LIDE Paraná Talks inspira discussão sobre oportunidades Pós Covid-19

Nesta terça-feira (7), às 17h, a websérie do LIDE Paraná entrevista Allan Costa e Jeferson Silva

Em períodos de incertezas é necessário que as pessoas procurem se reinventar, no mundo dos negócios, não é diferente. O momento atual exige que diversos empresários se perguntem como será o Pós Covid-19 e, dentre todas as soluções e iniciativas somadas neste momento, o LIDE Paraná Talks falará sobre as “Oportunidades que deverão surgir Pós Covid-19 e como estar atento a elas”.

Os entrevistados do próximo episódio da websérie do LIDE Paraná são especialistas no quesito se reinventar e inovação, são eles Allan Costa e Jeferson Silva. Allan é Diretor de Inovação e Alianças da ISH Tecnologia, co-fundador da plataforma AAA, investidor de 15 startups e membro do Harvard Business School Startup Angels. Jeferson, filiado ao LIDE Paraná, é co-fundador da HeroSpark, uma das maiores EdTechs da América Latina, nos últimos 10 anos contribui como conselheiro de startups, ajudando na formação e profissionalização das mesmas.

Juntamente com eles, o LIDE Paraná falará sobre, mudanças de hábitos, inovação, tendências e oportunidades para os negócios Pós Covid-19. O programa acontecerá nesta terça-feira (7), às 17h e será aberto para perguntas para nossos convidados. Quiz estão sendo realizados nos perfis oficiais do LIDE Paraná e durante a live, enquetes auxiliam os participantes e entrevistados a nortearem o conteúdo ao vivo. A partir das 20h a versão editada da live será disponibilizada ao público geral em nosso site e canal do Youtube.

"Nós estamos trabalhando para trazer conteúdos que deem suporte, orientação e sobretudo inspirem os empresários paranaenses - destaca a presidente do LIDE Paraná, Heloisa Garrett, que é a mediadora dos programas e tem encabeçado uma série de iniciativas para fortalecer as relações entre os empresários do estado e também fomentado parcerias com outros estados e países, graças a capilaridade do LIDE que está presente em todo o Brasil e em mais de 15 países.

LIDE Paraná Talks - A websérie criada pelo LIDE Paraná tem a finalidade de auxiliar os empresários neste momento de incertezas, trazendo uma rica agenda com participação de especialistas de diversos assuntos. A programação acontece ao vivo de maneira online em nossa plataforma de webnair onde convidados e filiados possuem acesso exclusivo e, após isso são disponibilizadas através do canal LIDE Paraná no Youtube para todos.

Mais informações: www.lideparana.com.br

SACOLEIRAS EM TEMPOS DE LOJAS FECHADAS

Como as sacoleiras do Brás estão mantendo seus negócios

Com todas as apostas voltadas a um período difícil de recuperação pós-coronavirus, as sacoleiras, arrimos de família, vão ter que manter seus negócios ativos para manter seus filhos, pais e muitas vezes, amigas e vizinhas.

Como comprar a mercadoria e manter ativas as suas páginas nas redes sociais e não perder o contato diário com as clientes?

Neste momento, a compra por internet tem se tornado a grande saída para estas mulheres que não podem viajar e que precisam garantir que seus negócios. Segundo Viviane Marrese, CEO do Gironobrás, o marketplace dos fabricantes e lojistas do Brás, as vendas cresceram muito e o site vem sendo acessado por novas clientes nos últimos dias.

Muitas pessoas preferiam viajar para São Paulo para ver o produto e para buscar oportunidades de produtos em promoção, seja da coleção passada ou de algum fornecedor que tivesse muitos produtos com giro baixo. Por conta das lojas e fábricas fechadas, aconteceu uma migração para o online e a surpresa das compradores é que encontraram oportunidades e preços competitivos pela internet, com a vantagem de poderem parcelar a compra em até 12 vezes, correndo um risco menor na compra.

A vantagem da economia em viagens e a possibilidade de escolher as mercadorias com tempo e no melhor momento do dia, tem impulsionado as vendas do site. Muitas das sacoleiras foram surpreendidas com um atendimento diferenciado e carinhoso por parte da equipe do site. Tiram dúvidas, ajudam na escolha do melhor mix e orientam quanto aos produtos de maior saída, até por região do país. O sucesso das clientes se reflete na recompra do site, que teve um crescimento de 140% nos últimos 20 dias.

Para fortalecer ainda mais o comércio local, existem uma campanha forte junto às sacoleiras para escolherem os produtos de qualidade superior. Como o site somente trabalha com empresas brasileiras, desde sua fundação há 3 anos, já existe uma campanha bastante positiva em relação aos modelos e à qualidade diferenciada de produtos, principalmente das fábricas de jeans.

Os fabricantes da região: Black Jeans, Colbie, Darlook, Dinho's, Eruption e Fact Jeans estão trabalhando arduamente há muitos anos para melhorarem as modelagens, acabamento e aumentarem a oferta de modelos. Hoje, os modelos confeccionados no Brás estão alinhados às grandes tendências mundiais e estão prontos para serem exportados e ganhar o mundo em grande escala.

Pague agora, leve depois: restaurante de Curitiba aplica nova estratégia de mercado

Micro e pequenos empresários buscam soluções criativas para atravessar a crise

Vouchers poderão ser utilizados sem prazo de validade nem restrição de cardápio. (Foto: Rafael Graminho)

Diversos setores da economia já sentem os efeitos da crise causada pelo Coronavirus. De acordo com um levantamento realizado pelo Sebrae, os pequenos negócios de alimentação fora do lar, lazer e serviços de beleza são os mais afetados. A queda do público e das vendas obriga empreendedores a buscar por soluções criativas para reduzir custos e aumentar a receita. Diversas estratégias são utilizadas por diferentes segmentos para manter o negócio em funcionamento, mas uma delas se destaca pelo inusitado: é o sistema “pague agora, leve depois”.

A utilização de vouchers para consumo não é novidade no setor alimentício, mas os sócios Mario Ferrari e André Smanhotto, do GastroPub Flame, em Curitiba, decidiram modificar a ideia original e oferecer o serviço com o adicional de 20% no valor para o consumo. Ou seja, se o cliente compra um voucher de R$100, pode consumir até R$120 quando o local retornar ao atendimento normal. As vendas dos vouchers são feitas via redes sociais. Os sócios enviam os dados da conta corrente e os clientes retornam com o comprovante de transferência.

“Não há prazo de validade para uso do voucher, nem restrição de produtos. O valor poderá ser utilizado a qualquer momento e para qualquer item do cardápio. Deixamos nossos clientes bastante à vontade para uso do valor adquirido no retorno de nossas atividades”, comenta Mario.

A ideia do Cashback é positiva para os clientes que conseguem consumir um valor mais alto do que aquele que pagaram e também é positiva para os empreendedores, que conseguem manter um giro de caixa neste momento tão crucial do negócio.

“Essa é uma forma de obter capital de giro sem precisar recorrer a empréstimos junto a instituições financeiras. Além disso, acreditamos que isso nos traz uma proximidade ainda maior de nossos clientes. Em meio a tantas notícias ruins, sabermos que há pessoas que acreditam em nossa proposta e que estão se esforçando para nos ver abertos novamente é um alento. Estamos surpresos com a receptividade”, diz Mario.

A ideia surgiu pela necessidade em manter o negócio em funcionamento. O GastroPub havia reaberto há apenas uma semana depois te ter passado quatro meses em reforma para ampliação. Com o capital de giro comprometido, as contas começaram a vencer e foi preciso iniciar uma busca por soluções criativas.

“Passamos a olhar com mais atenção as medidas alternativas que estavam sendo adotadas em outras regiões e nos chamou a atenção que alguns estabelecimentos de São Paulo estavam vendendo vouchers para uso no pós-crise. Porém, dificilmente conseguiríamos replicar com o mesmo efeito modelos bem-sucedidos por lá. Foi então que, depois de fazermos alguns cálculos, entendemos que seria viável retornar 20% do valor dos vouchers às pessoas que nos apoiassem neste momento tão delicado”, conta Mario.

Para a consultora do Sebrae/PR, Vivian Escorsin, o mais importante para o empreendedor neste momento é buscar alternativas para enfrentar a crise. “A estratégia de antecipação da receita com prorrogação na entrega do serviço ou produto é positiva porque gera o recebimento em um momento em que não haveria. Considerando que essa crise não deve se resolver em poucos dias, é importante manter a receita o mais regular possível durante este período”, indica.

O momento pede para que o micro e pequeno empresário seja criativo, busque inovação para o negócio e apresente soluções, mas é importante lembrar que nem toda ideia é viável para todos os negócios.

Atendimento

O Sebrae/PR promove uma força-tarefa para atender digitalmente e sem custos os empreendedores de micro e pequenas empresas em todo Estado, diante das medidas previstas para combater a pandemia do Coronavírus (Covid-19). O contato com essa força de trabalho pode ser feito pelo portal do Sebrae/PR (https://www.sebraepr.com.br/). Nele é possível acessar canais como WhatsApp, 0800 570 0800 e telefones regionais, onde o empresário tem acesso livre e gratuito a orientações, exemplos de outros empreendedores que encontraram soluções inovadoras, dicas de como lidar com a atual situação, além de cursos online com conteúdo diverso.

A recomendação da Organização Mundial da Saúde para ficar em casa

Como forma de prevenir a disseminação do novo coronavírus fez com que empresas expandissem a prática de home office ou a implementassem pela primeira vez. Reunimos depoimentos de profissionais que atuam nos setores de tecnologia e mobilidade elétrica para sabermos quais os pontos positivos e os desafios de se trabalhar de forma remota, principalmente para minimizar o avanço da covid-19.

Douglas Klassen, analista de Negócios da Anker, marca americana de acessórios para carregamento de dispositivos e soluções portáteis de áudio.

Pessoa posando para foto em frente a computador Descrição gerada automaticamente“Evitar o trânsito e tempo de transporte são as principais vantagens do trabalho remoto. Isso permite com que eu acorde com mais disposição e contribui muito em todas as tarefas do dia. Sinto a falta de contato pessoal, o que contorno bem com as ferramentas de comunicação digital, as mesmas que também ajudam na manutenção da produtividade. O principal desafio é entender que o novo local de trabalho é o mesmo do descanso. Por isso, é muito importante separá-los, de alguma maneira. Neste sentido, visto-me como se estivesse na empresa e tenho um espaço preparado especificamente para ser a minha estação de trabalho.”

Jonatan Alan, analista de projetos da unidade de tecnologias educacionais da Positivo.

Homem sentado em frente a mesa com computador Descrição gerada automaticamente“Minha produtividade melhorou. Fico muito mais focado estando em casa, mesmo com toda a família por aqui. Consigo ouvir música durante minhas atividades, o que potencializa a criatividade. Se algo gera estresse, posso abraçar meu cachorro. Isso é muito confortante. Em alguns momentos do dia sinto falta de conversar com as pessoas, por isso criei o hábito de convidá-las para um encontro on-line e, pouco a pouco, vamos nos acostumamos com essa interação virtual. Para um home office efetivo, ter atividades bem definidas e disciplina é fundamental. ”

Mateus Renosto, Relações Públicas da Hitech Electric, empresa especializada em soluções de mobilidade elétrica que lançou o primeiro carro autônomo elétrico do Brasil.

Homem sentado em frente a computador Descrição gerada automaticamente“O melhor do trabalho remoto é, sem sombra de dúvidas, o ganho de tempo. O que antes era gasto no deslocamento, agora pode ser utilizado para fazer outras coisas. Por outro lado, é desafiador manter a rotina, gerenciar as distrações e elevar a produtividade. É importante fixar um local de trabalho e seguir estabelecidos de expediente. A empresa segue funcionando nestes tempos de pandemia e a minha contribuição se torna ainda mais importante. A única diferença entre desempenhar o trabalho no escritório ou em casa é que as pessoas vão te ver com roupas informais e conhecer um pouco da sua residência. ”

Roberto Silva, gerente comercial da Accept, empresa especializada na produção e comercialização de Servidores, Storages, Workstations, GPUS Appliances de alta performance, Mini PCs, Desktops e Soluções em computação de alto desempenho.

downloadAttachment&Message%5Buid%5D=165261&Message%5Benvelope%5D%5Bmessage-id%5D=%253C8e43d1c478401a22c7a3169ca15d6c46%2540mail.gmail.com%253E&Message%5BmailBox%5D%5Bmailbox_id%5D=INBOX&MessageAttachment%5B%5D%5Battachment_id%5D=%3C8e43d1c478401a22c7a3169ca15d6c46%40mail.gmail.com%3E-1.9“Trabalhando em São Paulo, o home office agrega ainda mais na economia de tempo. Você pode investir esse ganho na vida familiar, em hobbies, projetos pessoais e na saúde. Por sermos seres sociais, o isolamento é um desafio do home office, principalmente em função da covid-19. As ferramentas de comunicação on-line atenuam a necessidade de interação. Em termos financeiros, há impacto. A casa vai ficar um bom tempo mais ativa e isso aumenta gastos. A maior recomendação para um home office eficiente é organização. É necessário separar um espaço na residência e não se distrair. É preciso também comprometimento com as atividades, consigo e com a empresa. Só mudamos de ambiente. O restante segue no mesmo ritmo.”

Elton John Bonfim, especialista de produtos da VAIO, marca de computadores pessoais representada no Brasil pela Positivo Tecnologia.

Homem sentado em frente a computador Descrição gerada automaticamente“Percebi um ganho de produtividade e na qualidade do trabalho. Consigo ser mais eficiente quando estou sozinho, mas isso é bem pessoal. Outro ponto positivo é a qualidade vida. Sem deslocamentos, ganhamos tempo. Em casa, é preciso ter ainda mais disciplina, manter boa alimentação e tirar o pijama. Colocar uma roupa, mesmo que casual, faz parte do ritual. Nosso cérebro precisa desses sinais. Por outro lado, relacionamento com as pessoas fica menos frequente. Mas minimizo esse fato ao interagir on-line com minha equipe e outros colegas. Entendo que será um período diferente, em que vamos desenvolver outros hábitos e criar novas formas de se relacionar e trabalhar. Esse é o lado bom da crise mundial relacionada ao novo coronavírus”.

Pequenos negócios de chocolate e doces buscam alternativas para driblar a perda de clientes na Páscoa

Com a crise provocada pela pandemia do coronavírus, empresas estão investindo, principalmente, nas mídias sociais para se aproximar do público

A Páscoa, principal período de vendas para a indústria do chocolate durante o ano, se transformou, em 2020, em um dos maiores desafios já encarados pelos setores. Com a crise provocada pela pandemia do coronavírus, os empresários que esperavam um crescimento de 5% a 10% nas vendas este ano (de acordo com pesquisas do segmento), estão tendo de criar soluções alternativas para reduzir o impacto com a restrição de deslocamento dos clientes imposta em praticamente todos os estados.

A crise foi um duro golpe para a empreendedora de Curitiba, Rosana Correa, que já trabalhava com doces há dois anos, mas que começou a se dedicar exclusivamente à atividade no final de 2019. Ela já havia comprado embalagens e produtos para a produção de ovos de páscoa e outros doces, além de ter recebido as encomendas quando a pandemia atingiu o país. “Com a situação atual fiquei com receio de atender os clientes, mesmo com todos os cuidados e com a utilização de recursos como o delivery. Comecei a me preocupar com os prejuízos que teria”, afirma.

Foi quando ela descobriu a campanha nas redes sociais “Páscoa Adiada” #pascoaatéjunho, criada por confeiteiros de diferentes locais para estender os pedidos da data para o mês de junho, período que daria um fôlego para a produção dos confeiteiros. Ela resolveu aderir à campanha e o resultado foi bem recebido pelos clientes. “Muitos clientes me apoiaram. Alguns estavam pensando em cancelar os pedidos voltaram atrás e outros realizaram até mesmo mais pedidos. Acredito que dessa forma poderemos produzir com mais segurança qualidade para o nosso cliente”, ressalta a empresária. Com isso, ela espera começar a produzir os ovos em maio e assim recuperar boa parte das vendas perdidas ao longo do período de Páscoa.

A empresária Adeline Torquato, de Pinhais, região metropolitana de Curitiba, também afirmou que as vendas devem ser muito prejudicadas por conta da crise do coronavirus, especialmente por forçar uma contenção de gastos durante a Páscoa para muitas pessoas. Ela afirma que deve intensificar os informativos para a realização de encomendas e retomar o delivery de ovos e doces. “Queremos estimular a realização de mais pedidos por parte de nossos clientes para que possamos atingir um faturamento mínimo para manter as contas em dia”, explica.

Atento às necessidades específicas desses empreendedores, o Sebrae preparou um conjunto de sugestões que podem ser adotadas para reduzir as perdas com a pandemia do Coronavírus.

CUIDADOS FINANCEIROS

O momento pede que empreendedores revejam seus gastos e cuidem do controle do fluxo de caixa. Repense expectativas de vendas, evitando compras desnecessárias, inclusive para o período da Páscoa. Se trabalha com encomenda, peça mais prazo de produção para seu cliente. Se tem contas em aberto com fornecedores, renegocie prazos de pagamentos. Se necessário, reduza sua oferta (mix) de produtos, trabalhando apenas com aqueles que garantem boa margem de lucro, priorizando liquidar o estoque acumulado e não fazer compras arriscadas. A hora é de apertar os cintos.

CUIDADOS COM A PRODUÇÃO

Todo estabelecimento de alimentação deve cumprir as Boas Práticas de Fabricação (BPF) e manipulação de alimentos. No cenário atual, as BPFs devem ser revistas e implementadas por completo, caso haja falhas de operação, conforme estabelece a RDC ANVISA nº 216/04, disponível em no link. A RDC deve ser lida e compreendida, destacando-se que os responsáveis pela manipulação devem ter conhecimentos sobre contaminantes alimentares, doenças transmitidas por alimentos, manipulação higiênica dos alimentos e boas práticas. Um exemplo de cuidados é a redução de microrganismos presentes na pele em níveis seguros, durante a lavagem das mãos com sabonete antisséptico ou por uso de agente antisséptico (como o álcool 70%) após a lavagem e secagem das mãos. Luvas e máscaras também podem ser aliadas, mas devem ser substituídas com frequência. No Portal do Sebrae estão disponíveis materiais orientativos, incluindo um curso EAD de boas práticas, disponível no Portal do Sebrae.

CUIDADOS COM A SAÚDE

Esteja atento à sua saúde e das pessoas ao seu redor, seja sua família, fornecedores ou clientes. Respeite as distâncias e oriente a todos sobre as cautelas necessárias. Muitas confeitarias são formadas por empreendedores que trabalham sozinhos, ou que contam com poucos auxiliares. É fundamental que você ou seu colaborador se afaste totalmente da produção caso haja suspeita da doença ou de contato com doentes, ainda que a princípio pareça um leve resfriado. Monitore a temperatura corporal e esteja atento a tosses e falta de ar.

REPENSANDO O MODELO DE NEGÓCIO

É importante repensar o modelo de negócio nesse momento. Se a empresa trabalha com um ponto fixo, a alternativa para driblar a falta dos clientes é investir imediatamente nas mídias sociais, nas plataformas de comércio eletrônico e nos aplicativos de entrega. Comunique ao cliente (o que muitas vezes acontece por aplicativos de comunicação e redes sociais) que seu negócio está adotando todas as medidas cabíveis que prezam pela segurança e qualidade do seu produto. Atente-se para que todos os seus fornecedores e prestadores de serviço (como entregadores) também tenham todo o cuidado necessário com o coronavírus.

OPORTUNIDADES PARA CONFEITARIAS
Para a confeitaria, o momento é mais propício para produtos que sejam protegidos (embalados individualmente). Alimentos a serem compartilhados (como bolos de corte) são um possível foco de contaminação no momento de o cliente compartilhá-los com seus amigos e familiares. Além disso, o adiamento de diversos eventos e confraternização limitarão essas demandas. A confeitaria apresenta muitos produtos de tamanhos menores, e apostar nessas opções, embalando-as individualmente, é uma oportunidade. Nessa linha de produtos, entram os brownies, cupcakes, pão de mel, docinhos, bolo de amanhã, bolo no pote, dentre outros.

A tecnologia como forma de imunizar o seu negócio

Por *Otávio Amaral

Mais do que uma doença infecciosa, o Covid-19 é um teste de competência ao mercado global: para sobrevivermos, precisamos provar nossa capacidade de adaptação e de gerar soluções e inovações rápidas e eficientes.

O desafio é imenso, mas, ao contrário das pandemias anteriores, agora possuímos um importante aliado: a tecnologia digital!

Se, durante outros surtos, não tivemos as ferramentas necessárias para preservar o bem-estar coletivo e a saúde econômica paralelamente, desta vez nós temos.

A internet foi, até aqui, protagonista de grandes controversas: um espaço com poucas leis, saturado de informações – nem sempre verídicas – e capaz de minar e adoecer a psique contemporânea. No entanto, usada com inteligência e responsabilidade, ela é um poderoso recurso no controle e superação dos riscos e avarias atuais.

Muitas empresas estão usando esta tecnologia como instrumento para a manutenção de suas atividades, diminuição de danos e elaboração de estratégias para recuperação da crise.

E ela ainda nos permite preservar ou melhorar não somente o desempenho de nossos negócios, mas também o de nossos colaboradores.

Por exemplo, a principal tática implementada pelo mercado corporativo está sendo o trabalho remoto (home office). Graças a isso, pudemos assegurar a continuidade de nossas funções sem comprometer a vida dos envolvidos. É claro que esta solução apresenta dinâmicas inéditas para muitas organizações e dificuldades também. Mas ultrapassado esse período, teremos, todos, adquirido muita experiência, conhecimento e confiança para enfrentar futuras transformações de cenário

Existe aprendizado aqui e precisamos estar abertos a ele.

Outro auxílio fundamental prestado pela internet é a possibilidade de trocarmos informação e sabedoria de forma instantânea e massiva. Com ela, a comunicação entre população, inciativas públicas e privadas, lideranças, comunidade científica, ganha um caráter imediato e eficiente. Ainda que estejamos isolados – para conter a propagação do vírus – estamos conectados e compartilhando sabedoria, notícias, soluções e esperanças.

Por fim, devemos a esta tecnologia a possibilidade de gerarmos saídas e caminhos alternativos, que contribuem para a movimentação econômica. Ou seja, podemos prestar serviços e atendimentos online, realizar videoconferências, fazer pedidos e efetivar entregas sem contato.

O mercado, neste contexto, também não é só de ameaças, ele oferece oportunidades para quem for capaz de inovar e gerar soluções. Um ótimo panorama para startups e e-commerces desenvolverem novos negócios de forma criativa e útil.

Tecnologia digital sempre foi a força motriz do Empresômetro. Por meio dela, temos a habilidade e a inteligência de compreender o mercado e auxiliar no progresso e assertividade de outras empresas. Sempre investimos nisso e sempre compreendemos seu caráter imprescindível. Essa expertise nos possibilitou implementar, com extrema agilidade, o trabalho 100% home office sem prejudicar nossa performance e atendimento.

Por também compreendemos nosso papel social e para proteger o bem-estar de nossos colaboradores, asseguramos o emprego de cada um deles e disponibilizamos 1ª parcela do décimo terceiro para casos emergenciais. Acreditamos que a inciativa privada não tem somente desafios e oportunidades em seu horizonte, mas, principalmente, muitas responsabilidades. E, por isso, estamos fazendo tudo para nos posicionarmos da forma mais humana e comprometida neste momento.

E a sua empresa, como está lidando com o período de crise? Vamos trocar e compartilhar ideias, angústias e, principalmente, soluções!

*Otávio Amaral é CEO do Empresômetro – Empresa voltada a inteligência de mercado. Suas ferramentas incluem listas de prospecção, que possibilitam maior assertividade, além de oferecer soluções que utilizam a mais alta tecnologia da informação, garantindo segurança na tomada de decisão de gestores de grandes empresas, como também proporciona conhecimento de mercado para pequenas e médias empresas através da ferramenta online, Empresômetro Listas.

Pequenos negócios de alimentação fora do lar, lazer e serviços de beleza serão os mais atingidos pelo Coronavírus

Sebrae reúne dicas para os empresários dos segmentos que atuam com interação direta com o público para reduzir impactos negativos do Covid 19

A notificação dos primeiros casos de COVID 19 no Brasil deu início à adoção de um conjunto de medidas restritivas à circulação de pessoas na maioria das cidades brasileiras. Espaços públicos como cinemas, academias de ginástica, universidades, escolas e outros estabelecimentos públicos e privados estão fechando as portas e estimulando a política do home office (trabalho em casa). O resultado é que diversos setores econômicos já começam a sentir o impacto da falta de clientes. A queda de público e de vendas está levando as empresas, em especial os pequenos negócios, a adotar medidas emergenciais para reduzir custos e aumentar a receita, buscando equilibrar o caixa durante o período mais agudo da crise. Preocupado com a situação dos pequenos negócios, mais sensíveis à queda do consumo, o Sebrae está desenvolvendo um conjunto de orientações para auxiliar os empreendedores na adoção de medidas que reduzam o impacto da crise.

Segundo os especialistas do Sebrae, os segmentos mais sensíveis aos efeitos econômicos do Coronavírus são exatamente aqueles onde normalmente se dá uma maior interação presencial com os clientes, como: alimentação fora do lar, setor turístico, varejo tradicional, economia criativa (shows, teatros...), serviços de beleza, entre outros. Pensando nas particularidades específicas de cada grupo, o Sebrae preparou um conjunto de informações para ajudar os empreendedores a enfrentarem a crise de forma mais profissional e qualificada. Além desses segmentos, também gera preocupação o setor de negócios que têm como insumos matéria prima importada, principalmente da China. A paralização da produção da indústria chinesa deve afetar diretamente as empresas que atuam na área de eletrônicos, peças para o setor automotivo, têxtil, entre outras.

Planejamento

Um primeiro cuidado, que deve ser comum a todos os empresários independente do segmento de atuação, é redobrar a atenção com o planejamento. Os especialistas do Sebrae alertam que é importante estar atento às mudanças dos hábitos de consumo. Neste momento em que boa parte da população deve permanecer em casa, o foco do consumidor vai estar voltado principalmente para produtos e serviços essenciais. Por isso, é importante estar preparado para a oscilação das vendas. Nesse contexto, é fundamental realizar o planejamento de cenários para entender as implicações financeiras e operacionais caso a crise se estenda por um período prolongado. Também é recomendado que os donos de pequenos negócios digitalizem processos e ferramentas para integrar planejamento, demanda, suprimento e capacidade de produção e entrega.

“Os empresários devem ainda monitorar e ter soluções para a falta dos funcionários no local de trabalho. Vale implementar planos para continuar suas funções essenciais de negócios, caso você sofra com uma ausência de colaboradores acima do normal. Nesse sentido, é crucial treinar a equipe para desempenhar funções essenciais da empresa, de modo que o negócio possa operar mesmo que os principais funcionários estejam ausentes”, orienta o gerente de Competitividade do Sebrae, César Rissete. “Os empreendedores devem estar preparados para alterar suas práticas de negócio, se necessário, para manter operações críticas ao funcionamento da empresa. Por exemplo: identificar fornecedores alternativos, priorizar clientes ou suspender temporariamente algumas de suas operações, se necessário”, acrescenta.

Abaixo, confira as dicas específicas para os segmentos mais impactados. Mais orientações, no portal: https://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/coronavirus

Dicas Setoriais:

Alimentação Fora Do Lar

Reforce a importância de seguir os procedimentos de higiene na cozinha, no salão e no escritório.
Reduza em 1/3 quantidade de meses e estabeleça uma distância entre as mesas de 2m.
Aumente a prática da entrega direta por delivery ou incentive o consumidor a encomendar e buscar no restaurante – (Grab and Go).
Negocie com aplicativos de delivery a redução da cobrança de taxa.
Busque fontes alternativas de suprimentos, com diversificação de fornecedores preferencialmente locais.
Verifique o modal de transporte para reduzir o tempo de reposição.
Preste atenção no prolongamento dos prazos de entrega para avaliar o desempenho e a capacidade de acordo com as promessas do fornecedor e entrega ao cliente.
Beleza

Intensifique a higienização diária. Limpe periodicamente todas as superfícies com álcool gel 70%: maçanetas, balcão, recepção, bancadas, cadeiras (inclusive braços) e lavatório.
Ofereça álcool gel 70% para todos os clientes na entrada do estabelecimento e a todos os parceiros e colaboradores.
Reforçar a importância da troca de toalhas e capas a cada cliente.
Reforce a obrigatoriedade de uso da autoclave para os perfuro-cortantes, abrindo a embalagem na frente do cliente.
Aumente as distâncias entre as cadeiras e lavatórios para o mínimo de 1,5m.
Divulgue nas redes sociais que o ambiente segue todas as medidas de contenção da propagação do COVID 19.
Não faça demissões nesse primeiro momento para não perder empregados já preparados e não assumir custos com demissão. Se for necessário, antecipar as férias pode ser uma alternativa.
Promova a venda delivery de cosméticos home care, elaborando kits de produtos que atendam às necessidades das clientes. Melhor ainda se forem personalizados, conforme histórico de procedimentos.
Feiras Livres

Faça um planejamento emergencial de modo que você possa trabalhar com delivery, mesmo que de forma temporária.
Planeje com seus fornecedores alternativas de abastecimento no caso da paralização das atividades dos centros de abastecimento.
Adote uma política de atendimento direto ao cliente via telefone ou Whatsapp.
Indústria de eletroeletrônicos

Identifique potenciais fornecedores nacionais que poderiam substituir insumos importados
Determine os insumos realmente críticos (volume de acordo com a necessidade de médio prazo), entenda os riscos dos fornecedores diretos e subcontratados.
Logística e transporte

Limpe e desinfete seu veículo. Preste atenção especial às superfícies com as quais você e os usuários entram em contato frequentemente (especialmente importante para motoristas de transporte individual)
Mantenha as janelas do automóvel abertas para fazer o ar circular melhor.
Moda – Indústria e Varejo

Aumente a ventilação natural do espaço de produção. Caso tenha que usar ar condicionado, verifique se os filtros se encontram limpos.
Priorize os fornecedores locais para evitar falta ou atraso de entrega.
Serviços Educacionais

Substituição excepcional das aulas presenciais por virtuais, tendo como apoio o uso de ferramentas tecnológicas. Sugere-se, inclusive, que esta opção de atendimento ao aluno seja contabilizada como atividade letiva.
Para as escolas que não têm plataforma de ensino à distância, deve-se analisar a possibilidade de uso em caráter emergencial.
Adiar eventos extracurriculares, como feiras culturais, gincanas ou torneios desportivos.
Turismo

Aproveitar o momento de baixa para fazer melhorias na infraestrutura.
Definir política de cancelamento e adiamento das reservas dos serviços.
Definir e implementar comunicação com clientes e fornecedores.
Comunicar ao cliente para adiar e não cancelar a viagem
Economia Criativa

Distribuição de conteúdo via serviços de streaming
Transformar eventos presenciais em transmissões online, alinhadas ao movimento dos MOOCS (Massive Open Online Courses).

Empreendedorismo digital gera receita e renda para artesãos

Mercado do artesanato movimenta R$ 50 bilhões de reais e sustenta direta ou indiretamente 10 milhões de pessoas no país

Comando News - Cada vez mais pessoas buscam no artesanato uma fonte de renda principal ou adicional no Brasil. Segundo dados do Sebrae, o setor de artesanato movimenta cerca de R$ 50 bilhões ao ano e sustenta direta ou indiretamente 10 milhões de pessoas no país.

Com a democratização do acesso à internet e a popularização das mídias digitais, muitos artesãos vêm expandindo seus negócios para além dos limites de seus estados. Um exemplo de empreendedorismo digital é Maristela Dias, artesã especializada em biscuit, que fez da internet a sua principal aliada na hora de colocar seus produtos no mercado. Suas lembrancinhas de aniversário e maternidade, velas, topos de bolo, chaveiros e outros elementos em biscuit são comercializados e enviados para todo o país por meio de suas lojas virtuais própria e em marketplaces especializados em artesanato. Além disso, o WhatsApp e o Google também tem um papel fundamental para o sucesso de seu negócio.

Segundo a artesã, os estados do sul, sudeste e centro-oeste são os que mais consomem os produtos que são especialmente desenvolvidos para o segmento infantil. “Meu artesanato já alcançou lugares que eu nem poderia imaginar quando comecei essa jornada, há 16 anos. As vendas digitais já são a parte mais representativa do faturamento da minha empresa. Porém, o contato com as pessoas também é muito importante, por isso, busco participar de eventos e feiras e ministrar cursos ao longo do ano”, conta Maristela.

Artesanato como alternativa de renda e satisfação profissional
Graduada como tradutora e intérprete da Língua Espanhola, Maristela entrou de vez no universo do artesanato quando foi desligada de uma instituição de ensino superior há 12 anos. “Na época, minha filha era pequena e, como muitas mulheres, procurei uma atividade que me permitisse ficar mais conectada com ela. Experimentei trabalhar com vários materiais meias de seda, velas, EVA e madeira, mas foi com o biscuit que me encontrei”, relembra a artesã.

Atualmente, a artesã lança coleções inspiradas em datas especiais, cidades, animais, heróis e personagens da moda entre outros temas. “Na minha rotina de trabalho o que não falta é criatividade. Afinal, o cliente pode customizar os itens em biscuit de acordo com seu gosto e isso é muito gratificante para mim”, finaliza Maristela que é muito bem avaliada pelos seus clientes em suas redes sociais.

Sobre Maristela Dias Antoniacomi

A curitibana Maristela Dias Antoniacomi é graduada como tradutora e intérprete da Língua Espanhol pela PUC/PR onde também trabalhou por 12 anos na área administrativa. Atualmente, é sócia proprietária da Alquimias Biscuit, empresa que confecciona e vende peças infantis em porcelana fria (biscuit).

Sobre a Alquimias Biscuit by Maristela Dias
A Alquimias Biscuit foi criada há 16 anos anos pelo casal Maristela Dias Antoniacomi e Valmir Antoniacomi e, ao longo dos anos, tornou-se referência na confecção de peças infantis em biscuit. Atualmente, conta com um amplo portfólio de produtos como topos de bolo, velas, marcadores de páginas, enfeites para cuia, adereços para laços, chaveiros, lembracinhas para festas e maternidade e itens personalizados em porcelana fria. A empresa atende todo o Brasil por meio da internet pelo site https://www.alquimias.com.br/ ou pelas redes sociais https://www.facebook.com/alquimiasbiscuitartesanato/ e https://www.instagram.com/alquimiasbiscuit/

Condor comemora “Dia do Consumidor” com uma semana inteira de ofertas

Para comemorar o Dia do Consumidor, o Condor Super Center está presenteando seus clientes com uma semana inteira de ofertas em todos os departamentos, válidas para todas as lojas da rede. As promoções começam nessa segunda, dia 9 e seguem até o dia 15 de março, com novas ofertas a cada dia.
Entre as ofertas da “Semana do Consumidor Condor”, válidas durante toda a semana de 09/03 a 15/03, estão:
- Cápsulas de café ou chás (exceto Starbucks), leve 3, pague 2. A promoção é válida para produtos do mesmo tipo, peso, quantidade e marca;
- Todos os sabões líquidos 3 Litros com 50% de desconto na 2ª unidade. A promoção é exclusiva para cliente Clube Condor e válida para produtos do mesmo tipo, peso, quantidade e marca;
- Ovo de Páscoa Nestlé 150g (Surpresa e Lol), por R$ 37,99 cada;
- Ovo de Páscoa Garoto 350g Talento Avelã, por R$ 34,90 cada;
- Celular Samsung A20A207, por R$ 996,00 cada ou 24x sem juros no cartão Condor de R$ 41,50.
Já para essa segunda-feira (09/03) e terça-feira (10/03), algumas das ofertas que o cliente encontra válidas apenas para esses dois dias são:
- Todos os chás 1,5 Litro com 50% de desconto na 2ª unidade. A promoção é válida para produtos do mesmo tipo, peso, quantidade e marca;
- Todas as águas de coco 1 Litro com 50% de desconto na 2ª unidade. A promoção é válida para produtos do mesmo tipo, peso, quantidade e marca;
- Toda a linha Old Spice, leve 3, pague 2. A promoção é válida para produtos do mesmo tipo, peso, quantidade e marca;
Para quarta-feira (11/03) e quinta-feira (12/03), algumas das ofertas que o cliente encontra válidas apenas para esses dois dias são:
- Todos os refrescos em pós leve 6, pague 5. A promoção é válida para produtos do mesmo tipo, peso, quantidade e marca;
- Linha Huggies (exceto lenços umedecidos e fraldas) com 50% de desconto na 2ª unidade. A promoção é exclusiva para cliente Clube Condor e válida para produtos do mesmo tipo, peso, quantidade e marca;
- Toda a linha Sorriso leve 3, pague 2. A promoção é exclusiva para cliente Clube Condor e válida para produtos do mesmo tipo, peso, quantidade e marca;
E para sexta-feira (13/03), sábado (14/03) e domingo (15/03), algumas das ofertas que o cliente encontra em todas as lojas Condor, válidas para os três dias são:
- Toda a linha Niely Gold com 50% de desconto na 2ª unidade. A promoção é válida para produtos do mesmo tipo, peso, quantidade e marca;
- Ovo de Páscoa Nestlé 337g Alpino, por R$ 37,99 cada;
- Chocolate Nestlé 41,5g Kut Kat sabores, por R$ 1,79 cada;
Outras ofertas podem ser conferidas em www.condor.com.br/semana-consumidor.
Além disso, os clientes contam com um parcelamento diferenciado no Cartão Condor: em até 3x sem juros para compras de produtos de mercearia, bebidas, congelados, higiene e limpeza; em até 10x sem juros para bazar, produtos automotivos, produtos de pet shop e têxtil; e em até 24x sem juros para eletro.
O endereço do Condor mais próximo e o horário de funcionamento de podem ser consultados em www.condor.com.br.

Empreendedora inova em conceito de moda brechó no ABC Paulista

Casa Dondoca conta com localização privilegiada,
ambiente pet friendly, arquitetura e decoração instagramável e outros diferenciais

Uma imagem contendo edifício, ao ar livre, carro, céu Descrição gerada automaticamente

Abraçando a ideia de empreendedorismo feminino com o impulso em inovar no conceito de moda brechó consciente, a empresária Camila Scarpa inaugura a Casa Dondoca Vende Tudo. Inicialmente conhecida há um ano pelo instagram e posteriormente e-commerce e duas salas comerciais, agora seu objetivo tem endereço oficial. Além dos 30 mil seguidores no instagram, a publicitária conquista mulheres e homens de diversas idades que se inspiram e envolvem na ideia.

A expansão foi realizada por conta do pedido de seguidoras ativas envolvidas em todas as ações do Dondoca Vende Tudo, além do crescimento exponencial do acervo, que hoje abrange mais de 4 mil peças. “Feliz em nosso projeto ter sido abraçado com tanto amo por Santo André e por saber que nossa luta pela moda inteligente poderá contar com tantas pessoas”, conta a profissional.

Uma imagem contendo pessoa, interior, parede, mantendo Descrição gerada automaticamente downloadAttachment&Message%5Buid%5D=163366&Message%5Benvelope%5D%5Bmessage-id%5D=%253C033801d5f64b%2524ad1ee1c0%2524075ca540%2524%2540agenciacaro.com%253E&Message%5BmailBox%5D%5Bmailbox_id%5D=INBOX&MessageAttachment%5B%5D%5Battachment_id%5D=%3C033801d5f64b%24ad1ee1c0%24075ca540%24%40agenciacaro.com%3E-1.4

Uma imagem contendo pessoa, edifício, ao ar livre, em pé Descrição gerada automaticamente Uma imagem contendo pessoa, interior, parede, vestuário Descrição gerada automaticamente Uma imagem contendo pessoa, interior, em pé, comida Descrição gerada automaticamente

A empreendedora ainda ressalta a respeito da inovação de moda consciente que a marca traz: “Estamos no caminho certo! Queremos revolucionar o conceito de brechó na cabeça e no coração das pessoas e percebemos que eles estão abertos a isso nos deixa ainda mais confiantes para as novas ideias que estamos tendo”.

Disposta a fazer a diferença no segmento e defensora voraz do empreendedorismo feminino, a idealizadora do projeto, Camila Scarpa faz uma análise objetiva do projeto: “Vai muito além do que eu imaginei que poderia chegar, mas tudo isso é só o começo para a disseminação de moda consciente em ambiente inovador, estou empolgada e já colhendo grandes frutos”, revela a empresária.

Uma imagem contendo pessoa, interior, cena, parede Descrição gerada automaticamente

O local segue a visão de auto serviço, incluindo uma localização privilegiada, ambiente pet friendly, arquitetura e decoração que tornam a casa perfeita para que gosta de fotografar e postar.

FOTOS: TRÍCIA LOPES

Dondoca Vende Tudo

Instagram: @dondocavendetudo

Site: dondocavendetudo.com.br

R. Doná Carlota, 154 - Centro, Santo André - SP

Aceleração digital conecta empresas e clientes com agilidade e assertividade

A agência curitibana de Publicidade e Marketing Bravamente acaba de lançar um projeto para empresas encontrarem o cliente ideal por meio digital de forma assertiva e rápida. O projeto Hunt dura 90 dias e utiliza um método de aceleração digital com ferramentas da internet que identificam e alcançam potenciais clientes. “É um método ágil, criativo e específico para trazer retorno aos empresários. O resultado pode ser sentido logo nas primeiras semanas”, explica a empresária Karina Weigert Gomes, sócia-proprietária da Bravamente.

O projeto foi criado para resolver o desconforto que trazem às empresas, as mudanças de tempo e espaço na comunicação: o Jet Lag empresarial. Este termo foi criado pela Bravamente para definir o desconforto, confusão e desorientação causados pela mudança na comunicação. “Hoje a comunicação passou a ser imediata e horizontal - o vai e vem da comunicação - e, de física, passou a digital”, ressalta Karina. Além disso, as empresas vivenciam o Marketing 4.0, mais recente estágio do mercado no qual as empresas utilizam diversas tecnologias que permeiam o dia-a-dia das pessoas e se transformaram em um meio necessário para conectar marcas e consumidores.

O projeto Hunt está inserido no Marketing 4.0 e incorpora ações que fazem parte da estratégia digital, como o landing page, oferta (o que o cliente pode ganhar em troca), formulário, e-mail marketing, mídias sociais como facebook, instagram, digicard, whatsapp marketing, entre outros, e três vídeos curtos de até 30 segundos. Além disso, as primeiras 50 empresas que fecharem contrato com a Bravamente recebem R$ 500,00 para investir em Google ADS.

Sobre a Bravamente

Com amplo know-how nas áreas de atendimento, planejamento e criação, a Bravamente tem abraçado grandes propostas nacionais e internacionais. Influentes empresas e instituições já tiveram sua passagem marcada pela Bravamente. Sua sócia-proprietária Karina Weigert, define a Bravamente como uma empresa baseada na coragem em empreender e mudar. Karina é empreendedora, palestrante e professora ministra a disciplina de Vendas, Oratória e Empreendedorismo do Curso VOE na Faculdade Esic. É também consultora da área de Comunicação há mais de 20 anos e diretora de Marketing da Câmara de Comércio Brasil-China.

Agência Bravamente
A agência curitibana de Publicidade e Marketing Bravamente acaba de lançar um projeto para empresas encontrarem o cliente ideal por meio digital de forma assertiva e rápida. O projeto Hunt dura 90 dias e utiliza um método de aceleração digital com ferramentas da internet que identificam e alcançam potenciais clientes. “É um método ágil, criativo e específico para trazer retorno aos empresários. O resultado pode ser sentido logo nas primeiras semanas”, explica a empresária Karina Weigert Gomes, sócia-proprietária da Bravamente.

O projeto foi criado para resolver o desconforto que trazem às empresas, as mudanças de tempo e espaço na comunicação: o Jet Lag empresarial. Este termo foi criado pela Bravamente para definir o desconforto, confusão e desorientação causados pela mudança na comunicação. “Hoje a comunicação passou a ser imediata e horizontal - o vai e vem da comunicação - e, de física, passou a digital”, ressalta Karina. Além disso, as empresas vivenciam o Marketing 4.0, mais recente estágio do mercado no qual as empresas utilizam diversas tecnologias que permeiam o dia-a-dia das pessoas e se transformaram em um meio necessário para conectar marcas e consumidores.

O projeto Hunt está inserido no Marketing 4.0 e incorpora ações que fazem parte da estratégia digital, como o landing page, oferta (o que o cliente pode ganhar em troca), formulário, e-mail marketing, mídias sociais como facebook, instagram, digicard, whatsapp marketing, entre outros, e três vídeos curtos de até 30 segundos. Além disso, as primeiras 50 empresas que fecharem contrato com a Bravamente recebem R$ 500,00 para investir em Google ADS.

Sobre a Bravamente

Com amplo know-how nas áreas de atendimento, planejamento e criação, a Bravamente tem abraçado grandes propostas nacionais e internacionais. Influentes empresas e instituições já tiveram sua passagem marcada pela Bravamente. Sua sócia-proprietária Karina Weigert, define a Bravamente como uma empresa baseada na coragem em empreender e mudar. Karina é empreendedora, palestrante e professora ministra a disciplina de Vendas, Oratória e Empreendedorismo do Curso VOE na Faculdade Esic. É também consultora da área de Comunicação há mais de 20 anos e diretora de Marketing da Câmara de Comércio Brasil-China.

Agência Bravamente

No mês das mulheres, empreendedoras do setor odontológico contam como é gerenciar negócio próprio no país em que maioria dos dentistas é mulher

Franqueadas da Odontoclinic apostaram as fichas em suas próprias clínicas e hoje são cases de sucesso na rede
downloadAttachment&Message%5Buid%5D=163182&Message%5Benvelope%5D%5Bmessage-id%5D=%253CAM0PR0602MB3794EE3D1D3A007EC5B047A9F7E30%2540AM0PR0602MB3794.eurprd06.prod.outlook.com%253E&Message%5BmailBox%5D%5Bmailbox_id%5D=INBOX&MessageAttachment%5B%5D%5Battachment_id%5D=%3CAM0PR0602MB3794EE3D1D3A007EC5B047A9F7E30%40AM0PR0602MB3794.eurprd06.prod.outlook.com%3E-1.3
Mulheres franqueadas da Odontoclinic reunidas na última convenção da rede

O Brasil é o país com o maior número de dentistas no mundo e, de acordo com dados recentes do Conselho Federal de Odontologia (CFO), há mais mulheres do que homens exercendo a profissão. Atualmente, mais de 55% dos dentistas brasileiros são mulheres.
Sendo esta uma profissão predominantemente feminina, é de se imaginar que nesta área haja também mais mulheres donas de seu próprio negócio. Pelo menos na Odontoclinic, primeira rede nacional de franquia de clínicas odontológicas, o empreendedorismo feminino vem aumentando.
Mulheres como Tamara, Michelle, Luana e Karen construíram suas próprias clínicas e são responsáveis pela gestão destas que são algumas das unidades com os melhores resultados da rede. Todas elas se dedicam diariamente ao sucesso de seus empreendimentos e se orgulham de serem donas de seus próprios negócios.
Empreendedorismo aliado à maternidade
A dentista Tamara Vilela de Pinho Leite, de 36 anos, é dona da unidade da Odontoclinic no bairro Vila Mariana, em São Paulo. A ideia de empreender veio durante a licença-maternidade de seu terceiro filho, em 2017. Enquanto estava de licença, Tamara começou a pesquisar opções do setor odontológico para investir, até que descobriu a Odontoclinic. “Conheci a Odontoclinic pela internet e a parte de ortodontia da rede me interessou demais, porque era muito melhor que das demais”, conta Tamara.
Ela estava acostumada a mudar de cidade por conta do emprego de seu marido. Quando ela abriu a sua clínica, foi hora de o marido mudar por ela. “A gente morava em Campinas quando eu decidi abrir a minha unidade em São Paulo. E, dessa vez, a família inteira se mudou por minha causa. Foi uma aposta que deu certo, uma decisão muito feliz”, celebra a empreendedora.
Para Tamara, ter a sua própria clínica permitiu que ela unisse as duas coisas de que mais gosta: a maternidade e a odontologia. “Eu sempre priorizei a maternidade, mas ao mesmo tempo eu nunca quis abrir mão da minha carreira. Hoje, consigo fazer as duas coisas e me sinto realizada. Para se ter uma ideia, a minha filha de 13 anos quer até ser empreendedora por minha causa e pergunta até sobre faturamento”, diverte-se. Mas, faz uma reflexão: “não é fácil para nós mulheres empreendermos, porque o mundo ainda é muito machista. Até hoje, infelizmente, acabamos ouvindo um comentário infeliz vez ou outra, mas eu tenho esperança de que isso pode mudar”.
Veia empreendedora
Já para a dentista Michelle Ponce Pinto, franqueada da Odontoclinic em Campinas, o mais legal de empreender é poder ser livre para criar coisas novas nos negócios constantemente. “Eu tive consultório particular desde que saí da faculdade, então sempre tive que lidar com gestão e tomar decisões. Nunca trabalhei com carteira assinada, nem sei o que é isso na minha vida. O que eu mais gosto é ter minha minha autonomia, poder ser criativa. Não consigo me ver trabalhando todo dia num lugar sem poder criar coisas mirabolantes, depender dos outros para isso”, diz Michelle.
“Na época da faculdade, me diziam que não valia a pena abrir meu próprio consultório, mas eu nunca acreditei nisso. Eu abri o meu e deu certo, porque eu nasci com uma veia empreendedora. Dificuldades para empreender sempre há, você faz dívida, paga, muda de rumo, mas meu perfil empreendedor não deixa a peteca cair nunca. Fiz a empresa crescer e tenho planos futuros de investir mais. Ser empreendedora depende de uma somatória de competências”, completa.
Em Montes Claros (MG), a responsável pela Odontoclinic é Luana Rocha, que garante que sempre teve o empreendedorismo em sua veia. “Eu sou dentista e antes de ter minha unidade da Odontoclinic, eu atendia na clínica de outras pessoas, mas eu sempre tive o empreendedorismo muito forte na minha veia. Eu queria montar um negócio para mim, mas como em nossa formação de dentista não temos base comercial e administrativa, optei por uma franquia da Odontoclinic por causa do know how e suporte da franqueador”, conta Luana.
Para Luana, a grande vantagem de empreender é a liberdade. “Por mais que eu trabalhe o tempo todo, tenho liberdade para viajar, cuidar da minha agenda pessoal e total flexibilidade”, diz.
Referência
Karen Bertholine é dona de duas unidades da Odontoclinic em São João da Boa Vista. Hoje, suas unidades são umas das mais bem-sucedidas da rede de franquias odontológicas. Sua primeira loja fez tanto sucesso que Karen teve que abrir uma segunda para dar conta de atender toda a demanda: em três anos o número de clientes de Karen saltou de 345 para 3.500.
A dentista nunca tinha tido experiência em gestão antes de ter seu próprio negócio. “Eu não tinha nenhuma familiaridade com essas questões de gestão e administração. O que me ajudou completamente é que eu tive muito apoio da franqueadora. Eu aprendi muito sobre isso e certamente eu não teria conseguido sozinha”, conta Karen. A empresária conta, ainda, que agora vai centrar esforços no dia a dia das clínicas, mas que não descarta abrir outras unidades no futuro.
A primeira unidade de Karen Bertholine já foi vencedora de um dos prêmios mais importantes da rede como maior crescimento dentre as clínicas mais maduras. Além disso, a unidade foi a que mais vendeu o Alinhador Transparente Odontoclinic nos últimos dois anos. O NPS (Net Promoter Score) da loja – metodologia usada pela Odontoclinic para medir o desempenho e qualidade das unidades – é um dos maiores. A qualidade do atendimento já está refletindo ótimos resultados: em pouco mais de um mês em operação, a nova unidade já está prestes a bater sua meta financeira.
Sobre a Odontoclinic

A Odontoclinic está no mercado há mais de 20 anos, sendo a primeira rede de franquias de clínicas odontológicas do Brasil. Com mais de 200 clínicas, 2.550 dentistas e presente em 16 estados, a Odontoclinic tem a missão de transformar a experiência de ir ao dentista ao oferecer serviços de alta qualidade de forma acessível, com conforto e segurança. As clínicas Odontoclinic atendem às mais diferentes especialidades, como Ortodontia, Prótese, Implantes, Clareamentos e Periodontia.

A Odontoclinic foi a grande vencedora do Prêmio Época Negócios Reclame AQUI – As Melhores Empresas para o Consumidor 2019. A franqueadora foi reconhecida como a melhore empresa do segmento em excelência em atendimento. Esta é a terceira vez que a empresa, que concorreu na categoria Saúde-Clínicas, é indicada, tendo participado das edições de 2016 e 2017.

www.odontoclinic.com.br

ARTIGO: Empreender é muito mais do que ter uma boa ideia

Por *Janaína Fogaça

Foi-se o tempo em que, para empreender, bastava uma boa ideia na cabeça. Hoje em dia, além da boa ideia, é necessário iniciativa, capital, boa vontade e, principalmente, análise do mercado e da concorrência.

De nada adianta uma boa ideia se outras pessoas já a tiveram e não levaram adiante. Se não deu certo com os outros, por que daria certo com você? A pergunta pode soar dura demais, mas para que algo vá adiante, é necessário investir. Sempre digo: se você quer ganhar dinheiro, precisa gastar dinheiro. E isso quer dizer, entre outras coisas, investir em ferramentas que alavanquem os seus negócios, que façam com que você ganhe tempo, ao invés de perdê-lo. Bater de porta em porta, recomendação de cliente boca a boca já fizeram sucesso em um passado muito distante. Com o advento da internet e a modernização das tecnologias, existem diversas ferramentas que dão ao empresário um norte na hora de angariar clientes e de conhecer a sua concorrência, porque, em dias de hoje, tão fundamental quanto conhecer o seu público-alvo, é conhecer empresas que oferecem os mesmos produtos e serviços que o seu negócio está oferecendo. E é aí que o empreendedor precisa ter estratégias e ponderar: qual o meu diferencial no mundo corporativo?

Ter uma boa base de prospects, conhecer o mercado pode ajudá-lo a ser mais assertivo comercialmente, mas ainda assim, não é só isso. A vitória tem muitos pais, mas a derrota é órfã, diz um velho ditado.

Com a moda das startups, todo negócio que ainda estava em busca de financiamento se autoentitulou startup, e com isso, boas iniciativas se perderam porque o empreendedor se acomodou e ficou (sentado) esperando que o investidor batesse à sua porta, e isso não aconteceu. O que aconteceu foi a banalização da expressão, que acabou caindo no “lugar comum”. Precisamos diferenciar startup de ideia inovadora de um novo negócio que pode ser mais do mesmo.

A teoria, na prática, é muito bonita. Encontros entre empresários, networking, devem agregar, trazer novas experiências, gerar interação. O empreendedor precisa pensar com a cabeça de empresário: “que tipo de negócio eu posso fechar naquele evento?” ou então: “qual é o tipo de empresário que está nesse evento? Eu devo investir meu tempo e dinheiro nesse encontro?”.

No mundo dos negócios, tempo é dinheiro. E para quem está iniciando um novo projeto, qualquer minuto é valioso, porque dinheiro a gente recupera, o tempo, não.

Por onde começar?

“Quando não se sabe para onde vai, qualquer caminho serve”, dizia o coelho para a Alice, no clássico Alice no país das maravilhas (o que era estranho, um coelho falar), no entanto, preste atenção: você não está no país das maravilhas, aqui não há coelhos falantes. Esse é o seu negócio e as rédeas dele devem estar em suas mãos.

Tudo deve partir de um planejamento, pois sem um cronograma delineado, fica difícil sair do lugar. Com os objetivos estabelecidos, não fica mais fácil, no entanto, fica mais claro saber para onde ir. Pesquise o seu mercado, use as ferramentas disponíveis, procure investidores, corra atrás de capital e invista!

O marketing é algo que deve ser pensado com carinho e cuidado. Você sabia que cerca de 4% do seu faturamento deve ser investido em marketing para que seu negócio possa crescer? Você sabia que existem ferramentas – e falo com propriedade de causa –, que ajudam a identificar qual fatia o seu tipo de negócio tem do mercado, onde estão seus concorrentes e seu público-alvo?

Empreender é muito mais do que boa vontade, e quando você descobre o caminho das pedras, a jornada se torna agradável e sim, você consegue viver de uma ideia inovadora, mas desconfie quando oferecerem milagres, fale com as pessoas certas, nos lugares certos e invista muito mais do que tempo em suas boas ideias.

O ano novo está aí e só vai ser novo se você também for. Abandone as velhas ideias e os velhos hábitos, arregace as mangas e corra atrás do seu sonho, porque o sabor de viver daquilo que você sonhou é incomparável. O futuro já começou (é muito mais do que uma vinheta de um canal de TV) e você, vai ficar aí parado?

*Janaína Fogaça é jornalista, especialista em Comunicação Empresarial e sócia da Descomplica Comunicação Inteligente – Curitiba/PR.

Decisão assertiva de investir no mercado imobiliário em 2020

Decisão assertiva de investir no mercado imobiliário em 2020.

Quem escreveu o artigo foi o Diretor Executivo da GT Building, Alysson Sanches.
A incorporadora foi lançada em agosto de 2019, chegou ao mercado paranaense com 18 projetos em diferentes fases e um potencial aproximado de R$ 900 milhões de Valor Geral de Vendas (VGV). A estimativa, segundo números apurados por consultorias especializadas no setor, indica que a incorporadora poderá alcançar o papel de maior incorporadora de Curitiba, tornando-se uma das maiores do Sul do Brasil.

O CEO da GT Building é o bilionário Geninho Thomé, fundador da Neodent, uma das maiores empresas de implantes dentários do mundo.

Além do artigo, há a disponibilidade das fontes para explanar mais sobre esse e outros temas voltados ao setor imobiliário e da construção civil.

Coronavírus pode ameaçar relações comerciais

Coronavírus pode ameaçar relações comerciais

Presidente da Câmara de Arbitragem Brasil-China, em Curitiba, avalia que pode ocorrer até rompimento das relações comerciais

A presidente da Câmara de Arbitragem Brasil-China em Curitiba, Jacira Teixeira Moura, afirmou que embora o coronavírus não tenha causado impacto direto na arbitragem, mediação ou dispute board entre empresas paranaenses e chinesas, o atraso no abastecimento de indústrias e impacto nos processos de exportação por causa da situação provocada pela disseminação do vírus pelo mundo pode gerar animosidades entre os envolvidos e até rompimento das relações comerciais entre importadores e exportadores e, consequentemente, elevar o número de processos instaurados na Câmara de Arbitragem.

Segundo Jacira, o impacto imediato sentido pelas empresas paranaenses deve acontecer nos atrasos das exportações para a China, maior parceiro comercial do país. Além disso, ela acredita que as empresas que dependem de produtos chineses na sua cadeia produtiva podem sofrer com a falta de insumos. No entanto, Jacira salienta que os contratos de matéria-prima, normalmente são fechados como meses de antecedência, de modo que a preocupação deve se acentuar caso a epidemia se estenda além do primeiro trimestre.

A Câmara de Arbitragem Brasil-China é uma das pioneiras em implementar o mecanismo do dispute board, voltado à prevenção e resolução de controvérsias. “Infelizmente no Brasil a cultura do Dispute Board ainda é pouco utilizada, mas é um método alternativo de prevenção e solução de conflitos relativos a contratos de grande porte ou longa duração, comuns nas áreas de agronegócios, construção civil, franquias, propriedade intelectual e esportes. Áreas nas quais o Brasil tem forte relação comercial com a China”, diz Jacira.

Negócios

O Paraná ocupa atualmente a terceira posição no ranking nacional das exportações do setor de agronegócios em 2019, correspondendo a 13,02% do volume brasileiro, representando um total de US$ 16,2 bilhões. Estima-se que a soja representa cerca de 30% de tudo o que o Brasil exporta para a China, seguida de petróleo e minério de ferro. A política comercial do Brasil e, em especial, o Paraná em relação à China está sedimentada na exportação de commodities, como minério, soja e carnes. Estes são os principais produtos vendidos pelo Brasil à China, o que correspondeu a uma fatia de US$ 118 bilhões (52,7%) em 2019, segundo dados do Ministério da Economia. O governo federal estima que a epidemia gere um impacto negativo de 3% nas exportações.

As empresas paranaenses e brasileiras que mais exportam para a China são os frigoríficos e indústria de laticínios. Segundo dados do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico Social (Ipardes), com base nos dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, atualmente mais de 160 empresas paranaenses enviam seus produtos para o exterior. No Brasil, segundo a estatística divulgada pelo do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, existem mais de 11 mil empresas exportadoras em aproximadamente 80 setores da economia.

Câmara de Arbitragem

Embora a Câmara de Comércio Brasil-China, em Curitiba, tenha iniciado suas atividades em 1992, só no ano de 2019 foi instituída e sua operação efetiva iniciou no início deste ano. “Desse modo, não podemos fornecer dados específicos de nossas operações”, afirma Jacira.

A arbitragem, em especial, na China vive um momento de ascensão. Segundo dados oficiais do governo chinês, no ano de 2019 foram instaurados cerca de 2.298 novos casos, incluindo 476 internacionais, totalizando US $ 10,5 bilhões, envolvendo mais de 60 países. No entanto, considerando o sigilo do procedimento arbitral esses números podem ser ainda maiores.

“Acreditamos que a medida em que ocorre o aumento do fluxo comercial entre os dois países isso ensejará, consequentemente, a instauração de litígios em especial nas áreas de portos, construção e infraestrutura, societária e contratos”, constata a presidente da Câmara de Arbitragem Brasil-China, em Curitiba.

Câmara de Arbitragem Brasil-China

Cinco dicas para pequenas empresas utilizarem o WhatsApp Business

Com mais funcionalidades, a versão pode ajudar as pequenas empresas no relacionamento com o cliente e no ganho de produtividade

O WhatsApp é o aplicativo de mensagens mais utilizado no mundo, e nos pequenos negócios não poderia ser diferente. Segundo a pesquisa Transformação Digital nas MPE, realizada pelo Sebrae em 2018, 72% das micro e pequenas empresas se comunicam com os clientes pelo WhatsApp. O aplicativo é usado para: disponibilizar informações relacionadas a produtos e serviços (59%), atendimento online (59%), vendas (43%) e cadastrar clientes (26%).

O WhatsApp Business é a versão do aplicativo voltada para negócios. O software gratuito foi criado para apoiar donos de micro e pequenas empresas em diferentes tarefas no dia a dia. A versão comercial possui funcionalidades extras, como perfil empresarial, com informações úteis para os clientes, como e-mail e endereço; ferramentas de mensagens que permitem o envio de respostas rápidas e saudações; estatísticas para analisar métricas, como o número de mensagens lidas.

Antes de fazer uso da ferramenta como canal de relacionamento, o consultor do Sebrae/PR Lucas Ferreira orienta que as pequenas empresas avaliem a disponibilidade que possuem para responder e interagir com os clientes de maneira ágil. “Quando uma empresa disponibiliza um e-mail como canal de relacionamento, o cliente tem a expectativa de que seja respondido em até três dias, por exemplo. Já um chat online demanda resposta imediata. Por isso, a empresa precisa analisar a capacidade que tem para dar a atenção necessária que cada canal exige”, explica.

O Sebrae reuniu algumas dicas para empreendedores interessados em utilizar a versão de negócios do WhatsApp. Confira:

Use também o WhatsApp Web

Além de poder levar o aplicativo para qualquer lugar no seu smartphone, você também pode acessar no notebook ou computador, por meio do recurso WhatsApp Web. Ainda existe a possibilidade de cadastrar o número do seu telefone fixo: basta esperar um minuto durante a instalação para a opção de validação do número com uma ligação telefônica aparecer.

Utilize respostas automáticas e etiquetas

A possibilidade de enviar respostas automáticas para o cliente no primeiro contato ou quando estiver fora do horário de atendimento - e até criar respostas rápidas digitando apenas uma letra ou caractere - é uma ótima forma de manter um bom relacionamento com os clientes.

As etiquetas permitem também organização dos processos internos do negócio, por exemplo, pedidos pendentes, pedidos enviados, pós-vendas, dentre outros.

Você pode criar catálogos

Com a versão para negócios do WhatsApp é possível criar ainda um catálogo de produtos ou serviços e compartilhar com seus contatos ou deixar ofertas disponíveis no perfil. O empresário poderá inserir imagens, descrever seus produtos e/ou serviços, informar preços, inserir um link de compra ou qualquer outra informação que julgar importante. Mas esteja atento à qualidade das imagens/filmagens, tipos de produtos catalogados e, até mesmo, com a foto do perfil da empresa. A apresentação conta muito na escolha entre uma empresa ou outra.

Respeite e preserve o cliente

Quando tiver acesso ao número de telefone do cliente, pergunte se ele gostaria de receber informações sobre sua empresa, produtos e/ou serviços. Utilize listas de transmissão ao invés da criação de grupos, isso preserva o número de celular do seu cliente.

Cuidado com o “spam”

Faça relacionamento com o cliente e ofereça conteúdo relevante para que ele lembre da sua empresa. Contudo, forçar a venda empurrando produtos pode fazê-lo “denunciar” o seu negócio – o que pode gerar o bloqueio ou banimento do perfil do negócio no WhatsApp Business.