentou a preocupação em relação à biofilia [harmonização das plantas com os espaços]. Hoje é muito estranho quando vamos a um café ou a um restaurante e não tem uma planta, por exemplo", ressaltou Bender.
Ele reforça ainda que a presença de vegetação natural, por mínima que seja, provoca um grande bem-estar emocional, além de melhorar a qualidade do ar e trazer mais energia.

A maior parte dos profissionais que atuam nesta área realiza o projeto de jardim levando em consideração questões como a escolha da espécie, necessidade de irrigação, privacidade e o risco de espinhos em plantas que serão colocadas em residências em que existem crianças, por exemplo.

Crescimento - Segundo o Instituto Brasileiro de Floricultura (IBRAFLOR), os produtores de plantas e flores chegaram a registrar aumento de 20% durante esse período e o setor espera um crescimento de 5% para 2021, impulsionado pelas vendas voltadas para a ornamentação das casas.

Atualmente o Brasil conta com 8,2 mil produtores de flores, cerca de 15 mil hectares de área cultivada e três mil variedades de flores produzidas no país, que figura entre os 15 maiores produtores do mundo, ainda de acordo com o Ibraflor.

Além disso, um belo jardim traz valorização a um imóvel. "Quando fazemos um belo jardim em uma casa o valor cresce muito. hoje as pessoas querem muito esse garden. Quando um casal se muda para uma casa a primeira preocupação é o jardim, não é só por questão estética, mas também por questão emocional".

Curso de Garden Design - O Centro Europeu oferece o curso de Garden Design, com três meses de duração, e que - após as aulas - permite a entrada imediata do aluno no mercado de trabalho. "Ensinamos questões teóricas e práticas, no final do curso o aluno desenvolve um projeto real que pode ser para uma casa, um restaurante ou uma escola primária", explica o supervisor.

Entre os temas abordados estão questões básicas de jardinagem, tipologia das plantas, software de projetos e questões financeiras em relação ao mercado de trabalho. "Hoje há um espaço muito bom para esse mercado porque ainda não tem tanta concorrência e o público está valorizando muito", ressalta.

Para inscrever-se no curso, que começa no dia 24 de março, com aulas presenciais duas vezes por semana, acesse: www.centroeuropeu.com.br

Link do estudo citado: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S2211335516301401

Novo restaurante Italy Caffé Juvevê

O chef de cozinha tem passagem por renomados restaurantes internacionais e é formado pelo Centro Europeu
Com fotos

Cozinha da nona a preço acessível, essa é a proposta do novo Italy Caffé Juvevê comandado pelo chef de cozinha e empresário Vinicius Cossia, que tem apenas 28 anos, mas uma carreira com muita bagagem e diversificada experiência internacional.

O novo restaurante - que começou a atender dia 6 de dezembro do ano passado - está localizado no bairro Juvevê, na rua Rocha Pombo e tem capacidade para 110 pessoas. A cantina italiana ofereces carnes como o famoso galeto, massas frescas, pizzas em pedaços ou redondas, sanduíches, doces, sorvetes, cafés, soda italiana, sucos entre outras opções.
Devido à pandemia, o restaurante está operando com capacidade reduzida. "Estamos muito otimistas para 2021. Neste momento estamos com o prato do dia a R$ 29,90 e estamos lançando o cardápio especial para happy hour. Nossa proposta é comida de qualidade a um preço acessível", completa o chef.
Know how - Vinicius Cossia iniciou sua formação gastronômica no Centro Europeu no Curso de Chef de Cuisine - Restaurateur. Para ele, o curso do Centro Europeu contribui muito para quem tem interesse em apostar no mercado da gastronomia.
"O curso do Centro Europeu dá muita ênfase à prática, além da formação clássica e isso é super importante, porque se você não souber o básico na cozinha irá se perder. Também ajuda quem quer abrir seu próprio negócio", ressalta.
Foi pela parceria do Centro Europeu com a Culinary Arts Academy que Vinicius foi estudar na Suíça, onde se formou em Artes Culinárias pela Cezar Ritz. Na Europa, estagiou no Jeu de L’Arc e em seguida foi trabalhar em Portugal no The Ritz do Carlton Penha Longa Resort, atuando nos restaurantes do complexo inclusive no Lab by Sérgio Argola que tem estrela Michelain.

Depois de sua temporada fora, Vinicius voltou para Curitiba e trabalhou como personal Chef e agora é sócio do Italy Juvevê juntamente com proprietários do Kan - Cozinha japonesa e do Porcini Trattoria, lugares onde trabalhou no começo da sua carreira.

"Ficamos orgulhosos de fazer parte da trajetória profissional do Vinicius na gastronomia - que teve início em nossa escola e posteriormente, por meio das parcerias internacionais oferecidas aos nossos alunos - o capacitou" ainda mais, para tornar-se um empreendedor nesse segmento", declarou o diretor acadêmico do Centro Europeu, Rogério Gobbi.