Startups desenvolvem soluções no combate ao Coronavírus

Com alto poder de impacto e rapidez, pequenos negócios inovadores contribuem para o enfrentamento do problema

O poder de inovação de pequenos negócios, como as startups, contribui para o enfrentamento de problemas atuais da sociedade. Com alta capacidade em desenvolver produtos ou serviços de forma rápida com uso de tecnologia, as startups assumem protagonismo na busca de soluções inovadoras no combate ao Coronavírus. De acordo com o gerente de inovação do Sebrae, Paulo Renato Cabral, a inovação pode se apresentar de várias formas, desde pequenas mudanças na rotina dos negócios, ao focar no diferente e antecipar tendências, até mesmo ao propor soluções de grande impacto, como o desenvolvimento de uma vacina.

A startup Hi Technologies, formada por empreendedores, anunciou que disponibilizará para o mercado, a partir de 15 de abril, um teste realizado em média de 15 minutos para o diagnóstico da doença. A empresa, que atua na área da saúde, desenvolveu, em 2017, um laboratório portátil conectado à internet, chamado Hilab, capaz de detectar rapidamente doenças infecto-contagiosas por meio de exames de sangue, realizados de forma prática e pouco invasiva.

De acordo com o CEO, Marcus Figueredo, neste primeiro momento, o teste será disponibilizado para o estado de São Paulo, onde há o maior número de casos da doença, e também para Curitiba (PR), sede da empresa. A startup tem recebido demandas do Brasil inteiro de governos, planos de saúde, hospitais e empresas. Segundo ele, a agilidade das startups é ponto chave num momento como a pandemia do Coronavírus. “Estamos acostumados a nos adaptar de forma rápida para mudar os produtos ou serviços para atender as necessidades que podem surgir repentinamente”, afirmou.

Outra startup que também apresentou solução inovadora para ajudar no enfrentamento da doença é a Siga, startup de Geomarketing, de Maringá (PR). Em menos de 24h, a equipe preparou plataforma para mapear os casos suspeitos e confirmados do Coronavírus, a partir dos dados disponibilizados pelos boletins diários do Ministério da Saúde. Em apenas 6h, foram aproximadamente 1.500 acessos.

O geógrafo e CEO da Siga, Mateus Felini, explica que a ideia surgiu depois de perceberem informações desencontradas e mensagens falsas sobre o assunto. Ele acredita que a visualização em forma de mapa contribui para maior conscientização das pessoas: “Nosso objetivo foi apresentar uma fonte confiável e de fácil acesso para todos, gerando uma sensação de participação. Ao reconhecer seu próprio território no mapa, as pessoas se sentem mais conscientes da dimensão do problema”.

Fundada em 2018, a startup Siga fornece dados para as empresas traçarem estratégias na abertura e expansão dos negócios, como, por exemplo, na escolha do melhor ponto de venda. No final do ano passado, participou de um programa de aceleração, promovido pela Evoa, aceleradora de startups, parceira do Sebrae. Na ocasião, o Sebrae colaborou no desenvolvimento da estruturação da empresa para se tornar mais competitiva no mercado.

ARTIGO: Empreender é muito mais do que ter uma boa ideia

Por *Janaína Fogaça

Foi-se o tempo em que, para empreender, bastava uma boa ideia na cabeça. Hoje em dia, além da boa ideia, é necessário iniciativa, capital, boa vontade e, principalmente, análise do mercado e da concorrência.

De nada adianta uma boa ideia se outras pessoas já a tiveram e não levaram adiante. Se não deu certo com os outros, por que daria certo com você? A pergunta pode soar dura demais, mas para que algo vá adiante, é necessário investir. Sempre digo: se você quer ganhar dinheiro, precisa gastar dinheiro. E isso quer dizer, entre outras coisas, investir em ferramentas que alavanquem os seus negócios, que façam com que você ganhe tempo, ao invés de perdê-lo. Bater de porta em porta, recomendação de cliente boca a boca já fizeram sucesso em um passado muito distante. Com o advento da internet e a modernização das tecnologias, existem diversas ferramentas que dão ao empresário um norte na hora de angariar clientes e de conhecer a sua concorrência, porque, em dias de hoje, tão fundamental quanto conhecer o seu público-alvo, é conhecer empresas que oferecem os mesmos produtos e serviços que o seu negócio está oferecendo. E é aí que o empreendedor precisa ter estratégias e ponderar: qual o meu diferencial no mundo corporativo?

Ter uma boa base de prospects, conhecer o mercado pode ajudá-lo a ser mais assertivo comercialmente, mas ainda assim, não é só isso. A vitória tem muitos pais, mas a derrota é órfã, diz um velho ditado.

Com a moda das startups, todo negócio que ainda estava em busca de financiamento se autoentitulou startup, e com isso, boas iniciativas se perderam porque o empreendedor se acomodou e ficou (sentado) esperando que o investidor batesse à sua porta, e isso não aconteceu. O que aconteceu foi a banalização da expressão, que acabou caindo no “lugar comum”. Precisamos diferenciar startup de ideia inovadora de um novo negócio que pode ser mais do mesmo.

A teoria, na prática, é muito bonita. Encontros entre empresários, networking, devem agregar, trazer novas experiências, gerar interação. O empreendedor precisa pensar com a cabeça de empresário: “que tipo de negócio eu posso fechar naquele evento?” ou então: “qual é o tipo de empresário que está nesse evento? Eu devo investir meu tempo e dinheiro nesse encontro?”.

No mundo dos negócios, tempo é dinheiro. E para quem está iniciando um novo projeto, qualquer minuto é valioso, porque dinheiro a gente recupera, o tempo, não.

Por onde começar?

“Quando não se sabe para onde vai, qualquer caminho serve”, dizia o coelho para a Alice, no clássico Alice no país das maravilhas (o que era estranho, um coelho falar), no entanto, preste atenção: você não está no país das maravilhas, aqui não há coelhos falantes. Esse é o seu negócio e as rédeas dele devem estar em suas mãos.

Tudo deve partir de um planejamento, pois sem um cronograma delineado, fica difícil sair do lugar. Com os objetivos estabelecidos, não fica mais fácil, no entanto, fica mais claro saber para onde ir. Pesquise o seu mercado, use as ferramentas disponíveis, procure investidores, corra atrás de capital e invista!

O marketing é algo que deve ser pensado com carinho e cuidado. Você sabia que cerca de 4% do seu faturamento deve ser investido em marketing para que seu negócio possa crescer? Você sabia que existem ferramentas – e falo com propriedade de causa –, que ajudam a identificar qual fatia o seu tipo de negócio tem do mercado, onde estão seus concorrentes e seu público-alvo?

Empreender é muito mais do que boa vontade, e quando você descobre o caminho das pedras, a jornada se torna agradável e sim, você consegue viver de uma ideia inovadora, mas desconfie quando oferecerem milagres, fale com as pessoas certas, nos lugares certos e invista muito mais do que tempo em suas boas ideias.

O ano novo está aí e só vai ser novo se você também for. Abandone as velhas ideias e os velhos hábitos, arregace as mangas e corra atrás do seu sonho, porque o sabor de viver daquilo que você sonhou é incomparável. O futuro já começou (é muito mais do que uma vinheta de um canal de TV) e você, vai ficar aí parado?

*Janaína Fogaça é jornalista, especialista em Comunicação Empresarial e sócia da Descomplica Comunicação Inteligente – Curitiba/PR.

STARTUP CURITIBANA QUER REVOLUCIONAR EDUCAÇÃO NO PAÍS

Plataforma já ajudou mais de 600 mil alunos a estudar de graça

Estudar de graça para o ENEM, aprender um novo Idioma, se preparar para um Concurso Público e ainda obter um certificado para qualificar seu currículo. Já imaginou fazer tudo isso de graça e sem sair de casa?

Pois foi pensando nisso que um grupo de empreendedores curitibanos criou a Kultivi, site que conta com mais de 70 cursos em diferentes áreas, como preparatório para ENEM e Exame da OAB, além de Inglês, Francês, Espanhol, Italiano, Concursos, Revalida (Medicina) e Empreendedorismo.

Surgida com o propósito de levar educação gratuita e de qualidade a todos, a plataforma conta hoje com mais de 400 mil alunos cadastrados com acesso aos cursos, questões e certificado – também gratuito. Além disso, é possível assistir as aulas no canal da startup no YouTube, onde o projeto já conta com mais de 200 mil inscritos.

Como funciona

De acordo com o idealizador do projeto, Claudio Matos, a ideia é democratizar o conhecimento e fazer a plataforma chegar a ainda mais pessoas. A lógica de funcionamento, para ele, é simples e já segue o que o mercado vem fazendo. “Quem paga a plataforma são os anunciantes, por meio de espaços publicitários, geralmente empresas que querem desenvolver educação de qualidade no Brasil e atrelar sua marca a esse projeto”, explica o sócio da Kultivi.

Outra forma de manutenção do projeto está no apoio prestado por pessoas físicas e jurídicas, por meio de crowdfunding, a chamada “vaquinha virtual”.

Diferencial

Para Matos, o diferencial da Kultivi em relação a outras plataformas de Ensino à Distância (EAD) é a gratuidade. Mas não pretende parar por aí: “Quando empreendemos, é preciso inovar sempre. Não paramos no tempo. Estamos apostando em mais tecnologia e recursos, investindo em e-books interativos e já planejamos aplicativo, podcasts e estratégias de gamificação para o futuro”, disse.

Cursos

Após um rápido cadastro, os usuários podem acessar a descrição dos cursos e começar a assistir imediatamente. É possível ainda ver comentários de outros alunos e baixar materiais didáticos complementares. Para isso, basta um dispositivo com acesso à internet.

Contatos

Nome: Daniel Santos (redator)

Email:

claudio.matos@kultivi (contato - assessoria de imprensa e marketing)

ricardo.pydd@kultivi (contato - administrativo)

Telefone: (41) 99192-9797 (Claudio - Imprensa/Marketing)

Site: www.kultivi.com

Floricultura curitibana cria startup para oferecer soluções em inovação

A Esalflores criou a Esallabs para atender suas próprias demandas tecnológicas. Agora, a empresa se prepara para disponibilizar seus sistemas de gestão para outras empresas

CURITIBA, 16/01/2020 – Desde sua fundação, em 1996, na cidade de Curitiba (PR), a Esalflores se destaca no mercado pelos produtos de excelência e, principalmente, pioneirismo em serviços inovadores. Maior rede de floriculturas do país, com entrega disponível para todos os estados brasileiros, totalizando 815 cidades, e mais de 100 pontos de venda físicos espalhados pelo Brasil, o empreendimento é hoje um dos principais cases de sucesso no segmento da floricultura, onde promoveu uma verdadeira revolução tecnológica e de conceitos. Idealizadora de estratégias arrojadas e originais para venda e distribuição, a empresa deu um passo importante na iniciativa de aperfeiçoar e modernizar constantemente a sua forma de comércio e gerenciamento: fundou a Esallabs, startup concebida internamente para atender as demandas de inovação da floricultura.

Consagrada como referência em inovação e criatividade, a Esalflores sempre esteve à frente do seu tempo. Foi precursora em implantar práticas automatizadas e tecnologias avançadas em suas dinâmicas, como instituir um sistema de televendas, catálogo virtual e recebimentos por cartão de crédito, e mais recentemente o pagamento com QR Code. “Desde o início de nossa história focamos no aprimoramento das rotinas. Enquanto a maioria da empresas optava por controlar as vendas na informalidade, a Esalflores estreou com sistema de gestão ERP, por exemplo. Acompanhamos a difusão da internet no final da década de 90, fomos a primeira floricultura a desenvolver um catálogo online e, no início dos anos 2000, já atuávamos com a plataforma de e-commerce. Sempre pensamos grande mesmo sendo pequenos na época”, conta Bruno Esperança, diretor geral do Grupo Esal, que além da Esalflores engloba a Esalgarden, a Esalcafé e a Esalpet.

Em 2015, a empresa ganhou destaque nacional com o lançamento da Flower Machine, que revolucionou o segmento ao comercializar flores e plantas em máquinas semelhantes às de refrigerante, e que hoje está presente em mais de 50 endereços, entre shoppings e aeroportos, em 21 estados brasileiros. A necessidade de obter uma ferramenta de gestão específica para a vending machine, foi um dos estímulos para a estruturação do setor que futuramente se tornaria a Esallabs. “Sempre tivemos dificuldade em encontrar sistemas específicos para as nossas necessidades dentro da floricultura, as poucas opções que existiam, não acompanhavam nossa estrutura, ou eram mecanismos muito limitados. Testamos os serviços de algumas empresas, que sempre nos atenderam bem, mas de forma restrita, até que, 3 anos atrás, optamos por investir em um laboratório interno de inovação”, explica Esperança.

Otimização de processos

Com o objetivo de potencializar a forma de gerenciamento, o laboratório Esallabs passou a desenvolver todos os sistemas de ERP do Grupo Esal. “As demandas foram surgindo, o desenvolvimento de soluções e novos softwares crescendo cada vez mais, até o setor de inovação se tornar uma startup. Hoje, a Esallabs já recebeu um investimento de cerca de R$4 milhões, é uma empresa independente dentro do grupo Esal e possui um vasto portfólio no desenvolvimento de sistemas pensados especificamente para as vertentes de floricultura, petshop e café”, declara o empresário.

Entre os produtos desenvolvidos pela Esallabs está o sistema de telemetria elaborado especialmente para a gestão de equipamentos de Vending Machines, que permite controlar remotamente toda operação, estoque e gerenciamento das máquinas; pontos de venda com sistema TEF (Transferência Eletrônica de Fundos) direto sem necessidade de intermediários; e concepção de sistema ERP na Nuvem, possibilitando que todos as atividades da empresa estejam conectadas ao sistema completo de gestão por meio de uma conexão de internet GPRS, diretamente no Navegador, sem a necessidade de instalação de programas. Além da criação de aplicativos de gestão para o conceito “Store in Store”, que controla o funcionamento de cada loja em tempo real e aplicativos móveis para o acompanhamento de entregas, focados na redução do uso de papéis.

Expansão

Mais do que desenvolver softwares para o controle de atividades administrativas, a Esallabs criou novas formas de gerenciar negócios de varejo em geral, e pretende expandir suas operações e comercializar as soluções. “Descobrimos formas de eliminar problemas que antes representavam grandes dificuldades para nossa gestão, e queremos disponibilizar o acesso as nossas plataformas para o mercado, pois enxergamos como uma maneira de colaborar com a evolução do gerenciamento de varejo no Brasil”, comenta Bruno Esperança.

A intenção da startup é futuramente oferecer softwares e ERPs também para outras empresas da área, com a vantagem de que todas as ferramentas já foram testadas dentro dos ambientes do Grupo Esal, fazendo com que sejam muito mais efetivas quando lançadas. “Já liberamos softwares e aplicativos em teste para algumas empresas e fomos surpreendidos com a eficiência e aceitação dos nossos sistemas. Sem exceção todos os estabelecimentos que aderiram tem se surpreendido com as soluções da Esallabs”, completa.

Startup quer conquistar o Brasil oferecendo relações seguras entre clientes e profissionais de serviços domésticos

Startup quer conquistar o Brasil oferecendo relações seguras entre clientes e profissionais de serviços domésticos
Conheça o Triider, plataforma com 50 tipos de serviços domésticos disponíveis para contratação imediata

CURITIBA, 10/10/2019 - Quem é que nunca teve problema para encontrar um bom prestador de serviço? Até mesmo trabalhos básicos como instalar um chuveiro ou desentupir uma pia podem se transformar em uma verdadeira dor de cabeça se não forem bem executados. Agora, imagine usar uma espécie de rede social para fazer orçamentos e, a partir do preço e da avaliação dada por outros clientes, negociar e fechar o serviço, sem sair de casa. É a isso que se propõe o Triider, uma empresa gaúcha que conecta clientes e profissionais de serviços domésticos.

Desde que entrou em operação, em abril de 2016, a plataforma efetivou 50 tipos de serviços, divididos em 9 grupos (limpeza, ar-condicionado, elétricos, hidráulicos, reforma, montagem de móveis, fretes, assistência técnica e pintura), realizados por mais de 300 profissionais cadastrados. No estado de origem, 80 novos negócios têm sido fechados por dia por meio da plataforma. “Com muito estudo de mercado e pesquisas de satisfação com nossos usuários, conseguimos chegar a uma ferramenta extremamente segura, prática, ágil e que oferece serviços de excelência. E são essas características que levaremos para todo o país”, afirma Juliano Murlick, CEO do Triider. Atualmente, a empresa atende quatro cidades (Porto Alegre – RS, Canoas – RS, Curitiba – PR e Belo Horizonte – MG).

A jornada dos clientes do Triider é simples, começa com uma seleção do serviço desejado e a realização do cadastro. Na sequência, a plataforma disponibiliza aos prestadores de serviço disponíveis para a função escolhida, que respondem com orçamentos. Os valores ficam visíveis ao usuário, que pode escolher conforme o preço, avaliação de serviços anteriores, entre outros critérios. É possível contratar o serviço via chat no ato.

Os pagamentos são feitos com cartão de crédito por meio da plataforma, assim como já acontece no Uber e no Airbnb, com possibilidade de parcelamento em até seis vezes sem juros. A empresa já concluiu mais de 20 mil serviços, com 95% dos atendimentos avaliados com 5 estrelas. Os clientes, desde que mantenham relação com o fornecedor estritamente via plataforma, contam com seguro de até R$ 5 mil para negligências.

Para os profissionais interessados, é preciso fazer um cadastro. A fim de garantir a experiência e a segurança de quem contrata os serviços, a startup checa os antecedentes criminais dos trabalhadores, as referências profissionais, realiza treinamento presencial e obriga a apresentação de seus documentos oficiais, como RG, CPF e comprovante de residência.

A média de ganhos dos profissionais vinculados ao Triider é de R$ 3 mil – mas há relatos de prestadores que conseguem ganhos de até R$ 8 mil ao mês. “Esse faturamento vai depender do mês, da disponibilidade do profissional e de outras variáveis. Nós conseguimos criar um fluxo positivo tanto para o cliente quanto para os profissionais”, explica Murlick.

Para conhecer todos os detalhes sobre o Triider, que está disponível para os sistemas Android e iOS, acesse o site www.triider.com.br.

MRV lança plataforma para aluguel de apartamentos em Curitiba

MRV lança plataforma para aluguel de apartamentos em Curitiba

Capital paranaense terá dois dos empreendimentos pioneiros da Luggo, startup criada dentro da MRV para buscar novos públicos

Luggo Positivo, em Curitiba, é o primeiro empreendimento da startup fora da cidade-sede da MRV e marca o início da expansão da plataforma (Foto: Divulgação/MRV)

A MRV, líder nacional no setor de imóveis, escolheu Curitiba para apresentar ao mercado a startup Luggo, criada dentro da construtora. A startup funciona como plataforma e administradora de aluguel de imóveis em empreendimentos construídos pela própria MRV exclusivamente para este fim. Nesta primeira fase, serão dois condomínios Luggo na capital paranaense: um de 88 apartamentos no bairro Campo Comprido (ao lado da Universidade Positivo, finalizado e pronto para locação) e outro de 128 unidades no bairro Portão, em fase final de obras e com entrega prevista ainda para este ano.

Antecipando tendências de consumo das novas gerações, a Luggo faz parte da estratégia da empresa para atender consumidores em todos os momentos da vida, do aluguel à casa própria. “O público mais jovem, em idade universitária ou no início de carreira, planeja sim ter um imóvel próprio no futuro. Mas, nessa fase da vida, busca, principalmente, flexibilidade e praticidade no aluguel. E é justamente para atender a essa demanda que criamos a Luggo”, afirma o diretor de marketing da Luggo, Rodrigo Resende.

Para proporcionar essas facilidades, a startup traz um novo modelo de negócios ao mercado de locações. O executivo destaca que, além de uma experiência totalmente digital e livre de burocracias na hora de fechar o contrato, a Luggo pretende unir comodidade e qualidade de vida a preços compatíveis. O objetivo da startup é transformar o conceito de moradia, atendendo às necessidades dessa geração, utilizando tecnologia e serviços como mudança, limpeza, internet nativa, lavanderia, reparos e até carro e bike compartilhados.

Os condomínios terão monitoramento de segurança e um gerente que assumirá o papel do síndico. “Os detalhes dos serviços foram escolhidos a dedo para otimizar o tempo dos condôminos. Pensamos em tudo para que o nosso morador possa investir seu tempo no que realmente importa”, explica Resende. “Aliamos localização e opções de mobilidade compartilhada a uma estrutura completa com o suporte de um síndico profissional disponível nos empreendimentos para apoiar no que for preciso”.

Um dos serviços que fazem parte da operação da Luggo em Curitiba é a possibilidade de os moradores utilizarem carros compartilhados nos condomínios. Nos primeiros três meses da Luggo na cidade, os clientes poderão utilizar o Renault Zoe, carro elétrico que faz parte da parceria entre a MRV e a Renault para o compartilhamento de carros nos empreendimentos da construtora. Após os três meses iniciais, o Zoe será substituído por um veículo a combustão, que permanecerá no condomínio por mais um ano – podendo ser prorrogado dependendo da procura –, com administração da plataforma paulistana de carros compartilhados Zazcar.

A economia compartilhada é parte importante do comportamento da geração que a Luggo pretende atender. Uma pesquisa realizada pela consultoria Deloitte aponta que 62% dos jovens que utilizam aplicativos de transporte consideram a compra de um carro dispensável. “Estamos atentos a essa nova maneira de consumir. É uma geração mais ágil, mais consciente e mais sustentável. Por isso a Luggo tem buscado parcerias que proporcionem uma experiência completa aos nossos clientes”, diz Rodrigo Resende.

Startup em expansão

O diretor comenta que o primeiro condomínio da Luggo, lançado em Belo Horizonte – sede da MRV – há poucos meses, foi totalmente locado em tempo recorde. A escolha de Curitiba como próximo passo para a Luggo foi pelo perfil inovador da cidade. “O curitibano abraça ideias novas que facilitam a vida e apreciam novas soluções de mobilidade urbana, o que faz da cidade um ótimo ponto de partida em nossa expansão”.

Resende conta que outra característica dos condomínios é a flexibilidade: “Se um morador troca de emprego e gostaria de se mudar, ele só precisa buscar na plataforma o condomínio da Luggo mais próximo do novo local de trabalho, fazer o agendamento e nós cuidamos da mudança”.

Além dos dois lançamentos em Curitiba, a startup da MRV pretende lançar até o final de 2019 mais um empreendimento no interior de São Paulo. Para Resende, “a Luggo se encaixa perfeitamente nas soluções que a MRV já oferece no mercado imobiliário há 40 anos. Com ela, é possível atingir outros públicos e fidelizar ainda mais nossos clientes, por meio de algumas ideias novas, como a conversão de parte do valor pago no aluguel da Luggo em créditos para a compra de um MRV no futuro.”