Na internet, menções sobre violência contra a mulher crescem 211% revela pesquisa inédita do Instituto Avon


No Dia Internacional da Mulher, a pesquisa “A voz das redes” revela dados sobre os desafios e possibilidades no enfrentamento às violências contras as mulheres no ambiente digital.


Estão entre os dados destacados o crescimento das menções sobre violência e assédio, perfis e quais tipos de relatos são mais abordados e em quais plataformas.


No dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher, o Instituto Avon lançou, em parceria com a Folks Netnográfica, a pesquisa inédita: “A Voz das redes: o que elas podem fazer pelo enfrentamento das violências contra as mulheres”. O levantamento traz dados sobre as discussões de assédio e violência no ambiente digital e como as redes podem se tornar facilitadores dos discursos, mas por outro lado podem criar obstáculos para a promoção de diálogos mais construtivos e acolhedores.

 

O assédio é discutível. A violência é uníssona.

 

Em 2017, o assédio foi o 26º assunto mais comentado na internet. Somente nos últimos 3 anos, as menções cresceram 324%, com destaque para um novo tipo de assédio, o virtual, que cresceu mais de 26 mil%. Entretanto, o debate sobre o assédio ainda está mais inserido em discussões gerais sobre gradações e raramente se mantém com o mesmo foco do início.

 

Já as postagens de marcas e coletivos, que tratam da violência, são normalmente bem aceitas e bastante aplaudidas dentro das redes. Há mais unicidade no discurso sobre o combate irrestrito às violências contra as mulheres.

 

O que é ruído e o que é sinal?

De 14 milhões de menções, analisadas entre 2015 e 2017, apenas 3 milhões de fato se aprofundaram na discussão sobre assédio e violência. Quando analisadas somente as menções à violência, o tema se restringe mais ainda, caindo para 90 mil. Ou seja, 11 milhões de menções são apenas ruído que se dispersaram para outras discussões.

 

Além disso, quem realmente sofre a violência, pouco fala. Do universo de interações e menções sobre o assédio e a violência, apenas 3% corresponderam às vítimas. Em geral, a maioria delas usa o meio online para buscar o esclarecimento de dúvidas sobre seus casos, dicas que ajudem no processo de rompimento com o agressor e, felizmente, muitas se tornam “voluntárias digitais” para dar suporte às outras mulheres.

 

“Fazer essa escuta no ambiente digital nos permitiu ter contato com diversos ensinamentos que, sem dúvida, serão importantes para nortear o nosso trabalho de enfrentamento às diferentes formas de violência contra as mulheres. Falar sem medo, mas também escutar sem julgamento, ainda são comportamentos que precisamos fomentar. Notamos ainda que a internet é, ao mesmo tempo, um canal rico em oportunidades de ajuda às vítimas, mas também  um meio crescentemente utilizado para um novo tipo de assédio, o digital. Paradoxalmente, ela representa uma das mais poderosas ferramentas de fortalecimento das vítimas e um novo inimigo a combater.”, ressalta Daniela Grelin, diretora executiva do Instituto Avon.

 

Haters: uma barreira virtual

 

Protegidos pela impessoalidade que a internet proporciona, os haters são responsáveis pela maior parte das menções que desqualificam o relato das vítimas, principalmente as de assédio e agem de forma agressiva, julgando, desmerecendo e, por vezes, até ameaçando as mulheres que buscam transmitir mensagens importantes para fortalecer essa luta.

 

Afinal, quem são os haters? Homens brancos e da classe média alta. De acordo com a pesquisa, 96% são homens; em sua maioria de classe média e alta – 34% classe B, 31% classe C e 19% classe A – e 79% são brancos. Cerca de 61% das vezes esses homens agem de forma agressiva e desqualificadora e apenas 6% apoiam.

 

“O estudo buscou, extraiu, filtrou e tratou estatisticamente mais de 14 milhões de menções espontâneas, postadas e comentadas online nos últimos três anos. Todo este big data digital – que é público, e está disponível na internet brasileira, em fóruns, sites, aplicativos e redes sociais – foi catalogado e analisado, quantitativa e qualitativamente, por meio de  Data Science  e de Netnografia. Foram quase duas centenas de aprendizados, insights e recomendações estratégicas, revelando que a internet não é apenas um canal-chave, de importância crucial para o debate, mas acima de tudo, se transformou em um canal de informação, orientação e apoio informais, onde as mulheres falam e são ouvidas. Neste ambiente de  solidariedade, e, cada vez mais, de serviço, muitas mulheres estão conseguindo dar um novo significado, de superação, à experiência do abuso sofrido”, ressalta Bernardo Lorenzo-Fernandez, diretor-geral da Folks Netnográfica.

A pesquisa

Foram coletadas, por meio das redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), 14.043.912 menções relacionadas ao assunto de assédio e violência contra a mulher e termos variados. O intervalo analisado foi de 35 meses (01/2015 a 12/2017). Os termos centrais utilizados na coleta primária foram: violência contra mulher, mulher, assédio, assédio moral, assédio sexual, assédio, transgênero e transexual. Outras pesquisas nas fontes de RSS, Reclame Aqui, Blogs, Websites também foram coletadas e estruturadas como fonte métrica porém sem utilização de dados em análises semânticas.

 

Fórum Fale Sem Medo

Quando: 08/03, das 14h às 19h

Onde: Centro Cultural São Paulo (Rua Vergueiro, 1000, Liberdade, São Paulo/ SP). O local é ao lado da estação Vergueiro do Metrô.

 

SOBRE O INSTITUTO AVON

Criado há 14 anos, o Instituto Avon é a organização ligada a AVON, empresa privada que mais investe financeiramente em ações voltadas à mulher no Brasil. Até 2016, foram investidos pela Avon R$ 137 milhões em 257 projetos e ações focados na superação de dois dos principais desafios à plena realização da mulher: a detecção precoce do câncer de mama e o enfrentamento à violência contra a mulher.

 

O grande diferencial da organização é a capacidade de mobilizar diferentes stakeholders para a concretização de seus projetos: empresas públicas e privadas, ONGs, movimento social, organismos internacionais e órgãos públicos em todas as esferas; e a força de vendas da empresa de cosméticos Avon, com 1,5 milhão de Revendedores que disseminam conhecimento sobre as causas e atuam como rastreadores de necessidades específicas de atendimento e recursos em suas respectivas comunidades. Essa capilaridade e abrangência permitem ao Instituto estar presente em 100% dos municípios brasileiros e beneficiar mais de 5 milhões de pessoas. Visite o site: www.institutoavon.org.br

*com divulgação

Categorias:BELEZA, BRASIL, COLUNA VANESSA MALUCELLI, CULTURA, DIVIRTA-SE, FREE LIFESTYLE, LANÇAMENTOS, SAÚDETags:, , , , , , , ,

VanessaMalucelliAndersen

Colunista do Site — Divirta-se Curitiba!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s