Sem muvuca no Carnaval: opções de lazer na natureza próximas de cinco capitais brasileiras

Em ascensão no País, o turismo em áreas naturais é uma alternativa para aproveitar o feriado de Carnaval. Conheça alguns destinos próximos a grandes centros urbanos para uma viagem curta ou até um bate-volta

Foto: Pixabay
Com festas, blocos de rua e desfiles das grandes escolas de samba cancelados em vários estados devido a evolução dos casos de Covid-19 no Brasil, muitos foliões estão em busca de alternativas para aproveitar os dias de folga do Carnaval – longe de aglomerações. Uma opção acessível e segura é o turismo de natureza. Não é à toa que a atividade tem crescido entre 15% e 25% ao ano, segundo a Organização Mundial de Turismo (OMT). No mundo, 10% dos turistas buscam por esse tipo de experiência. Com grande número de unidades de conservação, parques e reservas naturais no País, não é difícil encontrar um roteiro próximo para uma viagem curta ou mesmo de bate-volta.

“O turismo de natureza está entre as experiências que mais trazem segurança ao viajante neste cenário de Covid-19. São espaços abertos, com opções perto de casa e custos adaptáveis a diversos bolsos. Há atividades e atrativos para diferentes públicos, sendo importante buscar uma opção que esteja de acordo com o seu perfil e condicionamento físico”, explica a turismóloga e administradora da Reserva Natural Salto Morato (PR), Ginessa Correa Lemos, ressaltando que qualquer atividade turística exige cuidados individuais para evitar aglomerações e deve respeitar as recomendações das autoridades sanitárias e dos locais visitados. Levantamento da Booking.com mostra, por exemplo, que nove em cada dez viajantes brasileiros passaram a buscar destinos mais tranquilos e afastados.

Para a gerente sênior de Conservação da Natureza da Fundação Grupo Boticário, Leide Takahashi, que também é membro da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza (RECN), o turismo é uma atividade catalisadora de desenvolvimento socioeconômico e contribui muito para o engajamento da sociedade em prol da conservação da natureza. “Acreditamos que o turismo em áreas naturais contribui com a geração e distribuição de renda em localidades mais distantes. Além disso, é capaz de sensibilizar as pessoas para a causa ambiental, usando a natureza de forma responsável e sustentável”, ressalta. Ela lembra ainda a capacidade que o contato com a natureza tem de melhorar a saúde e o bem-estar dos viajantes. “É comprovado que esse tipo de experiência reduz níveis de estresse e depressão, melhora a imunidade, a qualidade do sono e estimula a criatividade”, salienta.

O turismo de natureza no Brasil é favorecido pela rica biodiversidade, vasta extensão territorial e pelo patrimônio histórico-cultural. Neste contexto, não faltam lugares para serem conhecidos no país. Os brasileiros têm hoje diversas opções de parques e áreas naturais abertas para a visitação próximos de grandes centros urbanos. São inúmeros os destinos tranquilos, que possibilitam também o contato com belezas naturais e culturas regionais. Para incrementar o roteiro do feriadão, basta começar a procurar trilhas, montanhas, cachoeiras, parques e grutas perto de onde você está.

Veja algumas opções de roteiros de turismo de natureza próximos das grandes cidades para respirar ar puro e entrar em contato com ambientes de belezas espetaculares neste carnaval:

São Paulo (SP)

A 250 quilômetros de São Paulo, Brotas é o local perfeito para quem quer recarregar as baterias. A região oferece diversas atrações de ecoturismo e esportes de aventura. Trilhas, cachoeiras, rafting, são algumas das opções para entrar em contato com a natureza. Se a intenção é ficar ainda mais perto da cidade, outra opção é um bate-volta para Guararema, localizada a apenas 80 quilômetros da capital, uma cidade peculiar que une a natureza com construções históricas.

Rio de Janeiro (RJ)

Localizada na Barra da Tijuca, a Ilha da Gigoia é uma pequena ilha de pescadores desconhecida inclusive para muitos cariocas. É possível aproveitar as trilhas e passeios de bike aquática, caiaque e wakeboard. Outra opção também na Zona Oeste do Rio, embora um pouco mais distante, a Barra de Guaratiba está localizada em região de reserva ecológica, entre restinga, manguezais e Mata Atlântica. Passeio de barco e trilhas que levam a inúmeras praias são opções para quem curte a natureza.

Belo Horizonte (MG)

Conhecida nacionalmente como cidade-jardim, a capital mineira tem diversas áreas para estar em contato com a natureza. Distante 65 quilômetros da capital, a cidade de São Sebastião das Águas Claras, também conhecida como Macacos, tem diversas opções de cachoeiras e algumas ideais para a prática de esportes radicais e de aventura. Outro destino é a Cachoeira Santo Antônio, localizada entre Raposos e Caeté, no Parque Nacional da Serra do Gandarela. Perfeita para quem gosta de fazer trilha em estrada de terra. A Serra do Cipó, a 100 quilômetros de Belo Horizonte, é outra opção de bate-volta. Com 34 mil quilômetros de área de preservação, o destino oferece rios, cachoeiras, canyons e cavernas arqueológicas para visitar.

Curitiba (PR)

A 90 quilômetros da capital paranaense está localizado o Parque Estadual de Vila Velha, um sítio geológico situado no município de Ponta Grossa. Em trilhas de fácil acesso é possível admirar formações de arenito com mais de 300 milhões de anos. Quem procura por trilha leve a moderada também pode ir até o Morro do Cal, em Campo Largo, a 36 quilômetros de Curitiba. A trilha que leva até o topo tem cerca de dois quilômetros e permite chegar ao cume com 1.120 metros de altitude. A menos de 70 quilômetros da capital paranaense, está a cidade de Morretes, um refúgio que atrai turistas para a natureza. Uma das opções de passeio é o Ekôa Park, que oferece trilhas, tirolesa e passeio de balão.

Brasília (DF)

Para quem gosta de curtir a natureza, Brasília oferece boas opções de jardins e parques naturais. A cidade tem uma opção de trilha acessível, sem necessidade de guias turísticos, a cerca de 24 quilômetros da Rodoviária do Plano Piloto, que ainda é desconhecida por muitos na região. A trilha da quadra 29 do Park Way é uma ótima atração para quem gosta de caminhar, correr ou andar de bicicleta em contato com a natureza. Já o Poço Azul é um lugar para quem gosta de trilhas e cachoeiras, além de praticar canionismo, montain bike, rapel e escalada. Outro destino é o Parque Ecológico de Águas Claras, que encanta com sua porção verde em meio à urbanização de Brasília.
Sobre a Fundação Grupo Boticário
Com 30 anos de história, a Fundação Grupo Boticário é uma das principais fundações empresariais do Brasil que atuam para proteger a natureza brasileira. A instituição atua para que a conservação da biodiversidade seja priorizada nos negócios e em políticas públicas e apoia ações que aproximem diferentes atores e mecanismos em busca de soluções para os principais desafios ambientais, sociais e econômicos. Já apoiou cerca de 1.600 iniciativas em todos os biomas no país. Protege duas áreas de Mata Atlântica e Cerrado – os biomas mais ameaçados do Brasil –, somando 11 mil hectares, o equivalente a 70 Parques do Ibirapuera. Com mais de 1,2 milhão de seguidores nas redes sociais, busca também aproximar a natureza do cotidiano das pessoas. A Fundação é fruto da inspiração de Miguel Krigsner, fundador de O Boticário e atual presidente do Conselho de Administração do Grupo Boticário. A instituição foi criada em 1990, dois anos antes da Rio-92 ou Cúpula da Terra, evento que foi um marco para a conservação ambiental mundial.

Sobre a Rede de Especialistas em Conservação da Natureza
A Rede de Especialistas em Conservação da Natureza (RECN) reúne cerca de 80 profissionais de todas as regiões do Brasil e alguns do exterior que trazem ao trabalho que desenvolvem a importância da conservação da natureza e da proteção da biodiversidade. São juristas, urbanistas, biólogos, engenheiros, ambientalistas, cientistas, professores universitários – de referência nacional e internacional – que se voluntariaram para serem porta-vozes da natureza, dando entrevistas, trazendo novas perspectivas, gerando conteúdo e enriquecendo informações de reportagens das mais diversas editorias. Criada em 2014, a Rede é uma iniciativa da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza. Os pronunciamentos e artigos dos membros da Rede refletem exclusivamente a opinião dos respectivos autores. Acesse o Guia de Fontes em www.fundacaogrupoboticario.org.br

Férias: áreas naturais recebem turistas o ano todo

Relatório publicado pela Fundação Grupo Boticário mostra que, nos últimos 13 anos, o turismo em áreas protegidas aumentou mais de 300%

Reserva Natural Salto Morato (PR), é uma das reservas particulares que pertencem à Fundação Grupo Boticário. Foto: acervo Fundação Grupo Boticário.
Embora muitos turistas não saibam, alguns dos destinos mais desejados do Brasil estão em unidades de conservação, áreas naturais protegidas por lei. São destinos perfeitos para viajantes que buscam contato com a natureza. O Brasil conta hoje com cerca de 2 mil unidades de conservação (UCs). Considerando apenas as 334 unidades federais, menos de um terço está aberta ao público.

Um relatório publicado recentemente pela Fundação Grupo Boticário indica que, nos últimos 13 anos, o turismo em áreas protegidas aumentou mais de 300%, chegando a 15 milhões de visitantes nas UCs em 2019, último ano antes da pandemia. Levantamento do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), as UCs brasileiras receberam 8,4 milhões de visitas em 2020, mesmo com cerca de seis meses de severas restrições por causa da pandemia.

"Visivelmente, existe um aumento do interesse das pessoas em conhecer a natureza brasileira, especialmente com a questão da preservação ambiental em foco em diversas discussões no mundo", diz Emerson Oliveira, gerente de Conservação da Biodiversidade da Fundação Grupo Boticário.

Para o professor do Instituto de Biociências da UniRio e membro da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza (RECN), Carlos Augusto Figueiredo, a busca por contato com a natureza e a visitação de espaços naturais sempre foi de grande importância. “A indústria do turismo busca se apropriar do desejo humano de contato com paisagens extraordinárias e, em última análise, com a natureza, como motor econômico. A forma que essa exploração econômica se dá é determinante para a sustentabilidade das próprias paisagens e atributos naturais”, afirma.

Entre os principais atrativos das unidades de conservação estão rios, cachoeiras, chapadas e serras. Oliveira ressalta que o turismo praticado nessas áreas não é o de massa, mas aquele voltado "à educação ambiental, à pesquisa científica e à consciência da importância da conservação da fauna e da flora. Esse é um turismo que precisa ser mais especializado. Deve ser feito com cuidado para que essas áreas sensíveis não sofram impacto ambiental e degradação", explica.

Os brasileiros têm hoje diversas opções de parques e áreas naturais abertas para a visitação. Cada espaço possui regras de visitação específicas que precisam ser conhecidas antecipadamente pelo visitante. Conheça alguns desses locais que podem ser visitados:

Parque Nacional Chapada Diamantina (BA): o parque possui dezenas de trilhas, grutas e cachoeiras para a visitação. Um dos destaques é o Morro do Pai Inácio, monumento natural de onde os visitantes podem observar toda a região. Com 1.120 metros de altura, está numa área que conta com mais de 100 tipos de orquídeas, além de bromélias, cactos, begônias, trepadeiras e sempre-vivas. Entre os animais, destaque para o beija-flor-gravatinha-vermelha, que só pode ser encontrado na região.

Parque Nacional da Serra da Canastra (MG): o parque contribui com a proteção de um dos biomas mais ameaçados no país: o Cerrado. O local dá acesso à nascente do Rio São Francisco e é conhecido por ser o habitat natural de animais como tatu-canastra, lobo-guará e tamanduá-bandeira. Para conhecer a região com mais segurança, é recomendada a contratação de um guia local.

Reserva Natural Salto Morato (PR): localizada em Guaraqueçaba (PR), no coração da Grande Reserva da Mata Atlântica, a reserva possui rica biodiversidade que atrai pesquisadores, observadores de aves e turistas de diversos estados e países. Os principais atrativos turísticos são a queda d'água de cerca de 100 metros de altura, um aquário natural e uma figueira centenária que forma uma ponte-viva sobre o Rio do Engenho, além de diferentes experiências na natureza ao longo do ano.

Parque Nacional da Serra da Capivara (PI): criado em 1979 para preservar vestígios arqueológicos da presença humana na região, o parque possui cerca de 130 mil hectares que abrigam cerca de 400 sítios arqueológicos com pinturas e gravuras rupestres. O parque conta com serras, vales, planície e um circuito de trilhas para acessar locais de interesse e conhecer as belezas da Caatinga. É obrigatório o acompanhamento de guia credenciado para visitar o parque.

Chapada dos Veadeiros e Emas (GO): os parques nacionais da Chapada dos Veadeiros e das Emas formam uma área que integra a lista de Patrimônios da Humanidade desde 2001. Juntos, protegem 381 mil hectares do Cerrado. “Durante milênios, esses locais serviram de refúgio para diversas espécies durante períodos de mudanças climáticas e serão vitais na manutenção da biodiversidade do Cerrado durante futuras flutuações climáticas”, alerta a Unesco. Além das trilhas e cachoeiras, a biodiversidade é a grande atração dos parques, onde é possível observar animais como tamanduá-bandeira, cachorro-do-mato, ema, anta, onça-pintada, tatu-canastra e lobo-guará.

Parque Estadual Turístico do Alto do Ribeira (SP): também conhecido como PETAR, o parque fica no extremo sul do estado de São Paulo. Criado em 1958, o local possui mais de 35 mil hectares de Mata Atlântica. Além de inúmeras trilhas pela floresta, é possível explorar mais de 10 cavernas abertas para visitação, mergulhar em rios e cachoeiras e ainda conhecer uma comunidade quilombola.
Sobre a Fundação Grupo Boticário
Com 30 anos de história, a Fundação Grupo Boticário é uma das principais fundações empresariais do Brasil que atuam para proteger a natureza brasileira. A instituição atua para que a conservação da biodiversidade seja priorizada nos negócios e em políticas públicas e apoia ações que aproximem diferentes atores e mecanismos em busca de soluções para os principais desafios ambientais, sociais e econômicos. Já apoiou cerca de 1.600 iniciativas em todos os biomas no país. Protege duas áreas de Mata Atlântica e Cerrado – os biomas mais ameaçados do Brasil –, somando 11 mil hectares, o equivalente a 70 Parques do Ibirapuera. Com mais de 1,2 milhão de seguidores nas redes sociais, busca também aproximar a natureza do cotidiano das pessoas. A Fundação é fruto da inspiração de Miguel Krigsner, fundador de O Boticário e atual presidente do Conselho de Administração do Grupo Boticário. A instituição foi criada em 1990, dois anos antes da Rio-92 ou Cúpula da Terra, evento que foi um marco para a conservação ambiental mundial.

Sobre a Rede de Especialistas em Conservação da Natureza
A Rede de Especialistas em Conservação da Natureza (RECN) reúne cerca de 80 profissionais de todas as regiões do Brasil e alguns do exterior que trazem ao trabalho que desenvolvem a importância da conservação da natureza e da proteção da biodiversidade. São juristas, urbanistas, biólogos, engenheiros, ambientalistas, cientistas, professores universitários – de referência nacional e internacional – que se voluntariaram para serem porta-vozes da natureza, dando entrevistas, trazendo novas perspectivas, gerando conteúdo e enriquecendo informações de reportagens das mais diversas editorias. Criada em 2014, a Rede é uma iniciativa da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza. Os pronunciamentos e artigos dos membros da Rede refletem exclusivamente a opinião dos respectivos autores. Acesse o Guia de Fontes em www.fundacaogrupoboticario.org.br

#AmorPeloGame. Isso é Beleza: o Boticário se une à equipe feminina de uma das principais organizações de eSports do país e lança sua primeira campanha para impulsionar as mulheres do cenário

A marca, que já havia entrado no mundo gamer e realizado ações no jogo Avakin, agora dá início a uma parceria de longo prazo com a Black Dragons

O Boticário, marca de beleza mais amada pelos brasileiros*, acaba de anunciar seu apoio em uma parceria inédita junto à equipe feminina de eSports da Black Dragons, uma das mais renomadas organizações de e-sports no contexto nacional. Com parceria de longo prazo, a marca busca fortalecer a presença das mulheres no cenário gamer, bem como estreitar a presença da marca na comunidade como parte da sua estratégia de negócio.

Assim como todas as iniciativas do Boticário, o amor é parte fundamental nessa ação, a começar pela paixão e dedicação das atletas pelo game. Ao perceber a força e resiliência das jogadoras e sentir o poder que o amor tem em movê-las, o Boticário se uniu ao time, indo muito além de um patrocínio, mas sim iniciando uma parceria que contará com iniciativas cocriadas e relevantes para as atletas, que entendem e acolhem suas necessidades visando dar ainda mais visibilidade e impulsioná-las, e criando também uma intersecção entre o universo dos games e da beleza.

“Ao conhecermos um pouco mais sobre a história da equipe feminina da Black Dragons, identificamos que é a paixão que move as gamers, mesmo diante de tantos obstáculos, o que conecta com a essência da marca. Assim, pensamos em uma maneira de estarmos mais presentes como impulsionadores dessa paixão. Acreditamos que apoiar um time com forte representação feminina tem um papel relevante para contribuir com um segmento de e-sports cada vez mais igualitário”, diz Renata Gomide, diretora de Branding e Comunicação do Grupo Boticário.

A executiva lembra, ainda, que durante o segundo semestre de 2021, foram realizadas diversas trocas tanto com as atletas quanto com a CEO do time e que a cada conversa ficava mais evidente como o amor é capaz de transformar o que elas sonham em conquistas. “Entendemos, então, que essa parceria era, na verdade, uma união de essências. Por isso, conseguimos trabalhar com iniciativas 100% cocriadas e que as colocam no centro da ação", finaliza.

Dessa forma, o Boticário vai realizar uma série de iniciativas junto à equipe, com uma parceria que promete ser duradoura. “Nossa parceria vai muito além de uma exposição de logomarca, é uma construção em conjunto em que podemos ouvi-las e, principalmente, contribuir para que tenham ainda mais visibilidade, conectando também com nosso universo de beleza de forma orgânica”, reforça.

Segundo Pesquisa Game Brasil (PGB) 2021, sobre comportamento, consumo e tendências dos gamers na América Latina, 72% da população brasileira é gamer e mais da metade é composta por mulheres. “Somos uma marca de cosméticos que conversa com as mulheres há muito tempo. Sabemos os desafios a que somos submetidas todos os dias. Acolher mulheres que buscam seus sonhos com tamanha garra, é uma oportunidade de nos aproximarmos por meio de um propósito maior”, afirma Renata.

A empresa acredita que incentivar essa notoriedade, profissionalismo, treinamento e o crescimento do time feminino, contribui para um cenário mais inclusivo. Para Nicolle Merhy (ou Cherrygumms, como é conhecida no mundo gamer), CEO da Black Dragons E-sports, a parceria será um sucesso. “Nunca foi fácil conseguir patrocínio para a equipe, por muito tempo precisei apostar todas as minhas “fichas”. Esse apoio para o time é essencial! Ele nos dá relevância e permite que a gente se prepare melhor para grandes campeonatos. Há muito tempo buscamos por uma parceria desse nível e o Boticário superou nossas expectativas. Nós realmente fizemos parte das conversas, cocriamos com eles, dividimos experiências. É muito mais que um patrocínio, é uma oportunidade única de mostrarmos nosso profissionalismo num segmento que tem tudo para se tornar ainda maior do que é. Além disso, me sinto muito à vontade e feliz de nos vincularmos a uma marca de beleza tão presente no nosso país, afinal, beleza sempre esteve presente na minha vida. A maquiagem me empodera, me dá autoestima pra avançar. Nossa parceria já começou com muitas vitórias, muitas ainda para serem divulgadas também, e eu tenho certeza de que estamos falando de uma parceria a longo prazo com muitas iniciativas revolucionárias para nós” comenta.

Campanha de lançamento

A parceria vai ter início com um filme produzido pela AlmapBBDO, intitulado “Espelho”. Serão 30 segundos que visam trazer as tensões vividas pelas atletas e o efeito do amor e da paixão pelo game. O filme traz a conexão entre os universos da beleza e dos games, com cenário que transita entre uma penteadeira e um set up gamer, com efeitos e transições que conectam os dois mundos. Com a assinatura “Amor pelo game. Isso é beleza”, a campanha traz as batalhas dentro e fora da tela, sempre lembrando que a paixão de cada uma delas é o combustível para movê-las adiante frente às muitas adversidades existentes no cenário. Para estrelar a campanha, Nicolle e Merhy e as atletas do Black Dragons entram em cena.

A campanha é uma cocriação entre Boticário, AlmapBBDO e Black Dragons, assim, Nicolle Merhy, CEO da equipe, bem como as outras atletas, participam estrelando a peça. “Para nós do Boticário, é fundamental que a campanha tenha a “cara” da equipe, que - de fato - reflita suas vulnerabilidades e forças, encontrando o caminho real que as representasse”, ressalta Renata.

A parceria ainda contará com um editorial fotográfico idealizado pela W3haus. Intitulado “Por Trás do Avatar”, o shooting será ambientado em um cenário futurista, onde as temáticas beleza e games se encontram, mostrando o amor que move as atletas de e-sport e toda sua potência, oportunidade perfeita de retratar a beleza da sinergia da equipe e a singularidade das atletas.

Pensando em se aprofundar na conversa com streamers, a W3 também vai criar um encontro no Spaces do Twitter e lives do Twitch, plataforma nativa dos gamers. Usando o popular formato “get ready with me”, elas vão jogar e se maquiar enquanto trocam com a comunidade. A ação conta, ainda, com o envelopamento de um novo espaço de treinamentos, além de uma estratégia de comunicação 360, incluindo podcast e conteúdos exclusivos.

Essa não é a primeira vez do Boticário no mundo Gamer...

Não é a primeira vez que o Boticário investe no universo gamer. Ano passado, a marca criou uma ativação dentro do Avakin Life. “Foi nossa primeira ativação exclusiva dentro do universo gamer e uma experiência que nos abriu oportunidades e colhemos muitos insights do consumidor gamer para agora darmos esse passo ainda maior. Além disso, o Boticário está sempre conectado com os movimentos de mercado e tendências e atento ao tema metaverso, que já é uma realidade e hoje ainda mais acelerada”, reforça Renata Gomide, que garante ainda que os consumidores já podem aguardar por novas ativações em breve.

As iniciativas também fazem parte de uma estratégia da marca em estar de forma mais relevante e personalizada na jornada do consumidor, considerando cada nicho de maneira diferenciada. “Os games, hoje, já atingiram status de mídia de massa e precisamos estar onde os nossos consumidores estão. Hoje, já temos um mindset analítico e data-driven. Com isso, precisamos entender com profundidade o público gamer, escutando ativamente a comunidade e, a partir dessa escuta, conectarmos nossas marcas com linguagem, produtos e serviços relevantes, conectando a audiência com a estratégia personalizada. Não podemos falar de evolução e construção de futuro do nosso negócio e da comunicação, sem estarmos conectados com os Gamers" – comenta Natalia Calixto – Diretora de Mídia, BI, CRM & Insights.

Conheça a Black Dragons!

O time foi fundado em 1997, por Denis Vidigal da Costa, conhecido como Pings, na franquia Quake. O que era apenas um hobby, se tornou em 2007 o primeiro campeonato mundial que a Black Dragons participou.

Em 2016, Nicolle Merhy, também conhecida como Cherrygumms, atual sócia e CEO da Black Dragons, assumiu seu espaço. Foi em 2016 com a entrada no Rainbow Six Siege que a equipe se destacou e cresceu no cenário de e-Sports nacional, principalmente por ter como atleta a única mulher participante dos campeonatos oficiais do jogo, criando um legado no cenário feminino de e-Sports e no cenário de games.

Com uma equipe contando com mais de 80 pessoas, incluindo atletas femininas, dezenas de títulos nacionais, 2 vice mundiais de Rainbow Six Siege e 2 mundiais de Crossfire e um de Point Blank, a Black Dragons foi uma das 3 indicadas ao título de Melhor Organização de eSports em 2017 e em 2018 foi finalmente eleita a melhor organização brasileira pelo prêmio Esports Brasil da SportTV.

Amor pelo game. Isso é beleza

#OndeTemAmorTemBeleza

***
Sobre O Boticário
O Boticário é uma empresa brasileira de cosméticos, unidade de negócios do Grupo Boticário. A marca de beleza mais amada e preferida dos brasileiros* foi inaugurada em 1977, em Curitiba (Paraná), e tem hoje a maior rede franqueada de cosméticos do país; com mais de 3.700 pontos de venda, em 1.750 cidades brasileiras, e mais de 900 franqueados. Presente em 15 países, há mais de 40 anos desenvolve produtos com tecnologia, qualidade e sofisticação – seu portfólio tem mais de 850 itens de perfumaria, maquiagem e cuidados pessoais. Comprometida com a beleza das pessoas e do planeta, o Boticário não realiza testes em animais e investe na melhoria contínua de produtos e processos, para torná-los cada vez mais sustentáveis.
*Fonte: Kantar, divisão Worldpanel, LinkQ On-line, campo realizado durante o mês de Dezembro de 2020. Total Brasil, 3079 lares.

www.boticario.com.br
Instagram | YouTube | Facebook | Twitter

Grupo Boticário lança novo portal desenvolvido pela HouseCricket

O site, mais moderno e acessível, é uma plataforma integrada das marcas que compõem o ecossistema da beleza do Grupo

Com o desafio de transmitir a evolução da marca ao longo dos últimos 11 anos, a HouseCricket, empresa do Grupo OM Marketing & Comunicação desenvolveu um site dinâmico, acessível e mobile first, que mostra o universo de um dos maiores conglomerados de beleza do mundo. O novo endereço marca o lançamento de uma nova etapa do Grupo Boticário, acompanhando as tendências no mundo digital (www.grupoboticario.com.br).

Para apresentar o Grupo Boticário, a HouseCricket se inspirou nos valores e missão da companhia, que se propõe a transformar a vida das pessoas por meio da beleza. Para isso, o portal tem navegação e busca de informações facilitadas, com alto grau de acessibilidade nas ferramentas e layout.

O portal revela o ecossistema da beleza do Grupo Boticário, a partir de conteúdos inspiradores, com dicas de como fazer beleza, iniciativas de impacto social da Fundação e Instituto Grupo Boticário, e diversas frentes que destacam o sucesso responsável com o qual a empresa se compromete. Para reunir toda a complexa cadeia que compõe a companhia, colaboradores, fornecedores, parceiros, consumidores e revendedores poderão estar cada vez mais mergulhados nos compromissos do negócio acessando o site.

Os Compromissos Para o Futuro, divulgados em 2021, estão publicados em uma página inteiramente dedicada a eles. Com isso, a empresa busca evidenciar a transparência na gestão de suas metas, bem como, engajar a sociedade em prol de um futuro mais sustentável e inclusivo.

Sobre o Grupo OM – O Grupo OM Marketing & Comunicação é o maior grupo de comunicação independente do Sul do Brasil, formado por seis empresas que trabalham de forma sinérgica e integrada, levando a campanha de nossos clientes ainda mais longe. Dentre as empresas estão: OpusMúltipla (especializada em planejamento de comunicação integrada e na criação de propaganda), Brainbox (consultoria estratégica de marcas e design, com atuação em branding, packaging e retail), HouseCricket (empresa de comunicação dirigida com foco em engajamento), TailorMedia Inteligência de Mídia (especialista em regionalização de mídia), Senso Performance (especializada em performance de vendas) e AirPromo (especializada na entrega de soluções de comunicação para eventos, desde a concepção, criação e logística).

O Grupo OM se propõe a elaborar planos de marketing, comunicação e vendas para ajudar no aumento de vendas no curto prazo e no aumento das margens de lucro no longo prazo. Com mais de 200 funcionários, o Grupo OM faz parte da rede mundial TAAN e atende clientes como Atena, Corteva Agriscience, DSM, Famastil, Foxlux, Frimesa, Grupo Alfa, Hebron Farmacêutica, Hiperfarma, Militec, OAB, Grupo Boticário, O Boticário, Selfit, Shopping Mueller, Subway, TIM Sul, Uninter e Volvo. Contato: (41) 3362-1919 /http://www.grupoom.com.br

Sobre o Grupo Boticário
Um dos maiores conglomerados de beleza do mundo, o Grupo Boticário é uma empresa brasileira multicanal e multimarcas presente em 15 países. É dona de marcas O Boticário, Eudora, Quem Disse, Berenice?; BeautyBox, Multi B, Vult, Beleza na Web e O.u.i, que juntas atuam com o propósito de transformar o mundo por meio da beleza. São mais de 13 mil colaboradores diretos, além de outras 40 mil pessoas que trabalham na rede de franquia, considerada hoje a maior franquia de beleza do mundo, com mais de 4 mil pontos de venda em 1.780 cidades brasileiras.

Pautada por uma atuação responsável com o planeta, a sociedade e os consumidores, a empresa tem a sustentabilidade embutida em seu modelo de negócios. Até 2030, o grupo prevê ampliar o impacto positivo para a sociedade por meio da gestão de resíduos com a plataforma "Uma Beleza de Futuro, que reúne compromissos socioambientais ambiciosos.
A história do Grupo Boticário começou em 1977 em uma pequena farmácia de manipulação no Paraná e hoje agrega laboratório, fábrica, inovação, tecnologia, logística, marketing e varejo, em um ecossistema de 40 mil pontos de venda no varejo, parceiros e fornecedores. A empresa atua ainda nas frentes ambientais, sociais e culturais por meio da Fundação Grupo Boticário e Instituto Grupo Boticário. Conheça mais em https://www.grupoboticario.com.br

Férias: destino na natureza melhora a saúde e bem-estar

Contato com a natureza favorece hábitos saudáveis, reduz o estresse e alia descanso e entretenimento. Turismo de bem-estar deve representar 18% do turismo global até 2022
Foto: Gustavo Gatti
Fonte: Pixabay
A relação entre saúde, bem-estar e natureza é objeto de estudo em diferentes áreas do conhecimento. De maneira geral, há evidências científicas de que a maior conexão com a natureza pode oferecer inúmeros benefícios tanto para a dimensão física quanto para a saúde mental dos indivíduos. Tais experiências favorecem a realização de atividades físicas que ajudam a reduzir a pressão e o estresse; além de trazer tranquilidade, elevar as emoções positivas e aliar descanso e entretenimento.

“A natureza faz parte da nossa essência e, portanto, o contato com áreas verdes é fundamental para nossa saúde e bem-estar. É comprovado que esse tipo de experiência reduz níveis de estresse e depressão, melhora a imunidade, a qualidade do sono e estimula a criatividade”, afirma a gerente de Conservação da Natureza da Fundação Grupo Boticário e membro da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza (RECN), Leide Takahashi.

O turismo de bem-estar é definido pelo Global Wellness Institute (GWI) como "viagens associadas à busca por manter ou melhorar o bem-estar pessoal". A previsão é de que até 2022 o faturamento desse mercado chegue a US$ 919 bilhões, o que significa 18% de todo o turismo global. Serão mais de um bilhão de viagens individuais em todo o mundo.

Trilhas com crianças: Dicas de lugares na natureza

O contato com a natureza e o livre brincar são essenciais para o pleno desenvolvimento da infância saudável. O aumento da ansiedade e do déficit de atenção na infância são alguns dos impactos da vida nos grandes centros urbanos em crianças e adolescentes.

“A natureza é reconhecida e recomendada pelos pediatras e profissionais da área da saúde como forma de incentivar a adoção de hábitos salutares no cotidiano das famílias, como forma de contribuir para o desenvolvimento sadio e integral das múltiplas infâncias”, declara Laís Fleury, que também é membro da RECN. A infância, mesmo antes da pandemia, já sofria um certo confinamento, trazendo impactos negativos na saúde. É importante trazer luz a este tema e mostrar que as crianças e adolescentes precisam da natureza tanto quanto a natureza precisa deles para permanecer viva”.

Nem toda viagem de verão precisa seguir o tradicional roteiro sentido beira-mar. Para quem deseja fugir do trânsito intenso e da multidão de turistas, existem inúmeros roteiros distantes da folia.

Veja algumas opções de trilhas que podem ser feitas por crianças em diferentes partes do Brasil:

Trilha do Bauzinho, São Bento do Sapucaí (SP)
A trilha de mais ou menos 400 metros conduz a uma vista da cidade de São Bento do Sapucaí e de parte da Pedra do Baú. O local é ideal para contemplação e relaxamento. Durante a caminhada é possível avistar pequenos animais.

Floresta da Tijuca, Rio de Janeiro (RJ)
Com quase 100 trilhas ecológicas, o parque nacional contempla trilhas, cachoeiras, passeios e montanhas. O nível de dificuldade é baixo para as crianças tirarem de letra.

Reserva Natural Salto Morato, em Guaraqueçaba (PR)
A Reserva Natural Salto Morato é opção de tranquilidade em meio ao tumulto das férias de verão. Criada e mantida pela Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, é uma opção que oferece tranquilidade e contato com a natureza. O conceito da Trilha Infantil é propiciar uma experiência ao ar livre para ativar corpo e mente. Com um total de 600 metros, a ideia é que a criança, sempre acompanhada dos pais, crie a sua própria estratégia e consiga trabalhar sentidos, percepção, estratégia, força, equilíbrio, uso de braço e perna e noção de diferentes tipos de relevo. A trilha termina com um caminho sensorial para fazer descalço. O uso de máscara é obrigatório.

Dicas
Indica-se levar alimentos leves, de preferência com embalagens resistentes à água (barra de cereal, frutas e garrafa d’água), repelente, chapéu, blusa fina de manga comprida e calça leve para proteger dos mosquitos e do sol e roupa de banho de secagem rápida. O ideal é usar mochilas leves, que evitem o desgaste físico e permitam que as mãos estejam sempre livres. Botas fechadas de cano alto ou sapatilhas de polímero antiderrapante também são uma boa opção. É fundamental pesquisar sobre a trilha que pretende fazer e conferir horários e regras de funcionamento de cada local.

Confira alguns benefícios que o contato com a natureza traz à saúde das crianças:
- reduz sintomas de Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade e do estresse;
- melhora a nutrição: crianças que plantam seus próprios alimentos são mais propensas a comer frutas e vegetais, têm um conhecimento maior sobre nutrição e mais chances de manter hábitos alimentares saudáveis por toda a vida;
- estimula a atividade física: brincar em diferentes ambientes naturais as torna mais ativas fisicamente e mais cuidadosas com o outro;
- inspira momentos de concentração: proporciona a experiência do belo, aumenta o equilíbrio e a autorregulação em jovens que vivem na cidade;
- estimula os sentidos e a criatividade.
(fonte: projeto Criança e Natureza)
Sobre a Fundação Grupo Boticário
Com 30 anos de história, a Fundação Grupo Boticário é uma das principais fundações empresariais do Brasil que atuam para proteger a natureza brasileira. A instituição atua para que a conservação da biodiversidade seja priorizada nos negócios e em políticas públicas e apoia ações que aproximem diferentes atores e mecanismos em busca de soluções para os principais desafios ambientais, sociais e econômicos. Já apoiou cerca de 1.600 iniciativas em todos os biomas no país. Protege duas áreas de Mata Atlântica e Cerrado – os biomas mais ameaçados do Brasil –, somando 11 mil hectares, o equivalente a 70 Parques do Ibirapuera. Com mais de 1,2 milhão de seguidores nas redes sociais, busca também aproximar a natureza do cotidiano das pessoas. A Fundação é fruto da inspiração de Miguel Krigsner, fundador de O Boticário e atual presidente do Conselho de Administração do Grupo Boticário. A instituição foi criada em 1990, dois anos antes da Rio-92 ou Cúpula da Terra, evento que foi um marco para a conservação ambiental mundial.

Sobre a Rede de Especialistas em Conservação da Natureza
A Rede de Especialistas em Conservação da Natureza (RECN) reúne cerca de 80 profissionais de todas as regiões do Brasil e alguns do exterior que trazem ao trabalho que desenvolvem a importância da conservação da natureza e da proteção da biodiversidade. São juristas, urbanistas, biólogos, engenheiros, ambientalistas, cientistas, professores universitários – de referência nacional e internacional – que se voluntariaram para serem porta-vozes da natureza, dando entrevistas, trazendo novas perspectivas, gerando conteúdo e enriquecendo informações de reportagens das mais diversas editorias. Criada em 2014, a Rede é uma iniciativa da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza. Os pronunciamentos e artigos dos membros da Rede refletem exclusivamente a opinião dos respectivos autores. Acesse o Guia de Fontes em www.fundacaogrupoboticario.org.br

Grupo Boticário investe em tecnologia para desenvolver as fragrâncias que mais agradam os brasileiros

Chamado de “Nariz Digital”, a área de Pesquisa & Desenvolvimento foi buscar técnica no exterior, em países como França e Suíça, para ganhar qualidade e assertividade no desenvolvimento de novos produtos
Garrafa de vidro em cima de uma mesa Descrição gerada automaticamente com confiança média

Perfumista é uma rara profissão. Com olfato apurado, ele é responsável pelo desenvolvimento de novas essências. Mas, e se fosse possível unir tecnologia e inovação para a criação de uma ferramenta que potencializasse o trabalho de mestres perfumistas, obtendo resultados ainda mais precisos sobre as preferências dos consumidores e entrega de performance destes produtos? O Grupo Boticário inova mais uma vez e implementa a tecnologia - um olfatômetro digital - em sua linha de desenvolvimento de perfumes, tornando o processo mais assertivo.
A área de Pesquisa & Desenvolvimento do Grupo Boticário foi buscar esta técnica no exterior, em países como França e Suíça, que são conhecidos por suas fragrâncias mundialmente. Lá, o ‘nariz digital’ é utilizado para identificar, por exemplo, quais moléculas compõem os cheiros que uma rosa. Aqui no Brasil, a tecnologia foi adaptada para traduzir em números e dados químicos a percepção sensorial dos consumidores, trazendo um enorme embasamento e entendimento dos produtos do grupo.
“O uso de fragrâncias começou na pré-história, quando o homem aprendeu a dominar o fogo e o utilizou para queimar ervas odoríferas e madeiras para melhorar o sabor dos alimentos. De lá para cá tivemos grandes avanços tanto no desenvolvimento, quanto na avaliação das fragrâncias, mas sempre mantivemos isso muito no sensorial ou então no entendimento químico, sem unir as duas áreas. Com a tecnologia do ‘nariz digital’ possibilitamos unir esses dois mundos. Agora, conseguimos trazer uma avaliação muito mais robusta e profunda de um produto para atender a demanda e o gosto do consumidor. E essa é uma das nossas características, o Grupo Boticário sempre em busca da união entre tradição e inovação para levar aos clientes brasileiros as fragrâncias que mais os agradam.” afirma Juliana Canellas, Diretora de Qualidade e Performance de Produto do GB.
Você sabe como são desenvolvidas novas fragrâncias?
O processo é cuidadoso e detalhista. Entre os diversos testes necessários e realizados, está o de Agradabilidade e Performance com consumidores e avaliadores treinados para garantir que a qualidade e aceitação serão as esperadas pelo consumidor. A avaliação é feita de forma sensorial, de acordo com a percepção de cada avaliador.
A técnica do olfatômetro digital, ou Nariz Digital, entra aqui para objetivar as percepções destes avaliadores, na forma de números e dados químicos. Sua implementação facilita a interpretação da percepção de experiência do consumidor ao novo produto e o papel de cada ingrediente da fragrância, o que torna o processo mais eficiente e, ao mesmo tempo, simples.
A partir do uso dessa tecnologia já foi possível identificar mais de 100 componentes olfativos ecompreender ainda mais o gosto dos brasileiros, atecipando-se às tendências do mercado. Esta tecnologia ainda é capaz de agregar mais agilidade ao processo de desenvolvimento, a previsão é de que desafios de desenvolvimento sejam resolvidos 20% mais rapidamente, aumentando a assertividade e qualidade dos lançamentos das marcas do Grupo.
Sobre o Grupo Boticário
Um dos maiores conglomerados de beleza do mundo, o Grupo Boticário é uma empresa brasileira multicanal e multimarcas presente em 15 países. É dona de marcas O Boticário, Eudora, Quem Disse, Berenice?; BeautyBox, Multi B, Vult, Beleza na Web e O.u.i, que juntas atuam com o propósito de transformar o mundo por meio da beleza. São mais de 13 mil colaboradores diretos, além de outras 40 mil pessoas que trabalham na rede de franquia, considerada hoje a maior franquia de beleza do mundo, com mais de 4 mil pontos de venda em 1.780 cidades brasileiras.
Pautada por uma atuação responsável com o planeta, a sociedade e os consumidores, a empresa tem a sustentabilidade embutida em seu modelo de negócios. Até 2030, o grupo prevê ampliar o impacto positivo para a sociedade por meio da gestão de resíduos com a plataforma "Uma Beleza de Futuro, que reúne compromissos socioambientais ambiciosos.
A história do Grupo Boticário começou em 1977 em uma pequena farmácia de manipulação no Paraná e hoje agrega laboratório, fábrica, inovação, tecnologia, logística, marketing e varejo, em um ecossistema de 40 mil pontos de venda no varejo, parceiros e fornecedores. A empresa atua ainda nas frentes ambientais, sociais e culturais por meio da Fundação Grupo Boticário e Instituto Grupo Boticário. Conheça mais em https://www.grupoboticario.com.br

O Boticário entrega espaços sustentáveis em escolas públicas pelo Brasil

O Boticário apresenta espaços escolas feitos a partir de plástico reciclado e ajudando a fomentar a educação no Brasil
Após conscientizar e convocar a sociedade para descartar embalagens de cosméticos corretamente em prol do meio ambiente, o Boticário sela compromisso e entrega espaços sustentáveis em escolas públicas por todo Brasil. A partir deste mês, as instituições de ensino receberão estruturas feitas com o retorno de resíduos de qualquer marca para o Boti Recicla - maior programa de reciclagem do país em pontos de coleta.

Com o objetivo de transformar o futuro do planeta e da educação, a marca selecionou escolas após uma pesquisa feita pela área de impacto social do Grupo Boticário em que foi possível identificar junto às instituições quais são as carências de equipamentos nas escolas públicas. Com isso, serão entregues espaços com aproximadamente 30 m² e compostos por 2 toneladas de plástico reciclado. Além disso, o Boti também trará mobília interna feitas com materiais ecológicos e prontos para o uso.

A iniciativa atenderá escolas em cidades de todas as regiões do País, entre elas Palhoça, Cuiabá e Camaçari, atendendo mais de 5 mil crianças. Os espaços são para uso multidisciplinar, e contarão com jogos e metodologias educacionais de sustentabilidade e conexão com a natureza, como a “Coleção Meu Ambiente”, da Fundação Grupo Boticário, e a série “Educação para o Desenvolvimento Sustentável – EDS”, da Unesco.

Desde 2006, o programa conta com cerca de 4 mil pontos espalhados em 1.750 municípios brasileiros e reforça a liderança da marca em fomentar soluções criativas em direção a um futuro possível e mais limpo. O Grupo Boticário está cada vez mais comprometida com a sustentabilidade e a transformação da sociedade por meio de programas que façam a diferença. O Boti Recicla auxilia na diminuição de impacto ambiental e colabora com a construção da educação.

Por meio do Boti Recicla, o Boti envolve toda a cadeia de franqueados e colaboradores, reduzindo o impacto ambiental com a destinação adequada do resíduo - gerando renda para as famílias que trabalham com recicláveis nas cooperativas parceiras. Ao longo dos anos, o grupo evoluiu em eficiência energética dentro da indústria, no desenvolvimento de produtos e no estímulo a novas tecnologias que contribuem para a redução do impacto ambiental, especialmente em resíduos.

A jornada de sustentabilidade do Boticário vem sendo traçada há 43 anos e possui uma responsabilidade real e tangível com problemas socioambientais no Brasil. A marca acredita que o amor, que faz parte de seu DNA, é o motor para essa transformação e assim reforça a tomada de consciência sobre a importância da reciclagem.

Com a criação da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza e Instituto Boticário, em 1990, a marca se compromete desde então em aprimorar cada vez mais o processo de sustentabilidade. Atualmente, são destinados 1% da receita líquida para o pilar em todos os seus processos. O Grupo tem como meta tornar eficaz a gestão de resíduos sólidos até 2030 e reduzir a desigualdade social que impacta negativamente a realidade dos brasileiros.

Últimos dias de inscrição: Programa acelera negócios com impacto positivo na Grande Reserva Mata Atlântica

Ao todo, 15 empreendimentos que atuam em pelo menos um dos 50 municípios da região passarão por capacitação e mentoria gratuitas, visando potencializar os benefícios gerados ao meio ambiente e à sociedade. As três iniciativas mais bem avaliadas no final do processo receberão, ao todo, R$ 20 mil

Empreendedores de negócios que promovem impacto positivo para a proteção da natureza e para o desenvolvimento socioeconômico na região da Grande Reserva Mata Atlântica – o maior remanescente contínuo do bioma no Brasil, englobando áreas em São Paulo, Paraná e Santa Catarina – têm até o dia 20 de junho (próximo domingo) para se inscreverem no novo ciclo do Programa Natureza Empreendedora. Ao todo, 15 negócios de impacto serão selecionados para passar por um processo gratuito de capacitação e aceleração. As três iniciativas mais bem avaliadas no final do processo receberão, ao todo, R$ 20 mil.

A terceira edição da iniciativa da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, com execução técnica do Sebrae, tem como objetivo fortalecer e dar visibilidade a negócios que contribuam com a conservação da biodiversidade nos 50 municípios da Grande Reserva. Ao longo de 20 semanas, os negócios selecionados passarão por capacitações de gestão, marketing, finanças, liderança e mensuração de impacto em conservação, em cerca de 30 horas de capacitação e workshops on-line. Cada negócio também terá, a cada semana, duas horas de consultoria individual e uma hora de mentoria para acompanhamento do desempenho.

“Buscamos empreendedores que queiram aliar seus negócios à conservação ambiental, de forma que seu crescimento também traga maior impacto positivo à manutenção e à proteção da biodiversidade da região”, explica o coordenador de Negócios e Biodiversidade da Fundação Grupo Boticário, Guilherme Karam. “Temos cada vez mais convicção de que as empresas – assim como governos, organizações da sociedade civil e os cidadãos de forma geral – necessitam gerar impacto ambiental positivo a partir de suas atividades. Sem um planeta saudável não é possível que os negócios prosperem. Queremos ‘acelerar’ esses negócios que preservam a Mata Atlântica.”

São elegíveis iniciativas sediadas nos seguintes municípios: Apiaí, Barra do Turvo, Cajati, Cananéia, Capão Bonito, Eldorado, Guapiara, Ibiúna, Iguape, Ilha Comprida, Iporanga, Itaóca, Itariri, Jacupiranga, Juquiá, Juquitiba, Miracatu, Pariquera-Açu, Pedro de Toledo, Peruíbe, Piedade, Pilar do Sul, Ribeirão Grande, São Miguel Arcanjo, Sete Barras e Tapiraí (SP); Adrianópolis, Antonina, Bocaiúva do Sul, Campina Grande do Sul, Guaraqueçaba, Guaratuba, Matinhos, Morretes, Paranaguá, Piraquara, Pontal do Paraná, Quatro Barras, São José dos Pinhais, Tijucas do Sul e Tunas do Paraná (PR); Campo Alegre, Corupá, Garuva, Itapoá, Jaraguá do Sul, Joinville, São Bento do Sul, São Francisco do Sul e Schroeder (SC).

O formulário de inscrição e mais informações podem ser acessados no site https://www.sebraepr.com.br/natureza-empreendedora/. Ao final do Programa Natureza Empreendedora, os negócios passarão por uma banca que avaliará critérios de viabilidade técnica e econômica, impacto ambiental positivo, visão de futuro, envolvimento com a comunidade local e time e parceiros estratégicos. O primeiro colocado receberá R$ 10 mil, o segundo e o terceiro, R$ 5 mil cada.

Natureza Empreendedora

Iniciado em 2018, o Programa Natureza Empreendedora foi estruturado a partir da identificação do potencial empreendedor da região aliado à conservação da Mata Atlântica. No ano passado, os três negócios vencedores do programa foram, o delivery on-line Olha o peixe!, que conecta a pesca artesanal e o consumidor, impactando positivamente a economia das comunidades pesqueiras, os estoques pesqueiros, a informação de qualidade sobre espécies e alimentos e o consumo consciente; a cervejaria artesanal Porto de Cima Brewing, que mantém a floresta protegida, usa ingredientes de espécies nativas, fomenta a economia local e divulga a fauna e a flora da região nos rótulos de seus produtos; e a empresa turística Ekoways, que trabalha com turismo regenerativo e se propõe a incentivar uma mudança de valores e um olhar de sustentabilidade para toda a cadeia do turismo, impactando positivamente as comunidades visitadas, as boas práticas de gestão de resíduos e a educação ambiental. Confira os negócios participantes da última edição do Programa Natureza Empreendedora.

Sobre a Fundação Grupo Boticário
Com 30 anos de história, a Fundação Grupo Boticário é uma das principais fundações empresariais do Brasil que atuam para proteger a natureza brasileira. A instituição atua para que a conservação da biodiversidade seja priorizada nos negócios e em políticas públicas e apoia ações que aproximem diferentes atores e mecanismos em busca de soluções para os principais desafios ambientais, sociais e econômicos. Já apoiou cerca de 1.600 iniciativas em todos os biomas no país. Protege duas áreas de Mata Atlântica e Cerrado – os biomas mais ameaçados do Brasil –, somando 11 mil hectares, o equivalente a 70 Parques do Ibirapuera. Com mais de 1,2 milhão de seguidores nas redes sociais, busca também aproximar a natureza do cotidiano das pessoas. A Fundação é fruto da inspiração de Miguel Krigsner, fundador de O Boticário e atual presidente do Conselho de Administração do Grupo Boticário. A instituição foi criada em 1990, dois anos antes da Rio-92 ou Cúpula da Terra, evento que foi um marco para a conservação ambiental mundial.

Programa acelera negócios com impacto positivo na Grande Reserva Mata Atlântica

Ao todo, 15 empreendimentos que atuam em pelo menos um dos 50 municípios da região passarão por capacitação e mentoria gratuitas, visando potencializar os benefícios gerados ao meio ambiente e à sociedade. As três iniciativas mais bem avaliadas no final do processo receberão, ao todo, R$ 20 mil

Empreendedores de negócios que promovem impacto positivo para a proteção da natureza e para o desenvolvimento socioeconômico na região da Grande Reserva Mata Atlântica – o maior remanescente contínuo do bioma no Brasil, englobando áreas em São Paulo, Paraná e Santa Catarina – podem se inscrever a partir desta segunda-feira, 7 de junho, no novo ciclo do Programa Natureza Empreendedora. Ao todo, 15 negócios de impacto serão selecionados para passar por um processo gratuito de capacitação e aceleração. As três iniciativas mais bem avaliadas no final do processo receberão, ao todo, R$ 20 mil. As inscrições vão até 20 de junho.

A 3ª edição da iniciativa da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, com execução técnica do Sebrae, tem como objetivo fortalecer e dar visibilidade a empreendimentos inovadores que contribuam com a conservação da biodiversidade nos 50 municípios da Grande Reserva. Ao longo de 20 semanas, os negócios selecionados passarão por capacitações de gestão, marketing, finanças, liderança e mensuração de impacto em conservação, em cerca de 30 horas de capacitação e workshops on-line. Cada negócio também terá, a cada semana, duas horas de consultoria individual e uma hora de mentoria para acompanhamento individualizado do desempenho de cada negócio, tirar dúvidas e compartilhar experiências.

“Buscamos empreendedores que queiram aliar seus negócios à conservação ambiental, de forma que seu crescimento também traga maior impacto positivo à manutenção e à proteção da biodiversidade da região”, explica o coordenador de Negócios e Biodiversidade da Fundação Grupo Boticário, Guilherme Karam. “Temos cada vez mais convicção de que as empresas – assim como governos, organizações da sociedade civil e os cidadãos de forma geral – necessitam gerar impacto ambiental positivo a partir de suas atividades. Sem um planeta saudável não é possível que os negócios prosperem. Queremos ‘acelerar’ esses negócios que preservam a Mata Atlântica.”

São elegíveis ao iniciativas sediadas nos seguintes municípios: Apiaí, Barra do Turvo, Cajati, Cananéia, Capão Bonito, Eldorado, Guapiara, Ibiúna, Iguape, Ilha Comprida, Iporanga, Itaóca, Itariri, Jacupiranga, Juquiá, Juquitiba, Miracatu, Pariquera-Açu, Pedro de Toledo, Peruíbe, Piedade, Pilar do Sul, Ribeirão Grande, São Miguel Arcanjo, Sete Barras e Tapiraí (SP); Adrianópolis, Antonina, Bocaiúva do Sul, Campina Grande do Sul, Guaraqueçaba, Guaratuba, Matinhos, Morretes, Paranaguá, Piraquara, Pontal do Paraná, Quatro Barras, São José dos Pinhais, Tijucas do Sul e Tunas do Paraná (PR); Campo Alegre, Corupá, Garuva, Itapoá, Jaraguá do Sul, Joinville, São Bento do Sul, São Francisco do Sul e Schroeder (SC).

O formulário de inscrição e mais informações podem ser acessados no site https://www.sebraepr.com.br/natureza-empreendedora/. Ao final do Programa Natureza Empreendedora, os negócios passarão por uma banca que avaliará critérios de viabilidade técnica e econômica, impacto ambiental positivo, visão de futuro, envolvimento com a comunidade local e time e parceiros estratégicos. O primeiro colocado receberá R$ 10 mil, o segundo e o terceiro, R$ 5 mil cada.

Natureza Empreendedora
Iniciado em 2018, o Programa Natureza Empreendedora foi estruturado a partir da identificação do potencial empreendedor da região aliado à conservação da Mata Atlântica. No ano passado, os três negócios vencedores do programa foram, o delivery on-line Olha o peixe!, que conecta a pesca artesanal e o consumidor, impactando positivamente a economia das comunidades pesqueiras, os estoques pesqueiros, a informação de qualidade sobre espécies e alimentos e o consumo consciente; a cervejaria artesanal Porto de Cima Brewing, que mantém a floresta protegida, usa ingredientes de espécies nativas, fomenta a economia local e divulga a fauna e a flora da região nos rótulos de seus produtos; e a empresa turística Ekoways, que trabalha com turismo regenerativo e se propõe a incentivar uma mudança de valores e um olhar de sustentabilidade para toda a cadeia do turismo, impactando positivamente as comunidades visitadas, as boas práticas de gestão de resíduos e a educação ambiental.

Sobre a Fundação Grupo Boticário
Com 30 anos de história, a Fundação Grupo Boticário é uma das principais fundações empresariais do Brasil que atuam para proteger a natureza brasileira. A instituição atua para que a conservação da biodiversidade seja priorizada nos negócios e em políticas públicas e apoia ações que aproximem diferentes atores e mecanismos em busca de soluções para os principais desafios ambientais, sociais e econômicos. Já apoiou cerca de 1.600 iniciativas em todos os biomas no país. Protege duas áreas de Mata Atlântica e Cerrado – os biomas mais ameaçados do Brasil –, somando 11 mil hectares, o equivalente a 70 Parques do Ibirapuera. Com mais de 1,2 milhão de seguidores nas redes sociais, busca também aproximar a natureza do cotidiano das pessoas. A Fundação é fruto da inspiração de Miguel Krigsner, fundador de O Boticário e atual presidente do Conselho de Administração do Grupo Boticário. A instituição foi criada em 1990, dois anos antes da Rio-92 ou Cúpula da Terra, evento que foi um marco para a conservação ambiental mundial.

Inscrições prorrogadas: Edital de jornalismo selecionará projetos de pauta para receber bolsas de R$ 8 mil

Iniciativa da Fundação Grupo Boticário, em parceria com a Unesco, apoiará até cinco projetos de reportagem com o objetivo de incentivar a produção de conteúdo de qualidade e sensibilizar a sociedade sobre o Oceano. Inscrições seguem até 08 de junho

As inscrições para o Edital Conexão Oceano de Comunicação Ambiental foram prorrogadas até 8 de junho. A iniciativa da Fundação Grupo Boticário, em parceria com a Comissão Oceanográfica Intergovernamental (COI) da Unesco, selecionará até cinco projetos de reportagem de todo o Brasil para receber bolsas de R$ 8 mil cada. As inscrições podem ser feitas via formulário online.

O Edital é uma iniciativa relacionada à Década da Ciência Oceânica para o Desenvolvimento Sustentável – ou Década do Oceano – e visa fomentar a comunicação de qualidade sobre os ambientes costeiros e marinhos, assim como incentivar jornalistas a darem maior visibilidade ao tema. O tema desta primeira edição é legislação e políticas públicas costeiro-marinhas.

“A iniciativa tem o intuito de evidenciar que a proteção do oceano depende de políticas públicas e legislação ambiental eficazes”, afirma o gerente de Engajamento, Comunicação e Relações Institucionais da Fundação Grupo Boticário, Omar Rodrigues. “É preciso trazer luz a temas como esse para que a sociedade compreenda que o oceano é mais que lazer. É a partir desta sensibilização, relacionando os mares e oceano com nosso dia a dia, que mais pessoas se envolverão com a causa. Além de promover o conhecimento, é necessário transmiti-lo de forma eficiente à sociedade, construindo uma cultura oceânica que garanta o engajamento de todos”, completa.

Os conteúdos apoiados deverão ser veiculados em veículos impressos, portais, sites, emissoras de rádio ou TV. Podem se inscrever jornalistas formados ou que comprovem exercer a função regularmente há pelo menos dois anos, sem a necessidade de serem especializados em coberturas ambientais.

A seleção irá considerar a criatividade e a originalidade da pauta, a relevância do tema para a sociedade, a consistência do plano de apuração e de divulgação, assim como o currículo e a qualidade das produções anteriores do candidato. Cada participante pode apresentar até duas propostas de pauta, desde que tenham abordagens distintas. Os projetos selecionados serão divulgados até julho de 2021.

Sobre a Fundação Grupo Boticário
Com 30 anos de história, a Fundação Grupo Boticário é uma das principais fundações empresariais do Brasil que atuam para proteger a natureza brasileira. A instituição atua para que a conservação da biodiversidade seja priorizada nos negócios e em políticas públicas e apoia ações que aproximem diferentes atores e mecanismos em busca de soluções para os principais desafios ambientais, sociais e econômicos. Já apoiou cerca de 1.600 iniciativas em todos os biomas no país. Protege duas áreas de Mata Atlântica e Cerrado – os biomas mais ameaçados do Brasil –, somando 11 mil hectares, o equivalente a 70 Parques do Ibirapuera. Com mais de 1,2 milhão de seguidores nas redes sociais, busca também aproximar a natureza do cotidiano das pessoas. A Fundação é fruto da inspiração de Miguel Krigsner, fundador de O Boticário e atual presidente do Conselho de Administração do Grupo Boticário. A instituição foi criada em 1990, dois anos antes da Rio-92 ou Cúpula da Terra, evento que foi um marco para a conservação ambiental mundial.

Edital de jornalismo estimula a produção de reportagens sobre legislação e políticas públicas costeiras e marinhas

Iniciativa da Fundação Grupo Boticário, em parceria com a UNESCO, apoiará até cinco projetos de reportagem com o objetivo de incentivar a produção de conteúdo de qualidade e sensibilizar a sociedade sobre o tema

No ano em que é iniciada a Década do Oceano, a Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza lança o Edital Conexão Oceano de Comunicação Ambiental, em parceria com a Comissão Oceanográfica Intergovernamental (COI) da UNESCO. A iniciativa selecionará até cinco projetos de reportagem de todo o Brasil para receber bolsas de R$ 8 mil cada. As inscrições podem ser feitas pelo site www.fundacaogrupoboticario.org.br, via formulário online, até o dia 31 de maio de 2021.

O Edital é uma iniciativa relacionada à Década da Ciência Oceânica para o Desenvolvimento Sustentável – ou Década do Oceano – e visa fomentar a comunicação de qualidade sobre os ambientes costeiros e marinhos, assim como incentivar jornalistas a darem maior visibilidade ao tema. O tema desta primeira edição é legislação e políticas públicas costeiro-marinhas.

“A iniciativa tem o intuito de evidenciar que a proteção do oceano depende de políticas públicas e legislação ambiental eficazes”, afirma o gerente de Engajamento, Comunicação e Relações Institucionais da Fundação Grupo Boticário, Omar Rodrigues. “É preciso trazer luz a temas como esse para que a sociedade compreenda que o oceano é mais que lazer. É a partir desta sensibilização, relacionando os mares e oceano com nosso dia a dia, que mais pessoas de envolverão com a causa. Além de promover o conhecimento, é necessário transmiti-lo de forma eficiente à sociedade, construindo uma cultura oceânica que garanta o engajamento de todos”, completa.

Ao todo, serão oferecidas até cinco bolsas de R$ 8 mil para apoiar a produção de reportagens sobre o tema. Os conteúdos apoiados deverão ser veiculados em veículos impressos, portais, sites, emissoras de rádio ou TV. Podem se inscrever jornalistas formados ou que comprovem exercer a função regularmente há pelo menos dois anos, sem a necessidade de serem especializados em coberturas ambientais.

A seleção irá considerar a criatividade e originalidade da pauta, a relevância do tema para a sociedade, a consistência do plano de apuração e de divulgação, assim como o currículo e a qualidade das produções anteriores do candidato. Cada participante pode apresentar até duas propostas de pauta, desde que tenham abordagens distintas. Os projetos selecionados serão divulgados até julho de 2021.

Serviço
Edital Conexão Oceano de Comunicação Ambiental
Inscrições de 12 de abril a 31 de maio, por formulário online
Até 5 bolsas de R$ 8 mil para pautas jornalísticas sobre legislação e políticas públicas costeiro-marinhas. Regulamento disponível aqui.

Sobre a Fundação Grupo Boticário
Com 30 anos de história, a Fundação Grupo Boticário é uma das principais fundações empresariais do Brasil que atuam para proteger a natureza brasileira. A instituição atua para que a conservação da biodiversidade seja priorizada nos negócios e em políticas públicas e apoia ações que aproximem diferentes atores e mecanismos em busca de soluções para os principais desafios ambientais, sociais e econômicos. Já apoiou cerca de 1.600 iniciativas em todos os biomas no país. Protege duas áreas de Mata Atlântica e Cerrado – os biomas mais ameaçados do Brasil –, somando 11 mil hectares, o equivalente a 70 Parques do Ibirapuera. Com mais de 1,2 milhão de seguidores nas redes sociais, busca também aproximar a natureza do cotidiano das pessoas. A Fundação é fruto da inspiração de Miguel Krigsner, fundador de O Boticário e atual presidente do Conselho de Administração do Grupo Boticário. A instituição foi criada em 1990, dois anos antes da Rio-92 ou Cúpula da Terra, evento que foi um marco para a conservação ambiental mundial.

Onça pintada e outros grandes mamíferos ameaçados de extinção na Mata Atlântica ganham ajuda de projeto de monitoramento

Programa é resultado de mais de 15 anos de pesquisa na região

vQ==

A Serra do Mar recebe um dos maiores monitoramentos de mamíferos de grande porte já feitos no bioma Mata Atlântica e o primeiro em larga escala realizado nessa região. O Programa Grandes Mamíferos da Serra do Mar tem como principal objetivo gerar dados para subsidiar planos de conservação da anta (Tapirus terrestris), da queixada (Tayassu pecari) e da onça-pintada (Panthera onca). A expectativa é que as atividades em campo comecem no ano que vem.

O diferencial do programa é o monitoramento em larga escala. São 17 mil km² de atuação nos estados de São Paulo e Paraná – uma área equivalente a 11 cidades de São Paulo –, que integram o território da Grande Reserva da Mata Atlântica, o maior remanescente contínuo de Floresta Atlântica preservada do país.

O programa é realizado pelo Instituto de Pesquisas Cananéia (IPeC) e Instituto Manacá, com apoio da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, WWF-Brasil e banco ABN AMRO, e conta com a parceria da Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental (SPVS), a Fundação Florestal, o Legado das Águas – Reserva Votorantim, Fazenda Elguero, o Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Conservação da Universidade Federal do Paraná (PPG ECO – UFPR) e o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

De acordo com o pesquisador do IPeC Roberto Fusco, responsável técnico do Programa ao lado das pesquisadoras Bianca Ingberman e Mariana Landis, o Programa surgiu da necessidade de uma agenda integrada para monitoramento e conservação de grandes mamíferos. Isso porque o resultado de 15 anos de pesquisa na região indicou que a maior presença dessas espécies está em locais mais elevados e remotos, deixando muitas áreas de floresta demograficamente vazias de grandes mamíferos, inclusive em Unidades de Conservação.

“A preocupação com a ausência desses animais é pela viabilidade a longo prazo das espécies, que já estão ameaçadas de extinção. É um sinal de alerta. Grandes mamíferos necessitam de áreas extensas para sobreviver, são extremamente vulneráveis à perda de habitat e à pressão de caça, sendo os primeiros a desaparecem. A proposta, portanto, é oferecer dados robustos e de qualidade que indiquem onde essas espécies estão, se elas estão diminuindo ou amentando e como estão ocupando o território”, explica Fusco, que é pós-doutorando na PPG ECO – UFPR e membro da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza (RECN).

O monitoramento integrado de espécies ameaçadas, e em larga escala, gera informações para planejamento de conservação e ajuda a criar estratégias mais efetivas para proteção e recuperação das populações desses animais. “A quantidade e qualidade dos dados influenciam diretamente na efetividade dessas ações, possibilitando uma visão mais ampla e integrada. Para a Grande Reserva Mata Atlântica, uma das regiões mais exuberantes e biodiversas do mundo, o Programa visa contribuir de forma significativa com dados e informações para subsidiar os planejamentos e estratégias de proteção e recuperação das populações de grandes mamíferos. Essas espécies são essenciais para o equilíbrio do ecossistema e, uma vez que a floresta esteja saudável, continuará fornecendo os serviços ecossistêmicos que garantem o bem-estar e qualidade de vida da sociedade, principalmente a disponibilidade hídrica e a regulação do clima”, complementa Bianca, doutora em Ecologia e Conservação pela UFPR e pesquisadora do IPeC.

O bom manejo e conservação de áreas naturais atrai oportunidades de benefício socioeconômico para a região. “A Serra do Mar tem grande potencial econômico. O turismo de natureza é um exemplo. Pode gerar emprego e renda, valorizando a vocação local e mantendo a floresta em pé. São planos de manejo e de conservação bem fundamentados que catalisam essas oportunidades. Além disso, essas áreas podem receber investimento de empresas para projetos de conservação, uma prática que gera reputação e que tem atraído investidores de todo o mundo. A conservação, embasada na ciência, então, se torna um negócio com benefício mútuo”, justifica Mariana, pesquisadora do Instituto Manacá e doutoranda em Ecologia Aplicada pela Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" da Universidade de São Paulo (ESALQ/USP).

Para o coordenador de Ciência e Conservação da Fundação Grupo Boticário, Robson Capretz, a Grande Reserva Mata Atlântica tem grande potencial para contribuir com o desenvolvimento regional baseado no turismo em áreas naturais e em negócios de impacto positivo ao meio ambiente. “Informações sobre as espécies que habitam a região e práticas efetivas de conservação são essenciais para embasar atividades turísticas responsáveis e sustentáveis, que também prezem pela proteção da natureza”, diz. “Outro ponto importante é que a presença em grande densidade dessas três espécies indica ótimo status de conservação dos habitats, já que elas são bem territorialistas e seletivas”, completa.

Frentes de ação

Para desenvolver o trabalho, o Programa Grandes Mamíferos da Serra do Mar atua em quatro frentes de ação: Monitoramento, com coleta de dados de maneira científica e sistemática; o Planejamento de Conservação, para apoiar os tomadores de decisão nas ações de proteção e manejo; a Sensibilização, para gerar mais conhecimento e valorização da fauna da Mata Atlântica por toda a sociedade e, por fim, a Rede de Monitoramento.

Nos estudos que antecederam a criação do Programa, também liderados pelo IPeC, a participação de moradores da região gerou importantes resultados. Além de contribuir no mapeamento local de ocorrência das espécies, ajudou os pesquisadores a chegarem em áreas montanhosas de difícil acesso. Foi assim que a equipe conseguiu, através de armadilhas fotográficas, registrar, em 2018, as primeiras onças-pintadas (um casal) na Serra do Mar paranaense e outro indivíduo macho no ano seguinte.

Foto: Grandes Mamíferos da Serra do Mar/Divulgação

Segundo especialistas, razões climáticas podem explicar nuvem de gafanhotos que avança para o Brasil

O chamado ‘comportamento gregário’ é um gatilho biológico deflagrado por períodos de secas intensas e prolongadas seguidos de chuvas fortes e altas temperaturas

A nuvem de gafanhotos que se movimenta em direção ao Brasil causa preocupação na região Sul do País. O Ministério da Agricultura declarou estado de emergência fitossanitária em áreas do Rio Grande do Sul e Santa Catarina, estados que podem ser afetados pelos insetos.

Segundo André Ferretti, gerente de Economia da Biodiversidade da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, distúrbios climáticos provocados pelo aquecimento global e o desrespeito aos limites da natureza têm causado fenômenos disruptivos, que vão desde a nuvem de gafanhotos até eventos mais rigorosos, como a pandemia do novo coronavírus. “A forma como lidamos com a natureza precisa ser repensada para que as sociedades não fiquem sujeitas às consequências danosas de fenômenos como esses. Ao mesmo tempo, os governos precisam começar a pensar em planos de contingenciamento que ajudem os países a serem resilientes a situações cada vez mais danosas e intensas.”

Uma análise preliminar feita pelo climatologista Carlos Nobre, membro da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza, em parceria com o pesquisador Marcelo Seluchi, coordenador geral da área operacional do Cemaden (Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais), aponta que o longo período seco no centro-sul da América do Sul – incluindo Paraguai, Uruguai, sul do Brasil e centro-leste da Argentina –, nos primeiros meses do ano, com um mês de abril extremamente seco, pode ser uma das condicionantes climáticas por trás do comportamento dos gafanhotos.

“Chuvas intensas em alguns dias de maio, notadamente na região do Paraguai, onde se originou a nuvem de gafanhotos, podem explicar o fenômeno. Isto é, período curto de chuvas intensas após meses de secas”, diz o relatório dos dois especialistas. A forte onda de calor entre 14 e 20 de junho no sul do Paraguai (suposto epicentro do fenômeno) associada a temperaturas superiores a 7º C acima das normais climatológicas também é indicada como possível catalisador.

De acordo com os cientistas, o gafanhoto costuma ter comportamento solitário, sem muito contato com outros da espécie. Entretanto, esses sinais climáticos deflagram um gatilho biológico chamado de comportamento gregário, no qual gafanhotos se associam e iniciam os enxames, com altas taxas de reprodução.

A previsão de entrada de uma frente fria na região poderá influenciar a migração dos gafanhotos para leste, atingindo o sul do Brasil, principalmente o Rio Grande do Sul e Santa Catarina, e também pode inibir as taxas de reprodução do inseto, o que ocorre em ciclos de temperaturas baixas.

Informações para a imprensa

Fundação Grupo Boticário
Tamer Comunicação (www.tamer.com.br)

Renato Santana – 11 3031-2388 - ramal 225 – 11 99996-6388 (renato.santana@tamer.com.br)
Claudia Leone – 11 3031-2388 - ramal 247 – 11 99482-7556 (claudialeone@tamer.com.br)
Direção de Núcleo:
Ana Claudia Bellintane – 11 3031-2388 - ramal 238 – 11 998495628 (anaclaudia@tamer.com.br)

Sobre a Fundação Grupo Boticário

Com 30 anos de história, a Fundação Grupo Boticário é uma das principais fundações empresariais do Brasil que atuam para proteger a natureza brasileira. A instituição atua para que a conservação da biodiversidade seja priorizada nos negócios e em políticas públicas e apoia ações que aproximem diferentes atores e mecanismos em busca de soluções para os principais desafios ambientais, sociais e econômicos. Já doou mais de R$ 80 milhões para mais de 1.600 iniciativas dedicadas à causa da conservação em todo o País. Protege duas áreas de Mata Atlântica e Cerrado – os biomas mais ameaçados do Brasil –, somando 11 mil hectares, o equivalente a 70 Parques do Ibirapuera. Com mais de 1,2 milhão de seguidores nas redes sociais, busca também aproximar a natureza do cotidiano das pessoas. A Fundação é fruto da inspiração de Miguel Krigsner, fundador de O Boticário e atual presidente do Conselho de Administração do Grupo Boticário. A instituição foi criada em 1990, dois anos antes da Rio-92 ou Cúpula da Terra, evento que foi um marco para a conservação ambiental mundial.

Sobre a Rede de Especialistas

A Rede de Especialistas em Conservação da Natureza (RECN) reúne cerca de 80 profissionais de todas as regiões do Brasil e alguns do exterior que trazem ao trabalho que desenvolvem a importância da conservação da natureza e da proteção da biodiversidade. São juristas, urbanistas, biólogos, engenheiros, ambientalistas, cientistas, professores universitários – de referência nacional e internacional – que se voluntariaram para serem porta-vozes da natureza, dando entrevistas, trazendo novas perspectivas, gerando conteúdo e enriquecendo informações de reportagens das mais diversas editorias. Criada em 2014, a Rede é uma iniciativa da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza. Os pronunciamentos e artigos dos membros da Rede refletem exclusivamente a opinião dos respectivos autores. Acesse o Guia de Fontes em www.fundacaogrupoboticario.org.br

Dia Nacional da Araucária

Sem fiscalização e manejo adequado, Araucária pode estar extinta nas próximas décadas

Presente na região Sul e em áreas elevadas do Sudeste, a Araucária tem influência cultural por causa de sua semente: o pinhão, que faz parte da culinária em festividades juninas

downloadAttachment&Message%5Buid%5D=172498&Message%5Benvelope%5D%5Bmessage-id%5D=%253CCP2P15201MB23388657C35C0F979FCD4EB9AF950%2540CP2P15201MB2338.LAMP152.PROD.OUTLOOK.COM%253E&Message%5BmailBox%5D%5Bmailbox_id%5D=INBOX&MessageAttachment%5B%5D%5Battachment_id%5D=%3CCP2P15201MB23388657C35C0F979FCD4EB9AF950%40CP2P15201MB2338.LAMP152.PROD.OUTLOOK.COM%3E-1.3

Nesta quarta-feira (24), comemora-se o Dia Nacional da Araucária, uma árvore ancestral do Brasil, mas que corre grandes riscos de extinção em razão do desmatamento e dos efeitos das mudanças climáticas. A Araucária é uma árvore encontrada majoritariamente na região Sul do País, em um ecossistema da Mata Atlântica conhecido como Floresta Ombrófila Mista. É a árvore-símbolo do Paraná, por isso também chamada de pinheiro-do-paraná, estado que, originalmente, concentrava a maior parte do ecossistema que abriga a espécie.

De acordo com o Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica, em 2019, o desmatamento no bioma cresceu 27,2%, perdendo um total de 14.500 hectares de floresta. Desse total, cerca de 24% foram nos estados do Paraná e de Santa Catarina, onde a madeira da Araucária ainda é usada ilegalmente para, por exemplo, abastecer de tábuas a construção civil. “Estima-se que hoje a Floresta com Araucárias ocupe menos de 3% de sua área original, o que a coloca em grande risco de ser extinta nas próximas décadas se não houver uma mudança por parte dos proprietários rurais, da iniciativa privada e do poder público na forma como exploram e cuidam desse que é um dos mais emblemáticos e ameaçados ambientes naturais do Brasil. Lembrando que o que está em jogo não é apenas uma espécie, mas todo um ecossistema com uma grande diversidade de plantas, como imbuias e canelas, e animais, como o papagaio-de-peito-roxo”, afirma Guilherme Karam, coordenador de Negócios e Biodiversidade da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza.

A preocupação com a situação das araucárias não é exagero. Em 2019, um artigo publicado na revista científica Global Change Biology ficou famoso por prever o fim das araucárias até 2070 se nenhuma estratégia de conservação for posta em prática para reverter o ritmo de destruição. O estudo, com participação de cientistas britânicos e brasileiros, explica que depois de sofrer ao longo do século 20 com o desmatamento descontrolado promovido por interesses econômicos, o ecossistema tem agora um cenário igualmente grave para o século 21: o aquecimento global. “A floresta ombrófila mista ocupa os extremos mais altos e frios da Mata Atlântica (temperatura anual média de 12-20 ºC, com frequentes geadas), condições que provavelmente serão cada vez mais raras no futuro próximo”, dizem os pesquisadores.

Por estar geograficamente localizada no Sul e em alguns pontos mais elevados do Sudeste brasileiro (além de pequenos trechos da Argentina e do Paraguai), a Araucária tem influência cultural nessa região por causa de sua semente: o pinhão, presença garantida em festividades juninas e comum nos cardápios de restaurantes e celebrações culinárias durante os meses de inverno. Famosa por sua copa em formato de candelabro, a Araucária pode chegar a 50 metros de altura e tem sua origem no período Jurássico de formação da Terra.

Floresta em pé

Para preservar a espécie e seu ecossistema, a Fundação Grupo Boticário e a Fundação CERTI mantêm o Araucária+, iniciativa que promove a conservação da Floresta com Araucárias por meio de um modelo de negócio que proporciona a inclusão socioeconômica de proprietários de áreas naturais em cadeias produtivas inovadoras. O objetivo da iniciativa é mostrar a importância socioeconômica da floresta em pé.

Por meio do Araucária+, proprietários de terra na área da floresta são estimulados a adotar práticas sustentáveis de manejo do solo e da vegetação, em especial quanto à colheita das sementes de pinhão e das folhas de erva-mate, que é uma planta nativa e existente dentro da Floresta com Araucárias. Entre as práticas acordadas com os proprietários estão a não retirada da totalidade do pinhão (garantindo uma parte para a alimentação da fauna nativa) e a retirada gradual do gado de áreas sensíveis, já, que pisoteia e compacta o solo, dificultando a germinação de sementes das espécies vegetais nativas, fundamental para a perpetuação do ecossistema.

Em relação ao manejo de erva-mate, a extração das folhas só pode acontecer fora do período de floração, que vai de setembro a dezembro, e as árvores precisam ficar com pelo menos 30% das folhas para que tenham condições de sobreviver. Em contrapartida, a iniciativa mobiliza sua rede para vender o pinhão e as folhas de mate para novos mercados que valorizam um produto de origem sustentável e que ajuda a conservar a biodiversidade.

Mais fotos disponíveis no link: https://drive.google.com/drive/folders/1A4n8UremZlEq-Tp9jbrt5G116zRt_3tc. Crédito das fotos: Mauro Scharnik-IAP/Fotos Públicas.

Crise deixará lições para que empresas reduzam custos e gerem benefícios ao meio ambiente, diz especialista

Resultados mostram que é possível adotar práticas mais sustentável, que respeite os limites da natureza sem prejudicar a economia

Os órgãos estaduais de medição da qualidade atmosférica têm divulgado reduções significativas da poluição nas últimas semanas. Grandes capitais como São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba e Minas Gerais apresentaram quedas de até 70% na quantidade de poluentes presentes no ar, mostrando como o isolamento social decorrente do novo coronavírus (Covid-19) gerou mudanças importantes nos hábitos dos brasileiros.

Para André Ferretti, gerente de Economia da Biodiversidade da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza e mestre em ciências florestais, essa nova realidade mostra que o país tem condições de adotar um estilo de vida mais sustentável e que respeite os limites da natureza.

“Depois dessa crise, as empresas vão precisar reduzir custos e vão usar as lições aprendidas nesse período para cortar despesas e, ao mesmo tempo, gerar benefícios ambientais. Estamos vendo que as pessoas estão conseguindo fazer muitas das atividades que antes eram feitas nas ruas, em deslocamentos e viagens, agora de maneira online. Palestras, cursos, reuniões, vendas... E tecnologias estão sendo aprimoradas e desenvolvidas para isso”, diz Ferretti, que também é membro da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza (RECN) e conselheiro da Plataforma Empresas pelo Clima.

De acordo com ele, porém, essa mudança só ocorrerá se o Brasil investir em informação e educação ambiental. “É fundamental usar a informação e a educação para moldar esses novos hábitos. Isso pode trazer muitos benefícios para a saúde, segurança e qualidade de vida das pessoas. O Brasil vai ter que alterar protocolos e leis para estimular essas novas mudanças, investindo em alternativas para a circulação de pessoas, integrando mais áreas verdes às cidades, expandindo a infraestrutura de telecomunicações para garantir acesso à internet de qualidade para toda a população, melhorando os sistemas de logística, modernizando as políticas de mobilidade urbana e adaptando legislações, inclusive trabalhistas, que favoreçam o home office e outras atividades afins”.

Ferretti lembra que cerca de sete milhões de pessoas morrem todos os anos em decorrência da poluição atmosférica, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). A entidade também estima que nove em cada dez pessoas no planeta respiram ar poluído.

“Essa nova dinâmica social surgiu em decorrência de uma crise, mas nos mostrou que é possível adotar hábitos produtivos sem a degradação do meio ambiente. Esse é o momento ideal para começarmos a adotar políticas públicas que nos levem no caminho da sustentabilidade”, diz o especialista, salientando também que cientistas já preveem o surgimentos de outras doenças, ainda mais fatais que o coronavírus, que poderão mais uma vez forçar a sociedade a mudar suas escolhas.

PORTA-VOZ:

André Ferreti, gerente de Economia da Biodiversidade da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, para comentar a redução da poluição nas cidades brasileiras e as lições que o País pode aprender depois dessa crise.