Festival de Curitiba tem data prorrogada e deve acontecer no período de 1º a 13 de setembro no Mabu Curitiba Business

Além de hospedar artistas e equipe técnica dos espetáculos, o hotel transformou a suíte presidencial na sala de entrevistas, que neste ano, junto com o Festival, homenageia Ariano Suassuna

O Festival de Curitiba foi prorrogado e a nova data será no período de 1º a 13 de setembro deste ano e a capital será palco da 29ª edição do Festival de Curitiba e, pelo terceiro ano consecutivo, o Mabu Curitiba Business será o hotel oficial do evento. É no Mabu, onde será instalada a sede do escritório central do Festival, que as equipes de comunicação, marketing, credenciamento e logística vão trabalhar na produção e montagem do evento. Durante esse período, o hotel passará a receber também artistas e equipes técnicas dos espetáculos.

Além disso, o hotel personalizou a suíte presidencial para a sala de entrevistas do evento. A suíte conta com características artísticas do Festival de Curitiba e alusão ao homenageado do evento neste ano, o escritor Ariano Suassuna, que tem entre suas obras-primas o enredo “O Auto da Compadecida” – que já recebeu adaptações para a televisão, cinema e teatro.

Um pouco sobre o Mabu Curitiba Business
O Mabu Curitiba Business está localizado na região central de Curitiba, na rua XV de Novembro, ao lado de dois dos principais cartões-postais da cidade – a Universidade Federal do Paraná e o Teatro Guaíra. Além da localização privilegiada, outro destaque é o amplo espaço para a realização de eventos. O centro de eventos e congressos tem uma área de mil metros quadrados e tem capacidade para atender 600 pessoas simultaneamente. Já a gastronomia segue os padrões da Rede Mabu. Entre as principais atrações estão a tradicional Feijoadíssima, servida aos sábados, no horário do almoço. A valorização da cultura também está presente com o Jayabujamra Espaço de Arte - espaço cultural voltado à arte contemporânea que abriga exposições.

O Mabu Curitiba Business é um dos quatro empreendimentos da Rede Mabu Hotéis & Resorts, formada ainda pelos hotéis: Mabu Thermas Grand Resort e Mabu Interludium Iguassu Convention, em Foz do Iguaçu; e Mabu Curitiba Express, em Curitiba.

As últimas novidades da rede de hotéis podem ser acessadas pelo site (www.hoteismabu.com.br), pelo Facebook (www.facebook.com/hoteismabu) e pelo Instagram ( https://www.instagram.com/hoteismabu)

Serviço
Endereço: Rua XV de Novembro, 830 – Centro – Curitiba (PR)
Telefone: 41 3219 6000
Site: www.hoteismabu.com.br
Facebook: www.facebook.com/hoteismabu
Instagram: https://www.instagram.com/hoteismabu/

COMUNICADO

A produção do Festival de Curitiba informa a decisão do adiamento de toda a sua programação devido a pandemia do Covid 19, o Coronavírus.

A decisão se deve à segurança e ao cuidado com a saúde do público, dos artistas e de toda a equipe de trabalho. O evento está reagendado para setembro de 2020, entre os dias 1° e 13.

Os ingressos já adquiridos continuam válidos para a programação nas datas informadas.
Mais informações em breve.

Att

Produção do Festival de Curitiba

Novozymes apoia o Programa Guritiba, mostra infantil do Festival de Curitiba 2020

Curitiba, março 2020 - A Novozymes, por meio da Lei Rouanet, é uma das empresas apoiadoras do Programa Guritiba 2020, mostra que faz parte do Festival de Curitiba, um dos maiores eventos culturais do Brasil e um dos mais importantes em artes cênicas do mundo, que será realizado de 24 de março até 5 de abril, em aproximadamente 70 espaços da capital paranaense e região metropolitana, com mais de 400 atrações. O Guritiba surgiu como a mostra infantil do Festival e hoje, na sua 11ª edição, é um projeto independente que atende mais de 8 mil crianças em situação de vulnerabilidade social e suas famílias, integrantes 31 instituições em 7 municípios, levando as apresentações teatrais gratuitas e muita diversão a esses locais.

Festival de Curitiba celebra o centenário de Clarice Lispector com “A Hora da Estrela ou o Canto de Macabéa”

O musical tem trilha sonora de Chico César para contar sobre
a vida da imigrante nordestina no Rio de Janeiro

No ano do centenário de Clarice Lispector (1920-1977), o Festival de Curitiba traz para a Mostra 2020 o musical “A Hora da Estrela ou o Canto de Macabéa”, baseado em uma das obras mais emblemáticas da escritora. O musical vai emocionar ao mostrar a vida de Macabéa, uma migrante alagoana no Rio de Janeiro, cuja vida é marcada pela ausência de afeto e poesia. Com direção e adaptação de André Paes Leme, direção musical de Marcelo Caldi e trilha original de Chico César, a peça tem no elenco Laila Garin, Claudia Ventura e Claudio Gabriel. As apresentações acontecem no Guairinha no dia 28 de março, às 21h, e 29 de março, às 19h.

Baseada na última obra de Clarice Lispector,o livro a Hora da Estrela, a peça narra o sofrimento de Macabéa, vista pela sociedade como uma mulher desprovida de qualquer atrativo e que se contenta com uma existência medíocre: ganha menos do que um salário, divide um quarto com quatro pessoas, sofre com um chefe rigoroso e não atrai a atenção de ninguém. Na obra literária a história é contada por um escritor; no musical sua vida é descrita por uma atriz que a vê na rua e resolve narrar a vida de uma pessoa tão invisível, comum e sem brilho, em um exercício de alteridade. “O trabalho de adaptação não é de reescrever o texto. É o trabalho de transportar o universo sem estar aprisionado a qualquer palavra, através da edição e deslocamentos de episódios”, comenta André Paes Leme, diretor do espetáculo.

Seguindo essa tradição, ele não somente faz uso de diálogos, mas coloca os atores como narradores enquanto contracenam, fazendo uso de frases do livro original na íntegra. Paes Leme, que já assinou elogiadas adaptações de Guimarães Rosa (‘A Hora e Vez de Augusto Matraga’) e Nelson Rodrigues (‘Engraçadinha, Seus Amores e Seus Pecados’), contou com a parceria de Chico César no processo de criação. As músicas pontuam toda a dramaturgia e aparecem para ilustrar o estado emocional e o interior de cada personagem. Ao longo da montagem, as canções servem ainda para detalhar algum acontecimento e também para tirar as personagens do sofrido estágio em que se encontram, trazendo alguma fantasia para existências tão opacas.

“Fazer ‘A Hora da Estrela ou O Canto de Macabéa’ vai além, é um espetáculo que diz exatamente o que queremos falar neste momento. Fala das pessoas supostamente invisíveis, de solidariedade, de olhar para o outro com afeto. Além de tudo, é uma peça sobre esperança’, finaliza Laila Garin, intérprete de Macabéa.

Acompanhe todas as novidades e informações da Mostra 2020 do Festival de Curitiba pelo site www.festivaldecuritiba.com.br, pelas redes sociais disponíveis, no Facebook @fest.curitiba, pelo Instagram @festivaldecuritiba e pelo Twitter @fest_curitiba

Apresentadores, patrocinadores e apoiadores

O Festival de Teatro de Curitiba tem parceiros fundamentais para sua realização e é patrocinado pelo Ebanx, Vivo, Uninter, Renault do Brasil, Electrolux, Banco RCI Brasil, Junto Seguros, Copel - Pura Energia, Sanepar, Governo do Estado e GRASP. O Programa Guritiba é apresentado por New Holland, com patrocínio de Novozymes e Fibracem. O MishMash é apresentado pela Unimed Curitiba e Thales Group, com o apoio da Ritmo Logística. Quem apresenta o Risorama é a Potencial Petróleo, com o patrocínio de Previsul Seguradora, tendo como a cerveja oficial a Cacildis e o apoio de FH Consultoria e Grupo Barigui. As bilheterias do Festival de Curitiba são uma parceria com o ParkShoppingBarigüi e o Shopping Mueller.

FICHA TÉCNICA:
Adaptação e Direção: André Paes Leme.
Música Original: Chico César.
Direção Musical: Marcelo Caldi.
Direção de Produção: Andréa Alves com Claudia Ventura, Claudio Gabriel e Laila Garin.
Músicos: PC Castilho, Pedro Aune e Pedro Franco.
Diretor Assistente: Anderson Aragón.
Figurinos: Kika Lopes.
Cenário: André Cortez.
Iluminação: Renato Machado.
Design de Som: Gabriel D’Angelo.
Preparação Corporal: Toni Rodrigues.
Assistente de Figurino: Sassá Magalhães.
Assistente de Cenografia: Tuca Benvenutti.
Assistente de Preparação Corporal: Monique Ottati.
Coordenação de Produção: Leila Maria Moreno.
Produção Executiva: Raphael Baêta.
Assistente de Produção: Paulo Farias.
Projeto Gráfico: Beto Martins.
Assessoria de Imprensa: Factoria Comunicação.

Serviço:
O que: A Hora da Estrela ou o Canto de Macabéa no 29.º Festival de Curitiba
Quando: 28 de março, às 21h, e 29 de março, às 19h.
Onde: Teatro Guairinha (Rua XV de Novembro, 971).
Valores: R$ 80,00 (inteira).
Ingressos: www.festivaldecuritiba.com.br, pelo aplicativo “Festival de Curitiba 2020”, e nas bilheterias físicas do ParkShoppingBarigui (Piso térreo próximo à praça de eventos), de segunda a sexta-feira, das 11h às 23h; sábado das 10h às 22h e domingos das 14h às 20h; e no Shopping Mueller (piso L3), de segunda-feira a sábado, das 10h às 22h; domingos e feriados, das 14h às 20h.
Classificação: 12 anos
Duração: 110´
ESPETÁCULO CONTA COM INTÉRPRETE DE LIBRAS

Hashtags oficiais – #festivaldecuritiba #festcuritiba #ofestivalparatodos #omeufestival

Sugestão de Tags – festival, curitiba, festival de curitiba, mostra, teatro, clarice lispector, a hora da estrela, canto de macabéa, artes cênicas, artes, música, cultura, atrações

As aventuras de João Grilo e Chicó no Festival de Curitiba 2020

Com direção de Gabriel Villela, o clássico Auto da Compadecida, de Ariano Suassuna, ocupa o palco do Teatro da Reitoria para duas apresentações

Um dos maiores sucessos da dramaturgia brasileira, o texto Auto da Compadecida, de Ariano Suassuna, faz parte da Mostra da 29.ª edição do Festival de Curitiba em montagem do Grupo Maria Cutia, com concepção e direção de Gabriel Villela. O espetáculo, que celebra a primeira parceria do Grupo com o diretor, fará duas apresentações no Teatro da Reitoria, dia 28 de março, às 21h, e 29 de março, às 19h.

O Auto da Compadecida apresenta as aventuras de João Grilo e Chicó, que começam com o enterro e o testamento do cachorro do padeiro e de sua mulher e acabam em uma epopeia milagrosa no sertão envolvendo o clero, o cangaço, Jesus, Maria e o Diabo. Suassuna faz uma abordagem mítica brasileira do herói sem caráter, com suas vicissitudes morais - e o espetáculo do Grupo Maria Cutia traz para o texto de Suassuna pitadas brechtianas.

“Com tom irônico, o trabalho pode ser enquadrado no gênero cênico-musical-picaresca. O olhar político (sem didatismo ou partidarismo) do espetáculo, desprendido do enredo criado pelo célebre autor paraibano, traz outra camada para a obra de Ariano”, explica Gabriel Villela. O espetáculo revela acontecimentos de um Brasil atual, a partir de personagens e situações que ganham acento ainda mais sarcástico do que os encontrados na dramaturgia original.

O Grupo Maria Cutia de Teatro nasceu em Belo Horizonte, em 2006, e desde então apresenta seus espetáculos em praças, parques e ruas de Minas Gerais, do Brasil e do mundo. Nos últimos anos aventurou-se em produções criadas para palcos e também adaptou suas obras de rua para teatros fechados. Como frentes de pesquisa artística, o grupo trabalha com o diálogo entre música e teatro, numa investigação autoral que denomina música-em-cena. Em todos os seus espetáculos, a trilha é executada ao vivo pelos atores, em uma pesquisa que alia dramaturgia à canção. O Grupo Maria Cutia já se apresentou em seis países, 19 estados nacionais totalizando mais de 150 cidades brasileiras, para um público superior em mais de 400 mil espectadores em seus 13 anos de história.

Acompanhe todas as novidades e informações da Mostra 2020 do Festival de Curitiba pelo site www.festivaldecuritiba.com.br, pelas redes sociais disponíveis, no Facebook @fest.curitiba, pelo Instagram @festivaldecuritiba e pelo Twitter @fest_curitiba

Apresentadores, patrocinadores e apoiadores

O Festival de Teatro de Curitiba tem parceiros fundamentais para sua realização e é patrocinado pelo Ebanx, Vivo, Uninter, Renault do Brasil, Electrolux, Banco RCI Brasil, Junto Seguros, Copel - Pura Energia, Sanepar, Governo do Estado e GRASP. O Programa Guritiba é apresentado por New Holland, com patrocínio de Novozymes e Fibracem. O MishMash é apresentado pela Unimed Curitiba e Thales Group, com o apoio da Ritmo Logística. Quem apresenta o Risorama é a Potencial Petróleo, com o patrocínio de Previsul Seguradora, tendo como a cerveja oficial a Cacildis e o apoio de FH Consultoria e Grupo Barigui. As bilheterias do Festival de Curitiba são uma parceria com o ParkShoppingBarigüi e o Shopping Mueller.

FICHA TÉCNICA:
Elenco: Leonardo Rocha – João Grilo Hugo da Silva – Chicó e Severino do Aracaju Mariana Arruda | Jimena Castiglioni – Mulher do Padeiro e Nossa Senhora Compadecida Dê Jota Torres – Palhaço, Padeiro e Manuel (Nosso Senhor Jesus Cristo) Thiago Queiroz– Sacristão Marcelo Veronez – Padre João e O Diabo Polyana Horta – Antônio Morais e O Bispo.
Direção: Gabriel Villela.
Assistente de Direção: Lydia Del Picchia.
Preparação Vocal: Babaya.
Direção Musical: Babaya, Fernando Muzzi e Hugo da Silva.
Cenário e Figurino: Gabriel Villela.
Assistente de Figurino: José Rosa.
Coordenação do Ateliê Gabriel Villela: José Rosa.
Pintura de Arte: Rai Bento.
Iluminação: Richard Zaira e Pedro Paulino (CiaTecno).
Consultoria de Sonorização: Vinícius Alves.
Fotografia: Tati Motta.
Produção: Luisa Monteiro - Grupo Maria Cutia.

Serviço:
O que: Auto da Compadecida no 29.º Festival de Curitiba
Quando: dia 28 de março, às 21h, e 29 de março, às 19h.
Onde: Teatro da Reitoria (Rua XV de Novembro, 1299 – Centro).
Valores: R$ 80,00 (inteira).
Ingressos: www.festivaldecuritiba.com.br, pelo aplicativo “Festival de Curitiba 2020”, e nas bilheterias físicas do ParkShoppingBarigui (Piso térreo próximo à praça de eventos), de segunda a sexta-feira, das 11h às 23h; sábado das 10h às 22h e domingos das 14h às 20h; e no Shopping Mueller (piso L3), de segunda-feira a sábado, das 10h às 22h; domingos e feriados, das 14h às 20h.
Classificação: 12 anos.
Duração: 90´
ESPETÁCULO CONTA COM INTÉRPRETE DE LIBRAS

Hashtags oficiais – #festivaldecuritiba #festcuritiba #ofestivalparatodos #omeufestival

Sugestão de Tags – festival, curitiba, festival de curitiba, mostra, teatro, artes cênicas, ariano suassuna, auto da compadecida, joão grilo, chicó, gabriel villela, maria cutia, artes, cultura, show, atrações

Grupo Corpo volta ao Festival de Curitiba para mostrar duas famosas coreografias

“GIL”, com música especialmente composta por Gilberto Gil e “Sete ou Oito Peças para um Ballet” (1994), com trilha de Philip Glass/Uakti, serão apresentadas no Guairão

Como em todas as criações do coreógrafo Rodrigo Pederneiras, os movimentos do mais recente balé, “GIL”, nasceram da música. Mas a trilha engendrada por Gilberto Gil para o espetáculo do Grupo Corpo a convite do diretor artístico Paulo Pederneiras, chegou trazendo um paradoxal desafio ao coreógrafo: ali estavam, juntos e indissociáveis, o conhecido e amado Gilberto Gil... e um compositor inteiramente novo. “Era um Gil que eu não conhecia e, ao mesmo tempo, o Gil de quem sou tiete desde que ouvi sua música pela primeira vez”, diz Rodrigo.

A solução do paradoxo – fenomenal síntese – sobe ao palco do Guairão na 29.ª edição do Festival de Curitiba, dentro da Mostra 2020, nos dias 30 e 31 de março. O programa duplo, com intervalo de 20 minutos, conta ainda com a coreografia de “Sete ou Oito Peças para um Ballet”, de 1994.

A fagulha inicial para erguer a coreografia veio, então, de fora da música – um gesto inicial, buscado no candomblé. “Gil é filho de Xangô e usei como ponto de partida o movimento associado à presença do orixá: uma das mãos do bailarino bate no peito e a outra, nas costas”, conta o coreógrafo. “E assim o balé começou a se construir”. A “riquíssima trilha”, nas palavras de Rodrigo, se traduziu nos duos, trios e conjuntos que se alinham e desarmam, nos uníssonos e contrapontos gestuais, peças sempre renovadas do vocabulário marcante do coreógrafo. As muitas singularidades de GIL, a bem da verdade, já haviam começado na proposta de Paulo Pederneiras ao compositor. “Gil sempre esteve no nosso radar”, diz o diretor artístico. “Na primeira conversa, já me veio a ideia de sugerir que a coreografia se chamasse GIL. Normalmente o músico tem liberdade total – e agora não foi diferente – mas a sugestão que se debruçasse sobre a própria obra se consolidou naquele momento. E GIL se inscreve, então, entre os compositores que dão nome a coreografias do Grupo Corpo - já tínhamos feito essa homenagem a Bach, Nazareth e Lecuona”.

Sete ou Oito Peças para um Ballet
A partir de oito temas surgidos da parceria inédita entre o instrumentista e compositor norte-americano Philip Glass e o grupo instrumental mineiro Uakti, o coreógrafo Rodrigo Pederneiras desvencilha-se, pela primeira vez, do rigor formal que marca suas criações para construir uma obra despojada, onde a partitura de movimentos emerge como uma série de esboços, apontamentos ou estudos para uma coreografia. Inacabados, na aparência. Mas irretocáveis, pela genialidade da forma.

Como em uma pintura contemporânea, onde as correções podem ser incorporadas ao resultado final, os movimentos dos bailarinos do GRUPO CORPO se sucedem em variações que vão da estética “suja” própria dos ensaios a um primoroso acabamento formal. Nesse sentido, 7 ou 8 Peças para um Ballet, que teve sua estreia em 1994, propõe mais do que vaticina. O componente obsessivo, frio e exato dos temas especialmente criados para o balé pelo ícone maior da música minimalista norte-americana leva Pederneiras a orquestrar repetições de movimentos que beiram o automatismo, executados, na maior parte das vezes, em solo, em contraposição a movimentos orgânicos de grupo, carregados da sensual latinidade intrínseca à sonoridade única produzida pelo Uakti. O cenário de Fernando Velloso e os figurinos de Freusa Zechmeister buscam nos primórdios da corrente minimalista da pintura americana a inspiração para as listras em verde, azul e tons de amarelo que dão identidade visual ao espetáculo, enquanto o branco reina absoluto na iluminação de Paulo Pederneiras. (texto: Angela de Almeida).

Acompanhe todas as novidades e informações da Mostra 2020 do Festival de Curitiba pelo site www.festivaldecuritiba.com.br, pelas redes sociais disponíveis, no Facebook @fest.curitiba, pelo Instagram @festivaldecuritiba e pelo Twitter @fest_curitiba

Apresentadores, patrocinadores e apoiadores

O Festival de Teatro de Curitiba tem parceiros fundamentais para sua realização e é patrocinado pelo Ebanx, Vivo, Uninter, Renault do Brasil, Electrolux, Banco RCI Brasil, Junto Seguros, Copel - Pura Energia, Sanepar, Governo do Estado e GRASP. O Programa Guritiba é apresentado por New Holland, com patrocínio de Novozymes e Fibracem. O MishMash é apresentado pela Unimed Curitiba e Thales Group, com o apoio da Ritmo Logística. Quem apresenta o Risorama é a Potencial Petróleo, com o patrocínio de Previsul Seguradora, tendo como a cerveja oficial a Cacildis e o apoio de FH Consultoria e Grupo Barigui. As bilheterias do Festival de Curitiba são uma parceria com o ParkShoppingBarigüi e o Shopping Mueller.

FICHA TÉCNICA:
GIL [2019]
Coreografia: Rodrigo Pederneiras
Música: Gilberto Gil
Cenografia: Paulo Pederneiras
Figurinos: Freusa Zechmeister
Iluminação: Paulo Pederneiras e Gabriel Pederneiras
Banda: Gilberto Gil (violão, voz) / Bem Gil (guitarra) / Danilo Andrade (teclado, piano elétrico) / Domenico Lancelotti (MPC, bateria, percussão) / Thiago Queiroz, Diogo Gomes (sopros) / Bruno di Lullo (baixo) / José Gil (percussão) / Thomas Harres (balafon).

Sete ou Oito Peças para um Ballet [1994]
Coreografia: Rodrigo Pederneiras
Música: Philip Glass e Uakti
Cenografia: Fernando Velloso
Figurinos: Freusa Zechmeister
Iluminação: Paulo Pederneiras.

Grupo Corpo:
Diretor Artístico: Paulo Pederneiras
Coreógrafo: Rodrigo Pederneiras
Bailarinos: Ágatha Faro, Bianca Victal, Dayanne Amaral, Débora Roots, Edésio Nunes, Edmárcio Júnior, Edson Hayzer, Elias Bouza, Filipe Bruschi, Helbert Pimenta, Janaina Castro, Jonathan de Paula, Karen Rangel, Luan Batista, Lucas Saraiva, Malu Figueirôa, Mariana do Rosário, Rafael Bittar, Rafaela Fernandes, Sílvia Gaspar, Williene Sampaio, Yasmin Almeida.
Diretora de Ensaios: Carmen Purri
Assistentes de Coreografia: Ana Paula Cançado, Carmen Purri, Miriam Pederneiras
Maître de Ballet: Bettina Bellomo
Pianista: Anna Maria Ferreira
Diretor Técnico: Pedro Pederneiras
Coordenador Técnico: Gabriel Pederneiras
Técnicos de Palco: Átilla Gomes, Murilo Oliveira, Stefan Böttcher
Produtora Executiva: Michelle Deslandes
Realização: Instituto Cultural Corpo.
O Grupo Corpo conta com o apoio da LEI DE INCENTIVO À CULTURA
Patrocínio: ITAÚ, CEMIG e GOVERNO DE MINAS GERAIS

Serviço:
O que: “Sete ou Oito Peças para Ballet” e “Gil” no Festival de Curitiba 2020
Quando: 30 e 31/03 às 21h
Onde: Guairão (Praça Santos Andrade, s/n)
Valores: R$ 80,00 (inteira)
Ingressos: www.festivaldecuritiba.com.br, pelo aplicativo “Festival de Curitiba 2020”, e nas bilheterias físicas do ParkShoppingBarigui (Piso térreo próximo à praça de eventos), de segunda a sexta-feira, das 11h às 23h; sábado das 10h às 22h e domingos das 14h às 20h; e no Shopping Mueller (piso L3), de segunda-feira a sábado, das 10h às 22h; domingos e feriados, das 14h às 20h.
Classificação: Livre
Duração: 100’ (Cada apresentação 40’ e intervalo de 20’)

Hashtags oficiais – #festivaldecuritiba #festcuritiba #ofestivalparatodos #omeufestival

Sugestão de Tags – festival, curitiba, festival de curitiba, mostra, teatro, artes cênicas, artes, ballet, grupo corpo, gil, guaíra, cultura, show, atrações

Emicida apresenta seu novo show, AmarElo, no Festival de Curitiba

Rapper ocupa o palco do Guairão para uma única apresentação.
Ingressos estão à venda no site e pelo aplicativo do evento

Para um mundo em decomposição, Emicida optou por escrever como quem manda cartas de amor. O resultado desse exercício é o novo projeto de estúdio do rapper paulista, AmarElo, em que ele propõe um olhar sobre a grandeza da humanidade. O público da 29.ª edição do Festival de Curitiba terá o privilégio de ver o artista e sua obra no palco Guairão, dentro da Mostra 2020, nos dia 02 de abril. No repertório estarão as novas canções, como a faixa-título e "Eminência Parda", além de músicas que marcaram a sua carreira.

Desde que começou a dar os primeiros passos no rap, nas batalhas de freestyle, lá pelo ano de 2006, Leandro Roque de Oliveira, o Emicida, sabia que queria ter uma carreira sólida. Talvez ele não soubesse que construiria alicerces consistentes o suficiente para ir além da sua própria trajetória. Assim, se tornou a principal referência da sua geração no rap, criou, ao lado do irmão, Evandro Fióti, uma empresa – a Laboratório Fantasma -, que é responsável por outros artistas, mas também cuida de merch, tem estúdio, selo, etc. Um negócio tido como case de sucesso e inspiração no mercado da música. Mas mais do que sucesso, Emicida tem a vontade de tocar a vida das pessoas. E a sua trilha sonora de artista nascido na Zona Norte foi perfeita para contar essa história. Com o lançamento da primeira mixtape, Pra Quem Já Mordeu um Cachorro por Comida Até que Eu Cheguei Longe (2009), Emicida chamou a atenção do público, da imprensa e dos contratantes. O trabalho produzido de forma artesanal e vendido (por ele) a dois reais nas ruas o levou aos principais festivais do Brasil e do mundo, incluindo Rock in Rio, Roskilde (Dinamarca) e Coachella (EUA). Após duas mixtapes e dois EPs, o rapper paulista ganhou notoriedade para além do nicho do rap com o seu primeiro disco de estúdio, O Glorioso Retorno de Quem Nunca Esteve Aqui (2013), que teve participação de Pitty, Wilson das Neves, Tulipa Ruiz, entre outros.

“Não se trata de um disco simplesmente dedo-na-cara, de cenas cuspidas na cara do ouvinte. Há lucidez, música, e, principalmente, poesia”, afirmou o jornal O Globo na época do lançamento. O mesmo se deu com o sucessor Sobre Crianças, Quadris, Pesadelos e Lições de Casa (2015). Inspirado em uma viagem por Angola e Cabo Verde, trouxe participações de nomes do calibre de Caetano Veloso e Vanessa da Mata. Este foi indicado ao Grammy Latino – a outra indicação de Emicida à premiação foi com a música “A Chapa É Quente”, do projeto Língua Franca (2017), parceria em que ele, Rael e os rappers portugueses Capicua e Valete celebram a língua comum entre os dois países.

Em paralelo, a Laboratório Fantasma deu um passo crucial para a consolidação da marca LAB. Em 2016, estreou na São Paulo Fashion Week, maior evento de moda da América Latina, com um desfile histórico. “Felizmente, o desfile da LAB em nada se parece com o que se vê na SPFW. Só pela seleção de modelões, 90% formada por negros e alguns do mercado plus size, a marca já se destaca”, afirmou o jornal O Estado de S. Paulo sobre a estreia. "Entende-se a beleza de uma maneira pobre, a gente quis enriquecer isso, colocar pessoas que encontro nas calçadas todos os dias. A gente perde quando não reconhece essa beleza", disse Emicida àquela altura.
A discografia do rapper ganhou um novo episódio em 2018, quando lançou o seu primeiro DVD ao vivo. O registro foi feito no ano anterior, no dia 20 de novembro, Dia da Consciência Negra, e teve como mote os 10 anos do single “Triunfo”. Outros frutos de 2018 foram: o single “Hacia El Amor”, com o duo franco-cubano Ibeyi; e o seu primeiro livro infantil, intitulado Amoras. Em 2019, ano em que a LAB completou 10 anos, Emicida conseguiu olhar pra trás com êxito, mas ainda mira o futuro. Hoje, tem o entendimento do todo que foi feito até aqui: um experimento social que ainda está em construção.

Acompanhe todas as novidades e informações da Mostra 2020 do Festival de Curitiba pelo site www.festivaldecuritiba.com.br, pelas redes sociais disponíveis, no Facebook @fest.curitiba, pelo Instagram @festivaldecuritiba e pelo Twitter @fest_curitiba

Apresentadores, patrocinadores e apoiadores

O Festival de Teatro de Curitiba tem parceiros fundamentais para sua realização e é patrocinado pelo Ebanx, Vivo, Uninter, Renault do Brasil, Electrolux, Banco RCI Brasil, Junto Seguros, Copel - Pura Energia, Sanepar, Governo do Estado e GRASP. O Programa Guritiba é apresentado por New Holland, com patrocínio de Novozymes e Fibracem. O MishMash é apresentado pela Unimed Curitiba e Thales Group, com o apoio da Ritmo Logística. Quem apresenta o Risorama é a Potencial Petróleo, com o patrocínio de Previsul Seguradora, tendo como a cerveja oficial a Cacildis e o apoio de FH Consultoria e Grupo Barigui. As bilheterias do Festival de Curitiba são uma parceria com o ParkShoppingBarigüi e o Shopping Mueller.

FICHA TÉCNICA:
Direção Geral: Emicida e Evandro Fióti
Direção Musical: Julio Fejuca
Cenografia: Zé Carratu
Conteúdo: Studio Curva
Coordenação de Produção: Raissa Fumagalli
Produção Executiva: Lohana Schalken
Produção Técnica: BillSaramiolo
Técnico de PA: Nivaldo Costa
Técnico de Monitor: Flávio Brandão
Iluminador: Dalmir Vianna
Roadie: Gabriel Izidoro
VJ: Leonardo Patrevita.
Banda: Baixo, cavaco e violão - Julio Fejuca. Guitarra, violão baixo e backvocal - Michelle Lemos. Bateria, bateria eletrônica e percussões - Silvanny Sivuca. Toca-discos e backing vocal - Dj Nyack.

Serviço:
O que: Emicida no Festival de Curitiba 2020
Quando: 02/04 às 21h
Onde: Guairão (Praça Santos Andrade)
Valores: R$ 80,00 (inteira)
Ingressos: www.festivaldecuritiba.com.br, pelo aplicativo “Festival de Curitiba 2020”, e nas bilheterias físicas do ParkShoppingBarigui (Piso térreo próximo à praça de eventos), de segunda a sexta-feira, das 11h às 23h; sábado das 10h às 22h e domingos das 14h às 20h; e no Shopping Mueller (piso L3), de segunda-feira a sábado, das 10h às 22h; domingos e feriados, das 14h às 20h.
Classificação: LIVRE
Duração: 90´

Hashtags oficiais – #festivaldecuritiba #festcuritiba #ofestivalparatodos #omeufestival

Sugestão de Tags – festival, curitiba, festival de curitiba, mostra, teatro, show, música, emicida, guaíra, amarelo, rap, artes cênicas, artes, música, cultura, atrações

Luis Miranda e Mateus Solano voltam ao Festival de Curitiba com nova montagem de O Mistério de Irma Vap

Espetáculo é considerado um dos maiores sucessos do teatro mundial 
e terá duas apresentações no Guairão

Um dos maiores sucessos do teatro mundial, “O Mistério de Irmã Vap” ganhou nova versão com um time de peso e faz parte do Festival de Curitiba 2020. Sucesso nas décadas de 80 e 90, a comédia voltou aos palcos brasileiros sob direção de Jorge Farjalla, com Luis Miranda, Mateus Solano, Biagio Pecorelli, Fagundes Emanuel, Gus Casabona e Thomas Marcondes no elenco. “O Mistério de Irmã Vap” terá duas apresentações no Guairão, dia 4 de abril, às 21h, e 5 de abril, às 19h.

É uma peça teatral em dois atos, escrita pelo americano Charles Ludlam. Diferente da versão original, que acontece em uma mansão mal-assombrada, a criação de Farjalla é situada no trem fantasma de um parque de diversões macabro. “Usamos como referência os filmes de terror, como “Pague para Entrar, Reze para Sair”, de Tobe Hooper; “Rebecca”, de Alfred Hitchcock e a estética dos anos 80. Mergulhamos também no universo do videoclipe de “Thriller”, de Michael Jackson, que foi dirigido pelo cineasta John Landis, uma referência do que é um filme de horror. Além disso, a obra também tem várias citações de Shakespeare, principalmente de Hamlet. Desfragmentamos todas as camadas do texto para ver o que estava por trás dele e ressignificar a obra”, conta o diretor e encenador.

A primeira e icônica montagem brasileira do texto, com direção da saudosa atriz Marília Pêra e atuação de Ney Latorraca e Marco Nanini, estreou em 1986 e ficou em cartaz durante 11 anos consecutivos, o que garantiu ao texto o registro no livro Guiness World Records. A peça ficou marcada na história do teatro por uma espécie de gincana de troca de figurinos por Nanini e Latorraca.

O espetáculo atual tem a proposta de expor aos olhos do público essa troca de roupas e enfatizar ainda mais o texto e o trabalho do ator. “Nós teatralizamos a troca de roupas. Eu quero mostrar para o espectador o teatro como uma grande ilusão e o ator como um grande mago, que pode criar tudo na frente do público e fazê-lo acreditar naquela situação. Quero que a plateia sinta o trabalho do ator e como eles vão dividir esses personagens em um jogo de espelhos. O próprio texto de Ludlam sugere o jogo teatral e tentamos enfatizar ao máximo a questão dos atores como um duplo”, comenta o diretor. A encenação ousada, segue ele, só é possível graças ao talento de Luis Miranda e Mateus Solano. “Os dois são de uma genialidade, uma elegância artística! Eles têm juntos uma energia maravilhosa. Estou muito grato por tê-los comigo e por partilhar algo tão sagrado para mim, que é o fazer teatral”, finaliza.

Acompanhe todas as novidades e informações da Mostra 2020 do Festival de Curitiba pelo site www.festivaldecuritiba.com.br, pelas redes sociais disponíveis, no Facebook @fest.curitiba, pelo Instagram @festivaldecuritiba e pelo Twitter @fest_curitiba

Apresentadores, patrocinadores e apoiadores

O Festival de Teatro de Curitiba tem parceiros fundamentais para sua realização e é patrocinado pelo Ebanx, Vivo, Uninter, Renault do Brasil, Electrolux, Banco RCI Brasil, Junto Seguros, Copel - Pura Energia, Sanepar, Governo do Estado e GRASP. O Programa Guritiba é apresentado por New Holland, com patrocínio de Novozymes e Fibracem. O MishMash é apresentado pela Unimed Curitiba e Thales Group, com o apoio da Ritmo Logística. Quem apresenta o Risorama é a Potencial Petróleo, com o patrocínio de Previsul Seguradora, tendo como a cerveja oficial a Cacildis e o apoio de FH Consultoria e Grupo Barigui. As bilheterias do Festival de Curitiba são uma parceria com o ParkShoppingBarigüi e o Shopping Mueller.

FICHA TÉCNICA:
Texto: Charles Ludlam.
Idealização: Andrea Francez. 
Direção, Encenação e Dramaturgia: Jorge Farjalla.
Elenco: Luis Miranda, Mateus Solano, Biagio Pecorelli, Fagundes Emanuel, Gus Casabona, Thomas Marcondes.
Traducão: Simone Zucato.
Assistente de Direção: Raphaela Tafuri.
Direção de Produção: Priscila Prade e Marco Griesi.
Coordenação de Produção: Daniella Griesi.
Produção Executiva: Maristela Marino.
Assistente de Produção: Carolina Teixeira.
Direção Musical: Gilson Fukushima.
Cenografia: Marco Lima.
Iluminação: Cesar Pivetti.
Figurinos: Karen Brustolin.
Fotografia: Priscila Prade.
Mídia Digital: Gigi Prade.
Comunicação Visual: Kelson Spalato e Murilo Lima.
Assessoria de Imprensa: Diogo Locci.
Produção de Elenco: Marcela Altberg.
Realização: Bricabraque Produções e Palco7.

Serviço:
O que:  O Mistério de Irma Vap no 29.º Festival de Curitiba
Quando: dia 4 de abril, às 19h, e 5 de abril, às 21h.
Onde: Teatro Guaíra | Guairão (Praça Santos Andrade, S/N – Centro)
Valores:  R$ 80,00 (inteira)
Ingressos: www.festivaldecuritiba.com.br, pelo aplicativo “Festival de Curitiba 2020”, e nas bilheterias físicas do ParkShoppingBarigui (Piso térreo próximo à praça de eventos), de segunda a sexta-feira, das 11h às 23h; sábado das 10h às 22h e domingos das 14h às 20h; e no Shopping Mueller (piso L3), de segunda-feira a sábado, das 10h às 22h; domingos e feriados, das 14h às 20h.
Classificação: 12 anos.
Duração: 100’

Hashtags oficiais – #festivaldecuritiba #festcuritiba #ofestivalparatodos #omeufestival

Sugestão de Tags – festival, curitiba, festival de curitiba, mostra, teatro, artes cênicas, mistério, irma vap, luis miranda, mateus solano, guaíra, jorge farjalla, artes, cultura, show, atrações

Estão abertas as bilheterias da
29ª edição do Festival de Curitiba



As vendas nos espaços físicos, nos shoppings Mueller e ParkShoppingBarigüi, no site e no aplicativo oficial estão abertas
Reunindo mais de 400 atrações em aproximadamente 70 espaços de Curitiba e da Região Metropolitana, o Festival de Curitiba chega a sua 29ª edição, com uma programação que contempla grandes nomes da classe artística nacional e internacional. Este ano, o Festival ocorre de 24 de março até 5 de abril, com estreias nacionais, espetáculos premiados e mostras que levarão teatro, dança, circo, música, oficinas, shows e performances para os diferentes públicos, de todas as idades. “Nesta edição mantemos nosso mote de ‘Festival para Todos’, com uma programação que possibilita arte e entretenimento para todos os tipos de públicos, de forma acessível e diversificada, em diferentes pontos da cidade”, explica Fabíula Passini, codiretora do Festival de Curitiba. 

Os ingressos estão à venda nas bilheterias oficiais, localizadas no ParkShoppingBarigüi (Piso térreo próximo à praça de eventos) e no Shopping Mueller (Piso L3) e nas plataformas online, pelo site www.festivaldecuritiba.com.br e aplicativo oficial “Festival de Curitiba 2020” (disponíveis para os sistemas Android e IOS).
 
Ao manter sua tradição em destacar os novos, bem como os experientes artistas, a programação do Festival de Curitiba este ano conta com montagens de sucesso, com nomes reconhecidos no cenário nacional, como Denise Fraga, Emicida, Luis Miranda, Mateus Solano, Laila Garin, Denise Stoklos, Otávio Mueller, Lúcio Mauro Filho, Marcos Breda, Cacá Carvalho, Grupo Corpo, Rodrigo Portella, Ranieri Gonzales, Grupo Armazém, Gabriel Villela, Renata Carvalho, Grupo Galpão, entre outros.

Na Mostra, a curadoria sequencial de Guilherme Weber e Marcio Abreu investiga “O que é um Corpo?”, pergunta que inspira e faz pensar a nova resistência do mundo, redefinindo a vida e seus sentidos de liberdade. As Interlocuções, espaço dedicado aos debates, encontros, pensamento crítico, performances e ações de diversas naturezas, com o intuito de ampliar a experiência e os sentidos de convivência e troca, ganham mais uma edição em 2020. Seguem com a palavra aberta, palestras documentadas, oficinas gratuitas, temporada de performance, lançamentos de livros, encontros e outras atividades reunindo artistas e o público. “O sentido maior de um festival”, observam Weber e Abreu.
 
No Fringe serão mais de 370 espetáculos, espalhados por 60 espaços de Curitiba e da Região Metropolitana, que atuarão nos mais diferentes gêneros artísticos (comédia, drama, infantil, lambe-lambe, de rua, entre outros), possibilitando ainda mais o enriquecimento e a democratização da programação do Festival de Curitiba. Entre as atrações, peças vindas de 17 estados brasileiros e de 9 países, como Argentina, Chile, Colômbia, Cuba, Equador, Paraguai, Peru e Portugal. Serão em média 1500 apresentações, sendo que mais de 390 são gratuitas e 340 no “Pague Quanto Puder”. Além disso, o Fringe este ano contará com 19 mostras especiais, propostas por grupos artísticos de Curitiba e de várias partes do Brasil. “O Fringe é um grande centro de encontro das artes cênicas do país e apresenta as principais tendências da área. Ele possibilita a troca de informações, a divulgação de trabalhos, a colocação de ideias em cena. O Fringe é uma mostra que promove a arte no geral”, comenta a coordenadora do Fringe, Carol Scabora.
 
No Guritiba, uma programação voltada para as crianças de todas as idades, com companhias premiadas e reconhecidas nacionalmente, além de atividades recreativas, educacionais e sociais. São 3 grandes espetáculos, com destaque para o Grupo Triii, um fenômeno da música infantil na internet. O MishMash, que ocorrerá nos dias 4 e 5 de abril, continuará trazendo a sua magia e fantasia, em uma atração para toda a família. Com sua variedade artística, que reúne circo, música, dança, mágica, performance e teatro, o show este ano promete, mais uma vez, ser inesquecível, para ser apreciado entre pais e filhos. Já o Risorama, um dos maiores festivais de humor do País, manterá sua tradição de reunir os maiores nomes da comédia nacional, da televisão, da internet e dos palcos, em uma verdadeira festa do riso. A convite de Diogo Portugal, nomes como Fábio Rabin, Murilo Couto, Rodrigo Marques, Marlei Cevada, Victor Sarro, Igor Guimarães, entre outros, já estão confirmados. Encerrando as atividades do Festival de Curitiba, o Gastronomix promoverá o encontro da arte e da gastronomia, reunindo nomes de destaque da culinária nacional.
  
Acompanhe todas as novidades e informações pelo site do Festival de Curitiba, pelo aplicativo oficial “Festival de Curitiba 2020” (IOS e Android), pelas redes sociais disponíveis, no Facebook @fest.curitiba, pelo Instagram @festivaldecuritiba e pelo Twitter @Fest_curitiba. Cadastre-se também na newsletter oficial.
 
Apresentadores, patrocinadores e apoiadores
O Festival de Teatro de Curitiba tem parceiros fundamentais para sua realização e é patrocinado pelo Ebanx, Vivo, Uninter, Renault do Brasil, Electrolux, Banco RCI Brasil, Junto Seguros, Copel - Pura Energia, Sanepar, Governo do Estado e GRASP. O Programa Guritiba é apresentado por New Holland, com patrocínio de Novozymes e Fibracem. O MishMash é apresentado pela Unimed Curitiba e Thales Group, com o apoio da Ritmo Logística. Quem apresenta o Risorama é a Potencial Petróleo, com o patrocínio de Previsul Seguradora, tendo como a cerveja oficial a Cacildis e o apoio de FH Consultoria e Grupo Barigui. As bilheterias do Festival de Curitiba são uma parceria com o ParkShoppingBarigüi e o Shopping Mueller.
  
Valores:
Mostra 2020 – De R$ 0 a R$ 80,00 (entrada inteira)*
Fringe – De R$ 0 a R$ 60,00 (entrada inteira) + taxa administrativa
Risorama – R$ 70,00 (entrada inteira) + taxa administrativa
MishMash – R$ 40,00 (entrada inteira) + taxa administrativa
Guritiba – De R$ 0 a R$ 40,00 (entrada inteira) + taxa administrativa
*Os espetáculos dos espaços José Maria Santos e Mini Guaíra, são acrescidos de taxa de R$ 1.44.

Serviço:
O que: 29.º Festival de Curitiba
Quando: De 24/03 a 05/04 de 2020.
Valores: Os ingressos vão de R$ 0,00 até R$ 80,00.
Ingressos: www.festivaldecuritiba.com.br, pelo aplicativo “Festival de Curitiba 2020”, e nas bilheterias físicas do ParkShoppingBarigui (Piso térreo próximo à praça de eventos), de segunda

a sexta-feira, das 11h às 23h; sábado das 10h às 22h e domingos das 14h às 20h; e no Shopping Mueller (piso L3), de segunda-feira a sábado, das 10h às 22h; domingos e feriados, das 14h às 20h.
Verifique a classificação indicativa e orientações de cada espetáculo
  
Hashtags oficiais – #festivaldecuritiba #festcuritiba #ofestivalparatodos #omeufestival
Sugestão de Tags – festival, curitiba, festival de curitiba, mostra, fringe, teatro, gastronomix, mishmash, guritiba, risorama, stand-up, artes cênicas, artes, circo, dança, música, cultura, show, atrações

Após três temporadas de sucesso em São Paulo peça de teatro Benjamin de emigrante armênio, sobre direitos dos animais que promove adoção de cachorro ao final de cada sessão se apresentará no Festival de Curitiba

Peça de teatro sobre direitos dos animais idealizada pelo artista e emigrante armênio Arthur Haroyan arrecadou, nas primeiras três temporadas, mais de uma tonelada de ração doadas para ONGs parceiras e viabilizou adoção de doze cachorros – o rapper Projota foi responsável por uma delas.

A relação do artista armênio Arthur Haroyan com seu cachorro, Raffí, morto em agosto de 2018, inspirou o espetáculo Benjamin, que faz nova temporada a partir do dia 1º de fevereiro, sábado, às 21h, no teatro Giostri Livraria Teatro. Alguns dos temas discutidos na peça são a falta de leis que defendam os animais, precariedades dos abrigos e questões como eutanásia, sacrifício e qualidade de vida. Ao final de cada sessão, um cachorro assistido por uma ONG de proteção aos animais estará disponível para adoção, respeitando todas práticas previstas neste tipo de processo.

A peça é a terceira do Grupo ARCA, criado por Arthur, e conta a história de Benjamin (Mário Goes), vira-lata que promove mudanças profundas na vida de Berta (Júlia Marques), mulher que o adota após ser traída pelo marido, Nöah (Lisandro Di Prospero), durante sua lua de mel em Istambul.

Com a chegada de Benjamin, o público passa a assistir a visão que Berta projeta sobre o animal. Nele, Berta vê um ser humano ideal, que é cuidadoso, otimista, poético, respeitoso e companheiro, tornando-se assim uma metáfora que ilustra sentimentos verdadeiros e o amor genuíno, muito presentes no comportamento dos cachorros.

Quando Nöah reaparece, Benjamin logo passa a ser assistido pelo público sob a ótica do homem, tomando então uma forma não apenas animalizada, mas triste e solitária, já que o cachorro é menosprezado por ele. “Berta enxergava em Benjamin algo que devia existir nos seres humanos, mas normalmente não existe. Já Nöah traz uma outra camada, e logo o assunto central da peça se torna a confiança traída, o abandono e os maus tratos aos animais”, conta Arthur, que também assina a direção da trama.

Benjamin, que até então interagia, conversava e até dançava valsa com Berta, é deixado de lado, perdendo sua voz e todas características que a relação com a mulher o conferiam. “Benjamin sofre questões ligadas à indiferença do ser humano, tornando-se assim um representante de vários outros animais que passam por situações semelhantes”, completa o artista.

A encenação da peça é realista, exceto pela própria composição do personagem canino, que ganha um figurino futurístico alterado de acordo com a mudança de olhares dos humanos sobre ele. Apesar de não haver nenhum indicativo exato sobre o tempo em que a peça se passa, Benjamin tem ambientação inspirada nos anos 40, com referência ao cinema mudo, à filmografia de Charlie Chaplin e a estrutura do jogo de xadrez, com peças brancas e pretas que se colidem e se misturam durante a partida.

“O cenário é composto por muitos elementos geométricos e brancos, que vão tomando outras cores após a entrada de Benjamin e mudam novamente depois do retorno de Nöah”, conta Arthur. O dramaturgo e diretor explica que a chegada de Nöah ‘suja’ o ambiente, como se ele trouxesse uma atmosfera venenosa e pesada a um espaço que havia sido colorido por Benjamin.

Sinopse Curta

Durante um ataque terrorista em sua lua de mel em Istambul, Berta foi traída pelo seu marido e está à beira do suicídio. A chegada inesperada de Benjamin, um vira-lata, tira Berta do fundo do poço. Mas esta ligação se rompe com a volta de Nöah, seu ex-marido.

Sobre o Grupo ARCA

Benjamin é o terceiro espetáculo do grupo ARCA, coletivo de pesquisas artísticas criado em 2011 por Arthur Haroyan que tem como foco discussões e criações artísticas sobre a República da Armênia. O nome do grupo é inspirado na história bíblica da Arca de Noé, que de acordo com o livro de Gênesis, repousou no monte Ararat após o dilúvio, região localizada na Armênia Histórica.

O primeiro espetáculo do grupo, 1915, foi baseado na história dos bisavós de Arthur e se ambientava no período do genocídio armênio. O trabalho circulou por diversas cidades, como Santos, Jundiaí e São Paulo, além de ter integrado a programação oficial do centenário do genocídio armênio.

Fora Desse Mundo, segunda peça do grupo, foi escrita a partir de uma viagem de Arthur às montanhas de Cáucaso, também na Armênia, onde o artista teve contato com diversas comunidades isoladas do restante do mundo. De linguagem mais híbrida entre a dança e o teatro, com fortes inspirações da Wuppertal Tanztheater, companhia da coreógrafa alemã Pina Bausch, e na cia francesa Maguy Marin, a peça explora o olhar de uma comunidade para fora de si, onde o que é normal para alguns deixa de ser normal para os outros.

Nas duas primeiras peças do Grupo ARCA, Arthur assinou dramaturgia e também esteve em cena. Já Benjamin marca sua estreia como diretor.

Sobre Arthur Haroyan
Nascido na República da Armênia, Arthur Haroyan, fundador do grupo ARCA, é ator, dramaturgo e professor formado em Artes Dramáticas pela escola Incenna (São Paulo/SP) e bacharel em língua e literatura russa pela Universidade Estadual de Pedagogia da República da Armênia.

Na Armênia, trabalhou como jornalista, tendo cursado no IWPR (Institut for War & Peace Reporting), na sede do Cáucaso, e no teatro Estadual de Drama na República da Armênia. Em Porto Velho (RO), realizou a exposição fotográfica Armênia - 3.000 anos de história e participou do Seminário do Plano Nacional de Cultura. Haroyan teve poesias publicadas na compilação lançada pela Universidade Federal da sua cidade.

É autor e ator da peça 1915, dirigida por Rogério Rizzardi, que entrou em cartaz no teatro Espaço Viga Cênico em 2013/2015, autor e ator da tragicomédia Fora Desse Mundo, dirigida por Kléber Góes, que estreou em 2017 na mostra Fringe, que integrou o Festival Internacional de Teatro de Curitiba. Em São Paulo, a peça entrou em cartaz no Espaço Parlapatões e em seguida no Teatro Municipal Arthur Azevedo.

Arthur atuou em mais de 25 peças teatrais na Armênia, no Teatro EstadualHovhannes Abelyan, na sua terra natal, e em diversos espetáculos no Brasil, entre eles: A escolha, Agreste, Malandragem S.A. (baseado na peça Ópera do malandro), Orgulho e reconceito, 1915 e Fora Desse Mundo, entre outras. Atuou no curta-metragem Um gole de conhaque ou um perfume qualquer, O que vem depois de adeus e Uma chamada perdida. Possui diversos trabalhos na publicidade nacional e internacional e participações em novelas brasileiras. Sua história de vida foi destaque no Programa do Jô em 2013 e 2015.

Ficha Técnica

Dramaturgia, direção e cenário: Arthur Haroyan. Elenco: Mário Goes, Júlia Marques e Lisandro Di Prospero. Preparação Corporal: Sidnei Araújo. Figurinos e adereços: Willian Gama e Grupo ARCA. Caracterização: Carol Rossi. Preparação Vocal e Fonoaudióloga: Marília Marques Ramos. Criação de Luz: Georgia Ramos. Composições e Interferências Sonoras: Arthur Haroyan. Hidden Track: Linda Geyman (Rússia). Cenotécnicos: Alfredo Wagner Filho e Rodrigo Briones. Fotografia: Leonardo Santos (Estúdio Meu Ensaio Fotográfico). Arte Gráfica: Rodrigo Briones. Arte das Camisetas e Canecas: Vicente Pavone. Vídeo: Rodrigo Briones, Wellington Oliveira (Videoimagem). 80 minutos. Classificação Indicativa: 12 anos.

Serviço

Benjamin

APRESENTAÇÕES: 25/03 (QUA) às 20:30

26/03 (QUI) às 11:30

27/03 (SEX) às 17:30

28/03 (SAB) às 14:30

Local: UNINTER – Polo Divina, Rua do Rosário, 147, São Francisco. Curitiba (PR)
Ingressos*: R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia)
Vendas: https://festivaldecuritiba.com.br/atracao/benjamin/
Capacidade: 170 lugares.
*Quem doar 1 Kg de ração, tem direito a pagar meia-entrada

BENJAMIN - Festival de Curitiba

BENJAMIN - Festival de Curitiba
BENJAMIN #CausaAnimal Durante um ataque terrorista em sua lua de mel em Istambul, Berta foi traída pelo seu m...

Espetáculo "Benjamin"/Grupo ARCA

youtube.png
Espetáculo "Benjamin"/Grupo ARCA
#Teatro #CausaAnimal #DogLovers O Brasil NÃO TEM leis efetivas direcionadas para defender os animais o que já ex...
Espetáculo "Benjamin" Tema - CAUSA ANIMAL

youtube.png
Espetáculo "Benjamin" Tema - CAUSA ANIMAL
AO FINAL DE CADA ESPETÁCULO UM CÃO ACOLHIDO POR UMA ONG PARCEIRA - E QUE ESTEVE EM CENA NO DIA - SERÁ COLOCADO P...
Adoção de cães durante espetáculo "Benjamin"/CAUSA ANIMAL/

youtube.png
Adoção de cães durante espetáculo "Benjamin"/CAUSA ANIMAL/
#Teatro #CausaAnimal #DogLovers O Brasil NÃO TEM leis efetivas direcionadas para defender os animais o que já ex...
BENJAMIN FRINGE - Google Drive

Estão abertas as bilheterias da 29ª edição do Festival de Curitiba

As vendas nos espaços físicos, nos shoppings Mueller e ParkShoppingBarigüi, estão abertas.
Na sequência, os ingressos também estarão disponíveis no site e no aplicativo oficial.

Reunindo mais de 400 atrações em aproximadamente 70 espaços de Curitiba e da Região Metropolitana, o Festival de Curitiba chega a sua 29ª edição, com uma programação que contempla grandes nomes da classe artística nacional e internacional. Este ano, o Festival ocorre de 24 de março até 5 de abril, com estreias nacionais, espetáculos premiados e mostras que levarão teatro, dança, circo, música, oficinas, shows e performances para os diferentes públicos, de todas as idades. “Nesta edição mantemos nosso mote de ‘Festival para Todos’, com uma programação que possibilita arte e entretenimento para todos os tipos de públicos, de forma acessível e diversificada, em diferentes pontos da cidade”, explica Fabíula Passini, codiretora do Festival de Curitiba.

Os ingressos estão à venda nas bilheterias oficiais, localizadas no ParkShoppingBarigüi (Piso térreo próximo à praça de eventos) e no Shopping Mueller (Piso L3). Na sequência, as vendas dos ingressos nas plataformas online, pelo site www.festivaldecuritiba.com.br e aplicativo oficial “Festival de Curitiba 2020” (disponíveis para os sistemas Android e IOS), também estarão acessíveis.

Ao manter sua tradição em destacar os novos, bem como os experientes artistas, a programação do Festival de Curitiba este ano conta com montagens de sucesso, com nomes reconhecidos no cenário nacional, como Denise Fraga, Emicida, Luis Miranda, Mateus Solano, Laila Garin, Denise Stoklos, Otávio Mueller, Lúcio Mauro Filho, Marcos Breda, Cacá Carvalho, Grupo Corpo, Rodrigo Portella, Ranieri Gonzales, Grupo Armazém, Gabriel Villela, Renata Carvalho, Grupo Galpão, entre outros.

Na Mostra, a curadoria sequencial de Guilherme Weber e Marcio Abreu investiga “O que é um Corpo?”, pergunta que inspira e faz pensar a nova resistência do mundo, redefinindo a vida e seus sentidos de liberdade. As Interlocuções, espaço dedicado aos debates, encontros, pensamento crítico, performances e ações de diversas naturezas, com o intuito de ampliar a experiência e os sentidos de convivência e troca, ganham mais uma edição em 2020. Seguem com a palavra aberta, palestras documentadas, oficinas gratuitas, temporada de performance, lançamentos de livros, encontros e outras atividades reunindo artistas e o público. “O sentido maior de um festival”, observam Weber e Abreu.

No Fringe serão mais de 370 espetáculos, espalhados por 60 espaços de Curitiba e da Região Metropolitana, que atuarão nos mais diferentes gêneros artísticos (comédia, drama, infantil, lambe-lambe, de rua, entre outros), possibilitando ainda mais o enriquecimento e a democratização da programação do Festival de Curitiba. Entre as atrações, peças vindas de 17 estados brasileiros e de 9 países, como Argentina, Chile, Colômbia, Cuba, Equador, Paraguai, Peru e Portugal. Serão em média 1500 apresentações, sendo que mais de 390 são gratuitas e 340 no “Pague Quanto Puder”. Além disso, o Fringe este ano contará com 19 mostras especiais, propostas por grupos artísticos de Curitiba e de várias partes do Brasil. “O Fringe é um grande centro de encontro das artes cênicas do país e apresenta as principais tendências da área. Ele possibilita a troca de informações, a divulgação de trabalhos, a colocação de ideias em cena. O Fringe é uma mostra que promove a arte no geral”, comenta a coordenadora do Fringe, Carol Scabora.

No Guritiba, uma programação voltada para as crianças de todas as idades, com companhias premiadas e reconhecidas nacionalmente, além de atividades recreativas, educacionais e sociais. São 3 grandes espetáculos, com destaque para o Grupo Triii, um fenômeno da música infantil na internet. O MishMash, que ocorrerá nos dias 4 e 5 de abril, continuará trazendo a sua magia e fantasia, em uma atração para toda a família. Com sua variedade artística, que reúne circo, música, dança, mágica, performance e teatro, o show este ano promete, mais uma vez, ser inesquecível, para ser apreciado entre pais e filhos. Já o Risorama, um dos maiores festivais de humor do País, manterá sua tradição de reunir os maiores nomes da comédia nacional, da televisão, da internet e dos palcos, em uma verdadeira festa do riso. A convite de Diogo Portugal, nomes como Fábio Rabin, Murilo Couto, Rodrigo Marques, Marlei Cevada, Victor Sarro, Igor Guimarães, entre outros, já estão confirmados. Encerrando as atividades do Festival de Curitiba, o Gastronomix promoverá o encontro da arte e da gastronomia, reunindo nomes de destaque da culinária nacional.

Acompanhe todas as novidades e informações pelo site do Festival de Curitiba, pelo aplicativo oficial “Festival de Curitiba 2020” (IOS e Android), pelas redes sociais disponíveis, no Facebook @fest.curitiba, pelo Instagram @festivaldecuritiba e pelo Twitter @Fest_curitiba. Cadastre-se também na newsletter oficial.

Apresentadores, patrocinadores e apoiadores

O Festival de Teatro de Curitiba tem parceiros fundamentais para sua realização e é patrocinado pelo Ebanx, Vivo, Uninter, Renault do Brasil, Electrolux, Banco RCI Brasil, Junto Seguros, Cielo, Copel - Pura Energia, Sanepar, Governo do Estado e GRASP. O Programa Guritiba é apresentado por New Holland, com patrocínio de Novozymes e Fibracem. O MishMash é apresentado pela Unimed Curitiba e Thales Group, com o apoio da Ritmo Logística. Quem apresenta o Risorama é a Potencial Petróleo, com o patrocínio de Previsul Seguradora, tendo como a cerveja oficial a Cacildis e o apoio de FH Consultoria e Grupo Barigui. As bilheterias do Festival de Curitiba são uma parceria com o ParkShoppingBarigüi e o Shopping Mueller.

Valores:
Mostra 2020 – De R$ 0 a R$ 80,00 (entrada inteira)*
Fringe – De R$ 0 a R$ 60,00 (entrada inteira) + taxa administrativa
Risorama – R$ 70,00 (entrada inteira) + taxa administrativa
MishMash – R$ 40,00 (entrada inteira) + taxa administrativa
Guritiba – De R$ 0 a R$ 40,00 (entrada inteira) + taxa administrativa
*Os espetáculos dos espaços José Maria Santos e Mini Guaíra, são acrescidos de taxa de R$ 1.44.

Serviço:
O que: 29.º Festival de Curitiba
Quando: De 24/03 a 05/04 de 2020.
Valores: Os ingressos vão de R$ 0,00 até R$ 80,00.
Ingressos: www.festivaldecuritiba.com.br, pelo aplicativo “Festival de Curitiba 2020”, e nas bilheterias físicas do ParkShoppingBarigui (Piso térreo próximo à praça de eventos), de segunda a sexta-feira, das 11h às 23h; sábado das 10h às 22h e domingos das 14h às 20h; e no Shopping Mueller (piso L3), de segunda-feira a sábado, das 10h às 22h; domingos e feriados, das 14h às 20h.
Verifique a classificação indicativa e orientações de cada espetáculo

Hashtags oficiais – #festivaldecuritiba #festcuritiba #ofestivalparatodos #omeufestival

Sugestão de Tags – festival, curitiba, festival de curitiba, mostra, fringe, teatro, gastronomix, mishmash, guritiba, risorama, stand-up, artes cênicas, artes, circo, dança, música, cultura, show, atrações