Pela primeira vez, Mostra Paranaense de Dança tem edição online e gratuita

Vídeos podem ser enviados até dia 21 de março e serão comentados por curadores de peso. Selecionados terão suas produções exibidas ao vivo pelo YouTube

Totalmente online, a 13ª edição da Mostra Paranaense de Dança já faz história. Esta é a primeira vez que o maior festival de dança amadora do Paraná acontece virtualmente. Estudantes de dança, bailarinos e grupos já podem fazer inscrições e enviar suas coreografias produzidas e gravadas durante a pandemia. O prazo vai até o dia 21 de março e a participação é gratuita.

A Mostra é realizada pela Associação Brasileira de Apoiadores Beneméritos do Teatro Guaíra (ABABTG), e essa edição conta com recursos da Lei Emergencial Aldir Blanc e do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura da Fundação Cultural de Curitiba, Prefeitura de Curitiba e Ministério do Turismo.

Com a possibilidade da edição online, a mostra abre-se para dançarinos de qualquer região, ganhando assim abrangência nacional. “A ideia é estimular a produção do maior número possível de estudantes de dança e bailarinos amadores, grupos e escolas, além de fomentar o trabalho dos profissionais envolvidos na organização dessas produções, inclusive nas edições dos vídeos”, explica a coordenadora de projetos da Mostra, Simone Bönisch.

Os vídeos enviados podem ter até 3 minutos e 30 segundos e utilizar qualquer linguagem, contanto que respeitem a classificação indicativa livre. Não serão aceitos espetáculos filmados antes da pandemia e o participante pode enviar quantos trabalhos quiser. “É nos momentos críticos que deixamos fluir a criatividade. Acredito que essa Mostra trará trabalhos nunca vistos antes, com ousadia e emoção”, diz a coordenadora.
Análise artística

Cada vídeo inscrito será avaliado e comentado por um time de peso – os curadores Daniel Siqueira, Ian Mickiewicz e Patrícia Machado –, que enviará o feedback em formato de áudio aos participantes individualmente. Além disso, os materiais escolhidos serão exibidos ao vivo pelo YouTube em um evento online previsto para os dias 24 e 25 de abril, às 19h.

Além do evento final, nos dias 17 e 24 de abril estão programadas sete oficinas virtuais escolhidas a dedo: Pilates e Fortalecimentos para Dança (com Daniel Siqueira); Balé Clássico Intermediário (com Ian Mickiewicz); Balé Clássico Infantil e Adulto (Erickson Oliveira); Laboratório de Danças Urbanas (com Raphael Fernandes); Dança Contemporânea (com Patrícia Machado) e Tudo é Jazz (com Juliana Caillot). Para participar é preciso fazer inscrição prévia e não há custo.

No dia 23 de abril, às 19h30, o webinar gratuito “Eventos online e a produção de dança em tempos de pandemia” reunirá os organizadores Simone Bönisch e Jorge Schneider, além dos curadores da Mostra Paranaense de Dança Online 2021 num bate-papo sobre como é fazer dança na atualidade e o papel do artista em tempos de pandemia. “Acredito que o momento de retorno presencial será uma explosão de produções. Mas, enquanto isso não acontece, precisamos entender os limites e os benefícios do audiovisual e dos espetáculos virtuais para a dança”, acredita Simone.

Em 2020, a Mostra Paranaense de Dança chegou a ser organizada e divulgada, mas foi cancelada devido ao distanciamento social imposto pela covid-19. “O virtual não substituirá o presencial – mas é necessário aprender a usar a tecnologia a favor das iniciativas culturais”, finaliza a organizadora.

SERVIÇO

13ª Mostra Paranaense de Dança (Online)

Inscrições de 15 a 21 de março de 2021 pelo site https://www.mostraprdedanca.com.br. Consulte o regulamento.

Dia 23 de abril às 19h30: Webinar “Eventos online e a produção de dança em tempos de pandemia”, com os organizadores Simone Bönisch e Jorge Schneider e curadores da Mostra Paranaense de Dança Online 2021

Dias 24 e 25 de abril às 19h: Live com os vídeos selecionados pelo canal da ABABTG no YouTube.

FOTOS:

- Fotos da edição de 2019, do fotógrafo Cayo Vieira
https://www.dropbox.com/sh/t57a4yzdlhhqhtc/AADsO49vH1bpOfFCrQNMdr7Aa?dl=0

- Alguns vídeos de coreografias apresentadas em 2019
https://www.dropbox.com/s/n10rqzlat7rk7yg/36-%20Jazz%20Juliana%20Hauth%20-%20Fragmentos%20de%20Um%20Elo.wmv?dl=0

https://www.dropbox.com/s/9zbxhu3aax3b9ci/14-%20Cia%20de%20Dan%C3%A7a%20Ol%C3%ADvia%20Hauptmann%20-%20As%20Wandinhas.wmv?dl=0

https://www.dropbox.com/s/6nhvapgp5u7aqbt/17-%20Escola%20de%20Dan%C3%A7a%20Teatro%20Gua%C3%ADra%20-%20La%20Fille%20Mal%20Gard%C3%A9e%20-%20Pas%20de%20Deux.wmv?dl=0

https://www.dropbox.com/s/rbzkq5jp9lktiad/30-%20Amusic%20Escola%20de%20M%C3%BAsica%20e%20Dan%C3%A7a%20-%20ShitPost.wmv?dl=0

ABABTG – A atual Associação Brasileira de Apoiadores Beneméritos do Teatro Guaíra foi fundada em 2008, na cidade de Curitiba. Na época denominada Associação de Bailarinos e Apoiadores do Balé Teatro Guaíra, ela surgiu com o propósito de fortalecer a dança e demais artes, motivando uma ligação sinérgica entre os setores público e privado. Durante esse período, foram realizados diversos projetos culturais, com repercussão local, nacional e internacional, que promoveram ações de formação, atualização, divulgação, fomento e democratização das artes em suas diversas linguagens. A atual nomenclatura foi assumida recentemente, para adaptar-se aos novos níveis de atividades operacionais e aos novos mercados de atuação da ABABTG.

Orquestra Sinfônica do Paraná apresenta concerto virtual de encerramento da Série Música de Câmara 2020

Os músicos da OSP convidaram bailarinos do Balé Teatro Guaíra para um concerto especial de encerramento da Série que será transmitido no Facebook em dezembro
No próximo dia 11 os músicos da OSP apresentam o concerto virtual de encerramento da Série Música de Câmara 2020. O projeto é uma iniciativa dos músicos com a curadoria do maestro-titular Stefan Geiger. Desde junho a Série Música de Câmara apresentou quinzenalmente concertos virtuais com grupos de dois a oito músicos.

Para o concerto de encerramento, a coordenação da Série Música de Câmara preparou uma programação especial. Serão três obras do compositor argentino Astor Piazzolla com a participação especial de bailarinos do Balé Teatro Guaíra. Os concertos foram gravados em estúdio, respeitando as normas de distanciamento social da Organização Mundial da Saúde.

"Fazer a Série Música de Câmara em formato virtual foi divertido, mas também desafiador", conta a violinista da OSP, Martina Lohmann, uma das responsáveis pela coordenação do projeto. "Os músicos estavam interessados em manter a Série, mesmo que não fosse possível ir ao palco. Como não tivemos verba para a maioria dos concertos, tarefas como a edição do áudio e a sincronização de vídeo foram realizadas voluntariamente pelos próprios músicos ou por amigos da orquestra", completa a violinista.

Para os músicos que participaram do projeto, a Série Música de Câmara foi uma forma de canalizar a energia criativa, a vontade de trabalhar e de ter contato, por mais que restrito ao ambiente virtual, com o público. "A pandemia tem sido desafiadora para todos. A grande maioria dos meus colegas músicos nunca passou por mais de 3 meses sem ensaios, concertos ou concursos. Em um contexto de tantas privações e dificuldades, o poder da arte de criar e expressar um sentido de comunidade tem feito toda a diferença, para nós e para o público", disse Júlio Zabaleta, flautista da OSP e um dos coordenadores da Série.
Parceria com o Balé Teatro Guaíra

A escolha dos repertórios tocados na Série Música de Câmara parte dos próprios músicos. As propostas são enviadas e aprovadas pelo maestro-titular da OSP, Stefan Geiger. Neste ano, vários grupos trouxeram propostas de músicas do compositor argentino Astor Piazzolla.

Piazzolla foi o compositor mais tocado na OSP em 2020. Historicamente, ele é conhecido por incorporar elementos do tango em suas composições. As três obras que serão apresentadas no concerto de encerramento são consideradas tangos e, por isso, surgiu a ideia de convidar os bailarinos do Balé Teatro Guaíra a se juntarem ao projeto.

"A música de Piazzolla é muito instigante e inspiradora e é impossível ouvi-la sem pensar nos movimentos de bailarinos. A interação da Orquestra com o Balé é sempre artisticamente enriquecedora para os dois grupos e o resultado dos vídeos ficou muito bonito", explica Ricardo Molter, spalla da OSP e um dos coordenadores da Série Música de Câmara 2020.

As coreografias foram criadas especialmente para o projeto. Os bailarinos participantes gravaram no Teatro José Maria Santos.

O concerto virtual de encerramento
"É a nossa função dentro da sociedade proporcionar momentos de exploração interior e ajudar a dar vazão à alegria, ao luto, à esperança e todas outros sentimentos que temos experimentado tão intensamente. Uma pandemia sem arte seria insuportável", disse Júlio Zabaleta, flautista da OSP.

No dia 11/12, às 18h, a Orquestra Sinfônica do Paraná convida a todos para participarem do concerto virtual de encerramento da Série Música de Câmara. O público poderá interagir ao vivo e, além das músicas, haverá depoimentos dos participantes no projeto.

Após a exibição no Facebook da OSP o material completo estará disponível nas redes sociais da Orquestra e do Teatro Guaíra.

Serviço
Série Música de Câmara 2020 | Temporada Virtual
Concerto de Encerramento

Quando: 11 de dezembro de 2020
Horário: 18h
Onde: http://www.facebook.com/OrquestraSinfonicaDoParana
Valor: gratuito
Programa de concerto: Astor Piazzolla (1921-1992)
Se Fue Sin Decirme Adiós
Saint Louis en l'Île
La Misma Pena.

Dossiê “Eu Também TodoMundo” chega ao fim após 48 vídeos

Projeto virtual foi criado pelos atores do Teatro de Comédia do Paraná com base em peça que estrearia em março

Após 48 vídeos e sete meses de trabalho, chega ao fim o projeto “Eu também sou TodoMundo”, iniciativa dos atores da edição 2020 do Teatro de Comédia do Paraná e do Teatro Guaíra. O grupo discutiu virtualmente temas como amizade, amor e morte a partir da peça homônima do americano Branden Jacobs-Jenkins.

A peça TodoMundo! seria apresentada em março e abril e faria parte da temporada 2020 do TCP antes de as atividades do Teatro Guaíra terem sido suspensas em função da pandemia do coronavírus. Esta edição tem a direção de Rodrigo Portella, um dos mais renomados dramaturgos de sua geração, com mais de 150 premiações, incluindo o prêmio Shell de melhor direção.

Dossiê “Eu também sou TodoMundo”

Depois de dois meses de intenso processo criativo, o elenco e equipe técnica da peça TodoMundo! estavam ansiosos para estrear a peça na abertura do Festival de Teatro de Curitiba. No entanto, as atividades foram suspensas em função da pandemia do coronavírus. Para uma montagem complexa como é TodoMundo! isso poderia significar que o esforço dos últimos meses teria sido em vão.

O elenco criou então o projeto virtual “Eu também sou TodoMundo” a partir de reflexões feitas por Jacobs-Jenkins na peça. Um projeto experimental/poético/filosófico/pandêmico/documental que de abril a outubro produziu, junto ao Teatro Guaíra, 48 vídeos que nasceram das reuniões semanais do elenco. Ao todo foram 88 horas de ensaio e discussões via Zoom que abordaram principalmente o tema TodoMundo! durante este momento tão atípico em que todo mundo é mesmo o mundo todo.

A equipe contou com 12 atores, um editor e uma tradutora de libras, além da participação voluntária de 43 pessoas desde a comunidade surda, de cegos e de baixa visão até a comunidade acadêmica e artística.

Dos encontros semanais, da captação das imagens feita pelos atores em suas casas, dos depoimentos e relatos muitas outras questões se desdobraram sobre humanidade, inclusão e representatividade. Além disso, o grupo também discutiu como se dão processos artísticos a distância, até que ponto a tecnologia nos aproxima e até que ponta ela nos afeta e afasta.

O Dossiê TodoMundo! manteve nestes meses a criação e união deste elenco heterogêneo, em que cada ator também foi roteirista, editor, redator, músico e, como não poderia deixar de ser, um artista que tenta entender o mundo a sua volta e traduzi-lo em arte.

A ação é uma parceria do Governo do Estado do Paraná, Secretaria da Comunicação Social e da Cultura e Centro Cultural Teatro Guaíra.

Teatro de Comédia do Paraná (TCP)

O Teatro de Comédia do Paraná (TCP) foi reativado em 2016 e desde então foram apresentadas as peças O Homem Desconfortável, Hoje é Dia de Rock, indicada ao prêmio Botequim Cultural nas categorias de melhor direção e figurino, e Papéis de Maria Dias.

Foi criado em 1963 com a finalidade de orientar e coordenar as atividades teatrais do Centro Cultural Teatro Guaíra. O primeiro diretor do grupo foi Cláudio Correa e Castro que montou ‘Um Elefante no Caos’, de Millôr Fernandes. No elenco estavam Paulo Goulart, Nicete Bruno, Lala Schneider, Sale Wolokita, Manuel Kobachuk, José Maria Santos e Joel de Oliveira. A partir de 1964, o TCP atuou até os anos 2000 e chegou a produzir até cinco espetáculos em apenas um ano.

PROFISSIONAIS DA ÁREA DE EVENTOS SÃO RECEBIDOS NA PREFEITURA DE CURITIBA

“Eventos testes foram colocados em pauta e devem ser realizados na segunda quinzena de outubro”

Representantes da Associação Brasileira dos Promotores de Eventos – ABRAPE, Mac Lovio Solek, vice-presidente da região Sul, Associação Brasileira de Empresas de Eventos – ABEOC PR, Fábio Skraba, Passeata Técnica CWB, Fabiano Wolochyn e Sandriane Fantinato foram recebidos na última sexta (18.09) na secretaria do governo na Prefeitura de Curitiba pelo Secretário de Governo, Luiz Fernando Jamur, pela Superintendente Executiva da Secretaria Municipal de Saúde, Beatriz Battistella Nadas, pelo vereador Pier Petruzziello, pela presidente do Instituto Municipal de Turismo, Tatiana Turra, e pela presidente da Fundação Cultural de Curitiba, Ana Claudia de Castro, para discutir a retomada urgente do setor de eventos na cidade.

Durante a reunião, foi discutido a defesa de paliativos claros para que a subsistência do setor seja garantida até que os eventos possam retornar de forma ampla, como o auxílio emergencial e Lei Aldir Blanc; Os editais de linha de crédito voltada para o setor que necessitam ter uma divulgação ampla para atender todas as categorias, pois existe uma grande variedade e quantidade de profissionais inseridos nesse segmento. ‘’Os recursos federais e municipais são muito importantes nesse momento, para ajudar as empresas, principalmente, a garantir empregos aos colaboradores, como também ajudar aos profissionais de eventos e músicos, mas infelizmente muito pouca gente se beneficia de recursos anunciados que dificilmente chegam na ponta. Nesse momento se os governos nos deixassem trabalhar, empresas e profissionais, poderíamos de forma mais direta e efetiva minimizar um pouco a crise do setor que está em frangalhos”, fala Mac Lovio Solek, vice- presidente da Abrape na região Sul.

Também foi apresentado pela Abrape, um protocolo com as sugestões para a realização dos mais diversos tipos de eventos e de forma responsável e segura. Na conversa, foi abordado também o descaso de uma parte da população no consumo de serviços e produtos em alguns ramos de atividades, onde não são tomados os cuidados devidos pelos empresários, pelos consumidores e também não são fiscalizados de forma adequada pelos governos, o que colabora para esse retorno dos eventos ser ainda mais moroso. “Cada vez mais somos jogados para longe do nosso retorno. A desculpa são índices ruins impulsionados pelo descaso de órgãos públicos, empresários e consumidores irresponsáveis”, comenta Mac.

Assim como está acontecendo em algumas cidades, foi colocado em pauta ao final da reunião a realização de dois eventos testes na capital paranaense, com protocolos específicos, que devem ser realizados a partir da segunda quinzena do mês de outubro, que serão validados pelos gestores das secretarias que tratam diretamente do tema. A ideia é que um deles seja uma feira de negócios, e o outro será um show musical, pioneiro no Brasil."A partir da próxima semana, afinaremos isso, prevalecendo a excelência do modelo, que prima a saúde e integridade dos participantes e profissionais envolvidos na realização, com o objetivo de vislumbrar como seria uma possível retomada do setor diante de protocolos, normas, muito controle e seriedade", finaliza Mac Lovio Solek.

- Os números do impacto da pandemia no mercado nacional de shows
Com a recomendação de distanciamento social para combater a disseminação do novo coronavírus, o setor de eventos tem enfrentado estagnação, que pode trazer o pior ano em duas décadas. Empresários e representantes do setor ainda não conseguem estimar o prejuízo causado pela crise, mas o primeiro semestre foi morto. Levantamento indica que, desde o início da pandemia todos os eventos no país foram cancelados neste ano, com prejuízo. Ninguém duvida que a epidemia de coronavírus já causou prejuízos gigantescos nos shows e eventos do Brasil. Agora, seis meses depois do início das medidas de distanciamento social no país, surgem os dados concretos deste impacto. E eles são impressionantes.

Um censo realizado pela Abrape (Associação Brasileira de Promotores de Eventos), mostra que mais de 90% dos eventos previstos para ocorrer este ano foram cancelados, adiados ou estão em situação incerta. Outro dado assustador, também divulgado pela entidade, que reúne entre seus associados cerca de 60% do PIB de eventos do país, é o de que até o fim de abril, segundo o estudo, os cancelamentos e adiamentos de eventos fizeram com que mais de 240 mil pessoas perdessem os empregos. A tendência é que esse número possa chegar, em outubro, a 840 mil.

Outro dado relevante que a pesquisa apontou é que 92% das empresas associadas já relataram prejuízos que, juntos, somam R$ 290 milhões. A entidade estima ainda que esse número possa chegar à casa dos bilhões se somada toda a cadeia produtiva do setor de eventos, que envolve em torno de 60 mil empresas. O prejuízo frustrou as boas expectativas desse mercado para 2020, que estimava um aumento de receitas em shows e eventos de 6,15% em relação ao ano passado. Até outubro mais de 450 mil eventos deixarão de acontecer.

EXPECTATIVA 2020 (aumento da receita em shows)
+ 6,15% em relação a 2019
REALIDADE
+ de 90% dos eventos previstos foram cancelados, adiados ou situação incerta
+ de 450 mil eventos deixarão de acontecer até outubro
Estimativa Desemprego no setor
ABRIL 240 mil pessoas
AGOSTO 563 mil pessoas
OUTUBRO 841 mil pessoas

Nena Inoue faz temporada online, gratuita e com tradução em Libras do premiado solo “Para Não Morrer”

O espetáculo visto por mais de 27 mil pessoas, rendeu à Nena o Prêmio Shell 2019 de Melhor Atriz no Rio de Janeiro, além do Troféu Gralha Azul de Melhor Atriz em 2017. Agora em versão on-line, gratuita e com tradução em Libras, a gravação da obra segue todos os protocolos de saúde e além das apresentações, o projeto oferece debates e oficinas abertas para o público

A atriz Nena Inoue fará uma temporada online com 15 exibições do espetáculo “Para Não Morrer”, sendo 5 abertas e gratuitas para o público nos dias 3, 4, 5, 11 e 12 de setembro às 20h, e 10 fechadas e exclusivas para entidades e coletivos de apoio à mulheres, instituições, movimentos sociais, associações de professores e de classe, além do público feminino que se encontra em isolamento social mesmo antes da pandemia, como presidiárias e idosas em asilos. Todas as exibições online possuem tradução em Libras e serão seguidas de um debate ao-vivo com o público a partir da obra apresentada, também com tradução simultânea em Libras.
As 5 apresentações abertas serão exibidas nas páginas do Espaço Cênico e dos parceiros Brasil de Fato, MST Nacional, Bicicletaria Cultural e Mães pela Diversidade. E para quem quiser se inscrever e receber o link da exibição e debate por e-mail momentos antes da exibição, basta fazer uma inscrição simples e gratuita pela plataforma: https://bit.ly/32tW6Wn
Dentro do contexto da pandemia, a atriz e produtora cultural Nena Inoue trabalhou para que todas as mudanças necessárias fossem feitas e adaptou o projeto para cumprir temporada on-line respeitando o distanciamento social: “Neste momento pandêmico, onde os trabalhadores da cultura se encontram impedidos de trabalhar e temos milhões de artistas e técnicos desempregados no Brasil, me propus a atuar da forma possível e, respeitando o isolamento social, a forma de seguir e levar nosso teatro ao público neste momento é via on-line, então se assim é, assim será. Consegui também manter a proposta de trabalho inicial e levar este trabalho a comunidades menos favorecidas, incluindo mais profissionais ao projeto - como registros de vídeo, transmissões, além de locação de um espaço teatral parceiro (o Ave Lola) - estamos nos movendo e criando caminhos para continuar, possibilitando trabalho e remuneração aos nossos profissionais do teatro”, afirma a artista.
Em cena e online, Nena se transforma numa mulher ancestral e onipresente, que se apropria da palavra e traz à memória várias personagens históricas: mulheres negras, indígenas, guerrilheiras, mães, avós, filhas, de diferentes épocas e lugares que foram violentadas, torturadas, assassinadas e esquecidas.
A obra está em cartaz desde 2017 e já foi assistida por mais de 27.000 pessoas. Sobre o espetáculo, o crítico teatral do jornal “O Globo”, Patrick Pessoa, escreveu: “Nena Inoue transforma luto em luta... espetáculo para não perder”. O solo conta com dramaturgia de Francisco Mallmann a partir da obra “Mulheres”, do uruguaio Eduardo Galeano (1940-2015). A encenação concebida por Nena, tem direção de texto de Babaya e apresenta temáticas femininas e feministas atreladas a questões histórico-políticas, especialmente da América Latina.
O projeto foi adaptado para que as apresentações online e debates ofereçam uma experiência enriquecedora para o público e foi produzida de forma segura para artistas e técnicos, seguindo todos os protocolos de segurança de saúde para a gravação do espetáculo.

Além das 5 apresentações abertas e das 10 apresentações fechadas para instituições parceiras, o projeto prevê debates posteriores às exibições do espetáculo - que se transformarão em uma série de podcasts - além de 11 Oficinas de Iniciação Teatral, direcionadas gratuitamente ao público que assistir ao espetáculo, que acontecerão de forma on-line, no decorrer de setembro e outubro.
Lembrando que 5 de todas as exibições online são gratuitas e abertas, e podem ser assistidas nas páginas do Espaço Cênico (03/09) e nas páginas dos parceiros Brasil de Fato (04/09), MST Nacional (05/09), Mães pela Diversidade (11/09) e Bicicletaria Cultural (12/09). E para que o público interessado possa se programar e ser avisado na data e horário da exibição, é necessário o cadastro gratuito no link: https://bit.ly/32tW6Wn
Serviço:
Exibições online, gratuitas e com tradução em Libras do espetáculo “Para Não Morrer”, seguidas de debate com o público.
Exibições GRATUITAS e abertas nos dias 03, 04, 05, 11 e 12 de setembro às 20h.
Inscrição online e gratuita via site: https://bit.ly/32tW6Wn
Também é possível assistir as exibições nas páginas:
03/09: Espaço Cênico - https://www.facebook.com/espacocenicocuritiba/
04/09: Jornal Brasil de Fato - https://www.facebook.com/brasildefato/
05/09: MST Nacional - https://www.facebook.com/MovimentoSemTerra/
11/09: Mães pela Diversidade - https://www.facebook.com/MaespelaDiversidade/
12/09: Bicicletaria Cultural - https://www.facebook.com/bicicletariacultural/

As exibições GRATUITAS e fechadas para parceiros acontecerão nos dias:
28/08 e 6, 7, 10, 12, 13, 14, 16, 18, 19/09.

Sobre Nena Inoue:
Nascida em Córdoba (Argentina) e desde os nove anos no Brasil, Nena Inoue é artista gestora, produtora, diretora teatral e atriz formada em 1978 pelo Curso Permanente de Teatro do Centro Cultural Teatro Guaíra. Completando 40 anos de carreira, contabiliza mais de 80 espetáculos profissionais e atua ainda como Coordenadora do Espaço Cênico desde 1997. Esteve na mesma função por nove anos (2000 a 2009) ao lado de Luís Melo no ACT - Ateliê de Criação Teatral, espaço que realizou e abrigou distintos trabalhos de caráter multiárea. Foi também Diretora Artística do Centro Cultural Teatro Guaíra (2003 a 2006); produtora da Sutil Companhia de Teatro (2008 a 2010) e, desde 2009, tem sua produção artística voltada às temáticas de caráter histórico-político-social.

Sobre o espetáculo:

Até o momento realizou 250 apresentações com um público aproximado de 27.000 pessoas. Estreou no Festival de Curitiba/Mostra Oficial, em abril de 2017 e nesse ano fez temporadas em Curitiba, no Teatro José Maria Santos, Ave Lola Espaço de Criação, Espaço Fantástico das Artes e em São Paulo, no SESC Pinheiros/SP. Apresentou-se nos festivais FILO - Festival Internacional de Londrina, no SINGA-Simpósio Internacional de Geografia Agrária e na Mostra SÓ EM CENA, de Maringá. Em 2018 no FICA Natal - Festival Internacional de Natal, no III Curitiba Mostra/Festival de Curitiba e temporadas no Teatro Poeirinha (RJ) e Teatro Guaíra (PR) e circulação pelo SESC PR nas cidades de Londrina, Maringá, Cascavel, Paranavaí e Ponta Grossa. Em 2019 apresentações no SESC Ginástico (RJ), no Teatro Municipal de São João del Rey, Mostra Resistências em São José do Rio Preto, no Teatro do SESI de São José dos Pinhais, Circulação SESC SC em 8 cidades (Florianópolis, Blumenau, Itajaí, Joinville, Jaraguá do Sul, Concórdia, Laguna, Lages; duas temporadas no Teatro Lala Schneider e participou do Festara - Festival de Teatro de Araçatuba. EM 2020 apresentou-se no SESC São José dos Campos.

Premiações: Prêmio Troféu Gralha Azul 2017 de Melhor Atriz e Prêmio Shell 2019 de Melhor Atriz.

FICHA TÉCNICA:

Dramaturgia: Francisco Mallmann, à partir da obra de Eduardo Galeano Direção e Atuação: Nena Inoue
Direção de Texto: Babaya Morais
Iluminação: Beto Bruel
Figurino: Carmen Jorge
Cenário: Ruy Almeida
Gravação: Alan Raffo e Lidia Ueda
Técnico Operador: Vinícius Sant
Identidade Visual: Martin Castro
Fotografias: Elenize Deszgeniski, Lidia Ueta, Marcelo Almeida, Raquel Rizzo, Luísa Bonin
Assessoria de Imprensa e Mídias Sociais: Luísa Bonin e Thays Cristine - Platea Comunicação e Arte
Vídeos Redes Sociais: Diego Florentino - Trópico TV
Produção: Guilherme Jaccon
Assistencia Produção: Lidia Ueta
Administração: Judy Fiorese
Direção de Produção: Nena Inoue
Realização: Espaço Cênico
“PROJETO REALIZADO COM O APOIO DO PROGRAMA DE APOIO E INCENTIVO À CULTURA - FUNDAÇÃO CULTURAL DE CURITIBA E DA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA"
Realização:
Espaço Cênico
Incentivo:
EBANX
Incentivo:
Lei de Incentivo à Cultura
Fundação Cultural de Curitiba
Prefeitura de Curitiba

Orquestra Sinfônica do Paraná apresenta apresenta OSP para Crianças

O projeto infantil da orquestra trará conteúdos online de educação musical,
musicalização e jogos com música para crianças até 12 anos

A Orquestra Sinfônica do Paraná estreiará, nesta terça-feira (11), o projeto OSP para Crianças. Será um portal de conteúdo infantil dentro do site da Orquestra Sinfônica do Paraná para crianças até 12 anos. Dividido em quatro áreas, o portal contará com vídeos, jogos e histórias para o público mais jovem.
O portal OSP para Crianças foi desenvolvido pela equipe de comunicação da orquestra e tem o apoio técnico das violinistas Simone Savystzky e Martina
Lohmann, também integrantes da Orquestra Sinfônica do Paraná. As profissionais envolvidas no projeto possuem conhecimento e experiência com educação musical infantil e criação de conteúdo para crianças.
“Nunca é cedo ou tarde demais para entrar no universo da música. Quanto antes melhor. A música auxilia na concentração, memorização, raciocínio lógico, aprimora a linguagem oral, ajuda no desempenho escolar,contribui para o desenvolvimento motor, desenvolve a socialização, promove a disciplina e estimula a criatividade.
Convidamos você para participar das nossas atividades da OSP para crianças”, disse Simone Savytzky. Cada conteúdo vem acompanhado de classificação etária indicativa. Todos os materiais poderão ser acessados por crianças e adultos de qualquer as idade. As classificações servem como orientação para os pais e responsáveis sobre qual faixa etária terá o melhor aproveitamento de cada tipo de conteúdo. "Eu estou muito feliz em anunciar que a Orquestra Sinfônica do Paraná aumentou suas ofertas para nosso público mais jovem. Temos um novo portal, com conteúdos semanais publicados também em nossas redes sociais. Estamos nos dedicando especialmente para os jovens amantes da música e aqueles que estão começando a se interessar por ela", disse o maestro-titular Stefan Geiger.
O portal OSP para Crianças O portal é dividido em quatro áreas: "para brincar", "para assistir", "para ouvir" e "para os pais";. Na primeira área, as crianças encontrarão jogos digitais e atividades para impressão, como ligue-os-pontos, jogo da memória e desenhos para colorir. Na segunda área, haverá vídeos de contação de histórias e educação musical. A terceira área, voltada para crianças mais velhas, terá materiais de áudio acompanhados por textos. Essa seção busca mostrar às crianças a importância de ouvir um concerto, mesmo que os estímulos visuais sejam limitados.

A quarta e última área é voltada aos adultos. Ali, pais, familiares e responsáveis poderão acessar materiais de apoio, instruções e listas com dicas para incluírem a música na rotina das crianças. O portal será alimentado semanalmente. Nesta terça-feira, as áreas "para os pais", "para assistir" e "para brincar" já terão os primeiros conteúdos disponíveis. A área "para ouvir" estreará no início de setembro.

Formação de público
O objetivo do projeto não é a educação musical, mas sim, a inclusão da criança. A ideia é trazê-las para perto da orquestra de forma coerente com a etapa do desenvolvimento na qual cada uma se encontra. "Nos últimos anos notamos um grande aumento no número de crianças na plateia dos concertos da OSP. Os concertos infantis e para escolas já são uma tradição de sucesso da orquestra e entendemos a importância de incluir as crianças de maneira
apropriada", explicou Monica Rischbieter, diretora-presidente do Teatro Guaíra. Ter crianças na plateia é sinal significativo de aumento de público a longo prazo. Por isso, a importância de trazer para elas um conteúdo adequado e que estimule o interesse pela música. "Estamos comprometidos a trazer aspectos da educação musical de uma maneira agradável para as famílias paranaenses. Por enquanto, trazemos esse conteúdo online e estamos trabalhando duro para trazer o melhor conteúdo para você. Mas eu posso prometer que todos estamos ansiosos para cumprimentá-los pessoalmente
assim que possível", completou o maestro Stefan Geiger.

Um projeto a longo prazo
Com as portas fechadas para o público desde março, em decorrência da pandemia de Covid-19, o Teatro Guaíra procura manter seu papel como difusor da cultura no Estado através dos meios digitais. A OSP para Crianças terá sua estreia em formato digital, mas pretende tomar também os palcos tão logo possível. A ideia é disponibilizar, online, materiais infantis mesmo quando os concertos regulares retornarem. Assim, as crianças que acompanham os pais ou responsáveis aos concertos da OSP poderão se familiarizar com as obras sinfônicas antes de chegarem, ao teatro. "Todo projeto que tem o intuito de instruir nossas crianças, alimenta a minha esperança de um futuro melhor para o nosso país. Como já disse o sociólogo brasileiro Herbert de Sousa, um país não muda pela sua economia, política ou ciência, mas sim pela sua cultura. É uma honra termos um espaço dentro da OSP para a produção de um material de tão grande valor para o nosso público infantil!" disse a violinista Martina Lohmann.
Serviço
OSP para Crianças
Quando: estreia na terça-feira, 11/08/2020
Onde: http://www.teatroguaira.pr.gov.br/Orquestra/OSPparaCriancas
Também disponível nas redes sociais:
Facebook: http://facebook.com/OrquestraSinfonicaDoParana
Instagram: @orquestrasinfonicaparana
YouTube: http://youtube.com/OrquestraSinfonicaDoParana

Festival Folclórico de Etnias do Paraná realiza sua primeira edição online

Festival Folclórico de Etnias do Paraná realiza sua primeira edição online

De 15 a 30 de agosto serão transmitidas diariamente apresentações de 16 grupos folclóricos com a participação de mais de 1500 folcloristas

Uma grande celebração dos povos para valorizar tradições, respeitar diferenças e enaltecer a diversidade étnica. Assim segue um dos mais longevos festivais folclóricos do país que tem sua 59ª edição que acontece de 15 a 30 de agosto.

Realizado pela Associação Inter-Étnica do Paraná (Aintepar) com produção da ONG Unicultura, o Festival Folclórico de Etnias - Folclorize pela primeira vez acontecerá no formato online em virtude da pandemia. Durante 15 dias serão exibidas versões inéditas de 16 apresentações de danças típicas realizadas nos últimos três anos no Teatro Guaíra. Os países celebrados são Alemanha, Áustria, Bolívia, Brasil, Espanha, Grécia, Holanda, Itália, Japão, Polônia, Suíça e Ucrânia.

Em formato live, as transmissões acontecerão sempre às 20h no Facebook e Youtube do Festival (endereços abaixo no serviço).

Desafio de dança - Outra novidade da versão online é o Desafio Folclorize - Toca Cultural no Festival Folclórico de Etnias 2020. Nos mesmos moldes das brincadeiras que se popularizaram nas redes sociais durante a pandemia, desta vez a proposta é que um grupo folclórico desafie o outro a enviar um vídeo de 30 segundos executando um passo típico de dança. O resultado será muito divertido e divulgado nas redes oficiais do Festival no dia 15 de agosto.

Patrocínio - A organização do Festival ainda busca parceiros comerciais para patrocinar o edição deste ano. Em 2019, a presença digital do evento alcançou números expressivos e a expectativa é que neste formato, exclusivamente online, os números sejam ainda melhores.
O número de pessoas impactadas com informações da edição 58 do Festival foi de 1,6 milhão, foram mais de 107 mil exibições dos vídeos do evento e 65% do público composto por pessoas de 18 a 44 anos.

Para que as empresas que se juntem ao projeto possam alcançar bons resultados a equipe do Festival oferece inserções nos vídeos, posts programados, entre muitas outras ações de comunicação. Para solicitar uma proposta é preciso entrar em contato com a produção do festival pelo endereço https://www.unicultura.com.br/project/festival-folclorico/

Histórico — Idealizado e organizado por grupos folclóricos, o Festival Folclórico de Etnias do Paraná acontece desde 1958. Em 1974, esses grupos formaram a Associação Inter-étnica do Paraná (Aintepar), entidade responsável por manter o evento ativo desde então, além de fomentar o trabalho dos grupos étnicos no estado. O evento fez parte do roteiro de reinauguração do Teatro Guaíra, depois do incêndio de 1970. Pela importante contribuição à cultura local, na década de 1980, o Governo do Paraná inseriu o Festival no calendário oficial do Estado.

Serviço:
Festival Folclórico de Etnias do Paraná
Data: de 15 a 30 de agosto
Horário: 20h
Locais: https://www.facebook.com/festivalfolcloricodoparana/
https://www.instagram.com/festivalfolcloricodoparana/
https://www.youtube.com/channel/UC6sUJmXPzLUkx_INxl6vFww/

Realização: Associação Inter-Étnica do Paraná (Aintepar)
Produção: Unicultura
Apoio: Toca Cultural

PROGRAMAÇÃO
Transmissões online sempre às 20 horas
15/ Sáb - Grupo Folclórico Italiano Anima Dantis
16/Dom - Grupo Folclórico Germânico Original Einigkeit Tanzgruppe
17/ Seg - Grupo Folclórico Piccola Itália
18/ Ter - Grupo Folclórico Germânico Alte Heimat
19/ Qua - Grupo Folclórico Holandês de Castrolanda
20/ Qui - Centro Espanhol do Paraná
21/ Sex - Gruppo Siciliano Isola del Sole
22/ Sáb - Grupo Folclórico Ítalo-Brasileiro Santa Felicidade
23/Dom - Conjunto de Canto e Dança Junak
24/ Seg - Folclore Ucraniano Barvinok
25/ Ter - Centro de Tradições Brasileiras Santa Mônica
26/ Qua - Grupo Folclórico Ucraniano Poltava
27/ Qui - Grupo Folclórico Polonês do Paraná WisŁa
28/ Sex - Folclore Grego Neoléa do Paraná
29/ Sáb - Grupo Folclórico Raízes de Bolívia (GF-RDB)
30/Dom - Grupo Folclórico Nipo-Brasileiro Nikkei

Até que ponto os efeitos da pandemia podem ser contornados pela tecnologia?

Nem todos os eventos culturais, que estão entre os mais afetados pela crise, podem ser realizados online

O fato é que o mundo está transformado pela tecnologia. Nesse período de pandemia, as empresas, e, principalmente, as pessoas tiveram que mudar seus hábitos, comportamentos, atitudes e a forma de viver. O planeta exigiu de todos nós uma grande adaptação.

Para as instituições, há mudanças em todos os processos, em que a tecnologia, se não era usada antes, tornou-se essencial para a sobrevivência do negócio. Para as escolas, ocorreu uma adequação do processo educacional. Para os trabalhadores, a incorporação do sistema de trabalho home office somado ao aprendizado de novas ferramentas tecnológicas.

E alguém pensou nas artes? A produção artística também está sendo ajustada. Rapidamente, artistas e público tiveram que se instrumentalizar e familiarizar com todos os aparatos tecnológicos. Já havia uma forte tendência ao compartilhamento digital dos produtos artísticos e culturais, e a pandemia veio para acelerar esse movimento.

Mercado Cultural em meio à crise

O mercado cultural foi um dos segmentos mais afetados pela pandemia, já que muitas vezes, precisa de um grande número de pessoas para acontecer. Desde teatros, escolas de artes, centros culturais, casas de eventos, bares, circos, cinemas entre outros. O mundo da cultura e do entretenimento presencial está parado, as portas foram fechadas em março e ainda sem previsão de volta. Além desses espaços, as grandes mostras, festivais, shows, feiras e eventos foram todos adiados ou cancelados. Alguns conseguiram propor ações em formatos de webinar, lives, vídeos nas redes sociais e na internet, porém nem todos conseguiram migrar para esses ambientes.

É preciso também considerar que a arte movimenta a economia e gera empregos. Dados apresentados pelo Mapa Tributário da Economia Criativa, realizado pelo Ministério da Cultura, apontam que o valor movimentado pelo segmento de negócios que se originam de produtos ou serviços ligados a cultura, tecnologia e inovação — a chamada economia criativa — já supera as receitas com serviços de telecomunicações em todo o mundo. No ano de 2019, foram gerados em torno de 30 milhões de empregos e movimentados cerca de US$ 2,5 bilhões, valor que corresponde a 3% de todas as riquezas produzidas no mundo no período.

No Paraná, grandes festivais foram cancelados, como a Mostra Paranaense de Dança realizada pela ABABTG, entre outros eventos e shows. Em Santa Catarina, o Festival de Dança de Joinville adiou as atividades para o segundo semestre de 2020, mas ainda sem data definida. Até mesmo a Broadway parou, o que é um marco histórico.

Cenário das Mostras

Para Jorge Schneider, bailarino e diretor da ABABTG, o cenário é delicado para toda a cadeia produtiva artística. Por trás de qualquer espetáculo, concerto, show, festival etc., há uma equipe enorme de profissionais seriamente impactada pela atual situação, para os quais, as alternativas digitais não acolhem. “Estamos com todos os projetos suspensos. Agora, entre maio e junho aconteceria a Mostra Paranaense de Dança, que há 12 anos reúne mais de 2.000 artistas, em geral jovens estudantes da dança de todo o Estado, em uma agenda extensa de atividades que culminam em espetáculos no grande auditório do Teatro Guaíra. Pensamos em uma versão digital, mas não encontramos um modelo que pudesse satisfazer às expectativas destes jovens artistas, dos profissionais colaboradores e do público que sempre participam”, conta.

A bailarina e também coordenadora de projetos da ABABTG, Simone Bönisch, reforça que a arte é troca, encontro e relação. “A tecnologia é uma grande aliada sendo o meio mais eficiente - senão único, que temos para a arte alcançar as pessoas hoje. É certo que quando tudo passar, ela permanecerá fortemente presente e nenhum artista poderá ignorá-la. Mas, acredito ser consenso que nada substitui a experiência presencial. A medida que as pessoas sentirem-se seguras, haverá um movimento de resgate dos meios “convencionais" de se vivenciar os eventos artísticos, sobretudo os cênicos”, comenta.

E encerra com um questionamento: Tem como a arte, enquanto agente humanizador, em tempos de distanciamento social e tecnologias digitais, transcender a interface da tela?

ABABTG – A atual Associação Brasileira de Apoiadores Beneméritos do Teatro Guaíra foi fundada há 12 anos, na cidade de Curitiba. Na época denominada Associação de Bailarinos e Apoiadores do Balé Teatro Guaíra, ela surgiu com o propósito de fortalecer a dança e demais artes motivando uma ligação sinérgica entre os setores público e privado. Durante esse período foram realizados diversos projetos culturais, com repercussão local, nacional e internacional, que promoveram ações de formação, atualização, divulgação, fomento e democratização das artes em suas diversas linguagens. A atual nomenclatura foi assumida recentemente, para adaptar-se aos novos níveis de atividades operacionais e aos novos mercados de atuação da ABABTG.

Musical One Night Of Tina, A História de Tina Turner é adiado para setembro

Em virtude dos recentes acontecimentos relacionados ao COVID-19 e a importância das restrições de aglomerações de pessoas, as produtoras Top Cat e Orth Produções comunicam que o musical ONE NIGHT OF TINA – A História de Tina Turner, que estava agendado para o dia 27 de maio, em Curitiba, foi adiado para o dia 15 de setembro, no Teatro Guaíra. Os shows marcados para as cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Porto Alegre, também foram adiados para o segundo semestre. O aclamado espetáculo, sucesso de crítica na Europa, irá homenagear uma das cantoras mais icônicas da música internacional de todos os tempos, Tina Turner.

Com a seriedade da pandemia, o enfrentamento deste momento deve ser com serenidade e prevenção seguindo as orientações dos órgãos oficiais de saúde evitando a proliferação e contaminação de pessoas, preservando a saúde de todos, reforçam as produtoras.

Quem comprou o ingresso

As pessoas que adquiriram os ingressos antecipados terão os bilhetes validados automaticamente para o próximo show, no mesmo horário e assento selecionado, não sendo necessário a realização da troca.

Se optar pela restituição do valor de compra, os clientes devem seguir as seguintes etapas para reembolso:

Compras on-line: Caso você seja de Curitiba pode comparecer a um dos quiosques e solicitar a devolução. Para clientes fora de Curitiba enviar e-mail para o atendimento@diskingressos.com.br solicitando o reembolso.

Compras em lojas: crédito e débito e dinheiro: comparecer a um dos quiosques e solicitar que a devolução seja feita de acordo com a forma de pagamento.

SERVIÇO:

A nova data: dia 15 de setembro de 2020 (terça-feira)

Local: Teatro GUAÍRA – Curitiba/PR

Horário: 21h

Informações: 41 3315-0808 ou https://www.diskingressos.com.br/evento/1102/15-09-2020/pr/curitiba/musical-one-night-of-tina-a-historia-de-tina-turner

Espaços culturais fechados e eventos artísticos suspensos

Medida da Superintendência da Cultura atende ao decreto estadual nº 4.230 que define estratégias de enfrentamento ao COVID-19

A Superintendência da Cultura da Secretaria de Estado da Comunicação Social e da Cultura, atendendo ao decreto estadual nº 4.230, informa que a partir de 17 de março de 2020 ficam temporariamente fechados os espaços culturais do Governo do Paraná – museus, bibliotecas, teatros – e suspensos os eventos artísticos e culturais. Fazem parte da estrutura da Superintendência da Cultura a Biblioteca Pública do Paraná, o Centro Cultural Teatro Guaíra, o Centro Juvenil de Artes, o Museu de Arte Contemporânea do Paraná, o Museu Casa Alfredo Andersen, o Museu do Expedicionário, o Museu da Imagem e do Som do Paraná, o Museu Oscar Niemeyer e o Museu Paranaense. A medida visa conter a propagação do vírus e está entre as ações tomadas pelo Governo do Paraná para o enfrentamento ao COVID-19.

EVENTOS CANCELADOS – As atividades previstas para o Mês das Mulheres da SECC, que aconteceriam durante todo o mês de março, estão temporariamente canceladas, com perspectiva de realização em data futura, ainda sem definição. São elas: 18 de março – oficina de empreendedorismo com foco em mulheres que empreendem na economia criativa, que seria ministrada por Geovana Conti na sala Adalice Araújo, sede da Superintendência da Cultura; 26 de março – palestra no Museu Paranaense com a pesquisadora Sandra Benites, primeira mulher indígena a ser curadora de um museu de arte do Brasil; 19 e 20 de março – mesa-redonda “Arte não tem gênero, mas artista sim”, com Isadora Mattiolli e Renata Felinto, e palestra sobre artistas mulheres na história da arte moderna brasileira com a pesquisadora Ana Paula Simioni, ambas no Museu de Arte Contemporânea do Paraná.

CURSOS E OFICINAS – Os espaços que promovem cursos e oficinas regularmente para a população, como o Centro Juvenil de Artes, vão suspender as aulas a partir do dia 20 de março, conforme estabelece o decreto estadual nº 4.230. O Museu Casa Alfredo Andersen, que iniciaria o semestre letivo no dia 23 de março com as aulas da Academia Alfredo Andersen, cancelou o início das aulas.

O Museu Paranaense também suspendeu as aulas da oficina "Desenho e Movimento", que teve início 11 de março e seguiria com encontros semanais até 1º de abril.

BIBLIOTECA – A Biblioteca Pública do Paraná fecha, temporariamente, a partir das 12h desta terça-feira (17). As devoluções de livros devem ser realizadas após o retorno das atividades, sem prejuízo para os leitores.

MON – O Museu Oscar Niemeyer, assim como os demais museus do Estado, está fechado a partir desta terça-feira (17/03). É possível visitar virtualmente seis exposições do MON na íntegra por meio do Google Arts & Culture. São elas: “Luz ≅ Matéria”; “Ásia: a terra, os homens, os deuses”; “Nos pormenores um universo – Centenário de Vilanova Artigas”; “Irmãos Campana”; “Não está claro até que a noite caia”, da artista Juliana Stein, e “Circonjecturas”, do artista Rafael Silveira.

TEATRO GUAÍRA – O Centro Cultural Teatro Guaíra suspendeu os eventos do mês de março em todos os auditórios: Guairão, Guairinha, Miniauditório e Teatro José Maria Santos. Mais informações no site www.teatroguaira.pr.gov.br.

Acompanhe o portal da Cultura e as redes sociais @paranacultura para novidades sobre o funcionamento dos espaços culturais do Estado e a programação cultural e artística.

Concerto cancelado “Assim falou Kubrick”

Em virtude do COVID-19 (coronavírus) e por se tratar de uma questão de saúde pública, o concerto “Assim falou Kubrick” deste domingo, 15 de março, no Teatro Guaíra, foi cancelado ao público. A medida atende as orientações da Secretaria de Saúde do Paraná. Os espectadores que já adquiriram os ingressos, podem entrar em contato diretamente com o Ticket Fácil, por meio do site www.ticketfacil.com.br, para o reembolso, caso tenham feito a compra on-line, ou procurar a bilheteria responsável. Mais informações na bilheteria do Ticket Fácil no Teatro Guaíra: 0300-778-1818.

Festival de Curitiba celebra o centenário de Clarice Lispector com “A Hora da Estrela ou o Canto de Macabéa”

O musical tem trilha sonora de Chico César para contar sobre
a vida da imigrante nordestina no Rio de Janeiro

No ano do centenário de Clarice Lispector (1920-1977), o Festival de Curitiba traz para a Mostra 2020 o musical “A Hora da Estrela ou o Canto de Macabéa”, baseado em uma das obras mais emblemáticas da escritora. O musical vai emocionar ao mostrar a vida de Macabéa, uma migrante alagoana no Rio de Janeiro, cuja vida é marcada pela ausência de afeto e poesia. Com direção e adaptação de André Paes Leme, direção musical de Marcelo Caldi e trilha original de Chico César, a peça tem no elenco Laila Garin, Claudia Ventura e Claudio Gabriel. As apresentações acontecem no Guairinha no dia 28 de março, às 21h, e 29 de março, às 19h.

Baseada na última obra de Clarice Lispector,o livro a Hora da Estrela, a peça narra o sofrimento de Macabéa, vista pela sociedade como uma mulher desprovida de qualquer atrativo e que se contenta com uma existência medíocre: ganha menos do que um salário, divide um quarto com quatro pessoas, sofre com um chefe rigoroso e não atrai a atenção de ninguém. Na obra literária a história é contada por um escritor; no musical sua vida é descrita por uma atriz que a vê na rua e resolve narrar a vida de uma pessoa tão invisível, comum e sem brilho, em um exercício de alteridade. “O trabalho de adaptação não é de reescrever o texto. É o trabalho de transportar o universo sem estar aprisionado a qualquer palavra, através da edição e deslocamentos de episódios”, comenta André Paes Leme, diretor do espetáculo.

Seguindo essa tradição, ele não somente faz uso de diálogos, mas coloca os atores como narradores enquanto contracenam, fazendo uso de frases do livro original na íntegra. Paes Leme, que já assinou elogiadas adaptações de Guimarães Rosa (‘A Hora e Vez de Augusto Matraga’) e Nelson Rodrigues (‘Engraçadinha, Seus Amores e Seus Pecados’), contou com a parceria de Chico César no processo de criação. As músicas pontuam toda a dramaturgia e aparecem para ilustrar o estado emocional e o interior de cada personagem. Ao longo da montagem, as canções servem ainda para detalhar algum acontecimento e também para tirar as personagens do sofrido estágio em que se encontram, trazendo alguma fantasia para existências tão opacas.

“Fazer ‘A Hora da Estrela ou O Canto de Macabéa’ vai além, é um espetáculo que diz exatamente o que queremos falar neste momento. Fala das pessoas supostamente invisíveis, de solidariedade, de olhar para o outro com afeto. Além de tudo, é uma peça sobre esperança’, finaliza Laila Garin, intérprete de Macabéa.

Acompanhe todas as novidades e informações da Mostra 2020 do Festival de Curitiba pelo site www.festivaldecuritiba.com.br, pelas redes sociais disponíveis, no Facebook @fest.curitiba, pelo Instagram @festivaldecuritiba e pelo Twitter @fest_curitiba

Apresentadores, patrocinadores e apoiadores

O Festival de Teatro de Curitiba tem parceiros fundamentais para sua realização e é patrocinado pelo Ebanx, Vivo, Uninter, Renault do Brasil, Electrolux, Banco RCI Brasil, Junto Seguros, Copel - Pura Energia, Sanepar, Governo do Estado e GRASP. O Programa Guritiba é apresentado por New Holland, com patrocínio de Novozymes e Fibracem. O MishMash é apresentado pela Unimed Curitiba e Thales Group, com o apoio da Ritmo Logística. Quem apresenta o Risorama é a Potencial Petróleo, com o patrocínio de Previsul Seguradora, tendo como a cerveja oficial a Cacildis e o apoio de FH Consultoria e Grupo Barigui. As bilheterias do Festival de Curitiba são uma parceria com o ParkShoppingBarigüi e o Shopping Mueller.

FICHA TÉCNICA:
Adaptação e Direção: André Paes Leme.
Música Original: Chico César.
Direção Musical: Marcelo Caldi.
Direção de Produção: Andréa Alves com Claudia Ventura, Claudio Gabriel e Laila Garin.
Músicos: PC Castilho, Pedro Aune e Pedro Franco.
Diretor Assistente: Anderson Aragón.
Figurinos: Kika Lopes.
Cenário: André Cortez.
Iluminação: Renato Machado.
Design de Som: Gabriel D’Angelo.
Preparação Corporal: Toni Rodrigues.
Assistente de Figurino: Sassá Magalhães.
Assistente de Cenografia: Tuca Benvenutti.
Assistente de Preparação Corporal: Monique Ottati.
Coordenação de Produção: Leila Maria Moreno.
Produção Executiva: Raphael Baêta.
Assistente de Produção: Paulo Farias.
Projeto Gráfico: Beto Martins.
Assessoria de Imprensa: Factoria Comunicação.

Serviço:
O que: A Hora da Estrela ou o Canto de Macabéa no 29.º Festival de Curitiba
Quando: 28 de março, às 21h, e 29 de março, às 19h.
Onde: Teatro Guairinha (Rua XV de Novembro, 971).
Valores: R$ 80,00 (inteira).
Ingressos: www.festivaldecuritiba.com.br, pelo aplicativo “Festival de Curitiba 2020”, e nas bilheterias físicas do ParkShoppingBarigui (Piso térreo próximo à praça de eventos), de segunda a sexta-feira, das 11h às 23h; sábado das 10h às 22h e domingos das 14h às 20h; e no Shopping Mueller (piso L3), de segunda-feira a sábado, das 10h às 22h; domingos e feriados, das 14h às 20h.
Classificação: 12 anos
Duração: 110´
ESPETÁCULO CONTA COM INTÉRPRETE DE LIBRAS

Hashtags oficiais – #festivaldecuritiba #festcuritiba #ofestivalparatodos #omeufestival

Sugestão de Tags – festival, curitiba, festival de curitiba, mostra, teatro, clarice lispector, a hora da estrela, canto de macabéa, artes cênicas, artes, música, cultura, atrações

Léo estreia turnê “Identidades” em Curitiba neste sábado

Primeiro show solo acontece dia 14 de março no Teatro Guaíra

Após 26 anos se apresentando ao lado do irmão Victor, Léo estreia turnê solo no sul do Brasil em Curitiba. A capital paranaense será a primeira a receber a turnê “Identidades”, na qual o cantor revela as influências musicais que o ajudaram a construir sua carreira.

A intenção do artista é ser intérprete de um país multicultural . Em suas novas produções há canções que passam pelo brega refinado, arrocha, pop, pop-rock, balada romântica, R&B, folk e até sofrência. Tudo isso, claro, sem deixar de lado a raiz sertaneja que o consagrou musicalmente em 2007.

“Identidades” traz as recém lançadas canções de Léo, como “Sol das Seis” e “WiFi do Vizinho”, os sucessos de Victor & Leo, e passeia por diversos estilos apresentando versões do sertanejo raiz como “Seu amor ainda é tudo”, “Talismã” e “Tentei te esquecer” até clássicos do rock como “Suspicious minds”, “Stand by me” e “Have you ever seen the rain”. No show, ainda é possível conferir sucessos atuais, como “Medo Bobo” e “Inquilina”.

O cenário e a iluminação foram planejados exclusivamente para a turnê. Em suas redes sociais, o artista não esconde a felicidade em se apresentar na cidade: "Deus sabe como esperei o momento mágico de voltar a cantar em Curitiba!", disse.

Os ingressos já estão disponíveis pelo link https://www.diskingressos.com.br/evento/968/14-03-2020/pr/curitiba/leo-chaves-turne.

Serviço:

Léo Chaves – Turnê Identidades

Quando: 14 de março de 2020 (sexta-feira)

Onde: Teatro Guaíra

Horário: 20:30

Valores: Os ingressos variam de R$ 40,00 (meia-entrada), mais taxa administrativa de R$ 10,00 a R$ 240,00 (inteira), mais taxa administrativa de R$ 10,00;

Classificação: Livre

Produção: Massa Fun

Orquestra Sinfônica do Paraná apresenta trilha sonora de “2001: Uma Odisseia no Espaço”

Espetáculo acontece no dia 15/03 para o público em geral e nos dias 10 e 11 exclusivamente para alunos do Ensino Básico

downloadAttachment&Message%5Buid%5D=163450&Message%5Benvelope%5D%5Bmessage-id%5D=%253C0ba301d5f6f3%25248e8a6ce0%2524ab9f46a0%2524%2540smartcom.net.br%253E&Message%5BmailBox%5D%5Bmailbox_id%5D=INBOX&MessageAttachment%5B%5D%5Battachment_id%5D=%3C0ba301d5f6f3%248e8a6ce0%24ab9f46a0%24%40smartcom.net.br%3E-1.1.2

Em uma galáxia distante, a evolução humana acontece. Do macaco surge o homem, que avança anos e anos à frente, dando espaço à tecnologia, à inteligência artificial, à vida extraterrestre e ao realismo científico. Esse é o cenário da história de “2001: Uma Odisseia no Espaço”, do diretor, produtor e roteirista Stanley Kubrick. Efeitos especiais pioneiros, imagens ambíguas que se aproximam do surrealismo, e as composições clássicas e eruditas que compõem a trilha sonora, tornam o resultado memorável. Para homenagear esse grande clássico do cinema, o IAOSP e a Orquestra Sinfônica do Paraná realizam a 3ª edição da série Clássicos Universais com o concerto “Assim Falou Kubrick”. O espetáculo acontece dia 15 de março, 10h30, no Teatro Guaíra a preços populares. O projeto é patrocinado pelo Grupo Positivo, e integra a série Clássicos Positivo, programação anual de incentivo à musica erudita realizada pela instituição. Nos dias 10 e 11 de março serão promovidos os ensaios abertos para as crianças das redes pública e privada de ensino, no Grande Auditório do Teatro Positivo.

O enredo é singular, ele é o fio condutor de uma das obras mais influentes da história do cinema. O concerto será regido pelo maestro titular Stefan Geiger, alemão que está à frente da Orquestra Sinfônica do Paraná, e serão executadas quatro obras da trilha sonora do filme “2001: Uma Odisseia no Espaço” e uma faixa bônus, composta por John Williams para o filme “Contatos Imediatos de Terceiro Grau”.

2001: Uma Odisseia no Espaço

O filme é enigmático e a ausência de diálogos é substituída por grandes trilhas sonoras que geram ao espectador a reflexão para a temática profunda e intrigante sobre as relações humanas com a tecnologia. Kubrick previu em 1978 como seria a relação do homem com os recursos tecnológicos e, sutilmente, faz uma crítica de como o ser humano pode estragar o lado positivo dos recursos conquistados por ele mesmo. Um simples pensamento - Tal como o macaco enxergou o osso como uma arma para matar, assim também o homem viu a tecnologia, como uma ferramenta para o seu próprio malefício. O silêncio do espaço traz a cada cena pequenas e grandes pausas e, com isso, a ação dos personagens é recheada pela música que traz movimento e intensidade à narrativa.

Compositores

Os compositores das trilhas sonoras são: György Ligeti, Aram Kachaturian, Richard Strauss, Johann Strauss II e John Williams. O húngaro György Ligeti foi um dos compositores de vanguarda mais importantes da segunda metade do século XX. Junto a Boulez, Berio, Stockhausen e Cage, é considerado uma das mais inovadores e influentes figuras do mundo musical de seu tempo. Seus trabalhos iniciais foram influenciados por seus conterrâneos Bela Bartók e Zoltán Kodály e, como eles, Ligeti estudou e transcreveu diversas obras de música folclórica húngara. Já Aram Kachaturian foi um compositor armênio nascido em Tbilisi, Georgia. Junto com Sergei Prokofiev e Dmitri Shostakovich, Kachaturian é considerado um dos grandes compositores do período soviético. Seu nome é reconhecido ao redor do mundo e suas composições são apresentadas em diversos países, sobretudo as obras “Dança do Sabre” e o ballet “Gayane”, cujo adágio será apresentado pela Orquestra Sinfônica do Paraná neste concerto.

Outro destaque é Richard Strauss, que demonstrou aptidão musical desde a tenra idade. Ele expandiu os limites da composição orquestral conhecidos até então, com trabalhos como Don Juan (1888-1889), Ein Heldenleben e Assim Falou Zaratustra (1895-1896). Esta última obra, que será apresentada no concerto pela Orquestra Sinfônica do Paraná, foi utilizada por Stanley Kubrick para a abertura do filme 2001, combinação que culminou em uma das cenas mais emblemáticas da história do cinema.

Já a composição escolhida por Kubrick para ilustrar as extensas cenas de estações espaciais e suas aterrissagens lunares em 2001: Uma Odisseia no Espaço foi a valsa Danúbio Azul, de Johann Strauss. O foco da obra do compositor austríaco foram as danças e operetas. Strauss compôs mais de 500 valsas, fato que o rendeu a alcunha de “Rei das Valsas”.

O último compositor presente no repertório é o estadounidense John Williams, que nasceu em Nova Iorque em 1932. Desde a década de 1970, Williams elaborou a trilha sonora de mais de 100 filmes: Tubarão (1975), todos da série Star Wars, E.T. (1982), A Lista de Schindler (1993), e Contatos Imediatos de Terceiro Grau (1978). Foi ganhador de cinco Oscars e recebeu um número recorde de nominações.

A popular música clássica

Idealizado para cumprir um dos principais objetivos do Instituto de Apoio à Orquestra Sinfônica do Paraná - democratizar a música clássica - o projeto Clássicos Universais traz, em cada edição, obras consagradas mundialmente. São apresentações com composições que, de alguma forma, já permeiam o imaginário popular. “Um dos nossos grandes diferenciais é que a OSP executará obras de música contemporânea que raramente são executadas no Brasil. São obras que promovem novas abordagens às noções tradicionais de música, como harmonia e ritmo. O maior exemplo disso é a peça Atmosphères, do compositor Húngaro Gyorgy Ligeti, que usa elementos de composição musical baseados em texturas e micropolifonias. São novas formas de se pensar a música, que coincidem com uma nova forma de se fazer cinema, proposta por Kubrick”, explica a advogada e produtora cultural Marcella Souza, membro da diretoria do IAOSP.

Para cumprir este propósito, às 10h30 do dia 15 de março, serão abertas as portas do Teatro Guaíra com ingressos a R$ 20,00 e R$ 10,00 que, desde já, podem ser adquirido pelo Ticket Fácil (www.ticketfacil.com.br). Além do patrocínio do Grupo Positivo, o concerto tem o incentivo do Ministério da Cidadania, Secretaria Especial da Cultura e Governo Federal por meio da Lei Rouanet.

SERVIÇO

Instituto de Apoio à Orquestra Sinfônica do Paraná e Grupo Positivo apresentam:

Série Clássicos Universais – Assim Falou Kubrick

Data: 15 de março

Hora: às 10h30

Classificação: livre

Ingressos: R$ 20 (inteira) | R$ 10 (meia)

Local: Teatro Guaíra

Endereço: Rua Amintas de Barros, S/N - Centro

Informações: www.apoiosinfonicaparana.com.br/ contato@apoiosinfonicaparana.com.br

Sobre o Instituto de Apoio à Orquestra Sinfônica do Paraná - Este espetáculo marca a continuidade das atividades Instituto de Apoio à Orquestra Sinfônica do Paraná – IAOSP, associação civil sem fins lucrativos que atua em prol da Orquestra Sinfônica do Paraná e da música clássica paranaense. Criado em 2016 por iniciativa do maestro Stefan Geiger e de entusiastas apoiadores da arte e da cultura paranaense, o IAOSP tem o objetivo de viabilizar projetos e atividades em parceria com instituições, públicas e privadas, comprometidas com a valorização e fomento da música erudita. A associação visa, ainda, facilitar a captação de recursos para a manutenção e divulgação de uma programação anual sólida para a Orquestra Sinfônica do Paraná. Assim, pretende proporcionar à sociedade uma série de eventos relacionados à conservação, difusão e engrandecimento desta manifestação artística de representatividade ímpar para o Estado do Paraná. É, portanto, necessária e bem-vinda a participação da sociedade civil para a consecução de suas finalidades. Para mais informações, acesse www.apoiosinfonicaparana.com.br, o facebook e instagram do Instituto @apoiosinfonicaparana ou envie um e-mail para contato@apoiosinfonicaparana.com.br .

Sobre a Orquestra Sinfônica do Paraná - Fundada em 28 de maio de 1985, a Orquestra Sinfônica do Paraná é um dos quatro corpos estáveis do Centro Cultural Teatro Guaíra. Atualmente o maestro-titular é Stefan Geiger, eleito em 2016 pelos músicos e reeleito em 2018. A OSP é mantida pelo Governo do Estado do Paraná, uma orquestra que pertence a todos os paranaenses.

Sobre o Grupo Positivo - O Positivo nasceu em 1972 a partir da ideia uma equipe de professores que criaram um curso pré-vestibular inovador. Hoje, a marca Positivo consolidou a sua liderança em todas as suas áreas de atuação: Ensino, Soluções Educacionais, Cultura, Tecnologia e Gráfica. Por meio da sua Divisão de Ensino, o Grupo atua desde a Educação Infantil até o Ensino Superior com aproximadamente 52 mil alunos. De acordo com a Revista Amanhã, o Positivo é a maior empresa do setor de educação do Sul do país.Mais de 1 milhão de alunos utilizam os sistemas de ensino da Editora Positivo, em escolas públicas e particulares, no Brasil e no Japão. Mais de 40 países utilizam soluções desenvolvidas pela divisão de Tecnologia Educacional da Positivo Tecnologia. A Posigraf, uma das maiores gráficas da América Latina, imprime e distribui mais de 50 milhões de livros por ano. Na área cultural, tem sete espaços em atividade. O Grupo conta ainda com o Instituto Positivo, que desenvolve ações voltadas para a melhoria da educação pública.

Curitiba recebe aclamado musical One Night Of Tina com sucessos de Tina Turner

O espetáculo que acontece no dia 27 de maio no Teatro Guaíra, foi sucesso de crítica na Europa, e finalmente desembarca no Brasil em cinco cidades, reunindo dançarinos, intérpretes e músicos que estão entre os melhores do West End de Londres, o maior distrito teatral do mundo.

Uma das cantoras mais icônicas da música internacional de todos os tempos, Tina Turner, será homenageada em Curitiba pelos mais de 60 anos de carreira com o aclamado musical "ONE NIGHT OF TINA – A História de Tina Turner". O espetáculo, que é sucesso de crítica na Europa, desembarca na capital paranaense no dia 27 de maio, no Guairão, contando no palco a trajetória de vida dessa emblemática voz dos anos 80. O musical que está em turnê por países como Inglaterra, EUA, Alemanha, Áustria, Suíça, desembarca no Brasil com o show em Curitiba (27), seguindo para São Paulo (28), Rio de Janeiro (29), Belo Horizonte (30) e Porto Alegre (31). O evento local é assinado pela Orth Produções e os ingressos estão sendo vendidos pelo Disk Ingressos.

Durante o musical os espectadores poderão prestigiar um show sobre a carreira de Tina Turner que serão trazidos à vida junto com seus maiores sucessos: "Simply the Best", "Private Dancer", "What's Love Got To Do With It" e "We Don't Need Another Hero". A apresentação, que reúne grandes profissionais, entre eles dançarinos, intérpretes e músicos, que estão entre os melhores do West End de Londres, terá duração de 90 minutos direção do renomado, Gary Lloyd.

Com quase 200 milhões de discos vendidos e 12 Grammys a cantora é uma lenda viva, tornando-a uma das artistas de maior sucesso de todos os tempos. E “ONE NIGHT OF TINA” retrata a sua história icônica, por cada de suas canções, não sendo apenas sobre música, mas principalmente, sobre a sobrevivência de uma mulher, negra, pobre, submissa às violências da vida nos anos 50 e 60, em um país racista, e que mesmo com as adversidades tornou-se forte e venceu seus obstáculos, sendo hoje uma das grandes representantes da música internacional. “Se você é um apaixonado por estas canções, certamente se encantará com esta produção”, diz o Diretor Gary Lloyd.

O Musical One Night Of Tina faz parte do Top Cat Concert Series, um projeto que traz shows e eventos internacionais ao Brasil, voltados ao jazz, blues e rock do mundo todo.

Sobre o diretor do musical e intérprete de Tina

Gary Lloyd, conhecido por ensaiar e coreografar inúmeros espetáculos, inclusive o Musical Thriller. “A história fascinante de Tina é conhecida pela música, mas é tudo em torno da sua sobrevivência, sendo uma mulher forte, negra em face da adversidade. “ONE NIGHT OF TINA” celebra este catálogo de canções com passagens históricas da sua vida, declara Lloyd.”

A intérprete de Tina Turner no musical é a cantora e atriz britânica Sharon Ballard, que já esteve em outros musicais teatrais e como atriz em séries da televisão, entre elas Sherlock. Destaque para sua participação como vocalista em turnê com David Gest, onde liderava os vocais femininos, em dueto com o vencedor do Grammy Bill Medley (Righteous Brothers) e duas vezes vencedor do Grammy, Peabo Bryson. Ela cantou como backing vocals para oito outras lendas do Soul, incluindo; Freda Payne, Billy Paul, Deniece Williams, Sheila Ferguson (The Three Degrees), Dorothy Moore, Cece Peniston, Gregory Abbott e Barbara Weathers (Atlantic Starr).

SERVIÇO:
ONE NIGHT OF TINA – A História de Tina Turner
Data: 27 de maio de 2020 (quarta-feira).
Horário: Abertura do Teatro: 20h / Início show: 21h.
Local: Teatro Guaíra. (R. Amintas de Barros, S/N - Centro, Curitiba - PR).
Classificação etária: 12 anos.

Ingressos: a partir de R$ 180,00 – Plateia C / Laranja (meia-entrada).
* Não está inclusa a taxa administrativa Disk Ingressos de R$ 12,00.

** A meia-entrada é válida para Doadores de Sangue devidamente comprovados, Estudantes devidamente comprovados, Idosos conforme Lei, PNE, Portador de Câncer e Professor.

** IMPORTANTE: Serão exigidos os documentos e comprovantes que constam nas respectivas leis.

** OS DESCONTOS NÃO SÃO CUMULATIVOS.

Pontos de venda: Disk Ingressos (Call Center 41 3315-0808), nos quiosques dos shoppings Mueller e Estação, na loja Disk Ingressos do shopping Palladium e na Bilheteria do Teatro Positivo. E pelo site do Disk Ingressos:
https://www.diskingressos.com.br/evento/1102/27-05-2020/pr/curitiba/musical-one-night-of-tina-a-historia-de-tina-turner

INFORMAÇÕES: 41 3315-0808 ou diskingressos.com.br.

Léo estreia turnê “Identidades” em Curitiba

Primeiro show solo acontece dia 14 de março no Teatro Guaíra

Após 26 anos se apresentando ao lado do irmão Victor, Léo estreia turnê solo no sul do Brasil em Curitiba. A capital paranaense será a primeira a receber a turnê “Identidades”, na qual o cantor revela as influências musicais que o ajudaram a construir sua carreira.

A intenção do artista é ser intérprete de um país multicultural . Em suas novas produções há canções que passam pelo brega refinado, arrocha, pop, pop-rock, balada romântica, R&B, folk e até sofrência. Tudo isso, claro, sem deixar de lado a raiz sertaneja que o consagrou musicalmente em 2007.

“Identidades” traz as recém lançadas canções de Léo, como “Sol das Seis” e “WiFi do Vizinho”, os sucessos de Victor & Leo, e passeia por diversos estilos apresentando versões do sertanejo raiz como “Seu amor ainda é tudo”, “Talismã” e “Tentei te esquecer” até clássicos do rock como “Suspicious minds”, “Stand by me” e “Have you ever seen the rain”. No show, ainda é possível conferir sucessos atuais, como “Medo Bobo” e “Inquilina”.

O cenário e a iluminação foram planejados exclusivamente para a turnê. Em suas redes sociais, o artista não esconde a felicidade em se apresentar na cidade: "Deus sabe como esperei o momento mágico de voltar a cantar em Curitiba!", disse.

Os ingressos já estão disponíveis pelo link https://www.diskingressos.com.br/evento/968/14-03-2020/pr/curitiba/leo-chaves-turne.

Serviço:

Léo Chaves – Turnê Identidades

Quando: 14 de março de 2020 (sexta-feira)

Onde: Teatro Guaíra

Horário: 20:30

Valores: Os ingressos variam de R$ 40,00 (meia-entrada), mais taxa administrativa de R$ 10,00 a R$ 240,00 (inteira), mais taxa administrativa de R$ 10,00;

Classificação: Livre