A maior animação em stop motion do mundo: novas tecnologias para se ensinar arte

Gulp é um vídeo de animação produzido pela equipe dos estúdios Aardman Animations juntamente com o Estúdio Sumo. Apenas para ter uma ideia da importância dessa empresa para a linguagem da animação, esse estúdio foi responsável pela produção do filme Fuga das Galinhas (2000), que movimentou mais de 45 milhões de dólares.

O projeto de animação foi encomendado pela Nokia, empresa fabricante de aparelhos de celular, que tinha por objetivo divulgar o “Nokia smarthphone N8”.

Nessa animação, existe um pescador que, durante o seu ofício, acaba por enfrentar uma circunstância nada comum. Enquanto fisgava os peixes, o pescador é engolido por um enorme tubarão. Dentro do estômago do peixe, o pescador se depara com um ambiente escuro, no qual descobre haver uma bomba. Ao explodir, a bomba acaba por devolver o pescador para a superfície. Posteriormente à explosão, a animação segue a normalidade até o final do filme.

Gulp entrou para Guinness Word Records como a maior animação em stop motion do mundo, pois utilizou o maior cenário já realizado para uma animação realizada nessa técnica. Geralmente uma animação quadro-a-quadro, como é conhecida a técnica do stop motion, é realizada a partir de frames (imagens) que são dispostas em ordem dentro de uma fração temporal.

No caso de Gulp, a animação foi realizada em uma praia no sudoeste do País de Gales chamada Pendine Sands, ou seja, o espaço fotografado no stop motion foi muito maior do que uma maquete de mesa para animação de bonecos tridimensionais ou uma perspectiva representada em uma folha de papel em uma animação bidimensional. A animação utilizou como suporte a própria praia da cidade.

Aqui poderíamos estabelecer conexões entre a animação Gulp e o ensino de artes visuais. Gulp pode permitir ao professor de arte, que trabalha no ensino básico, a possibilidade de articular na unidade temática de artes visuais os diversos objetos do conhecimento e habilidades em sua disciplina.

Para isso, sugere-se aqui a utilização dos princípios da educomunicação, que visam, dentre outras coisas, a educação por meio da utilização de tecnologia, partindo do princípio de que é possível a uma aprendizagem coletiva e significante.

Em Gulp, por exemplo, o professor poderá trabalhar com contextos e práticas, quando promover a apreciação e analise de formas distintas das artes visuais, nas quais discutam-se aspectos de percepção, imaginário e a capacidade de simbolizar. Poderá ainda propor aos estudantes um diálogo entre a animação vista e o movimento da Land Art e, com isso, promoveria a pesquisa e análise de estilos visuais variados, contextualizando-os no tempo e no espaço.

Talvez, a grande reforma do ensino, tão esperada por muitos, aconteça quando os educadores se conscientizarem, como já previa Paulo Freire, de que existe o mundo de seus estudantes e que se trata de uma realidade mediada pela tecnologia.

As necessidades e anseios do jovem de hoje precisam ser administradas pelo professor de forma que prolifere uma atmosfera propícia ao aprendizado autônomo, na qual leve-se em conta a troca de experiências, o conhecimento prévio dos estudantes, suas necessidades e seus costumes.

Gulp, portanto, é um pretexto para discutirmos a boa educação em arte, aquela que promove, de acordo com o professor Dr. Clóvis de Barros Filho. “a vida que vale a pena ser vivida”.

Autor: André Luiz Pinto dos Santos é professor especialista nos cursos de Licenciatura e Bacharelado em Artes Visuais do Centro Universitário Internacional Uninter.

Galerias e artistas do Brasil lançam o grupo p.art.ilha para enfrentar impactos da pandemia

Primeira ação online é realizada durante todo o mês de maio nas redes sociais e sites das galerias participantes, apresentando obras disponíveis com condições especiais

partilha ação 1.jpg

Artistas, galerias e agentes culturais de várias cidades do país se unem para criar novas estratégias de fortalecimento do mercado de arte como um todo, ou seja, focando principalmente nos programas mais inovadores, experimentais e fora da curva – que são os mais afetados pela crise do Covid-19. A iniciativa cria também uma forma de rede de apoio à comunidades mais fragilizadas pelo momento.

A ideia do grupo, denominado p.art.ilha é buscar sinergia com colecionadores privados e institucionais, além de sensibilizar novos públicos para a arte, através de ações coordenadas, como a p.art.ilha: ação#1, primeira iniciativa do grupo, que acontecerá nas redes sociais e sites de todas as galerias simultaneamente.

Esta ação online acontece a partir de 1º de maio, estendendo-se durante todo o mês, quando as galerias lançarão uma criteriosa seleção de obras à venda com condições muito especiais: a cada aquisição durante o mês de maio, o colecionador ganhará um crédito de igual valor para novas aquisições de outros artistas da mesma galeria.

O objetivo de curto prazo é manter ativos os profissionais que atuam na cadeia criativa do setor artístico (artistas, galeristas, produtores, editores, curadores, pesquisadores, fotógrafos, montadores e técnicos). A rede de pequenas empresas que se uniram acredita que somente a união e a criatividade poderão minimizar as consequências desastrosas deste momento difícil.

No médio prazo, o grupo pretende explorar novos caminhos para a sustentabilidade dos negócios do setor, privilegiando processos colaborativos.

“Somos um grupo aberto a todas as galerias que se identifiquem com o nosso objetivo. Queremos arejar o mercado e recepcionar negócios inovadores, startups e projetos artísticos que não têm vez no nosso mercado atual. E na atual conjuntura, queremos também somar esforços para mitigar o impacto social da crise, doando recursos para instituições, como Casa Chama (SP), Lá da Favelinha (BH), Lanchonete (RJ), Por Nossa Conta (SP) e Salvando Vidas (SP)”.

Veja nos sites e nas redes sociais de cada galeria, as obras e artistas que fazem parte dessa ação coletiva.

galerias participantes:

aura (sp)
@galeria_aura
aura.art.br

b_arco (sp)
@galeria.b_arco
barco.art.br

c.galeria (rj)
@c.galeria
www.cgaleria.com

casanova (sp)
@casanovaartecultura
casanovaarte.com

desapê (sp)
@des_ape
desape.com

eduardo fernandes (sp)
@galeriaeduardofernandes_
galeriaeduardofernandes.com

janaina torres (sp)
@janainatorresgaleria
janainatorres.com.br

karla osorio (df)
@galeriakarlaosorio
karlaosorio.com

mamute (rs)
@galeriamamute
galeriamamute.com.br

mapa (sp)
@galeriamapa
galeriamapa.art.br

lume (sp)
@galerialume
galerialume.com

oma (sp)
@omagaleria
omagaleria.com

periscópio (mg)
@periscopioarte
periscopio.art.br

sé (sp)
@segaleria
segaleria.com.br

soma (pr)
@somagaleria
somagaleria.com

ybakatu (pr)
@ybakatu
ybakatu.com

Instagram do grupo p.art.ilha:
@p.art.ilha

Novozymes apoia o Programa Guritiba, mostra infantil do Festival de Curitiba 2020

Curitiba, março 2020 - A Novozymes, por meio da Lei Rouanet, é uma das empresas apoiadoras do Programa Guritiba 2020, mostra que faz parte do Festival de Curitiba, um dos maiores eventos culturais do Brasil e um dos mais importantes em artes cênicas do mundo, que será realizado de 24 de março até 5 de abril, em aproximadamente 70 espaços da capital paranaense e região metropolitana, com mais de 400 atrações. O Guritiba surgiu como a mostra infantil do Festival e hoje, na sua 11ª edição, é um projeto independente que atende mais de 8 mil crianças em situação de vulnerabilidade social e suas famílias, integrantes 31 instituições em 7 municípios, levando as apresentações teatrais gratuitas e muita diversão a esses locais.

Festival de Curitiba celebra o centenário de Clarice Lispector com “A Hora da Estrela ou o Canto de Macabéa”

O musical tem trilha sonora de Chico César para contar sobre
a vida da imigrante nordestina no Rio de Janeiro

No ano do centenário de Clarice Lispector (1920-1977), o Festival de Curitiba traz para a Mostra 2020 o musical “A Hora da Estrela ou o Canto de Macabéa”, baseado em uma das obras mais emblemáticas da escritora. O musical vai emocionar ao mostrar a vida de Macabéa, uma migrante alagoana no Rio de Janeiro, cuja vida é marcada pela ausência de afeto e poesia. Com direção e adaptação de André Paes Leme, direção musical de Marcelo Caldi e trilha original de Chico César, a peça tem no elenco Laila Garin, Claudia Ventura e Claudio Gabriel. As apresentações acontecem no Guairinha no dia 28 de março, às 21h, e 29 de março, às 19h.

Baseada na última obra de Clarice Lispector,o livro a Hora da Estrela, a peça narra o sofrimento de Macabéa, vista pela sociedade como uma mulher desprovida de qualquer atrativo e que se contenta com uma existência medíocre: ganha menos do que um salário, divide um quarto com quatro pessoas, sofre com um chefe rigoroso e não atrai a atenção de ninguém. Na obra literária a história é contada por um escritor; no musical sua vida é descrita por uma atriz que a vê na rua e resolve narrar a vida de uma pessoa tão invisível, comum e sem brilho, em um exercício de alteridade. “O trabalho de adaptação não é de reescrever o texto. É o trabalho de transportar o universo sem estar aprisionado a qualquer palavra, através da edição e deslocamentos de episódios”, comenta André Paes Leme, diretor do espetáculo.

Seguindo essa tradição, ele não somente faz uso de diálogos, mas coloca os atores como narradores enquanto contracenam, fazendo uso de frases do livro original na íntegra. Paes Leme, que já assinou elogiadas adaptações de Guimarães Rosa (‘A Hora e Vez de Augusto Matraga’) e Nelson Rodrigues (‘Engraçadinha, Seus Amores e Seus Pecados’), contou com a parceria de Chico César no processo de criação. As músicas pontuam toda a dramaturgia e aparecem para ilustrar o estado emocional e o interior de cada personagem. Ao longo da montagem, as canções servem ainda para detalhar algum acontecimento e também para tirar as personagens do sofrido estágio em que se encontram, trazendo alguma fantasia para existências tão opacas.

“Fazer ‘A Hora da Estrela ou O Canto de Macabéa’ vai além, é um espetáculo que diz exatamente o que queremos falar neste momento. Fala das pessoas supostamente invisíveis, de solidariedade, de olhar para o outro com afeto. Além de tudo, é uma peça sobre esperança’, finaliza Laila Garin, intérprete de Macabéa.

Acompanhe todas as novidades e informações da Mostra 2020 do Festival de Curitiba pelo site www.festivaldecuritiba.com.br, pelas redes sociais disponíveis, no Facebook @fest.curitiba, pelo Instagram @festivaldecuritiba e pelo Twitter @fest_curitiba

Apresentadores, patrocinadores e apoiadores

O Festival de Teatro de Curitiba tem parceiros fundamentais para sua realização e é patrocinado pelo Ebanx, Vivo, Uninter, Renault do Brasil, Electrolux, Banco RCI Brasil, Junto Seguros, Copel - Pura Energia, Sanepar, Governo do Estado e GRASP. O Programa Guritiba é apresentado por New Holland, com patrocínio de Novozymes e Fibracem. O MishMash é apresentado pela Unimed Curitiba e Thales Group, com o apoio da Ritmo Logística. Quem apresenta o Risorama é a Potencial Petróleo, com o patrocínio de Previsul Seguradora, tendo como a cerveja oficial a Cacildis e o apoio de FH Consultoria e Grupo Barigui. As bilheterias do Festival de Curitiba são uma parceria com o ParkShoppingBarigüi e o Shopping Mueller.

FICHA TÉCNICA:
Adaptação e Direção: André Paes Leme.
Música Original: Chico César.
Direção Musical: Marcelo Caldi.
Direção de Produção: Andréa Alves com Claudia Ventura, Claudio Gabriel e Laila Garin.
Músicos: PC Castilho, Pedro Aune e Pedro Franco.
Diretor Assistente: Anderson Aragón.
Figurinos: Kika Lopes.
Cenário: André Cortez.
Iluminação: Renato Machado.
Design de Som: Gabriel D’Angelo.
Preparação Corporal: Toni Rodrigues.
Assistente de Figurino: Sassá Magalhães.
Assistente de Cenografia: Tuca Benvenutti.
Assistente de Preparação Corporal: Monique Ottati.
Coordenação de Produção: Leila Maria Moreno.
Produção Executiva: Raphael Baêta.
Assistente de Produção: Paulo Farias.
Projeto Gráfico: Beto Martins.
Assessoria de Imprensa: Factoria Comunicação.

Serviço:
O que: A Hora da Estrela ou o Canto de Macabéa no 29.º Festival de Curitiba
Quando: 28 de março, às 21h, e 29 de março, às 19h.
Onde: Teatro Guairinha (Rua XV de Novembro, 971).
Valores: R$ 80,00 (inteira).
Ingressos: www.festivaldecuritiba.com.br, pelo aplicativo “Festival de Curitiba 2020”, e nas bilheterias físicas do ParkShoppingBarigui (Piso térreo próximo à praça de eventos), de segunda a sexta-feira, das 11h às 23h; sábado das 10h às 22h e domingos das 14h às 20h; e no Shopping Mueller (piso L3), de segunda-feira a sábado, das 10h às 22h; domingos e feriados, das 14h às 20h.
Classificação: 12 anos
Duração: 110´
ESPETÁCULO CONTA COM INTÉRPRETE DE LIBRAS

Hashtags oficiais – #festivaldecuritiba #festcuritiba #ofestivalparatodos #omeufestival

Sugestão de Tags – festival, curitiba, festival de curitiba, mostra, teatro, clarice lispector, a hora da estrela, canto de macabéa, artes cênicas, artes, música, cultura, atrações

As aventuras de João Grilo e Chicó no Festival de Curitiba 2020

Com direção de Gabriel Villela, o clássico Auto da Compadecida, de Ariano Suassuna, ocupa o palco do Teatro da Reitoria para duas apresentações

Um dos maiores sucessos da dramaturgia brasileira, o texto Auto da Compadecida, de Ariano Suassuna, faz parte da Mostra da 29.ª edição do Festival de Curitiba em montagem do Grupo Maria Cutia, com concepção e direção de Gabriel Villela. O espetáculo, que celebra a primeira parceria do Grupo com o diretor, fará duas apresentações no Teatro da Reitoria, dia 28 de março, às 21h, e 29 de março, às 19h.

O Auto da Compadecida apresenta as aventuras de João Grilo e Chicó, que começam com o enterro e o testamento do cachorro do padeiro e de sua mulher e acabam em uma epopeia milagrosa no sertão envolvendo o clero, o cangaço, Jesus, Maria e o Diabo. Suassuna faz uma abordagem mítica brasileira do herói sem caráter, com suas vicissitudes morais - e o espetáculo do Grupo Maria Cutia traz para o texto de Suassuna pitadas brechtianas.

“Com tom irônico, o trabalho pode ser enquadrado no gênero cênico-musical-picaresca. O olhar político (sem didatismo ou partidarismo) do espetáculo, desprendido do enredo criado pelo célebre autor paraibano, traz outra camada para a obra de Ariano”, explica Gabriel Villela. O espetáculo revela acontecimentos de um Brasil atual, a partir de personagens e situações que ganham acento ainda mais sarcástico do que os encontrados na dramaturgia original.

O Grupo Maria Cutia de Teatro nasceu em Belo Horizonte, em 2006, e desde então apresenta seus espetáculos em praças, parques e ruas de Minas Gerais, do Brasil e do mundo. Nos últimos anos aventurou-se em produções criadas para palcos e também adaptou suas obras de rua para teatros fechados. Como frentes de pesquisa artística, o grupo trabalha com o diálogo entre música e teatro, numa investigação autoral que denomina música-em-cena. Em todos os seus espetáculos, a trilha é executada ao vivo pelos atores, em uma pesquisa que alia dramaturgia à canção. O Grupo Maria Cutia já se apresentou em seis países, 19 estados nacionais totalizando mais de 150 cidades brasileiras, para um público superior em mais de 400 mil espectadores em seus 13 anos de história.

Acompanhe todas as novidades e informações da Mostra 2020 do Festival de Curitiba pelo site www.festivaldecuritiba.com.br, pelas redes sociais disponíveis, no Facebook @fest.curitiba, pelo Instagram @festivaldecuritiba e pelo Twitter @fest_curitiba

Apresentadores, patrocinadores e apoiadores

O Festival de Teatro de Curitiba tem parceiros fundamentais para sua realização e é patrocinado pelo Ebanx, Vivo, Uninter, Renault do Brasil, Electrolux, Banco RCI Brasil, Junto Seguros, Copel - Pura Energia, Sanepar, Governo do Estado e GRASP. O Programa Guritiba é apresentado por New Holland, com patrocínio de Novozymes e Fibracem. O MishMash é apresentado pela Unimed Curitiba e Thales Group, com o apoio da Ritmo Logística. Quem apresenta o Risorama é a Potencial Petróleo, com o patrocínio de Previsul Seguradora, tendo como a cerveja oficial a Cacildis e o apoio de FH Consultoria e Grupo Barigui. As bilheterias do Festival de Curitiba são uma parceria com o ParkShoppingBarigüi e o Shopping Mueller.

FICHA TÉCNICA:
Elenco: Leonardo Rocha – João Grilo Hugo da Silva – Chicó e Severino do Aracaju Mariana Arruda | Jimena Castiglioni – Mulher do Padeiro e Nossa Senhora Compadecida Dê Jota Torres – Palhaço, Padeiro e Manuel (Nosso Senhor Jesus Cristo) Thiago Queiroz– Sacristão Marcelo Veronez – Padre João e O Diabo Polyana Horta – Antônio Morais e O Bispo.
Direção: Gabriel Villela.
Assistente de Direção: Lydia Del Picchia.
Preparação Vocal: Babaya.
Direção Musical: Babaya, Fernando Muzzi e Hugo da Silva.
Cenário e Figurino: Gabriel Villela.
Assistente de Figurino: José Rosa.
Coordenação do Ateliê Gabriel Villela: José Rosa.
Pintura de Arte: Rai Bento.
Iluminação: Richard Zaira e Pedro Paulino (CiaTecno).
Consultoria de Sonorização: Vinícius Alves.
Fotografia: Tati Motta.
Produção: Luisa Monteiro - Grupo Maria Cutia.

Serviço:
O que: Auto da Compadecida no 29.º Festival de Curitiba
Quando: dia 28 de março, às 21h, e 29 de março, às 19h.
Onde: Teatro da Reitoria (Rua XV de Novembro, 1299 – Centro).
Valores: R$ 80,00 (inteira).
Ingressos: www.festivaldecuritiba.com.br, pelo aplicativo “Festival de Curitiba 2020”, e nas bilheterias físicas do ParkShoppingBarigui (Piso térreo próximo à praça de eventos), de segunda a sexta-feira, das 11h às 23h; sábado das 10h às 22h e domingos das 14h às 20h; e no Shopping Mueller (piso L3), de segunda-feira a sábado, das 10h às 22h; domingos e feriados, das 14h às 20h.
Classificação: 12 anos.
Duração: 90´
ESPETÁCULO CONTA COM INTÉRPRETE DE LIBRAS

Hashtags oficiais – #festivaldecuritiba #festcuritiba #ofestivalparatodos #omeufestival

Sugestão de Tags – festival, curitiba, festival de curitiba, mostra, teatro, artes cênicas, ariano suassuna, auto da compadecida, joão grilo, chicó, gabriel villela, maria cutia, artes, cultura, show, atrações

Grupo Corpo volta ao Festival de Curitiba para mostrar duas famosas coreografias

“GIL”, com música especialmente composta por Gilberto Gil e “Sete ou Oito Peças para um Ballet” (1994), com trilha de Philip Glass/Uakti, serão apresentadas no Guairão

Como em todas as criações do coreógrafo Rodrigo Pederneiras, os movimentos do mais recente balé, “GIL”, nasceram da música. Mas a trilha engendrada por Gilberto Gil para o espetáculo do Grupo Corpo a convite do diretor artístico Paulo Pederneiras, chegou trazendo um paradoxal desafio ao coreógrafo: ali estavam, juntos e indissociáveis, o conhecido e amado Gilberto Gil... e um compositor inteiramente novo. “Era um Gil que eu não conhecia e, ao mesmo tempo, o Gil de quem sou tiete desde que ouvi sua música pela primeira vez”, diz Rodrigo.

A solução do paradoxo – fenomenal síntese – sobe ao palco do Guairão na 29.ª edição do Festival de Curitiba, dentro da Mostra 2020, nos dias 30 e 31 de março. O programa duplo, com intervalo de 20 minutos, conta ainda com a coreografia de “Sete ou Oito Peças para um Ballet”, de 1994.

A fagulha inicial para erguer a coreografia veio, então, de fora da música – um gesto inicial, buscado no candomblé. “Gil é filho de Xangô e usei como ponto de partida o movimento associado à presença do orixá: uma das mãos do bailarino bate no peito e a outra, nas costas”, conta o coreógrafo. “E assim o balé começou a se construir”. A “riquíssima trilha”, nas palavras de Rodrigo, se traduziu nos duos, trios e conjuntos que se alinham e desarmam, nos uníssonos e contrapontos gestuais, peças sempre renovadas do vocabulário marcante do coreógrafo. As muitas singularidades de GIL, a bem da verdade, já haviam começado na proposta de Paulo Pederneiras ao compositor. “Gil sempre esteve no nosso radar”, diz o diretor artístico. “Na primeira conversa, já me veio a ideia de sugerir que a coreografia se chamasse GIL. Normalmente o músico tem liberdade total – e agora não foi diferente – mas a sugestão que se debruçasse sobre a própria obra se consolidou naquele momento. E GIL se inscreve, então, entre os compositores que dão nome a coreografias do Grupo Corpo - já tínhamos feito essa homenagem a Bach, Nazareth e Lecuona”.

Sete ou Oito Peças para um Ballet
A partir de oito temas surgidos da parceria inédita entre o instrumentista e compositor norte-americano Philip Glass e o grupo instrumental mineiro Uakti, o coreógrafo Rodrigo Pederneiras desvencilha-se, pela primeira vez, do rigor formal que marca suas criações para construir uma obra despojada, onde a partitura de movimentos emerge como uma série de esboços, apontamentos ou estudos para uma coreografia. Inacabados, na aparência. Mas irretocáveis, pela genialidade da forma.

Como em uma pintura contemporânea, onde as correções podem ser incorporadas ao resultado final, os movimentos dos bailarinos do GRUPO CORPO se sucedem em variações que vão da estética “suja” própria dos ensaios a um primoroso acabamento formal. Nesse sentido, 7 ou 8 Peças para um Ballet, que teve sua estreia em 1994, propõe mais do que vaticina. O componente obsessivo, frio e exato dos temas especialmente criados para o balé pelo ícone maior da música minimalista norte-americana leva Pederneiras a orquestrar repetições de movimentos que beiram o automatismo, executados, na maior parte das vezes, em solo, em contraposição a movimentos orgânicos de grupo, carregados da sensual latinidade intrínseca à sonoridade única produzida pelo Uakti. O cenário de Fernando Velloso e os figurinos de Freusa Zechmeister buscam nos primórdios da corrente minimalista da pintura americana a inspiração para as listras em verde, azul e tons de amarelo que dão identidade visual ao espetáculo, enquanto o branco reina absoluto na iluminação de Paulo Pederneiras. (texto: Angela de Almeida).

Acompanhe todas as novidades e informações da Mostra 2020 do Festival de Curitiba pelo site www.festivaldecuritiba.com.br, pelas redes sociais disponíveis, no Facebook @fest.curitiba, pelo Instagram @festivaldecuritiba e pelo Twitter @fest_curitiba

Apresentadores, patrocinadores e apoiadores

O Festival de Teatro de Curitiba tem parceiros fundamentais para sua realização e é patrocinado pelo Ebanx, Vivo, Uninter, Renault do Brasil, Electrolux, Banco RCI Brasil, Junto Seguros, Copel - Pura Energia, Sanepar, Governo do Estado e GRASP. O Programa Guritiba é apresentado por New Holland, com patrocínio de Novozymes e Fibracem. O MishMash é apresentado pela Unimed Curitiba e Thales Group, com o apoio da Ritmo Logística. Quem apresenta o Risorama é a Potencial Petróleo, com o patrocínio de Previsul Seguradora, tendo como a cerveja oficial a Cacildis e o apoio de FH Consultoria e Grupo Barigui. As bilheterias do Festival de Curitiba são uma parceria com o ParkShoppingBarigüi e o Shopping Mueller.

FICHA TÉCNICA:
GIL [2019]
Coreografia: Rodrigo Pederneiras
Música: Gilberto Gil
Cenografia: Paulo Pederneiras
Figurinos: Freusa Zechmeister
Iluminação: Paulo Pederneiras e Gabriel Pederneiras
Banda: Gilberto Gil (violão, voz) / Bem Gil (guitarra) / Danilo Andrade (teclado, piano elétrico) / Domenico Lancelotti (MPC, bateria, percussão) / Thiago Queiroz, Diogo Gomes (sopros) / Bruno di Lullo (baixo) / José Gil (percussão) / Thomas Harres (balafon).

Sete ou Oito Peças para um Ballet [1994]
Coreografia: Rodrigo Pederneiras
Música: Philip Glass e Uakti
Cenografia: Fernando Velloso
Figurinos: Freusa Zechmeister
Iluminação: Paulo Pederneiras.

Grupo Corpo:
Diretor Artístico: Paulo Pederneiras
Coreógrafo: Rodrigo Pederneiras
Bailarinos: Ágatha Faro, Bianca Victal, Dayanne Amaral, Débora Roots, Edésio Nunes, Edmárcio Júnior, Edson Hayzer, Elias Bouza, Filipe Bruschi, Helbert Pimenta, Janaina Castro, Jonathan de Paula, Karen Rangel, Luan Batista, Lucas Saraiva, Malu Figueirôa, Mariana do Rosário, Rafael Bittar, Rafaela Fernandes, Sílvia Gaspar, Williene Sampaio, Yasmin Almeida.
Diretora de Ensaios: Carmen Purri
Assistentes de Coreografia: Ana Paula Cançado, Carmen Purri, Miriam Pederneiras
Maître de Ballet: Bettina Bellomo
Pianista: Anna Maria Ferreira
Diretor Técnico: Pedro Pederneiras
Coordenador Técnico: Gabriel Pederneiras
Técnicos de Palco: Átilla Gomes, Murilo Oliveira, Stefan Böttcher
Produtora Executiva: Michelle Deslandes
Realização: Instituto Cultural Corpo.
O Grupo Corpo conta com o apoio da LEI DE INCENTIVO À CULTURA
Patrocínio: ITAÚ, CEMIG e GOVERNO DE MINAS GERAIS

Serviço:
O que: “Sete ou Oito Peças para Ballet” e “Gil” no Festival de Curitiba 2020
Quando: 30 e 31/03 às 21h
Onde: Guairão (Praça Santos Andrade, s/n)
Valores: R$ 80,00 (inteira)
Ingressos: www.festivaldecuritiba.com.br, pelo aplicativo “Festival de Curitiba 2020”, e nas bilheterias físicas do ParkShoppingBarigui (Piso térreo próximo à praça de eventos), de segunda a sexta-feira, das 11h às 23h; sábado das 10h às 22h e domingos das 14h às 20h; e no Shopping Mueller (piso L3), de segunda-feira a sábado, das 10h às 22h; domingos e feriados, das 14h às 20h.
Classificação: Livre
Duração: 100’ (Cada apresentação 40’ e intervalo de 20’)

Hashtags oficiais – #festivaldecuritiba #festcuritiba #ofestivalparatodos #omeufestival

Sugestão de Tags – festival, curitiba, festival de curitiba, mostra, teatro, artes cênicas, artes, ballet, grupo corpo, gil, guaíra, cultura, show, atrações

Emicida apresenta seu novo show, AmarElo, no Festival de Curitiba

Rapper ocupa o palco do Guairão para uma única apresentação.
Ingressos estão à venda no site e pelo aplicativo do evento

Para um mundo em decomposição, Emicida optou por escrever como quem manda cartas de amor. O resultado desse exercício é o novo projeto de estúdio do rapper paulista, AmarElo, em que ele propõe um olhar sobre a grandeza da humanidade. O público da 29.ª edição do Festival de Curitiba terá o privilégio de ver o artista e sua obra no palco Guairão, dentro da Mostra 2020, nos dia 02 de abril. No repertório estarão as novas canções, como a faixa-título e "Eminência Parda", além de músicas que marcaram a sua carreira.

Desde que começou a dar os primeiros passos no rap, nas batalhas de freestyle, lá pelo ano de 2006, Leandro Roque de Oliveira, o Emicida, sabia que queria ter uma carreira sólida. Talvez ele não soubesse que construiria alicerces consistentes o suficiente para ir além da sua própria trajetória. Assim, se tornou a principal referência da sua geração no rap, criou, ao lado do irmão, Evandro Fióti, uma empresa – a Laboratório Fantasma -, que é responsável por outros artistas, mas também cuida de merch, tem estúdio, selo, etc. Um negócio tido como case de sucesso e inspiração no mercado da música. Mas mais do que sucesso, Emicida tem a vontade de tocar a vida das pessoas. E a sua trilha sonora de artista nascido na Zona Norte foi perfeita para contar essa história. Com o lançamento da primeira mixtape, Pra Quem Já Mordeu um Cachorro por Comida Até que Eu Cheguei Longe (2009), Emicida chamou a atenção do público, da imprensa e dos contratantes. O trabalho produzido de forma artesanal e vendido (por ele) a dois reais nas ruas o levou aos principais festivais do Brasil e do mundo, incluindo Rock in Rio, Roskilde (Dinamarca) e Coachella (EUA). Após duas mixtapes e dois EPs, o rapper paulista ganhou notoriedade para além do nicho do rap com o seu primeiro disco de estúdio, O Glorioso Retorno de Quem Nunca Esteve Aqui (2013), que teve participação de Pitty, Wilson das Neves, Tulipa Ruiz, entre outros.

“Não se trata de um disco simplesmente dedo-na-cara, de cenas cuspidas na cara do ouvinte. Há lucidez, música, e, principalmente, poesia”, afirmou o jornal O Globo na época do lançamento. O mesmo se deu com o sucessor Sobre Crianças, Quadris, Pesadelos e Lições de Casa (2015). Inspirado em uma viagem por Angola e Cabo Verde, trouxe participações de nomes do calibre de Caetano Veloso e Vanessa da Mata. Este foi indicado ao Grammy Latino – a outra indicação de Emicida à premiação foi com a música “A Chapa É Quente”, do projeto Língua Franca (2017), parceria em que ele, Rael e os rappers portugueses Capicua e Valete celebram a língua comum entre os dois países.

Em paralelo, a Laboratório Fantasma deu um passo crucial para a consolidação da marca LAB. Em 2016, estreou na São Paulo Fashion Week, maior evento de moda da América Latina, com um desfile histórico. “Felizmente, o desfile da LAB em nada se parece com o que se vê na SPFW. Só pela seleção de modelões, 90% formada por negros e alguns do mercado plus size, a marca já se destaca”, afirmou o jornal O Estado de S. Paulo sobre a estreia. "Entende-se a beleza de uma maneira pobre, a gente quis enriquecer isso, colocar pessoas que encontro nas calçadas todos os dias. A gente perde quando não reconhece essa beleza", disse Emicida àquela altura.
A discografia do rapper ganhou um novo episódio em 2018, quando lançou o seu primeiro DVD ao vivo. O registro foi feito no ano anterior, no dia 20 de novembro, Dia da Consciência Negra, e teve como mote os 10 anos do single “Triunfo”. Outros frutos de 2018 foram: o single “Hacia El Amor”, com o duo franco-cubano Ibeyi; e o seu primeiro livro infantil, intitulado Amoras. Em 2019, ano em que a LAB completou 10 anos, Emicida conseguiu olhar pra trás com êxito, mas ainda mira o futuro. Hoje, tem o entendimento do todo que foi feito até aqui: um experimento social que ainda está em construção.

Acompanhe todas as novidades e informações da Mostra 2020 do Festival de Curitiba pelo site www.festivaldecuritiba.com.br, pelas redes sociais disponíveis, no Facebook @fest.curitiba, pelo Instagram @festivaldecuritiba e pelo Twitter @fest_curitiba

Apresentadores, patrocinadores e apoiadores

O Festival de Teatro de Curitiba tem parceiros fundamentais para sua realização e é patrocinado pelo Ebanx, Vivo, Uninter, Renault do Brasil, Electrolux, Banco RCI Brasil, Junto Seguros, Copel - Pura Energia, Sanepar, Governo do Estado e GRASP. O Programa Guritiba é apresentado por New Holland, com patrocínio de Novozymes e Fibracem. O MishMash é apresentado pela Unimed Curitiba e Thales Group, com o apoio da Ritmo Logística. Quem apresenta o Risorama é a Potencial Petróleo, com o patrocínio de Previsul Seguradora, tendo como a cerveja oficial a Cacildis e o apoio de FH Consultoria e Grupo Barigui. As bilheterias do Festival de Curitiba são uma parceria com o ParkShoppingBarigüi e o Shopping Mueller.

FICHA TÉCNICA:
Direção Geral: Emicida e Evandro Fióti
Direção Musical: Julio Fejuca
Cenografia: Zé Carratu
Conteúdo: Studio Curva
Coordenação de Produção: Raissa Fumagalli
Produção Executiva: Lohana Schalken
Produção Técnica: BillSaramiolo
Técnico de PA: Nivaldo Costa
Técnico de Monitor: Flávio Brandão
Iluminador: Dalmir Vianna
Roadie: Gabriel Izidoro
VJ: Leonardo Patrevita.
Banda: Baixo, cavaco e violão - Julio Fejuca. Guitarra, violão baixo e backvocal - Michelle Lemos. Bateria, bateria eletrônica e percussões - Silvanny Sivuca. Toca-discos e backing vocal - Dj Nyack.

Serviço:
O que: Emicida no Festival de Curitiba 2020
Quando: 02/04 às 21h
Onde: Guairão (Praça Santos Andrade)
Valores: R$ 80,00 (inteira)
Ingressos: www.festivaldecuritiba.com.br, pelo aplicativo “Festival de Curitiba 2020”, e nas bilheterias físicas do ParkShoppingBarigui (Piso térreo próximo à praça de eventos), de segunda a sexta-feira, das 11h às 23h; sábado das 10h às 22h e domingos das 14h às 20h; e no Shopping Mueller (piso L3), de segunda-feira a sábado, das 10h às 22h; domingos e feriados, das 14h às 20h.
Classificação: LIVRE
Duração: 90´

Hashtags oficiais – #festivaldecuritiba #festcuritiba #ofestivalparatodos #omeufestival

Sugestão de Tags – festival, curitiba, festival de curitiba, mostra, teatro, show, música, emicida, guaíra, amarelo, rap, artes cênicas, artes, música, cultura, atrações

Luis Miranda e Mateus Solano voltam ao Festival de Curitiba com nova montagem de O Mistério de Irma Vap

Espetáculo é considerado um dos maiores sucessos do teatro mundial 
e terá duas apresentações no Guairão

Um dos maiores sucessos do teatro mundial, “O Mistério de Irmã Vap” ganhou nova versão com um time de peso e faz parte do Festival de Curitiba 2020. Sucesso nas décadas de 80 e 90, a comédia voltou aos palcos brasileiros sob direção de Jorge Farjalla, com Luis Miranda, Mateus Solano, Biagio Pecorelli, Fagundes Emanuel, Gus Casabona e Thomas Marcondes no elenco. “O Mistério de Irmã Vap” terá duas apresentações no Guairão, dia 4 de abril, às 21h, e 5 de abril, às 19h.

É uma peça teatral em dois atos, escrita pelo americano Charles Ludlam. Diferente da versão original, que acontece em uma mansão mal-assombrada, a criação de Farjalla é situada no trem fantasma de um parque de diversões macabro. “Usamos como referência os filmes de terror, como “Pague para Entrar, Reze para Sair”, de Tobe Hooper; “Rebecca”, de Alfred Hitchcock e a estética dos anos 80. Mergulhamos também no universo do videoclipe de “Thriller”, de Michael Jackson, que foi dirigido pelo cineasta John Landis, uma referência do que é um filme de horror. Além disso, a obra também tem várias citações de Shakespeare, principalmente de Hamlet. Desfragmentamos todas as camadas do texto para ver o que estava por trás dele e ressignificar a obra”, conta o diretor e encenador.

A primeira e icônica montagem brasileira do texto, com direção da saudosa atriz Marília Pêra e atuação de Ney Latorraca e Marco Nanini, estreou em 1986 e ficou em cartaz durante 11 anos consecutivos, o que garantiu ao texto o registro no livro Guiness World Records. A peça ficou marcada na história do teatro por uma espécie de gincana de troca de figurinos por Nanini e Latorraca.

O espetáculo atual tem a proposta de expor aos olhos do público essa troca de roupas e enfatizar ainda mais o texto e o trabalho do ator. “Nós teatralizamos a troca de roupas. Eu quero mostrar para o espectador o teatro como uma grande ilusão e o ator como um grande mago, que pode criar tudo na frente do público e fazê-lo acreditar naquela situação. Quero que a plateia sinta o trabalho do ator e como eles vão dividir esses personagens em um jogo de espelhos. O próprio texto de Ludlam sugere o jogo teatral e tentamos enfatizar ao máximo a questão dos atores como um duplo”, comenta o diretor. A encenação ousada, segue ele, só é possível graças ao talento de Luis Miranda e Mateus Solano. “Os dois são de uma genialidade, uma elegância artística! Eles têm juntos uma energia maravilhosa. Estou muito grato por tê-los comigo e por partilhar algo tão sagrado para mim, que é o fazer teatral”, finaliza.

Acompanhe todas as novidades e informações da Mostra 2020 do Festival de Curitiba pelo site www.festivaldecuritiba.com.br, pelas redes sociais disponíveis, no Facebook @fest.curitiba, pelo Instagram @festivaldecuritiba e pelo Twitter @fest_curitiba

Apresentadores, patrocinadores e apoiadores

O Festival de Teatro de Curitiba tem parceiros fundamentais para sua realização e é patrocinado pelo Ebanx, Vivo, Uninter, Renault do Brasil, Electrolux, Banco RCI Brasil, Junto Seguros, Copel - Pura Energia, Sanepar, Governo do Estado e GRASP. O Programa Guritiba é apresentado por New Holland, com patrocínio de Novozymes e Fibracem. O MishMash é apresentado pela Unimed Curitiba e Thales Group, com o apoio da Ritmo Logística. Quem apresenta o Risorama é a Potencial Petróleo, com o patrocínio de Previsul Seguradora, tendo como a cerveja oficial a Cacildis e o apoio de FH Consultoria e Grupo Barigui. As bilheterias do Festival de Curitiba são uma parceria com o ParkShoppingBarigüi e o Shopping Mueller.

FICHA TÉCNICA:
Texto: Charles Ludlam.
Idealização: Andrea Francez. 
Direção, Encenação e Dramaturgia: Jorge Farjalla.
Elenco: Luis Miranda, Mateus Solano, Biagio Pecorelli, Fagundes Emanuel, Gus Casabona, Thomas Marcondes.
Traducão: Simone Zucato.
Assistente de Direção: Raphaela Tafuri.
Direção de Produção: Priscila Prade e Marco Griesi.
Coordenação de Produção: Daniella Griesi.
Produção Executiva: Maristela Marino.
Assistente de Produção: Carolina Teixeira.
Direção Musical: Gilson Fukushima.
Cenografia: Marco Lima.
Iluminação: Cesar Pivetti.
Figurinos: Karen Brustolin.
Fotografia: Priscila Prade.
Mídia Digital: Gigi Prade.
Comunicação Visual: Kelson Spalato e Murilo Lima.
Assessoria de Imprensa: Diogo Locci.
Produção de Elenco: Marcela Altberg.
Realização: Bricabraque Produções e Palco7.

Serviço:
O que:  O Mistério de Irma Vap no 29.º Festival de Curitiba
Quando: dia 4 de abril, às 19h, e 5 de abril, às 21h.
Onde: Teatro Guaíra | Guairão (Praça Santos Andrade, S/N – Centro)
Valores:  R$ 80,00 (inteira)
Ingressos: www.festivaldecuritiba.com.br, pelo aplicativo “Festival de Curitiba 2020”, e nas bilheterias físicas do ParkShoppingBarigui (Piso térreo próximo à praça de eventos), de segunda a sexta-feira, das 11h às 23h; sábado das 10h às 22h e domingos das 14h às 20h; e no Shopping Mueller (piso L3), de segunda-feira a sábado, das 10h às 22h; domingos e feriados, das 14h às 20h.
Classificação: 12 anos.
Duração: 100’

Hashtags oficiais – #festivaldecuritiba #festcuritiba #ofestivalparatodos #omeufestival

Sugestão de Tags – festival, curitiba, festival de curitiba, mostra, teatro, artes cênicas, mistério, irma vap, luis miranda, mateus solano, guaíra, jorge farjalla, artes, cultura, show, atrações

Estão abertas as bilheterias da
29ª edição do Festival de Curitiba



As vendas nos espaços físicos, nos shoppings Mueller e ParkShoppingBarigüi, no site e no aplicativo oficial estão abertas
Reunindo mais de 400 atrações em aproximadamente 70 espaços de Curitiba e da Região Metropolitana, o Festival de Curitiba chega a sua 29ª edição, com uma programação que contempla grandes nomes da classe artística nacional e internacional. Este ano, o Festival ocorre de 24 de março até 5 de abril, com estreias nacionais, espetáculos premiados e mostras que levarão teatro, dança, circo, música, oficinas, shows e performances para os diferentes públicos, de todas as idades. “Nesta edição mantemos nosso mote de ‘Festival para Todos’, com uma programação que possibilita arte e entretenimento para todos os tipos de públicos, de forma acessível e diversificada, em diferentes pontos da cidade”, explica Fabíula Passini, codiretora do Festival de Curitiba. 

Os ingressos estão à venda nas bilheterias oficiais, localizadas no ParkShoppingBarigüi (Piso térreo próximo à praça de eventos) e no Shopping Mueller (Piso L3) e nas plataformas online, pelo site www.festivaldecuritiba.com.br e aplicativo oficial “Festival de Curitiba 2020” (disponíveis para os sistemas Android e IOS).
 
Ao manter sua tradição em destacar os novos, bem como os experientes artistas, a programação do Festival de Curitiba este ano conta com montagens de sucesso, com nomes reconhecidos no cenário nacional, como Denise Fraga, Emicida, Luis Miranda, Mateus Solano, Laila Garin, Denise Stoklos, Otávio Mueller, Lúcio Mauro Filho, Marcos Breda, Cacá Carvalho, Grupo Corpo, Rodrigo Portella, Ranieri Gonzales, Grupo Armazém, Gabriel Villela, Renata Carvalho, Grupo Galpão, entre outros.

Na Mostra, a curadoria sequencial de Guilherme Weber e Marcio Abreu investiga “O que é um Corpo?”, pergunta que inspira e faz pensar a nova resistência do mundo, redefinindo a vida e seus sentidos de liberdade. As Interlocuções, espaço dedicado aos debates, encontros, pensamento crítico, performances e ações de diversas naturezas, com o intuito de ampliar a experiência e os sentidos de convivência e troca, ganham mais uma edição em 2020. Seguem com a palavra aberta, palestras documentadas, oficinas gratuitas, temporada de performance, lançamentos de livros, encontros e outras atividades reunindo artistas e o público. “O sentido maior de um festival”, observam Weber e Abreu.
 
No Fringe serão mais de 370 espetáculos, espalhados por 60 espaços de Curitiba e da Região Metropolitana, que atuarão nos mais diferentes gêneros artísticos (comédia, drama, infantil, lambe-lambe, de rua, entre outros), possibilitando ainda mais o enriquecimento e a democratização da programação do Festival de Curitiba. Entre as atrações, peças vindas de 17 estados brasileiros e de 9 países, como Argentina, Chile, Colômbia, Cuba, Equador, Paraguai, Peru e Portugal. Serão em média 1500 apresentações, sendo que mais de 390 são gratuitas e 340 no “Pague Quanto Puder”. Além disso, o Fringe este ano contará com 19 mostras especiais, propostas por grupos artísticos de Curitiba e de várias partes do Brasil. “O Fringe é um grande centro de encontro das artes cênicas do país e apresenta as principais tendências da área. Ele possibilita a troca de informações, a divulgação de trabalhos, a colocação de ideias em cena. O Fringe é uma mostra que promove a arte no geral”, comenta a coordenadora do Fringe, Carol Scabora.
 
No Guritiba, uma programação voltada para as crianças de todas as idades, com companhias premiadas e reconhecidas nacionalmente, além de atividades recreativas, educacionais e sociais. São 3 grandes espetáculos, com destaque para o Grupo Triii, um fenômeno da música infantil na internet. O MishMash, que ocorrerá nos dias 4 e 5 de abril, continuará trazendo a sua magia e fantasia, em uma atração para toda a família. Com sua variedade artística, que reúne circo, música, dança, mágica, performance e teatro, o show este ano promete, mais uma vez, ser inesquecível, para ser apreciado entre pais e filhos. Já o Risorama, um dos maiores festivais de humor do País, manterá sua tradição de reunir os maiores nomes da comédia nacional, da televisão, da internet e dos palcos, em uma verdadeira festa do riso. A convite de Diogo Portugal, nomes como Fábio Rabin, Murilo Couto, Rodrigo Marques, Marlei Cevada, Victor Sarro, Igor Guimarães, entre outros, já estão confirmados. Encerrando as atividades do Festival de Curitiba, o Gastronomix promoverá o encontro da arte e da gastronomia, reunindo nomes de destaque da culinária nacional.
  
Acompanhe todas as novidades e informações pelo site do Festival de Curitiba, pelo aplicativo oficial “Festival de Curitiba 2020” (IOS e Android), pelas redes sociais disponíveis, no Facebook @fest.curitiba, pelo Instagram @festivaldecuritiba e pelo Twitter @Fest_curitiba. Cadastre-se também na newsletter oficial.
 
Apresentadores, patrocinadores e apoiadores
O Festival de Teatro de Curitiba tem parceiros fundamentais para sua realização e é patrocinado pelo Ebanx, Vivo, Uninter, Renault do Brasil, Electrolux, Banco RCI Brasil, Junto Seguros, Copel - Pura Energia, Sanepar, Governo do Estado e GRASP. O Programa Guritiba é apresentado por New Holland, com patrocínio de Novozymes e Fibracem. O MishMash é apresentado pela Unimed Curitiba e Thales Group, com o apoio da Ritmo Logística. Quem apresenta o Risorama é a Potencial Petróleo, com o patrocínio de Previsul Seguradora, tendo como a cerveja oficial a Cacildis e o apoio de FH Consultoria e Grupo Barigui. As bilheterias do Festival de Curitiba são uma parceria com o ParkShoppingBarigüi e o Shopping Mueller.
  
Valores:
Mostra 2020 – De R$ 0 a R$ 80,00 (entrada inteira)*
Fringe – De R$ 0 a R$ 60,00 (entrada inteira) + taxa administrativa
Risorama – R$ 70,00 (entrada inteira) + taxa administrativa
MishMash – R$ 40,00 (entrada inteira) + taxa administrativa
Guritiba – De R$ 0 a R$ 40,00 (entrada inteira) + taxa administrativa
*Os espetáculos dos espaços José Maria Santos e Mini Guaíra, são acrescidos de taxa de R$ 1.44.

Serviço:
O que: 29.º Festival de Curitiba
Quando: De 24/03 a 05/04 de 2020.
Valores: Os ingressos vão de R$ 0,00 até R$ 80,00.
Ingressos: www.festivaldecuritiba.com.br, pelo aplicativo “Festival de Curitiba 2020”, e nas bilheterias físicas do ParkShoppingBarigui (Piso térreo próximo à praça de eventos), de segunda

a sexta-feira, das 11h às 23h; sábado das 10h às 22h e domingos das 14h às 20h; e no Shopping Mueller (piso L3), de segunda-feira a sábado, das 10h às 22h; domingos e feriados, das 14h às 20h.
Verifique a classificação indicativa e orientações de cada espetáculo
  
Hashtags oficiais – #festivaldecuritiba #festcuritiba #ofestivalparatodos #omeufestival
Sugestão de Tags – festival, curitiba, festival de curitiba, mostra, fringe, teatro, gastronomix, mishmash, guritiba, risorama, stand-up, artes cênicas, artes, circo, dança, música, cultura, show, atrações

Março começa com programação diversa no Museu Oscar Niemeyer

O Museu Oscar Niemeyer (MON) tem programação para todos os públicos nos próximos dias. No domingo, dia 1°, além da oficina “Escultura de papel”, conduzida pela equipe do Educativo entre 11h e 14h, a artista Juliana Stein vai ministrar a oficina “Ver-se verso”, com a técnica de desenho de observação.

Convidada do programa Artistas do Acervo, ela realizará a atividade às 14h30 e às 16h. No primeiro horário, haverá tradução simultânea para libras. No domingo é preciso adquirir ingressos para entrar no Museu, no valor de R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia-entrada).

Na quarta-feira, a oficina “Escultura de papel” se repete, entre 11h e 17h. Não é necessário agendamento ou conhecimento prévio, para participar basta comparecer à Sala de Oficinas, no Subsolo. Às 16h30 acontecerá uma visita mediada à exposição “Luz ≅ Matéria”, na Sala 6. Na quarta-feira, a entrada é gratuita e a primeira quarta do mês tem o horário de visitação estendido até as 20h.

Arte para Maiores

Em março, o programa “Arte para Maiores” fará visitas mediadas à exposição “Luz ≅ Matéria”, seguidas de prática artística com a equipe do Educativo. São 30 vagas por encontro (3 e 17/3), destinadas especialmente ao público acima de 60 anos.

Não há pré-requisitos para participar. As inscrições podem ser feitas pelo e-mail agendamento@mon.org.br, ou pelos telefones (41) 3350-4468, 3350-4497 e 3350-4412. A atividade é gratuita, mas é necessário adquirir ingresso para acessar o Museu (R$ 20 e R$ 10). Maiores de 60 anos têm entrada gratuita.

Sobre o MON

O Museu Oscar Niemeyer (MON) pertence ao Estado do Paraná. A instituição abriga referenciais importantes da produção artística nacional e internacional nas áreas de artes visuais, arquitetura e design, além da mais significativa coleção de arte asiática da América Latina. No total, o acervo conta com aproximadamente 7 mil peças, mantidas num espaço superior a 35 mil metros quadrados de área construída, sendo 17 mil metros quadrados de área para exposições, o que torna o MON o maior museu de arte da América Latina.

Serviço

Domingo – 1°/3

Oficina “Escultura com papel”

Técnica: tridimensional

Horário: das 11h às 14h

Local: Espaço de Oficinas – Subsolo

Artistas do Acervo

Oficina “Ver-se verso”, com Juliana Stein

Técnica: desenho de observação

Horário: às 14h30 (com tradução para libras) e às 16h

Local: Espaço de Oficinas – Subsolo

Terça-feira – 3/3

Arte para Maiores

Horário: das 14h às 17h

Local: Espaço de Oficinas – Subsolo e Sala 6

Quarta-feira – 4/3

Quarta estendida – até 20h

Oficina “Escultura com papel”

Técnica: tridimensional

Horário: das 11h às 17h

Local: Espaço de Oficinas – Subsolo

Visita mediada

“Luz ≅ Matéria”

Horário: 16h30

Local: Sala 6

Museu Oscar Niemeyer

Rua Marechal Hermes, 999

Visitação: terça a domingo, das 10h às 18h

R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia-entrada)

Quartas gratuitas (oferecimento do Governo do Estado do Paraná)

Informações: (41) 3350-4468

www.museuoscarniemeyer.org.br

Inscrições abertas para os cursos do Centro Juvenil de Artes

São oito modalidades diferentes para crianças e adolescentes de 8 a 17 anos

O Centro Juvenil de Artes (CJA) da Secretaria de Estado da Comunicação Social e da Cultura (SECC), instituição dedicada à formação artística de crianças e jovens no Paraná, está com inscrições abertas para o 1º semestre de 2020. São oito opções de cursos: Artes Visuais, Desenho, Fotografia, Modelagem, Mosaico, Pintura, Teatro e Videoarte, destinados a crianças e adolescentes de 8 a 17 anos. As aulas iniciam no dia 2 de março e vão até 26 de junho de 2020.

“Para este primeiro semestre, abrimos novas turmas de cursos que já são conhecidos da casa, como Modelagem, Mosaico e Pintura, dando oportunidade para que mais jovens ingressem e participem das atividades do Centro Juvenil”, comenta o diretor do Luiz Gustavo Vidal Pinto.

As oito modalidades são distribuídas durante o dia com aulas pela manhã (8h30 às 11h30) e à tarde (14h às 17h). Cada uma atende a uma determinada faixa etária. Confira a grade com os dias e horários das aulas no site www.cjap.seec.pr.gov.br.

INSCRIÇÕES - Para realizar a inscrição, o responsável pela criança ou adolescente precisa ir pessoalmente à secretaria do CJAP (Rua Mateus Leme, 56), levando fotocópia de certidão de nascimento ou carteira de identidade do aluno e uma foto 3x4. As turmas abrem com um número mínimo de cinco alunos.

ACESSO À ARTE - Primeira escola de artes para crianças e adolescentes do Brasil, o Centro Juvenil de Artes Plásticas foi aberto em 1953 após esforços do pintor Guido Viaro, que sempre se dedicou para a arte-educação, antes mesmo da criação do CJAP. Viaro acreditava que o acesso à arte deveria ser um direito de toda a comunidade.

SERVIÇO
Inscrições abertas para os cursos do Centro Juvenil de Artes
Faixa etária atendida: dos 8 aos 17 anos
Informações: (41) 3223-3805 | 3323-5643
Grade dos cursos: www.cjap.seec.pr.gov.br

Centro Juvenil de Artes
Rua Mateus Leme, 56, São Francisco. Curitiba/PR
Horário de funcionamento: segunda a sexta-feira das 8h30 às 11h30 e das 14h às 17h.
www.cjap.seec.pr.gov.br

Crédito das fotos: Kraw Penas/SECC e Maringas Maciel identificadas no nome de cada arquivo.

--

Estão abertas as bilheterias da 29ª edição do Festival de Curitiba

As vendas nos espaços físicos, nos shoppings Mueller e ParkShoppingBarigüi, estão abertas.
Na sequência, os ingressos também estarão disponíveis no site e no aplicativo oficial.

Reunindo mais de 400 atrações em aproximadamente 70 espaços de Curitiba e da Região Metropolitana, o Festival de Curitiba chega a sua 29ª edição, com uma programação que contempla grandes nomes da classe artística nacional e internacional. Este ano, o Festival ocorre de 24 de março até 5 de abril, com estreias nacionais, espetáculos premiados e mostras que levarão teatro, dança, circo, música, oficinas, shows e performances para os diferentes públicos, de todas as idades. “Nesta edição mantemos nosso mote de ‘Festival para Todos’, com uma programação que possibilita arte e entretenimento para todos os tipos de públicos, de forma acessível e diversificada, em diferentes pontos da cidade”, explica Fabíula Passini, codiretora do Festival de Curitiba.

Os ingressos estão à venda nas bilheterias oficiais, localizadas no ParkShoppingBarigüi (Piso térreo próximo à praça de eventos) e no Shopping Mueller (Piso L3). Na sequência, as vendas dos ingressos nas plataformas online, pelo site www.festivaldecuritiba.com.br e aplicativo oficial “Festival de Curitiba 2020” (disponíveis para os sistemas Android e IOS), também estarão acessíveis.

Ao manter sua tradição em destacar os novos, bem como os experientes artistas, a programação do Festival de Curitiba este ano conta com montagens de sucesso, com nomes reconhecidos no cenário nacional, como Denise Fraga, Emicida, Luis Miranda, Mateus Solano, Laila Garin, Denise Stoklos, Otávio Mueller, Lúcio Mauro Filho, Marcos Breda, Cacá Carvalho, Grupo Corpo, Rodrigo Portella, Ranieri Gonzales, Grupo Armazém, Gabriel Villela, Renata Carvalho, Grupo Galpão, entre outros.

Na Mostra, a curadoria sequencial de Guilherme Weber e Marcio Abreu investiga “O que é um Corpo?”, pergunta que inspira e faz pensar a nova resistência do mundo, redefinindo a vida e seus sentidos de liberdade. As Interlocuções, espaço dedicado aos debates, encontros, pensamento crítico, performances e ações de diversas naturezas, com o intuito de ampliar a experiência e os sentidos de convivência e troca, ganham mais uma edição em 2020. Seguem com a palavra aberta, palestras documentadas, oficinas gratuitas, temporada de performance, lançamentos de livros, encontros e outras atividades reunindo artistas e o público. “O sentido maior de um festival”, observam Weber e Abreu.

No Fringe serão mais de 370 espetáculos, espalhados por 60 espaços de Curitiba e da Região Metropolitana, que atuarão nos mais diferentes gêneros artísticos (comédia, drama, infantil, lambe-lambe, de rua, entre outros), possibilitando ainda mais o enriquecimento e a democratização da programação do Festival de Curitiba. Entre as atrações, peças vindas de 17 estados brasileiros e de 9 países, como Argentina, Chile, Colômbia, Cuba, Equador, Paraguai, Peru e Portugal. Serão em média 1500 apresentações, sendo que mais de 390 são gratuitas e 340 no “Pague Quanto Puder”. Além disso, o Fringe este ano contará com 19 mostras especiais, propostas por grupos artísticos de Curitiba e de várias partes do Brasil. “O Fringe é um grande centro de encontro das artes cênicas do país e apresenta as principais tendências da área. Ele possibilita a troca de informações, a divulgação de trabalhos, a colocação de ideias em cena. O Fringe é uma mostra que promove a arte no geral”, comenta a coordenadora do Fringe, Carol Scabora.

No Guritiba, uma programação voltada para as crianças de todas as idades, com companhias premiadas e reconhecidas nacionalmente, além de atividades recreativas, educacionais e sociais. São 3 grandes espetáculos, com destaque para o Grupo Triii, um fenômeno da música infantil na internet. O MishMash, que ocorrerá nos dias 4 e 5 de abril, continuará trazendo a sua magia e fantasia, em uma atração para toda a família. Com sua variedade artística, que reúne circo, música, dança, mágica, performance e teatro, o show este ano promete, mais uma vez, ser inesquecível, para ser apreciado entre pais e filhos. Já o Risorama, um dos maiores festivais de humor do País, manterá sua tradição de reunir os maiores nomes da comédia nacional, da televisão, da internet e dos palcos, em uma verdadeira festa do riso. A convite de Diogo Portugal, nomes como Fábio Rabin, Murilo Couto, Rodrigo Marques, Marlei Cevada, Victor Sarro, Igor Guimarães, entre outros, já estão confirmados. Encerrando as atividades do Festival de Curitiba, o Gastronomix promoverá o encontro da arte e da gastronomia, reunindo nomes de destaque da culinária nacional.

Acompanhe todas as novidades e informações pelo site do Festival de Curitiba, pelo aplicativo oficial “Festival de Curitiba 2020” (IOS e Android), pelas redes sociais disponíveis, no Facebook @fest.curitiba, pelo Instagram @festivaldecuritiba e pelo Twitter @Fest_curitiba. Cadastre-se também na newsletter oficial.

Apresentadores, patrocinadores e apoiadores

O Festival de Teatro de Curitiba tem parceiros fundamentais para sua realização e é patrocinado pelo Ebanx, Vivo, Uninter, Renault do Brasil, Electrolux, Banco RCI Brasil, Junto Seguros, Cielo, Copel - Pura Energia, Sanepar, Governo do Estado e GRASP. O Programa Guritiba é apresentado por New Holland, com patrocínio de Novozymes e Fibracem. O MishMash é apresentado pela Unimed Curitiba e Thales Group, com o apoio da Ritmo Logística. Quem apresenta o Risorama é a Potencial Petróleo, com o patrocínio de Previsul Seguradora, tendo como a cerveja oficial a Cacildis e o apoio de FH Consultoria e Grupo Barigui. As bilheterias do Festival de Curitiba são uma parceria com o ParkShoppingBarigüi e o Shopping Mueller.

Valores:
Mostra 2020 – De R$ 0 a R$ 80,00 (entrada inteira)*
Fringe – De R$ 0 a R$ 60,00 (entrada inteira) + taxa administrativa
Risorama – R$ 70,00 (entrada inteira) + taxa administrativa
MishMash – R$ 40,00 (entrada inteira) + taxa administrativa
Guritiba – De R$ 0 a R$ 40,00 (entrada inteira) + taxa administrativa
*Os espetáculos dos espaços José Maria Santos e Mini Guaíra, são acrescidos de taxa de R$ 1.44.

Serviço:
O que: 29.º Festival de Curitiba
Quando: De 24/03 a 05/04 de 2020.
Valores: Os ingressos vão de R$ 0,00 até R$ 80,00.
Ingressos: www.festivaldecuritiba.com.br, pelo aplicativo “Festival de Curitiba 2020”, e nas bilheterias físicas do ParkShoppingBarigui (Piso térreo próximo à praça de eventos), de segunda a sexta-feira, das 11h às 23h; sábado das 10h às 22h e domingos das 14h às 20h; e no Shopping Mueller (piso L3), de segunda-feira a sábado, das 10h às 22h; domingos e feriados, das 14h às 20h.
Verifique a classificação indicativa e orientações de cada espetáculo

Hashtags oficiais – #festivaldecuritiba #festcuritiba #ofestivalparatodos #omeufestival

Sugestão de Tags – festival, curitiba, festival de curitiba, mostra, fringe, teatro, gastronomix, mishmash, guritiba, risorama, stand-up, artes cênicas, artes, circo, dança, música, cultura, show, atrações

Tommy Hilfiger do Jockey Plaza Shopping recebe exposição das obras de Angelo Hasse

A mostra exclusiva acontece de 12 a 16 de fevereiro no piso L2 do shopping

De 12 a 16 de fevereiro, a Tommy Hilfiger do Jockey Plaza Shopping realiza exposição do artista plástico curitibano Angelo Hasse. As obras, inéditas no país, fazem parte da série Abstrato e foram recém-expostas na Europa e muito elogiadas pelos críticos de arte locais.

Professor de teatro desde 1985, atualmente na fundação cultural de Curitiba como programador artístico cultural, Hasse é portador da Comenda Zumbi dos Palmares, outorgada pelo consulado do Senegal em Curitiba, e membro efetivo da Academia de Cultura de Curitiba (ACCUR).

A Tommy Hilfiger fica no piso L2 do Jockey Plaza Shopping, localizado no Tarumã, na Rua Konrad Adenauer, 370. O estacionamento tem valor fixo de R$10 para automóveis e R$ 5 para motos, por todo o período de utilização dentro da mesma diária.

Sobre o Jockey Plaza Shopping:

Inaugurado em junho de 2019, o Jockey Plaza Shopping possui mais de 200 mil m² de área construída, com 325 operações, sendo 28 opções na praça de alimentação, além de um boulevard gastronômico com vista panorâmica para a pista de corridas do Jockey Club do Paraná. O empreendimento conta ainda com oito salas de cinema Cinépolis e espaços para jogos e lazer, que tornam o local ainda mais completo. Com um vasto mix de lojas e serviços, é um shopping que se propõe a atender de forma democrática todos os seus perfis de público. O projeto arquitetônico prioriza espaços amplos, iluminação natural e muita área verde, e busca ressignificar o lazer, remetendo o local a uma extensão de um espaço externo. O Jockey Plaza Shopping é um empreendimento do Grupo Tacla Shopping, Casteval, Paysage e GRCA.

www.jockeyplaza.com.br

Serviço: Jockey Plaza Shopping

Lojas:

De segunda a sexta, das 11h às 23h

Sábados, das 10h às 22h

Domingos e feriados, das 14h às 20h.

Alimentação e Lazer:

De segunda a sexta, das 11h às 23h

Sábados, das 10h às 23h

Domingos e feriados, das 11h às 22h.

Artista recria mural no Museu Casa Alfredo Andersen e usa a tragédia de Brumadinho como inspiração

Obra amplia trabalho realizado em 2017, que tomou como tema o rompimento da Barragem de Mariana

Uma das paredes do pátio interno do Museu Casa Alfredo Andersen (MCAA) está ganhando traços novos e ainda mais instigantes. Em 1917, por conta do rompimento da Barreira de Mariana (MG), que ocorreu em 5 de novembro de 2015 e deixou um rastro fatal de 19 mortos, foi criado um grande mural a seis mãos, pelos artistas Marcelo Le, Luiz Lavalle e Bruno Romã.

À época não se imaginava que pouco tempo depois, em janeiro de 2019, no município de Brumadinho, também em Minas Gerais, se romperia outra barragem, causando uma tragédia ainda maior, com um número total de 270 vítimas fatais. Como a pintura nos muros internos do MCAA já começava a apresentar sinais de desgaste pela ação das condições climáticas, Marcelo Le, com o apoio da direção do museu, decidiu não apenas retocar a obra, mas ampliá-la, contemplando os fatos ocorridos no ano passado, e acrescentando a ela uma nova narrativa.

O diretor do MCAA, Luiz Gustavo Vardanega Vidal Pinto, enfatiza a iniciativa dos artistas, não só pelos temas abordados, como também pela qualidade técnica, observando que ”é importante o espaço museal dialogar com o público através de reflexões atuais, pois a arte também possui uma função social imprescindível para sociedade”.

Nascido em Araraquara, no interior de São Paulo, há 43 anos, Marcelo Le, cuja formação passou tanto pelas artes visuais quanto pela arquitetura, publicidade e engenharia, há anos vem se dedicando exclusivamente à arte urbana. Embora utilize tinta em spray, prefere não se definir como grafiteiro, porque também emprega outras técnicas e materiais, como tinta de rolo.

“Sou um muralista”, diz Marcelo, que traz para seu trabalho referências do cubismo de artistas como os espanhóis Pablo Picasso e Juan Miró, e o abstracionismo do russo Wassily Kandinski, mas também da arte e da literatura de cordel no Nordeste brasileiro. Ele também cita Speto, como é conhecido o artista do grafite paulista Paulo Cesar Silva, cuja arte pode ser vista em paredes e muros ao redor de Curitiba.

Para a criação do mural do MCAA, Marcelo, que está realizando o trabalho voluntariamente, com recursos próprios, diz ter recorrido, como inspiração, à lenda hebraica do Golem, que, segundo a tradição mística do judaísmo, seria um ser, criado artificialmente, que ganha vida e, em vez de cumprir sua função original, benéfica, se volta contra o criador, assim como as barragens em Minas Gerais.

Museu Casa Alfredo Andersen

Rua Mateus Leme, 336. Centro. Curitiba/PR

(41) 3222-8262 | www.mcaa.pr.gov.br

Visitação de terça a sexta-feira das 9h às 18 horas. Sábados, domingos e feriados das 10h às 16 horas.

Entrada gratuita

Momenttum inaugura novas vitrines assinadas por arquitetos incubados no Atelier 1901

No último dia 29 de janeiro, a Momenttum inaugurou suas novas vitrines assinadas por arquitetos do Atelier 1901. Servindo-se do atual mix de produtos da conceituada loja de mobiliário curitibana, especializada em design autoral brasileiro, os arquitetos elaboraram três ambientes exclusivos que podem ser visitados até o dia 29 de fevereiro.

Incubadora para arquitetos e urbanistas recém-formados, o Atelier 1901 iniciou suas atividades em novembro do ano passado. Parceira do projeto desde sua concepção, a Momenttum acredita no potencial de jovens profissionais no mercado. “Isso nos motivou a apoiar o Atelier 1901 desde o início e também firmar esta parceria para as vitrines, abrindo espaço para a renovação, unindo o talento dos arquitetos e a contemporaneidade do nosso mix de produtos nas nossas vitrines”, comenta Arthur de Fraga, relações públicas da loja de mobiliário.

VITRINES

O design brasileiro é a grande inspiração para as três novas vitrines da Momenttum. Os livings criados pelos arquitetos, divididos em três grupos, partem de concepções criativas distintas, mas todos explorando o potencial de cada elemento decorativo e de mobiliário. Peças autorais, formas orgânicas e sobriedade são alguns aspectos da criação de cada grupo que, além do mobiliário da Momenttum, contou com o apoio e materiais fornecidos para os três espaços por parceiros do Atelier 1901, como a Ner Casa de Luz, Tintas Verginia, Flor e Ser Plantas e Adornié Ambientes.

O primeiro ambiente mescla cores, formas e diferentes materiais para compor um lounge tropical. Priorizando peças de mobiliário externo, que também podem ser aproveitadas em ambientes internos, o espaço tem elementos arrojados intercalados com a intensidade das cores, plantas e objetos decorativos. Para compor o ambiente, as arquitetas Ariane Jasinski e Myllena Lima – com a colaboração das acadêmicas Amanda Loch e Camila Michalouski – escolheram móveis Pátio Brasil e Pátio Alive, como garden seats, puffs de corda náutica, poltronas, chaise e sofá de percinta, integrados de maneira harmônica e descontraída. Em contraste com o cinza e o preto, que dão cor às paredes e aos móveis escolhidos, o azul e o verde se destacam, principalmente na escultura de Janete Mehl e na intervenção com faixas criada pelo grupo que emolduram o ambiente, conferindo a ele movimento e leveza. No centro do lounge, uma composição com mesas de diferentes materiais, como mármore, madeira, corda naval e alumínio.

Também apostando no tropicalismo e no que há de mais brasileiro em materiais, a segunda vitrine assinada pelas arquitetas Bruna da Silveira, Bruna Vasques, Luiza Darwich e Marina Antoniette, do Atelier 1901, é puro frescor. Valorizando o design e artistas nacionais, além de elementos naturais para a composição do ambiente, as arquitetas priorizaram formas orgânicas e abstratas para a criação do living que tem cara de verão. Peças de barro, madeira, palha e algodão cru são alguns dos destaques do espaço que conta com a interferência artística das arquitetas na forma de um grande mural. Entre as escolhas de mobiliário, destaque para peças autorais de designers brasileiros como Jacqueline Terpins, Luan Del Savio e Aldolini Simonini, além do último lançamento da Momenttum, Roberta Banqueri.

Mais sóbria, urbana e contemporânea, a terceira vitrine traz um living atemporal, que ganha vivacidade e descontração a partir das obras de arte e da vegetação que ornamentam o ambiente. Criado pelas arquitetas Fernanda Camacho, Giovanna Nunes e Giulia Viana, com a colaboração do acadêmico Igor Pedrozo, o espaço integra sala de estar e jantar em uma composição de valoriza a leveza dos elementos decorativos em contraste com os tons mais escuros das paredes, teto e móveis em geral. O living traduz a personalidade de alguém que busca conforto, aconchego e a alegria de reunir pessoas para uma boa conversa. Peças premiadas, como as cadeiras Toá, dos irmãos Sergio e Jack Fahrer; o sofá Átomo, de Jacqueline Terpins; e a mesa de centro Drie, de Luan Del Savio – junto aos demais móveis de alto padrão, inclusive de linha corporativa – são destaque do living que aposta, ainda, em outras peças assinadas para dar mais sofisticação ao ambiente, como as luminárias da Ner Casa de Luz e obras de arte de artistas como as escultoras Janete Mehl e Sandra Barreiro, e o artista plástico e arquiteto Erwin Zaidowicz Neto.

CAPACITAÇÃO

Ao lado dos arquitetos responsáveis pelas três vitrines, os idealizadores do Atelier 1901, Ismael Gustavo Zanardini e Thatiane Botto de Barros, também sócios do Studio Baza Arquitetura e Interiores, estiveram juntos no desenvolvimento dos ambientes, auxiliando na concepção e execução dos projetos. Com o objetivo de capacitar e colaborar no início de carreira de arquitetos e urbanistas recém-formados, o Atelier 1901 também se propõe a ser um hub de captação de projetos e parcerias como esta das vitrines da Momenttum.

Para Zanardini, mais do que uma chance de mostrarem seus talentos e se aprimorarem, a oportunidade de assinarem ambientes para uma conceituada loja de design de Curitiba é um passo importante para os arquitetos incubados. “É o momento de eles terem em portfólio um ambiente exclusivo e autoral de grande visibilidade, o que é um mérito para a carreira de cada um deles”, afirma.

As vitrines assinadas pelos arquitetos do Atelier 1901 podem ser visitadas de segunda a sexta, das 9h30 às 19h, e aos sábados, das 10h às 14h, na Momenttum (Rua Desembargador Costa Carvalho, 208 – Batel).

SERVIÇO

Novas vitrines da Momenttum assinadas por arquitetos do Atelier 1901

De 29 de janeiro a 29 de fevereiro

De segunda a sexta, das 9h30 às 19h; sábado, das 10h às 14h

Rua Desembargador Costa Carvalho, 208 – Batel

Curitiba/PR

www.atelier1901.com.br

contato@atelier1901.com.br

@atelier.1901

SUGESTÕES DE LEGENDA PARA FOTOS
Foto: Myllena-Lima-Ariane-Jasinski-Camila-Michalouski-Amanda-Loch-Credito-Juliane-Gotlieb
As arquitetas Myllena Lima e Ariane Jasinski com as acadêmicas de arquitetura e urbanismo, Camila Michalouski e Amanda Loch, responsáveis pelo Lounge Externo com toques tropicais, uma das novas vitrines da Momenttum. Crédito: Juliane Gotlieb.

Foto: Bruna-da-Silveira-Luiza-Darwich-Bruna-Vasques-Marina-Antoniette-Credito-Juliane-Gotlieb
Bruna da Silveira, Luiza Darwich, Bruna Vasques e Marina Antoniette, arquitetas responsáveis pelo Living Tropical, uma das novas vitrines da Momenttum. Crédito: Juliane Gotlieb.

Foto: Giulia-Viana-Fernanda-Camacho-Marinice-Bettega-Igor-Pedrozo-Giovanna-Nunes-Credito-Juliane-Gotlieb
A proprietária da Momenttum, Marinice Bettega (centro) entre as arquitetas Giulia Viana, Fernanda Camacho e Giovanna Nunes, e o acadêmico Igor Pedrozo, no Living Urbano, uma das novas vitrines da loja de mobiliário curitibana, especializada em design autoral brasileiro. Crédito: Juliane Gotlieb.

Foto: Arthur-De-Fraga-Marinice-Bettega-Thatiane-Botto-Ismael-Zanardini-Credito-Juliane-Gotlieb
Arthur de Fraga, RP da Momenttum, e a proprietária da loja de mobiliário, Marinice Bettega, ao lado dos idealizadores do Atelier 1901, Thatiane Botto de Barros e Ismael Gustavo Zanardini, no evento de lançamento das novas vitrines da Momenttum. Crédito: Juliane Gotlieb.

Foto: Gustavo-Celante-Ismael-Zanardini-Thatiane-Botto-Credito-Juliane-Gotlieb
Gustavo Celante, da Ardonié Amnbientes, parceira do Atelier 1901, ao lado dos idealizadores da incubadora para arquitetos e urbanistas recém-formados, Ismael Gustavo Zanardini e Thatiane Botto de Barros, no evento de lançamento das novas vitrines da Momenttum. Crédito: Juliane Gotlieb.

--

Feira de artesanatos no SOUQ Curitiba:

programação para toda a família movimenta o complexo
Artigos de decoração para casa e oficinas gratuitas
de slime fazem parte das atividades do evento

Todo curitibano adora uma feira, não é mesmo? Na cidade, a feira do Largo da Ordem aos domingos, as feirinhas das quatro estações e datas festivas na praça Osório, sem contar as feirinhas regionais de cada bairro, sempre atraem multidões, tornando-se programas divertidos para toda a família.

Pensando nisso, o SOUQ Curitiba vai receber, no deck do espaço, uma feira de artesanatos e variedades em parceria com a Matrioska eventos nos dias 31/01, 01/02 e 02/02. Repleta de atrações, a feira irá oferecer opções de decoração para a casa, além de oficina de slime para as crianças. Também terá venda de roupas e acessórios, além de papelaria para ajudar na organização dos materiais para retorno às aulas.

Para deixar o programa ainda mais completo, o SOUQ é pet friendly e oferece água fresca para o seu pet, deixando o passeio em família mais especial. Além disso, o complexo tem estacionamento para maior comodidade e espaço SOUKids para deixar as crianças brincando e aprendendo, aos cuidados de pedagogos, enquanto os adultos também se divertirem conhecendo as novidades da feira e saboreando as mais de 30 opções da gastronomia internacional do espaço.

HORÁRIOS
- 31/01 - das 17h às 23h
- 01 e 02/02 - das 11h às 23h

Serviço:

SOUQ Curitiba
Av. Iguaçu, 4399 - Vila Izabel, Curitiba – PR
Terça a sexta: 17h às 23h
Sábado: 11h às 23h
Domingo: 11h às 22h
Entrada gratuita