Voluntários em hospitais se reinventam durante pandemia

Visitas virtuais por meio de robôs e confecção de máscaras a distância estão entre as iniciativas adotadas no isolamento social

Com a pandemia do coronavírus, a busca por ações sociais aumentou no ano de 2020. Uma pesquisa divulgada pelo Benchmarking do Investimento Social Corporativo (BISC), ainda antes do encerramento do ano, já indicava que o volume de doações dobraria no ano passado, em comparação com 2019. O estudo também apontou que houve uma mobilização maior para ajudar com recursos ações na área da saúde, principalmente no combate à Covid-19. Especialistas em ação social apontam essa mobilização como um legado da pandemia que deve se expandir nos próximos anos.

Mas e para quem tinha no contato e nas visitas in loco as principais ferramentas de ajuda? O ano de 2020 foi certamente de reinvenção para esses apaixonados pelo voluntariado. O aposentado Márcio Zeni é voluntário do Hospital Universitário Cajuru há 15 anos e conta que a presença de um voluntário, com toda a sua energia e atenção, é uma forma de diminuir o estresse e os traumas que muitos pacientes têm durante o período de internação. “A presença de voluntários comprometidos com a humanização do atendimento, com tempo, olhos e ouvidos à disposição, serve para diminuir o estresse do paciente. Esse olhar para o ser humano, com carinho e respeito transmite ao paciente maior segurança e conforto. É para isso que dedicamos nosso tempo e nossas energias”, diz.

Mas, durante o período de isolamento social, o trabalho dos voluntários em ambiente hospitalar foi suspenso para preservar a saúde dos envolvidos e, com isso, a conversa, a animação e as risadas passaram a fazer falta nos quartos e corredores dos hospitais. A coordenadora do voluntariado do Hospital Universitário Cajuru, Nilza Maria Brenny, conta que nesse momento foi preciso que o trabalho se reinventasse. “Com a pandemia, a presença dos voluntários foi evitada. Mas, a nossa vontade de ajudar os pacientes que estavam lá dentro foi maior do que toda essa situação. Então nós mudamos e adaptamos as atividades para que cada voluntário pudesse contribuir de forma remota, na segurança do seu lar”, revela.

E, se nesse momento está proibido o contato físico entre as pessoas, os robôs entraram em cena para aproximar voluntários e pacientes virtualmente. Desde maio de 2020, o Róbios é o novo integrante do Cajuru. Com um tablet na altura da cabeça, o robô sai pelos corredores levando os voluntários de forma remota até os pacientes. São mais de 320 voluntários que atuam no hospital, desde grupos de palhaços, músicos e até cachorros que agora, por causa da pandemia, fazem suas apresentações à distância com o auxílio do robô Róbios.

Em cinco meses de trabalho fazendo as visitas com o robô três vezes por semana, foram em média 2100 atendimentos em quartos com os grupos de palhaços e cerca de 60 com os músicos, além das visitas diárias para os pacientes nas UTIs. Para Nilza, essa é uma forma de levar alegria para os pacientes e ainda diminuir a saudade dos voluntários. “As pessoas que estão internadas sentem falta desse cuidado, dessa atenção e carinho. Quando os voluntários chegavam, a alegria era contagiante. E agora, com o Róbios, nós podemos levar esse conforto para os pacientes de forma segura. Sem falar que os próprios voluntários sentem falta desse contato no dia a dia”, revela.

A falta para os voluntários

Márcio é voluntário no Hospital Universitário Cajuru desde a fundação do grupo, em 2006. Em 15 anos de trabalho, pelo menos duas vezes por semana ele acompanhava os pacientes pelos corredores do hospital, empurrando a cadeira de rodas entre o quarto, a sala de exames e os passeios no jardim. No caminho, conversas, histórias e risadas. Rotina que ainda segue suspensa. “O serviço de voluntariado foi interrompido para preservar pacientes, colaboradores e voluntários. Está sendo uma experiência única, o contato físico do dia a dia faz muita falta, todos nós fomos impactados. Nosso desejo é um retorno seguro e o mais breve possível ”, afirma.

Outra forma de manter os voluntários ativos mesmo com as restrições, foi a produção de máscaras de proteção. Cerca de 76 mil máscaras foram confeccionadas e distribuídas para pacientes internados, familiares, acompanhantes, visitantes e funcionários dos setores administrativos. “Como tínhamos essa necessidade de ter mais máscara, e tudo era muito caro, o hospital resolveu comprar o tecido para que a gente ajudasse a confeccionar. E, com isso, nós criamos o grupo de costureiras Mãos Que Transformam. Um grupo ficava encarregado de pegar os tecidos no hospital e levar até a casa dos voluntários. Quando prontas, traziam as máscaras para o hospital e, então, a gente distribuía entre as equipes”, diz Nilza.

Como ajudar

O processo é simples para quem deseja doar parte do seu tempo e se tornar um voluntário no Hospital Universitário Cajuru. Basta agendar uma entrevista por meio do telefone (41) 3271-2990 para que a equipe possa avaliar o candidato e ver qual atividade se encaixa de acordo com o perfil e disponibilidade de horários. Os voluntários também participam do projeto “Acolha Novos Voluntários” que ajuda os candidatos a conhecerem as missões e valores do hospital.

Já quem não tem disponibilidade e mesmo assim quer contribuir, existem diversas formas de colaborar com o hospital: boleto bancário, depósito em conta corrente ou por meio da conta de energia elétrica (Copel).

Empresas também podem fazer suas doações e deduzi-las até o limite de 2% do seu Lucro Operacional Bruto, confira mais informações no site http://www.hospitalcajuru.org.br/doacao/ ou pelo telefone (41) 4042-8374.

Sobre o Hospital Universitário Cajuru

O Hospital Universitário Cajuru é uma instituição filantrópica com atendimento 100% SUS. Está orientada pelos princípios éticos, cristãos e valores do Grupo Marista. Vinculado às escolas de Medicina e Ciências da Vida da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR), preza pelo atendimento humanizado, com destaque para procedimentos cirúrgicos, transplante renal, urgência, emergência, traumas e atendimento de retaguarda a Pronto Atendimentos e UPAs de Curitiba e cidades da Região Metropolitana.

Projeto cultural incentiva a ‘escuta de textos’

Peças de teatro foram gravadas em formato radiofônico e estão disponíveis para serem ‘visualizadas com os ouvidos’

O projeto “Leituras com a Inominável: dramaturgia em discussão” – que gravou leituras de oito peças de teatro e as adaptou ao formato radiofônico – está em nova fase. As primeiras produções já estão disponíveis gratuitamente ao público nos canais do YouTube, Instagram e Facebook da Inominável Companhia de Teatro.

As demais peças radiofônicas continuam com estreias toda sexta e sábado, até final de março, nas mesmas redes sociais. Além de incentivar o trabalho de artistas locais ou radicados na capital paranaense, valorizar e divulgar a dramaturgia contemporânea, a ideia é transportar o ouvinte para cenários tão distintos quanto aqueles narrados durante as gravações.

“Queremos estimular nas pessoas a escuta de textos, a imaginação, a curiosidade e a fantasia para que o público arquitete mentalmente e ‘visualize’ as histórias narradas”, explica a atriz, diretora de produção e sócia-fundadora da trupe teatral, Lilyan de Souza.

Ver com os ouvidos
Essas peças radiofônicas são chamadas de áudio-dramas e equivalem a um tipo de radionovela, mas sem as continuidades de capítulos que são comuns a esse gênero.

Contrariando a overdose visual dos tempos atuais, o projeto deixa as telas de lado e incita nas pessoas a audição, o ouvir atentamente, a percepção do que não é visto e sim imaginado.

Os atores que fizeram as leituras dramatizadas para o rádio foram Lilyan de Souza, Letícia Guazzelli, Lucas Mattana, Fabiane de Cezaro, Lucas Buchile e Rafael di Lari - membros da Inominável Companhia de Teatro.

Como forma de contrapartida social, eles e dois autores convidados por vez vão debater as obras em quatro lives descontraídas - nos dias 07, 14, 21 e 28 de abril – que poderão ser acompanhadas ao vivo pelo YouTube da Companhia.

Entre os dramaturgos confirmados estão Alexandre França, Ali Freyer, Daniela Passarinho, Iamni Reche, Juliana Partika, Léo Moita, Leonarda Glück e Sueli Araújo – todos autores curitibanos ou radicados em Curitiba.

O projeto – que surgiu pela vontade de compartilhar processos, pesquisas e reflexões da Inominável – foi aprovado pelo edital Aldir Blanc de Curitiba – Fomento e está sendo realizado com recursos do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura – Fundação Cultural de Curitiba, da Prefeitura Municipal de Curitiba e do Ministério do Turismo.

Serviço
O que: Peças de teatro que foram gravadas em formato radiofônico estão disponíveis para serem ‘visualizadas com os ouvidos’
Como assistir: Pelo canal do YouTube da Inominável Companhia de Teatro
Quanto: Gratuito

Sugestão de legenda
Foto 1: O ator Lucas Mattana durante as gravações dos áudio-dramas
Crédito da foto: Lilyan de Souza

Arte 2: As peças radiofônicas continuam com estreias toda sexta e sábado, até final de março, nas redes sociais da Inominável Companhia de Teatro
Crédito da arte: Lucas Buchile

Setor supermercadista cresce e com ele também a qualificação dos seus profissionais

Pensando em melhorar a performance dos gerentes do segmento, a Neoconnection realiza o curso Gerente Geral de Supermercado 5.0, que acontece entre os dias 05 de abril e 30 de junho, através da plataforma on-line Zoom.

Um dos segmentos em crescimento neste período de pandemia é o do varejo alimentício. Segundo o Índice Nacional de Vendas da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), apurado pelo Departamento de Economia e Pesquisa da entidade, o ano de 2020 foi muito positivo para o setor supermercadista, que acumulou alta real (deflacionada pelo IPCA/IBGE) de 9,36%, de janeiro a dezembro, em relação ao mesmo período de 2019. Com esse volume de vendas, muitas redes têm expandido a sua operação e novos supermercados estão sendo abertos. Com isso, o setor tem investido mais, não só em tecnologia como também nos seus colaboradores, para profissionalizar ainda mais os negócios a fim de aumentar os lucros e minimizar as perdas. Por isso, cada vez mais a qualificação técnica e comportamental se faz necessária para atuar nesse segmento.

Pensando em melhorar a performance profissional dos Gerentes de Supermercado, o especialista Marcos Escudeiro, que é uma referência no varejo brasileiro, atuando há mais de 30 anos, juntamente com Marcelo Ramalho, que também é um profissional do varejo com grande experiência em educação superior e corporativa, idealizaram o curso Gerente Geral de Supermercado 5.0. O curso conta com um time de 20 especialistas, que vão compartilhar seus conhecimentos profissionais, bem como informações relevantes para alavancar a carreira dos gerentes..

Segundo Escudeiro, o curso de atualização e aperfeiçoamento vem para oferecer uma visão generalista, totalmente diferente dos cursos oferecidos no mercado. “O varejo brasileiro cresceu exponencialmente nos últimos anos. Trata-se de um segmento promissor e de grande empregabilidade, que valoriza profissionais bem preparados. Com nossa expertise no mercado, procuramos dar abrangência aos temas com foco na efetiva operação de uma loja. Não falamos de estratégia, compras, pricing ou categorias, mas da efetiva operação do dia a dia de uma loja, razão pela qual procuramos especialistas atuantes, que trarão conteúdos de peso com experiência e vivência no varejo”.

Sobre o Curso Gerente Geral de Supermercado 5.0

O curso Gerente Geral de Supermercado 5.0 vem suprir a demanda atual e complementar a formação de gerentes ou futuros gerentes de supermercados, hipermercados, atacarejos, mercadinhos etc. O curso, que será realizado pela Neoconnection, acontecerá entre os dias 05 de abril e 30 de junho de 2021, e terá 78 horas de conteúdo com aulas de 02 horas, às segundas, terças e quartas-feiras, das 19h30 às 21h30, através da plataforma online Zoom.

Escudeiro comenta ainda que os participantes do curso estarão muito mais preparados para este mercado. “O gerente geral deve ser um generalista, ou seja, conhecer os diversos setores da loja e suas especificidades. É comum que tal conhecimento só seja adquirido com muitos anos de trabalho. Somente alguns profissionais tiveram a oportunidade de estagiar por um período em todas as áreas da loja. Portanto, o curso é uma ótima oportunidade para ampliar a visão e atuação desse profissional”.

Os temas abordados no curso serão: manutenção predial, elétrica e refrigeração, alvarás de funcionamento, infraestrutura de TI, ambientação e comunicação na loja, imprensa e relacionamento com a comunidade, pesquisas de localização, marca e consumidor, higiene e manipulação de alimentos, sistemas modernos de embalagens para alimentos, açougue e demais proteínas in natura, hortifruti, frios, queijos, padaria, vinhos, cafés, gestão de equipes, legislação trabalhista na loja, legislação do consumidor, Lei Geral de Proteção de Dados, gestão de riscos, prevenção de perdas, desperdício de alimentos, gestão de resíduos e demonstração de resultados.

O curso é voltado para profissionais com nível superior ou curso médio, que possuam ao menos dois anos de atuação em cargos de chefia em lojas de alimentos. O curso oferece Certificado de Participação, que será enviado eletronicamente no final do curso, mediante presença de 75% das aulas.

SERVIÇO:
Curso Gerente Geral de Supermercado 5.0
Data: de 05 de abril a 30 de junho de 2021.
Dias e horários: segundas, terças e quartas-feiras, das 19h30 às 21h30.
Carga horária: 78 horas de conteúdo; aulas de 02 horas de duração a cada encontro, através da plataforma online Zoom.
E-mail: neoconnection.eventos@gmail.com
Informações para imprensa: 41-9101-0830 (Ines Dumas)
Informações e inscrições:
https://www.sympla.com.br/curso---gerente-geral-de-supermercado-50__1143174