Projeto vai promover o desenvolvimento do litoral do Paraná tendo a inovação como base

Sistema Regional de Inovação visa fomentar o ambiente de negócios, atrair empresas e reter mão de obra qualificada para promover o desenvolvimento do litoral

Evento de lançamento do SRI Litoral reuniu mais de 80 representantes do ecossistema de inovação da região. Crédito: Inove Foto

Promover a inovação com o objetivo de impulsionar o desenvolvimento econômico e proporcionar a qualidade de vida para a população do litoral paranaense. Foi com esse objetivo que o Sebrae/PR e a Funespar (Fundação de Apoio ao Desenvolvimento da Universidade Estadual do Paraná) lançaram o Sistema Regional de Inovação do Litoral, iniciativa que busca reter a mão de obra qualificada, atrair empresas e criar oportunidades de emprego na região.

Mais de 80 representantes de empresas, órgãos públicos, instituições de ensino, ONGs e associações empresariais participaram lançamento na última sexta-feira (13), em Paranaguá.

“O engajamento e essa conexão entre os atores desse ecossistema para a potencialização das ações na nossa região é um fator estratégico. Queremos promover um desenvolvimento sustentável e inovador que respeite as particularidades da região”, afirma a consultora do Sebrae/PR, Catiane dos Santos.

A formação do projeto do SRI Litoral contou com a elaboração de uma pesquisa quantitativa e qualitativa do Sebrae/PR. O estudo traz a identificação das principais necessidades da população litorânea e de propostas que visem impulsionar o ambiente de inovação e o desenvolvimento econômico.

A pesquisa apontou que 83% acreditam que a inovação pode melhorar a vida da população no litoral e 82% defendem que um ambiente inovador pode colaborar para o empreendedorismo. Além disso, foram elencadas três áreas de grande potencial da região: a aquicultura, o empreendedorismo e o turismo, especialmente com foco na sustentabilidade. A iniciativa está primeiramente voltada para as cidades de Paranaguá, Matinhos, Guaratuba, Pontal do Paraná e Morretes, mas deverá impactar a realidade de todos os municípios do litoral paranaense.

O projeto tem como um de seus principais focos envolver a sociedade, gerar aproximação e relacionamento entre empresas, universidades da região, governo, instituições públicas, privadas e de fomento, como resultado teremos a geração de oportunidades evitando o escoamento da mão de obra qualificada. Segundo a pesquisa, existem mais de 500 pesquisadores (entre mestrado e doutorado) atuando no litoral paranaense.

A diretora-presidente da Funespar, Danyelle Stringari, destacou a importância da colaboração entre os entes para o desenvolvimento de talentos para a região. “Precisamos dos setores público e privado apoiando o ensino de qualidade e a inovação. Nossa região tem grande potencialidades e queremos reter esses talentos que vão ajudar no seu desenvolvimento. Que esse seja apenas o primeiro passo”, afirma.

O Litoral do Paraná conta com três instituições de ensino superior públicas, além de particulares que devem fomentar o ambiente de inovação. Nos próximos meses, a Unespar, uma das principais da região, deve realizar a ampliação de seu câmpus em Paranaguá.

A atuação do SRI também tem como objetivo promover a aproximação entre o poder público e o poder privado e a capacitação entre os empreendedores e a população local. O trabalho visa atingir as seis hélices necessárias para a formação do ecossistema: governo, institucional, conhecimento, habitat de inovação, empresarial e capital de fomento.

“Para isso, o objetivo é fomentar a criação de novas empresas, incubadoras, aceleradoras e instituições de fomento com foco no desenvolvimento integrado. Com um ambiente completo, as empresas locais trazem renda e empregos e isso impacta positivamente em toda a região”, afirma Silvestre Labiak Júnior, professor da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, uma das instituições parceiras.

O professor também contou um pouco sobre o trabalho de criação e consolidação do SRI no Sudoeste que completou dez anos em 2019 e se tornou um dos principais polos tecnológicos do Estado.

“O SRI foi construído com o envolvimento e o interesse de todas as pessoas da região. O poder público sozinho não resolve todos os problemas, a sociedade tem que se mobilizar. E hoje temos um polo de empresas na região e um ambiente inovador que retém a mão de obra local”, explicou.

Objetivo do SRI é promover o desenvolvimento econômico estimulando a atração de empresas e a retenção de mão de obra local. Crédito: Inove Foto

Ações

O processo de formação do SRI no litoral contou com a assinatura de um convênio entre o Sebrae e a Funespar e com os primeiros diálogos com as universidades locais. A intenção é que as conversas para a elaboração de ações envolvam todas as seis hélices previstas de maneira integrada, além de mapear os ativos tecnológicos e os ativos de conhecimentos da região. “Queremos envolver toda a sociedade na criação dessas ações e tangibilizá-las a fim de que produzam efeitos práticos em curto, médio e longo prazos”, ressalta a consultora do Sebrae/PR, Ana Lucia Sousa.

Também está prevista a criação de políticas públicas de fomento à região. Como primeiro passo, a Fundação Araucária, que realiza o apoio ao desenvolvimento científico e tecnológico no Estado, anunciou um investimento de R$500 mil em projetos inovadores. Há ainda a possibilidade de criação de um centro de inovação na região por parte do governo do Paraná.

Além disso, o Sebrae/PR também realizará nos dias 17 e 18 de abril o primeiro hackaton do Litoral para 60 alunos do ensino técnico e universitário. Os participantes terão dois dias para elaborar uma identidade visual e um canal de comunicação para o SRI no litoral. O melhor projeto será premiado e colocado em prática. A banca de avaliação será formada por membros da sociedade civil e permitirá candidaturas até o dia 25 de março, por meio dos e-mails asousa@pr.sebrae.com.br e robertocandido1960@gmail.com.

Mulheres dominam mais de 70% da produção científica nacional

A Dra. Jackeline Alecrim fala sobre o protagonismo da mulher brasileira no meio científico nacional e internacional

No Dia Internacional da Mulher, o Brasil tem algo de se orgulhar. Segundo a Organização dos Estados Ibero-americanos (OEI), somos o país com maior porcentagem de artigos científicos assinados por mulheres na América Latina e na comunidade íbero-americana. Entre 2014 e 2017, o Brasil publicou cerca de 53,3 mil artigos, dos quais 72% são assinados por pesquisadoras mulheres.

A pesquisadora e CEO da MagicScience Brasil, Jackeline Alecrim, é uma das cientistas que endossam esses números. Pioneira no mundo ao desenvolver através de seu trabalho científico uma formulação realmente efetiva contra a alopecia, sendo reconhecida internacionalmente, ela conta que isto é resultado da capacidade, resiliência e da força das mulheres: “É maravilhoso ver como nós mulheres podemos fazer a diferença em todas as áreas, não apenas dentro daquilo que é estereotipo ou clichê. Isto é resultado direto da luta que temos assumindo desde gerações anteriores em busca de igualdade de gênero e de mostrar à sociedade que podemos fazer muito mais do que cuidar da casa e dos filhos, mas também contribuir para o desenvolvimento científico e fazer descobertas que mudam o mundo”, contou.

Mulheres ainda são minoria no meio acadêmico

No entanto, os dados mostram que apesar de assinar a maior parte dos artigos, quando levado em conta o número de mulheres pesquisadoras, ele é menor que o dos homens. No Brasil, elas representam 49% dos autores.

A Dra. Jackeline Alecrim conta que nas universidades geralmente o número de mulheres é menor em cadeiras relacionadas a cursos como engenharia, medicina e ciências exatas: “O que se observa nas salas de aula é que as mulheres representam apenas cerca de 5% a 10% dos estudantes em alguns cursos, o que também acontece quando olhamos para o quadro de professores. Vemos isto também em congressos e afins. Mas apesar disto, somos nós mulheres que mais produzimos em diversas áreas do conhecimento."

Brasil em relação a outros países ibero-americanos

Atrás do Brasil, aparecem a Argentina, Guatemala e Portugal com participação de mulheres em 67%, 66% e 64% dos artigos publicados, respectivamente. No extremo oposto estão El Salvador, Nicarágua e Chile, com mulheres participando em menos de 48% dos artigos publicados por cada país.

Além desses países, a OEI analisou a produção científica da Bolívia, Colômbia, Costa Rica, Cuba, República Dominicana, Equador, Espanha, Honduras, México, Panamá, Paraguai, Peru, Uruguai e Venezuela. Os dados fazem parte do estudo As desigualdades de gênero na produção científica ibero-americana, do Observatório Ibero-americano de Ciência, Tecnologia e Sociedade (OCTS), instituição da OEI.

Brasil recebe um novo projeto oficial da UEFA Champions League: a Champions League Experience Brasil

Uma experiência totalmente imersiva no mundo do futebol europeu estará aberta ao público a partir de maio de 2020
Vendas já estão no ar pelo hotsite: www.championsexperiencebrasil.com.br

Os brasileiros amantes do futebol já podem começar a comemorar. A partir de maio deste ano, São Paulo receberá a Champions League Experience Brasil, um espaço de 1.000m² localizado no Shopping Parque da Cidade que traz vários ambientes para o público mergulhar de cabeça na competição mais desejada pelos maiores clubes do planeta, em toda sua história e encantos. O Brasil foi escolhido para abrigar a Champions League Experience dada a paixão e o envolvimento dos fãs com o torneio.

O projeto vai oferecer aos visitantes um tour imersivo por meio das histórias que construíram a magia da UEFA Champions League, os lances inesquecíveis, os grandes craques, brincadeiras interativas, uma sala de e-Sports, além de uma área aberta ao público com restaurante, loja e produtos oficiais da principal competição de clubes do mundo. Este será o espaço ideal para se emocionar com os jogos finais da temporada 2019/20.

“A Champions League Experience Brasil foi criada para trazer aos brasileiros uma experiência única e imersiva na Liga dos Campeões, além de servir como uma plataforma de ativações dos patrocinadores oficiais dessa renomada competição”, comentam Fernando Fernandes, gerente geral do projeto e Adilson Bruxelas, gerente de marketing.

Para ficar por dentro da programação e informações especiais da Champions League Experience Brasil, acesse o link www.championsexperiencebrasil.com.br/AF e redes sociais:
Face: Champions Experience Brasil
Insta: @championsexperiencebrasil
YouTube: Champions Experience Brasil
#championsexperiencebrasil

Champions League Experience Brasil
Local: Shopping Parque da Cidade
Av. das Nações Unidas, 14401 - Chácara Santo Antônio (Zona Sul), São Paulo - SP, 04794-000
Estação Metrô – Borba Gato
Estação CPTM – Morumbi

Horário:
- Atividades - Seg à Sáb - 10h às 21h (última sessão)
- Bar e Loja - 10h às 22h
- Domingos e feriados das 11h00 às 21h00 (última sessão)

Estacionamento pago no local

Ingressos:
Seg a Sexta: R$50,00 (inteira) e R$25,00 (meia)
Sábados, Domingos e Feriados: R$60,00 (inteira) e R$30,00 (meia)
Meia-entrada para estudantes, idosos, professores e portadores de necessidades especiais conforme legislação vigente
Entrada gratuita para crianças até 4 anos

Sobre a Champions League Experience Brasil – O espaço foi desenvolvido pelos sócios empresários Fernando Fernandes, Adilson Bruxelas e Claudio Machiaverni, com apoio de consultores internacionais, em uma parceria de licenciamento com a UEFA com o objetivo de ser a casa oficial da UEFA Champions League no Brasil. O objetivo é oferecer ao público brasileiro um tour inédito e imersivo, contando a emblemática e envolvente história da maior competição de clubes da Europa.

Sobre o Shopping Parque da Cidade - Situado na Chácara Santo Antônio, entre a Marginal Pinheiros e a Avenida Chucri Zaidan, em São Paulo, o Shopping Parque da Cidade foi inaugurado em maio de 2019, sob gestão da Enashopp. Como conceito – e diferencial – ele é o primeiro Life Center do Brasil: um novo modelo de shopping, fruto das transformações que estão acontecendo no comportamento do consumidor, principalmente das gerações Y e Z, que valorizam a experiência, a convivência, a sustentabilidade e estão sempre atrás do propósito das marcas. O centro de compras tem um mix de lojas voltado para conveniência e praticidade, com ênfase nos segmentos de gastronomia, serviços e entretenimento. Uma das âncoras do shopping é a Clínica do Hospital Albert Einstein, que ocupa uma área de 2,5 mil m²; a outra é a Rede Kinoplex, com seis salas vips de cinema de última geração. O shopping está inserido em um projeto multifuncional de mesmo nome, inovador, que integra 10 edificações – torres comerciais e residenciais – e um hotel com a bandeira Four Season a um parque e uma área pública de mais de 60 mil m².

Pesquisadores da UFPR desenvolvem embalagem biodegradável como alternativa para uso de sacolas plásticas

Algumas embalagens plásticas podem demorar mais de 100 anos para se degradarem. A desenvolvida por pesquisadores da Universidade Federal do Paraná (UFPR) leva em torno de cinco meses. O Laboratório de Engenharia Bioquímica e de Biotecnologia (Lengebio) do Departamento de Engenharia Química (DEQ) atua no desenvolvimento de soluções tecnológicas e inovadoras para a sociedade. Desta vez, o estudo trabalhou com embalagens biodegradáveis.
A pesquisa intitulada “Produção de filmes biodegradáveis” é coordenada pela professora Michele Rigon Spier, do Departamento de Engenharia Química e do Programa de Pós-graduação em Engenharia de Alimentos (PPGEAL) da UFPR. Segundo ela, seu grande sonho é transferir o conhecimento desenvolvido para a sociedade. “Trabalhamos para que a sociedade produza novos produtos para a geração de emprego local e regional, além de contribuir com geração de renda e produtos eco-friendly. Além disso, existe uma grande preocupação com o meio ambiente, reduzindo quantidades de embalagens plásticas que o poluem”.

Professora Michele Rigon Spier e estudante de pós-graduação Luis Alberto Garcia integram equipe do estudo que usa matéria-prima renovável para embalagens. Foto: Divulgação

O produto trata-se de uma nova alternativa aos plásticos, pois usa matéria-prima renovável e não polui o meio ambiente. Este projeto de pesquisa teve início em 2018 e encontra-se em andamento com dissertações e teses sobre o tema. O estudo alcançou resultados interessantes do ponto de vista das propriedades mecânicas dessas novas embalagens. De acordo com Michele, algumas propriedades mecânicas são similares às propriedades de filmes plásticos de petróleo, tal como o polietileno de baixa densidade (PEBD). “Os filmes que produzimos poderiam ser aplicados em filmes para recobrimento de produtos, para a produção de sacolas plásticas e mesmo para produção de sacos de armazenamento de lixo. Variando algumas propriedades, podemos inclusive produzir copos, canudos e outros recipientes plásticos”.
Para a pesquisadora, é essencial que as pessoas parem de usar sacolas plásticas oriundas do petróleo. “É importante a utilização das sacolas e outras embalagens que são naturalmente degradadas em poucos meses (até cinco), sem poluir ou desequilibrar o ecossistema, como já é comum em lugares como Europa, Estados Unidos e Canadá”.
O projeto busca apoiadores para ser levado adiante. “Precisamos do suporte institucional governamental, estadual e municipal para tornar esse sonho realidade. Outra alternativa é a iniciativa privada”, diz a professora. Além dela, dois alunos de mestrado e uma aluna de doutorado estão trabalhando nesta linha de pesquisa. O laboratório situa-se no Centro Politécnico da UFPR e é laboratório satélite do Departamento de Engenharia Química e do PPGEAL.
Atenciosamente,
Assessoria de Imprensa e Redação
Superintendência de Marketing e Comunicação (Sucom)
Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Confira os selecionados pelo programa de incentivo Paraná Cultural

Confira os selecionados pelo programa de incentivo Paraná Cultural

A Secretaria de Estado da Comunicação Social e da Cultura (SECC) torna pública, nesta segunda-feira (16/12), a lista de projetos classificados no programa de incentivo Paraná Cultural, que vai destinar recursos via incentivo fiscal de empresas públicas e de economia mista estaduais a projetos culturais aprovados pela Lei Federal de Incentivo à Cultura. Confira a lista completa em www.cultura.pr.gov.br.

A etapa de análise de mérito foi encerrada, conforme divulgado no Diário Oficial do Estado - Comércio Indústria e Serviços Nº 10.584 de 13/12/2019, e selecionou um total de 10 projetos. Essa é a etapa final da resolução 028/2019 e não há possibilidade de recursos. Os proponentes que tiveram seus projetos classificados devem aguardar contato da Coordenação de Ação Cultural (CAC) pelo e-mail cadastrado no sistema.

Está previsto para o primeiro trimestre de 2020 uma nova edição do Paraná Cultural. Acompanhe o site e as redes sociais da SECC para informações.

Serviço
Resultado do programa de incentivo Paraná Cultural
Projetos selecionados: www.cultura.pr.gov.br
Mais informações: cac@seec.pr.gov.br

Uma das mais antigas bandas de punk rock de Curitiba, No Milk Today comemora 25 anos de carreira com show especial e lançamento de projeto cultural

Uma das mais antigas bandas de punk rock de Curitiba, No Milk Today comemora 25 anos de carreira com show especial e lançamento de projeto cultural

Com uma carreira sólida no cenário punk rock nacional, a banda curitibana No Milk Today irá comemorar seus 25 anos de estrada, completados em 2019, com o lançamento de um projeto especial. Em “As crianças nunca vão parar de cantar – A história do No Milk Today”, livro realizado pelo Programa de Apoio e Incentivo à Cultura da Fundação Cultural de Curitiba e da Prefeitura Municipal de Curitiba, com incentivo da Celepar, é reforçada a relação dos músicos com a capital paranaense, conexão que se mistura com a própria história da banda, um dos ícones da cena punk rock local do final dos anos 90 e começo de 2000.

O punk rock surgiu há 40 anos em Nova Iorque com o som irreverente e contestador do The Ramones. Em Curitiba, o punk rock começou a dar sinais de vida no fim dos anos 70, marcando presença com mais intensidade nos anos 90. O No Milk Today, mais antiga banda de punk rock da cidade ainda na ativa, começou a tocar na cena underground da capital em 1993.

Formada por Mauricio Singer (baixo e vocal), Rodrigo Minduim Meister (guitarra e vocal), Neto (guitarra) e Mauricio Cabelo (bateria), a banda dividiu o projeto comemorativo em duas etapas. A primeira consiste na realização de 24 oficinas de música coordenadas pela musicoterapeuta Priscila Mertens Garcia com crianças e adolescentes autistas. O objetivo da atividade é trabalhar canções do No Milk Today com os jovens (entre elas a famosa Resistência), incluindo-os não apenas como ouvintes, mas como participantes ativos da obra da banda. Haverá ainda uma apresentação dos jovens músicos acompanhados da banda neste sábado (14.12), às 16h, no TUC – Teatro Universitário de Curitiba, com entrada gratuita.

Segundo Rodrigo Minduim Meister, a apresentação dos jovens no TUC propiciada pelo projeto “é mais um capítulo da música e do rock como inclusão de jovens. Isso aconteceu com várias gerações e ainda vai continuar”. Sobre o livro, o vocalista comenta: “Temos muita história pra contar e poucos livros publicados, o objetivo da obra é dar letras aos fatos que influenciaram e influenciam gerações.”

A produtora cultural Thereza Oliveira, responsável pelo projeto, acredita que as ações reforçam a identificação que o grupo possui com Curitiba, já que o No Milk Today nasceu e se desenvolveu em meio a um cenário cultural efervescente na cidade. “O projeto resgata a importância histórica dessa banda de punk rock, ao mesmo tempo em que valoriza, de forma natural, a memória afetiva das pessoas que viveram a cena musical nos anos 90 e início dos 2000”, observa.

A segunda etapa do projeto consistirá no lançamento do livro “As crianças nunca vão parar de cantar – A história do No Milk Today”, que irá abordar a relação musical e histórica existente entre a banda e Curitiba, uma vez que ambas têm enredos complementares. A obra, que terá as dimensões de um disco compacto (18cm x 18cm), será lançada juntamente com um show do No Milk Today no 92º, em data ainda ser definida.

Serviço – apresentação musical do projeto “As crianças nunca vão parar de cantar – A história do No Milk Today”
Data: 14 de dezembro (sábado)
Horário: 16h
Local: TUC – Teatro Universitário de Curitiba - Galeria Júlio Moreira, Tv. Nestor de Castro, s/nº - Centro
Entrada gratuita

Ação literária promove cultura e educação no Paraná

Ação literária promove cultura e educação no Paraná

A escritora Cléo Busatto realiza oficinas de formação de contadores de histórias e espetáculos infantis em sete cidades do Sudeste

Aproximar o leitor do autor e capacitar profissionais para a arte de contar histórias são os objetivos do projeto Histórias da Cléo PR 2, que será realizado em novembro de 2019. Ao todo, sete cidades do Sudeste paranaense (Bituruna, General Carneiro, Mallet, Paula Freitas, Porto Vitória, Cruz Machado e Rio Azul) participam da ação idealizada pela escritora Cléo Busatto e viabilizada por meio da Lei Rouanet, com patrocínio da Sanepar e do Grupo Potencial.

O projeto acontece em dois atos: a intervenção artístico-literária Histórias da Cléo e a oficina de formação de contadores de histórias Contar e Encantar, pequenos segredos da narrativa. O primeiro é um espetáculo para crianças que apresenta a obra literária da autora de maneira interativa, colocando a plateia como protagonista. O segundo é uma oficina dedicada a professores, mediadores e agentes de leitura, que propõe a reflexão e a prática da arte de contar histórias. Todas as ações são gratuitas.

“Eu vivo duas estações na minha jornada como escritora. A primeira é o tempo da solidão criativa, no qual crio as histórias e fico na companhia dos personagens. A segunda é o tempo de compartilhar com o leitor, ser afetada pelo seu olhar e me inspirar para novas criações. Para mim é uma alegria estar com o leitor. Ele é quem dá vida aos meus livros”, conta Cléo Busatto.

Essa é a terceira edição do projeto Histórias da Cléo que já levou as obras da escritora para 10.700 crianças da rede pública de Curitiba e da região metropolitana, além de 20 cidades paranaenses. O projeto também capacitou 102 pessoas nas oficinas de contadores de histórias.

Intervenção artístico-literária para crianças, Histórias da Cléo
No espetáculo, a obra literária é apresentada de forma performática, por meio da atuação da escritora e com a participação da criança. A construção do trabalho é uma releitura de algumas obras de autoria de Cléo Busatto por meio de várias linguagens, como a narração oral, o canto e a leitura em voz alta. A plateia é convidada a se tornar protagonista dessa ação, interagindo na atuação da escritora, por meio da exploração sonora e linguística das obras.

Cléo Busatto constrói com o público momentos criativos e prazerosos e demonstra que as histórias podem nos divertir e instruir. As obras de Cléo Busatto que integram o espetáculo fazem parte de programas de leitura (federal, estadual e municipal) e catálogos internacionais, como a Feira do Livro Infantil e Juvenil de Bologna, Itália.

Serão quatro espetáculos em cada cidade, dirigidos a crianças de 6 a 11 anos. A ação acontece na Biblioteca Pública ou Cidadã de cada cidade participante, valorizando o uso da biblioteca e reforçando o conceito biblioteca-viva, ou seja, espaço que recebe e atua com cultura.

Oficina de formação de contadores de histórias, Contar e Encantar, Pequenos Segredos da Narrativa

A oficina de formação de contadores de histórias propõe a reflexão e a prática da arte de contar história, exercitando os três eixos (ritmo, intenção e imagens) que qualificam a técnica da autora, descrita no seu livro Contar e encantar, pequenos segredos da narrativa (8ª ed., editora Vozes). Serão abordadas considerações significativas sobre o texto literário, como a importância das histórias na formação do ser humano e a narrativa como um caminho para aproximar pessoas.

A oficina de formação será realizada na cidade de Rio Azul e oferece dez vagas para profissionais de cada um dos municípios participantes.

Histórico do projeto

A primeira edição do projeto Histórias da Cléo, 2014, circulou pelas bibliotecas escolares e Faróis do Saber, da Rede Municipal de Bibliotecas Escolares, de Curitiba. Contou com o incentivo da Caixa Cultural e da Prefeitura Municipal de Curitiba – Fundação Cultural de Curitiba. Oportunizou o acesso gratuito a 5,4 mil crianças da rede pública de Curitiba e da região metropolitana.

Em 2016 foi realizada a segunda edição, que se chamou Histórias da Cléo PR1. O projeto foi selecionado no edital Circula Paraná, da Secretaria de Cultura do Estado do Paraná. Com o patrocínio do MINC e da Copel. Atuou em 20 municípios da Mesorregião Metropolitana de Curitiba e oportunizou o acesso a 5,3 mil crianças e adultos nas ações que aconteceram nas bibliotecas Públicas e Cidadãs de cada cidade. As oficinas de formação de contadores de histórias capacitaram 67 participantes.

Serviço:
Histórias da Cléo PR2
Patrocínio: Lei Rouanet, Sanepar e Grupo Potencial.
Locais dos espetáculos: Bituruna, General Carneiro, Mallet, Paula Freitas, Cruz Machado, Porto Vitória e Rio Azul.
Oficina de formação de contadores de histórias: dia 19 de novembro de 2019, no Salão da Secretaria de Educação de Rio Azul (Rua Getulio Vargas, 270).
Intervenção artístico-literária para crianças, Histórias da Cléo: Mallet (04/11), Cruz Machado - (5/11), Paula Freitas (06/11), General Carneiro (11/11), Bituruna (12/11), Porto Vitória (13/11) e Rio Azul (18/11).
Inscrições gratuitas pelo site http://cleobusatto.com.br/historiasdacleo

Sobre Cléo Busatto
Cléo Busatto é uma artista da palavra. Como escritora publicou seu primeiro livro, Dorminhoco, em 2001. É autora de mais de 25 obras, entre literatura para crianças, teóricos sobre oralidade e CD-ROMs, que venderam em torno de 280 mil exemplares. Eles fazem parte de programas de leitura e catálogos internacionais, como a Feira do Livro Infantil de Bolonha, Itália. Seu livro A fofa do terceiro andar foi finalista do Prêmio Jabuti 2016, categoria juvenil.

Como narradora oral contou histórias para mais de 150 mil pessoas, no Brasil e exterior. Também produz e narra histórias no meio digital. Esta pesquisa, que foi tema da sua dissertação de mestrado, já originou cinco mídias.

Enquanto mediadora de projetos sobre oralidade, leitura e literatura formou mais de 80 mil pessoas, em oficinas e palestras. Cléo Busatto é mestre em Teoria Literária, pela Universidade Federal de Santa Catarina, e pesquisadora transdisciplinar, formada pelo Centro de Educação Transdisciplinar - SP.

Por meio da produtora CLB Produções concebe e executa projetos culturais e educativos de mediação de leitura, literatura e teatro.

Mais informações no site http://cleobusatto.com.br/

Obras recentes:
- Histórias que eu gosto de contar. Curitiba, PR: CLB Produções, 2018. PNLD Literatura 2018. Programa Minha Biblioteca SME SP 2019.
- Livro dos Números, Bichos e Flores. Alfenas, MG: Cria Editora, 2017.
- O tempo das coisas. Alfenas, MG: Cria Editora, 2017.
- Como vender bem, a arte de se comunicar contando histórias. Petrópolis: Vozes, 2017.
- A fofa do terceiro andar. 2ª ed. Rio de Janeiro: Galera Record, 2015. Finalista do Jabuti 2016, categoria Juvenil. PNLD 2020.

Convenção de Vendas 2019 da GT Building reúne 700 corretores de imóveis

Convenção de Vendas 2019 da GT Building reúne 700 corretores de imóveis
Evento realizado em dois dias aconteceu no novo espaço da incorporadora, localizado no Seminário, em Curitiba

Nos dias 15 e 16 de outubro (terça e quarta-feira), uma das mais novas incorporadoras do mercado imobiliário, a GT Building, lançou sua campanha de Natal para mais de 700 corretores. Estavam presentes funcionários da Imobiliária Thá, Imobiliária Lopes e algumas outras imobiliárias da plataforma, que puderam conferir em primeira mão as novidades da empresa para o último trimestre. O CEO da GT Company, Geninho Thomé, e o Diretor da empresa, João Alfredo Thomé, também participaram da convenção.

Geninho Thomé, CEO da GT Building, afirma que reunir tantos especialistas do mercado imobiliário em um único lugar prova que a empresa já proporciona credibilidade mesmo tendo sido criada há pouco tempo. “A GT Building já nasce gigante e derivada da ótima performance que os últimos empreendimentos tiveram. Até o fim de 2019 entregaremos quatro projetos finalizados e já temos 12 terrenos com planos em desenvolvimento. Ou seja, tudo isso demonstra a capacidade financeira que a empresa possui e prova aos funcionários e corretores que eles estão investindo no lugar certo”, diz.

No evento foram exibidos teasers dos próximos empreendimentos da GT Building, mas a principal atração foi a apresentação do projeto do novo espaço físico da incorporadora, que contemplará um ambiente muito mais confortável para atender aos clientes, além de hospedar os apartamentos decorados dos próximos lançamentos.

Sobre a GT Building

A GT Building foi fundada em 2019 e nasceu como uma das maiores incorporadoras imobiliárias da cidade. A empresa paranaense é parte do grupo GT Company, do empresário Geninho Thomé, e atualmente conta com 18 projetos em diferentes fases.

A GT Building contará com uma plataforma de vendas composta pelas maiores imobiliárias do mercado. Entre elas estão a Imobiliária Thá e a Lopes, envolvendo quase 500 corretores.