Maturidade é a força da G2 Cia de Dança

Companhia formada por ex-integrantes do Balé Teatro Guaíra com artistas entre 53 e 65 anos comemora duas décadas com temporada no Guairinha

É comum escutar que a profissão de atleta e bailarino tem vida curta. A culpada? A idade. A G2 Cia de Dança vai na contramão dessa ideia. O grupo é composto por ex-integrantes do Balé Teatro Guaíra que não se conformaram com o argumento de que a faixa etária decide a carreira de um artista da dança. Ao contrário, eles usam a maturidade de seus componentes para desenvolverem um trabalho autoral de qualidade artística e técnica. O resultado dessa resiliência? Somaram-se à carreira deles mais 20 anos, que serão comemorados entre os dias 10 e 15 de dezembro, no Guairinha.

Foi em 1999 que um grupo de bailarinos decidiu ir além. Já tinham conhecimento de uma companhia master na Holanda, mantida pelo estado e composta por bailarinos que não queriam parar de dançar, tendo em vista que ainda tinham condições físicas e artísticas para tanto. A ideia foi colocada e Monica Rischbieter, então Diretora Presidente  do Centro Cultural Teatro Guaíra, comprou a ideia. Estava criada a G2 Cia de Dança, pioneira no Brasil com esse formato de atuação, e atualmente única em atividade.

O grupo surgiu com uma característica marcante: desenvolver um trabalho de linguagem contemporânea e com características mais autorais do que a companhia oficial do Guaíra, uma revolução para a época. O objetivo era fazer uso pleno da maturidade pessoal e profissional de seus componentes, apenas promovendo adequações nos parâmetros de uso das técnicas. 

Julio Mota fez carreira no Balé Teatro Guaíra e é um dos bailarinos da G2 Cia de Dança. Segundo ele, o grupo tem uma importância não apenas artística, mas um papel social também. “Com a expectativa de vida do brasileiro aumentando, a atuação da G2 destaca algo de relevância social. Ela mostra para a sociedade que você pode continuar produtivo, ativo e propositor de coisas novas, rompendo com o paradigma do condicionamento físico e da barreira da idade”, declara.

Hoje, a G2 Cia de Dança é formada pelos bailarinos: Ana Silva, Clionise de Barros, Deisi Wor, Grazianni Canalli, Inês Drumond, Julio Mota, Leandro Nascimento, Ricardo Garanhanin e Rogério Halila. Eles têm idade entre 53 a 65 anos. Grande parte deles iniciou a vida profissional dentro do Guaíra, na década de 80.

Em seus 20 anos de atuação, a G2 possui 12 espetáculos montados com a participação de diretores convidados, quatro montagens de criação coletiva do próprio grupo, um espetáculo especial que marcou a retrospectiva dos vinte anos da companhia - o “Portfólio”, circulações nacionais pelo Ceará, Santa Catarina, Pernambuco, Rio Grande do Sul e São Paulo; apresentações internacionais na Argentina e uma premiação da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) como reconhecimento ao trabalho de ampliação da carreira do bailarino.

Em 2019, para comemorar os 20 anos de atuação da G2 Cia de Dança, o grupo iniciou uma nova turnê nacional com os espetáculos “Blow Elliot Benjamin”, “La Cena” e a intervenção “Banquete das Diferenças”. A circulação já passou por Recife, Fortaleza e Vitória, com previsão de apresentações no Rio de Janeiro e São Paulo em 2020. Em Curitiba, a grande comemoração acontece em dezembro, no Guairinha, com espetáculos a preços populares.

O projeto de circulação nacional da G2 Cia de Dança é realizado via Lei de Incentivo à Cultura, com patrocínio da Copel e realização da Associação Brasileira de Apoiadores Beneméritos do Teatro Guaíra (ABABTG), Centro Cultural Teatro Guaíra,  Secretaria de Estado da Comunicação Social e da Cultura, Governo do Paraná,  Secretaria Especial da Cultura, Ministério da Cidadania, Governo Federal – Pátria Amada, Brasil.

SERVIÇO

 

G2 Cia de Dança no Guairinha

La Cena

Data: 10 e 11 de dezembro

Hora: 20h30

Local: Guairinha

Endereço: Rua XV de Novembro, s/n, Centro

Ingresso: R$20 e R$10, na bilheteria do Teatro e pelo Ticket Fácil

Blow Elliot Benjamin

Data: 14 e 15 de dezembro

Horário: sábado às 20h30 e domingo às 18h 

Local: Guairinha

Endereço: Rua XV de Novembro, s/n, Centro

Ingresso: R$20 e R$10, na bilheteria do Teatro e pelo Ticket Fácil

Últimas apresentações dos corpos artísticos do Teatro Guaíra em 2019

Últimas apresentações dos corpos artísticos do Teatro Guaíra em 2019
Orquestra Sinfônica do Paraná e G2, companhia master de dança, encerram a programação do #FimDoAnoNoGuaíra

Nesta semana a programação especial do #FimDoAnoNoGuaíra termina com apresentações da Orquestra Sinfônica do Paraná (OSP) e do G2, companhia master de dança. No dia 15/12, 10h30, a OSP traz o maestro convidado François Lopez-Ferrer para o concerto Beethoven & Schumann. Já o G2 comemora 20 anos com os espetáculos La Cena, nos dias 10 e 11/12, às 20h30, e Blow Elliot Benjamin, dia 14/12, às 20h30 e dia 15/12, às 18h.
Os ingressos para todas as apresentações custam R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia-entrada) e estão disponíveis na bilheteria do teatro ou pelo Ticket Fácil.

20 anos da companhia master de dança G2
Criado em dezembro de 1999, o G2 é formado por ex-integrantes do Balé Teatro Guaíra, que se dedicam ao trabalho de pesquisa de movimento e criação coletiva para a montagem de espetáculos. Para comemorar seus 20 anos, o G2 reapresenta dois sucessos: La Cena e Blow Elliot Benjamin.

La Cena estreou em 2016 e é inspirado em O Quebra-Nozes e nos personagens de Neil Gaiman (Sandman) e de Serguei Diaguilev (Ballets Russes). O grupo trabalha na mansão do Sr. Stahlbaum e, após alguns incidentes, todos mergulham em um sono profundo que desperta os desejos mais secretos e inconfessáveis pesadelos.

Blow Elliot Benjamin foi criado em 2011 e é resultado do trabalho coletivo feito pela coreógrafa Cleide Piasecki com os bailarinos do G2 Cia. de Dança. Entre os personagens da história há um aviador que cai do céu, uma serial killer e uma cantora de ópera que morre dentro de um teatro.

Serviço
20 anos do G2
La Cena
Terça e quarta-feira, 10 e 11/12, 20h30
Auditório Salvador Ferrante – Guairinha

Blow Elliot Benjamin
Sábado, 14/12, 20h30
Domingo, 15/12, 18h
Auditório Salvador Ferrante – Guairinha

Beethoven & Schumann – Concerto da Orquestra Sinfônica do Paraná
Para encerrar a programação da Temporada 2019 que reuniu mais de 20 concertos, a Orquestra Sinfônica do Paraná apresenta no próximo domingo, dia 15/12, às 10h30, no Guairão, o concerto Beethoven & Schumann. O concerto terá regência do maestro convidado François Lopez-Ferrer, da Orquestra Sinfônica de Cincinatti.

No programa estão duas primeiras sinfonias: a de Beethoven e a de Schumann. As obras estão cronologiamente separadas por 41 anos entre suas datas de estreia. A sinfonia de Schumann é mais nova e faz referências às obras de Beethoven. Ele se inspira no ritmo obstinado de Beethoven, que foi alvo de críticas em sua primeira sinfonia, acrescentando a obra aspectos líricos.

Os compositores são considerados hoje dois dos nomes mais importantes e mais famosos na música alemã do século XIX.

Serviço
Beethoven & Schumann
Domingo, 15/12, 10h30
Auditório Bento Munhoz da Rocha Neto – Guairão

+fotos: https://www.flickr.com/photos/teatroguaira/

PalcoParaná seleciona bailarinos, ensaiador e professor de dança para o Balé Teatro Guaíra

PalcoParaná seleciona bailarinos, ensaiador e professor de dança para o Balé Teatro Guaíra
Inscrições podem ser feitas até o dia 26 de dezembro no site da Fundatec e custam R$ 120

O Balé Teatro Guaíra está com um processo seletivo aberto para a contratação de um professor de dança clássica, um ensaiador e formação de cadastro de reserva para bailarinos. Os novos profissionais serão contratados pelo Departamento de Dança do Serviço Social Autônomo PalcoParaná. O edital está disponível no site: http://palcoparana.org/ e https://www.fundatec.org.br

As inscrições já estão abertas e vão até o dia 26 de dezembro de 2019. As provas devem ser realizadas na primeira quinzena de fevereiro. O valor da taxa de inscrição é de R$ 120.

Ensaiador e professor

Para o cargo de ensaiador, o candidato deve ter, entre outros requisitos, ensino médio completo e registro na Delegacia Regional do Trabalho do Ministério do Trabalho e Emprego (DRT), na função bailarino, ensaiador ou coreógrafo até a data da contratação.

Já para o cargo de professor de dança clássica é exigido também ensino médio completo e registro como bailarino na Delegacia Regional do Trabalho do Ministério do Trabalho e Emprego (DRT), entre outros.

Para ambos, a remuneração é de R$ 5 mil.

Cadastro de Reserva
Os candidatos a bailarinos devem ter, entre outros, idade mínima de 18 anos, ensino médio completo e registro na Delegacia Regional do Trabalho do Ministério do Trabalho e Emprego (DRT), na função bailarino até a data da contratação. A remuneração é de R$ 4 mil.

Balé Teatro Guaíra
O BTG foi criado em 1969 e é a terceira companhia pública mais antiga do país. Ao todo, nesses 50 anos, o BTG criou mais de 150 coreografias e se apresentou em 200 cidades, 17 estados e 5 países, chegando a um público de mais 1 milhão de pessoas. Atualmente tem 23 bailarinos, contratados pelo PalcoParaná. É mantido pelo Governo do Paraná.

Maturidade é a força da G2 Cia de Dança

Maturidade é a força da G2 Cia de Dança

Companhia formada por ex-integrantes do Balé Teatro Guaíra com artistas entre 53 e 65 anos comemora duas décadas com temporada no Guairinha

downloadAttachment&Message%5Buid%5D=152902&Message%5Benvelope%5D%5Bmessage-id%5D=%253C1edc01d59f1f%25249868df70%2524c93a9e50%2524%2540smartcom.net.br%253E&Message%5BmailBox%5D%5Bmailbox_id%5D=INBOX&MessageAttachment%5B%5D%5Battachment_id%5D=%3C1edc01d59f1f%249868df70%24c93a9e50%24%40smartcom.net.br%3E-1.1.2

É comum escutar que a profissão de atleta e bailarino tem vida curta. A culpada? A idade. A G2 Cia de Dança vai na contramão dessa ideia. O grupo é composto por ex-integrantes do Balé Teatro Guaíra que não se conformaram com o argumento de que a faixa etária decide a carreira de um artista da dança. Ao contrário, eles usam a maturidade de seus componentes para desenvolverem um trabalho autoral de qualidade artística e técnica. O resultado dessa resiliência? Somaram-se à carreira deles mais 20 anos, que serão comemorados entre os dias 10 e 15 de dezembro, no Guairinha.

Foi em 1999 que um grupo de bailarinos decidiu ir além. Já tinham conhecimento de uma companhia master na Holanda, mantida pelo estado e composta por bailarinos que não queriam parar de dançar, tendo em vista que ainda tinham condições físicas e artísticas para tanto. A ideia foi colocada e Monica Rischbieter, então Diretora Presidente do Centro Cultural Teatro Guaíra, comprou a ideia. Estava criada a G2 Cia de Dança, pioneira no Brasil com esse formato de atuação, e atualmente única em atividade.
O grupo surgiu com uma característica marcante: desenvolver um trabalho de linguagem contemporânea e com características mais autorais do que a companhia oficial do Guaíra, uma revolução para a época. O objetivo era fazer uso pleno da maturidade pessoal e profissional de seus componentes, apenas promovendo adequações nos parâmetros de uso das técnicas.
Julio Mota fez carreira no Balé Teatro Guaíra e é um dos bailarinos da G2 Cia de Dança. Segundo ele, o grupo tem uma importância não apenas artística, mas um papel social também. “Com a expectativa de vida do brasileiro aumentando, a atuação da G2 destaca algo de relevância social. Ela mostra para a sociedade que você pode continuar produtivo, ativo e propositor de coisas novas, rompendo com o paradigma do condicionamento físico e da barreira da idade”, declara.
Hoje, a G2 Cia de Dança é formada pelos bailarinos: Ana Silva, Clionise de Barros, Deisi Wor, Grazianni Canalli, Inês Drumond, Julio Mota, Leandro Nascimento, Ricardo Garanhanin e Rogério Halila. Eles têm idade entre 53 a 65 anos. Grande parte deles iniciou a vida profissional dentro do Guaíra, na década de 80.
Em seus 20 anos de atuação, a G2 possui 12 espetáculos montados com a participação de diretores convidados, quatro montagens de criação coletiva do próprio grupo, um espetáculo especial que marcou a retrospectiva dos vinte anos da companhia - o “Portfólio”, circulações nacionais pelo Ceará, Santa Catarina, Pernambuco, Rio Grande do Sul e São Paulo; apresentações internacionais na Argentina e uma premiação da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) como reconhecimento ao trabalho de ampliação da carreira do bailarino.
Em 2019, para comemorar os 20 anos de atuação da G2 Cia de Dança, o grupo iniciou uma nova turnê nacional com os espetáculos “Blow Elliot Benjamin”, “La Cena” e a intervenção “Banquete das Diferenças”. A circulação já passou por Recife, Fortaleza e Vitória, com previsão de apresentações no Rio de Janeiro e São Paulo em 2020. Em Curitiba, a grande comemoração acontece em dezembro, no Guairinha, com espetáculos a preços populares.

O projeto de circulação nacional da G2 Cia de Dança é realizado via Lei de Incentivo à Cultura, com patrocínio da Copel e realização da Associação Brasileira de Apoiadores Beneméritos do Teatro Guaíra (ABABTG), Centro Cultural Teatro Guaíra, Secretaria de Estado da Comunicação Social e da Cultura, Governo do Paraná, Secretaria Especial da Cultura, Ministério da Cidadania, Governo Federal – Pátria Amada, Brasil.

SERVIÇO

G2 Cia de Dança no Guairinha

La Cena
Data: 10 e 11 de dezembro

Hora: 20h30

Local: Guairinha

Endereço: Rua XV de Novembro, s/n, Centro

Ingresso: R$20 e R$10, na bilheteria do Teatro e pelo Ticket Fácil

Blow Elliot Benjamin

Data: 14 e 15 de dezembro

Horário: sábado às 20h30 e domingo às 18h

Local: Guairinha

Endereço: Rua XV de Novembro, s/n, Centro

Ingresso: R$20 e R$10, na bilheteria do Teatro e pelo Ticket Fácil

Balé Teatro Guaíra e a Orquestra Sinfônica do Paraná apresentam Carmen no Guairão

Balé Teatro Guaíra e a Orquestra Sinfônica do Paraná apresentam Carmen no Guairão
Sessões acontecem sábado, 28, às 20h30, e domingo, 29, às 18h. Ingressos custam R$20

O Balé Teatro Guaíra e a Orquestra Sinfônica do Paraná apresentam o espetáculo Carmen dias 28 e 29 de setembro no Guairão. Carmen, escrita pelo compositor francês Georges Bizet, é uma das obras mais conhecidas e tocadas em todo o mundo. A personagem principal é uma mulher livre que acaba sendo assassinada pelo companheiro Don José, cego pelo ciúme. As sessões acontecem sábado, 28, às 20h30, e domingo, 29, às 18h e fazem parte da celebração dos 50 anos do BTG. Os ingressos custam R$20.

A coreografia de Carmen foi criada para o Balé Teatro Guaíra por Luiz Fernando Bongiovanni em 2016 e faz parte de um projeto de democratização do acesso à cultura. O BTG buscou na última década recriar clássicos da dança mundial, como Carmen e O Lago dos Cisnes, em linguagem contemporânea para trabalhar formação de plateia.

A apresentação terá participação especial da Orquestra Sinfônica do Paraná, com regência do maestro-titular Stefan Geiger. A orquestração, com destaque para percussão, representa com perfeição o clima da Espanha do século XIX, onde a história é ambientada. Na composição, não há sopros, somente cordas e percussão.

Carmen

Escrita originalmente em formato de ópera, a história se desenvolve a partir do relacionamento entre Carmen, uma cigana sedutora, o cabo do exército Don José e sua noiva Micaela e o toureiro Escamillo. No ano de estreia, em 1875, a obra foi criticada em função da personalidade livre da protagonista. Bizet não viveu para ver o sucesso de sua criação, mas a canção Habanera se tornou uma das mais conhecidas do universo operístico.

50 anos
As apresentações fazem parte da celebração de 50 anos do Balé Teatro Guaíra, a terceira companhia mais antiga do país e uma referência em dança contemporânea. Em cinco décadas, marcou a vida de bailarinos e bailarinas que fizeram parte do corpo artístico e transformou a história da dança nacional.

Ao todo, nesses 50 anos, o BTG criou mais de 150 coreografias, teve 300 bailarinos e se apresentou em 200 cidades, 17 estados e 5 países, chegando a um público de mais 1 milhão de pessoas.

Em maio ocorreu a Mostra de Repertório para celebrar os 50 anos do BTG. Foram apresentados os seguintes balés: A Sagração da Primavera, com participação da Orquestra Sinfônica do Paraná, Carmen e O Segundo Sopro, conhecido carinhosamente pelo público como balé das águas. Houve ainda uma homenagem para O Grande Circo Místico. Foram apresentados os seguintes trechos do espetáculo: a abertura, os duetos de Beatriz e Lily Braun e a carreira, última cena da versão original.

Serviço
Carmen
Dias 28 e 29 de setembro, sábado, às 20h30 e domingo, às 18h
Auditório Bento Munhoz da Rocha Neto – Guairão
Classificação: livre
Ingressos: R$ 20 e R$ 10

Balé Teatro Guaíra abre as comemorações dos 50 anos com A Sagração da Primavera

Balé Teatro Guaíra abre as comemorações dos 50 anos com A Sagração da Primavera

As apresentações serão nos dias 03, 04 e 05 de maio e serão acompanhadas pela Orquestra Sinfônica do Paraná

A programação especial do Balé Teatro Guaíra (BTG) para seu aniversário de 50 anos começa na próxima sexta, sábado e domingo, dias 03, 04 e 05 de maio, no Guairão. A companhia irá apresentar a montagem de A Sagração da Primavera com coreografias da portuguesa Olga Roriz, versão que veio aos palcos do Guairão pela primeira vez em 2012. As apresentações serão às 20h30 na sexta e no sábado, e às 19h no domingo. Ingressos R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia-entrada). Todas as os espetáculos contarão com a presença da Orquestra Sinfônica do Paraná (OSP).

Entre os anos de 2012 e 2014, o BTG apresentou A Sagração da Primavera por 09 estados brasileiros, alcançando mais de 30 mil espectadores. Com esta obra, a companhia recebeu um lugar de destaque no cenário nacional da dança.

"No meu ponto de vista, A Sagração da Primavera é uma das obras mais inquietantes e impactantes do repertório musical e coreográfico. A composição musical de Stravinsky e a concepção dramatúrgica e coreográfica de Olga Roriz me tocam profunda e genuinamente", diz Cintia Napoli, atual diretora do Balé Teatro Guaíra.

Esse sentimento de inquietação que a obra traz pode ser explicado, segundo Stefan Geiger, maestro-titular da Orquestra Sinfônica do Paraná, pela maneira como a música foi escrita. "Stravinsky transformou toda a orquestra em uma grande percussão. Podemos ouvir violinos imitarem o som das caixas claras e tambores, o que nos leva para dentro da época tribal na qual a história do balé se desenvolve".

O destaque para os sons da percussão faz sentido com a história de A Sagração da Primavera. A obra fala sobre um ritual pré-histórico de sacrifício ao Deus da primavera, movido pelos sons de bumbos e tambores. Uma jovem é escolhida pelos anciãos de sua tribo para dançar até a morte, na esperança de trazer boas colheitas e fertilidade ao seu povo. Essa atmosfera ritualística aparece na coreografia de Olga Roriz na forma dos movimentos carregados por fortes respirações dos bailarinos.

A versão que será apresentada nas comemorações dos 50 anos do BTG é diferente da original em vários aspectos. O mais evidente é o palco coberto com serragem e a névoa que envolve os bailarinos e ajudam a aproximar a plateia do clima primitivo que envolve a dança, a música e a história.

Outras duas mudanças acontecem com os personagens do Sábio e da Eleita. Em vez de ser um mero espectador da narrativa, o Sábio traça o percurso e prepara o terreno para o ritual de sacrifício ao deus da primavera. Já a Eleita não é mais uma vítima, e sim uma jovem mulher que se sente privilegiada por dar sua vida em troca de prosperidade ao seu povo. Para as três bailarinas que interpretarão o papel, esta é a chance de mostrar não só seus conhecimentos técnicos, mas também uma entrega total à personagem.

"Acredito que o grande desafio em dançar A Sagração da Primavera de Olga Roriz é lidar e se entregar à força expressiva imposta pela própria obra", afirma Cíntia Napoli. “Não existe outra possibilidade que não seja se entregar 100% até o final, este é o maior desafio, mas também o maior prazer em dançar esta montagem", complementa.

Mostra de Repertório - Balé Teatro Guaíra 50 anos

Além da Sagração da Primavera, o Balé Teatro Guaíra apresenta em maio os espetáculos Carmen (08/05, 20h30) e O Segundo Sopro (11/05, 20h30 e 12/05, 19h), duas grandes montagens de sucesso na história da companhia. Todas as apresentações serão abertas com trechos de O Grande Circo Místico, em memória a um dos balés mais famosos do Brasil e que foi concebido originalmente para o BTG.

Serviço:

Balé Teatro Guaíra 50 anos - Mostra de Repertório

Homenagem O Grande Circo Místico + A Sagração da Primavera -

com participação da Orquestra Sinfônica do Paraná

De 03 a 05 de maio, sexta e sábado às 20h30 e domingo às 19h

Homenagem O Grande Circo Místico + Carmen

Dia 08 maio, quarta-feira, às 20h30

Homenagem O Grande Circo Místico + O Segundo Sopro

Dias 11 e 12 de maio, sábado às 20h30 e domingo às 19h

Auditório Bento Munhoz da Rocha Neto - Guairão

Classificação: Livre

Preço: R$20 (vinte reais) e R$ 10 (dez reais)

Balé Teatro Guaíra apresenta Mostra Curta BTG – Guairão do Avesso

Balé Teatro Guaíra apresenta Mostra Curta BTG - Guairão do Avesso
Plateia verá espetáculo de dança contemporânea em arquibancada montada no palco. Apresentações ocorrem dias 12 e 13 de setembro, às 20h. A entrada é gratuita e a capacidade é de 70 pessoas por apresentação

O Balé Teatro Guaíra apresenta na próxima semana a Mostra Curta BTG - Guairão do Avesso, em que o público vai assistir ao espetáculo no próprio palco. Uma pequena arquibancada para 70 pessoas será montada e a plateia vai compartilhar o espaço com os bailarinos. O objetivo é criar um ambiente mais intimista para a apresentação de duas coreografias de dança contemporânea - Sobre Seus Olhos, da bailarina do BTG Karin Chaves, e Super Natural, do sul-coreano Jae Duk Kim.

Cíntia Napoli, diretora do balé, explica que a ideia surgiu para apresentar a dança contemporânea ao espectador de uma forma mais próxima, com uma troca imediata, quase como se ele fosse também parte da coreografia. "Para o público é uma nova experiência, de estar tão próximo e apreciar uma obra com intimidade, quase um tocar literal. É perceber a respiração e o suor do bailarino e se envolver quase como se estivessem mergulhando no espetáculo, sem muitos recursos cênicos, sem aparatos, a coisa é no corpo, na linguagem".

Para os bailarinos, essa é uma oportunidade de produzir outras proposições estéticas. Cíntia afirma que o Mostra Curta BTG nasceu não só do desejo, mas também da necessidade de expandir o espaço para o bailarino experimentar. "São trabalhos de curta duração, mas que exigem muito estudo e pesquisa. Para eles, que estão acostumados a dançar no grande auditório para um público de 2200 pessoas, este projeto é muito importante por ter o público próximo, com uma troca intensa em tempo real".

Coreografias

Karin Chaves explica que Sobre Seus Olhos aborda a visão e a falta dela. "A concepção coreográfica surgiu da vontade de traduzir as sensações absorvidas durante experiências propostas para relembrar de sentidos pouco percebidos por portadores da visão", diz.

No processo de criação os bailarinos fizeram entrevistas com pessoas que não enxergam, discutindo as estratégias para a superação de dificuldades. "Mesclo o real e o lúdico na tentativa de criar um ambiente que transporta o espectador para dentro da cena, criando a possibilidade de que ele relacione sua experiência de vida com essa dimensão cênica, através da empatia. O que definitivamente conta não são as coisas que nos acontecem, mas o impacto que esses fatos nos causam e o valor que damos a elas", afirma.

A coreografia Super Natural foi criada em 2016, quando o sul-coreano Jae Duk Kim fez um intercâmbio artístico no BTG. Com essa obra, o coreógrafo, bailarino, músico e também líder do renomado grupo de dança contemporânea Modern Table traz uma mostra de sua linguagem artística. A coreografia revela características singulares do coreógrafo e da cultura oriental, trazendo para a cena uma dança ritualística e contemporânea.

Serviço:

Mostra Curta BTG- Guairão do Avesso

Dias 12 e 13 de setembro, quarta e quinta, às 20h

Palco do Guairão

Entrada pela Portaria da Amintas de Barros. Subir o primeiro lance de escada, entrada lateral do palco do Guairão.

Entrada gratuita. A capacidade será de 70 pessoas por apresentação, por ordem de chegada.