A pintura e o desenho de retrato é o tema abordado na exposição “Retratos Metafísicos” do artista plástico Ari Vicentini

A pintura e o desenho de retrato é o tema abordado na exposição “Retratos Metafísicos” do artista plástico Ari Vicentini, que expõe sua expressividade criativa homenageando grandes artistas que influenciaram de alguma forma sua trajetória artística. A mostra acontece no Espaço Cultural Luiz Felix, anexo ao charmoso Café e Empório Mineiro Cheirin Bão-Curitiba-Centro, de 27/10 a 31/12/2018, com curadoria do casal de artistas e coordenadores do espaço, Carla Schwab e Eloir Jr.
Retratos de Frida Kahlo, Picasso, Salvador Dalí, Max Ernst, Goya, releituras de obras de Rubens e Michelângelo, fazem parte desta exposição. As pinturas feitas em acrílico sobre tela retratam estes mestres da arte num estilo que funde o realismo acadêmico com formas abstratas, criando uma espécie de “caos organizado”, numa profusão de formas e cores intensas.
A arte como expressão de uma visão de mundo, é desta forma que o artista plástico Ari Vicentini define suas obras. Emoções e pensamentos em diálogo contínuo com a realidade. "A pintura é para mim uma forma de conhecimento e, ao mesmo tempo, um modo de se relacionar com o mundo. Em minhas criações procuro sempre me orientar pelo conceito tradicional do belo artístico”, comenta Ari. A busca pela essência é o motor e o alimento de sua arte. Para Vicentini, esta busca é o que dá sentido à arte.
Sobre o artista:
Ari Vicentini, artista plástico radicado em Curitiba nasceu em Maringá-PR. Possui formação autodidata, premiado em diversos salões de artes, já participou de mais de 60 exposições coletivas e individuais. Seu trabalho possui uma linguagem que vai do acadêmico, passando pelo hiper-realismo, realismo fantástico e abstracionismo. Pintor, desenhista e ilustrador, Ari Vicentini se dedica integralmente às artes plásticas há 30 anos.
Serviço:
Exposição “Retratos Metafísicos” do artista Ari Vicentini
Local: Espaço Cultural Luiz Felix – Café Cheirin Bão
Rua Emiliano Perneta, 421
Centro-Curitiba-PR
Visitação: 27/10 a 31/12
de segunda a sexta-feira, das 8h as 19h
sábados, das 9h as 15h

A ânsia de crescer Processo Multiartes remonta “CriÂnsia”

A ânsia de crescer
Processo Multiartes remonta “CriÂnsia”, espetáculo que propõe uma experiência sensorial ao contrapor infância e vida adulta, com referências atuais. Temporada no TEUNI será gratuita, a partir de 16 de novembro

Como a vida adulta quebra o espírito lúdico que é a essência da infância para programar as pessoas a partir de uma ótica mercadológica. Este é o ponto de partida da nova montagem de “CriÂnsia”, que a Processo Multiartes estreia no TEUNI (Teatro Experimental da UFPR). Com direção e roteiro de Adriano Esturilho, o espetáculo foi montado inicialmente em 2003 e retorna agora como outro elenco, novas cenas e um olhar que dialoga com o momento atual.

A peça fará temporada gratuita de 16 de novembro a 16 de dezembro. De quinta a sábado, às 20h30 e aos domingos, ás 19h30.

“A ‘ânsia de crescer’ e a ‘cria de ansiar’ são as frases que dão o norte para o espetáculo”, adianta o diretor. “Queremos falar sobre como a vida adulta, desde cedo, faz a gente perder o espírito lúdico para ir nos programando e condicionando para a selvageria do mercado, do trabalho, da sede de consumismo", completa.

Brincadeiras, brinquedos e referências a programas de auditório populares nos anos 80, bem como algumas cenas que tencionam a vontade de manter-se neste universo lúdico em meio à intolerância e violência que crescem, ajudam na construção de uma metáfora do teatro em escombros. A ambientação envolve e convida a plateia a participar de um grande quebra-cabeças. “E ao artista cabe envelhecer mantendo esse espírito lúdico da infância. E isso se manifesta na forma sensível como faz e observa as coisas, como ele critica, no jeito como tenta sair dessa caixinha para a qual somos preparados desde cedo”, pontua Esturilho. “É uma atitude que tem parentesco claro com o olhar supostamente irresponsável da criança, sob o viés adulto”.

Com intervenções musicais ao vivo, uma marca dos trabalhos da Processo, CriÂnsia é um trabalho mais visual e propõe imagens que suscitam sensorialmente o público. Os temas aparecem mais diluídos, mas são claramente perceptíveis. “É mais sensorial, mas também reforça um lado cruel que procuramos dar... Fala da infância, mas tem muito a ideia da ânsia muito presente no conceito de construir”, pontua o diretor que ao optar pelos tambores ao vivo trouxe um clima um tanto ritualístico à cena.

A Processo também toca em outro tema caro a seu currículo, que é a interação. O cenário é um grande quebra cabeças, em meio aos escombros de um teatro, e as pessoas são convidadas a participar. “Elas estarão espalhadas pelo espaço e as arquibancadas não serão usadas. Queremos criar uma simbologia do momento: a gente ainda tem o teatro, ainda temos acesso a ele, mas as pessoas já não podem sentar nas poltronas. O que está em escombros, será destruído, que é o que acontece em momentos como o que vivemos. É um desconforto que propomos à plateia” fala Esturilho.

As referências ao momento político foram inevitáveis. “Isso influencia no olhar das pessoas para o espetáculo e, claro, nos influencia também! Em 2003 era outro o planeta em que vivíamos. Essas questões, ligadas à violência e intolerância existiam, mas não ressoavam tanto”, diz comentando sobre uma cena de malhação do Judas que traduz a intolerância com minorias. “E com a não aceitação da diferença, que também é uma forma da vida adulta podar este espirito livre da criança”.

Viabilizado pela Lei Municipal de Incentivo à Cultura de Curitiba, CriÂnsia tem o incentivo do Banco do Brasil."

Serviço:
O que: CriÂnsia
Quando: 16 de novembro a 16 de dezembro. De quinta a sábado, às 20h30 e aos domingos, ás 19h30.
Onde: TEUNI (Praça Santos Andrade, s/n – Prédio História da UFPR).
Quanto: gratuito

Curitiba recebe “Marcha do Orgulho Crespo” pelo Mês da Consciência Negra

Curitiba recebe "Marcha do Orgulho Crespo" pelo Mês da Consciência Negra
Evento faz parte da programação com mais de 90 eventos pelo Paraná

No dia 17 de novembro, um dos movimentos nacionais mais expressivos pela valorização do negro será realizado em Curitiba. A "Marcha do Orgulho Crespo" integra a programação do Mês da Consciência Negra, promovido pela Secretaria de Estado da Cultura do Paraná (SEEC).

A marcha busca a valorização da identidade e da ancestralidade negra, a representatividade, a autoestima, a livre expressão do cabelo natural e o empoderamento da mulher negra na sociedade. A concentração para o evento será em frente ao Prédio Histórico da UFPR e irá até a Sociedade 13 de Maio, onde haverão outras apresentações.

Outras atividades

Outros eventos em novembro acontecem pelo Mês da Consciência Negra como o 53º Festival de Música e Poesia de Paranavaí (FEMUP), de 14 a 17, em Paranavaí e a "Oficina de turbantes com Samara Rosa", dia 12/11, das 14h às 16h, no município de Pinhais.

Mês da Consciência Negra

O Mês da Consciência Negra celebra o Dia Nacional da Consciência Negra, comemorado em 20 de novembro. São 92 atividades como oficinas, palestras, debates e shows que colocam a questão do negro, do preconceito e do papel dele na sociedade no centro das discussões. Confira aqui a programação completa.

Serviço:
"Marcha do Orgulho Crespo", pelo Mês da Consciência Negra
17 de novembro, das 10h às 18h30
Concentração na UFPR | Praça Santos Andrade, 50 - Centro- Curitiba/PR
até a Sociedade 13 de Maio | Rua Desembargador Clotário Portugal, 274. Curitiba/PR

"Oficina de turbantes com Samara Rosa"
12 de novembro, das 14h às 16h
Centro Cultural Wanda dos Santos Mallmann Rua 22 de abril, 305

"53º Festival de Música e Poesia de Paranavaí (FEMUP)"
14 a 17 de novembro
Mais informações: www.paranavai.pr.gov.br