Livro Boa noite, Estrela! ensina empatia para crianças

Empatia é a palavra e o sentimento coletivo da pandemia. Para ensinar as crianças os valores, a empatia e o bem estar animal, a escritora Denise Becker lança o livro Boa Noite, Estrela! Seus amiguinhos também estão dormindo.

“Essa história fez parte do meu cotidiano por muitos anos. Passei longos períodos indo e vindo da fazenda de meus pais, além de ficar nas férias escolares na casa de minha vó, que tinha galinhas e vaca leiteira no quintal. Uma vivência extraordinária que me trouxe conhecimento do mundo animal. Foi com essas lembranças que despertou a vontade de escrever sobre tudo o que acontece com os animais na hora de dormir. Carinho familiar e motivação para o bem estar animal Desenho de personagem Descrição gerada automaticamente com confiança médiaadquirida desde criança”, explica a autora.

A potrinha Estrela brinca o dia inteiro com os amiguinhos na fazenda e à noite, na hora de dormir, Estrela pergunta para a mãe Celeste quem dorme em pé, quem dorme deitado, quem cochila com um olho só e se preocupa se todos estão bem e seguros assim como ela.

Um livro lindamente ilustrado pela artista plástica Kelly Kreis Taglieber e vai ser um recurso visual incrível para os pais mostrarem aos seus filhos na hora da leitura.

O livro “Boa noite, Estrela! seus amiguinhos também estão dormindo”, da editora Philia, está à venda pela livraria Letras Amigas que tem frete grátis para todo o Brasil. https://letrasamigas.com.br/catalogo/lancamentos/

Sobre a autora – a catarinense Denise Becker é fotógrafa documental e artística desde 2010 com doze livros de fotografia, todos clicados em Santa Catarina. Mãe de duas meninas, desde jovem já escrevia poesias e histórias infantis. Em 2019, fundou a Editora Philia e na sequência escreveu os três primeiros livros infantojuvenis lançados na 1ª Bienal Virtual do Livro de S.Paulo(2020). http://denisebecker.com.br/

Condor realiza mutirão online de empregos para PCD

O Condor Super Center realiza o primeiro mutirão online para contratar novos colaboradores PCD (Pessoas com Deficiência) para atuar nas suas lojas em Curitiba e Região Metropolitana, nas áreas operacionais de empacotador e repositor. Para participar da seleção, os interessados devem cadastrar o currículo no site www.condor.com.br/trabalhe-conosco e confirmar interesse até o dia 08 de fevereiro pelo WhatsApp: 41 99104-9741.

As vagas são destinadas exclusivamente para pessoas com deficiência, acima de 18 anos e que tenham disponibilidade de horário.

Observação: não serão recebidos candidatos ou currículos presencialmente.

Para dúvidas ou outras informações, favor entrar em contato pelo telefone 41 3888-2122 ou enviar e-mail para escoladadiversidade@condor.com.br.

Tendências do varejo em seis highlights

Na tradicional devolutiva ao mercado, Grupo OM pontuou destaques capturados na edição remota 2021 do NRF Retail´s Big Show

O especialista em varejo Zeh Henrique Rodrigues, diretor da Brainbox e VP de Planejamento do Grupo OM Marketing & Comunicação, apresentou nesta quinta-feira os principais highlights observados no NRF Retail´s Big Show, maior evento de varejo do mundo, realizado em Nova York, que pela primeira vez foi transmitido de forma digital.

Após fazer um recorte sobre o cenário geral dos impactos das restrições impostas pela Covid-19 no cotidiano mundial – e na realização presencial do NRF Retail´s Big Show – Zeh Henrique dividiu sua apresentação em seis insights, intitulados: nostalgia cura, higiene mental, simples e conveniente, smartstores, social & live & selling e metaverse (o novo canal).

O especialista falou para um público de mais de 150 pessoas, que acompanharam a devolutiva pelo Canal do Grupo OM no YouTube (a live está disponível em https://www.youtube.com/watch?v=j0eo-wf1UTI).

Nostalgia cura e higiene mental

Durante os lockdowns, as pessoas mudaram sua percepção sobre o tempo e a realidade. “Alusões saudosistas surgiram como recurso, uma muleta, uma forma encontrada para reduzir o estresse e sentirmos aquela sensação de pertencimento”, disse. Evocar lembranças e resgatar memórias faz da nostalgia a primeira das tendências para o varejo.

Como exemplo, ele citou a performance das vendas dos discos de vinil: um incremento de 50% em 2020 nos Estados Unidos; enquanto que no Reino Unido já se igualam aos números comercializados no começo da década de 90. Neste contexto, a Biblioteca Pública de Nova York resgatou os sons da cidade em um vinil intitulado The Missing Sounds of NY, buscando levar conforto aos ouvintes.

A busca por uma vida e alimentação mais saudáveis, bem como por experiências sensoriais e espirituais, também cresceu com a pandemia. Estes fatores geram oportunidades principalmente quanto ao desenvolvimento de produtos e serviços voltados a rituais de reconexão física e paz mental. “Nossa racionalidade despenca em momentos de stress. É por isso que serviços como academia, atendimento psicológico, meditação e tantos outros estão em alta”, fala.

A Garrett Leight, tradicional marca de acessórios, vislumbrou a oportunidade e criou um conjunto de lentes de óculos que, graças à cromoterapia, permite ao usuário atingir estados mais contemplativos.

Simples, conveniente e consciente

Zeh Henrique lembrou da era da simplicidade, onde as marcas assumem o papel de solucionar problemas diários dos consumidores, ampliando a sua relevância e promovendo a fidelização. “A simplificação de mix de produtos e serviços, das jornadas, de processos e dos meios de pagamento é imperativa para fidelizar clientes”, frisou.

Se já era desafiador manter a atenção do consumidor, em 2020 as marcas foram colocadas à prova. “Os consumidores ficaram ainda mais ansiosos, com menos paciência. Assim, uma jornada mais fluida, eficiente e eficaz faz com que o cliente saia satisfeito e retorne”, disse, citando dados que indicam que 7 a cada 10 compradores on-line no mundo têm abandonado o carrinho de compras em função das distrações do ambiente e do canal.

Na pegada da simplicidade e da solução de problemas, ele citou ideias como o auto-refill, serviços por assinatura e pre-order (compras antecipadas). Como exemplos, a Amazon Smart Dash, que lançou aplicativo para recompras automáticas de itens necessários; e a Freshly, com a proposta de oferecer por assinatura comidas prontas repaginadas, mais saudáveis e nutricionais. A marca, adquirida recentemente pela Nestlé, já vende cerca de 1 milhão de refeições por semana em 48 estados norte-americanos.

Também em alta serviços como a assinatura de automóvel, como oferecido pela Lynk & Co., com seguro e manutenção incluídos e com a possibilidade de sublocação. E a entrega de conveniência, praticidade e mobilidade da Gacha by Muji, uma espécie de carro autônomo e elétrico que leva diversas opções de serviço ao consumidor.

E entre as marcas com apelo verde, ele citou as marcas de vestuário Pangaia, a Ikea Spare Parts (que cria peças para reposição) e a chilena Algramo (que, em parceria com a Unilever, oferece refis de produtos de higiene e limpeza).

Smartstores e livestreamming

Segundo o especialista, estudos da KPMG apontam que em 2023, 25% do varejo físico deixará de existir. E, até 2025, 50% de todas as vendas do varejo serão on-line. “A tendência é transformar o e-commerce em experiências virtuais, onde o consumidor navega pela loja no ambiente on-line. É a digitalização da loja física”, observou.

Outra tendência são as chamadas dark stores, que passaram a atender exclusivamente os pedidos online; e o modelo de livestreaming, totalmente integrado com a tecnologia e com o conceito de merchaintment. Na China, marcas ajudam produtores rurais a migrar do off para o on, um universo com mais de 50 mil usuários cadastrados.

Encerrando a live Pós-NRF, Zeh Henrique falou sobre o metaverse como um novo canal. “A ideia do mundo virtual para trabalhar, jogar e socializar não é novidade, mas agora o próximo passo está na integração cada vez maior com o mundo real”, disse. A Microsoft e o Facebook são alguns dos gigantes investindo nos universos virtuais. “E o 5G vem aí, para botar pólvora nessa brincadeira”, acrescentou.

Aos espectadores, Zeh Henrique concluiu sua fala recomendando ao varejo possibilidades como a implementação de canais integrados com foco na simplicidade e convergência, a automatização do processo logístico, a integração de mídias sociais com soluções de pagamento, o desenvolvimento de delivery altamente eficiente, processos de frete e devolução grátis, além de espaços com menos mix e mais serviços.

6ª Mostra Nacional de Teatro NaLona está com inscrições abertas

Interessados podem se inscrever gratuitamente até 14 de fevereiro; apresentações ocorrem de 12 a 27 de março

0=YTY0QzYipjci5SbvNmLhJnclRHQpxGblNWdsFWbhN3cl5WY2pzNwgjM5QDN5AjM6cWZwpmL39Gb4cDNjRjNlBDZiFTNyQjYyETYzATO4MGMyEDNlVTY2YjRyUSY2YjRyUyN5cDMxYkMlgTM5ETM0UDMwEzXtUTMt8VbvNmLyBXbtkmRyUiRyUSQzUycwRHdopTM
Mais de 240 espetáculos já foram apresentados nas cinco edições anteriores da Mostra NaLona (Foto: Divulgação)

Fevereiro, 2021 - A 6ª Mostra Nacional de Teatro NaLona está com inscrições abertas até o dia 14 de fevereiro. Os interessados devem se inscrever gratuitamente pelo site da mostra (https://www.nalona.com.br). Até o momento, mais de 200 espetáculos nacionais e internacionais já foram inscritos na seleção.

Neste ano, o evento conta com três modalidades: presencial, live (ao vivo pela internet) e gravado. Segundo a City Web e Casa de Joana, organizadora da Mostra, já foram inscritos espetáculos de grupos de 20 estados do país, além do Uruguai e Itália.

As apresentações ocorrerão de 12 a 27 de março. Serão ao menos 36 espetáculos, sendo 24 selecionados por meio de edital. As apresentações presenciais serão em Hortolândia, na Região Metropolitana de Campinas (RMC), com público restrito a 30% da capacidade, mantido o distanciamento e regras do Plano São Paulo de combate à Covid-19.

Para as apresentações pela internet será passado um chapéu virtual, um link para que o público possa colaborar com o cachê e manutenção dos grupos e coletivos teatrais.

A Mostra

A Mostra NaLona reúne em suas edições grupos do Brasil e exterior que apresentam um panorama do que se produz no universo das artes cênicas. Com trocas de experiências, debates, cursos e espetáculos, é um festival de referência. Mais de 240 espetáculos passaram por suas cinco edições anteriores, com público de mais de 40 mil expectadores.

A mostra foi viabilizada por meio da Lei Aldir Blanc, do Governo Federal, com o apoio do Governo do Estado de São Paulo/Secretaria de Cultura e Economia Criativa através do projeto ProAC Expresso LAB 40/2020 - Produção de Festivais. A mostra também conta com o apoio da Prefeitura de Hortolândia atraves da Secretaria de Cultura.

Cinema do Shopping Mueller reabre com protocolos de segurança do Hospital Israelita Albert Einstein

A partir de hoje (8/2), Cinemark no Mueller reabre para o público
Para os amantes de cinema, a espera acabou! A partir desta segunda-feira (8), o cinema reabre no Shopping Mueller com rígidos protocolos de segurança. Para tornar a jornada do espectador segura e garantir um ambiente saudável para os colaboradores, a Rede Cinemark fechou uma parceria com o Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo. Um grupo de infectologistas visitou salas da Rede para acompanhar todo o percurso que será feito por clientes e funcionários, orientando e desenhando, em conjunto, os protocolos.
Entre os procedimentos adotados pela Cinemark estão a vedação física das poltronas interditadas (garantindo a ocupação máxima permitida) e filas de espera virtuais para compras de bomboniére. Os processos de higienização também foram totalmente reformulados: há totens de álcool em gel 70% nas dependências, limpeza rigorosa e com curto espaço de tempo nos banheiros, além do uso de EPIs pelas equipes de limpeza. Nas salas, as principais áreas de contato de todas as poltronas serão higienizadas, manualmente, nos intervalos entre cada sessão.
A tecnologia também é aliada da Cinemark no processo de reabertura, garantindo o distanciamento social em toda a jornada do cliente ao evitar filas e aglomerações. Os ingressos poderão ser comprados pelo aplicativo da Rede ou escaneando o QR Code diretamente nas comunicações do cinema. Aqueles que comprarem entradas e combos pelo celular, diretamente no cinema, não terão custo extra. Os ATMs, localizados próximos às bilheterias, também realizarão a venda de ingressos. Apenas um caixa estará aberto, exclusivo para pagamentos em dinheiro.
Para quem quer sentir de novo o gostinho do cinema, as pipocas e produtos da Cinemark poderão ser adquiridos também pelo aplicativo e nos ATMs. Quando o cliente desejar que o pedido seja preparado, basta acessar o QR Code presente nos materiais de comunicação, que irá direcioná-lo para o número de Whatsapp da Rede, por onde poderá enviar o número pedido. O espectador também pode optar por se dirigir aos caixas indicados para a liberação das solicitações. Para retirar os pedidos na bomboniére, basta aguardar até ser chamado no painel eletrônico - outro recurso para evitar filas e aglomerações. Os alimentos só poderão ser consumidos dentro das salas.

A sinalização das salas e complexos também foi reformulada, com o objetivo de garantir o distanciamento necessário nas áreas comuns e o uso de máscaras em todos os ambientes. Para atender os protocolos nacionais com o objetivo de obter a melhor qualidade do ar possível, a limpeza do ar-condicionado será realizada com frequência, assim como a troca do sistema de filtragem e a renovação do ar. Os colaboradores da Rede passaram por amplo treinamento, tanto para reforçar a segurança das equipes quanto para tirar as dúvidas dos espectadores.
Para conferir os detalhes, os materiais informativos e as salas em operação, acesse http://www.cinemark.com.br/protocolo.
Em cartaz
Os filmes que estão em cartaz na Cinemark do Shopping Mueller são: Convenção das Bruxas; Destruição Final – O Último Refúgio; Legado Explosivo; Mulher Maravilha 1984; Pinóquio; e Trolls 2.

SERVIÇO:
Cinemark do Shopping Mueller
Local: Avenida Cândido de Abreu, 127 - Centro Cívico / Curitiba (PR)
Telefone: 41 3074-1000
Informações: www.shoppingmueller.com.br
Facebook: www.facebook.com/MuellerCtba
Instagram: @muellercwb

CORECONPR defende o modelo de Menor Preço na nova concessão do pedágio no Paraná

O Conselho Regional de Economia do Paraná (CoreconPR), com o objetivo de contribuir com o seu conhecimento técnico em prol do desenvolvimento socioeconômico do Estado, tem participado ativamente das discussões sobre o novo modelo de concessão de pedágio a ser implantado nas rodovias paranaenses, com validade para 30 anos. O posicionamento da entidade é contrário ao projeto de concessão no chamado modelo Híbrido, com menor tarifa de pedágio, seguido de maior valor de outorga. No documento emitido pelo CoreconPR ao governador Carlos Massa Ratinho Junior, é defendida a adoção do modelo de Menor Preço.

O Governo de Estado abriu na quinta-feira (04/02) uma série de debates públicos, para ouvir sugestões da sociedade. Várias entidades já se posicionaram, assim como o CoreconPR na defesa para a adoção do modelo Menor Preço, sem cobrança de taxa de outorga, respeitando as melhores técnicas de projetos, para uma tarifa mais barata pelo custo benefício que irá oferecer para a sociedade. Ainda, alerta que a base produtiva do Estado é essencialmente do agronegócio, setor que emprega cerca de 40%, e qualquer sobrecusto impacta na renda do trabalhador e pode comprometer a competitividade dos diversos negócios.

Na carta enviada ao governador, o CoreconPR enfatiza os pontos negativos do modelo Híbrido, que prevê a licitação por menor tarifa, mas ocorrendo empate das empresas, levará quem pagar o maior valor de outorga. A entidade destaca que o valor proposto na primeira rodada com desconto de 15% a 17%, já poderá estar inflado para poder ter margem para uma outorga generosa ao Governo, em caso de empate, que poderá acarretar em preços maiores na cobrança do pedágio. Reafirma a defesa pelo modelo Menor Tarifa, para que não haja outorga nem para o Governo Federal e nem para o Governo do Paraná.

O documento redigido pelos economistas do CoreconPR, apresenta evidências técnicas, que apoiam um programa de pedagiamento que respeite as melhores técnicas de projetos, resultando no melhor custo/benefício para a sociedade, que é a licitação pelo modelo de Menor Preço para os usuários. Também se colocou à disposição para debater o assunto e colaborar para a grandeza do Estado do Paraná.

Acompanhe a Carta:

Carta do CoreconPR sobre a Concessão de Pedágios ao Governador

O Conselho Regional de Economia do Paraná (CoreconPR), dentro de suas preocupações com o desenvolvimento socioeconômico de nosso Estado e também do País, tem participado ativamente das discussões sobre o novo Programa de Concessões de Rodovias em nosso Estado. Diante de uma situação que impacta toda a cadeia produtiva do Estado do Paraná, que é o preço do pedágio, considerado um dos mais caros do País, a entidade vem manifestar o seu posicionamento contrário ao sistema defendido para as novas concessões, que é o Híbrido. A posição desta entidade é de que o melhor para a economia paranaense e para os usuários das rodovias é o modelo de Menor Preço. Por isso, enviou no dia 05 de fevereiro, o ofício que contém os dados técnicos abaixo, justificando a sua defesa ao Governo do Estado do Paraná.

Introdução

No dia 26 de janeiro do corrente ano ocorreu uma reunião na sede da FIEP com a participação presencial de autoridades do Ministério de Infraestrutura, do Governo Estadual, Parlamentares e Representantes de Entidades de Classe para uma apresentação final do referido Programa. A reunião foi transmitida ao vivo para o público.

Em função dos ocorridos na mesma, a entidade signatária da presente, tomou a decisão de reafirmar a sua posição pela manutenção do julgamento das licitações pelo chamado critério de Menor Tarifa e, fazer considerações sobre alguns pontos críticos do Programa e dos debates.

No início do ano passado foi reunido um grupo de representantes para discutir o Programa, envolvendo um grande número de Entidades, Câmaras Municipais, Prefeituras, Assembleia Legislativa e a Bancada Federal. Esta última apresentou um manifesto descrevendo o histórico da questão, adotando um posicionamento em favor do Modelo de Menor Tarifa, o qual foi endossado por toda a Comunidade referida.

Imediatamente resultou no apoio de diversas Entidades e Movimentos, inclusive com a criação de uma Comissão Especial na Assembleia Legislativa, resultando num respaldo ao Governo do Estado para que não abrisse mão da Menor Tarifa, especialmente porque a população do Estado já foi massacrada durante mais de duas décadas pelos pedágios dentre os mais caros do País e, em contrapartida desfrutando de uma malha rodoviária repleta de deficiências e obras não realizadas.

Se pudéssemos fazer a conta do quanto foi o sobrecusto pago pela nossa economia nesse período, chegaríamos a valores consideráveis (de vários bilhões de reais de diferença) a mais do que se tivéssemos as tarifas do tipo das BRs 116 e 376 que cruzam nosso Estado, as quais estão próximas de um quarto do valor das tarifas do Anel de Integração do Paraná, além de totalmente duplicadas.

Modelo

— Na reunião na FIEP com as Autoridades do Minfra, com atraso de cerca de um semestre, tivemos enfim o conhecimento do projeto, o qual traz efetivamente grandes avanços tecnológicos e estruturais para nossas vias. É evidente que alguns detalhes poderão ser melhorados, mas isso não desmerece sua alta qualidade e inovação.

— A grande divergência permanece no Modelo de Licitação, quando o Minfra insiste no Modelo Híbrido. Primeiramente é fundamental afirmar que neste Modelo ou no de Menor Tarifa, os Projetos de implantação não se alteram, pois é igual para qualquer dos casos. Assim, não se faz necessário misturar os conceitos dos projetos com os dos modelos.

— O que é o Modelo Híbrido? No julgamento das licitações ambos partem de um mesmo preço de referência para se atingir os objetivos, entretanto no modelo de Menor Tarifa os concorrentes que satisfaçam as exigências técnicas e legais apresentam suas propostas de desconto sobre o valor de referência e ganha quem oferecer o maior desconto, propondo a menor tarifa para os usuários.

No Modelo Híbrido os concorrentes também apresentam propostas de descontos, mas tendo um limite de 15% a 17% (quinze a dezessete por cento). Ocorrendo empate entre concorrentes passa-se para um segundo critério, aquele que oferece a maior outorga ao Governo. Ora, se algum concorrente se dispõe a dar maior valor de outorga mantendo o preço que vai cobrar dos usuários, é óbvio que o preço proposto na primeira rodada com desconto de 15% a 17% já é inflado e tem margem para permitir dar outorga generosa ao Governo, mas cobrando essa diferença nas tarifas do pedágio em caso de empate.

Este fato se assemelha a uma tributação disfarçada que o governo tende a cobrar, intencionalmente ou não, justamente sobre um segmento deficiente de nossa economia, qual seja a infraestrutura de transportes terrestres, encarecendo o valor do esforço de investimento e levando a que se gaste muito mais para um mesmo resultado macroeconômico (maior custo benefício).

Estudo feito para a FAEP em 2005 avaliou que aproximadamente 40% do valor das tarifas pagas no Anel de Integração se referiam à amortização das outorgas. Outro elemento de custos significativo foi a absurda tributação dos pedágios pelo ISS das Prefeituras, que se torna maior se maior for a sua base (tarifa).

Algumas vozes se mobilizaram para ao menos ampliar o valor de desconto permitido na primeira fase, passando para a faixa de 20% a 30%, entretanto isso também é descabido por pelo menos dois pontos: é uma ofensa à livre concorrência e, nas licitações de BRs nos últimos dois anos pela Menor Tarifa, os descontos ultrapassaram 40%, pois muitos dos concorrentes têm “fatores externos” que lhes permitem cobrar menos e remunerar adequadamente os seus serviços, beneficiando a economia.

Os exemplos estão aos nossos olhos, usando a BR-116 entre Curitiba e São Paulo (± 400 km) se paga R$ 19,80, um valor total de pedágios menor do que de Curitiba a Paranaguá BR 277 (± 100 km) = R$ 21,70. A razão básica está em que na licitação BR-277 houve pagamento de Outorga, ou seja, foi o tal modelo do quem paga mais pela outorga ganha a concessão. Várias empresas e cooperativas que partem do interior do Estado para Paranaguá fizeram contas de avaliações sobre o impacto dessas diferenças de preços, demonstrando quanto às cadeias produtivas poderiam ter economizado se a BR 277 estivesse nos padrões de preços da BR 116. Os resultados são dramáticos.

— A garantia de cumprimento dos contratos tem sido usada como argumento de defesa do Modelo Híbrido, o que não tem propósito. O que realmente garante os resultados é a qualidade dos competidores, o volume e qualidade das garantias entregues, o histórico cadastral deles — ficha limpa — e a rigidez no controle da execução dos projetos.

A tentativa de dizer que o novo Modelo dá tal garantia é uma fantasia para tentar justificar a retomada do pagamento de outorgas. O tipo de garantia aqui defendida, a qual se considera mais consistente, é a criação de “depósitos financeiros de caução”, constituídos em valores fortes, em títulos de Governo e representativos na dimensão do projeto.

No formato proposto, 70% dos valores seriam paulatinamente liberados em sincronia com a execução dos investimentos previstos no edital, mas os restantes 30% do lastro só o seriam depois de executado e auditado o integral cumprimento dos investimentos. Como o Programa compreende grandes extensões de vias para cada concessão, somente grandes grupos terão condições de enfrentar o risco, logo não terão dificuldades em constituir as garantias. Aliás, a repartição em grandes extensões é uma questão que deveria ser revista nas próximas licitações, porque dificulta a formação e o ingresso de consórcios regionais e favorece a desnacionalização da atividade.

Projeto Técnico da Concessão

— O Modelo Híbrido apresentado tem uma questão interessante: se o ganhador da licitação recorrer a empréstimos em moeda estrangeira, poderá ser criado um acréscimo de tarifa para constituir um fundo de garantia para eventuais prejuízos em flutuações cambiais (hedge), o qual será incorporado à tarifa. Inicialmente deve-se registrar que quem não tiver lastro financeiro para suportar os riscos do negócio não pode concorrer, também vem a pergunta: Mas se não ocorrer o risco, o adicional pago pelos usuários será devolvido a cada um?

Os contratos de concessão usualmente preveem que periodicamente sejam feitas revisões tarifárias em função de fatos imprevistos, exatamente para cobrir tais casos, logo não cabe se estabelecer mais este ônus prévio e incabível. Adicionalmente, há pouco tempo tivemos em nosso Estado decisões judiciais que determinaram reduções tarifárias de pedágios — compliance — como punição por desvios de conduta em cobranças efetuadas, fato que está mobilizando especialmente empresas de maior porte e usuários frequentes a ingressarem com procedimentos judiciais para reaver os sobrepreços pagos, causando uma jurisprudência fazendo com que o Modelo Híbrido, além de onerar mais o custo Brasil e o custo Paraná, pode trazer mais desgaste político a esta governança, além de custos superiores ao benefício oferecido pela outorga.

— Os reajustes tarifários como propostos para a duplicação de trechos são uma impropriedade do projeto, pois entende-se que as tarifas são resultantes de uma fórmula que considera custos fixos e variáveis comparados aos volumes de tráfego. A proposta de permitir um reajuste automático de 40% quando da conclusão da melhoria projetada fere a relação técnica e provavelmente vai levar a que algumas tarifas fiquem próximas das atuais. O projeto já ampliou os prazos de concessão para os longínquos 30 anos, exatamente para permitir uma melhor condição de diluição de custos, atenuando impactos tarifários. O usual nesses casos é a adoção dos chamados gatilhos de compatibilização, para adequar a remuneração dos Concessionários paulatinamente às melhorias introduzidas na operação, levando em conta outros fatores, inclusive o aumento de tráfego que disparou o gatilho. A forma como é apresentada esta proposta conflita com os anseios da sociedade, do setor produtivo, logístico e dos princípios de sua governança.

A TIR — Para determinação do valor de referência da tarifa de pedágio, o Minfra, usando metodologia da ANTT, estabeleceu para as novas concessões de rodovias, a TIR, neste caso estabelecida como “não alavancada” e anual de 8,47%.

Aplicando-se a TIR de 8,47% em todo o período de 30 anos de duração da concessão de 30 anos, obtém-se 10,46 vezes o capital investido, isto é, R$ 100,00 após 30 anos, a valores atuais, serão R$ 1.146,00. O retorno do capital investido seria de: 9,06 vezes, caso da TIR não alavancada fosse reduzida para 8%, portanto qualquer redução na TIR, mesmo que centesimal, terá elevado impacto na tarifa de referência na nova concessão de rodovias.

Tal redução é factível e necessária. Acrescente-se ao fato de que a concessão será um monopólio, i.e., não existirá outra concessionária operando na mesma rodovia compartilhando ou angariando usuários, mas será decorrente da ínfima redução da TIR de 8,47% para 8%, aplicada ao CAPEX.

Novos investimentos no valor de R$ 0,2 bilhões poderiam ser realizados, ou mesmo aplicados na redução de tarifa para os usuários, se houvesse ínfima redução da TIR de 8,47% para 8% ao CAPEX do projeto de R$ 42 bilhões.

Na apresentação foi destacada a TJLP de 2,25% e 0,75% para financiamentos com prazo até 5 anos ou superior, respectivamente. Considerando-se na análise da TIR essas TJLP e a TIR não alavancada de 8,47%, resulta numa TIR anual alavancada pelo empréstimo superior a 15%. Essa TIR alavancada permite a redução da TIR não alavancada dos atuais 8,47%, para 8% e mesmo para 7%.

Duplicações — Também na proposta o Minfra fixou um acréscimo tarifário de 40% quando a rodovia passa de pista simples para pista dupla, o denominado grau tarifário. Esse acréscimo de um lado serve para assegurar com maior probabilidade para o futuro concessionário priorizar as obras de duplicação, de outro é uma carga adicional para os usuários. Acrescenta-se que o grau tarifário em outras concessões no Brasil é ao redor de 25%. Os 15% a mais no degrau tarifário no Paraná serão um valor a onerar os produtos transportados no Estado, espécie de tributo compulsório, que afetará a competitividade dos mesmos e o nosso desenvolvimento.

Base legal

Em síntese específica, as propostas acima estão em sintonia com o que dispõe a Lei 10.233/2001, artigos 2º e 3º, in verbis:

Art. 2o O Sistema Nacional de Viação — SNV é constituído pela infraestrutura viária e pela estrutura operacional dos diferentes meios de transporte de pessoas e bens, sob jurisdição da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios.

Parágrafo único. O SNV será regido pelos princípios e diretrizes estabelecidos em consonância com o disposto nos incisos XII, XX e XXI do art. 21 da Constituição Federal.

[ ... ]

Art. 4o São objetivos essenciais do Sistema Nacional de Viação:
I – dotar o País de infraestrutura viária adequada;
II – garantir a operação racional e segura dos transportes de pessoas e bens;
III – promover o desenvolvimento social e econômico e a integração nacional.

§ 1o Define-se como infraestrutura viária adequada a que torna mínimo o custo total do transporte, entendido como a soma dos custos de investimentos, de manutenção e de operação dos sistemas.

§ 2o Entende-se como operação racional e segura a que se caracteriza pela gerência eficiente das vias, dos terminais, dos equipamentos e dos veículos, objetivando tornar mínimos os custos operacionais e, consequentemente, os fretes e as tarifas, e garantir a segurança e a confiabilidade do transporte. (Grifo nosso)

Conclusões

Os Deputados Federais do Paraná em reunião no final de 2020 com a Empresa de Planejamento e Logística — EPL enfatizaram a posição de que não abrem mão de um leilão de menor tarifa para as Rodovias de Integração do Paraná. Segundo eles, a tarifa mais baixa é a pauta deles até convencerem o Governo Federal. Hoje está encaminhado um sistema misto (híbrido), com limite de desconto e cobrança de cessão onerosa.

Para nós, o modelo deve ser o de investimento em menor tarifa. Não pode ter outorga nem para o Governo Federal e nem para o Governo do Paraná. O paranaense já pagou demais por causa dos contratos firmados na década de 1990 e, por isso, não vamos aceitar outorga alguma neste novo processo.

Em procedimento similar, os Deputados Federais e os Senadores do Paraná foram signatários de ofício ao Ministro da Infraestrutura defendendo o modelo de concessão pela menor tarifa, pois as tarifas de pedágio se constituem hoje num fator de perda de renda e competitividade de nossas cadeias produtivas. Como nossa base produtiva é essencialmente do Agro, somente cerca de 40% do emprego está na lavoura, portanto qualquer sobrecusto impacta na renda de trabalhadores de uma infinidade de outros segmentos, além de comprometer a competitividade geral dos diversos negócios.

Hoje as tarifas dos pedágios do Paraná estão entre as mais caras do País, enquanto em contrapartida o padrão de nossa malha não condiz com a tarifa paga pelo paranaense, salvo raras exceções.

Diante das evidências técnicas, fizemos solicitações ao governador, que diante de tais fatos, lidere a implantação de um programa de pedagiamento de rodovias que respeite as melhores técnicas de projetos, resultando no melhor custo/benefício para nossa sociedade, que é a Licitação pelo modelo de Menor Tarifa para os Usuários e, assim passe para a história de nosso Estado como o Governador que fez a grande reforma do sistema rodoviário de nosso Estado, reduzindo custos operacionais e aumentando a competitividade de nossa economia.

Projeto social Stars Save Lives lança campanha de arrecadação para combate à COVID-19

O jogador de futebol Daniel Alves juntamente com o Stars Save Lives lança uma campanha de arrecadação de fundos focada na distribuição de máscaras de alta proteção, testes de COVID-19 e vacinas gratuitamente para pessoas de países de baixa renda.

Stars Save Lives - Daniel Alves (2).jpg

Lide Multimídia - O projeto social Stars Save Lives lança uma campanha de arrecadação de fundos na plataforma GoFundMe e ao lado do jogador de futebol Daniel Alves e de outras estrelas de todo o mundo convida pessoas a contribuir.

A companhia de caridade Stars Save Lives, sediada no Reino Unido, visa distribuir máscaras de proteção, testes rápidos de COVID-19 e vacinas gratuitamente para pessoas de países de baixa renda.

Stars Save Lives é um projeto global, apoiado por estrelas lendárias que abraçam a causa para espalhar a mensagem e mudar o mundo para melhor. Isso inclui o lendário jogador de futebol brasileiro Roberto Carlos (embaixador do Stars Save Lives), o capitão do pentacampeonato mundial Cafu, o embaixador do Barcelona Ronaldinho Gaúcho e o excelente goleiro colombiano René Higuita.

“O vírus não tem fronteiras, e pode afetar todos nós”, alerta Daniel Alves, que é hoje o jogador com mais títulos oficiais na história do futebol, com mais de 40 troféus, incluindo a aclamada Champions League, Copa América e muitos outros. “Visamos manter as pessoas seguras. Mesmo a menor doação nos ajudará a alcançar nossa meta de arrecadação de fundos”, afirma o atleta que joga atualmente no São Paulo Futebol Clube, com passagens pelo Barcelona, Paris SaintGermain, Juventus e pela Seleção Brasileira. Daniel Alves abraçou outros projetos filantrópicos em sua carreira, entre eles uma campanha ambiental com o príncipe William, em 2020.

Pessoas interessadas em contribuir devem acessar a página da campanha na plataforma Gofundme (www.gofundme.com/f/starssavelives). A doação pode ser feita em qualquer moeda. O objetivo é alcançar a quantia de 100 milhões de libras. Além de doar, também é possível ajudar compartilhando o link GoFundMe e seguindo as páginas do Stars Save Lives nas redes sociais, que ajudarão a expandir o projeto. Para contribuir e obter mais informações, acesse os canais de comunicação:

Campanha de arrecadação:
www.gofundme.com/f/starssavelives

Site:
www.starssavelives.com

Redes Sociais:
Instagram: www.instagram.com/starssavelives
Facebook: www.facebook.com/starssavelives
Weibo: www.weibo.com/starssavelives

JURASSIC SAFARI EXPERIENCE CHEGA EM MARÇO A CURITIBA COM AVENTURA INESQUECÍVEL PARA TODA A FAMÍLIA

“Após temporadas de estrondoso sucesso no Rio de Janeiro e em São Paulo, que contaram com mais de 200 mil espectadores até o momento, a megaexperiência chega à capital paranaense a partir de 06 de março, levando diversas réplicas animadas de dinossauros em tamanho real que irão correr ao redor dos carros em performances e movimentos impressionantes no estacionamento do restaurante Família Madalosso”

À sua esquerda um tiranossauro rex. À direita um Triceratops. Assim é o Jurassic Safari Experience, a maior aventura jurássica de todos os tempos, que vem pela primeira vez a Curitiba. A estreia acontece no dia 06 de março e a temporada de apresentações segue até o dia 04 de abril no estacionamento do Restaurante Família Madalosso (Av. Manoel Ribas, 5875). O megaevento de dinossauros em tamanho real é uma opção de passeio para toda a família e traz muita interatividade, diversão e ciência em um ambiente lúdico, recheado de conhecimento, experiência e aventura. Tudo isso acontece como em um safari, ou seja, sem a necessidade de sair do carro.

Desde a chegada ao estacionamento, o visitante de Jurassic Safari Experience já terá a sensação de ter voltado no tempo. Os participantes irão percorrer em seus carros um caminho com réplicas de dinossauros em tamanho real. Ao final deste percurso, os veículos serão direcionados a um espaço em que serão estacionados em frente a uma arena para o início do show. A apresentação contará a história de um grupo de cientistas que recriou dinossauros de diversos períodos a partir do DNA de fósseis. Dinossauros que agora vivem, ali, dentro desse mundo de fantasia.

O público irá se surpreender com as diversas réplicas de répteis pré-históricos animados por técnicas de manipulação humana e animatronic, que irão correr pelo espaço em performances e movimentos impressionantes ao redor dos carros. Todo o conteúdo de Jurassic Safari Experience tem supervisão de um paleontólogo para que ficção e educação desempenhem a sinergia perfeita.

O acesso ao áudio das apresentações poderá ser feito por meio de canal FM do rádio do veículo. Outra novidade é que a compra de alimentos, bebidas e souvenires é feita via QR code no celular.

As sessões acontecem quintas, sextas, sábados e domingos, e os ingressos custam entre R$120,00 e R$210,00 (carro para até quatro ocupantes - independente da idade) e estão à venda pelo site www.jurassicsafari.com.br. A experiência completa, safari + show, tem duração de cerca de 55 minutos. Mais informações no serviço.

Sinopse do espetáculo
Uma fantástica experiência ao lado de criaturas pré-históricas que resolveram adotar o Curitiba como seu habitat natural. Jurassic Safari Experience se passa em um parque imaginário construído por cientistas que conseguiram recriar dinossauros de diversos períodos, como triássico, jurássico e cretáceo. Ao entrarem, os visitantes já terão contato com alguns destes animais gigantes enquanto dirigem seus carros até o local da apresentação. Ao chegarem à arena, uma nova viagem começa. Mike, rapaz jovem e engraçado, será o nosso guia neste mundo encantado em que enormes répteis voltam à vida e interagem com a plateia. Durante toda a apresentação, Mike estará presente para nos explicar sobre o surgimento do Jurassic Safari Experience e como esses animais magníficos foram parar ali, além de dar detalhes científicos de cada um deles. O público irá se encantar com espécies de dinos como braquiossauros, estegossauros, anquilossauro, triceratops, o temido T-Rex e muitos outros. Uma aventura inesquecível para toda a família.

Pesquisa científica
Todo o conteúdo do megashow tem supervisão de Bruno Gonçalves Augusta. Paleontólogo integrante do Laboratório de Paleontologia – Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo (MZUSP), Bruno possui graduação em Ciências Biológicas pelo Centro Universitário Fundação Santo André (2007) e Mestrado em Sistemática, Taxonomia Animal e Biodiversidade pelo Museu de Zoologia da USP (2013). Realizou doutorado no Programa de Pós-Graduação em Zoologia do Instituto de Biociências da USP e é coordenador geral do Grupo CienciAção - Divulgação Científica. Tem experiência nas áreas de Zoologia, com ênfase em Paleozoologia; e Divulgação Científica, com ênfase em educação não-formal de Paleontologia em Exposições, Museus e Centros de Ciência. Sua pesquisa está concentrada em ontogenia, morfometria e filogenia de répteis fósseis.

Sobre Chaim Entretenimento
Chaim Entretenimento é uma das maiores produtoras de entretenimento do país. Há 25 anos no mercado, já levou mais de 10 milhões de espectadores em seus mais de 100 espetáculos, entre teatros, musicais, eventos e projetos especiais para shoppings.
@chaimentretenimento
www.chaimentretenimento.com.br

Redes sociais:
@jurassicsafaribr
@chaimentretenimento
@agenciataga

SERVIÇO:
JURASSIC SAFARI EXPERIENCE
QUANDO: de 06 de março a 04 de abril de 2021
LOCAL: Estacionamento Restaurante Família Madalosso (Av. Manoel Ribas, 5.875)
HORÁRIOS:
- Quintas e Sextas – 19h e 20h30
- Sábados e Domingos – 11h30, 14h30, 17h30 e 19h
INGRESSOS: os valores variam entre R$120,00 e R$210,00 por veículo com até 4 pessoas.
Quantidade máxima de pessoas por carro - 4
Quantidade de carros - 100 (independente da idade)
VENDA ONLINE - www.jurassicsafari.com.br
CLASSIFICAÇÃO ETÁRIA: Livre

Arquitetura

O prestigiado International Design Awards (IDA) elegeu o interior da OX Room Steakhouse, de Curitiba, como o mais bem decorado do Brasil e um dos mais belos do mundo. O prêmio, que é um reconhecimento ao celebrar e promover arquitetos visionários de design excepcionais e também para descobrir talentos emergentes em arquitetura, interiores, gráficos e designs de moda do mundo todo, concedeu o troféu de bronze ao projeto do escritório curitibano Guilherme Bez na categoria ‘design de interiores’. Nenhum outro empreendimento brasileiro foi premiado nesta categoria.

O projeto da OX Room Steakhouse, idealizado há dois anos por Bez e sua equipe, mistura os estilos rústico, contemporâneo e industriam para fazer uma conexão entre os ambientes da casa – uma combinação de churrascaria, lounge e bar. Um dos destaques da justificativa para o prêmio é a iluminação externa feita com fitas de neon que dão a sensação de brasas brilhantes e lava vulcânica.

Já no interior, a decoração do bar que serve ao restaurante e ao lounge externo foi projetada com iluminação móvel construída em cima de madeira reciclada e trilhos de trem, com uma nuvem de pedaços de lenha pairando sobre ele.

A avaliação do IDA também cita as pinturas artísticas nas paredes externas, com pinceladas que representam a imagem estilizada de um boi visto de frente. “É uma explosão de emoções”, cita a justificativa do prêmio.

“Trabalho em conjunto, detalhista pensado em cada diferencial para que os nossos clientes vivenciassem a experiência OX Room, especialmente no que se refere a arquitetura. Por isso, parabéns a toda equipe, a todos nós e ao nosso arquiteto Guilherme Bez”, diz a OX em um comunicado no Instagram.

São diferentes estilos desenvolvidos, com ambientes mais intimistas para o almoço ou o jantar, descontraídos para o happy hour, e espaços abertos ao ar livre.

Todo o ambiente da OX Room Steakhouse foi projetado pela equipe de Guilherme Bez, com os profissionais Rafaela Nunes de Oliveira, Paola Moraes Costa, Ana Paula Bim, Amanda Schwarz.

Prêmio IDA

O troféu International Design Award (IDA) é uma renomada premiação internacional na área de arquitetura e design que acontece desde o ano de 2007. Projetos de diferentes países participam desta importante premiação

“A IDA procura designers verdadeiramente visionários que exibem criatividade e inovação. Enquanto o mundo lutava com um desafio sem precedentes em 2020, a IDA recebeu um número recorde de inscrições que apresentou ao júri uma enorme tarefa de selecionar os vencedores”, disse Jill Grinda, vice-presidente de marketing e desenvolvimento de negócios da IDA.

Sobre a OX Room Steakhouse

Diferente de uma churrascaria convencional, a OX Room Steakhouse é um restaurante de alta culinária com um lounge bar, drinks autorais e um atendimento diferenciado. São cortes especiais com acompanhamentos e bebidas selecionados especialmente para surpreender o paladar.

A inspiração para a criação da OX veio das steakhouses dos Estados Unidos que se tornaram uma grande febre internacionalmente, onde o churrasco é preparado e apresentado de maneira especial em um ambiente descontraído e ao mesmo tempo diferenciado. Com o objetivo de oferecer uma experiência gastronômica moderna com uma comida incrível em ambiente agradável e inovador.

O cardápio da OX Steakhouse é dividido em opções para o almoço, menu executivo, entradas, saladas, principais de carnes e frutos do mar, surf n’turf (do mar à terra) e sobremesas, com aproximadamente 90 opções na casa. Todas as carnes são certificadas da raça de gado Angus com textura e sabor inigualáveis trazidos diretamente do Rio Grande do Sul para serem selecionadas dentro da própria casa.

A adega de vinhos da OX Steakhouse possui rótulos de 27 regiões do mundo, entre brancos, rosés, tintos e espumantes. Todos os drinks foram pensados de acordo com as carnes servidas, levando em consideração os cortes, o preparo, o nível de gordura, o molho, os temperos e tudo o que há no prato para harmonização.

Serviço

A OX Room Steakhouse fica na Al. Dom Pedro II, 390, no bairro do Batel. Reservas e informações pelo telefone (41) 99779 3354 ou (41) 3039 4577, e ainda no site oxsteakhouse.com.br.

Nativas Grill chega a Curitiba & Com mais de 30 anos de história, rede abre sua primeira unidade no Paraná

Na próxima quinta-feira (11/02/2021), Curitiba vai ganhar a primeira unidade da churrascaria Nativas Grill. A franquia, com mais de 30 anos de história, tem lojas em cidades como Goiânia, Franca, Brasília, São Paulo, Ribeirão Preto, Campinas, Sorocaba, Campo Grande e Cuiabá. Na capital paranaense, a Nativas Grill está localizada no endereço da antiga KF Grill, mas passou por uma grande reforma, que permite receber até 500 pessoas. "Nossa equipe está preparada para atender com excelência e oferecer uma experiência para os clientes", afirma Jaime Prezotto, diretor da rede, que ainda contempla os restaurantes JP Steak House. "Nosso lema é qualidade e preço justo. E essa é nossa oferta para a cidade de Curitiba. Acredito que as pessoas vão se surpreender", completa Prezotto.

A casa vai operar no sistema rodízio e, além da qualidade e atendimento impecáveis, o cardápio oferece 25 cortes de carnes nobres, pista japonesa com sushi e sashimi, frutos do mar, massas, queijos e frios.

Empregos

O terceiro trimestre de 2020 foi considerado como o pior período da pandemia do novo coronavírus, não só pelo número de casos e mortes, mas também pela crise econômica. A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Trimestral (PNAD Contínua) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), aponta que a taxa de desocupação e desalento familiar, no Paraná, chegou a 12,1% no terceiro trimestre de 2020.

Por esse motivo, a inauguração da Nativas Grill é comemorada pelo gestor Ari Euzebio. "Vamos gerar 80 empregos diretos, sem contar a movimentação de toda a cadeia de fornecedores necessários para manter nossa estrutura ", conta Ari. São dezenas de insumos, desde alimentos, logística, bebidas, entre outros.

A Nativas Grill estará aberta de segunda a segunda. O almoço é das 11h30 à 16h, de segunda a quinta. Sexta e sábado, das 11h30 a 23h. Domingo, das 11h30 às 22h. O endereço é Major Heitor Guimarães, 946.

Sobre a Nativas Grill

A Nativas Grill Churrascaria iniciou suas atividades no ano de 2006 na cidade de Goiânia; e hoje conta com mais de 20 unidades pelo Brasil. O grande diferencial do grupo é a parceria com grandes frigoríficos, o que garante cortes selecionados a preços competitivos, além de toda variedade do seu buffet; com destaque para as ilhas de comida japonesa, peixes e frutos do mar.

Para maior comodidade e conforto, oferece serviço gratuito de manobrista e brinquedoteca com monitora, além de adega climatizada e carrinhos volantes de bebidas e sobremesas.