Em memória às vítimas da fome, grupo folclórico de Curitiba promove concerto e campanha de doações

Eventos fazem parte do aniversário de 90 anos do Folclore Ucraniano Barvinok

Um trágico episódio da história da Ucrânia é relembrado em novembro por nativos e descendentes do país no mundo todo, inclusive no Brasil. Trata-se do Holomodor, ou a “grande fome”, genocídio promovido contra os ucranianos pelo governo soviético entre 1932 e 1933, em que foram mortos até 10 milhões por privação de acesso à comida. Com esse número, o episódio supera o cálculo de vítimas do Holocausto nazista, ocorrido há 80 anos.

Em memória às vítimas da fome, o Folclore Ucraniano Barvinok, um dos grupos que preserva a cultura do país europeu em Curitiba, está coletando cestas básicas e itens de café da manhã até quinta-feira (26). As doações irão para o projeto Café do Bem, que distribui alimentos e promove refeições para moradores de rua da capital (veja como doar abaixo).

A iniciativa é acompanhada de um concerto on-line do Coral do Barvinok, promovido em 2018 em parceria com a orquestra Ladies Ensemble, na Capela Santa Maria, na capital. A apresentação será transmitida no sábado (28) nas redes do grupo.

Como explica o maestro do Barvinok, Felipe Oresten, o concerto apresenta o Holomodor de forma didática, já que o episódio não é tão conhecido do público brasileiro, e mostra que, além de tristeza, o acontecimento também evidencia o espírito de luta do povo ucraniano.

“É um tema muito pesado para tratar, então, pensamos não só nas mortes, mas em como a Ucrânia cresceu e continua lutando por um ideal. Por isso, o concerto começa de forma muito triste, com uma música tocada em missas de corpo presente, mas segue numa crescente e termina com o hino espiritual da Ucrânia, que fala de um país livre e soberano”, explica.

Para se chegar a uma fórmula que contemple música e história, o concerto apresenta, além das canções, depoimentos de ucranianos que sofreram com a fome, as guerras, invasões e, mais recentemente, com a repressão à Euromaidan, última grande revolução ucraniana que pedia por maior integração com a Europa e que deixou dezenas de mortos entre 2014 e 2015.

No evento de 2018, na Capela Santa Maria, os depoimentos foram narrados por uma atriz. Agora, para a apresentação on-line, os componentes do Barvinok gravaram as falas. “Trouxemos uma nova roupagem para contar a história, montamos um concerto didático, que prende o público, e o resultado promete ser emocionante”, afirma Oresten.

O evento integra o calendário de comemorações dos 90 anos do Barvinok, que, devido à pandemia, ainda não retomou os ensaios ou apresentações presenciais.

O quarto sábado de novembro foi escolhido pelo governo do país europeu para que os ucranianos do mundo relembrem o Holomodor. A data serve para pressionar outros países, como o Brasil, a reconhecerem o evento como um genocídio.

A divergência em torno do reconhecimento ocorre pela conceituação de genocídio. Enquanto alguns estudiosos consideram que as políticas soviéticas causadoras da fome na Ucrânia se enquadram na definição legal do termo, outros sustentam que o Holomodor foi apenas uma consequência dos problemas logísticos associados a alterações econômicas radicais implementadas durante o período de liquidação da propriedade privada e industrialização.

“Os alemães sentem vergonha e repudiam o nazismo hoje, mas os próprios russos não reconhecem que o Holomodor existiu, levantando dúvidas em outras nações. Existe ainda uma grande discussão de que o episódio é uma inversão da cabeça dos ucranianos, mas há registros de mais de dez milhões de mortos”, conta Oresten.

O que foi o Holodomor?

Como explica o especialista em história e cultura ucraniana, Andreiv Choma, o termo Holodomor deriva da expressão ucraniana “moryty holodom”: holod (fome) e moryty (matar através de privações, esfaimar). Ou seja, literalmente, “matar pela fome”.

Em países frios, como na Ucrânia, os camponeses precisavam garantir, em seis meses, o alimento para o restante do ano, quando as condições climáticas não permitem o cultivo. Mas, entre 1932 e 1933, eles tiveram toda a colheita confiscada pelo regime de Josef Stalin, que tinha como objetivo reprimir movimentos nacionalistas e forçar a “redistribuição social dos alimentos”. Assim, acabaram mortos pela fome, doenças, e lutando pelas próprias vidas.

Os registros de sobreviventes e filhos de ucranianos da época dão ideia do sofrimento imposto pelos soviéticos. “Havia fiscais que observavam as famílias em que pessoas não apresentavam os sintomas da fome: inchaço, emagrecimento, fraqueza, morte por inanição. Suas casas eram revistadas pelas brigadas. A revista era minuciosa. Reviravam tudo, cavavam buracos dentro das casas e no quintal. Caso fossem encontrados quilos de cereais, não precisavam ser grandes quantidades, o pai e a mãe eram fuzilados no ato, em frente aos filhos, sem julgamento”, conta Ludmila Kloczak sobre as memórias da mãe, sobrevivente do Holodomor.

Serviço:

CAMPANHA DE DOAÇÃO | Folclore Ucraniano Barvinok e Café do Bem

O QUE DOAR: alimentos não perecíveis para café da manhã, cestas básicas e/ou dinheiro

ONDE: Alameda Augusto Stellfeld, 795, Centro, Curitiba-PR, onde fica a Sociedade Ucraniana do Brasil (com Elenice, entre 12h e 17h), e o Barbaran, no horário de funcionamento do bar - até quinta-feira (26/11)

TRANSFERÊNCIA BANCÁRIA: banco Itaú (CNPJ 76.573.682/0001-93, banco 341, agência 0098, conta corrente 54333-3)

DÚVIDAS: ligue para (41) 3224-5597

CONCERTO EM MEMÓRIA AO HOLODOMOR

QUANDO: sábado (28/11), às 20h

ONDE: no Facebook (facebook.com/barvinokoficial) e no Youtube (youtube.com/c/AINTEPAR)

Evento em Curitiba terá mais de 70 atividades culturais e acadêmicas

culturais e acadêmicas

Programação vai até o dia 7/12 com palestras e eventos gratuitos abertos a estudantes e comunidade, incluindo mutirão para atendimento pet

Mais de 70 atividades entre palestras online gratuitas, desafios e concursos acadêmicos, sorteios e ações culturais. É isso o que a comunidade poderá prestigiar nos meses de novembro e dezembro durante o Enjoy UNICURITIBA, um evento que coloca em evidência temas das mais variadas áreas do conhecimento.

Até o dia 7 de dezembro, os participantes terão acesso a conteúdos sobre saúde e qualidade de vida, produção de vacinas, empreendedorismo, inovação, novos negócios, eleições americanas, xenofobia, serial killer, educação em prevenção à Covid-19, engenharia e patologias das construções, direito de família e sucessões, educação alimentar, educação postural e relaxamento durante a pandemia etc.

As palestras ocorrem em horários variados ao longo do dia e incluem ainda temas como “Lugar de Mulher é... Onde ela quiser”, criatividade afetiva, harmonização orofacial, células-tronco, aprendizagem em tempos de pandemia, simulação e manejo de paciente com respirador, o papel da brincadeira na aprendizagem, equoterapia, estruturas em concreto armado, geração de energia, entre outros. Para conferir a programação completa e fazer a inscrição, basta acessar https://www.unicuritiba.edu.br/enjoy.html.

“Temos palestras com assuntos variados, de grande interesse da comunidade acadêmica e também do público em geral, pois abrangem temas ligados ao direito, relações internacionais, psicologia, odontologia, fisioterapia, biomedicina, engenharia, arquitetura, criminologia, medicina veterinária e outras áreas. Entendemos que é nosso papel compartilhar todo esse conhecimento. Espero que os estudantes e a comunidade participem e aproveitem ao máximo a programação e as atividades que preparamos”, diz o coordenador geral de graduação do UNICURITIBA, Dennys Robson Girardi.

Mutirão Pet-Drive

No dia 28/11, das 10h às 17h, no campus Pinheirinho, o UNICURITIBA promoverá o 1º Mutirão de Saúde Única – Pet-Drive. Na oportunidade, estudantes e professores de medicina veterinária farão o atendimento de cães e gatos para avaliações, orientações, desvermifugação e aplicação de antipulgas. Os atendimentos serão realizados na modalidade drive-in, sem a necessidade de desembarque dos carros.

O público também poderá participar de uma atividade experimental de reabilitação associada à equoterapia, um método terapêutico e educacional que conta com cavalos para uma abordagem interdisciplinar nas áreas de saúde, educação e equitação, buscando o desenvolvimento biopsicossocial de pessoas com deficiências ou necessidades especiais.

Para participar do mutirão é preciso fazer a inscrição em https://www.sympla.com.br/1-mutirao-da-saude-unica-pet-drive-unicuritiba__1043988. O ingresso solidário é um quilo de ração para cão e gato ou um quilo de alimento não perecível para cada animal que participar.

O evento integra a programação do Enjoy UNICURITIBA, um evento que coloca em evidência temas das mais variadas áreas do conhecimento. Para conferir a programação completa e fazer a inscrição, basta acessar https://www.unicuritiba.edu.br/enjoy.html.

Desafios e concursos
O Enjoy UNICURITIBA conta com atividades voltadas exclusivamente aos estudantes da instituição. Uma delas é o Desafio Comida, Afeto e Memória: A Sensorialidade Além do Prato. Organizado pelo curso de nutrição, o concurso desafia os participantes a recriarem uma receita que desperte a memória afetiva.

Outra ação é o Campeonato de Catapultas, que exige conhecimentos para o desenvolvimento, construção e testes de uma catapulta para lançamento de projéteis. O objetivo é acertar um alvo a 15 metros de distância.

O Campeonato de Robôs Móveis Autônomos é outra atração do evento. A competição exige conhecimentos de controle de motores, aplicação de sensores, montagem de protótipos e programação de microcontroladores. O projeto também visa ao desenvolvimento de kits didáticos para a participação dos estudantes no campeonato de robótica.

Simulação das Nações Unidas
Realizado pelos cursos de relações internacionais do UNICURITIBA e da UNISUL, o Modelo de Simulação das Nações Unidas (Monu) será realizado durante a programação do ENJOY. No dia 12/11, às 18h, haverá um evento prévio para apresentação do tema e sorteio dos estudantes que vão compor as delegações participantes da conferência.

Nesta edição, os estudantes vão simular a Conferência da ONU sobre os Oceanos, criada para apoiar a implementação do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável No. 14: Conservação e Uso Sustentável dos Oceanos e seus Recursos Marinhos. A simulação está marcada para o dia 19/11, a partir das 14h, e será 100% online.

SERVIÇO

· O quê: Enjoy UNICURITIBA – palestras, atividades acadêmicas e culturais
· Quando: até 7/12, em horários variados
· Quanto: gratuito
· Programação e inscrições: https://www.unicuritiba.edu.br/enjoy.html

A transição alimentar

A alimentação saudável possui insumos com muita cor e sabor

Conforme a dinamicidade do mundo, o mercado de alimentos se modificou para suprir as necessidades de quem possui uma rotina acelerada, assim apresentando produtos cada vez mais processados, industrializados e de preparo rápido. Desta forma, doenças modernas, como são chamadas, começaram a serem decorrentes, a diabetes e problemas cardiovasculares por exemplo.

Portanto, uma parcela da sociedade passou a adotar uma alimentação natural que inclui: insumos integrais (grãos, farinha e pão), orgânicos (hortaliças, frutas e verduras), e gorduras boas (azeite, abacate e castanhas).

A Chef Patrícia da Paz, explica, “A transição alimentar de produtos totalmente industrializados para os mais naturais pode parecer complicada, mas na verdade não é. Muitas pessoas podem pensar que as verduras e hortaliças não oferecem um sabor palatável como apresentado nos fast foods, mas com uma boa receita, esses alimentos se tornam super saborosos e ainda fazem bem ao corpo”.

A diferença entre esses tipos de alimentações é a participação, quando um indivíduo começa uma alimentação natural ele aprende sobre a comida, sobre suas propriedades e seus benefícios, então, o processo é ativo e constante.

Começar aos poucos também pode ajudar nessa transição, alguns alimentos naturais são indicados para substituir os mais processados. O sal por exemplo, pode ser substituído por salsinha, sálvia, coentro, alecrim e outros. O açúcar branco por sua vez, pode ser trocado pelo melado de cana, mel, açúcar de coco e frutas frescas ou desidratadas.

Vale lembrar também que os alimentos postos em mesa devem ser orgânicos, pois os agrotóxicos são maléficos aos seres humanos, aos animais, a água e ao planeta. “Eu adoro plantar os alimentos que utilizo na minha cozinha, montar uma horta, para mim, é um ato de carinho e desta forma sei que os alimentos estão sendo cuidados e que não farão mal a ninguém”, expõe Patrícia.

Assim, após conhecer esse modelo de nutrição, inovar nas receitas é mais fácil e torna a comida mais divertida e saborosa. E você ainda pode descobrir que alguns insumos ajudam na saciedade e disposição, melhorando até o momento de sono e no trabalho diário.

Serviço: Patrícia da Paz
Personal Chef
Cozinha Personalizada
Contato: 41. 99779-6086
Instagram:@chefpatriciadapaz
e-mail: dapazpersonalchef@gmail.com