PALESTRA COM RICARDO AMORIM SERÁ EM SETEMBRO, NO TEATRO POSITIVO

Um dos mais influentes economistas do país vem a Curitiba falar sobre os cenários econômicos, estratégias de investimentos e crescimento econômico.

A crise gerada pela pandemia foi além da saúde, impactando em muitos negócios que refletiram no cenário econômico. Por isso, nunca foi tão importante discutir estratégias econômicas no meio corporativo, pois é a partir de agora que a recuperação econômica e novos negócios começam a ser traçados no pós-pandemia. E para avaliar as perspectivas econômicas para o Brasil e quais são os passos necessários para o país voltar a crescer, frente a essas mudanças, principalmente à evolução digital, que o economista influencer Ricardo Amorim desembarca em Curitiba, no dia 14 de setembro, às 20h, no Teatro Positivo, com a palestra "Economia e oportunidades: transformando cenários e tendências em estratégias e resultados". O economista irá analisar ainda os reflexos das eleições na economia, as oportunidades de negócios que estão surgindo e a evolução tecnológica mundial. Com promoção da Neoconnection 4.0, os ingressos já estão à venda pelo Disk Ingressos.

Os participantes vão poder compreender como o cenário brasileiro e mundial, impactados pela pandemia, vêm mudando ao longo dos anos e como as pessoas e empresas poderão investir mais seguramente em seu negócio, visto as perspectivas políticas e econômicas, principalmente neste ano que haverá eleições presidenciais no Brasil.

A evolução tecnológica também será um dos assuntos abordados pelo economista, que foram impulsionadas nos últimos dois anos e transformadas ainda mais devido às mídias digitais, tendo um volume altíssimo de produtos e serviços vendidos nas plataformas on-line. O evento é uma boa oportunidade para quem deseja traçar um planejamento estratégico de mercado a fim de obter resultados positivos neste final do ano e para o planejamento estratégico de 2023.

A palestra com Ricardo Amorim em Curitiba é apresentada pela Ativa Investimentos e Contabilista, conta com patrocínio da Invescon e Versátil Andaimes, sendo realizada pela Neoconnection.

Sobre o economista Ricardo Amorim

Um dos maiores especialistas em economia global, Ricardo Amorim foi eleito pela revista Forbes como um dos 100 maiores pessoas influentes do Brasil. Ele está sempre buscando estar antenado com o mercado financeiro e político no Brasil e no mundo. Ele é colunista da Revista IstoÉ, e considerado o maior influenciador latino-americano no Linkedin e # 1 Top Voice influencer do Linkedin no Brasil desde 2016. Foi vencedor do Prêmio mais admirado da Imprensa Brasileira de Economia, negócios e financeira em 2017, 2018, 2019, 2020 e 2021 e vencedor do prêmio Ibest de melhor conteúdo de economia e negócios na internet do brasil em 2020, à frente dos maiores grupos de mídia do país.

Cofundador das empresas de viagens corporativas Smartrips e da plataforma fomentadora de tecnologia, inovação e startups, em conjunto com Allan Costa e Arthur Igreja, a AAA Inovação, e mentoria Ricardo Amorim. O economista formado pela USP e pós-graduado em Administração e Finanças Internacionais pela ESSEC de Paris é um dos mais requisitados palestrantes, sendo o único brasileiro incluído na lista dos mais importantes e melhores palestrantes mundiais do Speakers Corner. Em 2019 participou do VTEX Day um dos maiores eventos de transformação digital do país, que teve como palestrante o ex-presidente dos Estados Unidos Barack Obama.

Com mais de 20 anos de carreira no mercado financeiro Global em Nova York, Paris e São Paulo, sendo um excelente comunicador em inglês, espanhol, português e francês, Amorim também é autor do livro best-seller "Depois da tempestade" e do podcast "Economia Falada" , eleito um dos melhores podcasts de 2019 e o podcast nº 1 de empreendedorismo do apple podcast.

SERVIÇO:

Economia e oportunidades: transformando cenários e tendências em estratégias e resultados com Ricardo Amorim

Data: 14 de setembro 2022 (quarta-feira)

Horário: Abertura do teatro: 19h / Previsão de início: 20h.

Local: Teatro Positivo (R. Prof. Pedro Viriato Parigot de Souza, 5300, Curitiba, PR)

Classificação etária: Livre

Realização: Neoconnection 4.0

Ingressos: 1º lote no CANTO SUPERIOR a partir de R$85,00 (meia-entrada) e R$ 170,00 (inteira) + R$ 10,00 da taxa administrativa Disk Ingressos.

* A meia-entrada é válida para Doadores de Sangue devidamente comprovados, Estudantes devidamente comprovados, Idosos conforme Lei, PNE, Portador de Câncer e Professor.

** IMPORTANTE: Serão exigidos os documentos e comprovantes que constam nas respectivas leis.

Descontos de 50% para Clube Gazeta; Clube Disk Ingressos&Uningressos; Inscritos OAB; Associados ACP; Associados Santa Mônica Clube de Campo; Associados e Colaboradores Clube Curitibano, Associados LIDE Paraná, Associados Sindehotéis e Cliente Neoconnection.

LIDE Futuro promove mentoring com Marcelo Scandian

O primeiro unicórnio, apelido dado às companhias avaliadas em US$ 1 bilhão, anunciado em 2021 no Brasil é paranaense, o e-commerce MadeiraMadeira recebeu um aporte de US$190 milhões do fundo japonês Softbank e passou a ser a segunda startup fora de São Paulo a figurar na lista das bilionárias do país.

Marcelo Scandian, CFO e Co-Founder do Madeiramadeira abriu as mentorias do LIDE Futuro Paraná na última quarta-feira, 27, e recebeu um grupo de filiados na sede da empresa em Curitiba, seguindo todos os protocolos de segurança da OMS (Organização Mundial da Saúde).

Scandian contou a trajetória de erros e acertos que levou do pequeno barracão em São José dos Pinhais, em 10 anos, a se tornar uma das empresas mais valiosas do país. "A fórmula é praticar o day one, cada dia pensar o que podemos fazer para superar nossos resultados. Sempre pensamos na frente, temos metas audaciosas, comemoramos as conquistas, mas no dia seguinte é começar tudo de novo. Um processo de crescimento constante", destacou.

Entre os principais desafios abordados por ele durante a mentoria está relacionado a pessoas, tanto na gestão quando na contratação eficiente. Hoje a empresa tem 300 vagas abertas e Scandian conta que tem dificuldade de preencher essas colocações. "Buscamos ajuda no Sebrae, em profissionais de recursos humanos. O problema do Brasil não é o desemprego, é a falta de mão de obra qualificada". Até o final de 2021 a MadeiraMadeira pretende ter um quadro de 3.000 colaboradores diretos.

Hoje a MadeiraMadeira atende todo o Brasil, cresce em ritmo acelerado ano a ano e com o recente aporte vai ampliar o mix de produtos, investir em private label, e em lojas físicas onde aumentará a experiência do consumidor com a marca. A presidente do LIDE Paraná, Heloisa Garrett conduziu o encontro e destacou que uma das missões da entidade é inspirar os filiados com trajetórias vencedoras. "Estamos aos poucos retomando nossos encontros presenciais e é muito importante, neste momento onde os empreendedores passam por momentos desafiadores e também se deparam com oportunidades, ver que não estão sozinhos e podem encontrar em nosso ecossistema ajuda e inspiração", destaca.

Mais informações sobre o LIDE Paraná: www.lideparana.com.br

Pesquisas revelam dados sobre crise econômica causada pela pandemia e home office na quarentena

Confira duas sugestões: Crise econômica deve ser longa e duradoura / Trabalho remoto na quarentena tem causado sobrecarga

PAUTA 1

Crise econômica causada pela pandemia será longa e rigorosa como a dos anos 30, aponta relatório feito na UFPR
A pandemia de covid-19, causada pelo novo coronavírus, tem assolado o mundo inteiro e desencadeou uma crise econômica mundial que pode ser comparada à Grande Depressão, ocorrida nos 30 (século XX) após a quebra da bolsa de valores e considerada uma das mais graves recessões econômicas já vividas. É o que revela o relatório “Brasil e o mundo diante da Covid-19 e da crise econômica”, produzido pelo Programa de Educação Tutorial (PET) em Economia da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Por dois meses o grupo de estudo reuniu bibliografia, acompanhou sites e blogs e seguiu com atenção as questões econômicas procurando constituir um acervo de informações e dados que reflitam o cenário econômico nacional e mundial e que sejam úteis à sociedade. A partir destas observações, os pesquisadores concluíram que a crise deve ser mais longa e mais profunda do que muitos relatórios de instituições como o Fundo Monetário Internacional (FMI) sugerem.

Um dos motivos que leva a esse entendimento é o fato de que a recuperação das atividades econômicas será difícil, a exemplo dos ramos do turismo, dos esportes e do entretenimento. Essa situação é agravada pela transição produtiva que resultou em novas plataformas não disponíveis para toda a população. O home office, por exemplo, não é uma norma laboral a todos e muitos perderam definitivamente os seus empregos.

De acordo com os estudiosos, na verdade a pandemia funcionou como um gatilho para agravar a crise econômica de boa parte dos países, pois o ritmo de crescimento global já se mostrava débil. “Poucos países antes da pandemia apresentavam crescimento robusto. As medidas exigidas para frear os contágios dessocializam a vida e a economia. Os prognósticos mostram uma queda monumental e não há sinais claros de como poderá ocorrer uma recuperação”, revela Demian Castro, coordenador do projeto e professor do Setor de Ciências Sociais Aplicadas.

O Brasil é um desses países que já passava por um momento econômico desfavorável antes do coronavírus, ao apresentar recuo da produção industrial, queda dos investimentos, altos níveis de desemprego, informalidade e precarização do trabalho. “Simultaneamente, nunca o Estado esteve tão amarrado e impossibilitado de, pelo menos, articular políticas anticíclicas. Com relação à pandemia, a falta de coordenação com os governos subnacionais, a abertura prematura de atividades econômicas e a falta de uma política industrial de emergência para a cadeia produtiva da saúde colaboraram para agravar este cenário”, analisa o professor.

Crise no mundo
Assim como todos os países foram atingidos pela doença, todos também têm sentido e sentirão, por um tempo, os reflexos econômicos por ela causados. Segundo o relatório, existe uma relação direta entre a forma como os países se posicionaram perante a covid-19 e a saúde com as consequências na economia.

O documento aponta que os países que estão se saindo melhor são os que têm serviços de saúde mais preservados ou souberam prevenir com firmeza seu congestionamento; aqueles que conseguem testar mais e identificar a população de risco; os que mostram maior grau de coordenação; e os que conseguem demonstrar maior autoridade e clareza quanto aos interesses diante das pressões de grupos econômicos de origem comercial.

“Com lockdown, testagem e monitoramento rígidos, China, Coréia do Sul, Nova Zelância, Singapura, Austrália, Alemanha, Cuba, Venezuela e Argentina devem se recuperar mais rápido”, aponta Castro. Ele acredita, ainda, que Brasil e Estados Unidos adotaram um posicionamento errado ao negarem a ciência e não se aparelharem para atender a população, bem como a Índia, cuja situação está fora de controle atualmente. “Para que os impactos sejam sentidos em menor intensidade no Brasil, o país teria que promover um confinamento radical de pelo menos três semanas”.

Confira a matéria completa no site: https://bit.ly/3gLoid0

PAUTA 2
Trabalhar de casa durante a pandemia tem causado sobrecarga nos trabalhadores, revela pesquisa da UFPR
Pessoas que estão trabalhando de casa forçadas pela quarentena encontram-se mais sobrecarregadas e em um ritmo mais acelerado. Em contrapartida, a flexibilidade no horário e não precisar enfrentar o trânsito no deslocamento são os pontos positivos da modalidade. É o que revela uma pesquisa realizada pelo Grupo Estudo Trabalho e Sociedade (GETS) da Universidade Federal do Paraná (UFPR) em parceria com a Rede de Monitoramento Interdisciplinar da Reforma Trabalhista (Remir).

O estudo, que teve o objetivo de compreender as condições gerais dos trabalhadores e a adaptação quanto à mudança do trabalho presencial para o trabalho remoto em razão da crise causada pela covid-19, alcançou cerca de mil respostas de profissionais dos mais diferentes segmentos, categorias e funções, contemplando, na maior parte, trabalhadores do setor público (65,12%) e com alto nível de escolaridade da cidade de Curitiba.

O aumento considerável de dias e horas de trabalho durante a pandemia foi um dos aspectos constatados nos resultados da pesquisa. Do total de trabalhadores entrevistados, 34,44% estão exercendo suas atividades laborais por mais de oito horas diárias, isso é mais que o dobro de pessoas que antes adotavam essa prática, e 17,77% trabalham os sete dias da semana. Para quase metade dos respondentes (48,45%), o ritmo de trabalho ficou mais acelerado no home office.

Giovanni Allam Taborda, analista de tecnologia da informação, não participou da pesquisa, mas também está em home office desde o início de março. Ele conta que tem passado mais horas trabalhando desde que iniciou na modalidade, pois as demandas têm chegado por diversos canais diferentes. “Além dos meios oficiais, chegam tarefas por e-mail e aplicativos de mensagem. Como trabalho na área de redes, os solicitantes geralmente precisam de uma resposta rápida”. Para ele, a atuação profissional agora está mais voltada a cumprir metas e demandas, do que apenas cumprir o horário de serviço.

A maior dificuldade apontada pelos entrevistados, nesse contexto, foi a falta de contato com os colegas de trabalho (60,55%), seguida pelo número de interrupções (54,59%) e dificuldade em separar a vida familiar da vida profissional (52,91%). Sendo que a maioria (61,15%) afirmou ter experimentado alguma dificuldade ao executar o trabalho remotamente. Nesse quesito as pessoas puderam marcar mais de uma alternativa.

Apesar da falta de contato presencial, Taborda revela que no caso dele a comunicação com os colegas melhorou, pois agora são realizadas reuniões de equipe toda semana. “Não era uma prática comum na unidade e agora virou rotina. Cada um descreve o que fez no período e as dificuldades enfrentadas. Tentamos nos ajudar nos desafios e problemas que aparecem”.

Por outro lado, a flexibilidade de horários (69,09%), não enfrentar trânsito (66,23%) e a menor preocupação com a aparência (58,61%) foram citadas como facilidades dessa forma de trabalho. Também nessa questão os respondentes tinham a possibilidade de assinalar mais do que um aspecto.

A grande maioria (87,2%) considera a qualidade do trabalho presencial melhor ou igual ao trabalho desenvolvido remotamente. Em aspectos gerais, 48,34% dos trabalhadores afirmaram que a modalidade possui tanto pontos positivos quanto negativos.

Confira a matéria completa no site: https://bit.ly/2W3BIZM

Compras pela internet ganham força durante a pandemia  e ajudam a movimentar a economia local.

Compras pela internet ganham força durante a pandemia
e ajudam a movimentar a economia local.

As vendas pela internet (e-commerce), cresceram muito durante a pandemia que enfrentamos do coronavírus. E os esforços de diversos empresários do Paraná, para que a economia não pare por completo, é incansável. Claro, que sempre respeitando as normas de segurança para conter os avanços da covid-19.
Com o último decreto publicado pelo Governo do Estado, comércios de rua e outros serviços não essenciais, estão fechados desde a última quarta-feira, 01/07, pelo período de quatorze dias.
Neste cenário, cresce cada vez mais as compras pela internet, tornando-se a melhor opção de venda, pois o consumidor recebe seu produto em casa, com o menor contato físico possível, garantindo a segurança de quem vende e de quem compra. E o melhor, movimentando a economia.
Até as pessoas que tinham resistência pelas compras online, passaram a dar uma chance a essa modalidade. Essa mudança de comportamento, é principalmente para aqueles que não tinham muita experiência na internet, e com a pandemia precisaram buscar outras opções de compra, inclusive em serviços locais.
Segundo dados do Sebrae, a visita a páginas de utensílios domésticos por exemplo, teve um aumento de 33%, e está entre as que mais cresceram durante a pandemia.
A marca paranaense Daju, que é a maior da região nos departamentos em que atua, e é referência em itens para a casa, aponta um crescimento no seu e-commerce. Segundo o diretor da marca, Roger Karsten Lorenz, os clientes da Daju, já acostumados a frequentar as lojas físicas, também demonstram satisfação pela loja virtual. “Neste momento estamos atentos as necessidades dos nossos clientes, para saná-las da melhor maneira, através do nosso e-commerce, como fazemos sempre em nossas lojas”, garante Roger.
A Daju é Especializada em cama, mesa, banho, tapetes, cortinas, sofá, utilidades, presentes, eletroportáteis, tecidos e homewear, e o cliente pode comprar através do site daju.com.br na aba “loja virtual”.
Vale lembrar que neste momento, o e-commerce não vende apenas produtos, ele envia a solução, tornando-se essencial para milhões de famílias, que estão nas duas pontas desse serviço. As que precisam comprar seus produtos, para garantir o bem estar de suas famílias, e aquelas que dependem dele para trazer o sustento delas.

LIDE Paraná Talks recebe Wilson Bley, diretor do BRDE para esclarecer o programa “Recupera Sul” que vai injetar R$1,3 bilhão na economia

Nesta quinta-feira (2), às 14h, acontece ao vivo o segundo episódio da websérie do LIDE Paraná

Em meio a um cenário de incertezas, nesta semana o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) anunciou a criação de um programa de apoio nomeado “Recupera Sul”, que irá injetar R$ 1,3 bilhão na economia dos três estados da região Sul do país, projetando ajudar os empreendedores afetados pela pandemia do Covid-19. No Paraná serão disponibilizados R$ 670 milhões.

Nesta quinta-feira (2), o LIDE Paraná, por meio de sua websérie LIDE Paraná Talks, mais uma vez se posiciona como uma importante ferramenta de manutenção dos negócios paranaenses e proporcionará aos empresários uma oportunidade de entender como podem ter acesso ao “Recupera Sul”, que auxiliará as empresas mais afetadas pela crise.

O nosso convidado é o diretor do BRDE, Wilson Bley, que juntamente com a presidente do LIDE Paraná Heloisa Garrett, abordará o tema “Como funcionará o programa Recupera Sul que injetará R$ 1,3 bilhões na economia do Sul do país?”. Os participantes poderão mandar perguntas e tirar dúvidas durante o evento online.

O programa acontecerá nesta quinta-feira (2), a partir das 14h. A partir das 20h a versão editada da live será disponibilizada ao público em nosso site e canal do Youtube.

LIDE Paraná Talks - A websérie criada pelo LIDE Paraná tem a finalidade de auxiliar os empresários neste momento de incertezas, trazendo uma rica agenda com participação de especialistas de diversos assuntos. A programação acontece ao vivo de maneira online em nossa plataforma de webnair onde convidados e filiados possuem acesso exclusivo e, após isso são disponibilizadas através do canal LIDE Paraná no Youtube.

Mais informações: www.lideparana.com.br

Feira reúne empreendimentos de economia solidária no Paraná

Feira reúne empreendimentos de economia solidária no Paraná

Evento gratuito busca o fortalecimento do setor, que representa 8% do PIB nacional

De 5 a 9 de novembro, a Rede Marista de Solidariedade, por meio da Trilhas Incubadora Social Marista, realiza a 13ª Feira de Economia Solidária. O evento promove a comercialização de produtos artesanais, oficinas de trabalhos manuais, além de clube de trocas de serviços e de um fórum organizado pelo Cadastro de Empreendimentos Econômicos Solidários (Cadsol). O evento, que tem participação gratuita para expositores e visitantes, será realizado no bloco amarelo da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) das 9h às 19h.

A artesã Magali de Fátima Martins da Rosa conheceu a economia solidária por meio da Trilhas, e desde 2012 participa de todas as edições da feira comercializando seus produtos de crochê e patchworks. “Eu espero ansiosamente a chegada do evento principalmente pelo encontro e por toda formação que ele proporciona, o que mudou muito a forma como vejo meu negócio. ”

Ela conta que pela incubadora Trilhas fez diversos cursos e oficinas que lhe proporcionaram colocar ideias em práticas, como, por exemplo, calcular o melhor preço para seu produto. “Imagina! Até oficina de fotografia para divulgar os produtos, eu fiz”, comenta Magali.

Economia Solidária

No Brasil, a Secretaria Nacional de Economia Solidária (SENAES), entidade do Ministério do Trabalho, foi criada em 2003. “Foi a partir desta data que o setor foi institucionalizado e desde então a atividade vem ganhando forma”, diz Eliane Pereira de Souza, uma das organizadoras do evento. Segundo a pesquisa pela Unisol (Central de Cooperativas e Empreendimentos Solidários), em 2015 o setor respondeu por 8% do PIB nacional. No Paraná, segundo o Cadsol, são mais de 1,2 mil empreendimentos e cerca de 80 mil trabalhadores.

Para a Eliane, a Feira é uma oportunidade para as pessoas conhecerem a economia solidária: “ Os resultados das feiras são o crescente número de empreendimentos que nos procuram para, além de expor e vender no evento, receber mais informações e participar ativamente do movimento. ”

Serviço:

13º Feira de Economia Solidária

Data: 5 a 9 de novembro

Horário: Das 9h às 19h

Local: Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), no bloco amarelo – Rua Imaculada Conceição, 1155 – Prado Velho – Curitiba – PR

Sobre a Trilhas Incubadora Social

A Trilhas Incubadora Social, iniciativa da Rede Marista de Solidariedade, fortalece projetos e empreendimentos de economia solidária, atuando na assessoria, no fomento, no apoio à comercialização e na representação pública do setor. A Trilhas oferece suporte em pesquisa e desenvolvimento científico e tecnológico. Nos últimos seis anos, a incubadora social ajudou a 136 empreendimentos de economia solidária.

Sobre a Rede Marista de Solidariedade

A Rede Marista de Solidariedade (RMS) é responsável por um conjunto de iniciativas, programas e ações com foco na Promoção e na Defesa dos Direitos de crianças, adolescentes e jovens. Realiza ações nas áreas da educação e da assistência social que beneficiam mais de 7 mil crianças, adolescentes e jovens em escolas sociais de 18 cidades nos estados do São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul. São 23 unidades sociais e educacionais que, de maneira gratuita, ofertam desde a educação infantil até o ensino médio e ensino médio técnico, além de projetos no contraturno escolar. Mais informações: www.solmarista.org.br.

Ricardo Amorim faz palestra em Curitiba e analisa o cenário econômico para 2019

Crédito da foto em anexo: Ricardo Correa.

Ricardo Amorim faz palestra em Curitiba e analisa o cenário econômico para 2019
O economista participa do 2º Neoconnection, no dia 7 de novembro, no grande auditório do Teatro Positivo. Os ingressos estão à venda pelo Disk Ingressos.

O apresentador do Manhattan Connection e também um dos economistas mais influentes do Brasil, Ricardo Amorim, será a grande atração do 2º Neoconnection, evento em que estará palestrando sobre o tema “Brasil 2019: tendências e oportunidades”. Ele irá analisar os desafios do novo governo, inovações tecnológicas e oportunidades para os negócios no próximo ano. A palestra será realizada no dia 7 de novembro, às 20h, no grande auditório do Teatro Positivo.

Voltado para lojistas, diretores, gerentes, líderes, profissionais autônomos, estudantes e executivos dos mais diversos segmentos, como agronegócio, indústria, comércio, automóveis, imóveis, serviço e varejo, o evento tem como objetivo central fornecer projeções mais claras do novo cenário econômico que iniciará com a mudança de governo na condução do país.

A Neoconnection definiu estrategicamente a data de 7 de novembro, logo após o segundo turno das eleições presidenciais, para a análise do perfil do novo Presidente do Brasil e a sua equipe econômica. Os participantes vão ouvir a análise de Ricardo Amorim sobre as novas oportunidades que irão surgir, como o mercado deve se comportar diante das mudanças e quais as estratégias podem ser adotadas para melhorar os negócios.

Ricardo Amorim
Economista formado pela USP, pós-graduado em Administração e Finanças Internacionais pela ESSEC de Paris, Ricardo Amorim atua no mercado financeiro desde 1992, trabalhou em Nova York, Paris e São Paulo, sempre como economista e estrategista de investimentos. O economista é um dos debatedores do programa Manhattan Connection, da Globo News desde 2003 e colunista na revista IstoÉ. Ele foi mencionado como uma das 100 pessoas mais influentes do Brasil, em lista da Forbes.

O evento é promovido pela Neoplanrh e a Evidência Comunicação Integrada, com o objetivo de conectar pessoas ao conhecimento, aproximar talentos, propiciando crescimento e aprendizado através de palestras inspiradoras.

SERVIÇO:
Palestra com Ricardo Amorim : “Brasil 2019: tendências e oportunidades”
Data: 07 de novembro de 2018, às 20h – Quarta-feira
Abertura da casa: 19h / Horário previsto do início: 20h
Local: Grande Auditório do Teatro Positivo (Rua Professor Pedro Viriato Parigot de Souza, 5.300 - Campo Comprido)
Classificação etária: Livre
Ingressos: 2º lote a partir de R$ 105,00 a meia-entrada. Neste valor está inclusa a taxa administrativa de R$ 10,00 da Disk Ingressos.
Desconto de 50% no ingresso “inteira” para Advogados OAB-PR, Beneficiário Teatro Positivo, Cartão Clube Diskingressos&Uningressos , Clientes Evidência Comunicação, Clientes Neoplan RH, Clube Gazeta do Povo , Economistas CORECONPR e Sócio Clube Santa Monica.
** A meia-entrada é válida para Doadores de Sangue devidamente comprovados, Estudantes devidamente comprovados, Idosos conforme Lei, PNE, Portador de Câncer e Professor.
Realização: Evidência Comunicação Integrada e Neoplanrh