Como a LGPD pode ser uma oportunidade de negócio para as empresas?

Webinar realizada pelo escritório Rücker Curi Advocacia e Consultoria Jurídica traz especialistas para discutir a questão

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), que estabelece regras para a coleta, tratamento, armazenamento e compartilhamento de dados pessoais nas organizações, ainda gera uma série de dúvidas relacionadas à sua implementação de forma correta. Por isso, o escritório Rücker Curi Advocacia e Consultoria Jurídica realiza nesta segunda-feira (29), às 18 horas, seu novo webinar SmarTalks que terá como tema “LGPD: uma oportunidade de negócio para as empresas”.

Além de trazer estratégias e apontamentos jurídicos sobre o assunto, com a participação da sócia-fundadora, Izabela Rücker Curi Bertoncello, e de Alessandra Piloto, advogada no setor de Produtos Financeiros e no setor de Governança Digital no escritório Rücker Curi, o debate contará com a expertise de José Antonio Melnek Tacla, advogado do Olist. Serão tratadas questões como o tempo para regularizar a empresa, quais os procedimentos e se é possível fazer isso sem ajuda especializada.

O evento e pode ser acompanhado pelo site canal do Youtube do escritório, pelo link https://www.youtube.com/watch?v=lvYwMzHGgE4&feature=youtu.be

O que fazer quando a empresa está endividada com o banco?

O tamanho da dívida pode assustar, mas não se pode ficar parado

Muitas empresas estão sofrendo com falta de capital de giro e fluxo de caixa, ou até mesmo com as despesas mais corriqueiras, como a folha de pagamento, por conta da crise que já vem assolando o Brasil há anos. Na maioria das vezes, a resposta acaba sendo fazer empréstimos com bancos para não falir.
“O principal problema dessa situação acontece quando, para sobreviver, a empresa aceita qualquer condição que o banco imponha sem refletir sobre como irá quitar essa dívida no futuro”, conta Dra. Sabrina Rui, advogada em direito tributário e imobiliário.
O desafio é quitar esse empréstimo de forma inteligente e organizada, para não sair no prejuízo. A primeira dica da especialista é contratar um escritório para fazer as negociações. Apesar de ser um gasto a mais, com certeza a empresa sairá no lucro com o banco.
“Os especialistas nisso podem, por exemplo, retirar cobranças ilegais para quitar a dívida. Já tivemos clientes que receberam notificação formal pela instituição financeira de que o valor total da dívida importava em R$ 32 mil, e mesmo em negociação administrativa, o Banco ajuizou ação judicial, e em 45 dias, esse valor subiu para R$ 78 mil. Nesse caso fica claro que há cobranças indevidas e é preciso lidar com isso da maneira correta”, explica.
Não é novidade que condições abusivas são impostas por instituições bancárias e ficar atento a esse detalhe, principalmente quando se tem dívidas. Sabrina afirma que, em 45 dias, é impossível que um valor dobre de tamanho.
Foi preciso levar ao juiz e expressar que, mesmo sabendo que o banco deve receber, existiam cobranças indevidas e nem a própria instituição soube explicar a planilha que foi feita para justificar tal valor. A empresa pôde reabrir o caixa para retomar seu capital de giro e então poder retomar o pagamento da dívida.
A resposta é pensar além do “devo pagar”, focar em como pagar. Fazer um cronograma sobre o assunto e se concentrar em uma dívida de cada vez é o começo para que a empresa possa se reestabelecer.

Serviço: Dra. Sabrina Marcolli Rui

Advogada em direito tributário e imobiliário

www.sr.adv.br

SR Advogados Associados

@sradvogadosassociados

@sradvassociados

(41) 3077-6474

Rua Riachuelo, nº 102 - 20º andar - sala 202, centro – Curitiba.

LIDE Paraná promove bate-papo com o diretor superintendente do Sebrae PR, Vitor Tioqueta

Nesta quarta-feira (24), às 17h, o LIDE Paraná promove mais um episódio da websérie LIDE Paraná Talks, que traz especialistas e filiados para debates relacionados a assuntos de interesse empresariais para manutenção de negócios durante este momento de incerteza. Nesta edição, o diretor superintendente do Sebrae PR, Vitor Tioqueta, fala sobre a força-tarefa criada pelo Sebrae para auxiliar os empreendedores paranaenses no enfrentamento da pandemia.

O Sebrae Paraná criou uma verdadeira operação para dar suporte e apoio aos empreendedores do estado. Ao longo do bate-papo, os filiados do LIDE Paraná poderão entender com Vitor Tioqueta, como podem ter acesso à esses canais, e somarmos forças para enfrentarmos este momento. Reconhecido pela qualidade do conteúdo e poder de engajamento na classe empresarial, o LIDE Paraná apresenta a websérie ligada à estratégia do LIDE Global em trazer conteúdos online.

Os filiados do LIDE poderão acompanhar e participar exclusivamente da webinar ao vivo. Posteriormente, o material será disponibilizado no canal do LIDE Paraná no Youtube. A apresentação da websérie será feita pela jornalista Mira Graçano e o debate será mediado pela presidente do LIDE Paraná, Heloisa Garrett. Para acompanhar a dinâmica da programação acompanhe o Instagram do LIDE Paraná: @lideparana.

Um pouco sobre o Lide
O Lide – Grupo de Líderes Empresariais é, atualmente, presidido por Luiz Fernando Furlan (chairman do LIDE e presidente do LIDE Internacional) e por Roberto Giannetti da Fonseca (vice-chairman). O grupo conta com mais de 1.700 empresas filiadas, que juntas congregam 57% do PIB privado do Brasil, sendo a mais qualificada plataforma empresarial independente do país. Tem matriz em São Paulo e unidades em diferentes estados brasileiros, além do Paraná. O grupo também está presente internacionalmente, em quatro continentes, nos seguintes países: Alemanha, Angola, Argentina, Chile, China, Estados Unidos, Itália, Marrocos, Moçambique, Portugal, Uruguai e Oriente Médio. As atividades do Lide Paraná têm o patrocínio de gestão da Renault e o Lide Mulher tem o patrocínio do Lady & Lord.

SODEXO ANUNCIA PARCERIA COM A ABRASEL PARA APOIAR BARES E RESTAURANTES DURANTE A PANDEMIA DE COVID-19

Serviço disponibiliza orientação profissional gratuita para associados Abrasel, contemplando as áreas de consultoria psicológica, jurídica, financeira e social.

downloadAttachment&Message%5Buid%5D=171362&Message%5Benvelope%5D%5Bmessage-id%5D=%253CCP2P15201MB23715F98851B8A062297AF6893850%2540CP2P15201MB2371.LAMP152.PROD.OUTLOOK.COM%253E&Message%5BmailBox%5D%5Bmailbox_id%5D=INBOX&MessageAttachment%5B%5D%5Battachment_id%5D=%3CCP2P15201MB23715F98851B8A062297AF6893850%40CP2P15201MB2371.LAMP152.PROD.OUTLOOK.COM%3E-1.2

Antônio Alberto Aguiar (Tombé), Diretor de Estabelecimentos da Sodexo Benefícios e Incentivos.

São Paulo, junho de 2020 – Segundo dados da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), diante das restrições econômicas, sanitárias e de circulação que atingem o Brasil em virtude da pandemia de Covid-19, o faturamento caiu mais de 75% para 64% das empresas do setor; muitos estabelecimentos já tiveram que decretar falência e 55% dos restaurantes do país estão atuando somente na modalidade delivery para sobreviver.

Neste contexto, diante das necessidades dos empreendedores brasileiros e com o objetivo de ajudá-los a atravessar este momento de crise, a Sodexo Benefícios e Incentivos, líder em serviços de Qualidade de Vida às pessoas e organizações, anuncia uma parceria inédita e exclusiva com a Abrasel, disponibilizando gratuitamente a solução Apoio Pass para os estabelecimentos associados à entidade.

O que é o Apoio Pass?

É um programa com o objetivo de ajudar as pessoas com os desafios da vida cotidiana por meio de orientação profissional, sendo o único do mercado a oferecer apoio preventivo e em quatro frentes distintas:

- Psicológica

Situações traumáticas, problemas com ansiedade, vícios, relacionamentos com equipe de trabalho e conflitos entre sócios;

- Financeira

Reorganização do orçamento, planejamento de ações e metas;

- Jurídica

Questões tributárias, dúvidas imobiliárias e previdenciárias, negociações de contratos com fornecedores);

- Social

Orientação familiar, casos de perdas, hospitalizações, separações e outros.

A partir desta iniciativa, durante seis meses, sócios e colaboradores dos estabelecimentos associados à Abrasel e seus familiares terão acesso gratuito ao programa. Tudo a partir de um atendimento que funciona 24 horas, sete dias por semana, com garantia de sigilo das informações e participação de profissionais de cada área contemplada, disponibilizando orientação através de uma linha telefônica.

“Neste momento difícil, mais do que nunca, temos trabalhado intensamente para apoiar os pequenos empreendimentos, oferecendo alternativas para continuar a gerar negócios, fazer a manutenção dos empregos e agora vamos além, com um serviço que apoia diretamente colaboradores e seus familiares. Reforçamos assim nossa parceria com a Abrasel e estamos lado a lado de milhões de famílias brasileiras ofertando gratuitamente orientação profissional especializada para ajudá-los a passar por este período de incertezas com mais tranquilidade”, destaca Antônio Alberto Aguiar (Tombé), Diretor de Estabelecimentos da Sodexo Benefícios e Incentivos.

“Essa parceria é fundamental para apoiar as pessoas que estão em um período desafiador, em um ponto importantíssimo que é cuidar da saúde emocional. Vivemos um momento de muitas incertezas e, certamente, ter um profissional para dar apoio personalizado vai fazer a diferença”, complementa o presidente da Abrasel, Paulo Solmucci.

Mais informações

Para mais informações, acesse : https://redeabrasel.abrasel.com.br/read-blog/146_sodexo-apoio-pass-orientacao-profissional-durante-a-crise.html

Para ativação do serviço basta ao gestor do restaurante ligar para a Central de Atendimento Sodexo (tel. 3003.5083 – capitais e regiões metropolitanas/ tel. 0800 728-5083 – demais regiões), informar que é um associado Abrasel e citar o código #SodexoApoiaAbrasel.

Sobre a Sodexo Benefícios e Incentivos

É a empresa do grupo francês Sodexo, líder mundial em serviços de qualidade de vida. Tem em sua missão desenhar, gerenciar e entregar serviços para empresas de todos os portes, segmentos e regiões do Brasil com o objetivo de melhorar a qualidade de vida diária das pessoas e contribuir para o desenvolvimento econômico, social e ambiental das cidades, regiões e dos países em que atua.

Atende aproximadamente 103 mil clientes, que representam 5,9 milhões de usuários, com uma rede de 505 mil estabelecimentos credenciados em todo o País com serviços únicos no mercado de benefícios, gestão de despesas, incentivos e reconhecimento: Refeição Pass, Alimentação Pass, Cultura Pass, VT Pass, Combustível Pass, Gift Pass, Alimentação Pass Natal, Brinquedo Pass, Premium Pass, Wizeo, GymPass e Apoio Pass.

TCP Log recebe cargas projetos para expansão da fábrica da Klabin

Peças com origem na Finlândia seguem até Ortigueira (PR), onde serão utilizadas no projeto de ampliação da fábrica

A TCP Log, subsidiária logística da TCP (empresa que administra o Terminal de Contêineres de Paranaguá), recebeu, em maio, um carregamento de peças que serão utilizadas na ampliação do Projeto Puma II da Klabin, localizado em Ortigueira, cidade a 226 quilômetros de distância de Curitiba. A operação, que incluiu a descarga, transporte e armazenagem das peças, teve a duração de aproximadamente 13 horas.

As 22 peças têm origem na Finlândia e pesos que variam entre 2.600 quilos a 22.500 quilos, exigindo uma preparação logística anterior à operação. “A TCP Log fez todo o planejamento prévio, desenhando e simulando toda a operação para que não houvesse nenhum imprevisto. Além do nosso planejamento rigoroso, seguimos SLAs que são previamente alinhados caso a caso e ao final de cada execução, comprovamos nossa eficiência através dos indicadores”, explica Thomas Limas, vice-diretor Comercial da TCP.

“A preparação de cada etapa permitiu que não nos deparássemos com dificuldades ou surpresa durante as execuções. A experiência do nosso time dedicado para essas operações, somada à nossa sensibilidade para compreender o que de fato importa para nossos clientes – com todas as suas peculiaridades, fazem com que as operações de carga projeto ocorram de modo natural e tranquilo para nós”, complementa.

Durante o processo de transbordo do navio para o cais, a equipe da TCP Log utilizou os guindastes de bordo e equipamentos próprios da TCP: dois guindastes MHC com capacidade de 100 toneladas e dois Reach Stacker. Já o transporte até o armazém foi realizado com carretas especiais, da frota própria do Terminal, e que têm capacidade para transportar cargas com excesso de dimensão e peso (acima de acima de 90 toneladas).

CARGA PROJETO

A TCP Log é referência na operação de carga projeto na região Centro-Sul do País, realizando a gestão e operação logística portuária de grandes equipamentos importados de países da Ásia, Europa e América do Norte. A subsidiária logística da TCP conquistou essa posição com amplos investimentos em infraestrutura e tecnologia, com parcerias com armadores e no treinamento contínuo da equipe operacional.

A empresa atende exportadores e importadores em serviços como armazenagem, movimentação e transporte, todos eles 100% gerenciados por SLAs e KPIs que buscam permanentemente segurança e excelência.

Sobre a TCP

A TCP é a empresa que administra o Terminal de Contêineres de Paranaguá - um dos maiores terminais de contêineres da América do Sul - e a empresa de operações logísticos TCP Log, que oferece serviços de integração da cadeia logística para cargas localizadas no Sul e Sudeste do Brasil.

Responsável pelo maior investimento do setor portuário Brasil na atualidade, onde estão sendo aplicados mais de R$ 550 milhões nas obras de ampliação da capacidade de movimentação do terminal dos atuais 1,5 milhão de TEUs/ano para 2,5 milhões de TEUs/ano, a TCP está se preparando para atender a demanda de mercado brasileiro pelos próximos 30 anos.

Desde março de 2018, a TCP integra o portfólio da China Merchants Port Holding Company (CMPort), o maior e mais competitivo desenvolvedor, investidor e operador de portos públicos da China. Atualmente, as operações e investimentos da empresa se estendem pelas áreas costeiras em Hong Kong, Taiwan, Shenzhen, Ningbo, Shanghai, Qingdao, Tianjin, Dailian, Zhangzhou, Zhanjiang e Shantou. A empresa também vem ampliando sua presença no Sul da Ásia, na África, no Mediterrâneo e na Austrália.

Em março de 2020, o portfólio global de portos da CMPort abrangia 6 continentes, 26 países e regiões e 50 portos. Em 2019 a CMPort movimentou 110 milhões de TEUs.

Movimento #2em2: grandes empresas se unem para aplicação de testes de anticorpos ao Covid-19 no Brasil

A cada teste comprado, outro será doado. Objetivo é gerar informações para pessoas e autoridades e contribuir no combate à pandemia

São Paulo, Maio de 2020 - Empresas de tecnologia, saúde e redes de shoppings se reuniram para criar o Movimento #2em2, maior campanha sem fins lucrativos que oferecerá testes de anticorpos à Covid-19 no Brasil. A iniciativa conta a participação das empresas Vitta, Stone, Cia. da Consulta, Rappi, Loggi, Iguatemi Empresa de Shopping Centers, Mattos Filho, XP Inc., QR Consulting, ONG Renovatio, Orbitae e Sic Works, e é aconselhada por um board formado por oito médicos. O movimento cria um marco de resposta estruturada da sociedade civil contra o coronavírus no Brasil. A cada teste comprado, outro será doado, de 2 em 2, a iniciativa visa testar o maior número de pessoas possíveis.

“Desde o começo da pandemia nosso grupo de sócios está empenhado em realizar ações para ajudar a população. Quando vimos o desafio da qualidade e disponibilidade de testes, entendemos a importância de criar uma iniciativa que poderia se tornar um modelo nacional, sem fins lucrativos, de resposta conjunta da sociedade civil para este problema. Juntos, vamos dar acesso para que pessoas comprem seus testes de anticorpos de Covid-19, ao mesmo tempo em que ajudam outra parte da população que não têm condição de comprar”, declara Tiago Barros co-fundador da Vitta.

Os testes serão vendidos pelo aplicativo Rappi, coletados pela equipe médica da Cia. da Consulta por meio de um sistema drive-thru, no shopping Iguatemi São Paulo, em dia e horário pré-agendados no próprio aplicativo.

“Com o #2em2, vamos poder atuar ativamente como parte da solução da crise de saúde que o país enfrenta, com a oferta de testagem em massa da população de forma segura, que pode ajudar as autoridades a tomarem a melhor decisão sobre alocação de recursos de saúde, e relacionadas a economia. E ainda, tem um cunho social do movimento com doação de testes para hospitais públicos e filantrópicos. Para nós, aderir ao projeto teve sinergia com a missão da Cia. da Consulta de oferecer acesso à saúde de qualidade com a nossa expertise operacional e técnica”, destaca Victor Fiss, fundador e CEO da Cia. da Consulta.

“O momento inédito que estamos vivendo nos mostra que precisamos ser mais generosos e humanos. Acredito que, se cada um fizer um pouco, conseguiremos sair mais rápidos dessa situação. E é isso o que estamos fazendo ao integrar esse movimento tão importante ao lado de outras empresas, contribuindo para o bem coletivo”, afirma Charles Krell, vice-presidente de operações da Iguatemi Empresa de Shopping Centers.

As coletas serão realizadas por profissionais de saúde contratados e treinados pela Cia. da Consulta e enviadas para processamento. Assim que realizar o exame, o paciente irá receber um e-mail com o caminho para acesso ao resultado. Neste e-mail irá conter o número do protocolo e o link da LP.

"A Rappi tem como missão ajudar a melhorar a vida de todos na América Latina. Em um momento difícil como esse, temos tomado uma série de ações visando proteger nosso ecossistema e ajudar mais ainda a sociedade. Estamos empenhados em usar nosso potencial de alcance e nossa tecnologia para ser a ferramenta de acesso da população aos testes de anticorpos. Entendemos a importância da aplicação dos testes e, por isso, criamos um botão no nosso app para que os usuários possam adquiri-los - e, por consequência, também possam doar na mesma proporção -, agendem o melhor dia e horário para execução do teste e façam o pagamento digital, via app", informar Sérgio Saraiva, presidente da Rappi Brasil.

"O Movimento tem como pilar central o compromisso com a ciência. Criamos o board médico com o objetivo de validar os diversos testes presentes no mercado e, com o material técnico produzido através do movimento, facilitar a tomada de decisão dos órgãos responsáveis”, declara Alberto David, gestor do board médico do #2em2.

Com o intuito de testar o maior número de pessoas no Brasil, o movimento #2em2 visa impactar todas as classes sociais. Para isso a ONG Renovatio será responsável pela distribuição dos testes resultantes do match feito na hora da compra. Essa distribuição será realizada para hospitais públicos e instituições filantrópicas.

As coletas serão realizadas por profissionais de saúde contratados e treinados pela Cia da Consulta e enviadas para processamento. Entre 72h, os pacientes receberão o resultado de seus testes.

‘’Dos países com maior número de casos confirmados, o Brasil é um dos que menos realizou testes para COVID-19. Mais testes significam dados mais confiáveis o que pode ampliar consideravelmente a capacidade de resposta do país, sobretudo para a população em situação de vulnerabilidade social, que em muitas perspectivas está mais exposta aos efeitos da pandemia. O Movimento 2em2 está comprometido com este desafio e para cada teste que for comprado em nosso sistema iremos fazer o “match” de doação para uma pessoa que não pode pagar. A Renovatio será a responsável por garantir a doação, que será financiada por meio da doação de empresas, instituições filantrópicas e pessoas físicas, e serão destinadas à hospitais públicos e filantrópicos e em alguns casos diretamente para comunidades vulneráveis.’’ destaca Ralf Toenjes, presidente da ONG Renovatio.

Empresas apoiadoras e patrocinadoras estão doando recursos próprios que abrangem alocação de times, dinheiro e disponibilização de espaços.

Todo o processo de doação dos testes passará por uma verificação técnica de Big Four, com regulamento feito pelo escritório Mattos Filho, a fim de garantir transparência e legitimidade para o dinheiro arrecadado.

Sobre a Cia. da Consulta

A Cia. da Consulta é uma rede de clínicas independente que oferece serviços integrados com consultas, exames e cirurgias em um único lugar. Disponibiliza mais de 40 especialidades médicas, como Cardiologia, Ginecologia, Dermatologia e Oftalmologia, além de 2 mil exames laboratoriais e de imagem. A empresa possui nove unidades em São Paulo e Região Metropolitana. Durante a pandemia do novo coronavírus, a Cia. da Consulta ampliou seus serviços e lançou consulta online para 13 especialidades médicas. Além disso, a marca oferece também a coleta domiciliar do teste para detecção de infecção pelo coronavírus.

Contato Cia. da Consulta:

Grasiela Caldeira - grasiela.caldeira@gbr.com.br - (11) 99147-1401

Organização abre fundo de crédito e capacitação para microempreendedores de baixa renda afetados pela crise do Coronavírus

Fundo fornece empréstimos com taxa de juros de 1,5%, além de conteúdo de educação financeira; não é necessário ter CNPJ

O impacto que a pandemia do Coronavírus está causando na economia brasileira é enorme, em empresas de diferentes portes e setores. Para os microempreendedores de baixa renda, que dependem de forma imediata da renda do seu negócio, os danos são ainda mais devastadores. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil tem hoje mais de 46 milhões de microempreendedores e trabalhadores informais. Para atender a esse público, a Aliança Empreendedora, em conjunto com a Associação Brasileira de Entidades Operadoras de Microcrédito e Microfinanças (Abcred), criou o Fundo Emergencial de Apoio a Microempreendedores.

A iniciativa é composta por um fundo de empréstimos financeiros, com juros baixos, e cursos de capacitação online e gratuitos destinados a empreendedores de comunidades de baixa renda, formalizados ou não, que estão passando por dificuldades por conta da crise do Coronavírus.

“A Abcred é a parceira ideal para esse momento, pois assim como a Aliança Empreendedora, trabalha em rede. Possui 34 instituições associadas distribuídas no Brasil inteiro e principalmente em regiões do interior, uma capilaridade que nenhuma outra organização de microcrédito tem e uma grande responsabilidade na distribuição de crédito”, explica Helena Casanovas Vieira, cofundadora e Diretora de Pesquisa e Desenvolvimento Aliança Empreendedora.

Crédito

O fundo tem duas modalidades: perdido, quando é realizada a doação do recurso aos empreendedores para terem fôlego durante a crise; e fundo com retorno, com taxa de juros de 1,5 % ao mês, bem inferior ao praticado no mercado, que é de 3,9% ao mês. A análise de crédito leva de três a quatro dias e o valor é fornecido via transferência bancária ou cartão pré-pago.

O diretor financeiro da Abcred, Fabio Maschio, explica que a solicitação pode ser feita pelos microempreendedores diretamente com as instituições associadas e não é preciso ter CNPJ. “Os trabalhadores informais serão um dos grupos mais afetados, por isso a facilitação na liberação de crédito para esse perfil de empreendedor é fundamental”, comenta.

As organizações que desejam contribuir e aportar recursos no Fundo Emergencial devem entrar em contato diretamente com Aliança Empreendedora.

Capacitação

Além do crédito, os empreendedores receberão conteúdo de educação financeira, desenvolvido pela Aliança Empreendedora, por meio dos agentes de microcrédito e financeiros. São videoaulas, ferramentas e material de apoio - em uma linguagem acessível, rápida e prática - compartilhados por meios digitais como o Whatsapp e redes sociais.

A capacitação ajudará o microempreendedor de baixa renda a planejar o futuro do negócio de forma consciente. “Saber utilizar o crédito é fundamental em momentos como este que estamos passando e o agente de crédito possui um importante papel nesse momento” destaca Fabio Maschio, Diretor Financeiro da Abcred.

“Com essa parceria vamos conseguir construir conteúdo em conjunto e fazer com que o microcrédito seja mais orientado do que ele tem sido até então”, finaliza a cofundadora da Aliança Empreendedora.

Aliança Empreendedora

Criada em 2005, a instituição faz parceria com empresas, governos e organizações sociais para desenvolver modelos de negócios inclusivos e apoiar microempreendedores que estão em comunidades de baixa renda. A Aliança Empreendedora está em todos os estados brasileiros e concretizou 165 projetos, treinou 134 organizações e apoiou mais de 100 mil microempreendedores no Brasil.

Assaí Atacadista abre 1000 vagas de emprego em todo o País

O Assaí Atacadista está selecionando profissionais nas cinco regiões do País para reforçar seu quadro de colaboradores durante a pandemia do novo coronavírus. São cerca de mil vagas, entre efetivas e temporárias, para os cargos de operador de caixa, operador de loja, operador de Centro de Distribuição e auxiliar de refeitório. Os interessados podem se cadastrar no site da empresa, o www.assai.com.br/trabalhe-conosco, clicando na opção Banco de Talentos. É necessário ter Ensino Médio completo e ser maior de 18 anos para concorrer a uma das vagas. Como medida de prevenção contra a Covid-19, o processo seletivo foi adaptado para ser realizado online. Apenas a última etapa pode ser realizada presencialmente.

Negócio de atacado de autosserviço do GPA, um dos maiores grupos varejistas do País, o Assaí atende pequenos e médios comerciantes e consumidores em geral que buscam economia em compras de grande volume. Atacadista que mais cresce no Brasil, a rede está presente nas cinco regiões do País, com 167 lojas distribuídas em 20 estados e no Distrito Federal. Conta com uma plataforma própria de serviços financeiros, o Passaí, composta por cartão próprio e uma maquininha de cartão de crédito e débito. Anualmente, o Assaí recebe mais de 250 milhões clientes em suas unidades. Em 2019, foi eleito o atacadista mais admirado do País pelo ranking IBEVAR-FIA.

Crise deixará lições para que empresas reduzam custos e gerem benefícios ao meio ambiente, diz especialista

Resultados mostram que é possível adotar práticas mais sustentável, que respeite os limites da natureza sem prejudicar a economia

Os órgãos estaduais de medição da qualidade atmosférica têm divulgado reduções significativas da poluição nas últimas semanas. Grandes capitais como São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba e Minas Gerais apresentaram quedas de até 70% na quantidade de poluentes presentes no ar, mostrando como o isolamento social decorrente do novo coronavírus (Covid-19) gerou mudanças importantes nos hábitos dos brasileiros.

Para André Ferretti, gerente de Economia da Biodiversidade da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza e mestre em ciências florestais, essa nova realidade mostra que o país tem condições de adotar um estilo de vida mais sustentável e que respeite os limites da natureza.

“Depois dessa crise, as empresas vão precisar reduzir custos e vão usar as lições aprendidas nesse período para cortar despesas e, ao mesmo tempo, gerar benefícios ambientais. Estamos vendo que as pessoas estão conseguindo fazer muitas das atividades que antes eram feitas nas ruas, em deslocamentos e viagens, agora de maneira online. Palestras, cursos, reuniões, vendas... E tecnologias estão sendo aprimoradas e desenvolvidas para isso”, diz Ferretti, que também é membro da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza (RECN) e conselheiro da Plataforma Empresas pelo Clima.

De acordo com ele, porém, essa mudança só ocorrerá se o Brasil investir em informação e educação ambiental. “É fundamental usar a informação e a educação para moldar esses novos hábitos. Isso pode trazer muitos benefícios para a saúde, segurança e qualidade de vida das pessoas. O Brasil vai ter que alterar protocolos e leis para estimular essas novas mudanças, investindo em alternativas para a circulação de pessoas, integrando mais áreas verdes às cidades, expandindo a infraestrutura de telecomunicações para garantir acesso à internet de qualidade para toda a população, melhorando os sistemas de logística, modernizando as políticas de mobilidade urbana e adaptando legislações, inclusive trabalhistas, que favoreçam o home office e outras atividades afins”.

Ferretti lembra que cerca de sete milhões de pessoas morrem todos os anos em decorrência da poluição atmosférica, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). A entidade também estima que nove em cada dez pessoas no planeta respiram ar poluído.

“Essa nova dinâmica social surgiu em decorrência de uma crise, mas nos mostrou que é possível adotar hábitos produtivos sem a degradação do meio ambiente. Esse é o momento ideal para começarmos a adotar políticas públicas que nos levem no caminho da sustentabilidade”, diz o especialista, salientando também que cientistas já preveem o surgimentos de outras doenças, ainda mais fatais que o coronavírus, que poderão mais uma vez forçar a sociedade a mudar suas escolhas.

PORTA-VOZ:

André Ferreti, gerente de Economia da Biodiversidade da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, para comentar a redução da poluição nas cidades brasileiras e as lições que o País pode aprender depois dessa crise.

As empresas estão preparadas para o mundo online?

AHK Paraná promove webinar gratuito e aberto ao público

sobre gestão e produtividade da equipe em home office

Como gerenciar os colaboradores a distância? Manter o ritmo e o engajamento em home office funciona? Como se fazer indispensável para os clientes em tempos de isolamento social? Afinal, quais as melhores práticas para manter a produtividade da equipe e, consequentemente, a sustentabilidade do negócio?
Com o objetivo de responder tais questionamentos e auxiliar as organizações diante deste novo cenário, em que o sistema de trabalho home office ganhou espaço, a Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha (AHK Paraná) promove um evento online gratuito e aberto ao público.
O webinar “As empresas estão preparadas para o mundo online? Saiba como garantir a produtividade da equipe em home office” será realizado no dia 14 de abril (terça-feira), das 10h às 11h10. Na linha de frente, um time de palestrantes formado pelo CEO e Partner da De Bernt, Fábio Souza, pela diretora da Projetual Comunicação, Milena Mancini, e pela diretora da Smartcom – Inteligência em Comunicação, Silvana Piñeiro Nogueira. O encontro virtual é o primeiro de uma série de eventos gratuitos que a AHK Paraná realizará, por meio da plataforma Zoom.
De acordo com Silvana Piñeiro Nogueira, diretora da Smartcom, agência responsável pela comunicação da entidade, a ideia principal do webinar é abordar a relação e o preparo das empresas quanto ao mundo online. “Em um momento de crise, foi necessário o deslocamento dos colaboradores em um curto período de tempo para o sistema de trabalho home office. Diante disso, foi possível constatar que a maioria das empresas não está preparada para esse método de trabalho remoto, mesmo com a tecnologia cada vez mais avançada”, relata.
Silvana, que há mais de um ano faz a gestão da agência Smartcom diretamente da Alemanha, acredita que também há um certo preconceito em relação ao home office e, até mesmo, um desconforto por parte da própria equipe. “Sendo assim, o posicionamento do líder deve ser ainda mais incisivo, cabe a ele manter a equipe focada em um objetivo comum”, completa.
Por fim, a jornalista destaca que o papel da liderança é a ferramenta mais importante neste momento, mais do que qualquer ferramenta tecnológica. “Isso é o que vai gerar o engajamento e a motivação dos colaboradores, que precisam se manter produtivos, a fim de garantir a sustentabilidade da empresa”, pontua.
As inscrições podem ser feitas pelo link: https://bit.ly/3b06gRF. Para mais informações, entre em contato com a AHK Paraná pelo e-mail: ahkparana@ahkbrasil.com .

Serviço:
As empresas estão preparadas para o mundo online? Saiba como garantir a produtividade da equipe em home office

Webinar gratuito e aberto ao público (AHK Paraná)

Data: 14 de abril (terça-feira)

Horário: 10h às 11h10

Local: Webinar via Zoom

Inscrições: https://bit.ly/3b06gRF

Informações pelo e-mail: ahkparana@ahkbrasil.com

Palestrantes:

Fábio Souza é pós-graduado em Gestão de Negócios pela FGV, tendo consolidado sua carreira como headhunter expert em recrutamento de executivos. Com passagens pela AMCHAM e Michael Page, atualmente exerce o papel de CEO & Partner da De Bernt no Brasil, uma das maiores consultorias de atração e gestão de talentos do país, que chega aos seus 33 anos com mais de 20 mil executivos abordados anualmente e única representante no Brasil da AIMS International.

Milena Mancini é diretora da Projetual Comunicação desde 2003. É especialista em Marketing e Consultora de Marketing Digital do SEBRAE/PR. Atua com Marketing Digital e com comércio eletrônico em empresas B2B e B2C.

Silvana Piñeiro Nogueira mora na Alemanha e administra a distância a Smartcom Inteligência em Comunicação, com sede em Curitiba, que há 10 anos atua na área de comunicação nacional e internacional B2B. É jornalista com 25 anos de atuação, mestre em Estudos Políticos pela Sorbonne - Paris II e pós-graduada em Marketing pela FAE Business School.

Sobre a AHK Paraná – Estimular a economia de mercado por meio da promoção do intercâmbio de investimentos, comércio e serviços entre a Alemanha e o Brasil, além de promover a cooperação regional e global entre os blocos econômicos. Esta é a missão da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha (AHK Paraná), entidade atualmente dirigida pelo Conselheiro de Administração certificado pelo IBGC e Cônsul Honorário da Alemanha em Curitiba Andreas F. H. Hoffrichter.

Fundada em 1972, a AHK Paraná integra uma rede composta por mais de 130 Câmaras binacionais alemãs em 90 países ao redor do mundo que trabalham em prol do fomento profissional de seus associados e no estímulo ao networking entre diferentes organizações. Com foco no desenvolvimento do Paraná, a AHK Paraná está entre as cinco melhores e mais completas câmaras bilaterais do Brasil e agrupa empresas de capital ou know how alemão e companhias brasileiras instaladas no estado com interesses na Alemanha.

Pesquisa do Sebrae revela que 89% dos pequenos negócios já enfrentam queda no faturamento

De acordo com o levantamento, caso as medidas de isolamento da população permaneçam por mais tempo, 36% dos empreendimentos devem fechar as portas em um mês

Os primeiros dias de restrição à circulação de pessoas e isolamento social, em decorrência do Coronavírus, já atingem o equilíbrio financeiro das empresas e ameaça a sobrevivência de milhões de pequenos negócios no país. Segundo pesquisa feita pelo Sebrae, 89% das micro e pequenas empresas brasileiras já observam uma queda no seu faturamento. E 36% dos empreendedores afirmam que precisarão fechar o negócio permanentemente, em 1 mês, caso as restrições adotadas até agora permaneçam por mais tempo.

A pesquisa, feita entre os dias 20 e 23 de março, junto a um universo de 9.105 donos de pequenos negócios – sendo 794 (8,7%) deles com sede no Paraná, revelou que, na média, a redução no faturamento das empresas foi de 69%. Os empresários ouvidos pelo Sebrae ressaltam que, mesmo adotando uma estratégia de venda online, o faturamento anual do negócio sofreria uma queda de 74%, caso as políticas de isolamento social sejam mantidas por um período de dois meses.

Com a expressiva queda nas vendas, 54% dos empreendedores já preveem que precisarão solicitar empréstimos para manter o negócio em funcionamento sem gerar demissões. E, avaliando as perspectivas da economia brasileira, 33% dos empresários entrevistados acreditam que o país deve levar um ano ou mais para voltar ao normal.

As medidas de restrição ao deslocamento de pessoas já fizeram com que 42% dos empresários tomassem a decisão de fechar temporariamente o negócio e levou 26% a reduzir a jornada de trabalho da empresa.

Para o presidente do Sebrae, Carlos Melles, a pesquisa confirma a importância e a urgência de medidas de socorro aos pequenos negócios. “As pequenas empresas representam 99% de todos os empreendimentos do país e geram mais da metade dos empregos formais. A situação provocada pela pandemia exige de todos os agentes públicos o compromisso pela busca de soluções concretas e rápidas para os problemas que essas empresas estão enfrentando no dia a dia da crise”, destaca Melles. O presidente do Sebrae ressalta que a instituição está atuando junto às diferentes instâncias de governo, ao Congresso e ao Judiciário para o desenvolvimento dessas soluções. “O Sebrae está, nesse momento, ao lado dos empresários e disponibilizando todo o apoio por meio das diferentes plataformas de atendimento”, destaca.

PRINCIPAIS NÚMEROS DA PESQUISA NO PARANÁ

Como o seu faturamento mensal está sendo afetado?

2% aumentou
4% permaneceu igual
88% diminuiu
Quanto foi a perda em termos de faturamento mensal até este momento?

de mais de 50% - 62 % dos entrevistados
de 41% a 50% - 13 % dos entrevistados
de 31% a 40% - 9 % dos entrevistados
de 21% a 30% - 9 % dos entrevistados
de 11% a 20% - 3 % dos entrevistados
de 6% a 10% - 2 % dos entrevistados
até 5% - 2 % dos entrevistados
Por quanto tempo acredita que o negócio permaneça aberto, com as restrições adotadas até agora?

Mais de 6 meses - 3%
De 5 a 6 meses – 3 %
De 3 a 4 meses – 8 %
De 2 a 3 meses – 30 %
Até 1 mês – 36 %
MAIS NÚMEROS DA PESQUISA NO BRASIL

Ações que já estão sendo adotadas pela empresa

57% disponibilizou álcool-gel p-colaboradores
54% ampliou a limpeza
50% disponibilizou álcool-gel p-clientes
42% fechou temporariamente o negócio
26% reduziu jornada de trabalho
Ações que a empresa ainda vai adotar

40% fechar temporariamente o negócio
28% ampliar a limpeza
26% disponibilizar álcool-gel
26% aumentar vendas on-line
25% fechar permanentemente
Quanto tempo vai demorar para a situação da economia brasileira voltar ao normal?

Mais de 12 meses – 24 %
12 meses – 9 %
6 meses – 19 %
3 meses – 9 %

Empresas se reinventam para prestar serviços remotamente durante a pandemia do novo coronavírus

De tour virtual em apartamentos decorados a pagamento por QR Code, o foco é usar a criatividade e a tecnologia para não perder o contato com o cliente

Com o rápido avanço do novo coronavírus no Brasil, muitos setores tiveram de encontrar soluções para não “fechar as portas” e continuar a oferecer seus serviços normalmente, mas de forma remota. Foi o que aconteceu com quatro empresas de diferentes segmentos, que se reinventaram e criaram meios para continuar atendendo seu público com qualidade mesmo que a distância.

A GT Building, uma das maiores incorporadoras imobiliárias do Paraná, disponibilizou uma série de possibilidades ao consumidor, que não precisa esperar a pandemia passar para conhecer os empreendimentos. Sendo pioneira a implementar um sistema de atendimento remoto via computador ou aplicativo, a empresa consegue proporcionar por meio de vídeochamada e transmissão ao vivo várias funções que dão andamento à busca e à compra do imóvel ideal.

O sistema funciona da seguinte forma: o cliente preenche um formulário com nome e-mail e telefone, e esses dados são encaminhados a um especialista da empresa, que está conectado à mesma plataforma. Após o cliente receber um link para realizar a vídeochamada com esse profissional, é iniciada uma transmissão em que o especialista apresenta os empreendimentos, envia materiais de apoio, expõe a tabela de preços simulando opções de financiamento e realiza um tour virtual do apartamento decorado. Se o interessado já quiser fechar negócio, é possível realizar a assinatura do novo imóvel por meio de contrato eletrônico.

Para conferir todos os detalhes dos empreendimentos, também é possível entrar em contato por meio de chat online, e-mail, telefone e WhatsApp. Mas, para quem precisa manter o relacionamento pessoal para retirar as chaves do novo imóvel ou realizar vistorias, por exemplo, a incorporadora encontrou uma alternativa. Seguindo de forma rigorosa as normas de higienização recomendadas pelos órgãos oficias de saúde, irá disponibilizar álcool em gel e cuidar para que distâncias seguras entre os envolvidos seja mantida, além de possibilitar visitas físicas apenas com agendamento prévio para que a demonstração seja individual e a fundamental higienização dos apartamentos seja realizada.

Quem também está apostando no meio virtual para manter suas atividades é a Cultura Inglesa, uma das principais escolas de inglês do Brasil. Atendendo às recomendações dos órgãos de saúde, a companhia passou a transmitir suas aulas por meio de videoconferência desde o dia 23 de março. Para que isso fosse possível, os professores que estão fora do grupo de risco passaram por uma capacitação para atender aos alunos nesse novo momento. Além disso, os estudantes estão recebendo atividades para realizar em casa com a família.

Sem contato físico

Para evitar a manipulação de cédulas de dinheiro, usuários têm utilizado aplicativos de pagamento via QR Code para realizar compras. Uma empresa que oferece esse tipo de serviço é a Connecty Pay, sistema de gestão de pagamentos criado em Curitiba que disponibiliza essa funcionalidade em diversos estabelecimentos do Paraná.

Para utilizar a ferramenta, o cliente deve cadastrar seu cartão de crédito, de preferência no app, acionar a função de pagamento por QR Code, fazer a leitura do código no estabelecimento e, na sequência, realizar o pagamento. A casa comercial aprova a venda do usuário pelo sistema e envia o comprovante da transação por e-mail. Tudo isso é feito de forma rápida e segura, pois o usuário não tem contato nenhum com dinheiro, nota fiscal e outras pessoas. Em alguns casos, como em postos de combustível, não é necessário nem sair de dentro do carro para efetuar o pagamento. Para facilitar ainda mais, a Connecty Pay disponibiliza a função ‘retire na loja’, que oferece aos usuários a possibilidade de comprar os produtos de estabelecimentos credenciados pelo aplicativo e passar no local apenas para fazer a retirada.

Já a Arcos Dorados, maior franquia independente do McDonald’s no mundo, tomou a decisão de fechar o salão de seus restaurantes no Brasil a partir de 23 de março. A rede informa que recomendou o fechamento temporário dos seus mais de 1000 restaurantes no país, atendendo aos clientes exclusivamente pelo Delivery, Drive-thru e, em algumas situações, pedidos para viagem, incluindo as lojas de rua. A empresa reitera ainda que está tomando todas as medidas de prevenção e proteção de seus funcionários, clientes e parceiros, reforçando seus protocolos de higiene e limpeza. A companhia segue acompanhando dia a dia a evolução da questão no país, seguindo todas as determinações das autoridades sanitárias do Brasil e considerando todas as situações excepcionais. No início da semana, os tradicionais Uber Eats, Rappi e iFood já anunciaram a “entrega sem contato”, modelo em que os entregadores deixam os pedidos na porta, sem ter contato com o cliente.

A tecnologia como forma de imunizar o seu negócio

Por *Otávio Amaral

Mais do que uma doença infecciosa, o Covid-19 é um teste de competência ao mercado global: para sobrevivermos, precisamos provar nossa capacidade de adaptação e de gerar soluções e inovações rápidas e eficientes.

O desafio é imenso, mas, ao contrário das pandemias anteriores, agora possuímos um importante aliado: a tecnologia digital!

Se, durante outros surtos, não tivemos as ferramentas necessárias para preservar o bem-estar coletivo e a saúde econômica paralelamente, desta vez nós temos.

A internet foi, até aqui, protagonista de grandes controversas: um espaço com poucas leis, saturado de informações – nem sempre verídicas – e capaz de minar e adoecer a psique contemporânea. No entanto, usada com inteligência e responsabilidade, ela é um poderoso recurso no controle e superação dos riscos e avarias atuais.

Muitas empresas estão usando esta tecnologia como instrumento para a manutenção de suas atividades, diminuição de danos e elaboração de estratégias para recuperação da crise.

E ela ainda nos permite preservar ou melhorar não somente o desempenho de nossos negócios, mas também o de nossos colaboradores.

Por exemplo, a principal tática implementada pelo mercado corporativo está sendo o trabalho remoto (home office). Graças a isso, pudemos assegurar a continuidade de nossas funções sem comprometer a vida dos envolvidos. É claro que esta solução apresenta dinâmicas inéditas para muitas organizações e dificuldades também. Mas ultrapassado esse período, teremos, todos, adquirido muita experiência, conhecimento e confiança para enfrentar futuras transformações de cenário

Existe aprendizado aqui e precisamos estar abertos a ele.

Outro auxílio fundamental prestado pela internet é a possibilidade de trocarmos informação e sabedoria de forma instantânea e massiva. Com ela, a comunicação entre população, inciativas públicas e privadas, lideranças, comunidade científica, ganha um caráter imediato e eficiente. Ainda que estejamos isolados – para conter a propagação do vírus – estamos conectados e compartilhando sabedoria, notícias, soluções e esperanças.

Por fim, devemos a esta tecnologia a possibilidade de gerarmos saídas e caminhos alternativos, que contribuem para a movimentação econômica. Ou seja, podemos prestar serviços e atendimentos online, realizar videoconferências, fazer pedidos e efetivar entregas sem contato.

O mercado, neste contexto, também não é só de ameaças, ele oferece oportunidades para quem for capaz de inovar e gerar soluções. Um ótimo panorama para startups e e-commerces desenvolverem novos negócios de forma criativa e útil.

Tecnologia digital sempre foi a força motriz do Empresômetro. Por meio dela, temos a habilidade e a inteligência de compreender o mercado e auxiliar no progresso e assertividade de outras empresas. Sempre investimos nisso e sempre compreendemos seu caráter imprescindível. Essa expertise nos possibilitou implementar, com extrema agilidade, o trabalho 100% home office sem prejudicar nossa performance e atendimento.

Por também compreendemos nosso papel social e para proteger o bem-estar de nossos colaboradores, asseguramos o emprego de cada um deles e disponibilizamos 1ª parcela do décimo terceiro para casos emergenciais. Acreditamos que a inciativa privada não tem somente desafios e oportunidades em seu horizonte, mas, principalmente, muitas responsabilidades. E, por isso, estamos fazendo tudo para nos posicionarmos da forma mais humana e comprometida neste momento.

E a sua empresa, como está lidando com o período de crise? Vamos trocar e compartilhar ideias, angústias e, principalmente, soluções!

*Otávio Amaral é CEO do Empresômetro – Empresa voltada a inteligência de mercado. Suas ferramentas incluem listas de prospecção, que possibilitam maior assertividade, além de oferecer soluções que utilizam a mais alta tecnologia da informação, garantindo segurança na tomada de decisão de gestores de grandes empresas, como também proporciona conhecimento de mercado para pequenas e médias empresas através da ferramenta online, Empresômetro Listas.

Aceleração digital conecta empresas e clientes com agilidade e assertividade

A agência curitibana de Publicidade e Marketing Bravamente acaba de lançar um projeto para empresas encontrarem o cliente ideal por meio digital de forma assertiva e rápida. O projeto Hunt dura 90 dias e utiliza um método de aceleração digital com ferramentas da internet que identificam e alcançam potenciais clientes. “É um método ágil, criativo e específico para trazer retorno aos empresários. O resultado pode ser sentido logo nas primeiras semanas”, explica a empresária Karina Weigert Gomes, sócia-proprietária da Bravamente.

O projeto foi criado para resolver o desconforto que trazem às empresas, as mudanças de tempo e espaço na comunicação: o Jet Lag empresarial. Este termo foi criado pela Bravamente para definir o desconforto, confusão e desorientação causados pela mudança na comunicação. “Hoje a comunicação passou a ser imediata e horizontal - o vai e vem da comunicação - e, de física, passou a digital”, ressalta Karina. Além disso, as empresas vivenciam o Marketing 4.0, mais recente estágio do mercado no qual as empresas utilizam diversas tecnologias que permeiam o dia-a-dia das pessoas e se transformaram em um meio necessário para conectar marcas e consumidores.

O projeto Hunt está inserido no Marketing 4.0 e incorpora ações que fazem parte da estratégia digital, como o landing page, oferta (o que o cliente pode ganhar em troca), formulário, e-mail marketing, mídias sociais como facebook, instagram, digicard, whatsapp marketing, entre outros, e três vídeos curtos de até 30 segundos. Além disso, as primeiras 50 empresas que fecharem contrato com a Bravamente recebem R$ 500,00 para investir em Google ADS.

Sobre a Bravamente

Com amplo know-how nas áreas de atendimento, planejamento e criação, a Bravamente tem abraçado grandes propostas nacionais e internacionais. Influentes empresas e instituições já tiveram sua passagem marcada pela Bravamente. Sua sócia-proprietária Karina Weigert, define a Bravamente como uma empresa baseada na coragem em empreender e mudar. Karina é empreendedora, palestrante e professora ministra a disciplina de Vendas, Oratória e Empreendedorismo do Curso VOE na Faculdade Esic. É também consultora da área de Comunicação há mais de 20 anos e diretora de Marketing da Câmara de Comércio Brasil-China.

Agência Bravamente
A agência curitibana de Publicidade e Marketing Bravamente acaba de lançar um projeto para empresas encontrarem o cliente ideal por meio digital de forma assertiva e rápida. O projeto Hunt dura 90 dias e utiliza um método de aceleração digital com ferramentas da internet que identificam e alcançam potenciais clientes. “É um método ágil, criativo e específico para trazer retorno aos empresários. O resultado pode ser sentido logo nas primeiras semanas”, explica a empresária Karina Weigert Gomes, sócia-proprietária da Bravamente.

O projeto foi criado para resolver o desconforto que trazem às empresas, as mudanças de tempo e espaço na comunicação: o Jet Lag empresarial. Este termo foi criado pela Bravamente para definir o desconforto, confusão e desorientação causados pela mudança na comunicação. “Hoje a comunicação passou a ser imediata e horizontal - o vai e vem da comunicação - e, de física, passou a digital”, ressalta Karina. Além disso, as empresas vivenciam o Marketing 4.0, mais recente estágio do mercado no qual as empresas utilizam diversas tecnologias que permeiam o dia-a-dia das pessoas e se transformaram em um meio necessário para conectar marcas e consumidores.

O projeto Hunt está inserido no Marketing 4.0 e incorpora ações que fazem parte da estratégia digital, como o landing page, oferta (o que o cliente pode ganhar em troca), formulário, e-mail marketing, mídias sociais como facebook, instagram, digicard, whatsapp marketing, entre outros, e três vídeos curtos de até 30 segundos. Além disso, as primeiras 50 empresas que fecharem contrato com a Bravamente recebem R$ 500,00 para investir em Google ADS.

Sobre a Bravamente

Com amplo know-how nas áreas de atendimento, planejamento e criação, a Bravamente tem abraçado grandes propostas nacionais e internacionais. Influentes empresas e instituições já tiveram sua passagem marcada pela Bravamente. Sua sócia-proprietária Karina Weigert, define a Bravamente como uma empresa baseada na coragem em empreender e mudar. Karina é empreendedora, palestrante e professora ministra a disciplina de Vendas, Oratória e Empreendedorismo do Curso VOE na Faculdade Esic. É também consultora da área de Comunicação há mais de 20 anos e diretora de Marketing da Câmara de Comércio Brasil-China.

Agência Bravamente

Cinco dicas para pequenas empresas utilizarem o WhatsApp Business

Com mais funcionalidades, a versão pode ajudar as pequenas empresas no relacionamento com o cliente e no ganho de produtividade

O WhatsApp é o aplicativo de mensagens mais utilizado no mundo, e nos pequenos negócios não poderia ser diferente. Segundo a pesquisa Transformação Digital nas MPE, realizada pelo Sebrae em 2018, 72% das micro e pequenas empresas se comunicam com os clientes pelo WhatsApp. O aplicativo é usado para: disponibilizar informações relacionadas a produtos e serviços (59%), atendimento online (59%), vendas (43%) e cadastrar clientes (26%).

O WhatsApp Business é a versão do aplicativo voltada para negócios. O software gratuito foi criado para apoiar donos de micro e pequenas empresas em diferentes tarefas no dia a dia. A versão comercial possui funcionalidades extras, como perfil empresarial, com informações úteis para os clientes, como e-mail e endereço; ferramentas de mensagens que permitem o envio de respostas rápidas e saudações; estatísticas para analisar métricas, como o número de mensagens lidas.

Antes de fazer uso da ferramenta como canal de relacionamento, o consultor do Sebrae/PR Lucas Ferreira orienta que as pequenas empresas avaliem a disponibilidade que possuem para responder e interagir com os clientes de maneira ágil. “Quando uma empresa disponibiliza um e-mail como canal de relacionamento, o cliente tem a expectativa de que seja respondido em até três dias, por exemplo. Já um chat online demanda resposta imediata. Por isso, a empresa precisa analisar a capacidade que tem para dar a atenção necessária que cada canal exige”, explica.

O Sebrae reuniu algumas dicas para empreendedores interessados em utilizar a versão de negócios do WhatsApp. Confira:

Use também o WhatsApp Web

Além de poder levar o aplicativo para qualquer lugar no seu smartphone, você também pode acessar no notebook ou computador, por meio do recurso WhatsApp Web. Ainda existe a possibilidade de cadastrar o número do seu telefone fixo: basta esperar um minuto durante a instalação para a opção de validação do número com uma ligação telefônica aparecer.

Utilize respostas automáticas e etiquetas

A possibilidade de enviar respostas automáticas para o cliente no primeiro contato ou quando estiver fora do horário de atendimento - e até criar respostas rápidas digitando apenas uma letra ou caractere - é uma ótima forma de manter um bom relacionamento com os clientes.

As etiquetas permitem também organização dos processos internos do negócio, por exemplo, pedidos pendentes, pedidos enviados, pós-vendas, dentre outros.

Você pode criar catálogos

Com a versão para negócios do WhatsApp é possível criar ainda um catálogo de produtos ou serviços e compartilhar com seus contatos ou deixar ofertas disponíveis no perfil. O empresário poderá inserir imagens, descrever seus produtos e/ou serviços, informar preços, inserir um link de compra ou qualquer outra informação que julgar importante. Mas esteja atento à qualidade das imagens/filmagens, tipos de produtos catalogados e, até mesmo, com a foto do perfil da empresa. A apresentação conta muito na escolha entre uma empresa ou outra.

Respeite e preserve o cliente

Quando tiver acesso ao número de telefone do cliente, pergunte se ele gostaria de receber informações sobre sua empresa, produtos e/ou serviços. Utilize listas de transmissão ao invés da criação de grupos, isso preserva o número de celular do seu cliente.

Cuidado com o “spam”

Faça relacionamento com o cliente e ofereça conteúdo relevante para que ele lembre da sua empresa. Contudo, forçar a venda empurrando produtos pode fazê-lo “denunciar” o seu negócio – o que pode gerar o bloqueio ou banimento do perfil do negócio no WhatsApp Business.

Jovens engrossam estatísticas de desemprego no Brasil

Na contramão do censo, a dbm oferece oportunidades para jovens aprendizes no mercado de trabalho e 70% deles são efetivados

A taxa de desemprego no país está em 11,8%, de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), divulgada no último mês de setembro pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Driblar essa situação é um desafio ainda mais difícil para a população entre 18 e 24 anos. Dados apontados pelo mesmo estudo mostram que, entre os jovens, a estatística sobe para 26% — mais do que o dobro em comparação ao índice geral.

Na contramão do censo estão Guilherme Coelho, 20 anos, e João Carlos Costin, 19 anos, colaboradores da equipe da dbm, empresa paranaense especializada no desenvolvimento de tecnologias para o setor de contact center. Os dois ingressaram na companhia muito jovens, como menores aprendizes, e foram efetivados. Guilherme está na dbm há 3 anos e 7 meses, cursa administração de empresas e já ganhou algumas promoções até virar analista de control desk, seu cargo atualmente. Para ele, todo esse crescimento é sinônimo de segurança. “Estou numa empresa que pode me proporcionar um futuro promissor e meu plano é fazer carreira na dbm”, conta.

João Carlos também começou como menor aprendiz e foi efetivado após 7 meses. Já tem diploma de técnico em informática e agora faz o curso de análise de desenvolvimento de sistemas. E além do ótimo ambiente de trabalho – o alto astral é a marca registrada da empresa, segundo os colaboradores da dbm – a possibilidade de crescimento é outro fator que faz João Carlos vestir a camisa da corporação. “A chance de crescimento profissional é uma conversa recorrente por aqui e vemos que a empresa valoriza essa questão. A dbm é um lugar muito importante para mim, para minha autoestima. Eu organizo a parte técnica de todos os sistemas que serão usados pelas operações. Amo o que eu faço e ter contato com todas as pessoas do prédio inteiro é uma responsabilidade muito grande. Por isso, me orgulho do meu trabalho”, depõe.

E todo esse entusiasmo é reflexo da política da área de recursos humanos da dbm, com foco no desenvolvimento e retenção de talentos. A capacitação faz parte da filosofia da corporação, tanto para os jovens, que passam pelo estágio do primeiro emprego, como para as pessoas que estão na faixa dos 50 anos ou mais e que buscam a recolocação no mercado de trabalho.

Eliana Tartaglione, gerente de RH na dbm, explica que, os jovens aprendizes, que ingressam na companhia antes de completar 18 anos, passam por um grupo específico conhecido como job rotation, com duração de três meses, no qual têm a oportunidade de transitar por várias áreas. E quando percebem que determinado colaborador tem um perfil diferenciado e habilidades específicas, ele já é alocado nessa área na qual apresenta familiaridade e afinidade.
Mas, antes disso, esses jovens que nunca tiveram contato com o mercado de trabalho, passam por um processo de integração que irá norteá-los por toda a vida profissional. “Eles são acompanhados por uma psicóloga que os ajuda a acalmar toda essa ansiedade, gerada por uma grande mudança, que é a entrada no mercado de trabalho. Além de receberem todo esse acolhimento, os colaboradores aprendem como se portar no novo ambiente, qual a vestimenta e as formas de comunicações adequadas ao regime funcional e o que fazer para se destacar”, complementa Eliana.
Todo esse esforço por parte da companhia traz grande recompensa para a contratante e para o contratado: cerca de 70% dos menores aprendizes, que ingressa na empresa na faixa etária dos 16 anos são efetivados. Aqueles que não continuam na dbm, ao concluírem 18 anos, geralmente vão se dedicar aos estudos e procurar uma oportunidade de trabalho na sua área de atuação. Para todos eles, porém, a bagagem adquirida na dbm tem um grande peso na trajetória profissional. “Os colaboradores amadurecem e ganham segurança quando passam pelo processo de formação dos menores aprendizes. Desde o primeiro dia são acompanhados de perto por supervisores e iniciam em atividades de baixa complexidade. Assim que vão ficando mais seguros, ganham mais responsabilidade. É bem comum encontrar jovens retraídos, devido à insegurança. O acompanhamento, no dia a dia, por profissionais da área, é uma forma de reverter esse quadro. No final do processo eles estão aptos a realizar suas funções e seguir adiante na dbm ou em outra empresa”, informa Eliana.
Via de mão dupla

Todo esse trabalho de treinamento e capacitação de pessoal gera crescimento para os profissionais e para a empresa. Reter talentos é fundamental em companhias nas quais a equipe é encarada como o principal ativo. “No setor de contact center as pessoas fazem muita diferença. Sabemos a importância de investir em nossos colaboradores para que eles prestem o melhor atendimento para representar a marca dos nossos clientes. O nosso sucesso depende do comprometimento e atenção da nossa equipe”, ressalta a gerente de RH da dbm.

E se reter talentos é uma dificuldade geral das empresas, no setor de contact center esse desafio é maior ainda: “o turn over da nossa área de atuação é muito alto, porque as pessoas enxergam o setor de call center como um trabalho de passagem”, conta Eliana Tartaglione. Ela acrescenta que essa é mais uma razão para a empresa investir em ações para motivar e valorizar os colaboradores. “Sempre inovamos para satisfazer os anseios das novas gerações. Parte da nossa capacitação, por exemplo, passa pelo conceito da gamificação, que ajuda no engajamento da equipe no processo de treinamento. Na essência, a técnica é uma mistura de competição, recompensa e diversão. Ou seja, a gamificação trabalha com o lado lúdico e facilita a inclusão dos colaboradores no mundo da empresa”, finaliza.