Dia Internacional do Rosé: Henkell Freixenet seleciona rótulos e sugere harmonizações para amantes da bebida

Oferecendo a leveza e frescor de frutas vermelhas, os vinhos e espumantes rosés caíram no gosto dos brasileiros e imprimem versatilidade sem deixar o equilíbrio de lado

Clique Para Download
54EjO5YGZ4MmN6InYu02bj5SYyJXZ0BUasxWZjVHbh1WYzNXZuFmd6YDO2QDOwITMxozZlBnauc3bsBTOkNGOhZjZwcTNiBzYwkDOkRGZ1cjY0QzN1IzYjNDZGJTJjNDZGJTJ5gzNyQjRyUSO0YTMx8VL0ETLfpDM

Queridinho dos consumidores e perfeito para ser apreciado em todas as ocasiões, o vinho rosé tem sua própria data comemorativa: 25 de junho. Como uma especialista em celebrações, a Henkell Freixenet, líder mundial na produção de vinhos espumantes, selecionou alguns de seus rótulos, incluindo vinhos e espumantes, para transformar o Dia Internacional do Rosé em uma experiência ainda mais especial.

Sendo um espumante clássico do portfólio, o Cava Freixenet Rosé é produzido com uvas Garnacha e Trepat, garantindo leveza e frescor. Seu tom rosado rosa inconfundível carrega a doce fragrância de flores, amoras e framboesas, deixando no paladar a refrescância das frutas vermelhas. É perfeito para acompanhar almoços com pratos igualmente leves, como peixes, risotos e, também, sobremesas.

Usando uvas Bobal para sua produção, o espanhol Freixenet Rosado é um vinho vegano, com notas de morango e flores de laranjeira. Deixa na boca um sabor frutado, com toques de cereja e frutas cítricas, marcando todo o frescor que a bebida oferece. Ele pode ser harmonizado com aperitivos, comida italiana e japonesa, peixes e tartar.

Lançamento da marca no primeiro semestre do ano, o Trepat 2019 integra a coleção da linha Cuvée de Prestige. Limpo e fresco, de aroma complexo dominado por notas de frutas vermelhas e pães tostados, é um Cava único, produzido em estilo Blanc de Noirs, agradável e fácil de beber, sendo uma opção certeira para harmonizar saladas, frutos do mar, risotos e peixes brancos.

Em mais um lançamento, o Prosecco Mionetto Rosé é caracterizado pelo seu design elegante, garantindo ao rótulo sofisticação e modernidade. Feito com uvas Glera e Pinot Noir, originárias da Itália, é um espumante de altíssima qualidade que traz sabor frutado e um doce aroma de mel.

“Os vinhos rosés são leves, jovens e perfeitos para momentos descontraídos. Nossos rótulos imprimem muito bem o conceito da bebida. São ótimos para acompanhar as refeições, mas, também são bons para se beber sozinhos. Essa versatilidade nos abre um leque maior de harmonizações e possibilidades para degustar esses vinhos, tanto em datas especiais, como no dia a dia”, comenta Clara Mei, sommelier da Henkell Freixenet Brasil.

Os rótulos estão disponíveis para venda em supermercados, empórios especializados e, especialmente, no e-commerce oficial da marca.

Sobre a Henkell Freixenet:

Em 2018, a espanhola Freixenet, uma das maiores produtoras de Cavas do mundo há mais de 150 anos, e a alemã Henkell, empresa com mais de 190 anos de história no mercado, se fundiram, tornando-se a Henkell Freixenet, líder mundial no setor de espumantes. A fusão permitiu que o grupo ampliasse seu portfólio, trazendo vinhos modernos da linha IHeart, além de espumantes das marcas Henkell e Mionetto - alcançando novos mercados e canais de distribuição. Atualmente, no portfólio da marca no país, estão disponíveis vinhos italianos e espanhóis como Solar Viejo (D.O. Rioja), Valdubón (D.O. Ribera del Duero e D.O. Rueda), Orube (D.O. Rioja) e Vionta (D.O. Rias Baixas), os rótulos Cordón Negro, Carta Nevada e Cordón Rosado, o Freixenet Vintage Brut Nature (sem adição de açúcar), Freixenet Zero Álcool, a linha Ice (para degustar com gelo) e a coleção Premium, Elyssia Gran Cuvée, Elyssia Pinot Noir e Reserva Real, que pode ser comparada aos melhores champagnes do mundo.

Dia Internacional do Aperto de Mão (21/6): “Soquinho” não é cumprimento ideal na pandemia

No ambiente corporativo, aperto de mão, que é sinal de confiança e negócio fechado, precisou ser ressignificado e deu lugar a novas formas de fortalecer vínculos e engajar

A pandemia da Covid-19 impôs novas formas de trabalho, convivência e até mesmo de cumprimentar as pessoas. O tão utilizado aperto de mão que já foi sinônimo de boas-vindas, confiança e negócio fechado também precisou ser deixado de lado. O gesto, que segundo historiadores, já é utilizado há mais de 3 mil anos, acabou se tornando um risco maior de contaminação pelo coronavírus. A maioria das pessoas acaba adotando o “soquinho” para substituir esse gesto que é sinônimo de reciprocidade e confiança. Mas, ele também pode ser um risco à saúde.

Os médicos alertam que as mãos oferecem muitos perigos porque “capturam” as bactérias e vírus presentes em objetos manipulados. “O habitual soquinho que substituiu o aperto de mão apresenta risco menor. Mas o ideal é que, quando as pessoas se encontrarem, usem o cotovelo para cumprimentar ou apenas um aceno. Ainda precisamos ter paciência e manter os cuidados para evitar a infecção pela Covid-19”, alerta o cardiologista do Hospital Marcelino Champagnat, Gustavo Lenci.

Home office

E se há um ambiente em que o aperto de mão era rotina é o ambiente corporativo. Em reuniões entre equipes, negociações com clientes, fechamento de parcerias. Essa foi só mais uma das adaptações impostas pela Covid-19. Em 16 meses de pandemia e de trabalho remoto o gesto precisou ser ressignificado e deu lugar a novas formas que profissionais e gestores encontraram para fortalecer vínculos e engajar a equipe.

Reuniões virtuais que funcionam como “momento do cafezinho”, grupo de conversas voltadas para o compartilhamento de momentos familiares, dicas de vinhos e, até mesmo, a fabricação caseira de biscoito com direito a entrega “pessoal” de lembranças na casa dos colaboradores, mesmo dos que moram em outros estados. Essas foram algumas das formas que o diretor de Auditoria Interna, Riscos e Compliance do Grupo Marista, Renato Lara, encontrou para se aproximar da equipe na pandemia. “No último Natal, eu e meu filho fomos vestidos de Papai Noel entregar biscoitos para todos os colaboradores da minha equipe. Chegamos a ir até São Paulo e foi muito recompensador. Nosso grupo no whatsapp, que já existia antes da pandemia para compartilharmos assuntos mais pessoais, acabou ganhando ainda mais força. É uma maneira que encontramos de estarmos próximos”, explica.

Já o diretor financeiro do grupo, Maurício Zanforlin, aposta na verbalização dos sentimentos, no aumento da frequência das conversas com a equipe e na empatia para tentar amenizar a falta do aperto de mão e do convívio presencial. “Nós precisamos ser mais sensíveis e flexíveis à realidade do outro. Expressar nossos sentimentos de confiança e de agradecimento com palavras ou até mesmo ‘emojis’, que ganharam ainda mais espaço no mundo virtual”, argumenta. “Os momentos de espiritualização sobre o nosso papel, e como podemos ser melhores, ganharam uma importância muito grande em nossos encontros on-line”, complementa.

Segurança emocional

Segundo dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), mais de 7,3 milhões de profissionais estão atuando de forma remota no Brasil. Garantir a estrutura organizacional, equipe engajada e produtiva tem sido cada vez mais desafiador para os gestores. E agora as empresas se dedicam novamente a pensar em como será a rotina num possível formato de trabalho híbrido.

Os desafios são muitos, mas a clareza e a profundidade da comunicação, o fortalecimento dos vínculos, os momentos de descontração e de criatividade também podem ser prejudicados nesses processos ainda incertos. “Não existe fórmula mágica, mas as empresas precisam criar cada vez mais espaços de segurança psicológica que sirvam de alicerce para que os indivíduos possam expressar seus sentimentos e pensamentos. Para que consigam se sentir inteiros dentro da organização, vistos e ouvidos não apenas como colaboradores, mas como pessoas”, ressalta a gestora de talentos do grupo, Lucia Lima Coelho.

Sobre o Grupo Marista

O Grupo Marista faz parte da Província Marista Brasil Centro-Sul, unidade administrativa do Instituto Marista, que foi idealizada em 1817 por Marcelino Champagnat, na França. Presente no Paraná, Santa Catarina, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Distrito Federal e na cidade de Goiânia, o Grupo Marista atua nas áreas da educação – com Colégios Maristas, Escola Champagnat, Marista Escolas Sociais e FTD Educação - e saúde, por meio de seus Hospitais Marcelino Champagnat e Universitário Cajuru, trabalhando por um mundo melhor, mais humano e mais solidário, promovendo a vivência e a disseminação de valores humanos, cristão e Maristas. Mais informações: www.grupomarista.org.br