Roteiro de trem entre Curitiba e Morretes volta a operar neste final de semana

Com flexibilização de decreto de Morretes, Serra Verde Express retoma atividades nos finais de semana, seguindo medidas e protocolos de segurança

Após um mês com os vagões parados, o trem que faz o trajeto entre Curitiba e Morretes volta a operar neste sábado. Para fazer o transporte dos passageiros, a Serra Verde Express conta com rígidos protocolos de segurança e higiene e opera com apenas 50% da capacidade. Além do distanciamento social, há a obrigatoriedade de uso de máscara em passageiros e colaboradores, disponibilização de álcool em gel, medição de temperatura e equipamentos de alta tecnologia para sanitização.

Segundo o diretor da Serra Verde Express, Adonai Aires de Arruda Filho, além de ser uma possibilidade de deslocamento entre as cidades, o trajeto ainda garante uma experiência enriquecedora. “O trem está capacitado para receber os passageiros de forma segura e, ainda, proporcionar uma viagem de quatro horas com lazer, cultura e lindas paisagens”, afirma. Para acessar a cidade de Morretes, será necessário entrar no site www.morretesdestinocerto.com.br para realizar cadastro e gerar um QR Code, que será apresentado na barreira sanitária.

Uma atração sobre trilhos por 70 quilômetros, com paisagens naturais, belos cenários, fauna e flora que formam a Serra do Mar paranaense. O trem opera na linha que é a maior área contínua de mata atlântica preservada no país, um atrativo por si só. "O trajeto de trem é uma opção de turismo seguro e responsável no Paraná", ressalta Arruda Filho.

O trem passa a operar, inicialmente, de sexta a domingo, partindo de Curitiba às 8h30, ou realizar o caminho inverso do trajeto, que sai de Morretes às 15h. Ambos os roteiros possuem cerca de 4 horas de duração. Mais informações estão disponíveis no site da Serra Verde Express.

Sobre a Serra Verde Express

Em operação desde 1997, a Serra Verde Express é uma empresa referência em operações turísticas ferroviárias no Brasil. Com sede em Curitiba (PR), tem a concessão dos trens turísticos na ferrovia Paranaguá - Curitiba. Em 2008 lançou o primeiro trem de luxo nacional. De acordo com o jornal britânico The Guardian e o americano The Wall Street Journal, tem um dos 10 passeios de trem mais espetaculares do mundo. Operadora oficial da Grande Reserva da Mata Atlântica, proporciona ao público uma experiência imersiva cultural e voltada ao meio ambiente. Integrante do Núcleo de Turismo da Holding Higi Serv, transporta anualmente mais de 200 mil pessoas no trecho Curitiba - Morretes, além de ser a maior operadora de serviços de receptivo em Curitiba e no litoral paranaense. Em 2020, inaugura o Trem Republicano, que opera no trecho Salto - Itu, no estado de São Paulo.

Morretes reabre para turismo neste fim de semana

Restaurantes, parques, pousadas e outras atrações locais retomam atividades seguindo medidas para preservar a saúde de visitantes e colaboradores

A Prefeitura de Morretes acaba de anunciar a reabertura do turismo na cidade litorânea, a partir desta sexta-feira (9 de abril). Mas a decisão é cautelosa e segue recomendações das autoridades sanitárias para não colocar em risco a saúde dos turistas, dos colaboradores dos empreendimentos turísticos e dos moradores do município.

Para acessar a cidade, será necessário entrar no site www.morretesdestinocerto.com.br para fazer um cadastro e gerar um QR Code, que será apresentado na barreira sanitária. O objetivo da ferramenta, implantada pela Motu Inteligência Digital, é controlar o fluxo na cidade e fazer rastreamento de contatos, caso necessário. Cerca de 5 mil pessoas poderão visitar Morretes por dia, desde que tenha o QR Code. Caso contrário, o visitante não poderá entrar na cidade. A recomendação é que seja feita reserva antecipada diretamente com os estabelecimentos da região ou compra prévia dos passeios.

Com as atividades baseadas quase que totalmente no turismo, a cidade foi uma das mais afetadas no Paraná durante a pandemia. “A abertura dos destinos de turismo é crucial para o desenvolvimento financeiro da região. Temos plena consciência disso e as empresas estão capacitadas, dentro de cada área, para fazer valer todos os protocolos de segurança. Aos poucos, e com muita responsabilidade, tenho certeza que iremos superar as dificuldades”, destaca a secretária de Turismo, Cultura, Urbanismo e Meio Ambiente de Morretes e proprietária do Ekôa Park, Tatiana Perim.

O empreendimento, que é um atrativo turístico que retorna neste final de semana. O paraíso ecológico ocupa uma área de 238 hectares, localizado dentro da maior área contínua remanescente de Mata Atlântica, denominada Grande Reserva. O Ekôa Park oferece atividades de aventura, lazer, entretenimento, educação ambiental e desenvolvimento profissional. O parque se adequou ao plano de reabertura, trazendo algumas novidades para garantir a segurança dos turistas, colaboradores e moradores da cidade.

Uma das medidas adotadas foi restringir o número de pessoas e o acesso a algumas atrações. Além disso, o restaurante Oka Gastronomia deixou de servir o tradicional buffet para oferecer pratos a la carte e opções de cestas de piquenique, para as famílias degustarem ao ar livre.

A cidade por si só apresenta lazer, cultura, história e gastronomia típica regional. “É um ótimo destino para aqueles que querem se desligar da rotina do dia a dia, viajar e vivenciar experiências enriquecedoras. Os empreendimentos da região se prepararam para receber os turistas com muita alegria e segurança. É uma ótima oportunidade para se reconectar com a natureza e recarregar as baterias”, finaliza a secretária.

Sobre o Ekôa Park

O Ekôa Park é um paraíso ecológico dentro da maior área contínua remanescente de Mata Atlântica, que encanta e inspira por meio de experiências únicas e transformadoras, conectando as pessoas com a natureza. Localizado em Morretes, na região litorânea do Paraná, o parque foi criado a partir da necessidade de proteger e preservar uma reserva de 238 hectares de Floresta Atlântica, ameaçada pelo desmatamento irregular, invasão de posseiros e caçadores. Acreditando no poder da transformação, o empreendimento foi idealizado para mudar esse cenário, agindo como um catalisador de novas oportunidades e disseminador de conhecimento, em uma área privilegiada destinada ao lazer, entretenimento, educação ambiental e desenvolvimento profissional.

Conheça cinco pratos com ingredientes nativos da Mata Atlântica

Localizado em um paraíso ecológico, restaurante do litoral do Paraná traz receitas com alimentos típicos produzidos na região da Grande Reserva

As férias chegaram e uma opção para sair da rotina é explorar o turismo gastronômico. No Paraná, estado rico em biodiversidade, não faltam ingredientes típicos para incrementar as receitas. O Oka Gastronomia, localizado no Ekôa Park, em Morretes, é um exemplo de restaurante que prioriza o consumo sustentável, oferecendo pratos à la carte e cestas de picnic que podem ser consumidos em meio à natureza.

O paraíso ecológico está localizado no "pé" da Serra da Graciosa, na maior área contínua remanescente do bioma, denominada Grande Reserva Mata Atlântica. Com a possibilidade da refeição ao ar livre, os turistas podem ter uma experiência imersiva no parque, de forma segura. “Temos a mente aberta e boa vontade para continuar estimulando novas maneiras de se alimentar. Valorizamos o ato de beneficiar o alimento e respeitamos todo o processo produtivo. Os nossos pratos são inspirados na natureza e na cultura regional, uma forma de trazer não apenas sabor e tempero, mas também conhecimento para os nossos clientes”, explica o chef de cozinha do Oka Restaurante, Lucas Trindade Krebs.

Confira cinco pratos saudáveis preparados com produtos orgânicos e regionais sugeridos pelo profissional.

1 - Spaguetti de pupunha ao creme de pesto

O prato leva o palmito pupunha cozido e desfiado em um formato que se parece com o tradicional spaghetti. Acrescenta-se o creme de pesto feito com o manjericão que é plantado e beneficiado no parque, adicionando ingredientes como azeite, parmesão, nozes e base de molho branco. O pupunha orgânico que é utilizado no restaurante vem de um fornecedor local, que planta de forma sustentável. O prato é orgânico do começo ao fim!

2 - Dadinho de tapioca com geleia de pimenta

Produzida artesanalmente com maçã, pimenta e laranja, a geleia é totalmente orgânica. O dadinho de tapioca é feito com queijo coalho, leite e com tapioca granulada adquirida de um fornecedor que distribui grãos produzidos por micro produtores da região. Esse é um prato leve, artesanal e cheio de sabor, que combina com o verão.

3 - Barreado de jaca

Para quem gosta de experimentar novidades, a sugestão é o “Barreado de Jaca”. Feito 100% com as jacas do colhidas no Ekôa Park, o prato começa com o cozimento da fruta, que depois é desfiada e cozida com os mesmos temperos do tradicional barreado. Esse é um dos pratos que mais faz sucesso no restaurante, pois une cultura e frescor, além de um sabor único.

4 - Coxinha de jaca

Achou que o salgadinho mais famoso do Brasil iria ficar de fora? A “Coxinha de Jaca” é feita com massa de aipim e com a jaca do parque. O aipim também é plantado, colhido, cozido e beneficiado na Serra da Graciosa. No recheio vão tomates cultivados na horta orgânica do Ekôa. Um prato com sabor, vegano e orgânico, feito 100% com produtos cultivados no local.

5 - Barreado tradicional

“Barreado e Morretes nasceram praticamente juntos”, comenta Lucas. O prato típico e cultural do litoral paranaense é presença obrigatória em todos os cardápios da cidade. É feito com carne bovina temperada com cominho e legumes, que carrega o sabor da panela de barro. No Oka Gastronomia, o prato típico é feito de forma totalmente tradicional. Outra sugestão para as férias e verão, que combina com turismo local.

Todos os pratos são encontrados no cardápio do restaurante, com preços a partir de R$ 19. Em dezembro o Ekôa Park está aberto para visitação de sexta a domingo e em feriados, das 9h às 17h. Em janeiro e fevereiro, o parque também receberá visitantes às quinta-feiras. A administração do Ekôa Park está seguindo rigorosamente as recomendações acerca da prevenção da Covid-19 para evitar a disseminação do novo coronavírus: vagas limitadas a 125 pessoas por dia, além do uso obrigatório de máscaras e o distanciamento mínimo de 2m entre as pessoas dentro do parque. O acesso é permitido apenas mediante agendamento online.

Sobre o Ekôa Park

O Ekôa Park é um paraíso ecológico dentro da maior área contínua remanescente de Mata Atlântica, que encanta e inspira por meio de experiências únicas e transformadoras, conectando as pessoas com a natureza. Localizado em Morretes, na região litorânea do Paraná, o parque foi criado a partir da necessidade de proteger e preservar uma reserva de 238 hectares de Floresta Atlântica, ameaçada pelo desmatamento irregular, invasão de posseiros e caçadores. Acreditando no poder da transformação, o empreendimento foi idealizado para mudar esse cenário, agindo como um catalisador de novas oportunidades e disseminador de conhecimento, em uma área privilegiada destinada ao lazer, entretenimento, educação ambiental e desenvolvimento profissional.

Serra Verde Express resgata memória dos engenheiros Rebouças no Dia da Consciência Negra

Primeiros engenheiros negros do Brasil, os irmãos Rebouças deixaram um legado no Paraná. Homenageados com nome de rua, avenida, túnel e até um bairro inteiro, Antônio e André Rebouças figuraram entre os mais importantes engenheiros do país no século XIX. Uma de suas principais obras foi a estrada de ferro Curitiba - Paranaguá, projetada em 1870 e considerada uma impressionante obra de engenharia até os dias de hoje.

Naquela época, a ferrovia foi uma das mais ousadas obras de engenharia mundial. "Os nove mil trabalhadores que participaram da construção enfrentaram condições de trabalho desafiadoras - a área era pantanosa e sujeita a alagamentos, e não havia estrada para facilitar o transporte. Além disso, foram construídos 110 quilômetros de trilho, com 14 túneis, além de dez estações intermediárias e trinta pontes e viadutos - cada um desses viadutos com cerca de 500 toneladas de ferro, construídos sem o uso de máquinas e sob chuvas constantes", conta Adonai Arruda Filho, diretor geral da Serra Verde Express, empresa que opera o trem turístico na ferrovia.

No Dia da Consciência Negra, a Serra Verde Express resgata a história dos irmãos Rebouças e da importante estrada projetada por eles. "Apesar da escravidão ainda ser vigente na época, a construção foi feita inteiramente sem o uso de mão de obra escrava", destaca o empresário. Além disso, um dos irmãos, o André, participou ativamente de campanhas e manifestações abolicionistas no Brasil. "Nada mais justo que preservarmos a história dos engenheiros que são exemplo para toda a humanidade e motivo de orgulho para a raça negra", completa Arruda Filho.

Sobre a Serra Verde Express

Em operação desde 1997, a Serra Verde Express é uma empresa referência em operações turísticas ferroviárias no Brasil. Com sede em Curitiba (PR), tem a concessão dos trens turísticos na ferrovia Paranaguá - Curitiba. Em 2008 lançou o primeiro trem de luxo nacional. De acordo com o jornal britânico The Guardian e o americano The Wall Street Journal, tem um dos 10 passeios de trem mais espetaculares do mundo. Operadora oficial da Grande Reserva da Mata Atlântica, proporciona ao público uma experiência imersiva cultural e voltada ao meio ambiente. Integrante do Núcleo de Turismo da Holding Higi Serv, transporta anualmente mais de 200 mil pessoas no trecho Curitiba - Morretes, além de ser a maior operadora de serviços de receptivo em Curitiba e no litoral paranaense. Em 2020, inaugura o Trem Republicano, que opera no trecho Salto - Itu, no estado de São Paulo.

Rumo e ABPF inauguram trem turístico entre Morretes e Antonina

Passeio tem como atração a Maria Fumaça Mogul 11, considerada a mais antiga locomotiva a vapor em operação no País e a única no Paraná

A partir deste fim de semana, o turismo paranaense ganha uma nova opção de lazer que relembra a história das ferrovias do estado. Em parceria com a Rumo, maior operadora de ferrovias do Brasil, a Associação Brasileira de Preservação Ferroviária (ABPF) inaugura nesta sexta-feira (20/11) o projeto Trem Caiçara, trem de passageiros que vai circular entre os municípios de Antonina e Morretes, no Litoral do Paraná. O principal atrativo do passeio é a Maria Fumaça Mogul 11, fabricada em 1884. Trata-se da mais antiga locomotiva a vapor em operação regular no Brasil.

3=IjMhF2Yzojci5SbvNmLhJnclRHQpxGblNWdsFWbhN3cl5WY2pTN2YDM0cTO1EDN6cWZwpmL39Gb2ADO1EWZ0IDN3cTM3UjMjV2NxEjMzQjZ3ITN0EGOmVmRyUCOmVmRyUyN4UTMGJTJyIDM0EzXtUTMt8VbvNmLyBXbtkmRyUiRyUSQzUycwRHdopTO
Com horários aos sábados e domingos, o passeio inclui um percurso de 16 quilômetros em meio à Mata Atlântica, cruzando áreas de rios e manguezais, além de propriedades rurais que margeiam a ferrovia entre os municípios. Ao todo, serão duas saídas por dia em cada uma das estações (9h30 e 14h30 em Antonina; 11h e 16h em Morretes). O retorno ao ponto de partida se dá via transporte rodoviário, sendo possível a compra da passagem junto ao ingresso. Durante a alta temporada, de dezembro a janeiro, os turistas poderão encontrar opções de viagens também às sextas-feiras. Em função do atual período de pandemia, estão sendo tomadas todas as medidas de prevenção indicadas pelos governos e pela Organização Mundial da Saúde. Não será permitido o embarque de passageiros sem máscaras.

"É uma verdadeira oportunidade para pessoas de todas as idades conhecerem e reviverem os tempos áureos da ferrovia", diz Rodrigo Dolenga, diretor da ABPF. "As últimas excursões que transportaram turistas usando a linha foram na década de 1990, e apenas em datas comemorativas".

Para viabilizar o projeto, a ABPF investiu mais de R﹩ 500 mil no restauro da maria fumaça e R﹩ 200 mil nos carros de passageiros, que contam com 120 lugares cada um. Mais de R﹩ 700 mil foram destinados pela Rumo, responsável pela administração da ferrovia, para a revitalização do trecho. O projeto de restauro da via foi viabilizado após assinatura de um protocolo de intenções entre a concessionária e o Governo do Paraná, em cerimônia realizada no final de 2019.

"Estamos felizes em fazer parte deste momento de resgate da memória ferroviária no estado do Paraná", diz Guilherme Penin, diretor de Regulatório e Relações Institucionais da Rumo. "Essa parceria é importante para fomentar o turismo na região, assim como já temos feito com os trens de passageiros da Serra Verde. A comunidade poderá conhecer de perto duas importantes cidades do litoral, dando um novo significado para um trecho que ainda tem muitas boas histórias para contar".

História sobre trilhos

O trecho que terá circulação do Trem Caiçara faz parte da Estrada de Ferro Dona Isabel, criada pelos irmãos Rebouças, engenheiros que receberam autorização em 1871 para a construção de uma ferrovia ligando o Porto de Antonina à cidade de Curitiba. Em 1875 o marco zero dessa via férrea foi transferido de Antonina para Paranaguá. O histórico ramal de Antonina foi aberto pela Estrada de Ferro Paraná em 1892, como mais uma opção para o desenvolvimento das cidades, no escoamento de riquezas da região.

Nesse contexto, o Trem Caiçara evoca aos turistas o ano de 1892, quando ocorreu a inauguração da ferrovia Dona Isabel - obra de extrema importância para o desenvolvimento das cidades de Antonina e Morretes. À frente do passeio estará uma centenária locomotiva a vapor: a Mogul de número 11, fabricada no ano de 1884 pela Baldwin Locomotive Works.

A Maria Fumaça foi a primeira adquirida pela E. F. Paraná para operar na Ferrovia Paranaguá - Curitiba, sendo utilizada até o final da década de 50. Em 1965, em comemoração aos 80 anos da ferrovia, foi escolhida para ser preservada, devido a seu número 11, em homenagem a 11ª divisão da Rede Ferroviária Federal S/A (RFFSA). Atualmente, faz parte do patrimônio da ABPF, responsável por reformá-la para esse projeto especial. A Mogul 11 também é a mais antiga locomotiva a vapor em operação regular no Brasil e a única no Paraná.

Serviço - Trem Caiçara
Saídas em novembro: Sábado e domingo, 9h30 e 14h30 em Antonina; 11h e 16h em Morretes. Entre dezembro e janeiro serão realizadas viagens às sextas-feiras.
Ingresso: Percurso de trem: R$ 60, com opção de retorno rodoviário por R$ 15. O passeio é gratuito para crianças de até 5 anos.
Pontos-de-venda: Estações ferroviárias de Antonina e Morretes e pelo site da ABPF - Regional Sul
Informações: ABPF - Regional Sul, pelo site https://abpfsul.com.br/, pelo telefone 0800 880 2006 ou via e-mail tremcaicara@abpf.com.br
Sobre a Rumo

A Rumo é a maior operadora de ferrovias do Brasil e oferece serviços logísticos de transporte ferroviário, elevação portuária e armazenagem. A companhia opera 12 terminais de transbordo, seis terminais portuários e administra cerca de 14 mil quilômetros de ferrovias nos estados de Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Minas Gerais, Goiás e Tocantins. A base de ativos é formada por 1.200 locomotivas e 33 mil vagões.

Guia oferece descontos e apresenta roteiros e atrativos turísticos da Estrada da Graciosa

Turista encontra indicações sobre gastronomia, hospedagem, sugestões de passeios e tickets de descontos

(foto: Divulgação)
Para fomentar o turismo em torno da Estrada da Graciosa, entidades públicas e privadas lançaram o Guia Viva Graciosa, um material sugere passeios, estabelecimentos, em empresas chanceladas pelo Selo de Qualidade no Turismo do Paraná, do Sebrae/PR, e oferta cupons de descontos. A criação é da Coezo Marketing Cultural, em parceria com o Sebrae/PR, Fundação Grupo Boticário, Paraná Turismo e Ecovia.

Segundo a consultora do Sebrae/PR, Caren Nanci dos Santos, a publicação vai impulsionar negócios em Antonina e Morretes, no Litoral, e em Quatro Barras, na região turística Rotas do Pinhão, além de fortalecer a imagem dos destinos.

“Ao divulgar belezas naturais, culturais e atrações gastronômicas, nosso objetivo é gerar aumento de fluxo de turistas e de negócios para micro e pequenas empresas na Serra da Graciosa, fortalecendo o setor”, projetaCaren.

Ligados pela Estrada da Graciosa, um dos principais corredores turísticos e atrativos culturais do Estado do Paraná, que atravessa o trecho mais preservado de Mata Atlântica do Brasil, os três municípios concentram mais de 300 pequenas empresas do setor de turismo, sendo 245 do segmento gastronômico. Conforme dados da Paraná Turismo, a região do Litoral do Paraná representa 19% dos atrativos turísticos do Estado, e a da Rotas do Pinhão concentra 16%, o que reforça a expressividade turística da localidade.

Além de parques temáticos e recantos turísticos, o destino tem atividades de turismo de aventura e ecoturismo, vinícolas, artesanatos e diversos serviços, que o turista encontra no Guia. Há indicações sobre o que e onde comer, opções de hospedagem, descrição de estabelecimentos, sugestões de passeios e cupons com mais de R$ 150,00 em descontos, em serviços locais.

“Criamos roteiros de cerca de quatro horas, apresentado opções em torno da Estrada da Graciosa para aumentar a permanência do turista”, comenta o idealizador do Guia, Marcus Andreoli, da Coezo.

As sugestões, ressalta Andreoli, valorizam o contato com as particularidades locais, a exemplo da gastronomia. Além disso, destacam estabelecimentos que preservam a Mata Atlântica, a história e a cultura locais.

A La Foglia Café e Naturais, de Quatro Barras, é uma das recomendações. A empresa, que existe há dois anos, apoia o agricultor de orgânicos e empreendedores de pequenos negócios locais, incluindo bandas, artistas e profissionais que atuam de forma artesanal. “A cidade tem potencial turístico. Acredito que podemos mais. O Guia Viva Graciosa vai proporcionar visibilidade para os empreendedores que investem na região”, comenta a proprietária, Lais Santos.

O material será distribuído em estabelecimentos e em pontos com displays. O turista poderá contribuir de forma livre com o valor sugerido de R$ 10, que será revertido para ajudar a manter e a recuperar equipamentos e pontos turísticos. Uma das últimas casas de farinha de Morretes será a primeira a ser revitalizada.

Informações do Guia e outras serão disponibilizadas no site www.vivagraciosa.com.br nos próximos meses. A partir de abril de 2020, será lançado um aplicativo.

Festival Coolritiba leva seguidores para Morretes

Festival Coolritiba leva seguidores para Morretes
Em parceria com a Serra Verde Express, a promoção começou nesta terça-feira (2 de abril) e levará 10 sortudos para um dos passeios de trem mais lindos do mundo

Já começou a contagem regressiva para o festival mais Cool do Brasil. Há pouco mais de um mês do evento, o Festival Coolritiba e a Serra Verde Express vão proporcionar a 10 seguidores das redes sociais, uma experiência única, imersiva e inesquecível.
No próximo sábado (06/04), dez sortudos e seus acompanhantes descerão a Serra da Graciosa de trem, em um vagão exclusivo do Festival Coolritiba. Além de ganharem um dos dez passeios de trem mais bonitos do mundo, durante toda a viagem os convidados vão curtir o som de Titcho Looper, ao vivo, contarão também com serviço de bordo gratuito e fecharão o dia com um almoço tipicamente paranaense, o Barreado de Morretes.
O resultado será anunciado na sexta-feira, nas redes sociais do Festival Coolritiba e o passeio acontece durante todo o dia no sábado (06/04).
Quer participar?
- Siga o @festivalcoolritiba
- Siga a @serraverdeexpress
- Marque 1 amigo no post da promoção
Confira o regulamento completo nas redes sociais do Festival Coolritiba:
https://www.facebook.com/festivalcoolritiba/
https://www.instagram.com/festivalcoolritiba/
https://twitter.com/festcoolritiba
Festival Coolritiba 2019
Local
Pedreira Paulo Leminski
10 de maio
Abertura dos portões as 16h
11 de maio
Abertura dos portões as 12h
Vendas eventim.com.br