Orquestra Sinfônica do Paraná apresenta concerto virtual de encerramento da Série Música de Câmara 2020

Os músicos da OSP convidaram bailarinos do Balé Teatro Guaíra para um concerto especial de encerramento da Série que será transmitido no Facebook em dezembro
No próximo dia 11 os músicos da OSP apresentam o concerto virtual de encerramento da Série Música de Câmara 2020. O projeto é uma iniciativa dos músicos com a curadoria do maestro-titular Stefan Geiger. Desde junho a Série Música de Câmara apresentou quinzenalmente concertos virtuais com grupos de dois a oito músicos.

Para o concerto de encerramento, a coordenação da Série Música de Câmara preparou uma programação especial. Serão três obras do compositor argentino Astor Piazzolla com a participação especial de bailarinos do Balé Teatro Guaíra. Os concertos foram gravados em estúdio, respeitando as normas de distanciamento social da Organização Mundial da Saúde.

"Fazer a Série Música de Câmara em formato virtual foi divertido, mas também desafiador", conta a violinista da OSP, Martina Lohmann, uma das responsáveis pela coordenação do projeto. "Os músicos estavam interessados em manter a Série, mesmo que não fosse possível ir ao palco. Como não tivemos verba para a maioria dos concertos, tarefas como a edição do áudio e a sincronização de vídeo foram realizadas voluntariamente pelos próprios músicos ou por amigos da orquestra", completa a violinista.

Para os músicos que participaram do projeto, a Série Música de Câmara foi uma forma de canalizar a energia criativa, a vontade de trabalhar e de ter contato, por mais que restrito ao ambiente virtual, com o público. "A pandemia tem sido desafiadora para todos. A grande maioria dos meus colegas músicos nunca passou por mais de 3 meses sem ensaios, concertos ou concursos. Em um contexto de tantas privações e dificuldades, o poder da arte de criar e expressar um sentido de comunidade tem feito toda a diferença, para nós e para o público", disse Júlio Zabaleta, flautista da OSP e um dos coordenadores da Série.
Parceria com o Balé Teatro Guaíra

A escolha dos repertórios tocados na Série Música de Câmara parte dos próprios músicos. As propostas são enviadas e aprovadas pelo maestro-titular da OSP, Stefan Geiger. Neste ano, vários grupos trouxeram propostas de músicas do compositor argentino Astor Piazzolla.

Piazzolla foi o compositor mais tocado na OSP em 2020. Historicamente, ele é conhecido por incorporar elementos do tango em suas composições. As três obras que serão apresentadas no concerto de encerramento são consideradas tangos e, por isso, surgiu a ideia de convidar os bailarinos do Balé Teatro Guaíra a se juntarem ao projeto.

"A música de Piazzolla é muito instigante e inspiradora e é impossível ouvi-la sem pensar nos movimentos de bailarinos. A interação da Orquestra com o Balé é sempre artisticamente enriquecedora para os dois grupos e o resultado dos vídeos ficou muito bonito", explica Ricardo Molter, spalla da OSP e um dos coordenadores da Série Música de Câmara 2020.

As coreografias foram criadas especialmente para o projeto. Os bailarinos participantes gravaram no Teatro José Maria Santos.

O concerto virtual de encerramento
"É a nossa função dentro da sociedade proporcionar momentos de exploração interior e ajudar a dar vazão à alegria, ao luto, à esperança e todas outros sentimentos que temos experimentado tão intensamente. Uma pandemia sem arte seria insuportável", disse Júlio Zabaleta, flautista da OSP.

No dia 11/12, às 18h, a Orquestra Sinfônica do Paraná convida a todos para participarem do concerto virtual de encerramento da Série Música de Câmara. O público poderá interagir ao vivo e, além das músicas, haverá depoimentos dos participantes no projeto.

Após a exibição no Facebook da OSP o material completo estará disponível nas redes sociais da Orquestra e do Teatro Guaíra.

Serviço
Série Música de Câmara 2020 | Temporada Virtual
Concerto de Encerramento

Quando: 11 de dezembro de 2020
Horário: 18h
Onde: http://www.facebook.com/OrquestraSinfonicaDoParana
Valor: gratuito
Programa de concerto: Astor Piazzolla (1921-1992)
Se Fue Sin Decirme Adiós
Saint Louis en l'Île
La Misma Pena.

Documentário sobre música curitibanaestreia em rede nacional de televisão

“Uma Fina Camada de Gelo”, de Vinicius Ferreira,
será exibido pelo canal Music Box, no dia 23 de setembro

O documentário “Uma Fina Camada de Gelo”, de Vinicius ‘Tchê’ Ferreira, sobre a cena musical curitibana, fará sua estreia em rede nacional de televisão em setembro. Com pouco mais de uma hora de duração, o documentário será exibido nesta quarta-feira, 23 de setembro, às 22h, no canal Music Box Brazil
Em entrevistas com produtores, donos de bares, radialistas, jornalistas e músicos, o documentário percorre períodos entre o final dos anos 70 e começo dos anos 2000, no intento de resgatar e registrar a história de uma cena multifacetada e que já foi definida como “a seatle brasileira”, por conta do volume de formações musicais que proliferavam nos porões da cidade, a partir de meados da década de 80.
Por meio de depoimentos de personagens importantes, entre eles os músicos Rodrigo Barros Del Rei (Contrabanda, Beijo AA Força, Maxixe Machine e Orquestra Sem Fim), Fabio Elias (Relespública), J.R. Ferreira (July et Joe, Intruders, Magnéticos e dono do Ninety Two Degrees, o 92 Graus, o templo da música autoral curitibana) e Paulinho Teixeira (Blindagem), o filme encara o eterno questionamento sobre “o que é fazer sucesso”. O diretor conversou também com radialistas e empresários, como a locutora Margot Brasil (rádios Estação Primeira e Mundo Livre FM) e do empresário e produtor Helinho Pimentel, responsável por inúmeras iniciativas de apoio à produção local e que hoje gerencia a Pedreira Paulo Leminski, o maior e mais tradicional local de shows da capital paranaense.
Na pesquisa de imagens, Vinicius teve o auxílio do pesquisador Manoel Neto (que também assina o roteiro do documentário) e do jornalista Rodrigo Juste Duarte, que mantêm o acervo do Museu do Som Independente (Musin). A produção executiva de todo o projeto “Uma Fina Camada de Gelo” é do advogado e músico Fabiano Neves.
Para Vinicius, é importante e gratificante esta estreia nacional porque o documentário debate não só a cena musical de Curitiba, mas a condição de músico e artista independente. “Sempre foi uma dificuldade se reinventar não só na produção artística, mas ter que descobrir modos de ser ouvido, chegar ao público. O filme tenta trazer um pouco dessa luta dos artistas e ajuda a entender que isso é uma coisa cotidiana que sempre vai existir, só muda a forma de fazer conforme período histórico”, pondera. “É um filme que fala para todos que gostam de música e artes e traz questões que seguem relevantes e mais atuais do que nunca”.
Na pesquisa e nas entrevistas feitas para o livro ‘Uma fina camada de gelo – o rock autoral e a alma arredia de Curitiba’, irmão do documentário homônimo, comenta o autor do livro Eduardo Mercer, ele percebeu que Curitiba é uma cidade excessivamente voltada para si mesma. Por isso considera fundamentais as iniciativas para aproximar “a nossa música e os nossos artistas das outras cenas brasileiras”. “É uma ótima notícia. Muita música boa foi feita em Curitiba, em todos os estilos, e esse patrimônio merece divulgação eterna e ininterrupta na própria cidade e no resto do país”, observa. O músico Gabriel Teixeira, integrante das bandas Sr. Banana e Black Maria, avalia que este projeto, livro e documentário, compõe um histórico registro da cultura curitibana e do que aconteceu na época. “É muito rico por trazer à tona essa nossa cultura tão underground. O artista em geral sempre foi meio marginalizado e é muita coragem de quem faz disso sua profissão. Um documento como este será acessado por futuras gerações e não só por nós, mas por pessoas de fora que saberão o que aconteceu aqui e veio para inspirar e resgatar uma história que nunca tinha sido bem contada até agora”, diz ele.
Fabio Elias, da banda Relespública, fala do orgulho de estar inserido entre tantos artistas de talento. “Poder deixar essa história para futuras gerações saberem que a gente fez barulho, som, música, fez o sonho virar realidade. As dificuldades dão graça à vida. Pro rock nunca foi fácil mesmo e fazer parte de uma história com tantos artistas legais é uma recompensa muito grande pra gente que respira música e vive da música todos os dias da nossa vida”, diz, em nome da banda.
Jr Ferreira, músico, produtor e proprietário do lendário Espaço Cultural 92 Graus, faz coro. “Muito legal ver que mesmo no momento difícil como este estamos passando este documentário pode mostrar um outro momento em que a cidade esteve fervendo, para que outras pessoas possam ver como foi legal”, diz. Para ele, “contar essa história é inspirador, dá uma animação...quem sabe o pessoal se reanima e não deixa peteca cair pra futuras produções e futuros acordes”. “Quanto mais gente puder ver mais legal para nossa história e nossa música. Vamos ver se a gente quebra essa camada de gelo com esse céu maravilhoso”, finaliza.

Serviço:
O que: Exibição do documentário Uma Fina Camada de Gelo
Quando: 23/09/2020
Onde: Music Box Brazil:
Canais: Claro HD, Net e Claro: 623
Oi Tv: 145
Claro: 123

João Carlos Martins lança série’Diálogos com o Maestro’

Nova iniciativa do Orquestrando o Brasil visa se aproximar dos regentes do projeto no período de isolamento social

Produzida para o portal “Orquestrando o Brasil”, a série “Diálogos com o Maestro” apresenta vídeos do maestro João Carlos Martins com dicas sobre regência.

Serão 16 vídeos que abordarão temas como articulação, virtuosismo, expressão e emoção. Uma conversa do maestro João Carlos Martins com regentes e músicos de todo o país.

Os vídeos serão disponibilizados semanalmente no portal do Orquestrando o Brasil e nas mídias sociais do projeto.

“A série é uma maneira de manter o contato e o incentivo aos regentes e músicos do projeto durante esse isolamento social exigido pela pandemia. Vou dar sugestões de como transmitir o conteúdo rítmico e expressivo de uma obra musical através de gestos convencionais”, explica o maestro João Carlos Martins.

Orquestrando o Brasil

O Orquestrando o Brasil é um projeto de mobilização através da música. Idealizado pelo maestro João Carlos Martins e pelo produtor cultural José Roberto Walker, e é realizado com apoio da Fundação Banco do Brasil e do SESI/SP e FIESP. A iniciativa reúne atualmente mais de 500 grupos espalhados pelo país, oferecendo capacitação para regentes e músicos, divulgação e apoio, através do portal Orquestrando Brasil. Criado em 2018, o projeto interage com mais de 20 mil músicos de todo o Brasil

Assista ao vídeo do maestro: https://youtu.be/XuNaQhIg-jQ

Mais informações:

Andréia Vital

Assessora de Imprensa Orquestrando o Brasil

avital@retratopublicidade.com.br

orquestrandobrasil@gmail.com

16 99279.4155 / 11 2539-6957

www.orquestrandobrasil.com.br

Orquestra Sinfônica do Paraná e BRDE apresentam homenagem aos trabalhadores do campo

Os músicos da OSP apresentam O Cio da Terra, de Chico Buarque e Milton Nascimento, no concerto virtual desta semana

O mês de setembro começa com concerto virtual na Orquestra Sinfônica do Paraná. A obra, que será apresentada nesta terça-feira (1) nas redes sociais, será O Cio da Terra, de Chico Buarque e Milton Nascimento. Os músicos da OSP gravaram cada uma de suas partes em suas próprias casas. A regência, também remota, é do maestro-titular Stefan Geiger. O vídeo teve a realização do Banco de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) e o apoio do Instituto de Apoio à Orquestra Sinfônica do Paraná.

Os concertos virtuais da Orquestra Sinfônica do Paraná são um sucesso de público desde o mês de março. O primeiro da série foi O Trenzinho do Caipira, seguido por Carinhoso, uma homenagem aos profissionais de saúde, Parabéns pra Você, em comemoração ao aniversário da OSP e O Bêbado e a Equilibrista, em homenagem a Aldir Blanc.

Os homenageados do novo concerto são os trabalhadores do campo. O Estado do Paraná, assim como todo o Brasil, deve grande parte do seu crescimento econômico às famílias agrícolas. Assim como os profissionais da saúde, os trabalhadores do campo também merecem reconhecimento por manterem o país funcionando mesmo em tempos de crise.

O BRDE é agente financeiro repassador de recursos do Plano Safra viabilizando crédito ao setor agrícola paranaense há 59 anos. O Paraná vai receber R$ 460 milhões por meio do Sistema Paranaense de Fomento, valor que será integralmente destinado a financiar a próxima safra. Este projeto visa aproximar a marca do banco com o pequeno agricultor, consolidando o BRDE como banco do Agricultor.

O concerto virtual O Cio da Terra contou com o apoio do Instituto de Apoio à Orquestra Sinfônica do Paraná, PalcoParaná, Centro Cultural Teatro Guaíra, Secretaria de Estado da Comunicação e da Cultura e Governo do Estado do Paraná. A realização é do BRDE (Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul).

O Cio da Terra
Estreia terça-feira, 01/09, às 18h
Onde assistir:
www.facebook.com/OrquestraSinfonicaDoParana
www.instagram.com/orquestrasinfonicaparana
www.youtube.com/c/OrquestraSinfonicaDoParana
O vídeo também estará disponível nas redes sociais do BRDE e do Instituto de Apoio à Orquestra Sinfônica do Paraná.
==============================================

Músicos de Curitiba discutem plano de retomada com Prefeitura Municipal

Em reunião on-line na última quinta-feira, com a Fundação Cultural e representante da Prefeitura, foi discutida a criação de um protocolo de segurança que assegure o retorno dos músicos aos palcos.

Após muitas reclamações por parte dos músicos e movimentação para sair em passeata na próxima semana, a Prefeitura Municipal de Curitiba e a Fundação Cultural decidiram ouvir as reivindicações da categoria, em reunião on-line, realizada na última quinta-feira (20/08). Participaram da discussão, representantes de músicos que atuam em bares e restaurantes, representantes da Fundação Cultural e do Gabinete do Prefeito. Ficou definido em conjunto, que será elaborado um protocolo de segurança a ser analisado pela Secretaria de Saúde, a fim de garantir o retorno gradual dos músicos aos palcos.

De acordo com Waldir Rangel, vocalista do grupo Contradição, uma das lideranças participantes na videoconferência, os músicos e entidades representativas da categoria questionaram a não liberação do seu trabalho por parte da prefeitura, que autorizou várias atividades, inclusive a dos bares e restaurantes pela bandeira amarela. “Pudemos expor as dificuldades pela qual estamos passando, não só nós, mas também os vários profissionais que dependem da música, como donos de bares e de casas noturnas, técnicos de som, seguranças, garçons e promoters. Além disso, solicitamos o repasse de recursos municipais aos músicos que atuam em bares e restaurantes e relatamos nossas dificuldades devido a burocracia para a participação em editais da Fundação Cultural e do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura”.

A Chefe do gabinete do Prefeito, Dra. Cibele Fernandes Dias, explicou as condições das bandeiras que sinalizam o momento da pandemia e as permissões que asseguram a redução do risco de transmissão e infecção pela Covid-19. Diante disso, os representantes dos músicos ficaram de formalizar uma minuta de Protocolo Curitiba contra o Coronavírus, que permita a apresentação de músicos em bares, a ser apresentado ao Gabinete do Prefeito, que se encarregará de encaminhar à Secretaria Municipal da Saúde.

Waldir do Contradição disse que os músicos já estão se organizando para propor uma forma segura para o retorno da atividade. “Faremos esse encaminhamento o mais rápido possível para o Gabinete da Prefeitura, para que possamos voltar a desempenhar a música, que é a nossa profissão, paixão e sustento”, destaca.

A Presidente da Fundação Cultural de Curitiba (FCC), Ana Cristina de Castro, ouviu os relatos e as burocracias encontradas para a participação nos editais e o acesso aos benefícios, e solicitou uma lista com cadastro dos músicos que atuam em bares e restaurantes de Curitiba e o encaminhamento da cópia de sugestões para elaboração de protocolo sanitário relacionado à questão ao Gabinete do Prefeito, a produção de simulação de apresentação musical em local e data a ser acordado. Waldir Rangel ficou responsável por concentrar as informações em nome do grupo de representantes presentes.

Ainda, Ana Castro apresentou a proposta de produção de vídeos a serem divulgados no Coreto Digital do Passeio Público. Pelos vídeos, seria pago o valor de R$ 1.500,00 (um mil e quinhentos reais) cada, por meio de chamamento público, a depender do número de artistas cadastrados.

Waldir Rangel avaliou como positiva a aproximação com os órgãos públicos para o início das tratativas dos interesses emergenciais dos músicos. “O diálogo é a melhor forma de resolver. Sabemos que a situação atual é delicada, mas acreditamos que é possível assegurar esse retorno gradual ao trabalho, seguindo todos os protocolos de segurança. Estamos confiantes e nos mobilizando para apresentar uma forma efetiva e que traga benefícios para todos nós”.

Nesta sexta-feira, os músicos estão enviando o protocolo de boas práticas para a Chefe de Gabinete da Prefeitura Municipal e já estão finalizando a lista de cadastro dos músicos para ser enviada para a Fundação Cultural de Curitiba. Esperam ter uma resposta em relação ao documento até segunda-feira. Caso contrário, irão manter a manifestação pacífica programada para a próxima semana.

ORQUESTRA TRANSFORMA TEMPORADA 2020 EM CONCERTOS COM MÚSICOS EM CASA

Acesse: https://www.youtube.com/watch?v=zC3jFZYvg0s

A Orquestra Sinfônica do Paraná acaba de estrear um concerto diretamente da casa dos músicos, executando a obra Carinhoso, do compositor Pixinguinha com poema de João de Barro, o Braguinha. A performance é dedicada aos profissionais da saúde que estão na linha de frente do combate ao coronavírus, e conta ainda com a participação do convidado especial o ator, cantor, compositor e instrumentista curitibano Alexandre Nero, que dá voz ao clássico.

Na indústria cultural, o segmento mais afetado pela atual situação foi o mercado de apresentações ao vivo. Com a interdição de concertos e festivais, as consequências nas atividades dos profissionais dessa área são diversas. Por esse motivo, a Orquestra Sinfônica do Paraná reformulou o escopo de todo o segundo semestre da temporada 2020 para ações digitais que, por meio da música, possam transmitir uma mensagem de solidariedade em meio à pandemia. E é dentro desse contexto que Carinhoso, na voz de Nero e com imagens marcantes de profissionais da área da saúde que estão atuando diretamente no combate da Covid-19, inaugura a nova fase digital de apresentações da OSP, chamada OSP ONLINE – MÚSICA PARA TOD@S.

Henrique Ventura lança o single “Ansiedade”, que aborda a necessidade de nos reconectarmos com o lado bom da vida

“Cantor curitibano também prepara novas canções, em parceria com produtor do Melim e com integrantes do grupo 1Kilo”

Uma das funções da arte é despertar, em quem a consome, o sentimento de compreensão acerca de algum período difícil que podemos enfrentar. Foi a partir desta necessidade de entender, e estender para o público, todas as mudanças surgidas neste cenário da pandemia de coronavírus, que o músico curitibano Henrique Ventura compôs seu novo single, chamado “Ansiedade”, já disponível no Youtube e nos serviços de streaming.

Partindo de uma observação sobre a sensação de ficar em casa, lidando com questões como a ociosidade, as atribuições pessoais e profissionais, e o sentimento que decorre destes fatores, Henrique quis expressar tudo isso através de sua canção, para acalentar e ajudar as pessoas.

“O meu objetivo era expressar esse sentimento de ansiedade, que muitas vezes não é levado a sério. Para mostrar que as pessoas que enfrentam momentos difíceis não estão sozinhas, que tudo vai passar. Espero que elas consigam focar nas coisas boas, pra conseguir mandar a ansiedade embora. A vida é boa, nós só precisamos lembrar disso.”

Neste período de pandemia, as pessoas estão começando a consumir cultura de um modo muito mais profundo, principalmente por conta do isolamento social. Henrique acredita que, por conta da música exigir um tempo maior para compreensão, no dia a dia, na rotina, não tínhamos tempo de analisar e refletir as mensagens das canções na sua totalidade. “A música faz acontecer coisas que fogem da razão, elas despertam a emoção, a junção dos elementos musicais faz as pessoas se reconectarem com o próprio sentimento. Este período de isolamento pode ajudar as pessoas neste sentido, e a compreenderem melhor qual o papel da cultura em nossas vidas”.

Ligado à música desde criança, Henrique lançou em 2019 o seu primeiro álbum, “Coração que Sente”, pela Sony Music, trabalho este que lhe rendeu elogios e grandes oportunidades, como participar de uma turnê com Vitor Kley em Portugal, abrindo o show para o artista gaúcho.

Henrique prepara o lançamento, desta vez pela gravadora Altafonte, de quatro novos singles, que contam com as participações de Juliano Moreira (um dos produtores do trio Melim), e de Pablo Martins e Mozart MZ (integrantes do grupo de rap 1Kilo). As novas canções seriam lançadas neste primeiro semestre de 2020, mas por conta da pandemia de coronavírus, Henrique decidiu priorizar o lançamento do single “Ansiedade”. “O mais importante agora é conseguirmos olhar ao nosso redor, não nos fecharmos em relação ao mundo. Como eu falo na canção, ésó respeirar! Espero que depois de ouvir a música, você consiga controlar um pouco melhor a sua ansiedade e viver mais tranquilamente. Tudo isso vai passar”, finaliza Henrique, com um sentimento de esperança que pode (e deve) ser compartilhado por todos nós.

Para conhecer mais sobre o trabalho do artista, siga nas redes sociais - instagram - @ohenriqueventura / facebook – Henrique Ventura.

Artistas se reinventam durante pandemia mundial

Profissionais do entretenimento criam novas maneiras de continuar levando seu trabalho ao público

Não há quem não tenha sido afetado pelas transformações que vêm acontecendo mundialmente por conta do COVID-19. Para alguns setores, a dificuldade é ainda maior. Um dos segmentos mais afetados pelo coronavírus é o de eventos e entretenimento. Artistas de diversas áreas estão tendo que se reinventar de diferentes maneiras para continuar angariando público e também ajudar os mais necessitados.
Artistas famosos têm promovido lives com milhares de espectadores e lançam músicas e clipes que já tinham sido programados em momento pré isolamento social. Mas para artistas locais a realidade é outra. Esses artistas precisam continuar, de alguma forma, produzindo o seu ganha pão.
O formato live também funciona para profissionais com menos seguidores nas redes, e os artistas aceitam couvert via sistemas de pagamento online e depósitos. Professores de música e arte estão focados em desenvolver os melhores métodos de cursos e aulas online. Os profissionais lançam vídeos e músicas em plataformas que pagam por visualizações, downloads e interações. A venda de ingressos antecipados, com desconto, para quando voltar a possibilidade de aglomerações são outra opção para artistas de dança, teatro e circo. Até festa com link exclusivo, cobrando entrada, já se viu nessa quarentena.
A banda ROMA, de Curitiba, formada pelos músicos Arthur Wog, Dáphene Zandoná e Felipe Brasil conta como está passando esse período sem shows, bares e eventos: "Nós estamos fazendo lives semanais, aceitando pagamentos voluntários. Estamos com parcerias com outros perfis no Instagram, que queiram nos entrevistar ou parashow ao vivo. Também continuamos produzindo novas músicas. Acho que o mais importante agora é não ser esquecido", comenta Arthur.
As artes e a cultura são um alento nesse momento tão difícil. "Vimos pelo mundo todo vídeos de diversas expressões artísticas, e no Brasil a conclusão é que justamente agora é a hora ideal para lançar material novo. As pessoas estão precisando se divertir um pouco nesse momento pesado. Além de gerar conteúdo, incentivar as visualizações no YouTube e que mais pessoas escutem nossas músicas nos streamings", finaliza Dáphene sobre o lançamento do clipe “Porta Aberta”, que a banda fará em uma live no próximo dia 05.

Serviço
Live e lançamento do clipe Porta Aberta, dia 05/05, terça-feira, às 19h00, no Instagram pelo perfil @roma.music.br e no YouTube pelo canal Kremaria Records

Sobre a Banda
A banda ROMA é um projeto autoral formado pelos músicos Arthur Vog, Dáphene Zandoná e Felipe Brasil. Juntos, cantam músicas sobre amor e todas as suas formas, misturando a batida do rap e hip hop, a melodia do mpb e pop. A formação do trio existe desde 2019, e apesar do pouco tempo de banda, já acumulam experiências muito relevantes no currículo. Entre elas, a participação no festival “Canta Curitiba”, promovido pela prefeitura municipal, onde ficaram entre os 4 finalistas dos mais de 200 inscritos.

Rogéria Holtz e Daniel Migliavacca fazem shows de lançamento do novo álbum “Pra ser feliz”

São treze faixas com releituras de clássicos da música popular brasileira, de Pixinguinha a Chico Buarque, e algumas composições próprias em versões inéditas. A dupla fará uma série de shows gratuitos de lançamento na Alfaiataria, em Curitiba nos dias 20, 21 e 22 de março

“Pra ser feliz” é o título do álbum e show que a cantora Rogéria Holtz e o músico bandolinista Daniel Migliavacca lançam juntos nos dias 20, 21 e 22 de março, na Alfaiataria, em Curitiba. O álbum estará disponível nas plataformas digitais, assim como a venda do CD físico e digital. Rogéria e Daniel estarão acompanhados dos músicos: Glauco Solter no baixo elétrico, Gustavo Moro no violão 7 cordas e Luís Rolim na bateria e percussão, que forma o “Daniel Migliavacca Quarteto”. O grupo apresenta uma sonoridade ao mesmo tempo leve, dançante e virtuosística passeando pelo Choro, Baião, Bolero e, principalmente, pelo Samba.
Ao longo de treze faixas, o álbum traz releituras de clássicos da música popular brasileira como: “Mundo Melhor” de Pixinguinha e Vinícius de Moraes, “É” de Gonzaguinha e “Tem mais samba” de Chico Buarque, além de composições próprias de Daniel Migliavacca como: “Santo Forte” em parceria com Jô Nunes e “Pé Quente” em parceria com Ricardo Ribeiro. Vale destacar também o samba-canção “Silêncio” do compositor e ícone da música paranaense Lápis em parceria com Jorge Segundo. A direção musical e os arranjos são de Daniel Migliavacca e a direção artística dos shows, de Márcio Juliano.
Criado para celebrar anos de parceria e encontros na música, segundo Daniel, o foco do projeto é apresentar músicas que representam toda a alegria e espontaneidade desse encontro, tanto nas letras quanto nas melodias. Sobre o novo álbum, Rogéria comenta: “De um lado o virtuosismo do quarteto e de outro pérolas de compositores brasileiros imprimem, respectivamente, desafio e orgulho pro meu canto”.
Os shows de lançamento do álbum acontecem em Curitiba, na Alfaiataria - Rua Riachuelo 274, nos dias 20, 21 e 22 de março (sexta a domingo), sendo dias 20 (sexta) e 21 (sábado) às 20h30, e dia 22 (domingo) com duas sessões: 17h e 19h. A entrada é gratuita e os ingressos começam a ser distribuídos no local, uma hora antes do início de cada show.
SERVIÇO
PRA SER FELIZ - Show de lançamento do novo álbum de Rogéria Holtz e Daniel Migliavacca Quarteto
Quando: 20, 21 e a 22 de março (sexta e sábado, às 20h30; domingo com duas sessões, às 17h e às 19h)
Onde: Alfaiataria Cultural | Rua Riachuelo, 274 - Centro, Curitiba/PR
ENTRADA GRATUITA, com ingressos distribuídos uma hora antes do início de cada show

Rogéria Holtz
Rogéria é cantora e compositora. Em sua carreira, lançou 3 CD’s e ganhou 5 troféus como melhor intérprete. Foi contralto do Grupo Vocal Brasileirão do Conservatório de MPB e participou de diversos projetos musicais. Como locutora e apresentadora, trabalhou em estações de rádio tradicionais do estado. Atualmente, está à frente dos programas ao vivo da Rádio Educativa do Paraná e também é locutora da CBN Curitiba.

Daniel Migliavacca
Daniel é um dos jovens representantes do Choro e do bandolim no Brasil. Se destaca em diversos projetos como instrumentista, compositor, arranjador e diretor musical. Já conquistou prêmios pelo Brasil como instrumentista e compositor, e possui 7 CD´s lançados, além de inúmeras participações em diversas produções. Em 2011 formou-se Bacharel em Música Popular pela UNESPAR em Curitiba e em 2019 concluiu o Mestrado Profissional em Música na UFRJ no Rio de Janeiro.

FICHA TÉCNICA
Rogéria Holtz (voz) e Daniel Migliavacca (bandolim, cavaco, guitarra baiana)
Músicos: Glauco Solter (baixo elétrico), Gustavo Moro (violão 7 cordas) e Luís Rolim (bateria e percussão)
Produção Musical: Daniel Migliavacca
Direção Cênica: Marcio Juliano
Cenário e Figurinos: Eduardo Giacomini
Iluminação: Nadja Naira
Assessoria de Imprensa e Mídias Sociais: Luísa Bonin e Thays Cristine - Platea Comunicação e Arte
Produção Executiva: Adriano Esturrilho - Processo Multiartes
Incentivo: CELEPAR

Projeto realizado com o Programa de Apoio e Incentivo à Cultura - Fundação Cultural de Curitiba e Prefeitura Municipal de Curitiba.

Sesc PR abre inscrições para 42ª edição do Femucic

Músicos de todo o Brasil podem se inscrever até o dia 28 de fevereiro

Estão abertas até o dia 28 de fevereiro, as inscrições para a 42ª edição do Festival de Música Cidade Canção (Femucic), o maior evento de música realizado pelo Sesc Paraná. As apresentações ocorrerão de 28 a 30 de maio, no Teatro Calil Haddad.
Na programação do evento, além das 26 músicas inéditas selecionadas, haverá oficinas de música, atividades diversas de formação de plateia, aproximando o público de diferentes gêneros musicais e, durante toda a semana do evento, serão levadas apresentações musicais didáticas às escolas do Ensino Fundamental e às empresas do comércio de bens, serviços e turismo de Maringá e promovidos bate-papo dos músicos com a plateia após as apresentações.
As inscrições devem ser realizadas exclusivamente pelo site www.sescpr.com.br/femucic. As músicas inscritas serão selecionadas por uma Comissão de Seleção, conforme especificado no edital, e serão analisadas a singularidade e originalidade, a inovação e a qualidade técnica e artística do trabalho. A previsão de divulgação do resultado é a partir do dia 25 de março, no mesmo endereço eletrônico.
Os selecionados para as apresentações receberão cachê conforme edital.

SERVIÇO
42ª Femucic – Festival de Música Cidade Canção Sesc Maringá
Período de inscrições: de 27 de janeiro a 28 de fevereiro de 2020
Informações: www.sescpr.com.br/femucic | femucic@sescpr.com.br | (44) 3265-2778 | (44) 3265-2750.

O Modalismo na MPB no Teatro Paiol

O maestro, músico e pesquisador Vicente Ribeiro vai lançar o livro O Modalismo na Música Popular Brasileira durante a Oficina de Música de Curitiba, com um sarau comentado que acontece no dia 23 de janeiro, quinta-feira, às 19 horas, no Teatro Paiol (Praça Guido Viaro, s/nº), com entrada gratuita. O autor, que também é violonista, vai se apresentar com os músicos Fabio Cardoso (piano) Thiago Duarte (baixo acústico), Thales Lemos (bateria) e os cantores Suzie Franco, Fernanda Sabbag e Lucas Franco. No programa do show serão interpretadas músicas do repertório modal dos compositores Luiz Gonzaga, João do Vale, Baden Powell, Dorival Caymmi, Edu Lobo, Tom Jobim, Gilberto Gil e Caetano Veloso, que estão no livro.
Vicente Ribeiro conta que trouxe para esse lançamento parte das composições que ele analisa na sua obra. O autor divide os compositores em quatro grupos, com abordagens distintas, do modalismo na MPB: as matrizes "nordestina" (João do Vale e Luiz Gonzaga) e "afro-brasileira" (Baden Powell e Dorival Caymmi), e as vertentes estéticas "nacionalista" (Tom Jobim e Edu Lobo) e "tropicalista" (Caetano Veloso e Gilberto Gil).
Se no livro O Modalismo na Música Popular Brasileira Vicente Ribeiro exemplifica seu trabalho comentando as partituras das canções, no Teatro Paiol, o público vai poder conhecer de forma prática o que é o modalismo durante uma apresentação que vai levar a plateia a um mergulho profundo na música brasileira. “No show passeamos por cada uma dessas quatro vertentes. O repertório do espetáculo é uma amostra do livro, que tem 30 músicas analisadas”.
A pesquisa sobre o “Modalismo na Música Popular Brasileira” de Vicente Ribeiro começa em 2005 e, desde então, ele vem se aprofundando no tema. Primeiro com o trabalho de conclusão acadêmica, depois como tese de mestrado e agora no doutorado. Mas ele explica que muitos dos autores das músicas, provavelmente, não tinham ideia do que estavam fazendo. “Principalmente Gonzaga e João do Vale, que eram compositores mais intuitivos, compondo a partir de uma tradição oral. Já compositores como Jobim, Baden, Caetano, Edu, Caymmi e Gil demonstram, em alguma medida, uma consciência do modal ou, pelo menos, a busca de uma sonoridade diferente”.
Mas o que é a música modal? Vicente explica que existe um senso comum sobre a música em geral, de que ela é construída a partir das sete notas musicais, que formam a chamada "escala maior". Mas, ele chama atenção, essa é apenas uma das possibilidades de recorte no continuum sonoro, que inclui muito mais sons além das sete notas conhecidas. Com outros recortes, a sonoridade da música pode variar bastante. “Na música modal há outras escalas, outros recortes, como o chamado modo 'mixolídio', que aparece em composições como ‘Baião’ ou ‘Juazeiro’, de Luiz Gonzaga, ‘Tropicália’ de Caetano Veloso ou 'Pato Preto', de Jobim", pontua o pesquisador.
Para o autor do livro, esses recortes diferentes fogem da escala tonal - que está presente na música clássica, no choro, no samba, e em boa parte da música pop. “O modal remete a outros 'lugares sonoros', como as músicas nordestina, celta e ibérica”. Vicente observa que, enquanto a estrutura da música tonal é mais narrativa, a música modal é mais circular. “Como as escalas modais têm recortes diferentes, elas te transportam para lugares imprevisíveis”.
Vicente Ribeiro é graduado em Música Popular pela FAP-PR e mestre em Música pela UFPR. Atua como arranjador desde 1983; por conta desta atuação, recebe indicações ao Prêmio da Música Brasileira (1993) e ao Prêmio Profissionais da Música (2019). Em 1995 inicia uma profícua parceria com o grupo Tao do Trio, produzindo e arranjando seus três álbuns; dois deles resultam na indicação do grupo ao já citado Prêmio da Música Brasileira, em 2002 e 2017. Paralelamente, atua como regente e diretor musical do Vocal Brasileirão, desde 2006, e do Grupo de MPB da UFPR, desde 2018. Sua intensa atividade como músico não o impede de dedicar-se com o mesmo afinco ao ensino de música, ministrando disciplinas teóricas e práticas em cursos de graduação e pós-graduação, bem como em cursos livres e em diversas edições da Oficina de Música de Curitiba; atua ainda como coordenador pedagógico do Conservatório de MPB, de 2004 a 2011. Atualmente realiza seu doutorado em música na UNICAMP, onde aprofunda sua investigação sobre modalismo em pesquisa acerca da produção pós-bossanovista de Tom Jobim.

SERVIÇO:

Sarau O Modalismo na Música Popular Brasileira – Lançamento do livro homônimo do maestro, músico e pesquisador Vicente Ribeiro.
Dia 23 de janeiro, quinta-feira, às 19 horas.
Teatro Paiol (Praça Guido Viaro, s/nº).
Ingressos: Entrada gratuita
Classificação etária: Livre.
Duração: 50 minutos
Informações: (41) 3229-4458.
O livro será vendido no local por R$30 (preço promocional)

Mais informações e entrevistas:
RB – Escritório de Comunicação
Rodrigo Browne
99145-7027 // 3363-7759

Sugestão de BOX

Repertório do show:

01. Quebra pedra (instrumental) – Tom Jobim
02. Juazeiro – Luiz Gonzaga
03. Baião – Luiz Gonzaga
04. Carcará – João do Vale
05. Noite de temporal – Dorival Caynni
06. Berimbau – Baden Powell/Vinicius de Moraes
07. Consolação – Baden Powell/Vinicius de Moraes
08. Upa, neguinho – Edu Lobo
09. Ode aos ratos – Edu Lobo/Chico Buarque
10. Caminho de pedra – Tom Jobim
11. Pato preto – Tom Jobim
12. Tropicália – Caetano Veloso
13. Trilhos urbanos – Caetano Veloso
14. Refazenda – Gilberto Gil

Noturnall se apresenta com o músico americano Mike Portnoy essa semana em Curitiba

Noturnall se apresenta com o músico americano Mike Portnoy essa semana em Curitiba
O ex-vocalista do Angra, Edu Falaschi, será um dos convidados especiais

A banda Noturnall estará em turnê pelo Brasil ao lado do baterista Mike Portnoy, ex-integrante do lendário Dream Theater. Uma das apresentações acontece em Curitiba, dia 14 de novembro, véspera de feriado, no Espaço Cult, região central da cidade. Além da dupla, haverá participação especial do ex-vocalista da Angra, a maior banda de Metal do Brasil, Edu Falaschi. O show na capital paranaense é realização da Mosh Productions.

O Noturnall, ao lado de Mike, fará um repertório especial com músicas do Dream Theater. Músicas de outra ex-banda do baterista, o Adrenaline Mob, também serão tocadas. Vale lembrar que o guitarrista do Noturnall, o americano Mike Orlando, também toca nesse grupo. Uma homenagem ao Pantera também está no script. Ao lado de Falaschi, o Noturnall prestará uma grande homenagem ao maestro André Matos, músico que nos deixou esse ano.
O Noturnall, que vive uma grande fase de sua carreira com a Redemption Tour 2019, é formado por Thiago Bianchi (voz), Mike Orlando (guitarra), Henrique Pucci (bateria) e Saulo Xakol (baixo). A banda esse ano realizou uma bem sucedida turnê na Rússia, ao lado de um dos nomes mais importantes do Rock da atualidade, o Disturbed.
A abertura da noite ficará por conta de três bandas: Hellene, Castellica e Xakol, banda do baixista do Noturnall. Este show participa do projeto de inclusão social #EventoAmigoPNE: um ingresso tipo meia ou meia promo podem entrar 1 PNE + 1 acompanhante sem custo extra.
SERVIÇO
Noturnall + Mike Portnoy e Edu Falaschi em Curitiba
Data: 14 de Novembro de 2019 (quinta-feira, véspera de feriado)
Local: Espaço Cult
Endereço: R. Dr. Claudino dos Santos, 72 – São Francisco
Horário: a partir de 20h
Ingressos: a partir de R$ 50 (meia/promo)
Venda online: www.ticketbrasil.com.br
Evento no Facebook: www.facebook.com/events/701699010332311
*ingressos promocionais meia-entrada com doação de 1kg de alimento não perecível (exceto sal) ou 1kg de ração animal.

VÍDEOS
Fight the System (Live in Russia)
https://www.youtube.com/watch?v=nAkGZhbvln8

Noturnall - Scream! For!! Me!!!
https://www.youtube.com/watch?v=8zx9X4MQjfQ

BADBADNOTGOOD desembarca em Curitiba na próxima semana

BADBADNOTGOOD desembarca em Curitiba na próxima semana
A incrível banda canadense, fenômeno do jazz mundial, se apresenta pela primeira vez na capital paranaense no dia 06 de novembro, na Ópera de Arame

CURITIBA, 04/11/2019 – A badalada banda canadense BADBADNOTGOOD, considerada uma das principais referências do jazz contemporâneo, tem retorno confirmado ao Brasil nesta semana. A turnê contará com um show inédito na cidade de Curitiba e outro em São Paulo. Na capital paranaense, a banda se apresenta na Ópera de Arama, no dia 06 de novembro, e promete uma combinação explosiva que incorpora Soul, Funk e Gospel às suas improvisações no Jazz.

Formada pelos músicos Chester Hansen (baixista), Matthew Tavares (teclado), Leland Whitty (saxofone) e Alexander Sowinski (bateria), a BADBADNOTGOOD conquistou o status de ser um dos nomes mais celebrados pela crítica ao redor do mundo. Conhecida por suas interpretações contemporâneas e colaborações com artistas como Kendrick Lamar, Thundercat, Flying Lotus, Mary J. Blige, Snoop Dogg, Bonobo, Daniel Caesar, Kaytranada e Odd Future, a banda chega ao país com sua turnê mundial, que conta com passagens pelas maiores cidades do planeta e grandes festivais musicais.

Com cinco álbuns lançados na carreira (BBNG - 2011, BBNG2 - 2012, III - 2014, Sour Soul - 2015 e IV - 2016), a BADBADNOTGOOD derruba gêneros e se destaca como uma das bandas mais inovadoras do século XXI. Em 2015, o álbum Sour Soul, gravado em parceria com o rapper Ghostface Killah, proeminente membro do supergrupo Wu-Tang Clan, elevou a BADBADNOTGOOD para o patamar dos artistas mais cultuados do mundo.

Show de abertura

Outro grande atrativo da passagem da BADBADNOTGOOD será o show de abertura: a banda curitibana Marrakesh. O grupo está entre os maiores nomes do cenário independente nacional. Formada por Bruno Tubino (vocal e guitarra), Lucas Cavallin (vocal e guitarra), Nicholas Novak (baixo), Volobodo (sintetizadores e guitarra) e Matheus Castella (bateria), a Marrakesh ganhou destaque nacional com o EP “Vassiliki” (2014), que apresenta uma combinação autêntica e exótica do indie rock e blues psicodélico.

Com o enorme sucesso, o quinteto foi convidado para tocar no renomado festival Primavera Sound, em Barcelona (Espanha), em 2017. Essa experiência resultou, também, na criação de um documentário sobre a banda: Marrakesh in Barcelona / Primavera Sound. O álbum mais recente do grupo, “Cold as Kitchen Floor” (2018), foi lançado logo após a participação no festival e conta com inspirações do pop e do eletrônico, abusando da experimentação nos instrumentos e vocal.

A apresentação do BADBADNOTGOOD, com abertura da banda Marrakesh, acontece no dia 06 de novembro, na Ópera de Arame, com abertura dos portões a partir das 19h. Os ingressos custam a partir de R$ 140,00 e estão disponíveis no site www.eventbrite.com.br e no Alquimia Boutique Bar (Rua Brigadeiro Franco, 1193).

Fuzz Valley Sessions reúne bandas de Stoner e Metal em evento beneficente no Hangar

Fuzz Valley Sessions reúne bandas de Stoner e Metal em evento beneficente no Hangar
Festival contará com três bandas e arrecadará alimentos para o Asilo São Vicente

Unir a música pesada com ações sociais é sempre uma iniciativa louvável. E o Fuzz Valley Sessions, que acontece sexta-feira (11) no Hangar, em Curitiba, é mais um desses ótimos exemplos. O festival contará com três bandas da cidade: Pantanum, Low Tide Riders e o Jesus Hits for Bong, que fará sua apresentação de estreia. Músicos convidados também farão participações e jam sessions em prol da causa.

Para causa tão nobre, o público pagará sua entrada com 1Kg de alimento não perecível. O evento também contará com exposições, feira cultural, drinks especiais e várias promoções no bar. As atividades começam às 21h. O evento é uma realização Crazy Horse Productions.

O Hangar - A Casa do Ócio é um espaço cultural diversificado, que recebe shows musicais, workshops, oficinas, palestras e demais atividades visando o desenvolvimento artístico e cultural da cidade. A casa a sua marca vem dos anos 90, e desde aquela época o local é uma referência do Rock e da música ao vivo na cidade.

SERVIÇO
Data: 11 de outubro de 2019 (sexta-feira)
Local: Hangar - A Casa do Ócio
Endereço: Al. Dr. Muricy, 1091 - Largo da Ordem
Horário: 20h (abertura da casa)
Ingressos: 1 quilo de alimento não perecível
Evento: https://www.facebook.com/events/973989256295830

VÍDEO
Pantanum
[youtube https://www.youtube.com/watch?v=zgJTiYIYP1o&w=560&h=315]

Foto: banda Low Tide Riders/Carolina Casá

Última semana de inscrições para as audições para novos músicos da Orquestra Sinfônica do Paraná

Última semana de inscrições para as audições para novos músicos da Orquestra Sinfônica do Paraná
Período de inscrições vai até 14 de outubro pelo site da Fundatec

O Serviço Social Autônomo PalcoParaná realiza em novembro audições para músicos do violino, viola, violoncelo, flauta, oboé, fagote, clarineta e trombone para a Orquestra Sinfônica do Paraná (OSP). As inscrições estão abertas pelo site da Fundatec até o dia 14 de outubro. O período de provas será de 04 a 17 de novembro no Teatro Guaíra, em Curitiba.

No total, 12 novos músicos serão chamados para integrar a OSP. Os demais candidatos que receberem nota 7,0 ou superior, farão parte do cadastro de reservas e poderão ser chamados para compor a orquestra nos próximos dois anos.

Todas as vagas são para músicos de fileira, no entanto, para as vagas para flauta, oboé e fagote procuram-se profissionais com nível técnico e artístico de “principal”, ou seja, capazes de assumir pequenos solos dentro das peças orquestrais. No caso específico da flauta, há o interesse também por músicos que tenham boa capacidade técnica para o piccolo.

Todos os candidatos que forem aprovados nessas vagas poderão participar de audições internas para a posição de solista de seus instrumentos. Caso aprovados, eles passarão a ser remunerados de acordo com suas novas funções. Esta opção mostra o interesse da OSP por profissionais que desejem construir uma carreira dentro da orquestra.

Nos últimos anos, a Orquestra Sinfônica do Paraná vem ampliando seu repertório e crescendo em nível técnico. As audições para novos músicos são uma evidência deste crescimento tão importante para a cultura no Estado do Paraná.

Para ficar por dentro de curiosidades, imagens históricas e momentos dos bastidores, siga a OSP nas redes sociais: facebook.com/OrquestraSinfonicaDoParana e @orquestrasinfonicaparana no Instagram. Acompanhe também o Teatro Guaíra no facebook.com/TeatroGuaira e no Instagram @teatroguaira.
Serviço
Audições para novos músicos para a Orquestra Sinfônica do Paraná
Inscrições: até 14/10
Bancas: de 04 a 17/11, no Teatro Guaíra
Mais informações e edital: http://palcoparana.org