Estresse e ansiedade provocados pela pandemia aumentam fatores de risco para infarto do coração

Hipertensão arterial, aumento dos níveis de gordura no sangue e da glicemia são alguns dos principais fatores de risco para doenças cardiovasculares que podem ser descontrolados com alterações emocionais

A pandemia da Covid-19 causou muitas mudanças repentinas na rotina das pessoas, principalmente, em relação ao trabalho e ao estilo de vida, trazendo também como consequência impactos para a saúde mental. Sintomas como estresse, alteração no sono, medo, ansiedade e preocupação excessiva passaram a aparecer em pessoas que nunca antes tinham relatado esses problemas. Um estudo realizado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em meados de 2020, mostrou que 80% da população brasileira tornou-se mais ansiosa depois da pandemia.

Segundo o cardiologista do Hospital Santa Cruz, Dr. Rafael Luis Marchetti (CRM-PR 27.361, RQE 26.361/26.367), o estresse e outras alterações emocionais provocadas pelas situações vividas durante a pandemia contribuem para o descontrole dos principais fatores de risco para doenças cardiovasculares, principalmente o infarto do coração.

“O confinamento, o isolamento social e a falta de atividade física geralmente estão associados à mudança para pior no padrão alimentar e no hábito do sono. O estresse também provoca aumento dos níveis de adrenalina circulando, o que por sua vez aumenta os níveis da pressão arterial. Como consequência disso tudo, surge a hipertensão arterial, o aumento dos níveis de gordura no sangue, obesidade e aumento da glicemia, que são fatores de risco para infarto e AVC”, explica o cardiologista.

Outros estudos também mostram que, durante a pandemia, o número de mortes por doenças cardiovasculares aumentou significativamente, assim como o número de paradas cardíacas fora do ambiente hospitalar. O cardiologista explica que a demanda por consultas eletivas ou exames de acompanhamentos cardíacos nos últimos meses diminuiu.

“No início da pandemia houve uma forte recomendação para ficar em casa e evitar o hospital a qualquer custo. Boa parte da população evitou fazer consultas eletivas neste período, o que implicou em um descontrole das doenças de base como hipertensão, diabete e hiperlipidemia. Muitos pacientes também evitaram o hospital, mesmo sentindo sintomas de alerta como a dor no peito”, relata.

Diante das recomendações dos órgãos competentes para evitar o contágio da Covid-19, o cardiologista ainda reforça que os portadores de doenças cardiovasculares precisam ter cautela, mas lembra que as doenças cardiovasculares continuam sendo a principal causa de mortalidade no mundo.

Atenção aos sinais

Além das complicações dos fatores de risco em pacientes cardiopatas, o estresse e a ansiedade, considerados fatores psicossociais, também desencadeiam outros efeitos negativos no corpo que podem aumentar a incidência de infartos. De acordo com coordenador da Cardiologia do Hospital Santa Cruz, Dr. Guilherme Barreto (CRM-PR 28.621, RQE 22.974/22.995), o reconhecimento precoce de um infarto pode salvar vidas e até mesmo prevenir incapacidades no futuro.

“É possível sim que um paciente tenha um infarto de forma assintomática. Contudo, os principais sintomas de alerta são dor no peito e falta de ar. Eles também podem surgir como sensação de peso no peito, irradiado para a ombros e braços, dores inespecíficas no estômago e associados a sudorese e náuseas. Nestes casos, a probabilidade de ser infarto do coração é alta”, detalha o coordenador.

O especialista ainda explica que pacientes com muitos fatores de risco como hipertensão, obesidade, tabagismo e, até mesmo, histórico de infartos na família, precisam ficar ainda mais atentos. “Em caso de algum sintoma de alerta, a primeira atitude é chamar ajuda médica o mais rápido possível ou procurar a emergência de um hospital”, ressalta.

Mudança de hábitos

Para preservar o corpo e a mente, a recomendação dos especialistas é manter hábitos saudáveis como alimentação, exercício físico e a prática de hobbies. Segundo a psicóloga do Hospital Santa Cruz, Jenima Prestes, o isolamento social privou severamente a socialização entre as pessoas e a prática de atividades, mas que existem outros métodos de tratamento para as disfunções psicológicas.

“Mesmo estando em casa, podemos fazer coisas das quais gostamos e, até mesmo, dar oportunidade para novas experiências como, por exemplo, fazer um curso de violão online, visitar um museu pela internet. Ou até mesmo exercícios físicos simples de alongamentos e fortalecimento muscular. Isso também é sair da zona de conforto”, exemplifica a psicóloga.

No caso dos pacientes cardiopatas, a orientação é manter uma alimentação balanceada com frutas, legumes e verduras, evitando o excesso de gordura e alimentos que contenham muito açúcar. Assim também como evitar sentimentos e situações que tragam mais ansiedade.

Sobre o Hospital Santa Cruz

Fundado em 1966, o Hospital Santa Cruz está localizado no bairro Batel, em Curitiba (PR), e, desde junho de 2020, é unidade integrante da Rede D'Or São Luiz - maior rede de hospitais privados do país com atuação no Rio de Janeiro, São Paulo, Distrito Federal, Pernambuco, Maranhão, Bahia, Sergipe e Paraná. O Hospital Santa Cruz é considerado um centro de alta complexidade no atendimento das áreas de Oncologia, Cardiologia, Cirurgia Geral, Neurologia, Ortopedia, Pronto-Atendimento e Maternidade. Com estrutura e equipe multidisciplinares, equipamentos de última geração e um moderno centro cirúrgico, oferece cuidado de alta qualidade centrado no paciente, segurança assistencial e humanização do atendimento. É reconhecido com o selo de Acreditação com Excelência Nível III, entregue pela ONA, sendo a instituição acreditada nesta categoria por mais tempo no Estado. Mais informações em www.hospitalsantacruz.com.

Sobre a Rede D'Or São Luiz

Fundada em 1977, a Rede D'Or São Luiz é a maior rede de hospitais privados do Brasil, com presença em São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Distrito Federal, Pernambuco, Maranhão, Sergipe, Bahia e Ceará. O Grupo opera com 52 hospitais, sendo 51 próprios e um hospital sob gestão. Atualmente a Rede D'Or contabiliza 7 mil leitos operacionais, e tem planos de chegar a 11 mil até 2022. São, ao todo, 51,1 mil colaboradores e 87 mil médicos credenciados, que realizaram 1,2 milhão de atendimentos de emergência, 254 mil cirurgias, 32 mil partos e 383 mil internações nos últimos 12 meses, além de 9,6 mil cirurgias robóticas desde o início do serviço, há cinco anos. A Rede D'Or São Luiz também conta com a Oncologia D'Or, rede de clínicas especializadas em tratamento oncológico em que está presente oito estados brasileiros.

No Dia Mundial do Coração especialistas alertam para cuidados preventivos

Durante a pandemia do coronavírus, houve aumento no número de mortes por doenças cardiovasculares em todo o Brasil

Comemorado anualmente no dia 29 de setembro, o Dia Mundial do Coração faz parte do mês de prevenção e de atividades de alerta e conscientização sobre as doenças cardiovasculares, que são umas das principais causas de morte no Brasil e no mundo. A importância destas ações justifica-se pelos dados apresentados pelo Cardiômetro, ferramenta da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) que exibe em tempo real o número de óbitos por doenças do coração no país. Em 2020, até o momento, o Brasil já registra mais de 295 mil mortes.

Além dos dados do Cardiômetro, outra importante ferramenta — criada durante a pandemia do coronavírus pela Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Brasil (Arpen-Brasil) em parceria com a SBC — traz informações ainda mais preocupantes. O Portal da Transparência mostra que desde o dia 12 de março, data do primeiro óbito por Covid-19 no Brasil, houve um aumento de 27% nas mortes por doenças cardiovasculares em relação ao mesmo período do ano passado. No Paraná, este número chega a quase 11%.

De acordo com o diretor do Hospital Cardiológico Costantini, Dr. Costantino Costantini, as pessoas estão deixando de procurar atendimento médico por medo de sair de casa e, consequentemente, acabam adiando procedimentos que deveriam ser feitos com imediatismo. “Por conta da pandemia, estamos vendo muitas pessoas deixar de lado o controle cardiovascular. Notamos um aumento de mais de 50% em número de infartos em nossa instituição, comparado ao ano anterior. Alguns chegam com dores no peito que já duram quatro ou cinco meses. Isso acontece porque os pacientes deixaram de fazer os check-ups anuais necessários”.

Além disso, o confinamento e as restrições sociais agravam alguns fatores de risco para o coração, como o estresse, o sedentarismo e a obesidade. “Percebemos que essa mudança brusca na rotina faz com que os pacientes se exercitem menos. O exercício é a mola-mestra para eliminarmos as condições que levam pessoas cada vez mais jovens a ter problemas cardiovasculares. É importante controlar a obesidade, a glicemia e a hipertensão”, explica o Dr. Costantini.

Quando procurar ajuda?

O Hospital Cardiológico Costantini afirma que intensificou todos os protocolos de cuidados necessários para a não proliferação do vírus no ambiente hospitalar e que os pacientes não podem deixar o tratamento de lado. Além da prevenção, é importante buscar ajuda médica quando tiver com dores no peito que podem irradiar pelo braço e região do estômago, suor excessivo, tontura, falta de ar, indisposição gástrica, braço amortecido, dores nas costas ou na mandíbula.

“Temos que respeitar as orientações das autoridades em relação ao coronavírus para a doença não se proliferar ainda mais, porém não podemos ter medo de procurar atendimento médico quando necessitamos. É importante ressaltar que a doença cardiovascular continua sendo a principal causa de morte no Brasil”, reforça o Dr. Costantini.

16ª Caminhada do Coração

Entre os dias 21 e 28 de setembro, o Hospital Cardiológico Costantini convida a população a caminhar, seguindo as recomendações de distanciamento social das autoridades, em locais autorizados

Com o objetivo de incentivar a população a combater o sedentarismo, desde 2005, o Hospital Cardiológico Costantini realiza anualmente a Caminhada do Coração. Em 2020, porém, com a pandemia e a necessidade de se evitar aglomerações, o evento terá uma edição especial. Entre os dias 21 e 28 de setembro, semana que antecede o Dia Mundial do Coração, celebrado no dia 29, o hospital convida a todos a realizar 30 minutos de caminhada por dia ou 150 minutos dentro de uma semana, respeitando os critérios de segurança e distanciamento social.

A caminhada deverá ser realizada em local de preferência do participante, seguindo as orientações das Secretarias da Saúde e Ministério da Saúde. A indicação é para que seja em um ritmo confortável para o participante e sem ficar ofegante.

Diretor do hospital, o médico cardiologista Costantino Costantini, explica que com a impossibilidade me manter o formato tradicional da caminhada, a ideia foi manter a conscientização de prevenção da doença cardiovascular. “Não podíamos deixar esse alerta tão importante de lado. Por isso, readaptamos e convidamos vocês a caminharem no parque, na praça, no clube, no bairro, seguindo a recomendação de momento do município. Observamos um aumento de mais de 50% em casos de doenças do coração nesse período da pandemia, pessoas que deixaram de procurar atendimento médico por medo de sair de casa. É preciso estar sempre alerta para o coração”.

Para aqueles que participarem, a organização criou um selo de participação da Caminhada do Coração. Ele deve ser postado nas redes sociais ao final de cada caminhada realizada. O selo e outras orientações podem ser encontrados no Facebook e no Instagram do Hospital Cardiológico Costantini. Abaixo, você encontra as orientações gerais.

Dia Mundial do Coração

Comemorado anualmente no dia 29 de setembro, a data faz parte do mês do coração, dedicado a atividades de alerta e conscientização sobre as doenças cardiovasculares, que são umas das principais causas de morte no Brasil e no mundo. A importância destas ações justifica-se pelos dados apresentados pelo Cardiômetro, ferramenta da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) que exibe em tempo real o número de óbitos por doenças do coração no país. Em 2020, até o momento, o Brasil já registra mais de 285 mil mortes.

Orientações para realização da 16ª Caminhada do Coração - edição especial:

É recomendado que você faça uma avaliação cardiológica pré-participação antes de iniciar um programa de exercícios e/ou atividade física. Ainda mais neste momento de pandemia;
Siga as orientações dos órgãos oficiais: Ministério da Saúde, Secretarias Municipais e Estaduais de Saúde e Organização Mundial da Saúde (OMS);
As medidas de distanciamento social devem ser respeitadas. Mantenha distanciamento mínimo de 1,5 m de outras pessoas. Lembre-se que de acordo com a Lei estadual (PR) n.20189 é obrigatório o uso de máscaras;
Caminhe em um ritmo confortável, sem ficar ofegante. Divida o tempo de caminhada ao longo da semana. O objetivo é realizar pelo menos 150 min de exercício neste período;
Mantenha os cuidados com a hidratação pré, durante e pós-exercícios. Atente para a utilização de roupas e calçados adequados. Nos dias de sol, utilize protetor solar.

Hospital Cardiológico Costantini alerta para a importância de cuidar do coração durante a pandemia

Equipe médica ressalta os riscos das doenças e intensifica protocolos de cuidados

Completando 22 anos em 2020, o Hospital Cardiológico Costantini alerta a população para a importância de manter os cuidados médicos durante a pandemia do coronavírus. Com receio de procurar atendimento hospitalar, os pacientes têm descontinuado os tratamentos, o que acaba aumentando os riscos de infarto e outras doenças relacionadas ao coração.

De acordo com o diretor do Hospital, Costantino Costantini, em épocas de pandemia, fatores de risco, como estresse, sedentarismo e obesidade aumentam e é preciso ter uma atenção especial com o coração. “Se a pessoa estiver com algum sintoma de infarto, como dores no peito que podem irradiar pelo braço e região do estômago, suor excessivo, tontura, falta de ar, indisposição gástrica, braço amortecido, dores nas costas ou na mandíbula, por exemplo, é necessário que ela procure atendimento médico imediatamente”, explica o médico cardiologista.

Dados internos mostram que houve uma redução de cerca de 50% em número de consultas e exames durante a pandemia. Entretanto, o Hospital afirma que intensificou todos os protocolos de cuidados necessários para a não proliferação do vírus no ambiente hospitalar e que os pacientes não podem deixar o tratamento de lado. Para se ter uma ideia, segundo números do Cardiômetro, indicador criado pela Sociedade Brasileira de Cardiologia para mostrar o número de óbitos por doenças cardiovasculares no Brasil, foram pouco mais de 189 mil mortes pelo coração em 2020, até agora.