Evento Pret!n Move & Centro Cultural Teatro Guaíra e a Superintendência-Geral da Cultura

O Centro Cultural Teatro Guaíra e a Superintendência-Geral da Cultura têm o prazer de convidá-lo para participar do evento Pret!n Move, neste domingo, 20 de novembro, às 19 horas, no palco do auditório Bento Munhoz da Rocha Neto.
Na ocasião, o palco do Guairão se transformará em passarela para receber manifestações de moda, música, dança e muita arte em comemoração ao Dia da Consciência Negra. Iniciativa dos bailarinos do Balé Guaíra Luana Nery, Leonardo Lino e Leopolldo, o evento colocará em destaque a obra e a produção de pretos e pretas numa grande confraternização.
Evento para convidados. Pedimos que confirme a sua presença e de um acompanhante até sexta-feira (18/11)
Importante: a entrada será feita pela rampa da Rua Amintas de Barros

Centro Cultural Teatro Guaíra Terra Brasilis Bale Guaira – Orquestra Sinfônica do Paraná

20 de abril às 20:25 ·
Últimos detalhes desse espetáculo maravilhoso. Vocês sabiam que nossos bailarinos ensaiaram mais de 450 horas para Terra Brasilis? Vocês podem conferir parte desse esforço nesses fotões do Maringas Maciel
Esperamos vocês aqui neste fim de semana.
Serviço
Terra Brasilis
Dias 22, 23 e 24 de abril
Sexta e sábado às 20h30 e domingo às 18h
Classificação indicativa: 14 anos
Ingressos: bit.ly/baleguaira

Balé Teatro Guaíra reencontra público no Guairinha

Companhia traz nova coreografia de Lili de Grammont e discute a vida pós-pandemia

O Balé Teatro Guaíra retorna ao palco do Guairinha no dia 4 de dezembro com uma coreografia que conversa com o público sobre os desafios vividos durante a pandemia de Covid-19 e a esperança de retorno para o novo normal. O novo trabalho do BTG também brinca com a tecnologia: o cenário é virtual e um celular em cena transmitirá o espetáculo ao vivo, como se o público on-line fosse um bailarino da companhia. Os espectadores também vão se surpreender com a trilha sonora, com elementos do erudito ao funk.

A coreografia VICA foi criada por Lili de Grammont. Com formação pela Juilliard School, em Nova York, e passagem pelo Balé da Cidade de São Paulo, Lili trouxe reflexões sobre o papel da tecnologia. O acrônimo VICA significa volatilidade, incerteza, complexidade e ambiguidade, características já parte do mundo pós-moderno, mas exacerbadas com a pandemia de Covid-19. O termo surgiu nos Estados Unidos após o fim da Guerra Fria. “Trazemos esses elementos para o trabalho. Estamos em um mundo volátil, incerto, complexo e ambíguo. Como viver nesse contexto?”

A saída para os desafios do mundo pós-pandemia são as conexões entre as pessoas, por isso a coreografia explora a relação, o toque entre os bailarinos – algo que havia ficado “suspenso” com a pandemia. Lili conta que usou uma metáfora com a água para explicar aos bailarinos o que desejava transmitir ao público. “Como ser água em um mundo árido, com areia movediça e cheio de montanhas? Os caminhos vão mudando e precisamos descobrir como contornar os obstáculos e chegar ao mar. A mensagem é dizer que, apesar de tudo, a essência do ser humano é sempre caminhar para a vida, para a cor, para o sorriso. Por mais difícil que o percurso seja, há beleza”, diz a coreógrafa.

No palco do Guairinha, o cenário será virtual, trazendo técnicas de ilusão de ótica. “O virtual é algo que veio para ficar, não há como voltar atrás. O desafio da coreografia é discutir como manter nossa essência nesse contexto”, conta Lili. A trilha sonora que encerra o espetáculo traz trechos de ritmos brasileiros, como samba e funk. A ideia é reproduzir e discutir o que se vive no mundo virtual, como no Instagram, onde vemos diversos estilos e perspectivas. “Os bailarinos são provocados como se estivessem no feed do Instagram: passamos de um conteúdo lírico ao futebol em um clique, por exemplo”, finaliza de Grammont.

Para Monica Rischbieter, diretora-presidente do Teatro Guaíra, a coreografia que marca o retorno do Balé ao Guairinha faz uma reflexão sobre o mundo que queremos após a pandemia. “Vivemos nos últimos dois anos talvez o período mais difícil deste século, longe das pessoas que amamos. Neste mundo tão complexo que vivemos, precisamos debater o que queremos daqui pra frente. A arte tem esse papel e VICA traduz nossas angústias e esperanças sobre o futuro”, diz Monica.

Serviço

Balé Teatro Guaíra | VICA

Salvador de Ferrante – Guairinha

Dias 4, 5, 11 e 12 de dezembro – sábado às 20h30 e domingo às 19h

Classificação etária: 14 anos

Ingressos: R$20 e R$10

Ticket Fácil https://www.ticketfacil.com.br/eventos/cctg-vica.aspx

Solistas convidados dão brilho ao espetáculo de 20 anos do Bolshoi Brasil

Duas noites de espetáculo marcam a data
Em março de 2020, a Escola do Teatro Bolshoi no Brasil, localizada em Joinville, única filial do famoso Teatro Bolshoi da Rússia, completa 20 anos no país.

Para celebrar, dois espetáculos, nos dias 14 e 15 de março, às 20h, no Centreventos Cau Hansen, estão sendo preparados. A Escola Bolshoi, ao longo de 20 anos, vem mostrando ao mundo os talentos lapidados que buscam na instituição a transformação de suas vidas. Prova disso, é que três dos quatro solistas convidados para dançar nos dois espetáculos que marcam o aniversário, são ex-alunos, que atuam em grandes teatros da Rússia.

No sábado, 14 de março, a Primeira Bailarina da Ópera de Kazan, Amanda Gomes, sobe ao palco com seu partner e também Primeiro Bailarino, o russo Mikhail Timaev, para dançar o Balé “O Quebra-Nozes”. Já no domingo, 15 de março, os bailarinos do Teatro Bolshoi da Rússia, Bruna Gaglianone e Erick Swolkin, apresentam a Grande Suíte do Balé “Don Quixote”. Mais de 100 alunos, bailarinos da Cia. Jovem e professores da Escola Bolshoi sobem ao palco junto com os solistas convidados para encenar esses dois clássicos universais da dança. Os balés tem remontagem do mestre russo Vladimir Vasiliev, que é Patrono Fundador da Escola Bolshoi.

O fim de semana de celebrações marca também da renovação do contrato com o Teatro Bolshoi de Moscou, com a presença dos diretores do Teatro Bolshoi, Serguei Maksimenko, diretor financeiro e Makhar Vazijev, diretor artístico do balé o lançamento do livro “Uma Escola para a Vida”, organizado pela Escola Bolshoi com apoio da Manuscritos Editora. A comemoração dos 20 anos tem apoio do Ministério da Cidadania.

Espetáculos que marcam os 20 anos

“O Quebra-Nozes”

O Balé “O Quebra-Nozes” teve sua estreia em novembro de 2014 na Escola Bolshoi. Os personagens da história ganham vida e movimento por meio da linguagem do balé clássico e o cenário, com projeção mapeada, completa essa temática fascinante, fazendo com que as imagens entrem em sintonia com a coreografia. O balé resgata em muitas pessoas o espírito sonhador e aventureiro de uma eterna criança, além de fazer uma viagem por vários lugares do mundo. A estreia em 2014 contou com o patrocínio da Petrobras.

Grande Suíte do Balé Don Quixote

Este balé é a primeira grande obra remontada pela Escola do Teatro Bolshoi no Brasil, e teve sua estreia no ano de 2007.

A narrativa se passa na Espanha, e conta uma linda e engraçada história de amor. Kitri é noiva do insolente e nobre Gamache, com quem seu pai, Lorenzo, a obriga a se casar. Mas o pobre barbeiro Basílio não mede esforços para que isso não aconteça, e juntos, Kitri e Basilio enfrentam uma longa jornada para viverem esse amor.

Com a ajuda de Don Quixote, nobre cavalheiro, e Sancho Panza, seu fiel escudeiro, eles se casam numa grande festa em Barcelona.

Novidades em Cena

Assim como acontece nos grandes teatros do mundo, a Escola Bolshoi resgata uma prática já realizada em outras apresentações, e traz ao palco professores da instituição no papel de protagonistas e que ajudam a narrar a história. Outra novidade é a participação de alguns colaboradores, que já foram alunos da Escola, mas que hoje trabalham na área administrativa, mas nesse evento, em especial, vão relembrar a emoção dos aplausos da plateia.

Renovação do contrato com o Teatro Bolshoi

Esse é o momento mais aguardado das comemorações. Renovar o contrato com o Teatro Bolshoi é a comprovação de que a Escola Bolshoi vem realizando um trabalho de excelência e que utiliza a metodologia de forma adequada. No dia 15 de março, data que marca o aniversário da instituição, a Escola recebe dois diretores do Teatro Bolshoi, Serguei Maksimenko, diretor financeiro e Makhar Vazijev, diretor artístico do balé. A vinda dos diretores russos para a renovação do contrato oficializa o reconhecimento ao trabalho realizado pela instituição brasileira e de que está cumprindo com todas as exigências feitas pelo Teatro Bolshoi de Moscou. O texto do contrato ressalta que os dois países estão interessados no incremento do intercâmbio cultural, educacional e esportivo visando o estreitamento das relações entre as instituições.

Lançamento do Livro

O Livro “Uma Escola para a Vida” é uma narrativa sobre a história da Escola Bolshoi, durante seus 20 anos. Os capítulos são divididos por anos e neles são narrados os principais acontecimentos vividos pela instituição. Organizado pela Escola Bolshoi, pelo núcleo de comunicação, com apoio da Manuscritos Editora. O lançamento do Livro será no dia 14 de março, às 18h, na Escola Bolshoi.

Homenagem

A Câmara dos Deputados realizará Sessão Solene em celebração aos 20 anos da Escola do Teatro Bolshoi no Brasil, na manhã do dia 18 de março de 2020, em Brasília/DF. O Deputado Federal, Joinvilense, Rodrigo Coelho, foi proponente dessa homenagem.

Venda de ingressos

Os ingressos estão a venda na secretaria da Escola Bolshoi e no site da enjoyticket (www.enjoyticket.com.br), com preços acessíveis a todos os públicos.

Plateia 1 – R$ 120,00 + taxa / R$ 60,00 (meia entrada) + taxa

Plateia 2 – R$ 80,00 + taxa / R$ 40,00 (meia entrada) + taxa

Plateia 3 - R$ 50,00 + taxa / R$ 25,00 (meia entrada) + taxa

Arquibancada – R$ 20,00 + taxa / R$ 10,00 (meia entrada) + taxa

Camarote – R$ 30,00 + taxa / R$ 15,00 (meia entrada) + taxa

A Escola do Teatro Bolshoi no Brasil

A única extensão do Teatro Bolshoi fora da Rússia está instalada na cidade de Joinville, estado de Santa Catarina, desde 15 de março de 2000, estabelecendo uma verdadeira ponte cultural entre o Brasil e a Rússia.

Em 2020 a instituição completa vinte anos, cumprindo o desafio de preservar a tradição e a excelência do ensino do Balé Bolshoi.

Atualmente a Escola Bolshoi educa 240 dos cursos técnicos e básico em dança clássica. A instituição ressalta o seu compromisso social, ao conceder 100% de bolsas de estudo e benefícios para todos os alunos do curso técnico.

Com personalidade jurídica, de direito privado, sem fins lucrativos, a realização de todas as atividades da Escola são possíveis graças aos recursos garantidos pelos chamados “Amigos do Bolshoi”, empresas e pessoas cientes do seu papel na sociedade, que doam produtos, prestam serviços gratuitamente e repassam contribuições financeiras, seja por benefícios fiscais, como a Lei Rouanet ou por recursos próprios. A Caixa é a maior patrocinadora da instituição.

Empregabilidade

A Escola do Teatro Bolshoi no Brasil disponibiliza para o mercado de trabalho da dança não só bailarinos com formação de qualidade, mas também pessoas conscientes do seu papel na sociedade.

A Escola já formou 377 bailarinos e 75% atuam na área da dança pelo Brasil e Exterior. A empregabilidade relaciona-se com a realidade de todo e qualquer profissional. Atualmente 115 jovens trabalham no Exterior, 23 estão na Rússia, país sede do Teatro Bolshoi.

Orquestra Sinfônica do Paraná e Balé Teatro Guaíra se apresentam na próxima semana

Orquestra Sinfônica do Paraná e Balé Teatro Guaíra se apresentam na próxima semana
#FimDoAnoNoGuaíra: maestro convidado do Teatro Colón rege o concerto Suíte Sinfônica com a OSP. BTG reprisa o sucesso O Lago dos Cisnes, com coreografia de Luís Bongiovanni

O mês de dezembro começa com apresentações da Orquestra Sinfônica do Paraná (OSP) e do Balé Teatro Guaíra (BTG). Dias 6 e 7/12, às 20h30, e dia 8/12, às 19h, o BTG apresenta o espetáculo O Lago dos Cisnes, com coreografia de Luís Fernando Bongiovanni. Já pela manhã do dia 08/12, às 10h30, o maestro Ezequiel Silberstein é o convidado da OSP para o concerto Suíte Sinfônica. Todas as apresentações serão no Guairão. Os ingressos custam R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia-entrada) e estão à venda na bilheteria do teatro ou pelo Ticket Fácil.

O Lago dos Cisnes
A montagem de O Lago dos Cisnes do BTG é uma releitura contemporânea do clássico de Tchaikovsky. O balé conta a história da jovem Odette, transformada em cisne por um bruxo. Ela e o príncipe Siegfried se apaixonam, porém o feitiço do bruxo os impede de ficar juntos. A versão do BTG foi coreografada por Luís Fernando Bongiovanni, o mesmo coreógrafo de Carmen e Romeu e Julieta, outros balés com versões consagradas pelo Balé Teatro Guaíra. Com forte apelo visual, O Lago dos Cisnes combina a movimentação fluída dos bailarinos-cisne com argila branca e momentos de chuva no palco.

Serviço
Balé Teatro Guaíra – O Lago dos Cisnes
Sexta e sábado, 06 e 07/12, às 20h30
Domingo, 08/12, às 19h
Auditório Bento Munhoz da Rocha Neto – Guairão

Suíte Sinfônica
O maestro Ezequiel Silberstein, adjunto da Orquestra Filarmônica de Buenos Aires, traz com a OSP o concerto Suíte Sinfônica. A orquestra apresentará a Suíte Vila Rica, do compositor brasileiro Camargo Guanieri. A música foi escrita especialmente para um filme sobre a Inconfidência Mineira. O trecho que será apresentado pela OSP é uma seleção de partes da trilha sonora do filme arranjadas para orquestra. Na segunda parte do concerto os músicos apresentam a Sinfonia em Ré, do compositor belga César Franck.

Serviço
Orquestra Sinfônica do Paraná – Suíte Sinfônica
Domingo, 08/12, 10h30
Auditório Bento Munhoz da Rocha Neto – Guairão

Balé Teatro Guaíra abre as comemorações dos 50 anos com A Sagração da Primavera

Balé Teatro Guaíra abre as comemorações dos 50 anos com A Sagração da Primavera

As apresentações serão nos dias 03, 04 e 05 de maio e serão acompanhadas pela Orquestra Sinfônica do Paraná

A programação especial do Balé Teatro Guaíra (BTG) para seu aniversário de 50 anos começa na próxima sexta, sábado e domingo, dias 03, 04 e 05 de maio, no Guairão. A companhia irá apresentar a montagem de A Sagração da Primavera com coreografias da portuguesa Olga Roriz, versão que veio aos palcos do Guairão pela primeira vez em 2012. As apresentações serão às 20h30 na sexta e no sábado, e às 19h no domingo. Ingressos R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia-entrada). Todas as os espetáculos contarão com a presença da Orquestra Sinfônica do Paraná (OSP).

Entre os anos de 2012 e 2014, o BTG apresentou A Sagração da Primavera por 09 estados brasileiros, alcançando mais de 30 mil espectadores. Com esta obra, a companhia recebeu um lugar de destaque no cenário nacional da dança.

"No meu ponto de vista, A Sagração da Primavera é uma das obras mais inquietantes e impactantes do repertório musical e coreográfico. A composição musical de Stravinsky e a concepção dramatúrgica e coreográfica de Olga Roriz me tocam profunda e genuinamente", diz Cintia Napoli, atual diretora do Balé Teatro Guaíra.

Esse sentimento de inquietação que a obra traz pode ser explicado, segundo Stefan Geiger, maestro-titular da Orquestra Sinfônica do Paraná, pela maneira como a música foi escrita. "Stravinsky transformou toda a orquestra em uma grande percussão. Podemos ouvir violinos imitarem o som das caixas claras e tambores, o que nos leva para dentro da época tribal na qual a história do balé se desenvolve".

O destaque para os sons da percussão faz sentido com a história de A Sagração da Primavera. A obra fala sobre um ritual pré-histórico de sacrifício ao Deus da primavera, movido pelos sons de bumbos e tambores. Uma jovem é escolhida pelos anciãos de sua tribo para dançar até a morte, na esperança de trazer boas colheitas e fertilidade ao seu povo. Essa atmosfera ritualística aparece na coreografia de Olga Roriz na forma dos movimentos carregados por fortes respirações dos bailarinos.

A versão que será apresentada nas comemorações dos 50 anos do BTG é diferente da original em vários aspectos. O mais evidente é o palco coberto com serragem e a névoa que envolve os bailarinos e ajudam a aproximar a plateia do clima primitivo que envolve a dança, a música e a história.

Outras duas mudanças acontecem com os personagens do Sábio e da Eleita. Em vez de ser um mero espectador da narrativa, o Sábio traça o percurso e prepara o terreno para o ritual de sacrifício ao deus da primavera. Já a Eleita não é mais uma vítima, e sim uma jovem mulher que se sente privilegiada por dar sua vida em troca de prosperidade ao seu povo. Para as três bailarinas que interpretarão o papel, esta é a chance de mostrar não só seus conhecimentos técnicos, mas também uma entrega total à personagem.

"Acredito que o grande desafio em dançar A Sagração da Primavera de Olga Roriz é lidar e se entregar à força expressiva imposta pela própria obra", afirma Cíntia Napoli. “Não existe outra possibilidade que não seja se entregar 100% até o final, este é o maior desafio, mas também o maior prazer em dançar esta montagem", complementa.

Mostra de Repertório - Balé Teatro Guaíra 50 anos

Além da Sagração da Primavera, o Balé Teatro Guaíra apresenta em maio os espetáculos Carmen (08/05, 20h30) e O Segundo Sopro (11/05, 20h30 e 12/05, 19h), duas grandes montagens de sucesso na história da companhia. Todas as apresentações serão abertas com trechos de O Grande Circo Místico, em memória a um dos balés mais famosos do Brasil e que foi concebido originalmente para o BTG.

Serviço:

Balé Teatro Guaíra 50 anos - Mostra de Repertório

Homenagem O Grande Circo Místico + A Sagração da Primavera -

com participação da Orquestra Sinfônica do Paraná

De 03 a 05 de maio, sexta e sábado às 20h30 e domingo às 19h

Homenagem O Grande Circo Místico + Carmen

Dia 08 maio, quarta-feira, às 20h30

Homenagem O Grande Circo Místico + O Segundo Sopro

Dias 11 e 12 de maio, sábado às 20h30 e domingo às 19h

Auditório Bento Munhoz da Rocha Neto - Guairão

Classificação: Livre

Preço: R$20 (vinte reais) e R$ 10 (dez reais)