Tendências tecnológicas e soluções ambientais compõem o “Novo Morar

Estande do Sebrae/PR na Casacor conta com 10 startups que apresentam soluções tecnológicas e ambientais para o morador

O estande do Sebrae/PR apresenta tendências para o "Novo Morar" criadas por 10 startups parceiras. Crédito: Felipe Miretzk.

Com soluções tecnológicas e ambientais, o Sebrae/PR montou o StudioTech na maior mostra de arquitetura, design de interiores e paisagismo das Américas, a 27ª edição da Casacor Paraná, que acontece até o dia 17 de outubro. O apartamento de 40 metros quadrados traz tendências para o “novo morar”, oferecendo mais qualidade de vida e praticidade no dia a dia do morador.

O estande traz um tour virtual pelo StudioTech, além de eventos técnicos, como palestras, workshops e mesa redonda para até 80 convidados. Informações sobre a programação pelo site www.casacor.abril.com.br. Por meio do Programa Origens Paraná, no estande é possível conhecer produtos paranaenses como balas de bananas, mel e cachaças, alguns inclusive com Indicação Geográfica.

De acordo com Luiz Maingué, arquiteto responsável pelo StudioTech, o novo morar está relacionado com escolhas inteligentes, que não prejudiquem o planeta. “A pandemia mudou a forma como nos relacionamos com as pessoas e transformou nossas casas. O StudioTech vem de encontro às novas tendências. O projeto é completamente sustentável, com aproveitamento da energia solar, cisterna para água da chuva e inovações tecnológicas para trazer o conforto para dentro de casa”, explica.

Todas as tecnologias utilizadas na criação foram desenvolvidas por 10 startups parceiras do Sebrae/PR, desde fechaduras inteligentes, painéis solares e interfone com acesso via smartphones até travas para bicicletas compartilhadas.

“Na Casacor Paraná, trabalhamos para estimular o empreendedorismo e possibilitar a competitividade e a inovação no setor da construção civil no estado, oportunizando novos negócios entre as melhores empresas do mercado da construção civil parceiras do evento”, destaca a consultora do Sebrae/PR, Adriana Kalinowski.

João Vitor Galdino Souto Soares é fundador e diretor de produtos de uma startup que oferece soluções inteligentes de fechaduras e de acesso à entrada de prédios e portas de imóveis via smartphone. Há dois anos no mercado, a Chavi atualmente é acelerada pela Hotmilk e recebe com o auxílio do Sebrae/PR na parte de produção, desenvolvimento produtos, de negócios e de gestão.
“É uma honra poder estar presente e participar da mostra vendo que as soluções desenvolvidas se encaixam muito bem dentro desse contexto da Cascacor Paraná, que é um ambiente de soluções cada vez mais inovadoras cada vez mais tecnológicas que buscam facilitar a vida das pessoas”.
O StudioTech, estande do Sebrae/PR, está na área externa da mostra. O espaço fará parte integrante do rol de ambientes que compõem a CASACOR Paraná apresentando soluções residenciais tecnológicas e sustentáveis desenvolvidas pelas startups abaixo:
Chavi — forneceu fechaduras inteligentes com abertura de portas e gerenciamento de acesso virtual.

Hygge — forneceu painéis termoacústicos e retrofit témico, otimizando a eficiência térmica.

Mushpack — forneceu nuvens e placas termoacústicas compostas de biomateriais fúngicos aplicadas ao teto e paredes.

Ubeton — apresentará uma parede de blocos de concreto aparente cujo objetivo é reduzir custos e aumentar a produtividade.

RenovaGreen — forneceu um painel solar fotovoltaico para sistema de geração de energia sustentável.

Isket — forneceu uma ferramenta de inteligência de dados para incorporação imobiliária.

Amitech — forneceu um sistema de escaneamento a laser.

SmartGreen — forneceu interfone com acesso via smartphone e trava para bicicletas compartilhadas.

Sheep House — forneceu a ferramenta de captação de imagens. A empresa é referência no setor imobiliário por suas fotografias profissionais, vídeos, tour virtual ou imagens aéreas.

The Bear Office — imagens de alto impacto para o mercado imobiliário.

O arquiteto Luiz Maingué e a diretora da Casacor, Marina Nessi, ressaltaram a importância da parceria com o Sebrae/PR. Crédito: Felipe Miretzk.

A Casa Original

A edição 2021 traz o tema “A Casa Original” e será realizada em formato híbrido, ou seja, os visitantes podem visitar a mostra fisicamente ou virtualmente. O anseio pelo retorno às origens, a busca pela ancestralidade e o equilíbrio necessário entre passado e futuro pautam os 39 ambientes da mostra, expostos em uma estrutura de quase 6 mil metros quadrados.

Marina Nessi, diretora do evento, destaca que o evento não é apenas uma exposição elegante de decoração, mas como uma mostra educativa. “Somos vistos como uma empresa que vende e incentiva relacionamentos, as empresas se encontrem nesse espaço atendendo demandas de produtos para profissionais e para o cliente final, além de aprimorar o olhar do público para tendências de design e arquitetura. Além de tudo isso, esses 27 anos da Casacor no Paraná ajudou a alavancar o mercado de arquitetura e decoração”, destaca.

Todas as medidas sanitárias contra a Covid-19, conforme os decretos em vigor, foram implementadas para garantir a segurança dos visitantes.

Serviço

Data: de 5 de setembro a 17 de outubro de 2021 – de terça a domingo.

Endereço: Rua Álvaro Alvim, nº 91 – Seminário, Curitiba/Paraná.

Horários: de terça a sábado, das 13h às 21h. Aos domingos, das 13h às 19h. Nos feriados de 07 e 08 de setembro e 12 de outubro, das 13h às 19h.

Tempo de permanência: o tempo total de permanência na Mostra é de 3 horas.

Por meio do Programa Origens Paraná, no estande é possível conhecer produtos paranaenses como balas de bananas, mel e cachaças, alguns inclusive com Indicação Geográfica. Crédito: Felipe Miretzk.

A Chavi é uma startup que oferece soluções inteligentes de fechaduras e de acesso à entrada de prédios e portas de imóveis via smartphones. Crédito: Felipe Miretzk.

A Casacor é a maior mostra de arquitetura, design de interiores e paisagismo das Américas. Sua 27ª edição acontece até o dia 17 de outubro. Crédito: Felipe Miretzk.

No Paraná, iniciativa une cervejarias artesanais e atrativo natural para promover o turismo

Ação no Parque de Natureza Buraco do Padre valoriza as cervejarias do município de Ponta Grossa, nos Campos Gerais

Corpo de jurados participou de degustação às cegas em evento realizado no Buraco do Padre. Crédito: Laertes Soares

Uma caverna vertical (furna) com cerca de 40 metros de profundidade visível e 30 metros de diâmetro, por onde deságua uma cascata de 30 metros de altura em solo arenoso. O Parque de Natureza Buraco do Padre, localizado em Ponta Grossa, no Paraná, passa a contar com quatro estilos de cervejas artesanais que serão “marcas” do atrativo turístico, visitado anualmente por 50 mil turistas do Brasil e do exterior.

Os estilos foram selecionados nesta terça-feira (10), em evento promovido pelo Buraco do Padre e pela Associação Ponta-Grossense da Indústria Cervejeira (APIC), com o apoio do Sebrae/PR e a da Secretaria Municipal de Turismo de Ponta Grossa. Na ocasião, foi lançado também o concurso para a escolha do design dos rótulos das cervejas oficiais do Buraco do Padre, aberto para participação popular.

A degustação às cegas foi realizada por um corpo de jurados composto pela prefeita de Ponta Grossa, Elizabeth Schmidt; pelo empresário Beto Madalosso, proprietário do Carlo Ristorante e Mada Pizza e Vinho, em Curitiba; pelo secretário Municipal de Turismo de Ponta Grossa, Paulo Stachowiak, que também representou o Operário Ferroviário Esporte Clube (OFEC); pelo diretor da Serra Verde Express e da BWT Operadora, Adonai Aires de Arruda Filho; pela influenciadora Giselle Alonso; pelo gestor do Buraco do Padre, Álvaro Fernandes Dias Filho e pelo empresário Maurício Dobis, o chef Dobis.

Buraco do Padre desperta atenção de 50 mil turistas todo o ano. Crédito: Laertes Soares

A cerveja Pilsen selecionada foi da OAK Bier. A estilo APA foi da Partner Brewwery House. A Strasburger Cervejaria teve a sua IPA escolhida e o estilo ‘diferenciada’ foi para a Brauerei Schultz. A iniciativa contou com a participação de cervejarias de Ponta Grossa, tendo no total 24 cervejas inscritas.

Para o gestor do Buraco do Padre, Álvaro Fernandes Dias Filho, a ação tem como foco a promoção do atrativo turístico e do Município, pela sua vocação cervejeira. “Com isso, os turistas têm a opção de levar um souvenir para sua cidade, presentear ou consumi-lo no próprio parque”, diz.

Na ocasião também foi lançado o concurso para a escolha do design dos rótulos das cervejas oficiais do Buraco do Padre, aberto para participação popular. “Vamos abrir a negociação com as cervejarias que tiveram seus estilos selecionados e a estimativa é que o concurso aconteça em setembro”, antecipa Álvaro. A votação online do melhor rótulo vai contar com a participação da comunidade e deve ser realizada pelo Instagram do Buraco do Padre.

Evento escolhe os estilos de cervejas que serão oficiais do Buraco do Padre. Crédito: Crédito: Laertes Soares

“Além de promover o turismo e o desenvolvimento regional dos Campos Gerais, a iniciativa valoriza a história e a cultura de Ponta Grossa, que é conhecida como um polo cervejeiro. É uma ação que dá ainda mais visibilidade para esses produtos turísticos, levando o nome das cervejarias para outras diversas regiões do Brasil e do mundo”, frisa a consultora do Sebrae/PR, Nádia Terumi Joboji.

A opinião é compartilhada pelo presidente da APIC, Rogério Bortolato Garcia. “O setor cervejeiro tem se profissionalizado e aprimorado cada vez mais e, além disso, Ponta Grossa deve se tornar, em breve, a maior produtora de cerveja do mundo. A parceria com o Buraco do Padre vai render bons frutos para o setor e para o turismo local”, considera.

Selo Turismo

O Parque de Natureza Buraco do Padre recebeu o Selo de Qualidade no Turismo do Paraná, que tem como objetivo estimular a melhoria contínua da gestão do negócio e da qualidade dos serviços prestados pelas empresas do setor turístico, adotando boas práticas e procedimentos definidos para seu negócio com um conjunto de elementos para melhorar a competividade, a eficácia e a flexibilidade da empresa por meio de planejamento, organização e compreensão de cada atividade. No Estado, é a primeira vez que um atrativo turístico natural e cultural recebe Selo.

O projeto Selo de Qualidade no Turismo do Paraná é executado pelo Comitê Gestor formado pelas instituições Sebrae/PR e Fecomércio PR, com a parceria da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Paraná (ABIH-PR), Associação Brasileira de Bares e Restaurantes do Paraná (Abrasel-PR), Associação Brasileira de Agências de Viagens do Paraná (Abav-PR), Associação Brasileira de Empresas de Eventos do Paraná (ABEOC/PR), Paraná Convention e Paraná Turismo.

Empreendedores abrem mercado para a comercialização de produtos com IG

Sebrae/PR trabalha também na aproximação de comerciantes e produtores para abrir novas frentes de comercialização

Jeferson Jess e a sócia Andrea Machado Sígolo viajam em busca de produtos especiais e diferenciados (Crédito - Jeferson Jess)

Já pensou em adquirir produtos característicos de uma região, que se distinguem pela qualidade, especialidade, tipicidade e que têm o registro de Indicação Geográfica (IG), sem precisar se deslocar até a cidade de origem? Isso já está sendo possível graças a empreendedores paranaenses que viram nos produtos típicos uma oportunidade e comercializam em lojas online ou físicas.

Hoje, o Paraná possui nove produtos com registro de IG que são o café do Norte Pioneiro, a goiaba de Carlópolis, o mel do oeste do Paraná, o queijo de Witmarsum, o melado de Capanema, a uva de Marialva, a erva-mate São Matheus – do sul do Paraná, o mel de Ortigueira e a bala de banana de Antonina. Outros cinco já foram protocolados no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI): a cachaça e aguardente de Morretes, o barreado e a farinha de mandioca do Litoral, o morango do Norte Pioneiro do Paraná e os vinhos de Bituruna. No Brasil são 87 produtos com registro.

Com uma infância marcada no campo, o empresário Jeferson Jess, de Curitiba, criou um clube de assinaturas com kits personalizados de produtos artesanais e locais, que trazem a história, a cultura, a identidade ou particularidade de uma determinada região. Dentro dessa proposta da caixa colonial, surgiu a ideia de comercializar também produtos com IG.

“Sempre tive o costume de buscar referências e saber uma pouco da história do que eu consumia e que, muitas vezes, são produtos oriundos de receitas de família”, conta. Para oferecer um diferencial, o empresário trabalha de forma temática. Todo mês, uma região do País é visitada para conhecer suas particularidades, quem são os produtores locais e fechar novos fornecedores.

“Notamos que as pessoas têm curiosidade em conhecer mais os produtos que consomem. Por conta disso, oferecemos experiências aos nossos clientes, pois em cada kit enviamos um informativo do que fazer, onde ir, o que consumir em determinado local. Dizemos que nosso produto também envolve a promoção turística, pois em algum momento nosso cliente pode visitar um destino e fomentar o turismo local”, comenta.

Além do clube de assinaturas, o empresário lançou, em maio deste ano, a loja eletrônica, onde é possível comprar, de forma avulsa, produtos com IG e outros de pequenos produtores. “Tanto o clube, quanto o e-commerce, têm suas propostas, mas procuramos disponibilizar produtos com IG em ambos”, explica.

Com um restaurante à beira da rodovia, a empresária Rosane Radecki disponibiliza uma prateleira com produtos com IG (Crédito - Ronilda Chaves)

A culinária também aproximou a empresária e chef de cozinha Rosane Radecki, sócia-proprietária de restaurante em Palmeira, nos Campos Gerais, dos produtos com IG. Rosane mantem um espaço específico para eles, como o queijo de Witmarsum, a bala de banana de Antonina, o café do Norte Pioneiro, além de outros que ainda estão em processo para recebimento do registro, como o vinho de Bituruna e a farinha de mandioca do Litoral.

“Com a pandemia, as pessoas passaram a valorizar mais o que é da sua região ou entorno. A ideia é dar mais visibilidade a esses produtos e facilitar o acesso a eles”, comenta. A empresária participou recentemente de uma rodada de negócios, promovida pelo Sebrae/PR, na qual teve contato com os produtores espalhados pelo Estado.

Empresário Carlos Feliz disponibiliza produtos com IG nas três adegas que tem em Curitiba (Crédito - Alex Moreira)

O empresário Carlos Antônio Nicolau Feliz, sócio-proprietário de uma adega em Curitiba também abriu espaço a produtos com IG em suas três lojas. “O Sebrae aproximou comerciantes e produtores. Fizemos uma seleção daqueles que podem estar entre os nossos mix de produtos”, conta. Entre eles estão as balas de banana de Antonina e os queijos de Witmarsum.

“Já mantive contato com outros produtores e ideia é incrementar o leque de produtos em breve”, relata. Para ele, há um interesse maior dos clientes por produtos com características diferenciadas e de boa qualidade.

A coordenadora estadual de agronegócios do Sebrae/PR, Maria Isabel Guimarães, explica que a adesão de novos espaços é uma maneira de valorizar e fortalecer a comercialização de produtos com IG, principalmente com a crise desencadeada pela pandemia.

“Em um momento difícil como esse é importante que os envolvidos nessa cadeia encontrem maneiras de diversificar, potencializar seus negócios e valorizar suas marcas. Temos feito essa articulação e promovido encontro de negócios nas cadeias produtivas”, afirma.

Relevância

A Indicação Geográfica (IG) é importante para os pequenos negócios, pois é considerada um diferencial competitivo. Além disso, esse signo permite a valorização dos produtos tradicionais brasileiros e a herança histórico-cultural, protegendo as regiões produtoras. Nesse contexto, o legado agrega à área de produção definida, tipicidade, autenticidade com que os produtos são desenvolvidos e a disciplina quanto ao método de produção, garantindo um padrão de qualidade.

Empresa paranaense lança primeiro dropshipping automotivo do Brasil

Fabricante de produtos de fricção vai abrir portfólio para que autopeças sejam intermediárias nas vendas online para o consumidor final

OriginALLparts tem sede em Londrina e atua no ramo de fricção. Crédito: Rogério Peixoto.
A empresa londrinense OriginALLparts lançou, nesta quinta-feira (15), o primeiro dropshipping do setor automotivo do Brasil. A plataforma, desenvolvida com apoio do Sebrae/PR, será aberta inicialmente para a carteira de clientes, composta por lojas de autopeças. O dropshipping é um método de vendas no varejo que não exige a manutenção de estoques de produtos pelo vendedor. O dono do e-commerce atua como um intermediário para a compra e fica responsável apenas pelo marketing e vendas. Todos os processos de reserva e entrega são realizados pelo fornecedor original que, neste caso, será a indústria com sede em Londrina.
A OriginALLparts atua no ramo de fricção e fabrica pastilhas e sapatas de freio, sensor de desgaste, calço lateral, kit reparo e acessórios para as pastilhas de todas as marcas de veículos automotivos. O proprietário e administrador da empresa, João Paulo Tristão, explica que a pandemia tornou mais evidente a necessidade da marca se fazer presente online, porém, não dava para simplesmente criar um e-commerce próprio e passar a concorrer com os próprios clientes, as lojas de autopeças que já possuem canais de vendas na internet. Por meio da tecnologia dropshipping, o empresário encontrou uma maneira de se aproximar do consumidor final sem desrespeitar a cadeia distributiva.
“É uma mudança de cultura, especialmente no mercado de autopeças, que é muito conservador. Com esse projeto, nossos clientes e consumidores ganham. O consumidor terá acesso a produtos com certificação do Inmetro e compras mais econômicas, pela redução de custos de operação, e liberdade de escolha. Ao mesmo tempo, vamos gerar valor para nossos clientes, as autopeças, trabalhando em conjunto com a cadeia automotiva”, afirma Tristão. O objetivo é fidelizar a rede de distribuidores da indústria e fortalecer as vendas da marca. Para as autopeças, o investimento em estoque é zero. Elas também economizarão na gestão da expedição e logística, e poderão trabalhar com o portfólio completo de produtos da OriginALLparts.
Tristão conta que a ideia do projeto nasceu durante a participação no programa Alto Potencial, do Sebrae/PR, no ano passado. O programa visa potencializar o crescimento dos negócios, com a elevação da competitividade a níveis internacionais, aumento do número de vendas e acesso a novos mercados. Já a conclusão do desenvolvimento e implantação da tecnologia ocorreu durante o programa Brasil Mais, com apoio do Agente Local de Inovação (ALI). “Contratamos uma consultoria externa, com subsídio do Sebrae/PR, que nos ajudou no processo. Mesmo diante da crise e pandemia, não nos acomodamos e fomos atrás de alternativas”, explica.
Depois de lançar para a carteira própria de clientes, a empresa vai abrir a oportunidade para a rede de distribuidores de todo o Brasil em setembro e para todo o mercado em novembro, durante a realização da feira Automec 2021, o maior evento do segmento de Reposição e Reparação Automotiva do Brasil. “A receptividade da nossa carteira de clientes tem sido incrível”, comemora.
O consultor do Sebrae/PR, Eduardo Ribeiro Bueno Netto, destaca o pioneirismo da indústria londrinense, que está há 23 anos no mercado e inaugura o dropshipping no setor automotivo brasileiro. “A empresa contou com nosso apoio em todas as etapas do projeto, desde a concepção até a implementação da tecnologia que, com certeza, resultará em ganhos de competitividade e vendas”, afirma.

Evento online vai promover o mercado de franquias no Brasil

Salão de Franquias vai conectar 100 franqueadores de todo o País com mais de 1,5 mil possíveis franqueados, em dois dias
Na contramão da maioria dos negócios, que ainda sentem o forte impacto das crises sanitária e econômica, as franquias brasileiras devem encerrar o ano com crescimento de mais de 8% no faturamento. Projeção da Associação Brasileira de Franchising (ABF) revela que o setor deve fechar 2021 com alta de 5% em número de unidades. Para promover o contato e interação entre franqueadores que desejam expandir suas operações e futuros empreendedores, o Sebrae/PR e a Fecomércio PR, em parceria com a ABF, vão realizar, nos dias 10 e 11 de setembro, um Salão de Franquias 100% virtual.
A expectativa é que, em dois dias, o evento possa conectar 100 franquias expositoras de todo o país com mais de 1,5 mil possíveis franqueados. As inscrições para as franquias já estão abertas e podem ser feitas no link: www.sebraepr.com.br/salaodefranquias. O investimento varia de R$499 a R$ 699, de acordo com os lotes disponíveis. As vagas são limitadas. Para os interessados em conhecer mais sobre esse modelo de negócio, a participação será gratuita e as inscrições abertas em agosto. Além de conversas individuais com empresários desse mercado, os participantes terão acesso a painéis e materiais com informações sobre o segmento e funcionamento das franquias.
O coordenador estadual de Comércio, Mercado e Franquias do Sebrae/PR, Lucas Hahn, lembra que o segmento de franquias é muito importante no comércio varejista. O Brasil é um dos países que mais possuem franquias no mundo. “É uma possibilidade de empreender com um grau de segurança maior. O evento vai conectar franqueadores a potenciais franqueados e auxiliar na expansão dos negócios para que toda a cadeia ganhe, gerando um círculo virtuoso de desenvolvimento local e estadual”, afirma.
O coordenador de desenvolvimento empresarial da Fecomércio/PR, Rodrigo Schmidt, diz que o Salão de Franquias é uma excelente oportunidade de exposição das marcas das empresas participantes e de contato com pessoas que planejam investir nesse tipo de empreendimento que, apesar da pandemia, continua em crescimento. “O candidato a franqueado terá a oportunidade de obter informações valiosas para poder fazer as necessárias avaliações pessoais e comerciais antes de assumir uma franquia”, ressalta.
Os segmentos de casa e construção, serviços, e saúde, beleza e bem-estar foram os que mais cresceram na pandemia, segundo a ABF. O diretor da Regional Sul da ABF e franqueador de uma escola de inglês, André Belz, destaca que, em momentos de crise, as franquias oferecem o suporte necessário aos franqueados e isso ficou muito evidente no último ano. “Operadores de negócios, independente do setor, principalmente o pequeno e o médio, tiveram muitas dificuldades no período. Já as franquias apoiaram os franqueados nas áreas jurídica e financeira, e trouxeram soluções muito rápidas”, explica.
As franquias são modelos formatados de negócios gerenciados por empreendedores que já passaram por desafios de crescimento, possuem conhecimento do mercado, processos, produtos e tecnologias. As empresas oferecem treinamentos e manuais para que os franqueados sigam e sejam bem-sucedidos nos negócios. “Para ser empreendedor no Brasil é preciso ter planejamento financeiro adequado, mínimo de competência para fazer a gestão do negócio, habilidades comportamentais, e coragem. Eventos como o Salão de Franquias são excelentes oportunidades para que os futuros empreendedores encontrem o modelo de negócio compatível com seu gosto e condição de investimento”, completa.

O feijão, protagonista na mesa do brasileiro, será tema de uma série de eventos promovidos pelo Sebrae/PR

Com o foco na inovação da produção ao consumo do feijão, o primeiro encontro online acontecerá nesta quarta-feira (05), às 16h

Discutir a produção, idealização de novos produtos e o mercado das leguminosas é o propósito de uma série de eventos pautados para o decorrer de 2021, tendo o feijão como destaque. O primeiro evento e lançamento da iniciativa será realizado de forma online e gratuita nesta quarta-feira (05). O foco é direcionado aos produtores do grão, mas interessados na temática podem participar por meio do link.

De acordo com os últimos números divulgados pelo IBGE, o Paraná é o maior produtor de feijão preto e com cor do Brasil. Segundo dados do Departamento de Economia Rural (Deral), órgão vinculado à Secretaria da Agricultura e do Abastecimento do Paraná, o estado produziu 255,4 mil toneladas de feijão na primeira safra do ano. A estimativa é 491 mil toneladas para a segunda safra, indicando um crescimento de 83% no comparativo com a safra anterior, que foi afetada pela estiagem.

Os números expressivos indicam a importância do grão para a economia, especialmente a paranaense. Além disso, a dupla feijão com arroz é indissociável no prato do brasileiro. Tradicionalmente conhecido na forma caldosa, o feijão apresenta variedades e múltiplas formas de preparação, mas ainda pouco conhecidas. Alguns chefes de cozinha inserem a leguminosa em seu cardápio como forma de valorização regional, mas o trabalho de fortalecimento da cultura do uso do feijão em outras variantes ainda precisa ser aprimorado.

“Temos o desafio de reconhecer a importância e diversidade, porque a partir disso ampliamos a chance de outros preparos. Precisamos estimular essa riqueza e trabalhar mais fortemente o apoio à produtividade com variedade. O produtor faz aquilo que é demandado pelo mercado, então precisamos ampliar essa cartela”, explica a chef do Quintana Gastronomia, Gabriela Vilar de Carvalho, de Curitiba.

De acordo com os últimos números divulgados pelo IBGE, o Paraná é o maior produtor de feijão preto e com cor do Brasil (Imagem: Divulgação IAPAR/SEAB/AEN)

O feijão tem alto valor nutritivo, oferece uma grande quantidade de vitaminas e auxilia na saúde ao prevenir uma série de doenças. É rico em ferro que combate a anemia, possui vitaminas do complexo B e alto teor de fibras que ajudam na saúde intestinal, auxilia na saciedade e ainda possui alto aporte de cálcio, zinco e proteínas. Versátil também na alimentação, a chef comenta que o grão é um produto “comfort food”, ou seja, que desperta conforto e bem-estar.

“O feijão traz notas levemente adocicadas e pode ser feito de diversas maneiras. Podemos usar o grão para fazer feijoada, acarajé, falafel e baião de dois. Podemos misturar com outros ingredientes ou usar a farinha do feijão para o preparo de bolos, até mesmo uma sobremesa clássica japonesa. Pode ser feijão hidratado, partido, frito na imersão, recheado, temperado e tantas outras brincadeiras. Essa relação de textura e crocância pode trazer surpresas gastronômicas, revelando experiências inusitadas e muito saborosas”, indica Gabriela.

Para a coordenadora estadual do agronegócio do Sebrae/PR, Maria Isabel Guimarães, um dos desafios atuais é trabalhar o consumo no mercado interno também já pensando no mercado externo. Ela acredita que, por meio da mudança de hábito do feijão tradicionalmente caldoso para outras formas de preparo, é possível diversificar e ampliar horizontes.

“Queremos que as pessoas saibam das possibilidades e das variedades que existe, que o produtor produza outros tipos de feijão além dos nossos tipos já tradicionais e que o consumidor saiba disso, que não é só na panela de pressão que se faz feijão ou para comer com arroz. O feijão é considerado queridinho do Brasil, mas é um produto que pode ser exportado desde que atenda as exigências de consumo. Queremos que chefes, indústrias alimentícias e consumidores utilizem o feijão como base ou como matéria-prima. São diferentes tipos do grão e novos sabores”, finaliza a consultora.

Junto com o Instituto Brasileiro de Feijão e Pulses (IBRAFE), o Sebrae/PR irá trabalhar várias ações com o tema Feijão. Durante os próximos meses, várias ações voltadas para o consumidor serão realizadas nas mídias digitais e sociais do projeto com o objetivo de ampliar o consumo, gerar negócios e inovação em toda cadeia. Palestras, lives, desafio de restaurantes, dicas de preparos no dia a dia, lançamento de livro online de receitas e outras ações acontecerão no decorrer do ano.

Prefeitura de Curitiba oferece cursos gratuitos online para a capacitação de empreendedores

O programa Bom Negócio, desenvolvido em parceria com a startup Kultivi, disponibiliza conteúdos exclusivos sobre empreendedorismo e gestão

CURITIBA, 20/01/2020 - Nas últimas décadas, as inovações tecnológicas tem sido grandes aliadas para atender as novas necessidades da população, principalmente no quesito educação. Todos os dias surgem novas opções de sites e aplicativos que contribuem para facilitar a vida de milhares de pessoas com alternativas remotas de ensino. Mas se muitas vezes estes conteúdos continuam inacessíveis devido a mensalidades e investimentos altos há empresas e projetos que trabalham para produzir e disponibilizar cursos e capacitações completamente gratuitas.

Um exemplo é a startup curitibana Kultivi (www.kultivi.com), uma das principais plataformas de ensino online do país que oferece sem nenhum custo mais de 80 cursos em diferentes áreas, como idiomas, empreendedorismo, medicina e voltados ao Enem e à OAB – ao todo, somando cerca de 4 mil aulas distintas. Focada em expandir ainda mais o acesso à educação remota de qualidade, a Kultivi se uniu a Prefeitura Municipal de Curitiba no programa Bom Negócio – Vale do Pinhão. Idealizado pela administração do município, o projeto disponibiliza aos curitibanos cursos de capacitação em gestão empresarial com uma formação empreendedora, totalmente gratuita, que pode ser iniciada a qualquer momento e que aborda disciplinas voltadas à gestão inovadora, criatividade, finanças, vendas e novos produtos, cliente, recursos humanos, startups, criatividade e sustentabilidade.

“Nós desenvolvemos uma plataforma exclusiva para o programa Bom Negócio, com toda a dinâmica, praticidade e facilidade de acesso que garante a qualidade dos cursos. Também emprestamos os nosso estúdios para a gravação das videoaulas. Estamos muito contentes com o resultado e, principalmente, com a oportunidade de fazer parte de um projeto tão importante para o desenvolvimento social e econômico da cidade”, comenta Cláudio Matos, sócio fundador da Kultivi.

Inicialmente, o programa Bom Negócio oferece dois cursos voltados a gestão de negócios com 14 e 16 horas de duração divididos em vídeos de 5 a 15 minutos. Realizado de forma intersetorial, a produção das videoaulas contou, também, com a participação da Agência Curitiba, Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Paraná (Sebrae-PR) e ISAE Escola de Negócios.

Para participar do Bom Negócio e ter acesso aos cursos, basta se cadastrar no site www.bomnegocio.curitiba.br.

Paleta de cordeiro com legumes: receita apresentada no projeto Nossa Casa Viva, do Sebrae/PR, vai estar disponível ao público

Série de lives do projeto visa fortalecer mercado de produtos típicos e valorizar produtores paranaenses. Público poderá acompanhar o preparo e encomendar o prato
Rul3mtPLTaA==

Paleta de cordeiro com legumes. Crédito: Guto Souza

Neste sábado (31), acontece a última live Nossa Casa Viva, projeto do Sebrae/PR com receitas de chefs paranaenses, que busca promover os ingredientes regionais, produtores rurais e pratos típicos do estado. Entre os produtos presentes nas oito lives estiveram aqueles com o Selo Alimentos do Paraná e outros que já possuem ou estão em processo de obtenção do selo de Indicação Geográfica (IG).

Na última live da série, a chef Vania Krekniski, do restaurante Limoeiro, em Curitiba, vai preparar uma paleta de cordeiro com legumes, diretamente de seu restaurante. A transmissão começa a partir das 11 horas. A inscrição pode ser feita pelo site Nossa Casa Viva.

A novidade é que os consumidores poderão realizar reservas no restaurante Limoeiro, em Curitiba, para provar o prato que será apresentado durante a live. Quem preferir também poderá pedir o prato e retirar no local. O preço será de R$59,90 o prato individual. Pelo Instagram @nossacasa.viva haverá um sorteio de quatro pratos individuais preparados pela chef para retirada ou para serem consumidos no estabelecimento. Mais informações podem ser obtidas pelo whatsapp: 41 3093-5392.

Além disso, os clientes também poderão adquirir no local um kit com alguns produtos como o queijo de Witmarsum, a goiaba de Carlópolis e o vinho de Bituruna.

A coordenadora estadual de agronegócios do Sebrae/PR, Maria Isabel Guimarães, explica a importância do Nossa Casa Viva.

“Queremos promover a rica cultura gastronômica do Paraná e valorizar os empreendedores envolvidos nesse processo, de chefs a produtores rurais. No Nossa Casa Viva o público pode conhecer e consumir os produtos típicos da sua região e assim contribuir para o desenvolvimento local de produtores e empresas”, afirma.

O prato

A receita da paleta de cordeiro com legumes inclui diversos ingredientes regionais que começam pelo próprio cordeiro, vindo de Campina Grande do Sul, temperado com alho, alecrim, hortelã, pimenta, limão e com um toque do vinho da cidade de Bituruna, produto que está buscando o selo de Indicação Geográfica. O prato inclui batatas, cebolas e cogumelos orgânicos de uma empresa local. A receita traz ainda como acompanhamento um chimichurri feito com a erva-mate de São Mateus do Sul, produto que possui Indicação Geográfica, além de uma maionese defumada, da empresa Tribal Alimentos, empresa de Guarapuava que possui o Selo Alimentos do Paraná. Ela explica que a receita é inspirada na sua própria experiência.

ViewImage.aspx?image=lR2KS9SjdSHkGb92A5M4Kw==

A chef Vania Krekniski, do restaurante Limoeiro, em Curitiba. Crédito: Divulgação

“Esse é um prato que remete a minha infância quando eu viajava para a casa do meu avô no interior durante as férias. Ele assava o cordeiro em um fogão à lenha, marinava e temperava a carne. Até hoje me lembro do cheiro do cordeiro no fogo. Na minha receita, faço algumas adaptações para inserir os produtos típicos do nosso estado e busco realçar esses diferentes sabores no prato”, adianta a chef.

Um dos ingredientes presentes na receita são os cogumelos da empresa Naturele, de Tijucas do Sul e que possui o Selo Alimentos do Paraná. O produtor Dinei Souza explica que, desde o início do trabalho com o Sebrae, buscou aprimorar as boas práticas, a higiene, a qualidade e a melhoria dos procedimentos de trabalho, o que levou a expandir as suas vendas e canais de comercialização. Ele comemorou a possibilidade de participar do projeto. “É muito importante essa aproximação entre o consumidor final e a valorização dos pequenos produtores do estado e essa é uma oportunidade excelente de aumentar a visibilidade dos nossos produtos. Esse é mais um apoio do Sebrae para colaborar com o nosso crescimento”, afirma.

Nossa Casa Viva

As lives do Nossa Casa Viva se iniciaram no último dia 12 de setembro. Chefs de Foz do Iguaçu, Cascavel, Palmeira, Morretes, Londrina, Itapejara D’Oeste e Maringá já ensinaram suas receitas típicas e divulgaram os produtos de suas regiões. Para acompanhar as lives, acesse o canal do Sebrae/PR no YouTube. Para mais informações, confira o site do Nossa Casa Viva.

Sebrae apresenta ferramentas de apoio à empreendedores no LIDE Paraná Talks

LIDE Paraná Talks desta quarta-feira (24) recebeu Vitor Tioqueta, diretor superintendente do Sebrae PR que apresentou as ferramentas que a entidade tem colocado à disposição dos empreendedores paranaenses para a crise financeira

O Sebrae tem uma atuação fundamental para garantir a saúde de pequenas e médias empresas, e em um cenário onde empreendedores de todos os portes foram atingidos pela crise financeira resultante da Covid-19, a atuação da entidade é ainda mais essencial para manter empregos e a sustentabilidade de negócios. Para entender as iniciativas que a entidade está oferecendo aos empreendedores paranaenses o LIDE Paraná Talks do último dia 24, recebeu o diretor superintende da entidade, Vitor Tioqueta.
“Criamos uma verdadeira força tarefa para dar suporte e apoio aos empreendedores do Paraná reunindo todas as equipes no preparo de produtos digitais para empresários. Essa iniciativa foi essencial para terem condições de atender, desde o primeiro dia de quarentena, todas as empresas do estado que tinham necessidade e precisavam do Sebrae de forma remota” explicou Tioqueta, destacando que o Sebrae já vinha trabalhando no processo de transformação digital.
O Sebrae pausou 100% o atendimento presencial, mas supriu a demanda com ferramentas remotas para dar suporte a todos os programas e serviços “As pessoas preferem o atendimento mais pessoal e nós fizemos isso colocando os telefones disponíveis de todas nossas unidades, além de e-mail e WhatsApp. Esse preparo inicial foi fundamental para que pudéssemos ser rápidos e ágeis para atender a todos de forma eficiente”, afirma Tioqueta.
A medida do isolamento avançou, ele mostrou que muitas empresas não estavam preparadas para ficarem fechadas por um período muito longo, em alguns casos nem por poucos dias. Com a dificuldade em suprir suas necessidades de capital de giro, ou seja, despesas de curto prazo, pagamentos de fornecedores e colaboradores começou uma necessidade de créditos. No entanto, com o período aumentando começaram a surgir outras demandas e foi preciso se reinventar e buscar inovações.
“As empresas precisaram reinventar seus negócios e encontrar diferente maneiras de atender seus clientes. Esse momento trouxe novas oportunidades e a possibilidade de enxergar as necessidades das empresas. As pesquisas mostram que as empresas sofreram um impacto, mas mesmo assim, hoje, temos uma análise otimista de que uma grande parte das empresas está conseguindo abrir, retomar sua produção e vender seus produtos”, declara Vitor.
Claro que, devido ao momento que estamos passando o empresário precisará de um período para se recuperar, para isso existe a necessidade de prazo de pagamento, taxa e carência, mas além disso, ele precisa de garantia. “Muitos empresários, principalmente, micro e pequenas empresas, têm dificuldade de conseguir garantias. O Paraná é muito bem organizado nessa parte, nós temos as Sociedades de Garantia de Crédito (SGC), uma rede de garantia do Paraná que foram criadas a partir de um incentivo do Sebrae para fazer o fundo e ajudar o empresário a garantir o crédito”, destacou.
No início da pandemia o Sebrae fez um acordo com o Governo de Estado onde foi possível aumentar sua participação em 5 milhões na garantidora de crédito, além disso a entidade colocou mais 5 milhões e a Cooperativa Sicoob colocou mais 5 milhões. Esses 15 milhões garantem 150 milhões de créditos para empresários paranaenses. “Quando nós conseguimos fazer esse aumento veio uma possibilidade de buscarem muito mais créditos através dos bancos oficiais”, explicou Tioqueta.
Os empresários estão precisando de orientação, informação e conhecimento para fazerem as mudanças que eles precisam dentro dessas empresas. “O Sebrae está chegando em todas as regiões e está podendo fazer a diferença. Temos tido um resultado muito positivo. As pessoas querem capacitação e estão nos buscando para isso. Isso está dando oportunidade de lançarmos novos produtos digitais”, finaliza Tioqueta.
O Sebrae é um grande parceiro do LIDE em todo o Brasil e no Paraná não é diferente. A presidente do LIDE Paraná, Heloisa Garrett, destacou que as duas entidades estão trabalhando em um plano de desenvolvimento de fornecedores para integrar pequenas, médias e grandes empresas. “Temos um grande poder de mobilização, e vamos trabalhar em ações inclusivas, focadas no fortalecimento das empresas paranaenses”, destaca.
LIDE Paraná Talks – A websérie criada pelo LIDE Paraná tem a finalidade de auxiliar os empresários neste momento de incertezas, trazendo uma rica agenda com participação de especialistas e autoridades em diversos assuntos. Assista o episódio complete em www.lideparana.com.br/talks

LIDE Paraná promove bate-papo com o diretor superintendente do Sebrae PR, Vitor Tioqueta

Nesta quarta-feira (24), às 17h, o LIDE Paraná promove mais um episódio da websérie LIDE Paraná Talks, que traz especialistas e filiados para debates relacionados a assuntos de interesse empresariais para manutenção de negócios durante este momento de incerteza. Nesta edição, o diretor superintendente do Sebrae PR, Vitor Tioqueta, fala sobre a força-tarefa criada pelo Sebrae para auxiliar os empreendedores paranaenses no enfrentamento da pandemia.

O Sebrae Paraná criou uma verdadeira operação para dar suporte e apoio aos empreendedores do estado. Ao longo do bate-papo, os filiados do LIDE Paraná poderão entender com Vitor Tioqueta, como podem ter acesso à esses canais, e somarmos forças para enfrentarmos este momento. Reconhecido pela qualidade do conteúdo e poder de engajamento na classe empresarial, o LIDE Paraná apresenta a websérie ligada à estratégia do LIDE Global em trazer conteúdos online.

Os filiados do LIDE poderão acompanhar e participar exclusivamente da webinar ao vivo. Posteriormente, o material será disponibilizado no canal do LIDE Paraná no Youtube. A apresentação da websérie será feita pela jornalista Mira Graçano e o debate será mediado pela presidente do LIDE Paraná, Heloisa Garrett. Para acompanhar a dinâmica da programação acompanhe o Instagram do LIDE Paraná: @lideparana.

Um pouco sobre o Lide
O Lide – Grupo de Líderes Empresariais é, atualmente, presidido por Luiz Fernando Furlan (chairman do LIDE e presidente do LIDE Internacional) e por Roberto Giannetti da Fonseca (vice-chairman). O grupo conta com mais de 1.700 empresas filiadas, que juntas congregam 57% do PIB privado do Brasil, sendo a mais qualificada plataforma empresarial independente do país. Tem matriz em São Paulo e unidades em diferentes estados brasileiros, além do Paraná. O grupo também está presente internacionalmente, em quatro continentes, nos seguintes países: Alemanha, Angola, Argentina, Chile, China, Estados Unidos, Itália, Marrocos, Moçambique, Portugal, Uruguai e Oriente Médio. As atividades do Lide Paraná têm o patrocínio de gestão da Renault e o Lide Mulher tem o patrocínio do Lady & Lord.

Sebrae/PR mapeia principais linhas de crédito disponíveis para enfrentar a crise

Documento reúne informações atualizadas de bancos públicos e privados, além de cooperativas financeiras, bancos regionais e Fomento Paraná

Crédito: Divulgação

A busca por linhas de crédito tem sido um dos temas mais recorrentes entre empreendedores de micro e pequenas empresas em meio à pandemia do Coronavírus. No âmbito econômico, instituições financeiras, a partir de autorizações do Banco Central, estão disponibilizando linhas de crédito específicas para que os pequenos negócios consigam atravessar o período de crise.

Para facilitar o acesso às informações sobre as linhas disponíveis, o Sebrae/PR produziu uma coletânea das principais linhas de crédito anunciadas pelos bancos públicos como BRDE, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal, além de informações sobre os benefícios concedidos por bancos privados com atuação nacional, cooperativas financeiras e a Fomento Paraná. A listagem e informações estão no ambiente virtual e podem servir como base para a tomada de decisão sobre as melhores condições do mercado financeiro quando o assunto é “linha de crédito”.

Segundo o coordenador de Políticas Públicas do Sebrae/PR, Amberson Bezerra da Silva, o crédito sempre esteve entre os principais gargalos dos negócios. “O empresário precisa ter capital de giro para honrar folha de pagamento e compromissos com fornecedores, por exemplo. Como medidas de apoio na crise, observamos que novas linhas de crédito surgiram e muitas que não ofereciam carência passaram a ter”, explicou.

De acordo com Amberson, o material e as consultorias fornecidas pelo Sebrae/PR buscam orientar o empreendedor no cenário de crise. O consultor alerta que, antes da busca pelo crédito, é necessário verificar financeiro da empresa. “É preciso se planejar, analisar as finanças e depois optar pelo crédito, se necessário”, ressalta.

Atendimento Sebrae/PR

Desde que as medidas oficiais previstas para combater a pandemia do Coronavírus foram anunciadas, o Sebrae/PR promove uma força-tarefa para atender, digitalmente e sem custos, empreendedores de micro e pequenas empresas em todo estado. O contato pode ser feito pelo portal do Sebrae/PR. Nele é possível acessar canais como whatsapp, 0800 570 0800 e telefones regionais, onde o empresário tem acesso orientações, consultorias, exemplos de empreendedores que encontraram soluções inovadoras no momento de crise, além de cursos online com conteúdos diversos.

Empresa paranaense cria treinamento online sobre a Covid-19 para profissionais de saúde

De forma virtual, profissionais podem estudar e simular atendimento a casos clínicos de pacientes com suspeita da doença

Em toda crise há espaço para oportunidades e, principalmente, para fazer o bem. E o que se vê, em todo o Brasil, são exemplos de solidariedade para apoiar aqueles que foram mais impactados pela pandemia do novo Coronavírus. Em Londrina, os profissionais da área da saúde, que atuam na linha de frente no combate à doença, ganharam um treinamento online e gratuito desenvolvido pela empresa Paciente 360, para prepará-los no diagnóstico e tratamento dos casos da Covid-19.

O médico e sócio da empresa, Fabrício Nogueira Furtado, explica que o treinamento é ofertado através de uma plataforma virtual em que o aluno, além de ter acesso a conteúdos teóricos, faz o exercício prático de atender o paciente, um ator simulado no computador.

“Com a chegada do novo Coronavírus ao Brasil, vimos a necessidade de colaborar de alguma forma. Criamos um treinamento específico e liberamos o acesso a todas as funcionalidades, incluindo a formatação de protocolos próprios para hospitais e clínicas”, conta.

Furtado diz que o conteúdo didático foi desenvolvido com o apoio de um médico infectologista de São Paulo e um professor da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Os profissionais que se inscreverem na capacitação poderão estudar quatro diferentes casos clínicos para a Covid-19.

“O aluno tem que interagir com o paciente, investigar e tomar as condutas. Conforme avança, recebe feedbacks do seu desempenho”, explica. O treinamento é dinâmico, tem carga horária de duas horas e material para leitura complementar. No final, os inscritos recebem um certificado de participação.

A consultora do Sebrae/PR, Simone Millan, destaca que esse é mais um exemplo de pequena empresa que se mobilizou para oferecer um serviço gratuito e importante para o enfrentamento da doença. “Cada negócio, dentro da sua especialidade, tem contribuído com iniciativas para solucionar problemas que têm surgido em meio à crise causada pela pandemia”, afirma.

Em pouco mais de uma semana, a plataforma contabilizou mais de 500 acessos ao curso. O treinamento pode ser feito pelo site: https://covid19.paciente360.com.br/.

Pesquisa do Sebrae revela que 89% dos pequenos negócios já enfrentam queda no faturamento

De acordo com o levantamento, caso as medidas de isolamento da população permaneçam por mais tempo, 36% dos empreendimentos devem fechar as portas em um mês

Os primeiros dias de restrição à circulação de pessoas e isolamento social, em decorrência do Coronavírus, já atingem o equilíbrio financeiro das empresas e ameaça a sobrevivência de milhões de pequenos negócios no país. Segundo pesquisa feita pelo Sebrae, 89% das micro e pequenas empresas brasileiras já observam uma queda no seu faturamento. E 36% dos empreendedores afirmam que precisarão fechar o negócio permanentemente, em 1 mês, caso as restrições adotadas até agora permaneçam por mais tempo.

A pesquisa, feita entre os dias 20 e 23 de março, junto a um universo de 9.105 donos de pequenos negócios – sendo 794 (8,7%) deles com sede no Paraná, revelou que, na média, a redução no faturamento das empresas foi de 69%. Os empresários ouvidos pelo Sebrae ressaltam que, mesmo adotando uma estratégia de venda online, o faturamento anual do negócio sofreria uma queda de 74%, caso as políticas de isolamento social sejam mantidas por um período de dois meses.

Com a expressiva queda nas vendas, 54% dos empreendedores já preveem que precisarão solicitar empréstimos para manter o negócio em funcionamento sem gerar demissões. E, avaliando as perspectivas da economia brasileira, 33% dos empresários entrevistados acreditam que o país deve levar um ano ou mais para voltar ao normal.

As medidas de restrição ao deslocamento de pessoas já fizeram com que 42% dos empresários tomassem a decisão de fechar temporariamente o negócio e levou 26% a reduzir a jornada de trabalho da empresa.

Para o presidente do Sebrae, Carlos Melles, a pesquisa confirma a importância e a urgência de medidas de socorro aos pequenos negócios. “As pequenas empresas representam 99% de todos os empreendimentos do país e geram mais da metade dos empregos formais. A situação provocada pela pandemia exige de todos os agentes públicos o compromisso pela busca de soluções concretas e rápidas para os problemas que essas empresas estão enfrentando no dia a dia da crise”, destaca Melles. O presidente do Sebrae ressalta que a instituição está atuando junto às diferentes instâncias de governo, ao Congresso e ao Judiciário para o desenvolvimento dessas soluções. “O Sebrae está, nesse momento, ao lado dos empresários e disponibilizando todo o apoio por meio das diferentes plataformas de atendimento”, destaca.

PRINCIPAIS NÚMEROS DA PESQUISA NO PARANÁ

Como o seu faturamento mensal está sendo afetado?

2% aumentou
4% permaneceu igual
88% diminuiu
Quanto foi a perda em termos de faturamento mensal até este momento?

de mais de 50% - 62 % dos entrevistados
de 41% a 50% - 13 % dos entrevistados
de 31% a 40% - 9 % dos entrevistados
de 21% a 30% - 9 % dos entrevistados
de 11% a 20% - 3 % dos entrevistados
de 6% a 10% - 2 % dos entrevistados
até 5% - 2 % dos entrevistados
Por quanto tempo acredita que o negócio permaneça aberto, com as restrições adotadas até agora?

Mais de 6 meses - 3%
De 5 a 6 meses – 3 %
De 3 a 4 meses – 8 %
De 2 a 3 meses – 30 %
Até 1 mês – 36 %
MAIS NÚMEROS DA PESQUISA NO BRASIL

Ações que já estão sendo adotadas pela empresa

57% disponibilizou álcool-gel p-colaboradores
54% ampliou a limpeza
50% disponibilizou álcool-gel p-clientes
42% fechou temporariamente o negócio
26% reduziu jornada de trabalho
Ações que a empresa ainda vai adotar

40% fechar temporariamente o negócio
28% ampliar a limpeza
26% disponibilizar álcool-gel
26% aumentar vendas on-line
25% fechar permanentemente
Quanto tempo vai demorar para a situação da economia brasileira voltar ao normal?

Mais de 12 meses – 24 %
12 meses – 9 %
6 meses – 19 %
3 meses – 9 %

Produtores rurais se adaptam às mudanças de consumo de alimentos devido à pandemia

É preciso buscar novos canais de venda e repensar formas de relacionamento e atendimento do cliente

Crédito: Divulgação

Apesar de não haver risco de desabastecimento de alimentos no País em virtude da pandemia do novo Coronavírus, os pequenos produtores rurais enfrentam o desafio de chegar até o cliente que, por prevenção, mudou os hábitos de consumo e basicamente tem se alimentado dentro de casa. Com a perda dos principais canais de venda, que são as feiras, bares e restaurantes fechados, temporariamente, os donos de pequenos negócios rurais devem buscar novos canais de comercialização e repensar formas de relacionamento e atendimento ao cliente.

Diante de um momento de crise, é preciso soluções para o negócio e enxergar novas possibilidades, que incluem a realização de parcerias, sejam elas por meio de associações ou cooperativas, para fazer as entregas (delivery) e aumentar o mix de produtos. Além disso, é importante encarar a situação como uma oportunidade de se aproximar do cliente, ouvindo demandas e, assim, fidelizá-lo para que se lembre do seu negócio depois que a crise passar.

Por exemplo, como muitos profissionais estão trabalhando em casa em regime de home office, pode ser uma oportunidade para agregar valor ao produto entregando-o em porções menores, já acondicionadas em kits específicos, como um kit de frutas, kit de folhosas e raízes. Também vale incluir um brinde na hora da entrega ou até mesmo uma sugestão de receita.

Marilini Della Valentina, produtora de verduras e legumes em Umuarama, noroeste do Paraná, vem recebendo pedidos e realizando entregas para os moradores da cidade. Para isso, ela montou um grupo com clientes para divulgar seus produtos pelo whatsapp e tem buscado ampliar o número de clientes. Ela manteve os preços cobrados na feira em que participava, antes da pandemia do Coronavírus. Há a isenção de taxa de entrega para compras acima de R$20.

Segundo ela, as entregas têm sido essenciais para o sustento de sua família. “Temos diversos custos com as nossas produções e essa foi a saída que a gente encontrou para conseguir se manter e conseguir ter algum lucro”, afirma ela.

Juanice Boszcz Brongel, que produz cogumelos, tomates e morangos para molhos e geleias na cidade de Contenda, região metropolitana de Curitiba, também tem investido em entregas para seus clientes, que incluem moradores e alguns estabelecimentos do município e da capital paranaense. Ela percebeu a queda da demanda e, por conta disso, resolveu ajudar outros produtores locais.

“A gente tem estocado alguns alimentos de cinco produtores da região que não estavam conseguindo vender em feiras ou no Ceasa. Dessa forma, eles não perdem aquilo que já plantaram e a gente busca realizar a venda desses produtos também para os nossos clientes. É uma maneira de ajudá-los em um momento tão difícil”, afirma.

Para que os produtos não estraguem, são armazenados dentro das próprias instalações da empresa. Ela também ressalta o cuidado com que o trabalho é feito. “Temos feito tudo de maneira muito organizada, observando os padrões de segurança e higiene para oferecer mais qualidade aos clientes”, ressalta.

O Sebrae recomenda que este momento de quarentena também seja uma oportunidade para os pequenos produtores rurais reunirem a família para discutir e planejar o empreendimento rural com ações de curto, médio e longo prazo. Além disso, devem rever os investimentos da produção para a próxima safra e, se os recursos estiverem apertados, reprogramar a produção, plantando em menos áreas da melhor forma possível sem esquecer da qualidade do processo produtivo.

Atento às necessidades específicas desses empreendedores, o Sebrae preparou um conjunto de sugestões que podem ser adotadas para minimizar os prejuízos com a pandemia do novo Coronavírus:

• Estabeleça novos canais de comercialização, principalmente de pequenos mercados locais. Existe uma tendência de os consumidores buscarem esse pequeno negócio;

• Explore plataformas de comercialização e/ou vitrine de produtos online para encontrar novos clientes. O Sebrae criou a plataforma Mercado Azul para anúncio de produtos e serviços;

• Utilize as redes sociais para divulgar seus produtos e agendas de entregas, criando uma rotina semanal. Ao divulgar a lista de produtos disponíveis, separe-os por grupos de alimentos para melhor visualização;

• Estabeleça um dia e horário da semana para realizar as entregas aos clientes, sempre evitando a aglomeração e o contato físico com as pessoas neste momento. Não se esqueça que é preciso disponibilizar os produtos de forma segura e em condições adequadas de higiene e transporte;

• Utilize a criatividade para o condicionamento do seu kit de produtos por cliente fidelizado para facilitar as entregas. Para isso, realize um planejamento prévio dos produtos que cada cliente deseja consumir, semanalmente.

Atendimento Sebrae/PR

Desde que as medidas oficiais previstas para combater a pandemia do Coronavírus foram anunciadas, o Sebrae/PR promove uma força-tarefa para atender, digitalmente e sem custos, empreendedores de micro e pequenas empresas em todo estado. O contato pode ser feito pelo portal do Sebrae/PR. Nele é possível acessar canais como whatsapp, 0800 570 0800 e telefones regionais, onde o empresário tem acesso orientações, consultorias, exemplos de empreendedores que encontraram soluções inovadoras no momento de crise, além de cursos online com conteúdos diversos.

Sebrae lança campanhas para ajudar os pequenos negócios a superarem a crise do Coronavírus

Durante o mês de abril, "Compre do Pequeno" e "Sebrae ao seu lado" estarão nas TVs aberta e fechada, e na Internet dando orientação à sociedade e aos empreendedores

O Sebrae lança neste sábado (28) duas novas iniciativas com o objetivo de apoiar e orientar os pequenos negócios durante a crise provocada pelo COVID-19. As campanhas “Compre do Pequeno” e “Sebrae ao seu lado” serão veiculadas nas TVs aberta e fechada e na internet. As peças da campanha fortalecem a importância dos pequenos negócios para o país e estimulam a sociedade brasileira a privilegiar as micro e pequenas empresas nesse momento de crise, preservando os negócios locais e milhões de empregos.

A campanha “Compre do Pequeno” alerta que durante esses tempos de isolamento social, é importante cuidar de nós mesmos e das pessoas que estão ao nosso lado e que o ato de priorizar, no momento da compra, a opção pelos pequenos negócios, ajuda a manter a população perto de casa e as micro e pequenas empresas a ficarem mais fortes, mantendo empregos e a economia local funcionando. A campanha estará nos canais de TV aberta e canais por assinatura durante boa parte do mês de abril e nas mídias sociais e portais de notícia até o final de abril.

“Sebrae ao seu lado” é uma campanha que tem como público os Microempreendedores Individuais (MEI), microempresários e donos de pequenos negócios. A campanha lembra que, em tempos difíceis como esse, todo mundo precisa se adaptar e que os empresários não estão sozinhos. Os anúncios estarão nas TVs aberta e por assinatura, bem como nas mídias sociais, informando que o Sebrae continua apoiando os micro e pequenos negócios com uma força tarefa virtual, que está trabalhando para encontrar soluções e oportunidades para que esses empresários possam enfrentar os desafios do momento. Os especialistas do Sebrae estão atendendo por telefone, pelo portal e pelas redes sociais, esclarecendo dúvidas e dando orientações.

O presidente do Sebrae, Carlos Melles, reforça que os pequenos negócios são o alicerce da economia brasileira. “O Brasil tem quase 17 milhões de micro e pequenas empresas, que respondem por quase metade da massa salarial do país e aproximadamente 30% do PIB nacional. Mas, nesse momento, o setor está entre os mais vulneráveis à crise”, destaca Melles. “Por isso, insistimos na importância de incentivar a população a comprar dos pequenos negócios. Mais do que nunca, é hora de priorizar o pequeno comércio de bairro, perto de nossas casas, para a compra de produtos e utilização de serviços pagos, bem como pela internet e por aplicativos”, ressalta o presidente do Sebrae.

Pague agora, leve depois: restaurante de Curitiba aplica nova estratégia de mercado

Micro e pequenos empresários buscam soluções criativas para atravessar a crise

Vouchers poderão ser utilizados sem prazo de validade nem restrição de cardápio. (Foto: Rafael Graminho)

Diversos setores da economia já sentem os efeitos da crise causada pelo Coronavirus. De acordo com um levantamento realizado pelo Sebrae, os pequenos negócios de alimentação fora do lar, lazer e serviços de beleza são os mais afetados. A queda do público e das vendas obriga empreendedores a buscar por soluções criativas para reduzir custos e aumentar a receita. Diversas estratégias são utilizadas por diferentes segmentos para manter o negócio em funcionamento, mas uma delas se destaca pelo inusitado: é o sistema “pague agora, leve depois”.

A utilização de vouchers para consumo não é novidade no setor alimentício, mas os sócios Mario Ferrari e André Smanhotto, do GastroPub Flame, em Curitiba, decidiram modificar a ideia original e oferecer o serviço com o adicional de 20% no valor para o consumo. Ou seja, se o cliente compra um voucher de R$100, pode consumir até R$120 quando o local retornar ao atendimento normal. As vendas dos vouchers são feitas via redes sociais. Os sócios enviam os dados da conta corrente e os clientes retornam com o comprovante de transferência.

“Não há prazo de validade para uso do voucher, nem restrição de produtos. O valor poderá ser utilizado a qualquer momento e para qualquer item do cardápio. Deixamos nossos clientes bastante à vontade para uso do valor adquirido no retorno de nossas atividades”, comenta Mario.

A ideia do Cashback é positiva para os clientes que conseguem consumir um valor mais alto do que aquele que pagaram e também é positiva para os empreendedores, que conseguem manter um giro de caixa neste momento tão crucial do negócio.

“Essa é uma forma de obter capital de giro sem precisar recorrer a empréstimos junto a instituições financeiras. Além disso, acreditamos que isso nos traz uma proximidade ainda maior de nossos clientes. Em meio a tantas notícias ruins, sabermos que há pessoas que acreditam em nossa proposta e que estão se esforçando para nos ver abertos novamente é um alento. Estamos surpresos com a receptividade”, diz Mario.

A ideia surgiu pela necessidade em manter o negócio em funcionamento. O GastroPub havia reaberto há apenas uma semana depois te ter passado quatro meses em reforma para ampliação. Com o capital de giro comprometido, as contas começaram a vencer e foi preciso iniciar uma busca por soluções criativas.

“Passamos a olhar com mais atenção as medidas alternativas que estavam sendo adotadas em outras regiões e nos chamou a atenção que alguns estabelecimentos de São Paulo estavam vendendo vouchers para uso no pós-crise. Porém, dificilmente conseguiríamos replicar com o mesmo efeito modelos bem-sucedidos por lá. Foi então que, depois de fazermos alguns cálculos, entendemos que seria viável retornar 20% do valor dos vouchers às pessoas que nos apoiassem neste momento tão delicado”, conta Mario.

Para a consultora do Sebrae/PR, Vivian Escorsin, o mais importante para o empreendedor neste momento é buscar alternativas para enfrentar a crise. “A estratégia de antecipação da receita com prorrogação na entrega do serviço ou produto é positiva porque gera o recebimento em um momento em que não haveria. Considerando que essa crise não deve se resolver em poucos dias, é importante manter a receita o mais regular possível durante este período”, indica.

O momento pede para que o micro e pequeno empresário seja criativo, busque inovação para o negócio e apresente soluções, mas é importante lembrar que nem toda ideia é viável para todos os negócios.

Atendimento

O Sebrae/PR promove uma força-tarefa para atender digitalmente e sem custos os empreendedores de micro e pequenas empresas em todo Estado, diante das medidas previstas para combater a pandemia do Coronavírus (Covid-19). O contato com essa força de trabalho pode ser feito pelo portal do Sebrae/PR (https://www.sebraepr.com.br/). Nele é possível acessar canais como WhatsApp, 0800 570 0800 e telefones regionais, onde o empresário tem acesso livre e gratuito a orientações, exemplos de outros empreendedores que encontraram soluções inovadoras, dicas de como lidar com a atual situação, além de cursos online com conteúdo diverso.